Provérbios 13

1 O filho sábio ouve a correção do pai; mas o zombador não escuta a repreensão.

Comentário de A. R. Fausset

Um filho sábio mostra sua sabedoria ao ouvir a instrução disciplinar de seu pai – isto é, instrução acompanhada de castigo (hebraico, muwcar ( H4148 )). Se Eli tivesse administrado tal disciplina e seus filhos a tivessem ouvido, o fim deles teria sido muito diferente ( 1 Samuel 2:25 ). [JFU, aguardando revisão]

2 Cada um comerá do bem pelo fruto de sua boca, mas a alma dos infiéis deseja a violência.

Comentário de A. R. Fausset

Cada um comerá do bem pelo fruto de sua boca. Ele desfrutará do fruto das boas palavras que usa ( Provérbios 12:14 ). Não é de se admirar que o Espírito Santo aqui trabalhe tanto para a reforma da língua; pois o apóstolo também ( Romanos 3:13 , etc.), ao dar uma anatomia da depravação humana nos membros do corpo, se concentra mais na língua do que todo o resto (Cartwright).

mas a alma dos infiéis deseja a violência – os transgressores que procuram infligir dano a outros sofrerão o fruto do dano em sua própria alma. A alma dos transgressores (incluindo todo o seu homem interior) se opõe à boca do homem bom. Eles não mostram pela boca o mal que está dentro de suas almas; mas o mês do bom homem indica o bom coração interior. Portanto, sua boca é mencionada, mas sua alma. [JFU, aguardando revisão]

3 Quem toma cuidado com sua boca preserva sua alma; mas aquele que abre muito seus lábios será arruinado.

Comentário de A. R. Fausset

( Provérbios 10:19 ; Provérbios 12:23 .) “Guarda” – ou seja, como vigias guardam os portões da cidade para impedir a entrada do inimigo ( Salmos 141:3 ). Devemos manter nossa boca longe de palavras pouco caridosas, ociosas, precipitadas, precipitadas e apaixonadas. “Guarda a sua vida”, não apenas do corpo, mas da alma ( Mateus 12:32-37 ); ‘O infortúnio é o fim de uma boca desenfreada’ (Eurípides). [JFU, aguardando revisão]

4 A alma do preguiçoso deseja, mas nada consegue ; porém a alma dos trabalham com empenho prosperará.

Comentário de A. R. Fausset

( Provérbios 11:25 .) O preguiçoso deseja abundância e não faz nada mais:ele não faz nenhum esforço diligente para realizar seu desejo. Quando o trabalho é posto de lado, os desejos são liberados; mas eles são restringidos pelo trabalho (cf. Provérbios 10:4 ). [JFU, aguardando revisão]

🔗 Para se aprofundar no assunto, leia o texto “O temor do Senhor é o antídoto contra a preguiça” do pastor batista Paulo Alves.

5 O justo odeia a palavra mentirosa, mas o perverso age de forma repugnante e vergonhosa.

Comentário Whedon

odeia a palavra mentirosa דבר שׁקר , ( debhar sheker ) uma palavra de mentira; isto é, uma calúnia palavra mentirosa ou relatório falso. Zockler considera debhar no sentido de coisa qualquer coisa enganosa; um sentido possível. Miller:“Um negócio enganoso”.

mas o perverso age de forma repugnante e vergonhosa. Causa mau cheiro e age vergonhosamente ou envergonha-se. Isso, sem dúvida, deve ser entendido metaforicamente em relatos falsos e caluniosos por ele postos em circulação, mas as expressões são fortes e podem ser prontamente compreendidas. Comp. na primeira cláusula, Provérbios 19:26 ; também, Colossenses 3:9 ; Romanos 12:9 ; Efésios 4:25 ; Levítico 19:11 . [Whedon, aguardando revisão]

6 A justiça guarda aquele que tem um caminho íntegro; mas a perversidade transtornará ao pecador.

Comentário de A. R. Fausset

A justiça guarda aquele que tem um caminho íntegro – da vida e da segurança. Ele não precisa de outras defesas.

mas a perversidade transtornará ao pecador – hebraico, ‘pecado’:o abstrato pelo concreto (cf. nota, Provérbios 10:29 ). ‘Pecado’ é o próprio elemento do pecador. Ele é escravo do pecado e recebe o salário do pecado, a morte ( Romanos 6:23 ). [JFU, aguardando revisão]

7 Há alguns que fingem ser ricos, mesmo nada tendo; e outros que fingem ser pobres, mesmo tendo muitos bens.

Comentário de A. R. Fausset

Paralelo, penso eu, a Provérbios 11:24 :“Há o que espalha, e ainda assim aumenta; e há quem retém mais do que é justo, mas tende à pobreza. ” Existem ricos que, por não usarem suas riquezas para a glória de Deus e para o bem dos homens, não obtêm nenhum bem real de suas riquezas:há também aqueles que se empobrecem gastando para a glória de Deus e o bem de cara; no entanto, eles têm tudo o que é realmente bom em riquezas, e são considerados ricos por Deus (cf. Apocalipse 2:9 , “Eu conheço a tua … pobreza (a igreja de Esmirna), mas tu és rico;” Lucas 12:21 ; 1 Timóteo 6:18 ; Tiago 2:5) Uma viúva tão rica diante de Deus foi aquela que “de sua penúria” lançou no tesouro do Senhor “todos os seus viventes” ( Lucas 21:4 ). Pelo contrário, a igreja de Laodicéia, “rica e enriquecida” em sua própria estima, era na estima de Deus “miserável, miserável e pobre”. Gejer, (Grotius, etc., explica:’Há pessoas que fingem ser ricas, mas o tempo todo não têm nada’ (cf. nota, Provérbios 12:9 , final):pobres e orgulhosos ao mesmo tempo. ‘E há aqueles que se fingem pobres, embora o tempo todo tenham grandes riquezas.’ [JFU, aguardando revisão]

8 O resgate da vida de cada um são suas riquezas; mas o pobre não ouve ameaças.

Comentário de A. R. Fausset

Se a vida do homem rico está em perigo, muitas vezes ele pode se redimir por meio de suas riquezas ( Provérbios 10:15 ; Provérbios 18:11 ); mas os pobres nunca ‘ouvem’ ameaças – ou seja, os pobres não estão expostos a ameaças ou inveja que afetem a segurança de suas vidas. Sobre tal “repreensão” cf. Isaías 30:17 . Os ricos se livram do perigo:os pobres estão livres dele. Se as riquezas têm suas vantagens, a pobreza também tem suas vantagens. Juvenal diz, (Cantabit vacuus coram latrone viator), ‘O viajante que não tem nada a perder pode cantar na cara do salteador.’ Os piedosos pobres, acima de tudo, ‘não ouvirão repreensão’ no grande dia do Senhor ( Isaías 25:8 ; Jó 3:18 ). [JFU, aguardando revisão]

9 A luz dos justos se alegra, mas a lâmpada dos perversos se apagará.

Comentário de A. R. Fausset

A luz dos justos se alegra – brilha com alegria. “A luz dos justos” é aquela da piedade, alegria, paz e bem-aventurança que, começando aqui, é aperfeiçoada na vida futura ( Mateus 5:16 ; Salmos 97:11 ; Salmos 112:4 ; Provérbios 4 :18 ). É como o sol, sempre brilhando desde a manhã até o meio-dia.

mas a lâmpada dos perversos se apagará. A pequena e tênue centelha de prosperidade que os ímpios têm agora, será apagada, como uma “lâmpada” que logo se apaga; ao passo que os justos brilham como a luz do sol, permanente e universalmente ( Jó 18:5 ; Jó 21:17 ). [JFU, aguardando revisão]

10 A arrogância só produz brigas; mas com os que aceitam conselhos está a sabedoria.

Comentário de A. R. Fausset

A arrogância só produz brigas. O “único” é juntado por Maurer, Castalio, etc., não ao “orgulho”, que segue imediatamente, mas ao “vem contenção” – literalmente, alguém dará contenção. O orgulho só causa contendas. Só vem a contenda pelo orgulho. O orgulho não conduz a nada mais do que incitar o orgulhoso à contenda. Agrava o pecado das contendas assim causadas, que surgem, não de raiva ou provocação repentina, mas de mero orgulho. O orgulhoso não tem a “sabedoria” para aceitar o “conselho” dos outros (a cláusula paralela fornece essas palavras e idéias); assim, em conversa com outros, eles “contendem” com todos os que não se rendem a eles. A versão em inglês, entretanto, juntando “apenas” com a palavra hebraica próxima na ordem, fornece a conexão mais provável. Se não fosse por orgulho não haveria contenda, mas o orgulho impede que qualquer uma das partes confesse que está errada; então a contenda é iniciada e continuada.

mas com os que aceitam conselhos está a sabedoria. Em Provérbios 11:2 , é “com os humildes a sabedoria.” Os “bem aconselhados” são aqueles que, por humildade, não se orgulham de aceitar conselhos ou ceder à opinião superior de outrem. Como os “bem informados” se opõem ao “orgulho” – isto é, os orgulhosos-so “sabedoria” se opõem à “contenção”. Pois “a sabedoria que vem do alto” não é apenas “pura”, mas também “pacífica, gentil e fácil de ser suplicada” ( Tiago 3:17 ). “Sabedoria” é a causa da “humildade”. [JFU, aguardando revisão]

11 A riqueza ganha sem esforço será perdida; mas aquele que a obtém pelas próprias mãos terá cada vez mais.

Comentário de A. R. Fausset

Literalmente, ‘riqueza da (hebraico, min ( H4480 )) vaidade’ ( Provérbios 10:2 ; Provérbios 20:21 ). A “vaidade” aqui corresponde a “mão frouxa (enganosa)”, Provérbios 10:4 , onde cf. Nota. “Aquele que trata com mão indolente empobrece”. Assim, está em oposição a “aquele que ajunta com a mão” na cláusula paralela. Riqueza mal obtida logo se esgota; mas a riqueza obtida pelo trabalho honesto permanece certa. A “mão” aqui representa todas as formas honrosas de indústria e se opõe à “vaidade”. [A preposição hebraica como em alguns manuscritos,H5703 ), até a mão; em outros manuscritos, `al ( H5921 ), sobre ou sob a mão – isto é, sob a custódia diligente ( 1 Samuel 17:22 ; 2 Crônicas 12:10 ). O sentido com ou por surge da ideia de dependência de:então o hebraico é usado, Gênesis 27:40 , “Por (literalmente, sobre) tua espada viverás.” Portanto, aqui, ‘Aquele que ajunta dependendo do trabalho.’] Aquele que ajunta com incansável assiduidade e por meios legítimos, aumentará. [JFU, aguardando revisão]

12 A esperança que demora enfraquece o coração, mas o desejo cumprido é como uma árvore de vida.

Comentário de A. R. Fausset

( Provérbios 3:18 .) A verdadeira sabedoria nos admoesta a colocar nossas esperanças, não nas coisas insatisfatórias da terra, mas no aquilo que, embora nossa esperança seja exercida com longa espera, não nos decepcionará no final, mas será como “a árvore da vida” no meio do “Paraíso de Deus” ( Apocalipse 2:7 ; Habacuque 2:3 ; Hebreus 10:37 ). [JFU, aguardando revisão]

13 Quem despreza a boa palavra perecerá; mas aquele que teme ao mandamento será recompensado.

Comentário de A. R. Fausset

Hebraico, ‘será destruído para si mesmo’ [ baixo (H3807a)]:tudo o que obterá para si mesmo será a destruição. Ou então, ele será destruído por isso – isto é, por desprezá-lo. O caldeu, siríaco e árabe, traduzem, ‘por ele’. Maurer traduz, ‘torna-se sujeito a isso’ – ou seja, à punição que é infligida a seus violadores. Assim, Esaú “desprezou (seu) direito de primogenitura” e tornou-se sujeito à punição correspondente ( Gênesis 25:34 ). Assim, os desprezadores do convite do Senhor ( Lucas 14:18 ). Também os judeus que “desprezaram as palavras de Deus, de modo que a ira do Senhor se levantou, contra o Seu povo,2 Crônicas 36:16 ). “Será recompensado” ( yªshulaam ( H7999 )):não como margem, ‘estará em paz’ ​​(pois na conjuração Pual este verbo hebraico geralmente não tem este sentido, mas aquele da versão em inglês). [JFU, aguardando revisão]

14 A doutrina do sábio é manancial de vida, para se desviar das ciladas da morte.

Comentário de A. R. Fausset

“A doutrina dos sábios” é a lei de Deus, que os sábios seguem e que tiram da sua “boca” como “fonte de vida”, presente e eterna para os outros ( Provérbios 10:11 ; Salmos 36:9 ) Sobre “as armadilhas da morte”, cf. Salmos 18:5 . [JFU, aguardando revisão]

15 O bom entendimento alcança o favor, mas o caminho dos infiéis é áspero.

Comentário de A. R. Fausset

O bom entendimento alcança o favor – tanto para com Deus como para os homens.

mas o caminho dos infiéis é áspero – acidentado; literalmente, áspero, como solo impróprio para cultivo ( Deuteronômio 21:4 ). O caminho dos transgressores é aquele que não produz fruto do favor de Deus ou de homens bons para eles; nem produzirá o fruto precioso da vida eterna, finalmente, que o “bom entendimento” (isto é, conhecimento doutrinário experimental e prático da verdade) produzirá. [JFU, aguardando revisão]

16 Todo prudente age com conhecimento, mas o tolo espalha sua loucura.

Comentário de A. R. Fausset

Todo prudente age com conhecimento – age com julgamento, não sem consideração.

mas o tolo espalha sua loucura – a trai ao se ocupar de seus negócios precipitadamente, sem conhecimento ou conselho, ou consideração pelo lugar, tempo ou pessoas com quem ele tem que lidar; ao passo que o “homem prudente” não diz ou faz todas as coisas ao mesmo tempo e junto, e em todos os lugares, mas prudentemente considera o que é adequado ao lugar, ao tempo e às pessoas (T. Cartwright). [JFU, aguardando revisão]

17 O mensageiro perverso cai no mal, mas o representante fiel é como um remédio.

Comentário de A. R. Fausset

O mensageiro perverso cai no mal. Um mensageiro que não executa sua ‘embaixada’ ‘fielmente’, “cai” na penalidade de sua infidelidade.

mas o representante fiel é como um remédio – tanto para si mesmo como para aqueles por quem é enviado. Maus governantes e seus maus ministros ou agentes são ambos amaldiçoados por Deus (cf. 1 Samuel 22:17-18 , com Salmos 52:1-9 , título; 2 Reis 1:9-14 ). [JFU, aguardando revisão]

18 Haverá pobreza e vergonha ao que rejeita a correção; mas aquele que atende à repreensão será honrado.

Comentário de A. R. Fausset

Haverá pobreza e vergonha ao que rejeita a correção – instrução disciplinar, correção. A ‘instrução disciplinar’ é necessária para aprender qualquer ofício ou profissão honesta. Aquele que recusa a disciplina exclui-se de um meio de vida e se envolve na “pobreza”.

mas aquele que atende à repreensão será honrado – diante de Deus e freqüentemente diante dos homens. “Atenciosamente”, atentamente e de forma prática; não apenas suportando-o com calma, mas lucrando com ele, e abstendo-se dos pecados que eram a causa dele. “Honrado” contrasta com “vergonha” e com “pobreza”, que geralmente é vista com desprezo. Os piedosos nem sempre são enriquecidos, mas têm certeza, aqui ou depois, de “serem honrados”. [JFU, aguardando revisão]

19 O desejo realizado agrada a alma, mas os tolos abominam se afastar do mal.

Comentário de A. R. Fausset

Compare Provérbios 13:12 :”Quando o desejo vem, é árvore da vida.” Um cânone de interpretação em Provérbios é:Em cláusulas antitéticas, um membro oposto é freqüentemente suprimido em uma cláusula e deve ser suprido da oposição do outro membro na cláusula correspondente (Gataker). Assim, aqui, o desejo do sábio ou do bem sendo realizado por seu afastamento do mal é doce para sua alma; mas, como é abominação para os tolos afastar-se do mal, seu desejo não sendo realizado não é doce, ou melhor, “adoece o coração” ( Provérbios 13:12 ). Compare Salmos 145:19, “O Senhor cumprirá o desejo dos que O temem.” Como os sábios desejam possuir o verdadeiro bem e, afastando-se do mal, alcançam-no, de modo que seja “doce para a alma”; assim, os tolos desejam a posse do que é bom e “doce para a alma”:mas como eles não se afastam do mal, eles falham em alcançar o que é “doce para a alma”, mas terão tristeza amarga e eterna. Como se fossem dois pacientes, ambos desejando saúde; aquele que evita os alimentos proibidos e usa a borra prescrita para recuperar a saúde, para sua alegria; o outro, não gostando dos remédios e satisfazendo seu apetite, não se recuperaria e morreria (Gejer). A razão pela qual os tolos abominam para se afastar do mal é porque o mal é doce para eles, e eles gostam de satisfazer suas próprias paixões e luxúrias. [JFU, aguardando revisão]

20 Quem anda com os sábios se torna sábio; mas aquele que acompanha os tolos sofrerá.

Comentário de A. R. Fausset

Quem anda com os sábios se torna sábio. Portanto, o texto massorético diz [ howleek ( H1980 ) … yechªkaam ( H2449 )]. Mas o Kethibh, ou texto hebraico, diz imperativamente, ‘Ande … seja sábio’ [haalowk … yechªkaam, o infinitivo absoluto, para o imperativo].

mas aquele que acompanha os tolos sofrerá. ‘Mas alguém se associando e tendo prazer em [ ro`eh ( H7462 )] tolos.’ Compare Provérbios 28:7 , margem (o significado literal do verbo hebraico raa`ah ( H7462 ), de onde vem “companheiro”, é alimentar; companheiros de bênção, que se alimentam juntos); Provérbios 29:3. “Destruído” – literalmente, ‘será feito mau’ e, portanto, ‘será punido com o mal’. Há uma brincadeira com os sons do hebraico em “companheiro” e “destruído”, ro`eh e roa`. O grego Theognis diz:’Tu aprenderás o bem do bom; mas se te associares com o mal, perderás até a mente que tens ‘[esthloon men gar ap’ esthla matheeseai een de kakoisi Summichthees, apoleis kai ton eonta meio-dia]. Sêneca diz:’A estrada é longa por preceito; é curto e eficaz por exemplo. ‘ O que se vê causa uma impressão mais duradoura do que o que se ouve. Assim como o ar ruim prejudica a saúde mais forte, a associação com o ar ruim prejudica a melhor mente. [JFU, aguardando revisão]

21 O mal perseguirá os pecadores, mas os justos serão recompensados com o bem.

Comentário de A. R. Fausset

mal– ou seja, a punição do mal; não apenas a censura da consciência, mas também a punição positiva do mal de Deus, como uma sombra segue um corpo, ou um cão de caça sua presa. Além disso, sugere-se que o mal é feito por Deus como sua própria punição ( Apocalipse 22:11 ). Por outro lado, “bom” torna-se sua própria recompensa para os bons, além da recompensa positiva que Deus designa ( Isaías 3:9-11 ).

serão recompensados com o bem – Ou ‘o bem retribuirá o justo’. [JFU, aguardando revisão]

22 O homem de bem deixará herança aos filhos de seus filhos; mas a riqueza do pecador está reservada para o justo.

Comentário de A. R. Fausset

O homem de bem deixará herança aos filhos de seus filhos – isto é, presumindo que os filhos e netos ensinados pelo homem bom sigam seus passos.

mas a riqueza do pecador está reservada para o justo. Este é um exemplo do princípio em Provérbios 13:21 . A expressão “está acumulado” implica que há maneiras ocultas pelas quais Deus sustenta os piedosos, embora eles não vejam com os olhos nem possam compreender com a mente (T. Cartwright). [JFU, aguardando revisão]

23 A lavoura dos pobres gera muita comida; mas há alguns que se destroem por falta de juízo.

Comentário de A. R. Fausset

A lavoura dos pobres gera muita comida – ‘nas terras recém-cultivadas dos pobres’; na terra que eles recentemente destruíram com trabalho árduo e honesto.

mas há alguns que se destroem por falta de juízo. Pela regra de interpretação pelo contraste dos opostos, e pelo fornecimento do membro em falta em uma cláusula de seu oposto expresso na outra cláusula, o sentido é, Mas há comida (isto é, riqueza) possuída por homens ricos, que é destruída por falta de honestidade (literalmente, julgamento ou justiça) em sua aquisição e emprego. O trabalho (honesto) do pobre contrasta com a “falta de justiça” do rico em suas aquisições. ‘A terra recém-cultivada’ dos pobres constitui o contraste com as posses do homem rico por algum tempo. A “muita comida” dos pobres, obtida por trabalho honesto, é oposta à ‘comida destruída’ do homem rico ( Provérbios 16:8 ; Jeremias 17:11 ;; Ezequiel 22:29 , margem). [JFU, aguardando revisão]

24 Aquele que retém sua vara odeia a seu filho; porém aquele que o ama, desde cedo o castiga.

Comentário de A. R. Fausset

porém aquele que o ama, desde cedo o castiga – isto é, cedo, diligentemente, meticulosamente, enquanto o menino ainda está tenro; assim que a corrupção do menino começar a brotar. A árvore deve ser dobrada enquanto jovem. A punição é seguir o pecado tão cedo para evitar que o hábito do pecado seja formado – literalmente, ‘cedo busca correção (disciplina) para ele’ (Gesenius, Mercer). Gejer e Maurer usam o sufixo hebraico, ‘logo procura’ – a saber, ‘correção’. [JFU, aguardando revisão]

25 O justo come até sua alma estar saciada; mas o ventre dos perversos passará por necessidade.

Comentário de A. R. Fausset

O justo come até sua alma estar saciada ( Provérbios 10:3 ), pela bênção e bondosa providência de Deus. O pouco que os justos têm é, por assim dizer, muito, porque se contentam com sua sorte e recebem todas as coisas das mãos do Senhor. O Senhor sempre proverá para eles o que é para seu verdadeiro bem.

mas o ventre dos perversos passará por necessidade.. Eles nunca ficam satisfeitos, porque não medem seus desejos pela natureza, mas pela opinião, que não tem limites (Mariana). Além disso, o Senhor os punirá, aqui ou no futuro, entregando-os à luxúria insaciável, sem os meios de gratificá-la. [JFU, aguardando revisão]

<Provérbios 12 Provérbios 14>

Visão geral de Provérbios

“O livro de Provérbios convida as pessoas a viverem com sabedoria e temor ao Senhor a fim de experimentarem a boa vida”. Tenha uma visão geral deste livro através de um breve vídeo produzido pelo BibleProject. (8 minutos)

🔗 Abrir vídeo no Youtube.

Leia também uma introdução ao livro dos Provérbios.

Todas as Escrituras em português citadas são da Bíblia Livre (BLIVRE), Copyright © Diego Santos, Mario Sérgio, e Marco Teles – fevereiro de 2018.