Bíblia, Revisar

2 Crônicas 12

Mensagem importante
Olá visitante do Apologeta! Vou direto ao ponto: peço que você me ajude a manter este projeto. Atualmente a renda gerada através dos anúncios são insuficientes para que eu me dedique exclusivamente a ele. Se cada pessoa que ler essa mensagem hoje, doar o valor de R$10.00, eu poderia me dedicar integralmente ao Apologeta pelo próximo ano e ainda remover todas as propagandas do site (que eu sei que são um pouco incômodas). Tenho um propósito ousado com este site: traduzir e disponibilizar gratuitamente conteúdo teológico de qualidade. O que inclui um dicionário bíblico completo (+4000 verbetes) e comentário de todos os 31.105 versículos da Bíblia. Faça parte deste projeto e o ajude a continuar crescendo. Obrigado!

Roboão, abandonando a Deus, é punido por Sisaque

1 E quando Roboão havia confirmado o reino, deixou a lei do SENHOR, e com ele todo Israel.

quando Roboão havia confirmado o reino – (veja em 2Cr 11:17). Durante os primeiros três anos de seu reinado, sua influência real foi exercida no encorajamento da verdadeira religião. Segurança e facilidade levaram ao declínio religioso, que, no quarto ano, terminou em apostasia aberta. O exemplo da corte foi rapidamente seguido por seus súditos, pois “todo o Israel estava com ele”, isto é, as pessoas em seu próprio reino. No ano seguinte, o quinto de seu reinado, a punição foi infligida pela invasão de Sisaque.

2 E no quinto ano do rei Roboão subiu Sisaque rei do Egito contra Jerusalém, (porquanto se haviam rebelado contra o SENHOR,)

Sisaque rei do Egito contra Jerusalém – Ele foi o primeiro rei do vigésimo segundo ou dinastia bubástica. Qual foi a causa imediata desta invasão? Se foi em ressentimento por alguma provocação do rei de Judá, ou em busca de visões ambiciosas de conquista, não é dito. Mas o exército invasor era uma vasta horda, pois Sisaque trouxe junto aos seus nativos egípcios um imenso número de auxiliares estrangeiros.

3 Com mil e duzentos carros, e com sessenta mil cavaleiros: mas o povo que vinha com ele do Egito, não tinha número; a saber, de líbios, suquitas, e etíopes.

suquitas – Alguns acham que estes eram os árabes quenitas, moradores de tendas, mas outros afirmam que esses eram trogloditas árabes, que habitavam as cavernas de uma cadeia montanhosa na costa ocidental do Mar Vermelho.

e etíopes – das regiões ao sul do Egito. Pela esmagadora força dos números, eles tomaram as fortalezas de Judá, que haviam sido recentemente colocadas em um estado de defesa, e marcharam para sitiar a capital. Enquanto Sisaque e seu exército estavam diante de Jerusalém, o profeta Semaías dirigiu-se a Roboão e aos príncipes, traçando essa calamidade para a apostasia nacional e ameaçando-os com total destruição em consequência de ter abandonado a Deus (2Cr 12:6).

4 E tomou as cidades fortes de Judá, e chegou até Jerusalém.
5 Então veio Semaías profeta a Roboão e aos príncipes de Judá, que estavam reunidos em Jerusalém por causa de Sisaque, e disse-lhes: Assim disse o SENHOR: Vós me deixastes, e eu também vos deixei em mãos de Sisaque.
6 E os príncipes de Israel e o rei se humilharam, e disseram: Justo é o SENHOR.

os príncipes de Israel – (compare 2Cr 12:5, “os príncipes de Judá”).

7 E quando viu o SENHOR que se haviam humilhado, foi palavra do SENHOR a Semaías, dizendo: Humilharam-se; não os destruirei; antes os salvarei em breve, e não se derramará minha ira contra Jerusalém por mão de Sisaque.

quando viu o SENHOR que se haviam humilhado – Seu arrependimento e contrição foram seguidos pelos melhores efeitos; pois Semaías foi comissionado para anunciar que o frasco do julgamento divino não seria totalmente derramado sobre eles – que a completa derrubada do reino de Judá não ocorreria naquele tempo, nem pela ação de Sisaque; e ainda, embora devesse desfrutar de uma pausa da subversão total, [Judá] deveria se tornar uma província tributária do Egito, a fim de que o povo pudesse aprender quanto mais leve e melhor é o serviço de Deus do que o de déspotas estrangeiros idólatras.

8 Porém serão seus servos; para que saibam que é servir a mim, e servir aos reinos das nações.
9 Subiu, pois, Sisaque, rei do Egito a Jerusalém, e tomou os tesouros da casa do SENHOR, e os tesouros da casa do rei; tudo o levou: e tomou os paveses de ouro que Salomão havia feito.

surgiu contra Jerusalém – Após a sentença entre parênteses (2Cr 12:5-8) descrevendo os sentimentos e o estado da corte sitiada, o historiador retoma sua narrativa do ataque a Jerusalém, e a consequente pilhagem tanto do templo quanto do palácio .

ele tomou tudo – isto é, tudo de valor que encontrou. O custo dos alvos e escudos foi estimado em cerca de US $ 1.200.000 [Napier, Ancient Workers in Metal].

paveses de ouro – feitos por Salomão, foram mantidos na casa da floresta do Líbano (2Cr 9:16). Eles parecem ter sido levados, como maças, pelos guardas do palácio, quando compareceram ao rei ao templo ou a outras procissões públicas. Essas esplêndidas insígnias foram saqueadas pelo conquistador egípcio, outras eram feitas de metal inferior e mantidas na sala de guarda do palácio, para ficarem prontas para uso; como, apesar da manchada glória da corte, a velha etiqueta do estado era mantida em ocasiões públicas e solenes. Um relato dessa conquista de Judá, com o nome de “rei de Judá” na cártula do cativo principal, segundo os intérpretes, é esculpido e escrito em hieróglifos nas paredes do grande palácio de Karnak, onde pode ser visto no dia presente. Esta escultura tem cerca de dois mil e setecentos anos e é de interesse peculiar como um testemunho impressionante do Egito para a verdade da história das Escrituras.

10 E em lugar deles fez o rei Roboão paveses de bronze, e entregou-os em mãos dos chefes da guarda, os quais guardavam a entrada da casa do rei.
11 E quando o rei ia à casa do SENHOR, vinham os da guarda, e traziam-nos, e depois os voltavam à câmara da guarda.
12 E quando ele se humilhou, a ira do SENHOR se separou dele, para não destruí-lo de todo: e também em Judá as coisas foram bem.

quando ele se humilhou, a ira do SENHOR se separou dele – A promessa (2Cr 12:7) foi verificada. A providência divina preservou o reino em existência, uma reforma foi feita na corte, enquanto a verdadeira religião e piedade foram difundidas por toda a terra.

Reinado e morte de Roboão

13 Fortificou-se, pois Roboão, e reinou em Jerusalém: e era Roboão de quarenta e um anos quando começou a reinar, e dezessete anos reinou em Jerusalém, cidade que escolheu o SENHOR de todas as tribos de Israel, para pôr nela seu nome. E o nome de sua mãe foi Naamá, amonita.

Fortificou-se, pois Roboão, e reinou – A invasão egípcia foi uma mera expedição predatória, não se estendendo além dos limites de Judá, e provavelmente, por muito tempo, repelida pelos invasores. O governo de Roboão adquiriu nova vida e vigor pelo reavivamento geral da verdadeira religião, e seu reinado continuou muitos anos após a partida de Sisaque.

14 E fez o mal, porque não dispôs seu coração para buscar ao SENHOR.

Isto é, ele não aderiu firmemente ao bom curso de reforma que ele havia começado, “e ele fez o mal”, pois através da infeliz influência de sua mãe, um estrangeiro pagão, ele tinha sem dúvida recebeu em sua juventude uma forte tendência à idolatria (veja em 1Rs 14:21).

15 E as coisas de Roboão, primeiras e últimas, não estão escritas nos livros de Semaías profeta e de Ido vidente, no registro das linhagens? E entre Roboão e Jeroboão havia perpétua guerra.
16 E descansou Roboão com seus pais, e foi sepultado na cidade de Davi: e reinou em seu lugar Abias seu filho.
<2 Crônicas 11 2 Crônicas 13>

Adaptado de: Commentary Critical and Explanatory on the Whole Bible. Todas as Escrituras em português citadas são da Bíblia Livre (BLIVRE), Copyright © Diego Santos, Mario Sérgio, e Marco Teles – fevereiro de 2018.

Conteúdos recomendados