2 Crônicas 9

1 E ouvindo a rainha de Sabá a fama de Salomão, veio a Jerusalém com uma comitiva muito grande, com camelos carregados de aroma, e ouro em abundância, e pedras preciosas, para tentar a Salomão com perguntas difíceis. E logo que veio a Salomão, falou com ele tudo o que havia em seu coração.

Comentário de Robert Jamieson

E ouvindo a rainha de Sabá a fama de Salomão – (Veja 1Reis 10:1-13). Diz-se que entre as coisas em Jerusalém que atraíram a admiração do visitante real de Salomão estava “a sua ascensão pela qual subiu à casa do Senhor”. Este era o viaduto em arco que cruzava o vale desde o monte Sião até a colina oposta. No comentário sobre a passagem citada acima, alusão à recente descoberta de seus restos. Aqui nós damos um relato completo do que, por ousadia de concepções de estrutura e magnificência, foi uma das maiores maravilhas de Jerusalém. “Durante nossa primeira visita ao canto sudoeste da área da mesquita, observamos várias das grandes pedras projetando-se da parede ocidental, o que a princípio pareceu ser o efeito de um estouro da parede de algum choque ou terremoto . Nós prestamos pouca atenção a isso no momento; mas ao mencionar o fato, não muito tempo depois, a um círculo de nossos amigos, a observação foi acidentalmente descartada de que as pedras pareciam ter pertencido a um grande arco. Com essa observação, uma linha de pensamento passou pela minha mente, a qual eu mal ousei seguir até que eu tivesse novamente reparado no local, a fim de me satisfazer com meus próprios olhos quanto à verdade ou falsidade da sugestão. Eu achei mesmo assim. Os cursos dessas imensas pedras ocupam sua posição original; sua superfície externa é talhada a uma curva regular; e, montados uns sobre os outros, formam o começo ou o pé de um imenso arco que uma vez se projetou deste muro ocidental em direção ao Monte Sião, do outro lado do vale de Tyropoeon. Este arco só poderia ter pertencido à ponte, que, de acordo com Josefo, levou desta parte do templo à Xystus (colunata coberta) em Sião; e prova incontestavelmente a antiguidade daquela porção da qual brota ”[Robinson]. A distância deste ponto até a rocha íngreme de Zion Robinson é calculada em cerca de trezentos e quinze metros, o provável comprimento desse viaduto antigo. Outro escritor acrescenta que “o arco desta ponte, se sua curva fosse calculada com uma aproximação da verdade, mediria sessenta pés e deveria ter sido um dos cinco sustentando o viaduto (permitindo os abutments de ambos os lados), e que os pilares que sustentam o arco central desta ponte devem ter sido de grande altitude – não menos, talvez, que cento e trinta pés. Toda a estrutura, quando vista da extremidade sul do Tyropoeon, deve ter tido um aspecto de grandeza, especialmente em conexão com os altos e suntuosos edifícios do templo, e de Sião à direita e à esquerda ”[Isaac Taylor ‘ s Edição de Josefo de Traill]. [Jamieson, aguardando revisão]

2 Porém Salomão lhe declarou todas suas palavras: nenhuma coisa restou que Salomão não lhe declarasse.

Comentário de Keil e Delitzsch

(1-12) A visita da rainha de Sabá. compare com 1Rs 10:1-13. – Este evento é narrado como uma prova prática da extraordinária sabedoria de Salomão. A narrativa concorda tão exatamente em ambos os textos, com exceção de algumas poucas diferenças sem importância, que devemos considerá-los como extratos literais de um documento original que eles usaram em comum. Para o comentário sobre esta seção, ver em 1 Reis 10:1-13. [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

3 E vendo a rainha de Sabá a sabedoria de Salomão, e a casa que havia edificado,

Comentário de Keil e Delitzsch

(1-12) A visita da rainha de Sabá. compare com 1Rs 10:1-13. – Este evento é narrado como uma prova prática da extraordinária sabedoria de Salomão. A narrativa concorda tão exatamente em ambos os textos, com exceção de algumas poucas diferenças sem importância, que devemos considerá-los como extratos literais de um documento original que eles usaram em comum. Para o comentário sobre esta seção, ver em 1 Reis 10:1-13. [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

4 E as iguarias de sua mesa, e o assento de seus servos, e o estado de seus criados, e os vestidos deles, seus mestres-salas e seus vestidos, e sua subida por de onde subia à casa do SENHOR, não restou mais espírito nela.

Comentário de Keil e Delitzsch

(1-12) A visita da rainha de Sabá. compare com 1Rs 10:1-13. – Este evento é narrado como uma prova prática da extraordinária sabedoria de Salomão. A narrativa concorda tão exatamente em ambos os textos, com exceção de algumas poucas diferenças sem importância, que devemos considerá-los como extratos literais de um documento original que eles usaram em comum. Para o comentário sobre esta seção, ver em 1 Reis 10:1-13. [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

5 E disse ao rei: Verdade é o que havia ouvido em minha terra de tuas coisas e de tua sabedoria;

Comentário de Keil e Delitzsch

(1-12) A visita da rainha de Sabá. compare com 1Rs 10:1-13. – Este evento é narrado como uma prova prática da extraordinária sabedoria de Salomão. A narrativa concorda tão exatamente em ambos os textos, com exceção de algumas poucas diferenças sem importância, que devemos considerá-los como extratos literais de um documento original que eles usaram em comum. Para o comentário sobre esta seção, ver em 1 Reis 10:1-13. [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

6 Mas eu não cria as palavras deles, até que ei vindo, e meus olhos viram: e eis que que nem ainda a metade da grandeza de tua sabedoria me havia sido dita; porque tu excedes a fama que eu havia ouvido.

Comentário de Keil e Delitzsch

(1-12) A visita da rainha de Sabá. compare com 1Rs 10:1-13. – Este evento é narrado como uma prova prática da extraordinária sabedoria de Salomão. A narrativa concorda tão exatamente em ambos os textos, com exceção de algumas poucas diferenças sem importância, que devemos considerá-los como extratos literais de um documento original que eles usaram em comum. Para o comentário sobre esta seção, ver em 1 Reis 10:1-13. [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

7 Bem-aventurados teus homens, e ditosos estes teus servos, que estão sempre diante de ti, e ouvem tua sabedoria.

Comentário de Keil e Delitzsch

(1-12) A visita da rainha de Sabá. compare com 1Rs 10:1-13. – Este evento é narrado como uma prova prática da extraordinária sabedoria de Salomão. A narrativa concorda tão exatamente em ambos os textos, com exceção de algumas poucas diferenças sem importância, que devemos considerá-los como extratos literais de um documento original que eles usaram em comum. Para o comentário sobre esta seção, ver em 1 Reis 10:1-13. [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

8 o SENHOR teu Deus seja bendito, o qual se agradou em ti para te pôr sobre seu trono por rei do SENHOR teu Deus: porquanto teu Deus amou a Israel para firmá-lo perpetuamente, por isso te pôs por rei sobre eles, para que faças juízo e justiça.

Comentário de Keil e Delitzsch

(1-12) A visita da rainha de Sabá. compare com 1Rs 10:1-13. – Este evento é narrado como uma prova prática da extraordinária sabedoria de Salomão. A narrativa concorda tão exatamente em ambos os textos, com exceção de algumas poucas diferenças sem importância, que devemos considerá-los como extratos literais de um documento original que eles usaram em comum. Para o comentário sobre esta seção, ver em 1 Reis 10:1-13. [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

9 E deu ao rei cento e vinte talentos de ouro, e grande quantidade de aromas, e pedras preciosas: nunca havia tais aromas como os que deu a rainha de Sabá ao rei Salomão.

Comentário de Keil e Delitzsch

(1-12) A visita da rainha de Sabá. compare com 1Rs 10:1-13. – Este evento é narrado como uma prova prática da extraordinária sabedoria de Salomão. A narrativa concorda tão exatamente em ambos os textos, com exceção de algumas poucas diferenças sem importância, que devemos considerá-los como extratos literais de um documento original que eles usaram em comum. Para o comentário sobre esta seção, ver em 1 Reis 10:1-13. [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

10 Também os servos de Hirão e os servos de Salomão, que haviam trazido o ouro de Ofir, trouxeram madeira de cipreste, e pedras preciosas.

Comentário de Keil e Delitzsch

(1-12) A visita da rainha de Sabá. compare com 1Rs 10:1-13. – Este evento é narrado como uma prova prática da extraordinária sabedoria de Salomão. A narrativa concorda tão exatamente em ambos os textos, com exceção de algumas poucas diferenças sem importância, que devemos considerá-los como extratos literais de um documento original que eles usaram em comum. Para o comentário sobre esta seção, ver em 1 Reis 10:1-13. [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

11 E fez o rei da madeira de cipreste degraus na casa do SENHOR, e nas casas reais, e harpas e saltérios para os cantores: nunca em terra de Judá se havia visto madeira semelhante.

Comentário de Keil e Delitzsch

(1-12) A visita da rainha de Sabá. compare com 1Rs 10:1-13. – Este evento é narrado como uma prova prática da extraordinária sabedoria de Salomão. A narrativa concorda tão exatamente em ambos os textos, com exceção de algumas poucas diferenças sem importância, que devemos considerá-los como extratos literais de um documento original que eles usaram em comum. Para o comentário sobre esta seção, ver em 1 Reis 10:1-13. [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

12 E o rei Salomão deu à rainha de Sabá tudo o que ela quis e lhe pediu, mais de o que havia trazido ao rei. Depois se voltou e foi-se a sua terra com seus servos.

Comentário de Keil e Delitzsch

(1-12) A visita da rainha de Sabá. compare com 1Rs 10:1-13. – Este evento é narrado como uma prova prática da extraordinária sabedoria de Salomão. A narrativa concorda tão exatamente em ambos os textos, com exceção de algumas poucas diferenças sem importância, que devemos considerá-los como extratos literais de um documento original que eles usaram em comum. Para o comentário sobre esta seção, ver em 1 Reis 10:1-13. [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

Riquezas de Salomão

13 E o peso de ouro que vinha a Salomão cada um ano, era seiscentos sessenta e seis talentos de ouro,

Comentário de Robert Jamieson

o peso de ouro que vinha a Salomão cada um ano – (Veja 1Reis 10:14-29).

seiscentos sessenta e seis talentos de ouro – A soma é igual a cerca de US $ 17.000.000; e se tomarmos a proporção de prata (2Crônicas 9:14), que não é levada em consideração, de um a nove, haveria cerca de US $ 2.000.000, fazendo um suprimento anual de quase US $ 19.000.000, sendo uma grande quantia para um esforço infantil. no comércio marítimo [Napier]. [Jamieson, aguardando revisão]

14 Sem o que traziam os mercadores e negociantes; e também todos os reis da Arábia e os príncipes da terra traziam ouro e prata a Salomão.

Comentário de Keil e Delitzsch

(13-21) A receita de Salomão em ouro e o uso que ele fez dele. compare com 1Reis 10:14-22, e o comentário ali nesta seção, que é idêntico em ambas as narrativas, com exceção de algumas diferenças insignificantes. Antes de מביאים והסּחרים o pronome relativo deve ser fornecido: “e o que os mercadores trouxeram”. Quanto à derivação da palavra פּחות, que vem da forma aramaica פּחה, governador (2 Crônicas 9:14), ver em Ageu 1:1. – תּרשׁישׁ הלכות אניּות, em 2 Crônicas 9:21, navios indo para Társis, é uma paráfrase errônea de תּרשׁישׁ אניּות, navios de Társis, ou seja, navios construídos para longas viagens marítimas; pois a frota não foi para Tartessus na Espanha, mas para Ofir no sul da Arábia (veja em 1 Reis 9:26.). Todo o resto foi explicado no comentário de 1Reis 10. [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

15 Fez também o rei Salomão duzentos paveses de ouro de martelo, cada um dos quais tinha seiscentos siclos de ouro lavrado:

Comentário de Keil e Delitzsch

(13-21) A receita de Salomão em ouro e o uso que ele fez dele. compare com 1Reis 10:14-22, e o comentário ali nesta seção, que é idêntico em ambas as narrativas, com exceção de algumas diferenças insignificantes. Antes de מביאים והסּחרים o pronome relativo deve ser fornecido: “e o que os mercadores trouxeram”. Quanto à derivação da palavra פּחות, que vem da forma aramaica פּחה, governador (2 Crônicas 9:14), ver em Ageu 1:1. – תּרשׁישׁ הלכות אניּות, em 2 Crônicas 9:21, navios indo para Társis, é uma paráfrase errônea de תּרשׁישׁ אניּות, navios de Társis, ou seja, navios construídos para longas viagens marítimas; pois a frota não foi para Tartessus na Espanha, mas para Ofir no sul da Arábia (veja em 1 Reis 9:26.). Todo o resto foi explicado no comentário de 1Reis 10. [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

16 Assim trezentos escudos de ouro batido, tendo cada escudo trezentos siclos de ouro: e os pôs o rei na casa do bosque do Líbano.

Comentário de Keil e Delitzsch

(13-21) A receita de Salomão em ouro e o uso que ele fez dele. compare com 1Reis 10:14-22, e o comentário ali nesta seção, que é idêntico em ambas as narrativas, com exceção de algumas diferenças insignificantes. Antes de מביאים והסּחרים o pronome relativo deve ser fornecido: “e o que os mercadores trouxeram”. Quanto à derivação da palavra פּחות, que vem da forma aramaica פּחה, governador (2 Crônicas 9:14), ver em Ageu 1:1. – תּרשׁישׁ הלכות אניּות, em 2 Crônicas 9:21, navios indo para Társis, é uma paráfrase errônea de תּרשׁישׁ אניּות, navios de Társis, ou seja, navios construídos para longas viagens marítimas; pois a frota não foi para Tartessus na Espanha, mas para Ofir no sul da Arábia (veja em 1 Reis 9:26.). Todo o resto foi explicado no comentário de 1Reis 10. [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

17 Fez ademais o rei um grande trono de marfim, e cobriu-o de ouro puro.

Comentário de Keil e Delitzsch

(13-21) A receita de Salomão em ouro e o uso que ele fez dele. compare com 1Reis 10:14-22, e o comentário ali nesta seção, que é idêntico em ambas as narrativas, com exceção de algumas diferenças insignificantes. Antes de מביאים והסּחרים o pronome relativo deve ser fornecido: “e o que os mercadores trouxeram”. Quanto à derivação da palavra פּחות, que vem da forma aramaica פּחה, governador (2 Crônicas 9:14), ver em Ageu 1:1. – תּרשׁישׁ הלכות אניּות, em 2 Crônicas 9:21, navios indo para Társis, é uma paráfrase errônea de תּרשׁישׁ אניּות, navios de Társis, ou seja, navios construídos para longas viagens marítimas; pois a frota não foi para Tartessus na Espanha, mas para Ofir no sul da Arábia (veja em 1 Reis 9:26.). Todo o resto foi explicado no comentário de 1Reis 10. [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

18 E havia seis degraus ao trono, com um estrado de ouro ao mesmo, e braços da uma parte e da outra ao lugar do assento, e dois leões que estavam junto aos braços.

Comentário de Keil e Delitzsch

(13-21) A receita de Salomão em ouro e o uso que ele fez dele. compare com 1Reis 10:14-22, e o comentário ali nesta seção, que é idêntico em ambas as narrativas, com exceção de algumas diferenças insignificantes. Antes de מביאים והסּחרים o pronome relativo deve ser fornecido: “e o que os mercadores trouxeram”. Quanto à derivação da palavra פּחות, que vem da forma aramaica פּחה, governador (2 Crônicas 9:14), ver em Ageu 1:1. – תּרשׁישׁ הלכות אניּות, em 2 Crônicas 9:21, navios indo para Társis, é uma paráfrase errônea de תּרשׁישׁ אניּות, navios de Társis, ou seja, navios construídos para longas viagens marítimas; pois a frota não foi para Tartessus na Espanha, mas para Ofir no sul da Arábia (veja em 1 Reis 9:26.). Todo o resto foi explicado no comentário de 1Reis 10. [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

19 Havia também ali doze leões sobre os seis degraus da uma parte e da outra. Jamais foi feito outro semelhante em reino algum.

Comentário de Keil e Delitzsch

(13-21) A receita de Salomão em ouro e o uso que ele fez dele. compare com 1Reis 10:14-22, e o comentário ali nesta seção, que é idêntico em ambas as narrativas, com exceção de algumas diferenças insignificantes. Antes de מביאים והסּחרים o pronome relativo deve ser fornecido: “e o que os mercadores trouxeram”. Quanto à derivação da palavra פּחות, que vem da forma aramaica פּחה, governador (2 Crônicas 9:14), ver em Ageu 1:1. – תּרשׁישׁ הלכות אניּות, em 2 Crônicas 9:21, navios indo para Társis, é uma paráfrase errônea de תּרשׁישׁ אניּות, navios de Társis, ou seja, navios construídos para longas viagens marítimas; pois a frota não foi para Tartessus na Espanha, mas para Ofir no sul da Arábia (veja em 1 Reis 9:26.). Todo o resto foi explicado no comentário de 1Reis 10. [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

20 Todos os utensílios do rei Salomão eram de ouro, e todos os utensílios da casa do bosque do Líbano, de ouro puro. Nos dias de Salomão a prata não era de valiosa.

Comentário de Keil e Delitzsch

(13-21) A receita de Salomão em ouro e o uso que ele fez dele. compare com 1Reis 10:14-22, e o comentário ali nesta seção, que é idêntico em ambas as narrativas, com exceção de algumas diferenças insignificantes. Antes de מביאים והסּחרים o pronome relativo deve ser fornecido: “e o que os mercadores trouxeram”. Quanto à derivação da palavra פּחות, que vem da forma aramaica פּחה, governador (2 Crônicas 9:14), ver em Ageu 1:1. – תּרשׁישׁ הלכות אניּות, em 2 Crônicas 9:21, navios indo para Társis, é uma paráfrase errônea de תּרשׁישׁ אניּות, navios de Társis, ou seja, navios construídos para longas viagens marítimas; pois a frota não foi para Tartessus na Espanha, mas para Ofir no sul da Arábia (veja em 1 Reis 9:26.). Todo o resto foi explicado no comentário de 1Reis 10. [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

21 Porque a frota do rei ia a Társis com os servos de Hirão, e cada três anos faziam vir os navios de Társis, e traziam ouro, prata, marfim, macacos, e pavões.

Comentário de Robert Jamieson

Porque a frota do rei ia a Társis – em vez disso, “os navios do rei de Társis foram” com os servos de Hurão.

navios de Társis – isto é, em fardo e construção como os grandes navios construídos para ou usados ​​em Társis [Calmet, Fragmentos]. [Jamieson, aguardando revisão]

22 E excedeu o rei Salomão a todos os reis da terra em riqueza e em sabedoria.

Comentário de Keil e Delitzsch

(22-24) Em 2Cronicas 9:22-28, tudo o que restava a ser dito sobre a glória real de Salomão, suas riquezas, sua sabedoria e seus rendimentos, é resumidamente resumidamente, como em 1Reis 10:23-29. De 2Crônicas 9:25 em diante, o relato dado na Crônica diverge daquele em 1Reis 10:26., na medida em que o que é narrado em 1Reis 10:26-28 a respeito das carruagens e cavalos de Salomão, e seu comércio de cavalos com o Egito , é aqui parcialmente substituído por declarações semelhantes em importância às de 1 Reis 5, porque os primeiros assuntos já haviam sido tratados em Crônicas. 2 Crônicas 1:14-17. [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

23 E todos os reis da terra procuravam ver o rosto de Salomão, por ouvir sua sabedoria, que Deus havia posto em seu coração:

Comentário de Keil e Delitzsch

(22-24) Em 2Cronicas 9:22-28, tudo o que restava a ser dito sobre a glória real de Salomão, suas riquezas, sua sabedoria e seus rendimentos, é resumidamente resumidamente, como em 1Reis 10:23-29. De 2Crônicas 9:25 em diante, o relato dado na Crônica diverge daquele em 1Reis 10:26., na medida em que o que é narrado em 1Reis 10:26-28 a respeito das carruagens e cavalos de Salomão, e seu comércio de cavalos com o Egito , é aqui parcialmente substituído por declarações semelhantes em importância às de 1 Reis 5, porque os primeiros assuntos já haviam sido tratados em Crônicas. 2 Crônicas 1:14-17. [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

24 E destes, cada um trazia o seu presente, vasos de prata, vasos de ouro, vestidos, armas, aromas, cavalos e mulas, todos os anos.

Comentário de Keil e Delitzsch

(22-24) Em 2Cronicas 9:22-28, tudo o que restava a ser dito sobre a glória real de Salomão, suas riquezas, sua sabedoria e seus rendimentos, é resumidamente resumidamente, como em 1Reis 10:23-29. De 2Crônicas 9:25 em diante, o relato dado na Crônica diverge daquele em 1Reis 10:26., na medida em que o que é narrado em 1Reis 10:26-28 a respeito das carruagens e cavalos de Salomão, e seu comércio de cavalos com o Egito , é aqui parcialmente substituído por declarações semelhantes em importância às de 1 Reis 5, porque os primeiros assuntos já haviam sido tratados em Crônicas. 2 Crônicas 1:14-17. [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

25 Teve também Salomão quatro mil estábulos para os cavalos e carros, e doze mil cavaleiros, os quais pôs nas cidades dos carros, e com o rei em Jerusalém.

Comentário de Robert Jamieson

Teve também Salomão quatro mil estábulos – conjecturou-se [Gesenius, Léxico Hebraico] que o termo original pode significar não só barraca ou estábulo, mas um número de cavalos que ocupam o mesmo número de baias. Supondo que dez fossem reunidos em uma parte, isso daria quarenta mil. De acordo com essa teoria da explicação, o historiador em Reis refere-se a cavalos [ver 1Reis 10:26]; enquanto o historiador em Crônicas fala das barracas nas quais eles foram mantidos. Mas os críticos mais recentes rejeitam esse modo de resolver a dificuldade e, considerando as quatro mil barracas em consonância com a magnificência geral dos estabelecimentos de Salomão, concordam em considerar o texto em Reis como corrupto, através do erro de algum copista. [Jamieson, aguardando revisão]

26 E teve senhorio sobre todos os reis desde o rio até a terra dos filisteus, e até o termo do Egito.

Comentário de Keil e Delitzsch

(25-28) 2Crônicas 9:25 não corresponde à passagem 1Reis 10:26, mas em conteúdo e linguagem concorda com 1Reis 5:6, e 2Crônicas 9:26 com 1Reis 5:1. Apenas a estimativa geral das riquezas de Salomão em ouro e prata, em 2Crônicas 9:27, repetida de 2Crônicas 1:15, corresponde a 1Reis 10:27. Finalmente, em 2Crônicas 9:28 toda a descrição é arredondada; tudo o que já foi dito em 2Crônicas 1:16, 2Crônicas 1:17 quanto ao comércio de cavalos com o Egito (1Reis 10:28-29) sendo reunido em uma declaração geral. [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

27 E pôs o rei prata em Jerusalém como pedras, e cedros como os sicômoros que nascem pelas campinas em abundância.

Comentário de Keil e Delitzsch

(25-28) 2Crônicas 9:25 não corresponde à passagem 1Reis 10:26, mas em conteúdo e linguagem concorda com 1Reis 5:6, e 2Crônicas 9:26 com 1Reis 5:1. Apenas a estimativa geral das riquezas de Salomão em ouro e prata, em 2Crônicas 9:27, repetida de 2Crônicas 1:15, corresponde a 1Reis 10:27. Finalmente, em 2Crônicas 9:28 toda a descrição é arredondada; tudo o que já foi dito em 2Crônicas 1:16, 2Crônicas 1:17 quanto ao comércio de cavalos com o Egito (1Reis 10:28-29) sendo reunido em uma declaração geral. [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

28 Traziam também cavalos para Salomão, do Egito e de todas as províncias.

Comentário de Robert Jamieson

Traziam também cavalos para Salomão, do Egito – (veja em 2Crônicas 1:14). Salomão, sem dúvida, levou o reino hebreu ao seu mais alto grau de glória mundana. Sua conclusão da grande obra, a centralização do culto nacional em Jerusalém, para onde os nativos subiram três vezes por ano, deu a seu nome um lugar de destaque na história da igreja antiga. Mas seu reinado teve uma influência desastrosa sobre “o povo peculiar”, e o exemplo de suas deploráveis ​​idolatrias, as conexões que ele formou com os príncipes estrangeiros, as especulações comerciais nas quais ele entrou e os luxos introduzidos na terra parecem em grande medida ter alterado e deteriorado o caráter judaico. [Jamieson, aguardando revisão]

29 Os demais feitos de Salomão, primeiros e últimos, não está tudo escrito nos livros de Natã profeta, e na profecia de Aías silonita, e nas profecias do vidente Ido contra Jeroboão filho de Nebate?

Comentário de P. C. Barker

Natã profeta…Aías silonita…vidente Ido. Para essas autoridades originais da história, veja nossa Introdução (vol. 1. p. 8:2 e p. 9:3). A presente citação do nome de Aías em conexão com seu trabalho, e a breve alusão a ele mesmo em nossas 2 Crônicas 10:15, são as únicas aparições de Aías em Crônicas. Ele e a importância de seu trabalho são bastante claros em 1 Reis 11:28-40; 1 Reis 14:1-20. Como o compilador de Crônicas evidentemente por uma lei omite qualquer referência à deserção de Salomão, é natural que o nome e o ministério especial de Aías caiam na sombra com ele. Uniformemente é observável em Crônicas que o pessoal não é ampliado onde não é direta e indispensavelmente auxiliar da história eclesiástica e nacional. Por outro lado, o escritor de Reis não menciona Ido, o vidente, enquanto lemos sobre ele duas vezes em Crônicas (2Crônicas 12:15; 2Crônicas 13:22). [Barker, aguardando revisão]

30 E reinou Salomão em Jerusalém sobre todo Israel quarenta anos.

Comentário de Keil e Delitzsch

(30-31) A duração de seu reinado, sua morte e sepultamento e seu sucessor, como em 1 Reis 11:42. [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

31 E descansou Salomão com seus pais, e sepultaram-no na cidade de Davi seu pai: e reinou em seu lugar Roboão seu filho.

Comentário de Keil e Delitzsch

(30-31) A duração de seu reinado, sua morte e sepultamento e seu sucessor, como em 1 Reis 11:42. [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

<2 Crônicas 8 2 Crônicas 10>

Visão geral de 1 e 2Crônicas

Em 1 e 2Crônicas, “a história completa do Antigo Testamento é recontada, destacando a esperança futura do rei messiânico e do templo restaurado”. Tenha uma visão geral destes livros através de um breve vídeo produzido pelo BibleProject. (7 minutos)

🔗 Abrir vídeo no Youtube.

Leia também uma introdução aos livros da Crônicas.

Todas as Escrituras em português citadas são da Bíblia Livre (BLIVRE), Copyright © Diego Santos, Mario Sérgio, e Marco Teles – fevereiro de 2018.