Provérbios 14

1 Toda mulher sábia edifica sua casa; porém a tola a derruba com suas mãos.

Comentário de A. R. Fausset

Literalmente, ‘mulheres sábias (cada uma) edificam’, etc. Ou então, ‘a sabedoria das mulheres … a louca’, etc. “Edifica” – isto é, adorna, estabelece e faz feliz sua casa (Rute 4:11, “Raquel e Lia construíram a casa de Israel”). Tal pessoa é ensinada experimentalmente pela Palavra de Deus como se comportar com seu marido, seus filhos e seus servos. Nisto, e pela nobre descendência que Deus lhe dá, de acordo com a Sua promessa, ela “edifica a sua casa”. A mulher tola, por sua negligência, má administração, auto-indulgência e provocação do desprazer de Deus, “derruba” sua casa. [JFU, aguardando revisão]

2 Aquele que anda corretamente teme ao SENHOR; mas o que se desvia de seus caminhos o despreza.

Comentário de A. R. Fausset

A retidão e a piedade são inseparáveis, assim como a perversidade e a impiedade. A religião de cada homem deve ser avaliada por seus frutos em sua vida. Ele “despreza” a Deus que despreza a Sua Palavra:tal pessoa será desprezada por Deus ( 1 Samuel 2:30 ; 2 Samuel 12:9-10 ; Malaquias 1:6-7 ; Números 15:30-31). [JFU, aguardando revisão]

3 Na boca do tolo está a vara da arrogância, porém os lábios dos sábios os protegem.

Comentário de A. R. Fausset

(cf. Salmos 36:11 , “O pé da soberba”). A “vara da soberba” do tolo é a sua língua , com o qual ele assalta e golpeia os outros. Mas ele recua sobre si mesmo. O instrumento de punição é chamado de “vara”, não de espada; para sugerir o desprezo com que o orgulhoso deve ser visitado. O plural, “lábios”, no hebraico, é associado ao verbo singular. Os lábios – isto é, cada um dos lábios – dos sábios os preserva separadamente. [JFU, aguardando revisão]

4 Não havendo bois, o celeiro fica limpo; mas pela força do boi há uma colheita abundante.

Comentário de A. R. Fausset

Não havendo bois, o celeiro fica limpo – isto é, onde não há lavoura da terra (que no Oriente é feita por bois), não há comida. Onde não há labuta, não pode haver alimento para suprir o trabalhador. Deve haver o trabalho dos bois, se se pretende que o seu berço esteja cheio de comida.

mas pela força do boi há uma colheita abundante. Como nenhum produto é esperado se a terra não for cultivada, então onde a força do boi é requisitada, há “muito aumento”. [JFU, aguardando revisão]

5 A testemunha verdadeira não mentirá, mas a testemunha falsa declara mentiras.

Comentário de A. R. Fausset

Aquele que está acostumado a dizer a verdade em particular, você pode estar certo disso, contará a verdade como uma testemunha pública. “Falar de mentiras” – , ‘expelirá mentiras repetidamente’ (Mariana, T. Cartwight) ( Provérbios 6:19 ). [JFU, aguardando revisão]

6 O zombador busca sabedoria, mas não acha nenhuma; mas o conhecimento é fácil para o prudente.

Comentário de A. R. Fausset

O escarnecedor não a encontra, porque não a busca diligente e seriamente, e com desejo de piedade, mas como o profano Esaú buscou a bênção:nem a busca com o objetivo de obedecer à vontade de Deus ( pois se o fizesse, Deus o ensinaria, João 7:17 ), mas para obter a sanção de Deus para satisfazer seus próprios desejos ( Jeremias 42:1-20 ; Ezequiel 20:1-4 ), e para divertir sua mente com a eloqüência dos ministros de Deus ( Ezequiel 33:31-32) Ele também não busca na hora certa ou no dia da graça, mas apenas quando os perigos estão iminentes. Ele desprezou a sabedoria dos piedosos quando poderia tê-la; portanto, agora que ele o deseja, não o encontrará. Além disso, ele não o busca pelos meios certos, mas com autoconfiança e orgulho. O conhecimento celestial é facilmente encontrado por aquele que o busca de todo o coração:voluntariamente se apresenta “ao que entende” ( Daniel 12:10 ). [JFU, aguardando revisão]

7 Afasta-te do homem tolo, porque nele não encontrarás lábios inteligentes.

Comentário de A. R. Fausset

Michaelis. Maurer, depois de L. DeDieu, traduz, ‘Vá de modo a ficar de frente para um homem tolo, e você não perceberá (descobrirá) nele os lábios do conhecimento’ – isto é, qualquer conhecimento procedente de seus lábios. Mas a partícula hebraica, min ( H4480 ), “de”, implica remoção para uma distância [ mineged ( H5048 )] ( Gênesis 21:16 ; Salmos 31:22 ). Embora o outro sentido seja possível [ex enantias, ex adverso], ( Números 2:2margem) Evite intimidade com o tolo ímpio, para que não se torne poluído por isso; também para que os fracos não sejam perturbados por teu exemplo, e para que os ímpios não aproveitem por isso que dormem em seus pecados; e por último, para que o tempo não se perca. ‘A indicação de piedade e impiedade é mais fácil e seguramente procurada no uso que se faz da língua’ ( Mateus 12:37 ). O provérbio diz:’Fale, para que eu possa ver o que você é’ (T. Cartwright)). [JFU, aguardando revisão]

8 A sabedoria do prudente é entender seu caminho; mas a loucura dos tolos é engano.

Comentário de A. R. Fausset

A sabedoria do prudente é entender seu caminho – o que deve fazer e como se comportar:nada fazer precipitadamente, mas com retribuição; entender o que é incumbência a ele por seu chamado ( 1 Coríntios 7:17 ; 1 Tessalonicenses 4:11 ); não ser sábio nos negócios e deveres dos outros e ainda assim sentir os próprios:começar por si mesmo, quais pecados mais o afligem, quais são os nossos perigos e como enfrentá-los.

mas a loucura dos tolos é engano. Sua loucura são seus enganos astuciosamente concebidos, dos quais se orgulham, mas a tolice dos tolos (é) o engano. Sua loucura são seus enganos astuciosamente concebidos, dos quais se orgulham como golpes de mestre da sabedoria. O homem sábio busca por meios honestos – ou seja, pela ordem consciente de sua vida; o tolo busca por engano. O engano do sentimento é praticado para ganhar riquezas e poder:esse “engano” se opõe ao “entendimento”, pois enquanto engana os outros, ele não entende que o tempo todo está se enganando. [JFU, aguardando revisão]

9 Os tolos zombam da culpa, mas entre os corretos está o favor.

Comentário de A. R. Fausset

Os tolos zombam da culpa – ( Provérbios 10:23 ; Provérbios 2:14 ; Isaías 3:9. ) O hebraico também pode ser traduzido, ‘pecado (isto é, quando traz sua punição) zomba dos tolos , ‘mesmo quando eles zombam do pecado.

Os tolos zombam da culpa – o favor de Deus e de todos os homens bons, visto que eles não zombam do pecado, mas falam o que é conforme à vontade de Deus. Para completar a antítese, o sentido deve ser fornecido, os tolos zombam do pecado (e assim incorrem na ira de Deus); mas (os justos consideram o pecado como uma ofensa séria e que deve ser evitada; portanto) entre os justos existe o favor de Deus. [JFU, aguardando revisão]

10 O coração conhece sua própria amargura, e o estranho não pode partilhar sua alegria.

Comentário de A. R. Fausset

(cf. Provérbios 14:13 ) Ninguém pode entrar tão completamente em nossa amargura ou alegria como nós mesmos ( 1 Coríntios 2:11 ). Eli não pôde entrar na “amargura de alma” de Ana ( 1 Samuel 1:10 ; 1 Samuel 1:13 ; 1 Samuel 1:16 ):nem Geazi na da mulher sunamita ( 2 Reis 4:27 ). Mical, embora a esposa do seio de Davi fosse “uma estranha” para sua “alegria” quando “ele dançava diante do Senhor com todas as suas forças”, ao trazer a arca para Sião (cf. 1 Samuel 18:13 ; 1 Samuel 18:20 , com2 Samuel 6:12-16 ). Este provérbio ensina a individualidade de cada alma em seu ser mais íntimo, de modo que ninguém, exceto Aquele que perscruta os corações, pode com total simpatia entrar em nossas alegrias e tristezas. [JFU, aguardando revisão]

11 A casa dos perversos será destruída, mas a tenda dos corretos florescerá.

Comentário de A. R. Fausset

A morada dos ímpios, embora seja uma “casa”, e embora grande, aparentemente próspera, e em sua própria opinião destinada a “continuar para sempre” ( Salmos 49:11 ), “será derrubada”:enquanto “o tabernáculo dos retos , “embora aparentemente pequeno, fraco e humilde,” florescerá. ” Não sejamos enganados ou perplexos com a prosperidade externa dos ímpios ( Salmos 37:1-40 ). [JFU, aguardando revisão]

12 Há um caminho que parece correto para o homem, porém o fim dele são caminhos de morte.

Comentário de A. R. Fausset

Boas intenções não são justificativas para transgressões ( 2 Samuel 6:6 ). Devemos pesquisar nossos modos de vida, nossas opiniões e práticas, pelo teste da Palavra de Deus. Juízes 17:6 , etc., dá uma ilustração terrível do fim de “cada um fazendo o que é reto aos seus próprios olhos”. Compare a proibição disso, Deuteronômio 12:8 . [JFU, aguardando revisão]

13 Até no riso o coração terá dor, e o fim da alegria é a tristeza.

Comentário de A. R. Fausset

Até no riso o coração terá dor (cf. Provérbios 14:10 ). A expressão hebraica para “está triste” [ yikª’ab ( H3510 )] expressa tristeza profunda e penetrante ( Jó 2:13 ). A adição de “o coração” intensifica a tristeza (Gejer). Enquanto ri por fora, o homem pode ter ‘sua própria amargura’ interior, que seu “coração conhece”.

e o fim da alegria é a tristeza. E embora não haja ‘tristezas’ de coração no momento, o fim da mera alegria terrena, embora exuberante, é o peso. O sábio rei já estava começando a experimentar o que afirma mais plenamente em Eclesiastes 2:2 ; Eclesiastes 7:6 . Os próprios prazeres dos homens se transformam em seus opostos. Não busque as alegrias mundanas, que não são sólidas nem duradouras, mas busque as alegrias do Espírito, que não são misturadas e eternas. [JFU, aguardando revisão]

14 Quem se desvia de coração será cheio de seus próprios caminhos, porém o homem de bem será recompensado pelos seus.

Comentário de A. R. Fausset

Quem se desvia de coração ( Salmos 44:18 ) será cheio de seus próprios caminhos – (observe Provérbios 1:31 ). Não aquele que se desvia do caminho correto de doutrina e prática por negligência e, por assim dizer, apenas com os pés, como alguém temporariamente intoxicado, mas aquele que intencionalmente e intencionalmente ‘retrocede no coração’ – isto é, com o entendimento e a vontade – tal pessoa se satisfará com seus próprios caminhos, até que ele enjoe e sinta-os sua maldição mais terrível (cf. Números 11:19-20 ).

porém o homem de bem será recompensado pelos seus – ‘daquilo que está em si mesmo’. Sua felicidade é independente. Tendo Deus dentro, ele já está satisfeito, independentemente de outras fontes externas de felicidade; e daqui em diante ele estará totalmente ‘satisfeito quando ele despertar com a semelhança de seu Senhor’ ( Salmos 17:15 ). Os caminhos do homem piedoso e seu próprio coração regenerado se tornarão a fonte de sua felicidade, como os caminhos e o coração de o apóstata será sua miséria. [JFU, aguardando revisão]

15 O ingênuo crê em toda palavra, mas o prudente pensa cuidadosamente sobre seus passos.

Comentário de A. R. Fausset

O ingênuo crê em toda palavra – verdadeira ou falsa, útil ou prejudicial. “Caridade”, na verdade, “crê em todas as coisas” ( 1 Coríntios 13:7 ); mas não coisas que são palpavelmente falsas. É a verdade em que acredita prontamente. Ele acredita tudo o que pode com uma boa consciência acreditar para o crédito de outrem, mas nada mais. Epicarmo diz:“Os tendões e os membros da fé não devem crer precipitadamente” ( Atos 17:11 ).

mas o prudente pensa cuidadosamente sobre seus passos – quer tenda para a graça e salvação, ou para o pecado e perdição:ele ‘não crê em todas as palavras’, como, por exemplo, as palavras lisonjeiras de sedutores, que recomendam a ele falsas doutrina ou prática licenciosa (cf. Efésios 5:15 ). [JFU, aguardando revisão]

16 O sábio teme, e se afasta do mal; porém o tolo se precipita e se acha seguro.

Comentário de A. R. Fausset

O sábio teme, e se afasta do mal – “teme”, para não ofender a Deus e, por desconfiar de si mesmo, se mantém à maior distância do contágio do pecado.

porém o tolo se precipita – contra Deus, e contra aqueles que temem a Deus e querem retirá -lo do pecado. Ele está impaciente por ser checado em seu curso (então o hebraico significa em Deuteronômio 3:26 ; Salmos 78:21 ; cf. Provérbios 22:3 ). Gejer, traduzido [como o Hithpael de ‘aabar ( H5674 ), transgredir],’ O tolo se faz transgredir ‘; ‘pecados por sua própria vontade e com premeditação.’ Mas a versão em inglês é o sentido comum.

e se acha seguro – em contraste com o ‘medo’ do homem sábio do pecado e da desconfiança de si mesmo. [JFU, aguardando revisão]

17 Quem se ira rapidamente faz loucuras, e o homem de maus pensamentos será odiado.

Comentário de A. R. Fausset

Quem se ira rapidamente (hebraico, ríspido ou curto em suas narinas; aquele que deixa passar apenas um curto intervalo entre sua ofensa e dar vazão a ela – as narinas exalando indignação) faz loucuras ( Eclesiastes 7:9 ; cf. abaixo, Provérbios 14:29 ) e o homem de maus pensamentos será odiado. Um homem que, quando ofendido, reprime os indícios de sua raiva, o tempo todo meditando vingança e esperando a oportunidade em que pode desencadea-la. Como “aquele que logo fica irado trata tolamente” com relação a si mesmo, então aquele que ‘maquina’ a vingança, enquanto adia a expressão de sua raiva, traz sobre ele o ‘ódio’ dos outros. Assim, há perigo de ambos os lados, na pressa e em adiar a ira por meio da malícia. Este último é o pior crime. [JFU, aguardando revisão]

18 Os ingênuos herdarão a tolice, mas os prudentes serão coroados com o conhecimento.

Comentário de A. R. Fausset

Os ingênuos herdarão a tolice. “Herdar”, do contraste para ‘coroar-se com’, deve significar, ‘Os simples obstinadamente mantêm, como sua herança especial, a loucura’ – isto é, suas opiniões tolas e más práticas.

mas os prudentes serão coroados com o conhecimento – ‘como seu ornamento agora e sua herança’ daqui em diante, com todas as suas abençoadas consequências. Mesmo quando os simples se cercam da tolice como sua ‘coroa’ de desgraça agora, e sua fatal ‘herança’ no futuro. [JFU, aguardando revisão]

19 Os maus se inclinarão perante a face dos bons, e os perversos diante das portas do justo.

Comentário de A. R. Fausset

O mal será abatido tanto que se prostrará diante dos bons para pedir sua ajuda. Os irmãos ímpios de José foram levados a “prostrar-se diante dele por terra” ( Gênesis 43:26 ; Gênesis 50:18 ; cf. Ester 3:2 ; Ester 6:11 ; Apocalipse 3:9 ). Os clientes esperam ‘às portas’ dos mais poderosos, para processar sua ajuda quando estão saindo, pois os mendigos não são admitidos dentro ( Ester 4:2 ). O mal deve implorar a intercessão e ajuda dos piedosos em vão ( Lucas 16:24 ). [JFU, aguardando revisão]

20 O pobre é odiado até pelo seu próximo, porém os amigos dos ricos são muitos.

Comentário de A. R. Fausset

O pobre é odiado até pelo seu próximo. Quão desumano é ser o menos caridoso, na mesma proporção em que os pobres, a quem Deus afligiu, precisam de nossa caridade!

porém os amigos dos ricos são muitos – literalmente, ‘Mas aqueles que amam os ricos são muitos’. Não é o homem, mas suas riquezas que eles amam. [JFU, aguardando revisão]

21 Quem despreza a seu próximo, peca; mas aquele que demonstra misericórdia aos humildes é bem-aventurado.

Comentário de A. R. Fausset

Quem despreza a seu próximo, peca – gravemente. O que quer que seja seu vizinho, doente, ignóbil, ignorante, ele não deve ser desprezado; não, ‘misericórdia’ deve ser mostrada a ele.

mas aquele que demonstra misericórdia aos humildes é bem-aventurado. Os pobres são vítimas de danos, porque não ousam resistir. “Misericórdia” é o oposto de “desprezar” os pobres aflitos. [JFU, aguardando revisão]

22 Por acaso não andam errados os que tramam o mal? Mas há bondade e fidelidade para os que planejam o bem.

Comentário de A. R. Fausset

Aqueles que empregam a mesma energia no bem e no mal, exercem no mal, terão como recompensa ‘misericórdia e verdade’ – isto é, o fiel cumprimento das promessas de salvação de Deus, assim como os criadores do mal, em pelo contrário, será entregue ao ‘erro’ e sua penalidade-perdição. [JFU, aguardando revisão]

23 Em todo trabalho cansativo há proveito, mas o falar dos lábios só leva à pobreza.

Comentário de Moses Stuart

Ou seja:”Todo tipo de ação traz lucro; mas a ação labial é recompensada pela necessidade”. A palavra dos lábios significa, é claro, o que os lábios pronunciam. Aqui, tem-se em vista a tagarelice, ou seja, muito falar ou enunciar o que é inútil e malicioso. Isso torna o homem odiado e faz com que seja negligenciado por aqueles que poderiam empregá-lo em trabalhos que produziriam algum lucro. A consequência é necessidade ou pobreza. [Stuart]

24 A coroa dos sábios é a sua riqueza; a loucura dos tolos é loucura.

Comentário de A. R. Fausset

Não riquezas, mas “a sabedoria dá uma coroa de glória” ( Provérbios 4:9 ). “Os prudentes são coroados com conhecimento”, não com riquezas ( Provérbios 14:18 ). Portanto, o sentido é:Sabedoria (o oposto de ‘loucura’), sendo “a coroa dos sábios”, constitui suas verdadeiras ‘riquezas’ e resulta nas riquezas celestiais; “mas a tolice dos tolos” não é “riqueza” para eles, como a ‘coroa’ da sabedoria do homem sábio é para ele, mas é e continua “loucura” – isto é, vazio – nem uma ‘coroa’ ornamental nem sabedoria enriquecedora. [JFU, aguardando revisão]

25 A testemunha verdadeira livra almas, mas aquele que declara mentiras é enganador.

Comentário de A. R. Fausset

A testemunha verdadeira livra almas – ‘livra’ almas inocentes que são caluniadas e acusadas perante os juízes.

mas aquele que declara mentiras é enganador – de modo a destruir “almas” inocentes. [JFU, aguardando revisão]

26 No temor ao SENHOR há forte confiança; e será refúgio para seus filhos.

Comentário do Púlpito

No temor ao SENHOR há forte confiança. O temor de Deus expulsa todo temor do homem, todas as antecipações desesperadas do possível mal, e torna o crente confiante e ousado. São Gregório (‘Moral.’ 5:33), “Assim como no caminho do mundo o medo dá origem à fraqueza, também no caminho de Deus o medo produz força. Na verdade, nossa mente tanto mais corajosamente se fixa em nada todos os terrores das vicissitudes temporais, tanto mais completamente que se submete com medo ao Autor dessas mesmas coisas temporais. E sendo estabelecido no temor do Senhor, nada encontra sem ele para enchê-lo de alarme, enquanto está unido ao Criador de todas as coisas por um temor justo, é por uma certa influência poderosa elevada acima de todos eles. ” Comp. Salmos 27:1 e as palavras de Paulo:”Se Deus é por nós, quem será contra nós?” (Rom 8:31). Septuaginta:”No temor do Senhor está a esperança da força.”

e será refúgio para seus filhos (Salmos 46:1). Existe uma ambigüidade quanto a quem são os filhos. A LXX. torna, “E para seus filhos ele deixará um sustento.” Assim, muitos referem o pronome ao Senhor mencionado na primeira cláusula – filhos de Deus, aqueles que o amam e confiam nele e o consideram um Pai, uma expressão usada mais especialmente no Novo Testamento do que no Antigo. Mas veja Salmos 73:15 e passagens (por exemplo, Os 11:1) onde Deus chama Israel de seu filho, um tipo de todos os que são trazidos a ele por adoção e graça. Outros, novamente, referem-se ao pronome “o temor do Senhor”, “seus filhos”, o que estaria em total conformidade com o idioma hebraico; como temos “filhos da sabedoria”, “filhos da obediência”, equivalente a “sábio”, “obediente”, etc. Mas a maioria dos comentaristas modernos explica isso dos filhos do homem temente a Deus, comparando Êxodo 20:6 e Salmos 103:17. Tal pessoa conferirá benefícios duradouros à sua posteridade (Sl 13:1-6:22; Sl 20:7). Então Deus abençoou os descendentes de Abraão e Davi; então ele mostra misericórdia a milhares, ou seja, a milésima geração daqueles que o amam e guardam seus mandamentos (ver Gn 17:7, etc.; Êxodo 34:7; 1Rs 11:12, etc .; Jr 33:20, etc.) . [Pulpit, aguardando revisão]

27 O temor ao SENHOR é manancial de vida, para se desviar dos laços da morte.

Comentário do Púlpito

Uma repetição de Provérbios 13:14, substituindo o temor do Senhor pela “lei dos sábios”. O temor do Senhor pode ser chamado de fonte de vida, porque, mostrando-se na obediência, nutre as flores e os frutos da fé, produz graças e virtudes e prepara a alma para a imortalidade. Septuaginta:”O mandamento do Senhor é uma fonte de vida e faz cair alguém do laço da morte.” [Pulpit, aguardando revisão]

28 Na multidão do povo está a honra do rei, mas a falta de gente é a ruína do príncipe.

Comentário de A. R. Fausset

( 2 Samuel 24:14-17 .) “O rei” que teria um ‘numeroso’ e “povo” satisfeito como sua “honra”, deve governar com eqüidade e clemência, não com tirania e crueldade. Ele também deve temer ao Senhor, para não trazer os julgamentos de Deus sobre si mesmo e seu povo. [JFU, aguardando revisão]

29 Quem demora para se irar tem muito entendimento, mas aquele de espírito impetuoso exalta a loucura.

Comentário de A. R. Fausset

( Provérbios 14:17 🙂 “Exalta a estultícia”, como a bandeira de alguém levantada para ser vista por tudo; e assim é de pouca compreensão. O aumento da voz em voz alta acompanha este aumento da loucura. “Aquele que é lento para se irar” deprime a tolice; e assim “é de grande compreensão”. [JFU, aguardando revisão]

30 O coração em paz é vida para o corpo, mas a inveja é como podridão nos ossos.

Comentário de A. R. Fausset

Um coração livre de “inveja”, raiva e toda afeição defeituosa para com o próximo, livra o corpo de uma grande fonte de muitas doenças; pois produz alegria e paz, fluindo de uma boa consciência, e é acompanhada pela bênção de Deus. [Assim, marpee ‘ ( H4832 ) é retirado de rapa’ ( H7495 ), para fazer som]. Um sentido ativo também está incluído em uma ‘mente sã’, tanto o som em si quanto trazendo a saúde aos outros; cujo sentido está implícito também no hebraico para “carne” no plural – ‘é a vida para os corpos dos outros.’ Gejer, Maurer, etc., tomem, ‘um coração calmo’ ou ‘tranquilo’), para remir ou diminuir] – um livre de toda raiva, ódio e inveja imoderados. Portanto, o hebraico é tomado ( Eclesiastes 10:4 ). Em qualquer facilidade, “um som”, ou então um ‘coração tranquilo’ se opõe à “inveja”; e “a vida da carne” à “podridão dos ossos” – a saber, aquilo que corrói toda a sua medula ( Provérbios 12:4 ; Provérbios 17:22 ). [JFU, aguardando revisão]

31 Quem oprime ao pobre insulta ao seu Criador; mas aquele que mostra compaixão ao necessitado o honra.

Comentário de A. R. Fausset

Quem oprime ao pobre insulta ao seu Criador – que fez tanto pobres como ricos ( 1 Samuel 2:7 ; Provérbios 22:2 , abaixo; Êxodo 4:11 ). O opressor dos pobres, seja por palavra ou ação, se convence de que Deus não quer, ou não pode, vindicar os pobres.

mas aquele que mostra compaixão ao necessitado o honra – isto é, ele honra seu Criador a todo aquele que tem misericórdia dos pobres. Não é suficiente simplesmente não oprimir, devemos também mostrar misericórdia positiva, por meio da qual honramos o Senhor, que ordenou que os pobres fossem aliviados. [JFU, aguardando revisão]

32 Por sua malícia, o perverso é excluído; porém o justo até em sua morte mantém a confiança.

Comentário de A. R. Fausset

Por sua malícia, o perverso é excluído – ‘em seu mal’ – isto é, quando a penalidade de seu mal o atinge; como a expressão, “em sua morte”, na cláusula oposta paralela requer. “Expulso” como a palha, nada tendo de substancial em si ( Salmos 1:4 ).

porém o justo até em sua morte mantém a confiança – esperança certa de vida eterna ( Jó 19:26 ; Salmos 23:4 ; Salmos 37:37 ; Tito 1:2 ). Além disso, quando angústias semelhantes à morte vêm sobre ele. [JFU, aguardando revisão]

33 No coração do prudente repousa a sabedoria; mas ela será conhecida até entre os tolos.

Comentário de A. R. Fausset

No coração do prudente repousa a sabedoria – não apenas superficialmente nos lábios, como no caso daqueles que fazem uma exibição, mas nos recônditos íntimos do “coração”. “Descansa” implica o espírito tranquilo e modesto dos sábios e a permanência de sua guarda da sabedoria; e especialmente que é o fruto do Espírito do alto descendo e permanecendo sobre eles ( Números 11:25-26 ; Isaías 11:2 ; 2 Reis 2:15 . Contraste Eclesiastes 7:9) O sábio não extrai sua sabedoria de seu lugar de descanso dentro de seu coração ao acaso, mas no lugar e tempo apropriados, conforme a ocasião exigir.

mas ela será conhecida até entre os tolos – ou seja, sua loucura a ser suprida pelo contrário à “sabedoria” na cláusula paralela, ‘Mostra-se para ser conhecida.’ Os tolos não podem disfarçar por muito tempo sua loucura; com certeza se trairá ao falar fora de época ao acaso, sem escolha ou julgamento ( Provérbios 10:14 ; Provérbios 12:23 ; Provérbios 13:16 ). [JFU, aguardando revisão]

34 A justiça exalta a nação, mas o pecado é a desgraça dos povos.

Comentário de A. R. Fausset

Hebraico, ‘para povos’, plural; ao passo que “uma nação” é singular, implicando na escassez de nações que praticam a retidão e na multidão daqueles que pecam nacionalmente. A palavra hebraica para “reprovação” (chesed) também significa misericórdia. Conseqüentemente, Gejer traduz, ‘Misericórdia é um sacrifício expiatório pelo pecado;’ “pecado” às vezes é usado como oferta pelo pecado (Êx 29:14; Os 4:8). Não que a misericórdia afaste o pecado diante de Deus, mas diante dos homens, que pela misericórdia se reconciliam com aqueles que antes haviam sido impiedosos para com eles. Mas o caldeu (‘o pecado é a reprovação de um povo’) apóia a versão em inglês. Assim, na Vulgata principal (‘o pecado torna as pessoas infelizes’). A Septuaginta, Siríaca e Árabe (‘os pecados diminuem os povos’). Em Lv 20:17, chesed é usado para “maldade vergonhosa”. [JFU, aguardando revisão]

35 O rei se agrada do seu servo prudente; porém ele mostrará seu furor ao causador de vergonha.

Comentário do Púlpito

O rei se agrada do seu servo prudente; servo que trata com sabedoria (versão revisada). Assim, José foi promovido ao posto mais alto no Egito, devido à sabedoria que ele demonstrou; assim, também, no caso de Daniel (comp. Mat 24:45, Mat 24:47).

porém ele mostrará seu furor ao causador de vergonha; literalmente, aquele que o faz vergonhosamente será (o objeto de) sua ira. A Vulgata traduz, Iracundiam ejus inutilis sustinebit; a Septuaginta torna a segunda cláusula paralela à primeira, “Um servo inteligente é aceitável para o rei, e por sua perícia (εὐτοροφίᾳ) ele remove a desgraça.” Em seguida, é adicionado, antes do primeiro versículo do próximo capítulo, um parágrafo que parece uma explicação da cláusula presente, ou uma introdução ao versículo 1 do cap. 15 .:”A raiva destrói até os prudentes.” [Pulpit, aguardando revisão]

<Provérbios 13 Provérbios 15>

Visão geral de Provérbios

“O livro de Provérbios convida as pessoas a viverem com sabedoria e temor ao Senhor a fim de experimentarem a boa vida”. Tenha uma visão geral deste livro através de um breve vídeo produzido pelo BibleProject. (8 minutos)

🔗 Abrir vídeo no Youtube.

Leia também uma introdução ao livro dos Provérbios.

Todas as Escrituras em português citadas são da Bíblia Livre (BLIVRE), Copyright © Diego Santos, Mario Sérgio, e Marco Teles – fevereiro de 2018.