Bíblia

1 Coríntios 13

Superioridade do amor sobre todos os dons

1 Ainda que eu falasse as línguas dos seres humanos e dos anjos, e não tivesse amor, seria como o metal que soa, ou como o sino que retine.

línguas – destes ascende a “profecia” (1Co 13:2); então, para “fé”; depois, as boas e abnegadas ações: um clímax.

falasse as línguas – com a eloquência que era muito admirada em Corinto (por exemplo, Apolo, At 18:24; compare 1Co 1:12; 1Co 3:21-22), e com o domínio de várias línguas, que alguns em Corinto abusaram para fins de mera ostentação (1Co 14:2, etc.).

dos anjos – superior aos homens e, portanto, deve-se supor, falando uma linguagem mais exaltada.

amor – a base dos ordinários e mais importantes dons do Espírito, em contraste com os dons extraordinários (1Co 12:1-31).

metal que soa – som sem alma ou sentimento: tais são “línguas” sem amor.

sino – ou címbalo, dois tipos são identificados (Sl 150:5), o alto ou o claro, e o de alta sonoridade: címbalos de mão e os de dedo, ou castanholas. O som é agudo e penetrante. [JFB]

2 E ainda que tivesse o dom de profecia, e soubesse todos os mistérios, e todo o conhecimento; e ainda que tivesse toda a fé, de tal maneira que movesse os montes de lugar, e não tivesse amor, nada seria.

mistérios – (Rm 11:25; Rm 16:25). Os mistérios se referem aos profundos conselhos de Deus até então secretos, mas agora revelados a Seus santos.

movesse os montes – (Mt 17:20; Mt 21:21). O poder prático da vontade elevado pela fé (Neander); confiança em Deus que o resultado milagroso certamente seguirá o exercício da vontade no secreto impulso de Seu Espírito. Sem “amor”, profecia, conhecimento e fé, não são o que parecem (compare 1Co 8:1-2; Mt 7:22; Tg 2:14; compare com 1Co 13:8), e assim falham da recompensa celestial (Mt 6:22). Assim, Paulo, que ensina a justificação pela fé somente (Rm 3:4-5; Gl 2:16; Gl 3:7-14), mostra concordar com Tiago, que ensina (Tg 2:24) “pelas obras” (isto é, por AMOR, que é o “espírito” da fé, Tg 2:26) que um homem é justificado, “e não somente pela fé”. [JFB]

3 E ainda que eu distribuísse todos os meus bens para alimentar aos pobres, e ainda que entregasse meu corpo para ser queimado, e não tivesse amor, nada me aproveitaria.

meus bens para alimentar aos pobres – uma das mais altas atitudes de “ajuda” (1Co 12:28).

entregasse meu corpo para ser queimado – literalmente, “a tal ponto que eu deveria ser queimado”. Como os três jovens fizeram (Dn 3:28), “renderam seus corpos” (compare 2Co 12:15). Essas são as mais nobres exemplificações do amor em dar e em sofrer. No entanto, eles podem estar sem amor. Nesse caso, os “bens” e “corpo” são dados, mas não a alma, que é a esfera do amor. Sem a alma, Deus rejeita tudo o mais, e assim rejeita o homem, que é, portanto, “aproveitado” nada (Mt 16:26; Lc 9:23-25). Os homens lutarão pelo cristianismo e morrerão pelo cristianismo, mas não viverão em seu espírito, que é o amor. [JFB]

4 O amor é paciente, é bondoso; o amor não é invejoso; o amor não é orgulhoso, não é arrogante.

é paciente – sob provocações maldosas dos outros. O lado negativo do amor.

é bondoso – o lado positivo. Estendendo bem aos outros. Compare com os aspectos do amor aqui aqueles da “sabedoria do alto” (Tg 3:17).

invejoso – O grego inclui também ciúme.

não é orgulhoso – em palavras, até mesmo dos dons que realmente possui; uma repreensão indireta daqueles em Corinto que usaram o dom de línguas por mera exibição.

não é arrogante – com partidarismo, como alguns em Corinto foram (1Co 4:6). [JFB]

5 O amor não trata mal; não busca os próprios interesses, não se ira, não é rancoroso.

não trata mal – não é descortês, ou desatento à civilidade e propriedade.

não é rancoroso – ou não suspeita mal; literalmente, “o mal” que realmente existe (Pv 10:12; 1Pe 4:4). O amor faz subsídios para as quedas os outros e está pronto para exercer a caridade. O amor, tão longe de inventar o mal contra o outro, desculpa “o mal” que outro inflige a ele (Estius); não “rumina” sobre o mal infligido por outro (Bengel); e em casos duvidosos, escolhe a visão mais caridosa (Grotius). [JFB]

6 Não se alegra com a injustiça, mas se alegra com a verdade.

se alegra com a verdade – Não se alegra com a perpetração de iniquidade (injustiça) por outros (compare Gn 9:22-23), mas se alegra quando a verdade se alegra; simpatiza com ela em seus triunfos (2Jo 1:4). Veja o oposto (2Tm 3:8): “Opõem à verdade”. Assim, “a verdade” e “injustiça” são contrastadas (Rm 2:8). “A verdade” é a verdade do Evangelho, o aliado inseparável do amor (Ef 4:15; 2Jo 1:12). A falsa caridade que compromete “a verdade”, encobrindo a “iniquidade” ou a injustiça, é assim implicitamente condenada (Pv 17:15). [JFB]

7 Tudo aguenta, tudo crê, tudo espera, tudo suporta.

Tudo aguenta – sem falar do que tem que suportar. O mesmo verbo grego que em 1Co 9:12. Suporta sem divulgar ao mundo o sofrimento pessoal. Literalmente disse de segurar firme como uma embarcação impermeável; assim, o homem caridoso contém-se em silêncio de dar vazão ao que o egoísmo provocaria sob sofrimento pessoal.

tudo crê – acredita sem suspeitar de tudo o que não é perceptivelmente falso. Compare com Tg 3:17, “tratável”; Grego, “facilmente persuadido”.

espera – o que é bom do outro, mesmo quando os outros deixaram de esperar.

suporta – perseguições em um espírito paciente e amoroso. [JFB]

8 O amor nunca falha. Porém as profecias serão aniquiladas; as línguas acabarão, e o conhecimento será aniquilado.

nunca falha – nunca está fora de uso; sempre mantém o seu lugar.

aniquiladasacabarão – O mesmo verbo grego é usado para ambos; e que diferem do verbo grego para “falhar”. Tradução, “Serão eliminadas”, isto é, devem ser dispensadas na vinda do Senhor, sendo substituídas pelos seus análogos celestes mais perfeitos; por exemplo, conhecimento por intuição. De “línguas”, que são ainda mais temporárias, o verbo é “cessará”. [JFB]

9 Porque em parte conhecemos, e em parte profetizamos;

em parte – parcialmente e imperfeitamente. Compare um contraste similar ao “homem perfeito”, “a medida da estatura da plenitude de Cristo” (Ef 4:11-13).

10 Mas quando vier o que é completo, Ou: perfeito então o que é em parte será aniquilado.

o que é em parte – incompleto e isolado.

11 Quando eu era menino, falava como menino, sentia como menino, pensava como menino; mas quando me tornei homem, aniquilei as coisas de menino.

menino – (1Co 3:1; 1Co 14:20).

falava – aludindo a “línguas”.

sentia – ou, “tinha os sentimentos de.” Aludindo a “profecia”.

pensava – grego “raciocinava” ou “julgava”; aludindo ao “conhecimento”.

quando me torneianiquilei – ou então, “agora que me tornei homem, acabei com as coisas de criança”. [JFB]

12 Porque agora vemos por espelho em enigma, mas então veremos face a face; agora conheço em parte, mas então conhecerei assim como sou conhecido.

agora – em nosso estado atual.

vemos – uma expressão apropriada, em conexão com os “profetas” dos videntes (1Sm 9:9).

por espelho – isto é, em um espelho; o reflexo que parece aos olhos estar por trás do espelho, para que possamos vê-lo através do espelho. Espelhos antigos eram feitos de latão polido ou outros metais. O contraste é entre o conhecimento insuficiente de um objeto obtido ao vê-lo refletido em um espelho escuro (como eram os espelhos antigos), comparado com a ideia perfeita que temos dele ao vermos diretamente.

enigma – Como um “espelho” transmite uma imagem para o olho, assim é um “enigma” para o ouvido. Mas nem “olho nem ouvido” pode representar completamente (embora a alma do crente receba agora uma pequena revelação) “as coisas que Deus preparou para aqueles que O amam” (1Co 2:9). Paulo alude a Nm 12:8, “não por figuras”; a Septuaginta, “não em enigmas”. Comparado com as visões e sonhos concedidos a outros profetas, as comunicações de Deus com Moisés “não eram em enigmas”. Mas, comparado com a visão intuitiva e direta de Deus que virá, até mesmo a palavra revelada agora é “um discurso sombrio”, ou um sombrear pelo enigma da semelhança refletida de Deus. Compare 2Pe 1:19, onde a “luz” ou lâmpada em um lugar escuro fica em contraste com o “dia” amanhecendo. A palavra de Deus é chamada de vidro ou espelho também em 2Co 3:18.

então“quando vier o que é perfeito” (1Co 13:10).

face a face – não apenas “boca a boca” (Nm 12:8). Gn 32:30 foi um modelo (Jo 1:50-51).

conhecereiconhecido – Agora somos conhecidos por Deus em vez de conhecê-lo (1Co 8:3; Gl 4:9). [JFB]

13 E agora continuam a fé, a esperança, e o amor, estes três; porém o maior destes é o amor.

E agora – Traduza: “Mas agora.” “Neste estado atual” (Henderson). Ou “agora” não expressa tempo, mas oposição, como em 1Co 5:11, “sendo assim” (Grotius); considerando que é o caso que os três dons, “profecia”, “línguas” e “conhecimento” (citados como amostra de toda a classe de dons) “falham” (1Co 13:8), lá permanecem somente estes três – fé, esperança, amor. Em certo sentido, a fé e a esperança devem ser eliminadas, a fé sendo substituída pela visão e a esperança pela satisfação real. (Rm 8:24; 2Co 5:7); e a caridade, ou amo sozinho, nunca falha (1Co 13:8). Mas em outro sentido, “fé e esperança”, bem como “caridade”, PERMANECEM; ou seja, depois que os dons extraordinários cessaram; pois esses três são necessários e suficientes para a salvação em todos os momentos, ao passo que os dons extraordinários não são de forma alguma assim; compare o uso de “permanecer” em 1Co 3:14. A caridade, ou amor, está ligada especialmente com o Espírito Santo, que é o elo da união amorosa entre os irmãos (Rm 15:30; Cl 1:8). Fé é para com Deus. Esperança é em nome de nós mesmos. Caridade é amor a Deus criando em nós amor ao próximo. Em um incrédulo, há mais ou menos dos três opostos – incredulidade, desespero, ódio. Até mesmo a fé no senso de confiança em Deus “permanece”; também “esperança”, em relação às sempre novas alegrias na perspectiva, e à antecipação de uma crescente benção, com certeza para nunca se desapontar. Mas o amor sozinho em todos os sentidos “permanece”; é, portanto, “o maior” dos três, como também porque pressupõe “fé”, que sem “amor” e suas consequentes “obras” está morta (Gl 5:6; Tg 2:17, Tg 2:20). [JFB]

<1 Coríntios 12 1 Coríntios 14>

Introdução à 1 Coríntios 13

Este é o salmo de amor do Novo Testamento, como o Salmo 45 e os Cânticos dos Cânticos no Antigo Testamento.

Leia também uma introdução à Primeira Epístola aos Coríntios.

Adaptado de: Commentary Critical and Explanatory on the Whole Bible. Todas as Escrituras em português citadas são da Bíblia Livre (BLIVRE), Copyright © Diego Santos, Mario Sérgio, e Marco Teles – fevereiro de 2018.