Romanos 15

1 Mas nós, que somos fortes, devemos suportar as fraquezas dos fracos, e não agradar a nós mesmos.

Comentário Barnes

Mas nós, que somos fortes – O apóstolo retoma o assunto do capítulo anterior; e continua a exortação ao amor fraterno e à bondade e tolerância mútuas. Por “forte” aqui ele quer dizer o forte “na fé” com respeito aos assuntos em discussão; aqueles cujas mentes estavam livres de dúvidas e perplexidades. Sua própria mente estava livre de dúvidas, e havia muitos outros, particularmente entre os convertidos gentios, que tinham os mesmos pontos de vista. Mas muitos também, particularmente dos convertidos “judeus”, tinham muitas dúvidas e escrúpulos.

devemos suportar – Esta palavra suportar significa propriamente “levantar”, “arrancar”, “remover”. Mas aqui é usado em um sentido mais amplo; “suportar, ser indulgente com, suportar pacientemente, não lutar”; Gálatas 6:2 ; Apocalipse 2:2 , “Não suportas os que são maus.”

e não agradar a nós mesmos – Não para tornar nosso objetivo principal gratificar nossas próprias vontades. Devemos estar dispostos a negar a nós mesmos, se por meio disso podemos promover a felicidade dos outros. Isso se refere particularmente a “opiniões” sobre carnes e bebidas; mas pode ser aplicado à conduta cristã em geral, denotando que não devemos fazer de nossa própria felicidade ou gratificação o padrão de nossa conduta, mas buscar o bem-estar dos outros; veja o exemplo de Paulo, 1 Coríntios 9:19 , 1 Coríntios 9:22 ; veja também Filipenses 2:4 ; 1 Coríntios 13:5 , “O amor não busca o que é seu;” 1 Coríntios 10:24 , “Ninguém busque o que é seu, mas cada um o que é outro; também Mateus 16:24 . [Barnes, aguardando revisão]

2 Portanto, cada um de nós agrade ao próximo no que é bom para a edificação.

Comentário Barnes

agrade ao próximo – Ou seja, todas as outras pessoas, mas principalmente os amigos do Redentor. A palavra “vizinho” aqui tem referência especial aos membros da igreja. É freqüentemente usado, entretanto, em um sentido muito mais amplo; veja Lucas 10:36 .

no que é bom – Não procure garantir para ele condescendência com as coisas que seriam prejudiciais a ele, mas em todas as coisas pelas quais seu bem-estar seria promovido.

para a edificação – Veja a nota em Romanos 14:19 . [Barnes, aguardando revisão]

3 Pois também Cristo não agradou a si mesmo; mas, como está escrito:'Os insultos dos que te insultavam caíram sobre mim'.

Comentário Barnes

Pois também Cristo – O apóstolo procede, em sua maneira usual, para ilustrar o que ele disse pelo exemplo do Salvador. Para um cristão, o exemplo do Senhor Jesus fornecerá a ilustração mais pronta, certa e feliz da natureza e extensão de seu dever.

não agradou a si mesmo – Isso não deve ser entendido como se o Senhor Jesus não se engajasse voluntária e alegremente em sua grande obra. Ele não foi “compelido” a vir e sofrer. Nem deve ser entendido como se ele não “aprovasse” o trabalho, ou visse sua propriedade e adequação. Se ele não tivesse, ele nunca teria se envolvido em seus sacrifícios e abnegação. Mas o significado pode ser expresso nas seguintes particularidades:

(1) Ele veio para fazer a vontade ou desejo de Deus ao “empreender” a obra da salvação. Foi a vontade de Deus; estava de acordo com os propósitos divinos, e o Mediador não consultou sua própria felicidade e honra no céu, mas alegremente veio para “fazer a vontade” de Deus; Salmo 40:7-8 ; compare Hebreus 10:4-10 ; Filipenses 2:6 ; João 17:5 .

(2) Cristo, quando na terra, tornou seu grande objetivo fazer a vontade de Deus, para terminar a obra que Deus lhe deu para fazer, e não buscar seu próprio conforto e desfrute. Isso ele afirma expressamente; João 6:38 ; João 5:30 .

(3) ele estava disposto a suportar quaisquer provações e dores que a vontade de Deus pudesse exigir, não procurando evitá-las ou recuar delas. Veja particularmente sua oração no jardim; Lucas 22:42 .

(4) em sua vida, ele não buscou conforto pessoal, riqueza, amigos ou honras. Ele negou a si mesmo para promover o bem-estar dos outros; ele era pobre para que eles pudessem ser ricos; ele estava em lugares solitários para procurar os necessitados e cuidar deles. Não, ele não procurou preservar sua própria vida quando chegasse a hora marcada para morrer, mas se entregou por todos.

(5) pode haver outra idéia que o apóstolo teve aqui. Ele suportou com paciência a ignorância, a cegueira, os pontos de vista errôneos e os projetos ambiciosos de seus discípulos. Ele demonstrou bondade para com eles quando em erro; e não era severo, censório ou rude, quando eles estavam cheios de projetos vãos de ambição, ou pervertiam suas palavras, ou eram entorpecidos de apreensão. Assim diz o apóstolo, “nós” devemos fazer em relação aos nossos irmãos.

como está escrito – Salmo 69:9 . Este salmo e a primeira parte deste versículo se referem ao Messias; compare Romanos 15:21 com Mateus 27:34 , Mateus 27:48 .

Os insultos – As calúnias, censuras, discursos ásperos e opróbrios.

dos que te insultavam – Dos ímpios, que difamaram e abusaram da lei e do governo de Deus.

caíram sobre mim – Em outras palavras, Cristo estava disposto a sofrer reprovação e desprezo para fazer o bem aos outros. tie suportou calúnia e desprezo por toda a sua vida, daqueles que por seus lábios e vidas caluniaram a Deus, ou reprovaram seu Criador. Podemos aprender aqui,

(1) Que o desprezo de Jesus Cristo é o desprezo por aquele que o nomeou.

(2) podemos ver a bondade do Senhor Jesus em estar assim disposto a “lançar-se” entre o pecador e Deus; para “interceptar”, por assim dizer, nossos pecados e suportar os efeitos deles em sua própria pessoa. Ele ficou entre “nós” e Deus; e tanto as reprovações quanto o descontentamento divino devido a eles, “encontraram” sua pessoa sagrada, e produziram as dores da expiação – sua agonia amarga no jardim e na cruz. Jesus, portanto, mostrou seu amor a Deus ao estar disposto a suportar as reprovações dirigidas a ele; e seu amor aos “homens” em estar disposto a suportar os sofrimentos necessários para expiar esses mesmos pecados.

(3) se Jesus suportou reprovações, “nós” também devemos estar dispostos a suportá-las. Sofremos pela causa para onde ele foi antes de nós e para onde ele nos deu o exemplo; e como “ele” foi abusado e vilipendiado, devemos estar dispostos a ser assim também. [Barnes, aguardando revisão]

4 Pois todas as coisas que foram escritas com antecedência foram escritas para o nosso ensino; para que, pela paciência e consolação das Escrituras, tenhamos esperança.

Comentário de David Brown

Isto é, “Não pense que, porque essas partes da Escritura se relacionam imediatamente com Cristo, elas são inaplicáveis ​​a você; pois embora os sofrimentos de Cristo, como Salvador, fossem exclusivamente Seus, os motivos que os motivaram, o espírito em que foram suportados e o princípio geral envolvido em toda a Sua obra – auto-sacrifício para o bem dos outros – fornecem nosso modelo mais perfeito e bonito; e assim toda a Escritura relacionada a estes é para nossa instrução; e desde que o dever de tolerância, o forte com o fraco, requer ‘paciência’, e isto novamente precisa de ‘conforto’, todas aquelas Escrituras que falam de paciência e consolação, particularmente da paciência de Cristo, e da consolação que O sustentou. sob ela está nosso nutrimento designado e apropriado, ministrando-nos a ‘esperança’ daquele dia abençoado, quando estes não mais serão necessários. ”Veja Rm 4:25, Nota 7. (Para a mesma conexão entre“ paciência e esperança ”). veja em Rm 12:12 e veja em 1Ts 1:3).

5 O Deus da paciência e da consolação vos dê a mesma mentalidade uns para com os outros, segundo Cristo Jesus,

Comentário de David Brown

O Deus da paciência e da consolação – Tais belos nomes de Deus são tirados das graças que Ele inspira:como “o Deus da esperança” (Rm 15:13), “o Deus da paz” (Rm 15:33).

segundo Cristo Jesus – Não é mera unanimidade que o apóstolo procura para eles; para a unanimidade no mal é para ser preterido. Mas é “de acordo com Cristo Jesus” – segundo o modelo mais sublime daquele cujo desejo absorvente era fazer “não a sua própria vontade, mas a vontade daquele que O enviou” (Jo 6:38).

6 a fim de que, em comum acordo, como uma só boca, glorifiqueis ao Deus e Pai de nosso Senhor Jesus Cristo.

Comentário Barnes

a fim de que, em comum acordo – A palavra usada aqui é traduzida por “unanimidade”; Atos 1:14 ; Atos 2:1 ; Atos 4:24 . Significa união, com um propósito, sem contendas, contendas e jarros.

como uma só boca – Refere-se, sem dúvida, às suas orações e louvores. Para que eles possam se juntar sem contendas e sentimentos indelicados, na adoração a Deus. Divisões, contendas e contendas na igreja impedem a união na adoração. Embora o “corpo” possa estar lá, e a igreja “declaradamente” engajada na adoração pública, ainda assim é um serviço “dividido”; e as orações de contenda e contenda não são ouvidas; Isaías 58:4 .

glorifiqueis ao Deus – Louve ou honre a Deus. Isso seria feito por sua união, paz e harmonia; mostrando assim a tendência do evangelho de vencer as fontes de contenda e contenda entre as pessoas e de trazê-las à paz.

e Pai… – Esta é uma adição destinada a produzir amor.

(1) ele é “um Pai”; nós, então, seus filhos, devemos considerá-lo satisfeito com a união e a paz de sua família.

(2) ele é o Pai de nosso Senhor; nosso Senhor “comum”; nosso Senhor, que nos ordenou que fôssemos unidos e que nos amássemos uns aos outros. Pelo desejo de honrar “tal” Pai, devemos deixar de lado as contendas e estar unidos nas ligações do amor. [Barnes, aguardando revisão]

7 Portanto, recebei uns aos outros, assim como também Cristo nos recebeu para a glória de Deus.

Comentário Barnes

Portanto – Em vista de todas as considerações que tendem a produzir unidade e amor, que foram apresentadas. Ele se refere aos vários argumentos neste e no capítulo anterior.

recebei uns aos outros – Reconheçam-se uns aos outros como cristãos e tratem uns aos outros como tal, embora vocês possam ter opiniões diferentes sobre muitos assuntos menores; veja Romanos 14:3 .

assim como também Cristo nos recebeu – Ou seja, nos recebeu como seus amigos e seguidores; veja Romanos 14:3 .

para a glória de Deus – A fim de promover sua glória. Ele nos redimiu e nos renovou para promover a honra de Deus; compare Efésios 1:6 . Assim como Cristo nos recebeu para promover a glória de Deus, devemos tratar uns aos outros de maneira semelhante para um propósito semelhante. A exortação em versos tiffs é para aqueles que foram divididos em vários pontos relativos a ritos e cerimônias; para aqueles que foram convertidos entre “gentios” e “judeus”; e o apóstolo aqui diz que Cristo recebeu “ambos”. A fim de reforçar isso, e especialmente para mostrar aos convertidos “judeus” que eles deveriam receber e reconhecer seus irmãos “gentios”, ele passa a mostrar, nos versículos seguintes, que Cristo fez referência a “ambos” em sua obra. Romanos 15:8 , e para os “gentios” Romanos 15:9-12 . Assim, ele tira todos os seus argumentos da obra de Cristo. [Barnes, aguardando revisão]

8 Pois digo que Cristo se tornou servidor da circuncisão por causa da verdade de Deus, para confirmar as promessas feitas aos patriarcas;

Comentário de David Brown

servidor da circuncisão – uma expressão notável, significando “o Servo do Pai para a salvação da circuncisão (ou, de Israel)”.

por causa da verdade de Deus – para fazer bem a veracidade de Deus para com o Seu povo antigo.

para confirmar as promessas feitas aos patriarcas – Para alegrar os crentes judeus, a quem ele parece ter sido depreciativo, e para manter baixo o orgulho dos gentios, o apóstolo sustenta a salvação de Israel como o fim primário da missão de Cristo. Mas depois disso, Cristo foi enviado.

9 e para que os gentios glorifiquem a Deus por causa de sua misericórdia, como está escrito:'Por isso entre os gentios te confessarei, e ao teu nome cantarei.'

Comentário Barnes

e para que os gentios… – Os benefícios do evangelho não deveriam ser confinados aos “judeus”; e como Deus “designou” que esses benefícios fossem estendidos aos “gentios”, os convertidos judeus devem estar dispostos a admiti-los e tratá-los como irmãos. Que Deus “planejou” isso, o apóstolo passa a mostrar.

glorifiquem a Deus – pode “louvar” ou dar graças a Deus. Isso implica que o favor mostrado a eles foi um “grande” favor.

Por sua misericórdia – grego, por conta da misericórdia mostrada a eles.

como está escritoSalmo 18:49 . A expressão ali é uma de Davi. Ele diz que irá louvar a Deus por sua misericórdia “entre” os pagãos, ou quando estiver rodeado “por” os pagãos; ou que confessaria e reconheceria as misericórdias de Deus para com ele, como deveríamos dizer, “para todo o mundo”. O apóstolo, entretanto, usa isso neste sentido, que os “gentios” iriam “participar” com o judeu em louvar a Deus, ou que eles seriam unidos. Este não parece ter sido o desígnio original de Davi no salmo, mas as “palavras” expressam a idéia do apóstolo.

cantarei – Celebre o seu louvor. Isso supõe que “benefícios” seriam conferidos a eles, pelos quais celebrariam sua bondade. [Barnes, aguardando revisão]

10 E outra vez diz:“Alegrai-vos, gentios, com o povo dele.”

Comentário Barnes

Deuteronômio 32:43 . Neste lugar, as “nações” ou gentios são chamados a se alegrar com os judeus, pela interposição de Deus em seu favor. O objetivo da citação é mostrar que o Antigo Testamento fala dos gentios chamados a celebrar os louvores a Deus; é claro, o apóstolo infere que eles devem ter os mesmos privilégios que seu povo. [Barnes, aguardando revisão]

11 E outra vez:'Louvai ao Senhor todas as nações, e celebrai-o todos os povos'.

Comentário Barnes

E outra vezSalmo 117:1 . O objeto desta citação é o mesmo de antes. O apóstolo acumula citações para mostrar que era a linguagem comum do Antigo Testamento e que ele não dependia de uma única expressão para a verdade de sua doutrina.

e celebrai-o – “elogie-o”. O salmo está diretamente em questão. É um chamado a “todas” as nações para louvar a Deus; o ponto exato na discussão do apóstolo. [Barnes, aguardando revisão]

12 E outra vez Isaías diz:'Haverá a raiz de Jessé, e aquele que se levantará para governar as nações; nele os gentios esperarão'.

Comentário Barnes

Isaías dizIsaías 11:1 , Isaías 11:10 .

Haverá a raiz – um descendente, ou um que deveria proceder dele quando ele estivesse morto. Quando uma árvore morre e cai, pode permanecer uma “raiz” que manterá a vida e que dará um broto de uma espécie semelhante. Assim, Jó diz Jó 14:7:”Porque há esperança de que uma árvore, se for cortada, volte a brotar, e que o seu ramo tenro não cesse.” Então, em relação a Jesse. Embora ele deva cair, como uma árvore envelhecida, seu nome e família não devem ser extintos. Deve haver um descendente que deve se levantar e reinar sobre os gentios. O Senhor Jesus também é chamado de “raiz e descendência de Davi”; Apocalipse 22:16 ; Apocalipse 5:5 .

de Jessé – o pai de David; 1 Samuel 17:58 . O Messias era, portanto, descendente de Jessé.

aquele que se levantará – isto é, como um broto brota de uma árvore decadente ou caída. Jesus assim “ressuscitou” da família de Davi, que havia caído na pobreza e na vida humilde no tempo de Maria.

para governar as nações – isto é citado na Septuaginta de Isaías 11:10 . O hebraico é:”Que se levantará como um estandarte do povo”; isto é, um padrão ao qual eles se reunirão. Tanto a Septuaginta quanto a hebraica expressariam a idéia do apóstolo. O sentido “substancial” é mantido, embora não seja literalmente citado. A idéia de seu “reinado” sobre os gentios é totalmente expressa no segundo salmo.

nele… – hebraico, “A isto os gentios buscarão.” O sentido, entretanto, é o mesmo. O propósito desta citação é o mesmo que o anterior, para mostrar que foi predito no Antigo Testamento que os gentios deveriam se tornar participantes dos privilégios do evangelho. O argumento do apóstolo é que, se isso foi planejado, os convertidos ao cristianismo dentre os “judeus” deveriam deixar de lado seus preconceitos e “recebê-los” como irmãos, com direito aos mesmos privilégios do evangelho que eles próprios. O “fato” de que os gentios seriam admitidos a esses privilégios, o apóstolo discutiu mais amplamente em Romanos 10-11 . [Barnes, aguardando revisão]

13 O Deus da esperança vos encha de toda alegria e paz na fé, para que abundeis em esperança no poder do Espírito Santo.

Comentário Barnes

O Deus da esperança – o Deus que “inspira” ou “produz” a esperança cristã.

de toda alegria e paz Romanos 14:17 . Se estivessem cheios disso, não haveria contenda e contenda.

na fé – O efeito de acreditar é produzir alegria e paz.

para que abundeis… – Para que a vossa esperança seja firme e forte.

no poder… – Por meio da poderosa operação do Espírito Santo. É somente por seu poder que o cristão tem a esperança da vida eterna; veja Efésios 1:13-14 ; Romanos 8:24 . [Barnes, aguardando revisão]

14 Porém, meus irmãos, convencido estou acerca de vós de que também estais cheios de bondade, plenos de todo conhecimento, e capazes de também aconselhardes uns aos outros.

Comentário Barnes

Porém – o apóstolo aqui passa a mostrar-lhes por que escreveu esta epístola, e a declarar sua confiança neles. Ele os exortou à paz; ele se opôs a alguns de seus preconceitos mais fortes; e a fim de assegurar sua obediência às suas injunções, ele agora mostra-lhes o profundo interesse que tinha em seu bem-estar, embora nunca os tivesse visto.

meus irmãos – um endereço de afeto; mostrando que ele não estava disposto a assumir autoridade indevida, ou dominá-la sobre sua fé.

convencido estou – Ele nunca os tinha visto Romanos 1:10-13 , mas tinha plena confiança neles. Essa confiança ele havia expressado de forma mais completa no primeiro capítulo.

acerca de vós – Referente a você. Tenho total confiança em você.

cheios de bondade – Cheios de “bondade” ou “benevolência”. Ou seja, eles estavam “dispostos” a obedecer a quaisquer comandos justos; e que, conseqüentemente, quaisquer erros em suas opiniões e conduta não foram o efeito de obstinação ou perversidade. De fato, havia perigo de orgulho e arrogância na cidade de Roma; e entre os convertidos gentios pode ter havido alguma relutância em receber instruções de um judeu estrangeiro. Mas o apóstolo foi persuadido de que tudo isso foi superado pelo espírito brando e humilhante da religião, e que eles estavam dispostos a obedecer a quaisquer mandamentos justos. Ele fez essa observação, portanto, para conciliar o respeito à sua autoridade como apóstolo.

plenos de todo conhecimento – Ou seja, instruído nas doutrinas e deveres da religião cristã. Isso era verdade; mas pode haver ainda alguns pontos comparativamente sem importância e não essenciais, sobre os quais eles podem não estar totalmente claros. Sobre estes, o apóstolo havia escrito; e escrito, não professamente para comunicar “novas” idéias, mas para “lembrá-los” dos grandes princípios sobre os quais foram instruídos antes, Romanos 15:15 .

e capazes de também… – Ou seja, você está tão plenamente instruído nos princípios cristãos, a ponto de ser capaz de dar conselhos e conselhos, se necessário. Com este versículo podemos aprender,

(1) Quando for nosso dever dar instrução, admoestação ou conselho, deve ser de maneira gentil e conciliadora; não com aspereza, ou com a severidade da autoridade. Mesmo “um apóstolo” não assumiu aspereza ou severidade em suas instruções.

(2) não há impropriedade em falar das boas qualidades dos cristãos em sua presença; ou mesmo de “elogiá-los” e “elogiá-los” quando eles merecem.

O apóstolo Paulo estava o mais longe possível de sempre insistir nas faltas dos cristãos. Quando era necessário reprová-los, ele o fazia, mas o fazia com ternura e lágrimas. Quando ele “podia” elogiar, ele preferia; e nunca hesitou em dar-lhes o maior crédito possível. Ele não “bajulou”, mas disse a verdade; ele não recomendou despertar orgulho e vaidade, mas encorajar e estimular esforços ainda mais ativos. O ministro que sempre censura e condena, cujo ministério é feito de queixas e lamentações, que nunca fala de cristãos, mas com uma tendência de criticar, é diferente do exemplo do Salvador e de Paulo, e pode esperar pouco sucesso em seu trabalhar; compare Romanos 1:8 ; Romanos 16:19 ;; 2 Coríntios 8:7 ; 2 Coríntios 9:2 ; Filipenses 1:3-7 ; Hebreus 6:9 ; 2 Pedro 1:12 . [Barnes, aguardando revisão]

15 Mas em parte vos escrevi com mais ousadia, como que para vos relembrar, por causa da graça que me foi dada por Deus,

Comentário Barnes

Mas – não obstante minha plena persuasão de seu conhecimento e seu propósito de fazer o que é certo. Talvez ele se refira também ao fato de ser um estranho para eles.

com mais ousadia – Mais ousadamente do que se poderia esperar de um estranho. A razão pela qual ele mostrou essa ousadia em declarar seus sentimentos, ele imediatamente declara – que ele havia sido especialmente chamado para a função de instruir os gentios.

como que – ἀπὸ μ Budapος apo meros. Em parte. Alguns supõem que ele se referiu a uma “festa” em Roma – a festa gentia (Whitby). Alguns se referem a diferentes “partes” de sua epístola – sobre alguns assuntos (Stuart). Provavelmente, a expressão se destina a qualificar a frase “mais ousadamente”. A frase, diz Grotius, “diminui” aquilo de que é falada, como 1 Coríntios 13:9 , 1 Coríntios 13:12 ; 2 Coríntios 1:14 ; 2 Coríntios 2:5 ; e significa o mesmo que “um pouco mais livremente”; isto é, fui induzido a escrever com mais liberdade, “em parte” porque fui designado para este mesmo cargo. Escrevo um pouco mais livremente para uma igreja entre os gentios do que deveria mesmo para uma entre os judeus, “porque” fui designado para este mesmo cargo.

para vos relembrar – grego, chamando a sua “lembrança” ou “lembrando” você; compare isso com 2 Pedro 1:12-13 . Esta era uma maneira delicada de transmitir instruções. Os apóstolos presumiram que todos os cristãos estavam familiarizados com as grandes doutrinas da religião; mas eles não ordenaram, ordenaram ou assumiram um espírito; de ditado. Quão feliz seria se todos os professores imitassem o exemplo dos “apóstolos” nisso, e fossem tão modestos e humildes “como eles eram”.

por causa da graça… – Porque Deus me concedeu o favor de me designar para esta função; veja a nota em Romanos 1:5 . [Barnes, aguardando revisão]

16 a fim de que eu seja um servidor de Cristo Jesus entre os gentios, ministrando o evangelho de Deus, para que a oferta dos gentios seja agradável, santificada pelo Espírito Santo.

Comentário Barnes

um servidor – λειτουργὸν leitourgon. Esta não é a palavra comumente traduzida por “ministro” διάκονος diakonos. Esta palavra é apropriadamente apropriada para aqueles que ministram em cargos públicos ou nos negócios do estado. No Novo Testamento, é aplicado principalmente ao sacerdócio levítico, que ministrava e servia no altar; Hebreus 11:11 . No entanto, é aplicado aos ministros do Novo Testamento, como desempenhando “substancialmente” os mesmos ofícios para a igreja que foram desempenhados pelo sacerdócio levítico; isto é, empenhado em promover o bem-estar da igreja, ocupado com coisas sagradas, etc .; Atos 13:2 , “enquanto eles” ministravam “ao Senhor e jejuavam”, etc. Ainda é usado em um sentido mais amplo em Romanos 15:27 ;.

entre os gentios – compare Romanos 1:5 ; Atos 9:15 .

ministrando – ἱερουργοῦντα hierourgounta. Desempenhando a função de sacerdote no respeito ao evangelho de Deus. O ofício de um “sacerdote” era oferecer sacrifícios. Paulo aqui retém a “linguagem”, embora sem afirmar ou implicar que os ministros do Novo Testamento eram literalmente “sacerdotes” para oferecer sacrifícios. A palavra usada aqui não ocorre em nenhum outro lugar do Novo Testamento. Seu significado aqui deve ser determinado a partir da conexão. A questão é:qual é o “sacrifício” de que ele fala? É a “oferta” – o sacrifício dos gentios. Os sacrifícios judeus foram abolidos. O Messias havia cumprido o desígnio de sua designação, e eles deveriam ser eliminados. (Veja a Epístola aos Hebreus.) Não deveria haver mais nenhum sacrifício “literal”. Mas agora as “ofertas” dos gentios deviam ser tão aceitáveis ​​quanto haviam sido as ofertas dos judeus. Deus não fez distinção; e ao falar dessas ofertas, Paulo usou uma linguagem “figurativa” extraída dos ritos judaicos. Mas certamente ele não quis dizer que as ofertas dos gentios eram sacrifícios “literais” para expiar pecados; nem queria dizer que deveria haver uma ordem de homens que seriam chamados de “sacerdotes” no Novo Testamento. Se esta passagem “provasse” isso, provaria que deveria ser confinada aos “apóstolos”, pois é apenas deles que ele a usa. O significado é este:”Agindo na igreja cristã substancialmente como os sacerdotes agiam entre os judeus; isto é, esforçando-se para assegurar a aceitabilidade das ofertas que os gentios fazem a Deus.”

que a oferta – A palavra aqui traduzida por “oferta” προσφορά prosphora comumente significa “um sacrifício” ou uma oferta “expiatória”, e é aplicada a sacrifícios judeus; Atos 21:26 ; Atos 24:17 . Também se aplica ao sacrifício que foi feito por nosso Senhor Jesus Cristo quando se ofereceu na cruz pelos pecados das pessoas; Efésios 5:2 ; Hebreus 10:10 . Nem sempre significa sacrifícios “sangrentos”, mas é usado para denotar “qualquer” oferta a Deus; Hebreus 10:5 , Hebreus 10:8 , Hebreus 10:14 , Hebreus 10:18. Conseqüentemente, é usado neste sentido amplo para denotar a “oferta” que os gentios que foram convertidos ao Cristianismo fizeram de si mesmos; sua “devoção” ou dedicação a Deus. A “linguagem” é derivada dos costumes dos judeus; e o apóstolo se representa “figurativamente” como um sacerdote apresentando essa oferta a Deus.

seja agradável – ou aprovado por Deus. Isso estava de acordo com a predição em Isaías 66:20 :”De todas as nações trarão todos os vossos irmãos como oferta ao Senhor”, etc. Isso não significa que foi por qualquer mérito do apóstolo que esta oferta deveria ser considerado “aceitável”; mas que ele foi designado para preparar o caminho, de modo que “sua” oferta, bem como a dos “judeus”, pudesse subir diante de Deus.

santificada – Isto é, “a oferta” sendo santificada ou santificada. O sacrifício era “preparado” ou tornado adequado “para ser” uma oferta, entre os judeus, por sal, óleo ou olíbano, de acordo com a natureza do sacrifício; Levítico 6:14 , etc. Em alusão a isso, o apóstolo diz que a oferta dos gentios foi considerada “santa”, ou adequada para ser oferecida, pela conversão e purificação das influências do Espírito Santo. Eles foram preparados, não por sal e olíbano, mas pelas influências purificadoras do Espírito de Deus. A mesma ideia, substancialmente, é expressa pelo apóstolo Pedro em Atos 10:46 ; Atos 11:17 . [Barnes, aguardando revisão]

17 Assim eu me orgulho em Jesus Cristo das coisas relacionadas a Deus,

Comentário Barnes

Assim eu… – Eu tenho motivos para me gloriar. Tenho motivo para me regozijar porque Deus me fez ministro para os gentios e me deu tanto sucesso entre eles. A base disso ele afirma em Romanos 15:18-22 .

me orgulho – De “ostentação” (καύχησιν kauchēsin, a palavra geralmente traduzida como “ostentação”); Tiago 4:16 ; Romanos 3:27 ; 2 Coríntios 7:14 ; 2 Coríntios 8:24 ; 2 Coríntios 9:3-4 ; 2 Coríntios 10:15 ; 2 Coríntios 11:10 , 2 Coríntios 11:17 . Significa também “louvor, ação de graças” e “alegria”; 1 Coríntios 15:31 ; 2 Coríntios 1:12 ; 2 Coríntios 7:4 ; 2 Coríntios 8:24 ; 1 Tessalonicenses 2:19. Este é o significado aqui, que o apóstolo teve grande motivo de “regozijo” ou “louvor” por ter sido tão honrado na nomeação para este cargo, e em seu sucesso nele.

em Jesus Cristo – com a ajuda de Jesus Cristo; atribuindo seu sucesso entre os gentios à ajuda que Jesus Cristo o havia prestado.

das coisas relacionadas a Deus – compare Hebreus 5:1 . As coisas da religião; as coisas que Deus ordenou e que pertencem à sua honra e glória. Não eram coisas pertencentes a “Paulo”, mas a “Deus”:não operadas por Paulo, mas por Jesus Cristo; ainda assim, ele pode se alegrar por ter sido o meio de difundir até agora essas bênçãos. O sucesso de um ministro não é para “seus próprios” louvores, mas para a honra de Deus; não por sua habilidade ou poder, mas com a ajuda de Jesus Cristo; ainda assim, ele pode se alegrar que “por meio” dele tais bênçãos são conferidas às pessoas. [Barnes, aguardando revisão]

18 Pois eu não ousaria falar coisa alguma, a não ser o que Cristo fez por meio de mim, para tornar os gentios obedientes, por meio da palavra e da obra,

Comentário de David Brown

a não ser o que Cristo fez por meio de mim – uma forma modesta, embora um tanto obscura de expressão, significando:”Eu não ousarei ir além do que Cristo fez por mim” – em qual forma o resto da passagem é expresso . Observe aqui como Paulo atribui todo o sucesso de seus esforços à atividade do Redentor vivo, trabalhando nele e por ele.

por meio da palavra e da obra – por pregar e trabalhar; qual último ele explica na próxima cláusula. [JFB, aguardando revisão]

19 com poder de sinais e milagres, no poder do Espírito Santo; de maneira que desde Jerusalém e redondezas até Ilírico, cumpri a pregação do Evangelho de Cristo.

Comentário de David Brown

sinais e milagres – isto é, gloriosos milagres.

no poder do Espírito Santo – “o Espírito Santo”, como a verdadeira leitura parece ser. Isto parece destinado a explicar a eficácia da palavra pregada, bem como a operação dos milagres que a atestaram.

Ilírico – para o extremo noroeste da Grécia. Corresponde à Croácia moderna e à Dalmácia (2Tm 4:10). Veja At 20:1-2.

Eu tenho pregado completamente o evangelho de Cristo. [JFB, aguardando revisão]

20 E assim quis muito anunciar o Evangelho onde Cristo não houvesse sido pregado, para que eu não construísse sobre fundamento alheio;

Comentário Barnes

E assim quis muito – A palavra usada aqui φιλοτιμούμενον philotimoumenon significa apropriadamente “ser ambicioso, ser estudioso da honra”; e então “desejar” seriamente. Nesse sentido, é usado aqui. Ele desejou sinceramente; ele fez questão de se esforçar para penetrar em regiões que não tinham ouvido o evangelho.

onde Cristo não houvesse sido pregado – Onde o evangelho não tinha estado antes pregado.

para que eu não construísse… – Ou seja, ele desejava fundar igrejas ele mesmo; ele se considerava particularmente chamado para isso. Outros poderiam ser chamados para edificar a igreja, mas ele considerava sua função tornar conhecido o nome do Salvador onde antes não era conhecido. Este trabalho foi particularmente adaptado ao ardor, zelo, energia e bravura de um homem como Paulo. Cada homem tem seu dom adequado; e há alguns particularmente adequados para “fundar” e estabelecer igrejas; outros para edificá-los e confortá-los; compare 2 Coríntios 10:13-16 . O apóstolo escolheu a honra mais elevada, envolvendo mais perigo e responsabilidade; mas ainda assim, qualquer cargo na edificação da igreja é honrado. [Barnes, aguardando revisão]

21 ao contrário, como está escrito:'Aqueles a quem dele não foi anunciado o verão; e os que não ouviram entenderão.'

Comentário Barnes

ao contrário, como está escritoIsaías 52:15 . Isso não é citado literalmente, mas o sentido é mantido. O propósito de citá-lo é justificar o princípio sobre o qual o apóstolo agiu. Foi revelado que o evangelho deveria ser pregado aos gentios; e ele considerou uma grande honra ser o instrumento para levar a efeito essa predição. [Barnes, aguardando revisão]

22 Por isso também muitas vezes tenho sido impedido de ir até vós.

Comentário Barnes

Por isso – tenho estado tão inteiramente ocupado neste propósito principal de minha vida, que não pude ir até você.

tenho sido impedido – Muitas maneiras; não muitas vezes. Eu tinha demandas tão frequentes e urgentes do meu tempo em outro lugar, que não pude ir até você.

de ir até vós – Onde o evangelho “foi” pregado. Desejei vir, mas não pude deixar a vasta região onde poderia pregar o evangelho para aqueles que nunca o tinham ouvido. [Barnes, aguardando revisão]

23 Mas agora, como nessas regiões não há mais lugar em que eu precise trabalhar, e já por muitos anos tive grande desejo de ir até vós,

Comentário Barnes

Mas agora… – Não tendo mais oportunidade nessas regiões de pregar para aqueles que nunca ouviram o evangelho.

como nessas regiões – Nas regiões antes especificadas. Ele havia passado por eles, estabelecido igrejas, tinha-os deixado aos cuidados dos presbíteros ( Atos 20:17) e agora estava preparado para penetrar em alguma nova região e lançar os alicerces de outras igrejas.

tive grande desejo… – Veja Romanos 1:9-13 . [Barnes, aguardando revisão]

24 quando eu for para a Espanha pois espero vos ver no caminho, e receber ajuda de vossa parte para a viagem, depois de primeiramente ficar um tempo satisfazendo o desejo de estar convosco.

Comentário Barnes

quando eu for para a Espanha – a Espanha Antiga compreendia os reinos modernos da Espanha e Portugal, ou toda a península espanhola. Foi então submetido aos romanos. É notável, mesmo aqui, que o apóstolo não diga que seu objetivo principal era visitar a igreja de Roma, por mais que desejasse, mas apenas “levá-la à sua maneira” no cumprimento de seu propósito superior de pregar o evangelho em regiões onde Cristo não foi nomeado. Se alguma vez cumpriu o seu propósito de visitar a “Espanha” é uma questão duvidosa. Alguns dos pais, Teodoreto (em Filipenses 1:25 ; 2 Timóteo 4:17) entre outros, dizem que depois de ter sido libertado do cativeiro, quando foi levado perante Nero, passou dois anos na Espanha. Se ele foi preso uma “segunda” vez em Roma, não é improvável que tal visita tenha ocorrido “entre” as duas prisões. Mas não há nenhuma evidência certa disso. Paulo provavelmente projetou “muitas” viagens que nunca foram realizadas.

pois espero vos ver no caminho… – Ser auxiliado por você nesta jornada; ou estar acompanhado por você. Esse era o costume das igrejas; Atos 15:3 ; Atos 17:14-15 ; Atos 20:38 ; Atos 21:5 ; 1 Coríntios 16:6 , 1 Coríntios 16:11 ; 3 João 1:8 .

depois de primeiramente… – Se estiver na minha viagem, antes de ir para a Espanha.

um tempo – grego, “em parte”. Como se ele não pudesse estar “totalmente” satisfeito com sua companhia, ou não pudesse esperar desfrutar de sua companhia tão completamente e por tanto tempo quanto ele poderia desejar. Esta é uma expressão muito terna e delicada.

satisfazendo  – Esta é uma expressão forte, que significa estar “satisfeito”, desfrutar. Estar “preenchido” com uma coisa é ter grande satisfação e alegria nela.

o desejo de estar convosco – grego, com “você”; significado em sua sociedade. A expressão “ser preenchido” com um, no sentido de ser “gratificado”, é algumas vezes usada nos escritores clássicos. [Barnes, aguardando revisão]

25 Mas por ora, vou a Jerusalém, a fim de auxiliar os santos.

Comentário Barnes

Mas por ora, vou… – Estou prestes a ir agora. A menção desta viagem pretendida a Jerusalém é introduzida em vários outros lugares, e é tão mencionada que o Dr. Paley derivou dela um argumento muito forte para a genuinidade desta epístola. Esta viagem planejada é mencionada em Atos 19:21 :“Paulo propôs no espírito, passando pela Macedônia e Acaia, ir a Jerusalém, dizendo que depois de lá ter estado, também devo ver Roma”; veja também Atos 20:2-3 . Que ele “foi” a Jerusalém de acordo com seu propósito está registrado em sua defesa diante de Félix Atos 24:17 :”Agora, depois de muitos anos, vim trazer esmolas à minha nação e ofertas.”

a fim de auxiliar os santos – Para suprir suas necessidades, levando a contribuição que as igrejas têm feito para eles. [Barnes, aguardando revisão]

26 Pois, aos da Macedônia e Acaia pareceu bem fazer uma contribuição para os pobres dentre os santos que estão em Jerusalém.

Comentário de David Brown

Melhor:“Pois a Macedônia e a Acaia acharam bom dar uma certa contribuição para os pobres dos santos que estão em Jerusalém” (ver At 24:17). “Eles acham que é bom; e seus devedores, na verdade, são ”; isto é, “E bem podem, considerando o que os crentes gentios devem aos seus irmãos judeus”. [JFB, aguardando revisão]

27 Isso lhes pareceu bem, como quem está em dívida para com eles; porque, se os gentios foram participantes dos seus bens espirituais, devem também ajudá-los com os materiais.

Comentário Barnes

está em dívida para com eles – A razão que ele afirma imediatamente; compare Romanos 1:14 .

dos seus bens espirituais – Receberam o evangelho pela instrumentalidade daqueles que haviam sido judeus; e foram admitidos agora aos mesmos privilégios com eles.

com os materiais – coisas pertencentes à carne; isto é, para esta vida. Sobre este fundamento, o apóstolo coloca a obrigação de apoiar os ministros do evangelho; 1 Coríntios 9:11. Torna-se uma questão de “dívida” onde o ouvinte do evangelho “recebe”, em bênçãos espirituais, muito mais do que confere apoiando o ministério. Todo homem que contribui com sua devida proporção para apoiar o evangelho pode receber muito mais, em troca, em sua própria paz, edificação e na ordem e felicidade de sua família, do que seu dinheiro poderia comprar de qualquer outra forma. O “ganho” está do lado dele e o dinheiro não está perdido. O ministro não é um mendigo; e o que é necessário para seu sustento não é dar esmolas. Ele tem direito igual – tanto quanto um médico, advogado ou professor de jovens – sobre as necessidades e confortos da vida. [Barnes, aguardando revisão]

28 Assim que eu concluir isso, e garantir a entrega desse fruto a eles, partirei para a Espanha passando para vos visitar.

Comentário Barnes

Assim que eu concluir isso – isto é, ter “assegurado” a eles. Selar um instrumento escrito, um contrato, uma escritura, etc. é “autenticá-lo”, torná-lo “seguro”. Nesse sentido, é usado aqui. O próprio Paulo ia cuidar para que fosse colocado “com segurança” em suas mãos.

desse fruto – Este resultado da liberalidade das igrejas gentias – o fruto que sua benevolência havia produzido.

partirei… – Este era o propósito completo de Paulo; mas não está claro se ele alguma vez o realizou; Nota, Romanos 15:24 .

passando para vos visitar – Tomando Roma no meu caminho. [Barnes, aguardando revisão]

29 E sei que, quando chegar até vós, virei com a plenitude da bênção de Cristo.

Comentário Barnes

E sei – grego, eu sei; expressando a mais completa confiança, uma confiança que foi amplamente confirmada pelo sucesso de seus trabalhos em outros lugares.

com a plenitude da bênção… – Este é um modo de expressão hebraico, onde um substantivo executa o propósito de um adjetivo e significa “com uma bênção plena ou abundante”. Essa confiança ele, expressa em outra linguagem em Romanos 1:11-12 ; veja as notas.

de Cristo – O qual o evangelho de Cristo é adequado para transmitir. Portanto, todo ministro do evangelho deve desejar ir. Este deveria ser seu desejo ardente na pregação. Paulo foi para Roma; mas ele foi amarrado; Atos 27 ; 28. Mas embora ele fosse dessa maneira, ele teve permissão para pregar o evangelho por pelo menos dois anos, nem podemos duvidar que seu ministério teve o sucesso esperado; Atos 28:30-31. Deus pode nos decepcionar com respeito ao “modo” pelo qual nos propomos a fazer o bem; mas se realmente o desejarmos, ele nos capacitará a fazê-lo “à sua maneira”. “Pode” ser melhor pregar o evangelho com “laços” do que com liberdade; é “melhor” fazê-lo mesmo em uma prisão, do que não fazê-lo. Bunyan escreveu o Pilgrim’s Progress para divertir suas horas pesadas durante uma prisão cruel de doze anos. Se ele estivesse em liberdade, provavelmente não o teria escrito. O grande desejo de seu coração foi realizado, mas uma “prisão” era o lugar para fazê-lo. Paulo pregou; mas pregado em correntes. [Barnes, aguardando revisão]

30 Rogo-vos, porém, irmãos, pelo nosso Senhor Jesus Cristo, e pelo amor do Espírito, que luteis comigo em orações a Deus por mim,

Comentário de David Brown

Rogo-vos, porém, irmãos, pelo nosso Senhor Jesus Cristo, e pelo amor do Espírito – ou “pelo Senhor Jesus Cristo, e pelo amor do Espírito” – não o amor que o Espírito carrega nós, mas aquele amor que Ele acende no coração dos crentes um para o outro; isto é:Por aquele Salvador cujo nome é igualmente querido a todos nós e cujas riquezas insondáveis ​​eu vivo apenas para proclamar, e por esse amor um ao outro que o bendito Espírito difunde através de toda a irmandade, fazendo os trabalhos dos servos de Cristo uma questão de interesse comum para todos – eu peço a você. ”

que luteis comigo em orações a Deus por mim – implicando que ele tinha suas bases para o medo ansioso neste assunto. [JFB, aguardando revisão]

31 para que eu esteja livre dos rebeldes na Judeia, e que este meu serviço em Jerusalém seja bem aceito pelos santos,

Comentário de David Brown

para que eu esteja livre dos rebeldes – “que não obedecem”, isto é, a verdade, crendo nisso; como em Rm 2:8.

na Judeia – Ele viu a tempestade que estava se acumulando sobre ele na Judéia, que, se fosse, certamente explodiria sobre sua cabeça quando ele chegasse à capital; e o evento também mostrou claramente a exatidão dessas apreensões.

e que este meu serviço em Jerusalém – (Veja em Rm 15:25-28).

pelos santos – Nem ele estava sem receio de que a oposição que ele havia feito ao estreito ciúme dos judeus convertidos contra a livre recepção de seus irmãos gentios, fizesse este presente deles aos pobres santos em Jerusalém menos bem-vindo do que deveria ser . Ele teria os romanos, portanto, para se juntar a ele na luta com Deus que este presente poderia ser recebido com gratidão, e provar um cimento entre as duas partes. Mas ainda mais. [JFB, aguardando revisão]

32 a fim de que eu possa chegar até vós com alegria, pela vontade de Deus, e que eu possa descansar convosco.

Comentário Barnes

a fim de que eu possa chegar até vós – Para que eu não seja impedido em minha viagem pretendida pela oposição na Judéia.

com alegria – Alegria para mim mesmo em ter permissão para vir; e produzindo alegria para você pela minha presença.

pela vontade de Deus – se Deus quiser; se Deus permitir. Depois de todos os seus desejos, e todas as suas orações, ainda dependia da vontade de Deus; e a isso o apóstolo estava desejoso de se submeter. Este deve ser o fim de nossos mais ardentes desejos, e este deve ser o objetivo de todas as nossas orações, que a vontade de Deus seja feita; compare com Tiago 4:14-15 . Paulo “fez” a vontade de Deus; mas ele foi preso.

e que eu possa descansar convosco – grego, pode encontrar “descanso” ou “consolo” com você. [Barnes, aguardando revisão]

33 E o Deus da paz esteja com todos vós. Amém!

Comentário de David Brown

A paz aqui buscada deve ser tomada em seu sentido mais amplo:a paz da reconciliação com Deus, primeiro, “pelo sangue do pacto eterno” (Hb 13:20; 1Ts 5:23; 2Ts 3:16; Fp 4:9); então a paz que essa reconciliação difunde entre todos os participantes dela (1Co 14:33; 2Co 13:11; e veja em Rm 16:20); mais amplamente ainda, aquela paz que os filhos de Deus, em bela imitação de seu Pai Celestial, são chamados e privilegiados a difundir-se por toda parte neste mundo dividido pelo pecado e distraído (Rm 12:18; Mt 5:9; Hb 12:14; Tg 3:18). [JFB, aguardando revisão]

<Romanos 14 Romanos 16>

Visão geral de Romanos

Na carta aos Romanos, “Paulo mostra como Jesus criou a nova família da aliança com Abraão através da sua morte e ressurreição, e através do envio do Espírito Santo”. Para uma visão geral desta carta, assista ao breve vídeo abaixo produzido (em duas partes) pelo BibleProject.

Parte 1 (8 minutos).

🔗 Abrir vídeo no Youtube.

Parte 2 (10 minutos).

🔗 Abrir vídeo no Youtube.

Leia também uma introdução à Epístola aos Romanos.

Todas as Escrituras em português citadas são da Bíblia Livre (BLIVRE), Copyright © Diego Santos, Mario Sérgio, e Marco Teles – fevereiro de 2018.