Tiago 3

O cuidado com a língua

1 Meus irmãos, não sejam muitos de vocês mestres, sabendo que receberemos um julgamento mais rigoroso.

não sejam muitos de vocês mestres [na igreja], sabendo que [nós, os que ensinamos] receberemos um julgamento mais rigoroso.

2 Pois todos tropeçamos em muitas coisas. Se alguém não tropeça no que diz, tal indivíduo é perfeito, e também capaz de refrear todo o corpo.

tal indivíduo é perfeito “perfeito” no sentido em que o apóstolo explica logo a seguir; ele é capaz de controlar todos os outros membros de seu corpo. O seu objetivo não é apresentar o ser humano como absolutamente imaculado em todos os sentidos, e como totalmente livre de pecado, pois ele mesmo disse que “todos tropeçam em muitas coisas”; mas o objetivo é mostrar que se uma pessoa consegue controlar sua língua, ela tem domínio completo sobre si mesmo, tanto quanto alguém tem sobre um cavalo, ou como um timoneiro tem sobre um navio se ele estiver segurando o leme. Ele é perfeito nesse sentido, que tem controle total sobre si mesmo e não estará sujeito a cometer erros em nada. O objetivo é mostrar a posição importante que a língua ocupa, como governante de todo o indivíduo. [Barnes, 1870]

3 Ora, colocamos freios na boca dos cavalos para nos obedecerem, e assim manobramos todo o corpo deles.
4 Vede também os navios, sendo tão grandes, e levados por impetuosos ventos, são manobrados com um pequeníssimo leme para onde quer que queira o impulso daquele que dirige.

levados por impetuosos ventos (compare com Salmo 107:25-27Jonas 1:4Mateus 8:24Atos 27:14).

5 Assim também a língua é um pequeno membro, mas se orgulha de grandes coisas. Vede como um pouco de fogo incendeia um grande bosque!

se orgulha de grandes coisas. “Orgulha” aqui tem um sentido neutro (Barnes, Clarke), ou seja, a língua é um pequeno membro, mas é capaz de grandes coisas, boas ou ruins.

6 A língua também é um fogo, um mundo da injustiça. Colocada entre os nossos membros, a língua contamina todo o corpo e inflama o curso da existência, sendo ela mesma inflamada pelo inferno.

inflama o curso da existência – trazendo destruição onde quer que seja mal usada.

sendo ela mesma inflamada pelo inferno. Inferno, ou geena, é apresentado como um lugar onde o fogo queima continuamente. A ideia aqui é que aquilo que faz com que a língua faça tanto mal tem sua origem no inferno. Nada poderia caracterizar melhor muito do que as línguas fazem, do que dizer que tem sua origem no inferno, e tem o espírito que lá reina. O próprio espírito daquele mundo de fogo e maldade – um espírito de falsidade, calúnia, blasfêmia e contaminação – parece inspirar a língua. A imagem que parece ter estado diante da mente do apóstolo era a de uma chama que acende e queima tudo conforme avança – uma chama acesa no fogo do inferno. Uma das descrições mais marcantes das desgraças e maldições que podem existir no inferno, seria retratar as tristezas causadas na terra pela língua. [Barnes, 1870]

7 Pois toda espécie, tanto de animais selvagens como de aves, tanto de répteis como de animais marinhos, é dominável e tem sido dominada pela espécie humana;

Comentário de Albert Barnes

Pois toda espécie, tanto de animais selvagens. O apóstolo passa a declarar outra coisa que mostra o poder da língua, o fato de que ela é ingovernável e que não há poder do homem para mantê-la sob controle. Todo o resto, menos isso, foi domado. É desnecessário refinar as expressões usadas aqui, tentando provar que é literalmente verdade que todas as espécies de animais, pássaros e peixes foram domadas. O apóstolo deve ser entendido como falando em um sentido geral e popular, mostrando o notável poder do homem sobre aquelas coisas que são por natureza selvagens e selvagens. O poder do homem em domar animais selvagens é maravilhoso. De fato, deve-se lembrar que quase todos os animais que agora chamamos de animais “domésticos”, e que estamos acostumados a ver apenas quando são mansos, já foram raças ferozes e selvagens. Este é o caso do cavalo, do boi, do jumento (veja as notas em Jó 11:12; Jó 39:5), do porco, do cachorro, do gato etc. “Talvez não haja nenhum tipo de criatura, à qual o homem tenha acesso, que não possa ser domada por ele com a devida perseverança. Os antigos parecem ter feito mais esforços para esse fim, e com muito mais sucesso, do que nós. Os exemplos dados por Plínio, de criaturas domesticadas pelos homens, relacionam-se a elefantes, leões e tigres, entre os animais; à águia, entre os pássaros; às víboras e outras serpentes; e aos crocodilos e vários peixes, entre os habitantes da água. História Natural viii. 9, 16, 17; x. 5, 44. O leão era muito comumente domado pelos antigos egípcios e treinado para ajudar tanto na caça quanto na guerra”. O único animal que se supõe que desafiou o poder do homem para domá-lo é a hiena, e mesmo isso, diz-se, foi subjugado, nos tempos modernos. Há uma passagem em Eurípides que tem uma forte semelhança com esta de Tiago: Βραχὺ τοι σθένος ἀνέρος Ἀλλὰ ποικιλίαις πραπίδων Δαμᾷ φῦλα πόντου, Χθονίων τ ̓ ἀερίων τε παιδεύματα. “Pequeno é o poder que a natureza deu ao homem; mas, por vários atos de seu entendimento superior, ele subjugou as tribos do mar, da terra e do ar”. Compare, a este respeito, as passagens citadas por Pricaeus na Critici Sacri, in loc.

como de aves. É comum domesticar pássaros, e mesmo os mais selvagens são suscetíveis de serem domesticados. Uma parte da raça de couro, como a galinha, o ganso, o pato, é completamente domesticada. O pombo, o martin, o falcão, a águia, podem ser; e talvez não haja ninguém dessa raça que não possa estar sujeito à vontade do homem.

tanto de répteis. Os antigos mostraram grande habilidade nesta arte, em referência às víboras e outras serpentes venenosas, e é comum agora na Índia. Em muitos casos, de fato, sabe-se que as presas das serpentes são extraídas; mas mesmo quando isso não é feito, os que praticam a arte aprendem a manejá-los impunemente.

como de animais marinhos. Como o crocodilo mencionado por Plínio. Pode-se afirmar com confiança que não há animal que não possa, por habilidade e perseverança, ser domesticado ou obediente à vontade do homem. Não é necessário, no entanto, entender o apóstolo como afirmando que literalmente todo animal foi domado, ou pode ser. Ele evidentemente fala em um sentido popular do grande poder que o homem inegavelmente tem sobre todos os tipos de animais selvagens – sobre a criação abaixo dele. [Barnes, aguardando revisão]

8 porém ninguém consegue dominar a língua; ela é um mal que se pode conter, cheio de veneno mortal.

ninguém consegue dominar a língua. Isso não significa que ela nunca seja posta sob controle, mas que é impossível subjugá-la por completo. Seria possível subjugar e domesticar qualquer espécie de animal, mas isso não poderia ser feito com a língua. [Barnes, 1870]

9 Com ela bendizemos o Deus e Pai, e com ela amaldiçoamos os seres humanos, feitos à semelhança de Deus.

Deus e Pai. Alguns manuscritos trazem “Senhor e Pai”, por isso a diferença entre as traduções.

10 Da mesma boca procedem benção e maldição. Meus irmãos, isso não deve ser assim.

Da mesma boca procedem benção e maldição (compare com Salmo 50:16-20Jeremias 7:4-10Miqueias 3:11Romanos 12:141Pedro 3:9).

11 Acaso uma fonte jorra do mesmo manancial água doce e água amarga?

Comentário A. R. Fausset

fonte – o coração: como a abertura da fonte representa a boca. A imagem é apropriada à cena da carta, Palestina, onde se encontram fontes salgadas e amargas. Embora as fontes “doces” às vezes sejam encontradas próximas, ainda assim “doces e amargos” (água) não fluem “na mesma abertura”. A graça pode fazer a boca que ‘enviou o amargo’ uma vez, enviar o doce: como a madeira (típica da cruz de Cristo) transformou a água amarga de Mara em doce. [JFU, aguardando revisão]

12 Meus irmãos, pode a figueira dar azeitonas, ou a videira figos? E nenhuma fonte dá tanto água salgada como doce.

A sabedoria que vem do alto

13 Quem dentre vocês é sábio e inteligente? Que mostre pela boa conduta as suas obras em humildade de sabedoria.

humildade de sabedoria – ou seja, “com a humildade que vem da sabedoria” (NVT).

14 Porém, se vocês tem amarga inveja e rivalidade em seu coração, não se orgulhem, nem mintam contra a verdade.

nem mintam contra a verdade – ou seja, nem mintam dizendo que são sábios, quando não o são (Barnes); ou então, nem mintam contra o Evangelho (Ellicott, Plumptre).

15 Esta sabedoria não é a que vem do alto, mas sim, terrena, animal, e demoníaca.

animal – literalmente, animalesca: a sabedoria do homem “natural” (1Coríntios 2:14, o mesmo grego), não nascido de novo de Deus; “não tendo o Espírito” (Judas 1:19).

demoníaca – ou seja, originária do inferno (Tiago 3:6), não de Deus, o Dador da verdadeira sabedoria (Tiago 1:5); a sua qualidade inerente está de acordo com a sua origem. “Terrena, animal, e demoníaca” corresponde aos três inimigos espirituais do ser humano, o mundo, a carne e o diabo. [JFU, 1871]

16 Pois onde há inveja e rivalidade, ali há confusão e toda obra perversa.

inveja e rivalidade (compare com Tiago 3:141Coríntios 3:3Gálatas 5:20).

17 Mas a sabedoria que vem do alto é primeiramente pura, depois pacífica, gentil, amigável, cheia de misericórdia e de boas obras, imparcial e sem hipocrisia.
[cheia] de boas obras – em contraste com “toda obra perversa” (Tiago 3:16). No original grego, [cheia] de bons frutos.

18 O fruto da justiça é semeado na paz para os que promovem a paz.

Os pacificadores (“os que promovem a paz”) que semeiam em paz colherão as bênçãos do Reino (“fruto da justiça”).

<Tiago 2 Tiago 4>

Visão geral de Tiago

Em seu livro, Tiago “combina a sabedoria de seu irmão Jesus com o livro de Provérbios em seu próprio chamado desafiador para viver uma vida totalmente devotada a Deus”. Tenha uma visão geral deste livro através do vídeo a seguir produzido pelo BibleProject. (8 minutos)

🔗 Abrir vídeo no YouTube.

Leia também uma introdução à Epístola de Tiago.

Todas as Escrituras em português citadas são da Bíblia Livre (BLIVRE), Copyright © Diego Santos, Mario Sérgio, e Marco Teles, com adaptação de Luan Lessa – maio de 2021.