Bíblia, Revisar

Salmo 107

1 Agradecei ao SENHOR, porque ele é bom; porque sua bondade dura para sempre.

Este apelo por louvores gratos é o fardo ou coro (compare Sl 107: 8, Salmo 107: 15, etc.).

2 Digam isso os resgatados pelo SENHOR, os quais ele resgatou das mão do adversário.

resgatados pelo SENHOR – (compare com Is 35: 9, Is 35:10).

Digam – isto é, que a Sua misericórdia, etc.

mão do – ou, “poder do inimigo”.

3 E os que ele ajuntou de todas as terras, do oriente e do ocidente, do norte e do sul.

ajuntou – aludindo à dispersão de cativos em todo o império babilônico.

do sul – literalmente, “o mar”, ou, Mar Vermelho (Salmo 114: 3), que ficava ao sul.

4 Os que andaram sem rumo no deserto, por caminhos solitários; os que não acharam cidade para morarem.

Uma imagem gráfica é dada dos sofrimentos daqueles que, de terras distantes, retornaram a Jerusalém; ou,

cidade para morarem – pode significar a terra da Palestina.

5 Famintos e sedentos, suas almas neles desfaleciam.

desfaleciam – foi oprimido (Salmo 61: 3; Sl 77: 3).

6 Mas eles clamaram ao SENHOR em suas angústias, e ele os livrou de suas aflições.

(Sl 106:44; 50:15) Os problemas são como os cães que levam as ovelhas errantes de volta ao rebanho e ao Pastor. [JFU]

7 E os levou ao caminho correto, para irem a uma cidade de moradia.

Em contraste com seu estado anterior (Sl 107:4, “os que não encontraram nenhuma cidade para habitar”). O caminho é desconhecido para o povo de Deus (Is 42:16); mas Deus, em resposta à sua oração, ‘ensina-lhes o bom caminho em que devem andar’ (1Rs 8:36,38); e revela aos que O buscam ‘um caminho reto para eles, para seus filhos e para todas as suas posses’ (Esd 8:21). O verdadeiro clamor de Israel é: “Faze-me conhecer o caminho em que devo andar, porque a ti levanto a minha alma” (Sl 143:8). [JFU]

8 Agradeçam ao SENHOR por sua bondade, e suas maravilhas perante os filhos dos homens.

Ao coro acrescenta-se, como motivo de louvor, um exemplo da extrema angústia da qual foram entregues – fome extrema, a mais profunda privação de uma jornada no deserto.

9 Porque ele fartou a alma sedenta, e encheu de bem a alma faminta;

Porque ele fartou a alma sedenta. Literalmente, correndo para lá e para cá em busca de alguma coisa. Compare com Isaías 29:8. Deus satisfaz os anseios do seu povo (Sl 103:5; 104:13,16). [JFU]

10 Os que estavam sentados em trevas e sombra de morte, presos com aflição e ferro,

Seus sofrimentos foram por sua rebelião contra (Salmo 105: 28) as palavras, ou propósitos, ou promessas, de Deus em seu benefício. Quando humilhados, clamam a Deus, que os livra do cativeiro, descrito como um calabouço escuro com portas e barras de metal, no qual estão presos em ferro – isto é, correntes e grilhões.

sombra da morte – escuridão com perigo (Salmo 23: 4).

11 Porque se rebelaram contra os mandamentos de Deus, e rejeitaram o conselho do Altíssimo.

Porque se rebelaram contra os mandamentos de Deus. No original hebraico há um jogo de sons semelhantes uma peça sobre sons semelhantes. As palavras de Deus são aquelas faladas na Lei e pelos profetas.

e rejeitaram o conselho do Altíssimo. Outro jogo sobre sons semelhantes no orignal hebraico. Seu conselho é o que Ele lhes deu para o seu bem (Pv 1:25; 2Rs 17:13-14). Alguns chegaram ao ponto de zombar do conselho de Deus de destruir os impenitentes, e salvar apenas os piedosos no dia da visitação (Is 5:19; compare com Sl 106:13; Lc 7:30). [JFU]

12 Por isso ele abateu seus corações com trabalhos cansativos; eles tropeçaram, e não houve quem os socorresse.

Por isso ele abateu seus corações com trabalhos cansativos. O seu coração tinha sido orgulhoso e rebelde. O Senhor os abateu pela aflição.

eles tropeçaram, e não houve quem os socorresse. Ao passo que até então eles estavam cheios de autoconfiança em suas próprias forças. [JFU]

13 Porém eles clamaram ao SENHOR em suas angústias, e ele os livrou de suas aflições.

Porém eles clamaram ao SENHOR em suas angústias. Compare com Daniel 9. Isso é repetido no salmo (Sl 107:6,13,19,28) – em todas as divisões do salmo exceto a última. [Barnes]

14 Ele os tirou das trevas e da sombra da morte, e quebrou suas correntes de prisão.

Ele os tirou das trevas e da sombra da morte. Do seu cativeiro; da calamidade que parecia ser tão sombria quanto a sombra da morte.

e quebrou suas correntes de prisão. Livraram-nos da sua escravidão, como se as amarras de um prisioneiro ou cativo fossem subitamente quebradas. [Barnes]

15 Agradeçam ao SENHOR pela sua bondade, e suas maravilhas perante os filhos dos homens.

A ideia aqui é que as coisas que acabou de mencionar “deveriam” suscitar expressões de gratidão a Deus. A referência imediata é àqueles que participaram dessas provas da bondade divina, mas ainda assim a linguagem é tão geral que se aplica a todo tipo de  pessoas. [Barnes]

16 Porque ele quebrou as portas de bronze, e despedaçou os ferrolhos de ferro.

quebrou – literalmente, “estremeceu” (Is 45: 2).

17 Os tolos foram afligidos por causa de seu caminho de transgressões e por suas perversidades.

Seja o mesmo ou não, essa exigência ilustra essa dispensação de Deus segundo a qual o pecado traz seu próprio castigo.

foram afligidos – literalmente, “afligem-se”, isto é, causam doenças, denotam a aversão à comida e desenho

18 A alma deles perdeu o interesse por todo tipo de comida, e chegaram até às portas da morte.

portas – ou, “domínios” (Salmo 9:13).

19 Porém eles clamaram ao SENHOR em suas angústias, e ele os livrou de suas aflições.
20 Ele enviou sua palavra, e os sarou; e ele os livrou de suas covas.

enviou sua palavra – isto é, colocou Seu poder.

suas covas – isto é, aquilo que as ameaçava. Ao coro é acrescentado o modo de dar graças, por um sacrifício e canto alegre (Sl 50:14).

21 Agradeçam ao SENHOR por sua bondade, e suas maravilhas perante os filhos dos homens.
22 E sacrifiquem sacrifícios de gratidão; e anunciai as obras dele com alegria.

E sacrifiquem sacrifícios de gratidão (ou ações de graças). Isso foi feito na primeira festa dos tabernáculos, após a restauração da Babilônia (Ed 3:4-5). [JFU]

23 Os que descem ao mar em navios, trabalhando em muitas águas,

Aqui estão expostos os perigos da navegação, a inutilidade do homem e a eficiência de Deus, ajuda.

descem ao mar – aludindo à elevação da terra na costa.

24 Esses veem as obras do SENHOR, e suas maravilhas nas profundezas.

profundezas – ilustrado tanto pela tempestade Ele levanta como pela calma que Ele faz com uma palavra (Sl 33: 9).

25 Porque quando ele fala, ele faz levantar tormentas de vento, que levanta suas ondas.

Porque quando ele fala, ele faz levantar tormentas de vento. Ele fala a palavra, e instantaneamente o vento tempestuoso surge (Sl 105:31).

que levanta suas ondas. As ondas de Deus (Sl 42:7). [JFU]

26 Elas sobem aos céus, e descem aos abismos; a alma deles se derrete de angústia.
27 Eles cambaleiam e vacilam como bêbados, e toda a sabedoria deles se acaba.

se acaba – literalmente, “toda a sua sabedoria engole-se”, destrói-se por dispositivos vãos e contraditórios, como o desespero induz.

28 Então eles clamaram ao SENHOR em suas angústias, e ele os tirou de suas aflições.

Então eles clamaram ao SENHOR em suas angústias. Se alguma coisa exterior pode levar um homem a orar, é uma tempestade no mar. [JFU]

29 Ele fez cessar as tormentas, e as ondas se calaram.

Ele fezse calaram – ou “ficar em silêncio” ou “em silêncio”. Em vez de atos de adoração no templo, os da sinagoga são aqui descritos, onde as pessoas com a

assembléia – ou sessão de anciãos, convocada para leitura, canto, oração e ensino.

30 Então se alegraram, porque houve calmaria; e ele os levou ao porto que queriam chegar.

ele os levou ao porto que queriam chegar. No original hebraico, mechoz, de uma raiz, para procurar: o destino ou refúgio que eles procuram. [JFU]

31 Agradeçam ao SENHOR por sua bondade, e suas maravilhas perante os filhos dos homens;
32 E exaltem a ele na assembleia do povo, e o glorifiquem na reunião dos anciãos.

E exaltem a ele na assembleia do povo. Na assembléia pública para a adoração de Deus, depois do retorno da Babilônia (Ed 3:1).

e o glorifiquem na reunião dos anciãos (Ed 1:5, “os chefes das famílias de Judá e Benjamim”) – os líderes do povo em assuntos seculares e religiosos. [JFU]

33 Ele torna os rios em deserto, e as saídas de águas em terra seca.

Ele transforma os rios em um deserto etc. – A providência de Deus é ilustrada em Sua influência sobre dois grandes elementos da prosperidade humana, a produtividade da Terra e os poderes do governo. Ele pune os ímpios destruindo as fontes de fertilidade ou, em misericórdia, dá frutos aos desertos, que se tornam os lares de uma população agrícola ocupada e bem-sucedida. Por um desgoverno e tirania permitidos, essa cena de prosperidade é transformada em adversidade. Ele governa os governantes, montando um e derrubando outro.

34 A terra frutífera em salgada, pela maldade dos que nela habitam.
35 Ele torna o deserto em lagoa, e a terra seca em nascentes de águas.

e a terra seca em nascentes de águas. Não apenas regando-a com chuva do céu, mas fazendo brotar fontes que jorram, e fluem continuamente, difundindo fertilidade e beleza por toda parte. [JFU]

36 E faz aos famintos habitarem ali; e eles edificam uma cidade para morarem;
37 E semeiam campos, e plantam vinhas, que produzem fruto valioso.
38 E ele os abençoa, e se multiplicam muito, e o gado dele não diminui.
39 Mas quando eles se diminuem e se abatem, por causa da opressão, mal e aflição;
40 Ele derrama desprezo sobre os governantes, e os faz andar sem rumo pelos desertos, sem terem caminho.

Uma citação de Jó 12:21,24.

41 Mas ao necessitado, ele levanta da opressão a um alto retiro, e faz famílias como a rebanhos.

Mas ao necessitado, ele levanta da opressão a um alto retiro. A ideia é que, enquanto ele humilha príncipes, trazendo-os para baixo de sua posição elevada, ele tem respeito pelos pobres em sua condição de sofrimento e provação, e os eleva daquele estado deprimido, e lhes dá prosperidade. Assim ele ordena as circunstâncias das pessoas e mostra sua soberania.

e faz famílias como a rebanhos – Numerosas como um rebanho. Grandes famílias eram consideradas uma bênção entre os hebreus. [Barnes]

42 Os corretos, ao verem, ficam alegres, e todo perverso se calará.

Neste governo providencial, os homens bons se regozijarão, e os espíritos dos ímpios serão detidos (Jó 5:16; Is 52:15), e todos os que tomam as visões corretas apreciarão a misericórdia inesgotável de Deus e o amor sem limites.

43 Quem é sábio, que preste atenção a estas coisas, e reflita nas bondades do SENHOR.

Esta é a conclusão do todo.

Quem é sábio, que preste atenção a estas coisas. Isto é, quem observa que Deus recompensa e pune o bem moral ou o mal das ações dos homens, moldando sua vida de acordo com isso; e que o arrependimento, a oração e o louvor fazem parte de todos os homens: esses experimentarão a benignidade do Senhor. [Whedon]

<Salmo 106 Salmo 108>

Introdução ao Salmo 107

Embora o tema geral deste Salmo possa ter sido sugerido pelo favor especial de Deus aos israelitas em sua restauração do cativeiro, deve ser considerado como uma celebração instrutiva do louvor de Deus por Sua providência misericordiosa a todos os homens em suas várias emergências. . Destes, vários são dados – cativeiro e servidão, peregrinações por terra e mar e fome; alguns como evidências do desagrado de Deus e de todos os livramentos como evidência de Sua bondade e misericórdia para com aqueles que o buscam humildemente.

Leia também uma introdução ao livro de Salmos.

Adaptado de: Commentary Critical and Explanatory on the Whole Bible. Todas as Escrituras em português citadas são da Bíblia Livre (BLIVRE), Copyright © Diego Santos, Mario Sérgio, e Marco Teles – fevereiro de 2018.