Salmo 107

1 Agradecei ao SENHOR, porque ele é bom; porque sua bondade dura para sempre.

Comentário Barnes

Agradecei ao SENHOR, porque ele é bom – Veja as notas no Salmo 106:1 .

porque sua bondade dura para sempre – Ele é imutável em sua misericórdia. É um atributo de sua própria natureza. Ele está constantemente manifestando isso. A palavra traduzida por “misericórdia” aqui, entretanto – חסד chesed – é mais geral em seu significado do que nossa palavra “misericórdia”. Nossa palavra significa “favor demonstrado ao culpado”; a palavra hebraica significa bondade, bondade, benignidade em geral. É isso que é celebrado no salmo diante de nós. [Barnes, aguardando revisão]

2 Digam isso os resgatados pelo SENHOR, os quais ele resgatou das mão do adversário.

Comentário Barnes

Digam isso os resgatados pelo SENHOR – Eles são especialmente qualificados para dizer isso; eles têm uma ocasião especial para dizê-lo; eles podem e irão apreciar este traço em seu caráter. A palavra traduzida como “redimido” aqui – de גאל gā’al – significa “entregue, resgatado”, sem referência a qualquer preço pago pela libertação. Não se refere aqui a um resgate do “pecado”, mas à libertação do “perigo”. A alusão provável é a libertação do cativeiro na Babilônia. Compare as notas em Isaías 43:3 .

os quais ele resgatou das mão do adversário – o poder do inimigo. Isto é, Ele os salvou de seus inimigos e não permitiu que fossem destruídos por eles. O que é dito aqui é verdade no sentido mais eminente daqueles que são redimidos pelo sangue do Filho de Deus e que são feitos herdeiros da salvação. Cada consideração torna apropriado que eles louvem ao Senhor. De todos na terra, eles são os que mais têm motivo para tais elogios; de todas as pessoas, pode-se presumir que eles serão os mais qualificados para apreciar a bondade do Senhor. [Barnes, aguardando revisão]

3 E os que ele ajuntou de todas as terras, do oriente e do ocidente, do norte e do sul.

Comentário Barnes

E os que ele ajuntou de todas as terras – Os países onde eles foram espalhados. Nos tempos do cativeiro, nem todas as pessoas eram levadas para um lugar, ou nem todas moravam no mesmo lugar. No longo exílio – de setenta anos – na Babilônia, eles estariam naturalmente muito dispersos nas diferentes províncias; e a tentativa de reuni-los, de restaurá-los novamente à sua terra natal, pode ser enfrentada com muita dificuldade.

do oriente e do ocidente, do norte e do sul – De todos os quadrantes; dos lugares onde eles estavam espalhados no exterior. Ou seja, alguém que assumisse sua posição na Babilônia os veria dispersos daquele lugar como um centro em toda a região circunvizinha.

e do sul – Margin, como em hebraico, “do mar.” Em geral, no Antigo Testamento, a palavra “mar” é usada para o oeste, porque o limite ocidental da terra da Palestina era o Mar Mediterrâneo. Compare o Salmo 139:9 . Mas a suposta posição do falante aqui é “Babilônia” e, por causa disso, o sul pode ser apropriadamente designado pela palavra “mar”; já que, ao sul da Babilônia, o Golfo Pérsico e o Oceano Índico logo seriam alcançados. [Barnes, aguardando revisão]

4 Os que andaram sem rumo no deserto, por caminhos solitários; os que não acharam cidade para morarem.

Comentário Barnes

Os que andaram sem rumo no deserto – Em seu retorno da Babilônia; ou, quando Deus os estava conduzindo novamente para sua própria terra. A palavra “deserto” nas Escrituras significa uma região desolada, estéril e desabitada, geralmente desprovida de árvores, nascentes e cursos d’água. Não denota, como acontece conosco, uma região de extensas “florestas”. Compare as notas em Mateus 4:1 .

por caminhos solitários – Pelo contrário, de uma forma “perdida”; uma terra desolada e inculta.

os que não acharam cidade para morarem – Em suas jornadas. Isso era verdade na região entre a Babilônia e a Palestina; um deserto amplo, estéril e desolado. [Barnes, aguardando revisão]

5 Famintos e sedentos, suas almas neles desfaleciam.

Comentário Barnes

Famintos e sedentos – Como estariam, ao vagar por um deserto. Uma tradução mais literal e expressiva seria, “Com fome – também com sede.”

suas almas neles desfaleciam – A palavra usada aqui – עטף ‛âṭaph – significa apropriadamente cobrir, vestir, como uma vestimenta, Salmo 73:6 ; ou um campo com grãos, Salmo 65:13 ; então, para se esconder, Jó 23:9 ; então, para cobrir com escuridão, Salmo 77:3 ; 102, título; assim, denota o estado de espírito quando a escuridão parece estar no caminho – um caminho de calamidade, angústia, tristeza; de fraqueza, fraqueza, fraqueza. Aqui pareceria, a partir da conexão, referir-se ao esgotamento produzido pela falta de comida e bebida. [Barnes, aguardando revisão]

6 Mas eles clamaram ao SENHOR em suas angústias, e ele os livrou de suas aflições.

Comentário de A. R. Fausset

(Sl 106:44; 50:15) Os problemas são como os cães que levam as ovelhas errantes de volta ao rebanho e ao Pastor. [JFU]

7 E os levou ao caminho correto, para irem a uma cidade de moradia.

Comentário de A. R. Fausset

Em contraste com seu estado anterior (Sl 107:4, “os que não encontraram nenhuma cidade para habitar”). O caminho é desconhecido para o povo de Deus (Is 42:16); mas Deus, em resposta à sua oração, ‘ensina-lhes o bom caminho em que devem andar’ (1Rs 8:36,38); e revela aos que O buscam ‘um caminho reto para eles, para seus filhos e para todas as suas posses’ (Esd 8:21). O verdadeiro clamor de Israel é:”Faze-me conhecer o caminho em que devo andar, porque a ti levanto a minha alma” (Sl 143:8). [JFU]

8 Agradeçam ao SENHOR por sua bondade, e suas maravilhas perante os filhos dos homens.

Comentário Barnes

Agradeçam ao SENHOR por sua bondade – mais literalmente, “Que tal – ou, que estes – louvem ao Senhor por sua bondade”, a palavra “homens” tendo sido fornecida por nossos tradutores. No entanto, não é impróprio supor que se pretenda uma gama mais ampla do que seria denotada se fosse confinada àqueles que então foram entregues. Evidentemente, foi planejado para impressionar a mente dos que pudessem usar esse salmo em suas devoções; e a ideia é que a libertação então concedida ao povo de Deus em seus problemas deve levar todos a louvá-lo e adorá-lo. Tal interposição surpreendente sugeriu uma lição importante com respeito a Deus, aplicável a todas as pessoas; e deve levar todos a louvá-lo em vista do traço de caráter assim manifestado, como o de um Deus que ouve a oração quando seu povo está em apuros, e que pode fazer um caminho reto diante deles quando estão em perigo de se perder, e que pode conduzi-los através do deserto – os lugares desertos – deste mundo, como fez com seu povo através das areias sem trilhas do deserto. O verdadeiro uso de toda história é para nos ensinar lições sobre Deus.

e suas maravilhas perante os filhos dos homens – Suas ações adequadas para despertar admiração e admiração. Seu trato com seu povo no deserto forneceu uma ilustração disso; o mundo está cheio de tais ilustrações. O desejo expresso neste versículo sugere a grande lição do salmo. [Barnes, aguardando revisão]

9 Porque ele fartou a alma sedenta, e encheu de bem a alma faminta;

Comentário de A. R. Fausset

Porque ele fartou a alma sedenta. Literalmente, correndo para lá e para cá em busca de alguma coisa. Compare com Isaías 29:8. Deus satisfaz os anseios do seu povo (Sl 103:5; 104:13,16). [JFU]

10 Os que estavam sentados em trevas e sombra de morte, presos com aflição e ferro,

Comentário de A. R. Fausset

Seus sofrimentos foram por sua rebelião contra (Salmo 105:28) as palavras, ou propósitos, ou promessas, de Deus em seu benefício. Quando humilhados, clamam a Deus, que os livra do cativeiro, descrito como um calabouço escuro com portas e barras de metal, no qual estão presos em ferro – isto é, correntes e grilhões.

sombra da morte – escuridão com perigo (Salmo 23:4). [JFB, aguardando revisão]

11 Porque se rebelaram contra os mandamentos de Deus, e rejeitaram o conselho do Altíssimo.

Comentário de A. R. Fausset

Porque se rebelaram contra os mandamentos de Deus. No original hebraico há um jogo de sons semelhantes uma peça sobre sons semelhantes. As palavras de Deus são aquelas faladas na Lei e pelos profetas.

e rejeitaram o conselho do Altíssimo. Outro jogo sobre sons semelhantes no original hebraico. Seu conselho é o que Ele lhes deu para o seu bem (Pv 1:25; 2Rs 17:13-14). Alguns chegaram ao ponto de zombar do conselho de Deus de destruir os impenitentes, e salvar apenas os piedosos no dia da visitação (Is 5:19; compare com Sl 106:13; Lc 7:30). [JFU]

12 Por isso ele abateu seus corações com trabalhos cansativos; eles tropeçaram, e não houve quem os socorresse.

Comentário de A. R. Fausset

Por isso ele abateu seus corações com trabalhos cansativos. O seu coração tinha sido orgulhoso e rebelde. O Senhor os abateu pela aflição.

eles tropeçaram, e não houve quem os socorresse. Ao passo que até então eles estavam cheios de autoconfiança em suas próprias forças. [JFU]

13 Porém eles clamaram ao SENHOR em suas angústias, e ele os livrou de suas aflições.

Comentário Barnes

Porém eles clamaram ao SENHOR em suas angústias. Compare com Daniel 9. Isso é repetido no salmo (Sl 107:6,13,19,28) – em todas as divisões do salmo exceto a última. [Barnes]

14 Ele os tirou das trevas e da sombra da morte, e quebrou suas correntes de prisão.

Comentário Barnes

Ele os tirou das trevas e da sombra da morte. Do seu cativeiro; da calamidade que parecia ser tão sombria quanto a sombra da morte.

e quebrou suas correntes de prisão. Livraram-nos da sua escravidão, como se as amarras de um prisioneiro ou cativo fossem subitamente quebradas. [Barnes]

15 Agradeçam ao SENHOR pela sua bondade, e suas maravilhas perante os filhos dos homens.

Comentário Barnes

A ideia aqui é que as coisas que acabou de mencionar “deveriam” suscitar expressões de gratidão a Deus. A referência imediata é àqueles que participaram dessas provas da bondade divina, mas ainda assim a linguagem é tão geral que se aplica a todo tipo de  pessoas. [Barnes]

16 Porque ele quebrou as portas de bronze, e despedaçou os ferrolhos de ferro.

Comentário Barnes

Porque ele quebrou as portas de bronze – A “razão” imediata aqui dada para louvar ao Senhor é que ele “quebrou as portas de bronze”, continuando o pensamento do Salmo 107:10-14 . Na parte anterior do salmo, ao dar um motivo para louvar ao Senhor, o fato de ele alimentar os famintos foi selecionado Salmo 107:9 porque na parte anterior a alusão era aos sofrimentos da fome e da sede Salmo 107:4– 5 ; aqui o fato de que ele havia quebrado as portas de bronze é selecionado, porque a alusão nos versos imediatamente anteriores Salmos 107:12-14foi para a sua prisão. Na construção do salmo há grande regularidade. As “portas de bronze” referem-se provavelmente à Babilônia; e a ideia é que sua libertação foi como se os portões de latão daquela grande cidade tivessem sido derrubados para dar-lhes a saída livre de seu cativeiro. Assim, a conquista da Babilônia por Ciro é anunciada em linguagem semelhante:”E despedaçarei as portas de bronze, e despedaçarei as barras de ferro”, Isaías 45:2 . Veja as notas dessa passagem. [Barnes, aguardando revisão]

17 Os tolos foram afligidos por causa de seu caminho de transgressões e por suas perversidades.

Comentário Barnes

Os tolos foram afligidos por causa de seu caminho de transgressões – Povo perverso, considerado tolo, porque “são” transgressores. Compare Salmo 14:1 , nota; Salmo 73:3 , nota; Salmo 75:4 , nota. A alusão imediata aqui, provavelmente, é aos judeus, que foram tão perversos e tão tolos ao violar os mandamentos de Deus, e tornando necessário trazer sobre eles como punição o cativeiro na Babilônia; mas a linguagem é generalizada porque descreverá com igual propriedade a conduta de todas as pessoas iníquas. Não há nada mais tolo do que um ato de maldade; não há sabedoria igual à de obedecer a Deus.

foram afligidospor suas perversidades – Uma tradução mais literal deste versículo seria, “Os tolos pelo caminho de suas transgressões (isto é, por seu curso de transgressão), e por suas iniqüidades, se afligem.” A ideia é que isso está “na linha certa” de suas transgressões; ou, que eles “trazem sobre si mesmos”. Toda punição está de fato na linha da ofensa; isto é, o pecado leva diretamente a ele; ou, em outras palavras, se um homem trilhar o caminho do pecado, ele chegará a este resultado – ao castigo. A punição não é arbitrária da parte de Deus, e não é da natureza de uma mera imposição direta de sua “mão”. É o que as pessoas distribuem para si mesmas e o que elas poderiam ter evitado se tivessem escolhido fazer isso. [Barnes, aguardando revisão]

18 A alma deles perdeu o interesse por todo tipo de comida, e chegaram até às portas da morte.

Comentário Barnes

A alma deles perdeu o interesse por todo tipo de comida – Toda comida; tudo o que deve ser comido. A palavra traduzida “abomina” é uma palavra que é usada com referência a qualquer coisa que seja abominável ou repugnante; aquilo de que nos afastamos com nojo. A linguagem expressa a doença, quando detestamos toda comida.

e chegaram até às portas da morte – Eles estão enfermos e estão prontos para morrer. A referência é ao mundo subterrâneo – o mundo onde os mortos deveriam morar. Isso é representado aqui como uma cidade que é acessada por portões. Veja as notas no Salmo 9:13. [Barnes, aguardando revisão]

19 Porém eles clamaram ao SENHOR em suas angústias, e ele os livrou de suas aflições.

Comentário Barnes

Veja Salmo 107:6 , nota; Salmo 107:13 , nota. O significado aqui é que, se o “doente” clama ao Senhor, ele os ouve e os livra. Isso não pode significar que “sempre” ocorre, mas ocorre “tantas vezes” a ponto de mostrar que Deus pode e se interpõe para salvar; “tantas vezes” para nos encorajar a chamá-lo quando estivermos doentes; “tantas vezes” para estabelecer uma base adequada para o louvor. Muitas pessoas – muitíssimas – podem se lembrar de tais casos em suas próprias vidas, quando pareciam a todas as aparências humanas estar se aproximando das portas da morte, e quando, em conexão com a oração, sua doença tomou um rumo favorável, e eles foram restaurado novamente à saúde. Compare as notas em Tiago 5:14-15. [Barnes, aguardando revisão]

20 Ele enviou sua palavra, e os sarou; e ele os livrou de suas covas.

Comentário Barnes

Ele enviou sua palavra, e os sarou – Ele o fez por uma palavra; era necessário apenas dar uma ordem, e a doença os deixou. Assim foi na vida do Salvador, que muitas vezes curava os enfermos com uma “palavra” Mateus 8:8 ; Lucas 7:7 ; e assim agora a restauração da doença freqüentemente parece ser realizada como se alguma palavra tivesse sido dita por alguém que tinha poder, ordenando que a doença fosse embora. Em todos os casos, também, quaisquer que sejam os meios usados, o poder de cura vem de Deus e está sob seu controle. Compare o Salmo 30:2 .

e ele os livrou de suas covas – Do que os teria destruído, se não tivesse sido verificado e removido. [Barnes, aguardando revisão]

21 Agradeçam ao SENHOR por sua bondade, e suas maravilhas perante os filhos dos homens.

Comentário Barnes

Veja as notas no Salmo 107:8 . Quem pode ajudar a juntar-se a este desejo, que aqueles que foram restaurados da doença, que foram levantados das fronteiras da sepultura, “louvem” a Deus por isso! Quem pode deixar de desejar que eles tivessem os mesmos sentimentos de Ezequias quando ele foi salvo da doença que ameaçava sua vida – salvo pela direta e manifesta interposição de Deus – quando ele disse Isaías 38:20 :”O Senhor estava pronto para me salvar:portanto, cantaremos minhas canções aos instrumentos de cordas, todos os dias de nossa vida na casa do Senhor! ” Quem pode deixar de desejar que as pessoas em toda parte vissem em tais interposições a prova da benevolência de Deus, e lhe agradecessem por não ter esquecido os culpados e sofredores! [Barnes, aguardando revisão]

22 E sacrifiquem sacrifícios de gratidão; e anunciai as obras dele com alegria.

Comentário de A. R. Fausset

E sacrifiquem sacrifícios de gratidão (ou ações de graças). Isso foi feito na primeira festa dos tabernáculos, após a restauração da Babilônia (Ed 3:4-5). [JFU]

23 Os que descem ao mar em navios, trabalhando em muitas águas,

Comentário Barnes

Os que descem ao mar em navios – A cena aqui muda novamente. Dos que vagueiam pelo deserto – dos que estão na prisão – dos que estão enfermos – o olhar do salmista se volta para os que se deparam com os perigos do oceano, e aí encontra ocasião de louvar a Deus. A frase “descer” ou “descer” é empregada aqui porque o mar é mais baixo que a terra e porque “descemos” quando embarcamos a bordo de um navio.

trabalhando em muitas águas – Cujos negócios ou empregos estão no oceano. [Barnes, aguardando revisão]

24 Esses veem as obras do SENHOR, e suas maravilhas nas profundezas.

Comentário de A. R. Fausset

Esses veem as obras do SENHOR – eles – marinheiros – têm uma oportunidade especial de ver as obras de Deus. Eles vêem manifestações de seu poder que não são vistas na terra. Eles vêem coisas que parecem vir “diretamente” de Deus; que são produzidos “imediatamente” por ele – não como as coisas que ocorrem na terra, que são o resultado do “crescimento” e que se desenvolvem lentamente. Na solidão e grandeza do oceano, eles parecem estar mais diretamente na presença do grande Deus.

e suas maravilhas nas profundezas – No abismo; naquilo que se distingue por sua “profundidade”, como as montanhas por sua altura. Compare o Salmo 148:7. [Barnes, aguardando revisão]

25 Porque quando ele fala, ele faz levantar tormentas de vento, que levanta suas ondas.

Comentário de A. R. Fausset

Porque quando ele fala, ele faz levantar tormentas de vento. Ele fala a palavra, e instantaneamente o vento tempestuoso surge (Sl 105:31).

que levanta suas ondas. As ondas de Deus (Sl 42:7). [JFU]

26 Elas sobem aos céus, e descem aos abismos; a alma deles se derrete de angústia.
27 Eles cambaleiam e vacilam como bêbados, e toda a sabedoria deles se acaba.

se acaba – literalmente, “toda a sua sabedoria engole-se”, destrói-se por dispositivos vãos e contraditórios, como o desespero induz.

28 Então eles clamaram ao SENHOR em suas angústias, e ele os tirou de suas aflições.

Comentário de A. R. Fausset

Então eles clamaram ao SENHOR em suas angústias. Se alguma coisa exterior pode levar um homem a orar, é uma tempestade no mar. [JFU]

29 Ele fez cessar as tormentas, e as ondas se calaram.

Comentário Barnes

Ele fez cessar as tormentas – Deus faz isso, e só Deus pode fazer isso. O fato, portanto, de que Jesus fez isso em Mateus 8:26 , prova que ele era divino. Não pode haver prova mais impressionante do poder divino do que a capacidade de acalmar as ondas furiosas do oceano com uma palavra. Isso é literalmente, “Ele coloca a tempestade em silêncio.”

e as ondas se calaram. O oceano deixa de ser agitado e a superfície torna-se lisa. Nada é mais calmo do que o oceano em uma calma. Nem um sopro de ar parece se mexer; nenhuma ondulação agita a superfície do mar; as velas do navio estão soltas, e até mesmo o navio parece estar perfeitamente em repouso:”Tão ocioso quanto um navio pintado sobre um oceano pintado.” Assim, Deus pode acalmar a tempestade da alma. Ele pode tornar a mente que se agitava e se agitava, como o oceano, com angústia por causa da culpa, e que tremia diante do julgamento que se aproximava, tão calma quanto o oceano quando em seu estado de perfeito repouso. Deus pode fazer “isso” e ninguém “exceto” Deus pode fazer isso; e como Jesus acalma assim a agitação da alma culpada, como fez com as ondas do mar, “isso” prova também que ele é divino. [Barnes, aguardando revisão]

30 Então se alegraram, porque houve calmaria; e ele os levou ao porto que queriam chegar.

Comentário de A. R. Fausset

ele os levou ao porto que queriam chegar. No original hebraico, mechoz, de uma raiz, para procurar:o destino ou refúgio que eles procuram. [JFU]

31 Agradeçam ao SENHOR por sua bondade, e suas maravilhas perante os filhos dos homens;

Comentário Barnes

Veja Salmo 107:8 , nota; Salmo 107:15 , nota; Salmo 107:21 , nota. Certamente, aqueles que são assim libertos dos perigos do mar devem louvar ao Senhor; aqueles que viram as maravilhas de Deus no grande oceano, “nunca” devem se esquecer de Deus. [Barnes, aguardando revisão]

32 E exaltem a ele na assembleia do povo, e o glorifiquem na reunião dos anciãos.

Comentário de A. R. Fausset

E exaltem a ele na assembleia do povo. Na assembléia pública para a adoração de Deus, depois do retorno da Babilônia (Ed 3:1).

e o glorifiquem na reunião dos anciãos (Ed 1:5, “os chefes das famílias de Judá e Benjamim”) – os líderes do povo em assuntos seculares e religiosos. [JFU]

33 Ele torna os rios em deserto, e as saídas de águas em terra seca.

Comentário Barnes

Ele torna os rios em deserto – Ele faz grandes mudanças na terra; ele mostra que tem domínio absoluto sobre ele. Veja as notas em Isaías 44:26-27 . Sobre a palavra “deserto”, veja as notas no Salmo 107:4 . A questão aqui é que Deus tinha tanto controle sobre a natureza que podia tornar o leito de um rio seco e estéril como o deserto rochoso ou arenoso. Ele podia efetivamente secar o riacho e torná-lo tão seco e ressecado que nada cresceria, exceto os arbustos mais raquíticos, como os encontrados no deserto e no deserto arenoso. [Barnes, aguardando revisão]

e as saídas de águas em terra seca – As próprias fontes dos rios:não apenas secando o próprio rio, levando-o para resíduos em chamas onde seria evaporado pelo calor, ou perdido na areia – mas afetando diretamente o “fontes” dos riachos para torná-los secos. [Barnes, aguardando revisão]

34 A terra frutífera em salgada, pela maldade dos que nela habitam.

Comentário Barnes

A terra frutífera – hebraico, uma terra de frutas. Ou seja, uma terra que produziria abundância. A palavra “fruta” aqui não é usada no sentido limitado em que agora a empregamos, mas significa qualquer produção da terra.

em salgada. A palavra é usada para denotar um solo estéril, porque onde o sal “abunda” o solo “é” estéril. Assim é em torno do Mar Morto. Compare Jó 39:6 ; Jeremias 17:6 . Veja também Virg. Geor. II. 238, “Salsa … tellus – frugibus infelix;” Plínio, Hist. Nat. 31,7; Bochart, Hieroz. gorjeta. 872.

pela maldade dos que nela habitam – como ele destruiu Sodoma e Gomorra; provavelmente aludindo a isso. [Barnes, aguardando revisão]

35 Ele torna o deserto em lagoa, e a terra seca em nascentes de águas.

Comentário de A. R. Fausset

e a terra seca em nascentes de águas. Não apenas regando-a com chuva do céu, mas fazendo brotar fontes que jorram, e fluem continuamente, difundindo fertilidade e beleza por toda parte. [JFU]

36 E faz aos famintos habitarem ali; e eles edificam uma cidade para morarem;

Comentário Barnes

E faz aos famintos habitarem ali – Aqueles que estavam necessitados; aqueles que teriam morrido. Não é necessário referir isso a nenhum caso particular. É uma declaração geral, pertencente às mudanças que Deus faz na terra, tão grandes como se ele “devesse” assim converter um deserto em um campo fértil – um deserto estéril em uma terra abundante em fontes de água; como se ele dirigisse ali uma companhia de homens famintos e provesse-lhes comida em abundância.

e eles edificam uma cidade para morarem – Uma morada permanente para o homem. [Barnes, aguardando revisão]

37 E semeiam campos, e plantam vinhas, que produzem fruto valioso.

Comentário Barnes

E semeiam campos, e plantam vinhas – Cultive a terra. A cultura da videira foi uma característica importante na agricultura na Palestina e, portanto, é tão proeminente aqui.

que produzem fruto valioso – Os frutos que a terra produz. [Barnes, aguardando revisão]

38 E ele os abençoa, e se multiplicam muito, e o gado dele não diminui.

Comentário Barnes

E ele os abençoa – da maneira imediatamente especificada.

e se multiplicam muito – Esta foi considerada uma das maiores bênçãos que Deus poderia conferir e, portanto, foi tantas vezes prometido por ele aos patriarcas, como uma prova de seu favor, que sua semente deveria ser como as estrelas do céu, e como a areia da praia. Gênesis 13:16 ; Gênesis 22:17 ; Gênesis 26:4 ; Gênesis 32:12 .

e o gado dele não diminui – A criação de rebanhos de gado também era um ponto importante na criação e, portanto, foi uma bênção que eles foram feitos para aumentar, e que foram protegidos das doenças às quais o gado está sujeito. [Barnes, aguardando revisão]

39 Mas quando eles diminuem e são abatidos, por causa da opressão, mal e aflição;

Comentário de Genebra

“Deus castiga e abençoa o seu povo segundo a obediência ou desobediência desse povo à sua aliança”. [Genebra, 2009]

40 Ele derrama desprezo sobre os governantes, e os faz andar sem rumo pelos desertos, sem terem caminho.

Uma citação de Jó 12:21,24.

41 Mas ao necessitado, ele levanta da opressão a um alto retiro, e faz famílias como a rebanhos.

Comentário Barnes

Mas ao necessitado, ele levanta da opressão a um alto retiro. A ideia é que, enquanto ele humilha príncipes, trazendo-os para baixo de sua posição elevada, ele tem respeito pelos pobres em sua condição de sofrimento e provação, e os eleva daquele estado deprimido, e lhes dá prosperidade. Assim ele ordena as circunstâncias das pessoas e mostra sua soberania.

e faz famílias como a rebanhos – Numerosas como um rebanho. Grandes famílias eram consideradas uma bênção entre os hebreus. [Barnes]

42 Os corretos, ao verem, ficam alegres, e todo perverso se calará.

Comentário Barnes

Os corretos, ao verem, ficam alegres – verão todas essas mudanças; verão em seu próprio caso as provas do favor divino. Eles terão, portanto, motivo para louvor.

e todo perverso se calará – Os ímpios serão silenciados; eles serão mudos. Os justos encontrarão, nessas cenas variadas, ocasião para louvor e alegria; os ímpios não encontrarão ocasião para reclamar ou murmurar. Os procedimentos divinos serão manifestamente tão justos e tão dignos de aprovação universal que, embora os ímpios estejam dispostos a reclamar de Deus, nada poderão encontrar que os justifique em tais queixas. [Barnes, aguardando revisão]

43 Quem é sábio, que preste atenção a estas coisas, e reflita nas bondades do SENHOR.

Comentário Whedon

Esta é a conclusão do todo.

Quem é sábio, que preste atenção a estas coisas. Isto é, quem observa que Deus recompensa e pune o bem moral ou o mal das ações dos homens, moldando sua vida de acordo com isso; e que o arrependimento, a oração e o louvor fazem parte de todos os homens:esses experimentarão a benignidade do Senhor. [Whedon]

<Salmo 106 Salmo 108>

Introdução ao Salmo 107

Este salmo não tem título e seu autor é desconhecido. A ocasião em que foi composta não é particularmente designada, embora a partir do Salmo 107:2-3 , seja provável que tenha sido em um retorno do exílio ou do cativeiro. Não há nada no salmo que proíba a suposição de que este foi o retorno do cativeiro na Babilônia, e que o salmo foi projetado para ser usado na rededicação do templo após a restauração. Cada parte dela seria apropriada para tal ocasião, e é muito provável que um evento tão importante fosse celebrado com cânticos de louvor apropriados.

O “desígnio” do salmo, na medida em que tem um significado prático, é indicado no Salmo 107:8 , Salmo 107:15 , Salmo 107:21 , Salmo 107:31 , na linguagem repetida nesses versículos:”Oh que os homens louvassem ao Senhor por sua bondade e por suas obras maravilhosas para com os filhos dos homens! ” O propósito do salmo é apresentar essas “obras”, ou essas “ações” de Deus, de modo a levar os homens ao louvor e à adoração.

O salmo é muito regular em sua estrutura. Os três primeiros versículos são introdutórios, com a intenção de designar as pessoas que foram especialmente chamadas a louvar a Deus – como aquelas que foram resgatadas das mãos do inimigo e reunidas nas terras – leste, oeste, norte e sul.

O restante do salmo é dividido em porções marcadas pelas palavras acima, “Quem dera louvassem ao Senhor por sua bondade”, etc., Salmo 107:8 , Salmo 107:15 , Salmo 107:21 , Salmo 107:31 . Essas porções são de comprimento desigual, e esta linguagem (com algumas palavras apropriadas adicionadas) é colocada “no final de cada parte”, como sendo aquela que foi sugerida pelos pensamentos anteriores. Na parte final, no entanto, Salmo 107:32-43 , esta linguagem não é empregada, mas a expressão de “desejo” nos outros casos é transformada em uma “afirmação” de que todos os que fossem sábios “observariam estas coisas” e iria “compreender a benevolência do Senhor”.

As partes específicas do salmo são as seguintes:

I. Uma referência aos redimidos do Senhor como tendo vagado no deserto; como tendo tido fome e sede; como não tendo cidade para morar; e então, invocando o Senhor de tal maneira que ele os ouvisse e os guiasse de maneira correta e segura. Para “isso”, o salmista expressa o desejo de que “os homens louvem ao Senhor por sua bondade”, Salmo 107:4-9 .

II. Uma referência a Deus como demonstrando bondade para com aqueles que se sentam nas trevas e na sombra da morte, e que estão presos na aflição e no ferro:ilustrada por uma referência ao povo de Deus nos tempos de escravidão, como sendo abatido e punido por seus pecados, e como então invocando o Senhor em seus problemas, de modo que Ele os tirou daquela escuridão e sombra da morte, e quebrou suas ligaduras. Para “isso”, o salmista expressa o desejo de que “os homens louvem ao Senhor por sua bondade”, Salmo 107:10-16 .

III. Uma referência à libertação realizada para o povo de Deus. Eles pecaram; eles haviam mostrado sua loucura; eles haviam se aproximado das portas da morte e então clamaram ao Senhor e ele enviou sua palavra e os curou. Para “isso”, o salmista expressa o desejo de que “os homens louvem ao Senhor por sua bondade”, Salmo 107:17-22 .

4. Uma referência à bondade do Senhor manifestada para com aqueles que vão ao mar em navios e fazem negócios nas grandes águas. Eles veem as maravilhas do Senhor nas profundezas. Eles encontram tempestades e tempestades. Eles são elevados aos céus nas ondas e então afundam a uma profundidade correspondente. Eles cambaleiam de um lado para outro e cambaleando como um bêbado; e então clamam ao Senhor, e ele os ouve e acalma o mar e os leva ao porto desejado. Por “isso”, o salmista expressa o desejo de que “os homens louvem ao Senhor por sua bondade”, Salmo 107:23-32 .

V. Uma referência à bondade do Senhor em preparar um lugar para os homens habitarem:transformando rios em um deserto, as fontes de água em terra seca, o deserto em águas paradas, e a terra seca em fontes de água:fazer arranjos para que as pessoas habitem na terra, para que possam semear os campos e plantar vinhas – deixando os pobres bem altos da aflição e tornando-os famílias como um rebanho. Em referência a “isto” e a “tudo” que Deus faz, o salmista diz, na conclusão do salmo, que todos os que são “sábios e observarem estas coisas, compreenderão a benevolência do Senhor, ” Salmo 107:33-43 . [Barnes, aguardando revisão]

Visão geral de Salmos

“O livro dos Salmos foi projetado para ser o livro de orações do povo de Deus enquanto esperam o Messias e seu reino vindouro”. Tenha uma visão geral deste livro através de um breve vídeo produzido pelo BibleProject. (9 minutos)

🔗 Abrir vídeo no Youtube.

Leia também uma introdução ao livro de Salmos.

Todas as Escrituras em português citadas são da Bíblia Livre (BLIVRE), Copyright © Diego Santos, Mario Sérgio, e Marco Teles – fevereiro de 2018.