Bíblia, Revisar

1 Tessalonicenses 1

1 Paulo, Silvano, e Timóteo, à igreja dos tessalonicenses, em Deus Pai, e no Senhor Jesus Cristo; haja convosco a graça e a paz.

Paulo – Ele não acrescenta “um apóstolo”, porque no caso deles, como no dos filipenses (ver em Fm 1:1), sua autoridade apostólica não precisa de qualquer comprovação. Ele escreve familiarmente a amigos fiéis, não apenas que seu apostolado foi reconhecido entre eles (1Ts 2:6). Por outro lado, ao escrever aos gálatas, entre os quais alguns haviam questionado seu apostolado, ele afirma isso com força no cabeçalho. Uma propriedade não planejada nas Epístolas, evidenciando genuinidade.

Silvano – um “chefe entre os irmãos” (At 15:22), e um “profeta” (At 15:32), e um dos deputados que levou o decreto do concílio de Jerusalém para Antioquia. Sua idade e posição fazem com que ele seja colocado antes de “Timóteo”, então um jovem (At 16:1; 1Tm 4:12). Silvano (a forma expandida dos gentios de “Silas”) é chamado em 1Pe 5:12, “um irmão fiel” (compare 2Co 1:19). Ambos ajudaram a plantar a Igreja de Tessalônica e, portanto, estão incluídos no endereço. Esta, a primeira das Epístolas de Paulo, como sendo escrita antes de vários males se infiltrarem nas igrejas, está sem as censuras encontradas em outras Epístolas. Então, percebendo a fé cristã deles, eles foram capazes de procurar o Senhor Jesus por hora.

à igreja – não apenas como nas Epístolas aos Romanos, Efésios, Colossenses, Filipenses, “para os santos” ou “os fiéis em Tessalônica”. Embora eles ainda não pareçam ter a organização final da Igreja sob permanente “ bispos ”e diáconos, que aparece nas epístolas posteriores (Veja em Fm 1:1; veja a Introdução a 1 Timóteo, e veja em Introdução a 2 Timóteo). No entanto, ele designa-os pelo honroso termo “Igreja”, implicando o seu status como não apenas crentes isolados, mas um corpo corporativo com governantes espirituais (1Ts 5:12; 2Co 1:1; Gl 1:2).

Deus Pai – Isso indica que eles não eram mais pagãos.

o Senhor Jesus Cristo – Isso indica que eles não eram judeus, mas cristãos.

graça e a paz –  para que possais em Deus o favor e a paz que os homens retêm [Anselmo]. Esta é a saudação em todas as Epístolas de Paulo, exceto as três pastorais, que têm “graça, misericórdia e paz”. Alguns dos manuscritos mais antigos apóiam, outros omitem a sentença seguinte, “de Deus nosso Pai e do Senhor Jesus Cristo ”. Pode ter surgido em 1Co 1:3; 2Co 1:2.

2 Sempre damos graças a Deus por todos vós, fazendo menção de vós em nossas orações.

(Rm 1:9; 2Tm 1:3) A estrutura das sentenças neste e nos seguintes versículos, cada sentença sucessiva repetindo com maior plenitude o precedente, caracteriza caracteristicamente o abundante amor e gratidão de Paulo em relação aos seus convertidos, como se ele estivesse procurando por palavras amontoadas em palavras para transmitir alguma ideia de seus sentimentos exuberantes em relação a eles.

Sempre damos – eu, Silvano e Timóteo. Rm 1:9 apóia Alford na tradução, “fazendo menção de você em nossas orações sem cessar” (1Ts 1:3). Assim, “sem cessar”, na segunda cláusula, responde em paralelo a “sempre”, no primeiro.

3 E, diante do nosso Deus e Pai, nós nos lembramos sem cessar da obra da vossa fé, do trabalho do amor, e da firmeza da esperança no nosso Senhor Jesus Cristo.

obra da vossa fé – a realidade operativa de sua fé; a sua prontidão em receber a verdade e em evidenciar-se pelos seus frutos. Não é um consentimento ocioso; mas uma fé realizadora e realizadora; não “somente em palavras”, mas em uma cadeia contínua de “obras” (obras singulares, não plurais), 1Ts 1:5-10; Tg 2:22. Assim, “a obra da fé” em 2Ts 1:11 implica seu perfeito desenvolvimento (compare com Tg 1:4). Os outros substantivos governantes marcam similarmente, respectivamente, a manifestação característica da graça que segue cada um no genitivo. Fé, amor e esperança são as três grandes graças cristãs (1Ts 5:8; 1Co 13:13).

trabalho do amor – O grego implica trabalho, ou trabalho problemático, que somos estimulados pelo amor a suportar (1Ts 2:9; Ap 2:2). Para exemplos de trabalhos de amor abnegados, veja At 20:35; Rm 16:12. Não aqui trabalhos ministeriais. Aqueles que evitam problemas para os outros, amam pouco (compare Hb 6:10).

firmeza da esperança – Traduza, “perseverança de esperança”; a resistência perseverante das provações que fluem da “esperança”. Rm 15:4 mostra que “paciência” também nutre “esperança”.

esperança no nosso Senhor Jesus Cristo–  a saber, de Sua vinda (1Ts 1:10): uma esperança que ansiava além de todas as coisas presentes pela manifestação de Cristo.

diante do nosso Deus e Pai – Sua “fé, esperança e amor” não eram meramente aqueles que seriam genuínos diante dos homens, mas “aos olhos de Deus”, o Buscador dos corações (Gomarus). As coisas são realmente o que são diante de Deus. Bengel toma esta sentença com “lembrar”. Sempre que oramos, lembramos diante de Deus sua fé, esperança e amor. Mas sua separação de “lembrar” da ordem e sua conexão com “sua… fé”, etc., me faz preferir a visão anterior.

e, etc. – O grego implica, “à vista daquele que é [ao mesmo tempo] Deus e nosso Pai”.

4 Sabemos, irmãos amados por Deus, que por ele fostes escolhidos,

Sabendos – por enquanto sabemos.

que por ele fostes escolhidos – O grego é um pouco “amado por Deus”; assim Rm 1:7; 2Ts 2:13. “Sua eleição” significa que Deus o elegeu como crentes individuais para a vida eterna (Rm 11:5, Rm 11:7; Cl 3:12; 2Ts 2:13).

5 pois o nosso evangelho não foi até vós somente com palavras, mas também com poder, com o Espírito Santo, e com plena certeza; assim como sabeis de que maneira estivemos entre vós para o vosso benefício.

nosso evangelho – ou seja, o Evangelho que pregamos.

veio grego “, foi feito”, ou seja, por Deus, seu autor e remetente. Deus fez a nossa pregação entre vós para ser atendido com tal “poder”, é a prova de que você é “eleito por Deus” (1Ts 1:4).

com poder – na eficácia do Espírito Santo, vestindo-nos com poder (ver final do versículo; At 1:8; At 4:33; At 6:5, 8 ) na pregação do Evangelho e fazê-lo em você o poder de Deus para a salvação (Rm 1:16). Como “poder” produz fé; assim “o Espírito Santo”, amor; e “muita segurança” (Cl 2:2, persuasão total), esperança (Hb 6:11), baseada na fé (Hb 10:22). Então fé, amor e esperança (1Ts 1:3).

como sabeis – respondendo ao “conhecimento”, isto é, como sabemos (1Ts 1:4), seu caráter como eleito de Deus, assim vocês conhecem os nossos como pregadores.

por sua causa – O propósito aqui indicado não é tanto o dos apóstolos, como o de Deus. “Você sabe o que Deus nos capacitou a sermos … quão poderoso em pregar a palavra … por sua causa … provando assim que Ele havia escolhido (1Ts 1:4) você para os Seus” (Alford). Eu penso, de 1Ts 2:10-12, que, em “que espécie de homens estávamos entre vós”, além do poder na pregação, está incluída também toda a conduta de Paulo e de seus companheiros missionários que confirmou sua pregação. ; e, nesse sentido, o “por sua causa” significará “para ganhar você”. Isso, embora não seja o único, ainda seria um motivo forte para a santa circunspecção, a saber, para ganhar aqueles que não o são (Colossenses 4 : 5; compare com 1Co 9:19-23).

6 E vos tornastes imitadores nossos e do Senhor. Mesmo em meio a muita aflição, recebestes a palavra com a alegria do Espírito Santo.

E vós respondendo a “por nosso Evangelho”, 1Ts 1:5.

imitadores – grego, “imitadores”. Os tessalonicenses, por sua vez, tornaram-se “exemplos” (1Ts 1:7) para outros imitarem.

do Senhor – que era o apóstolo do Pai, e ensinou a palavra que Ele trouxe do céu, sob adversidades (Bengel). Este foi o ponto em que imitavam a Ele e Seus apóstolos, alegre testemunho da palavra em muita aflição: a segunda prova de sua eleição de Deus (1Ts 1:4); 1Ts 1:5  é o primeiro.

Mesmo em meio a muita aflição – (1Ts 2:14; 1Ts 3:2-5 ; At 17:5-10).

recebestes a palavra com a alegria – isto é, forjada pelo “Espírito Santo”. “O óleo de alegria” com o qual o Filho de Deus foi “ungido acima de seus semelhantes” (Salmo 45: 7), é o mesmo óleo com o qual Ele, pelo Espírito também unge seus companheiros (Is 61:1, Is 61:3; Rm 14:17; 1Jo 2:20, 1Jo 2:27).

7 Dessa maneira vos tornastes referência a todos os crentes na Macedônia e Acaia.

referência – Então, alguns dos manuscritos mais antigos são lidos. Outros, “ensample” (singular), toda a Igreja sendo considerada como uma. A igreja macedônia de Filipos foi a única na Europa convertida antes dos tessalonicenses. Portanto, ele quer dizer que sua conduta passada é um exemplo para todos os crentes agora; de quem ele especifica aqueles “na Macedônia” porque ele esteve lá desde a conversão dos tessalonicenses, e havia deixado Silvano e Timóteo lá; e aqueles em “Acaia”, porque ele estava agora em Corinto, na Acaia.

8 Pois de vós ressoou a palavra do Senhor, não somente na Macedônia e Acaia, mas a vossa fé em Deus se espalhou em todo lugar, de tal maneira que não precisamos falar coisa alguma.

a palavra do Senhor – não que eles realmente se tornassem missionários: mas eles, pelo relato que se espalhou de sua “fé” (compare Rm 1:8), e pelos mercadores cristãos de Tessalônica que viajaram em várias direções, levando “o Palavra do Senhor ”com eles, eram virtualmente missionários, recomendando o Evangelho a todos ao alcance de sua influência pela palavra e pelo exemplo (1Ts 1:7). Em “soou”, a imagem é a de um trompete que se enche com seu eco claro de todos os lugares ao redor.
para a ala de Deus – não mais direcionada aos ídolos.

de tal maneira que não precisamos falar coisa alguma – a eles em louvor da sua fé; “Pois (1Ts 1:9) eles mesmos” (as pessoas na Macedônia, Acaia, e em todo lugar) já sabem disso.

9 Pois eles mesmos anunciam como fomos recebidos por vós, e como vos convertestes, deixando os ídolos, para servir ao Deus vivo e verdadeiro;

o Deus vivo e verdadeiro – em oposição aos deuses mortos e falsos dos quais eles foram “se converteram”. Na versão em português, lendo Atos 17:4, “dos gregos devotos uma grande multidão”, nenhuma menção é feita, como aqui da conversão de gentios idólatras em Tessalônica; mas a leitura de alguns dos manuscritos mais antigos e da Vulgata coincide singularmente com a afirmação aqui: “Dos devotos E dos gregos (a saber, dos idólatras) uma grande multidão”; assim em Atos 17:17, “as pessoas devotas”, isto é, prosélitos gentios ao judaísmo, formam uma classe separada. Paley e Lachmann, por linhas distintas de argumentação, apoiam o “E”. Lucas, mesmo se não declarando explicitamente a conversão de idólatras em Tessalônica, declara o que concorda com ela, a conversão de ‘não poucas das mulheres principais’, e o surgimento de um tumulto realmente instigado pelos judeus, mas continuado por outros, que não poderiam ter alcançado tal altura se a pregação não tivesse alcançado os gentios tessalonicenses (At 17:5-8). [JFU]

10 e para esperar dos céus o seu Filho, a quem ele ressuscitou dos mortos: Jesus, que nos livra da ira futura.

Este versículo os distingue dos judeus, como 1Ts 1:9 dos gentios idólatras. Esperar pela vinda do Senhor é uma característica segura de um verdadeiro crente, e foi proeminente entre as graças dos tessalonicenses (1Co 1:7, 8). Sua vinda raramente é chamada de retorno (Jo 14:3); porque os dois adventos são considerados fases diferentes da mesma vinda; e a segunda vinda terá características completamente novas relacionadas a ela, de modo que não será uma mera repetição da primeira, ou uma mera volta novamente.

seu Filho, a quem ele ressuscitou dos mortos – a grande prova de sua divina filiação (Rm 1:4).

ira vindoura – (1Ts 5:9; Cl 3:6).

<Colossenses 4 1 Tessalonicenses 2>

Leia também uma introdução à Primeira Epístola aos Tessalonicenses

Adaptado de: Commentary Critical and Explanatory on the Whole Bible. Todas as Escrituras em português citadas são da Bíblia Livre (BLIVRE), Copyright © Diego Santos, Mario Sérgio, e Marco Teles – fevereiro de 2018.