Bíblia, Revisar

2 Coríntios 10

1 Além disto eu mesmo, Paulo, pela mansidão e bondade de Cristo, vos rogo, (eu que em verdade sou humilde entre vós quando presente, porém ousado para convosco quando ausente);

eu mesmo, Paulo – não mais “nós”, “nós”, “nosso” (2Co 9:11): eu que sou representado por depreciadores como “base”, eu, o mesmo Paulo, por minha própria vontade “suplico-te” ; ou melhor, “implorar”, “exortar” você por sua causa. Como “eu suplico-te” (um verbo grego distinto, 2Co 10:2) por minha causa.

pela mansidão e bondade de Cristo – Ele menciona especialmente estas graças de Cristo (Sl 18:35; Mt 11:29), como por causa de sua imitação delas em particular, ele foi desprezado (Grotius). Ele os atrai por estes, a fim de mostrar que embora ele deva recorrer a medidas mais severas, ele é naturalmente inclinado a ser gentil após o exemplo de Cristo (Menochius). “Mansidão” está mais na mente internamente; “Gentileza” no comportamento externo e em relação aos outros; por exemplo, a submissão condescendente de um superior a um inferior, o primeiro não insistindo em seus direitos estritos (Trench). Bengel explica: “Pela mansidão e gentileza derivadas por mim de Cristo”, não por minha própria natureza: ele se opõe a entendê-la da mansidão e do carinho de Cristo, visto que em nenhum outro lugar a “gentileza” é atribuída a ele. Mas, embora a palavra grega exata não seja aplicada a Ele, a ideia expressa por ela é (compare com Is 40:11; Mt 12:19, Mt 12:20).

na presença – na aparência pessoal quando presente com você.

base – grego, “humilde”; Tímido, humildemente tímido: oposto ao “ousado”. “Sou” está aqui por concessão irônica para “tenho a fama de ser” (compare 2Co 10:10).

2 Rogo pois, que quando eu estiver presente, não tenha que mostrar ousadia com a confiança de que penso que terei de me mostrar ousado para com alguns que nos consideram como se andássemos segundo a carne.

Suplico-lhe – dizendo que, como ele pode pedir cartas, ele pode ser severo em sua presença.

que eu posso não ser – para que eu não precise ser ousado, etc.

com essa confiança – essa severidade autoritária.

Eu acho que estou disposto a ser.

como se andássemos segundo a carne – Seus detratores coríntios julgavam por si mesmos, como se ele fosse influenciado por motivos carnais, o desejo de favor ou medo de ofender, de modo a não exercer sua autoridade quando presente.

3 Pois ainda que andemos na carne, não batalhamos segundo a carne.

Pois – Razão pela qual eles deveriam considerá-lo “suplicando” (2Co 10:2) não obrigá-lo a recorrer ao exercício “ousado” e severo da autoridade. “Nós andamos NA carne”, e assim na fraqueza: mas não “DE ACORDO COM A carne” (2Co 10:2). Além disso, embora nós ANDAMOS nisto, nós não GUERAM de acordo com isto. Um duplo contraste ou antítese. “Aqueles que nos acusam de andar segundo a carne descobrirão, ao seu custo, que não guerreamos segundo a carne; portanto, obrigue-nos a não usar nossas armas ”(Alford).

4 Porque as armas de nossa batalha não são carnais, mas sim poderosas em Deus, para destruirmos fortalezas;

Uma confutação daqueles que tentam propagar seu credo pela força e perseguição (compare Lc 9:54-56 ).

armas – para punir membros infratores (2Co 10:6; 1Co 4:21; 1Co 5:5, 1Co 5:13); ousadia de fala, disciplina eclesiástica (2Co 10:8; 2Co 13:10), o poder da palavra e dos sacramentos, os vários dons extraordinários do Espírito.

carnal – Traduza, “carnal”, para preservar a alusão a 2Co 10:2, 2Co 10:3.

poderosas em Deus – grego, “poderoso a Deus”, isto é, poderoso diante de Deus: não humanamente, mas divinamente poderoso. O poder não é nosso, mas é de Deus. Compare “justo a Deus”, isto é, divinamente justo (At 7:20). Também acima (2Co 2:15), “a Deus um doce sabor”. “A eficácia da religião cristã prova sua verdade” (Bengel).

puxando para baixo – Como o grego é o mesmo que em 2Co 10:5, traduza, “abatendo”. Compare Jr 1:10: os inspirados servos de Deus herdam a comissão dos profetas do Antigo Testamento.

fortalezas – (Pv 21:22); ou seja, em que os pecadores se entrincheiram contra a repreensão; tudo que se opõe a Cristo; o aprendizado, a eloquência e as sutilezas filosóficas sobre as quais os coríntios se orgulhavam. Então a explosão de trombeta de Josué foi “poderosa” sob Deus para derrubar os muros de Jericó.

5 Assim destruímos pensamentos e toda arrogância que se levanta contra o conhecimento de Deus, e levamos como prisioneiro todo pensamento para a obediência a Cristo.

pensamentos – em vez disso, “raciocínios”. Considerando que “pensamento” expressa o próprio propósito dos homens e determinação de viver após o seu próprio prazer (Tittmann).

coisa alta – Então deveria ser traduzido (Rm 8:39). Uma palavra grega distinta daquela em Ef 3:18, “altura”, e Ap 21:16, que pertence a Deus e ao céu de onde não recebemos nada prejudicial. Mas “coisa alta” não é tanto “altura” como algo feito alto, e pertence àquelas regiões do ar onde os poderes das trevas se exaltam contra Cristo e nós (Ef 2:2; Ef 6:12; 2Ts 2:4).

que se levanta2Ts 2:4 apóia a Versão Inglesa em vez da tradução de Ellicott, etc., “é elevado”. Tais eram as altas torres da auto-justiça judaica, especulações filosóficas e sofismas retóricos, o “conhecimento” tão muito apreciado por muitos (opostos ao “conhecimento de Deus”), que colocava em risco uma parte da Igreja de Corinto.

contra o conhecimento de Deus – O conhecimento verdadeiro torna os homens humildes. Onde há exaltação de si mesmo, não há conhecimento de Deus (Bengel). Organize as seguintes palavras: “Levar cada pensamento (isto é, intenção da mente ou vontade) em cativeiro à obediência de Cristo”, isto é, obedecer a Cristo. Os três passos da batalha espiritual do apóstolo são: (1) Ele destrói o que é oposto a Cristo; (2) leva cativo; (3) Ele traz em obediência a Cristo (Rm 1:5; Rm 16:26). Os “raciocínios” (versão em inglês, “imaginações”) são totalmente “abatidos”. As “intenções mentais” (versão em inglês, “pensamentos”) são tomadas voluntariamente e oferecem a obediência voluntária da fé a Cristo, o Conquistador.

6 E estamos prontos para vingar toda desobediência, quando vossa obediência for completa.

Traduzir: “Estar em nós mesmos (isto é, estar) em prontidão para punir com exatidão toda a desobediência”, etc. Temos isso reservado para o desobediente: ele será colocado em prática no devido tempo.

quando vossa obediência etc. – Ele caridosamente assume que a maior parte da Igreja de Corinto agirá obedientemente; portanto, ele diz “SUA obediência”. Mas talvez alguns ajam de outra forma; Portanto, para dar a oportunidade de unir-se ao obediente, ele não castigará prematuramente o castigo, mas esperará até que o número total de pessoas reunidas em Cristo tenha sido “completado”, e o restante tenha se mostrado incorrigível. Ele já agia assim em Corinto (At 18:6-11 ; compare Êx 32:34; Mt 13:28-30).

7 Olhais as coisas pela aparência? Se alguém confia de si mesmo que é de Cristo, pense o tal outra vez consigo mesmo que, assim como ele é de Cristo, assim também nós somos de Cristo.

Vós considerais a aparência exterior (meras recomendações externas, aparência pessoal, voz, maneira, oratória de professores presentes face a face, tal como eles admiravam nos falsos mestres ao menosprezo de Paulo, 2Co 10:10; ver em 2Co 5:12) Mesmo no exterior quando eu estiver presente com você (em contraste com “por letras”, 2Co 10:9) eu mostrarei que eu estou mais realmente armado com a autoridade de Cristo, do que aqueles que se arrogam o título de sendo peculiarmente “de Cristo” (1Co 1:12). Um emissário judeu parece ter liderado essa festa.

pense o tal outra vez consigo mesmo que – Ele pode “de si mesmo”, sem precisar ser ensinado de uma maneira mais severa, “pensando de novo”, chegar a “essa” conclusão, “que mesmo”, etc. Paulo modestamente exige para si apenas um lugar igual àqueles que ele havia gerado no Evangelho (Bengel).

8 Porque se eu também ainda mais me quiser orgulhar do nosso poder que o Senhor nos deu para edificação, e não para vossa destruição, não me envergonharei;

Eu não deveria ser envergonhado (pelo fato; como deveria ser, se minha autoridade fosse sem fundamento: minhas ameaças de punição não seriam efetivadas) ”.

para edificação… não para… destruição – grego, “para edificar… não para… COLOCAR PARA BAIXO” (o mesmo grego que em 2Co 10:5): a imagem de um edifício como em 2Co 10:4, 2 Coríntios 10:5 Embora nós “rejeitemos os raciocínios”, isso não é para destruir, mas realmente para construir (“edificar”), removendo aquelas coisas que são obstáculos à edificação, e testando o que é insalubre, e juntando tudo o que é verdade no edifício (Crisóstomo).

9 Para que não pareça que eu queira vos amedrontar por meio de cartas.

Eu digo isso para que eu não pareça estar aterrorizando você, como crianças, com ameaças vazias (Bengel). Estius explica: “Eu posso me gabar mais da minha autoridade, mas deixo de fazê-lo, para não parecer como” etc. Mas essa reticência é dura: e 2Co 10:10, 11 confirma Bengel visão de

10 Porque eles dizem que as cartas são em verdade graves e fortes, mas a presença do corpo é fraca, e a palavra desprezível.

cartas – sugerindo que já havia mais cartas de Paulo recebidas pelos coríntios do que a que temos, a saber, os primeiros coríntios; e que eles continham fortes reprovações.

eles dizem – grego “, diz um”, “tal” (2Co 10:11) parece apontar para algum indivíduo definido. Compare Gl 5:10; um caluniador semelhante estava na Igreja da Galácia.

fraca – (2Co 12:7; 1Co 2:3). Não havia nada de majestade ou autoridade em seus modos; ele se agitava tremulamente entre eles, enquanto os falsos mestres falavam com autoridade e linguagem.

11 Pense isto o tal, que assim como somos na palavra por cartas quando ausentes, assim também seremos por obra quando estivermos presentes.

pense isso – “considere isso”.

nós seremos – ou “somos”, em geral, não apenas estaremos em nossa próxima visita.

12 Porque não ousamos a nos classificar ou comparar com alguns que louvam a si mesmos; mas estes tem falta de entendimento ao medirem a si mesmos consigo mesmos, e ao compararem a si mesmos consigo mesmos.

“Nós não presumimos (ironia) julgar a nós mesmos, ou em comparação com, alguns deles que se recomendam.” A acusação falsamente contra ele de se elogiar (2Co 3:1; 2Co 5:12), realmente mantém bons dos falsos mestres. A frase “julgue-se do número” é tirada do teste de atletas e senadores, sendo o “aprovado” estabelecido no rolo (Wahl).

medindo-se por si mesmos – “entre si”: para corresponder ao verbo anterior, “julgue-se entre eles”. Em vez de se medir pelo padrão público, eles se medem por um feito por eles mesmos: eles não se comparam com outros que Excelê-los, mas com aqueles como eles: daí sua alta auto-estima. O caolho é facilmente rei entre os cegos.

não são sábios – com toda a sua gloriosa “sabedoria” (1Co 1:19-26), eles são tudo menos “sábios”.

13 Nós, porém, não nos orgulharemos além da medida, mas sim conforme a medida da extensão que Deus repartiu conosco, medida que também vos alcança.

sem … medida – grego, “para limites imensuráveis”. Não há limite para a alta opinião de um homem sobre si mesmo, contanto que ele se medite por si mesmo (2Co 10:13) e seus companheiros, e não se compare com ele. com seus superiores. Marca o caráter pessoal desta epístola que a palavra “ostentação” ocorre vinte e nove vezes nela, e apenas vinte e seis vezes em todas as outras epístolas reunidas. Não intimidado pela acusação de vaidade, ele sentiu que deve reivindicar sua autoridade apostólica por fatos (Conybeare e Howson). Seria para se “gabar de coisas sem a nossa medida”, se nos orgulharmos de conversões feitas por “trabalhos de outros homens” (2Co 10:15).

distribuído – repartido (Alford).

uma medida – como medida (Alford).

para alcançar – “que as semeia com você mesmo”: 2Co 10:16; Rm 15:20-24). A medida de Paulo é uma repartição de sua disciplina de trabalhos evangélicos ordenados para ele por Deus. “Regra” entre os chamados “cônegos apostólicos” foi, subsequentemente, que nenhum bispo teve os seus próprios nomes além dos seus próprios limites. Em Corinto foi designado a ser como a sua disciplina apostólica. A epístola here incidentalmente e, portanto, sem intenção, confirma uma independência independente, os Atos, que representam o fim-limite de sua pregação, não foram considerados os mais atrasados, depois que ele partiu de Filipos para o sul sucessivamente através de Anfípolis, Apolônia, Tessalônica. Berea e Atenas [Paley, Horae Paulinae].

14 Porque em nada estendemos além do que devíamos, como se não tivéssemos vos alcançado; pois fomos nós os primeiros a vir até vós no Evangelho de Cristo;

“Não nos estendemos além de nossa medida, como (deveríamos ser) se não chegássemos a você: (mas o fazemos), porque até mesmo a nós chegamos a pregar o Evangelho.”

15 Não nos orgulhamos além da medida no trabalho de outros, mas temos esperança de que, quando vossa fé crescer, seremos engrandecidos abundantemente entre vós conforme nossa extensão;

“Não se gabar de limites não medidos (isto é, não exceder os nossos próprios limites, gabando-se) de (literalmente, ‘em’) trabalhos de outros homens.”

quando – “À medida que a sua fé vai aumentando”. A causa de ele ainda não alcançar com o Evangelho as regiões além de Corinto, era a fraqueza de sua fé. Ele desejava não deixar os coríntios antes do tempo apropriado, e ainda assim não adiar a pregação para os outros por tempo demais.

ampliado por você – grego, “no seu caso.” O nosso sucesso no seu caso nos dará um passo importante em direção ao progresso além de você (2Co 10:16).

conforme nossa extensão – de acordo com nossa divisão divina da área ou esfera de nosso trabalho; pois “não nos estendemos além de nossa medida” (2Co 10:14).

abundantemente – grego “, para excedente abundância”: de modo a ultrapassar os limites que já atingimos

16 Para pregarmos o evangelho em outros lugares além de vós; e não na extensão de outros pregadores, para nos orgulharmos de coisas que já estavam prontas.

Para – isto é, para pregar … além de você (e) não se gabar, etc.

na extensão de outros pregadores, para nos orgulharmos de coisas que já estavam prontas – Não conecte “linha de coisas”, etc .; mas “vangloriar-se das coisas” etc. Para tornar isso mais claro, organize as palavras assim: “Não se vangloriar das coisas (já feitas pela pregação de outros) prontas para a nossa mão na linha de outro homem (isto é, dentro de a linha, ou esfera de trabalho, distribuída por Deus a outra).

17 Porém o que se orgulha, se orgulhe no Senhor.

se orgulha – Traduza, de acordo com 2Co 10:16, “se vangloria”. Em contraste com a prática de seus oponentes de ostentar na linha ou esfera de outra pessoa, Paulo declara que a única verdadeira ostentação está no Senhor (1Co 1:31). 1Co 15:10).

18 Porque não é o que louva a si mesmo, mas sim o que louva ao Senhor; esse é o aprovado.
(Pv 27:2).

a quem o Senhor recomenda – a quem o Senhor deu como Sua “Epístola de Louvor”, os crentes a quem ele tem sido o instrumento de conversão: como foi o caso de Paulo (2Co 3:1-3).

é o aprovado – pode resistir ao teste final. Uma metáfora de testar metais (Rm 16:10; 1Co 11:19). Por outro lado, aqueles finalmente rejeitados pelo Senhor são chamados de “prata réproba” (Jr 6:30).

<2 Coríntios 9 2 Coríntios 11>

Introdução à 2 Coríntios 10

Ele reivindica sua autoridade apostólica contra aqueles que o depreciam por sua aparência pessoal. Ele fará com que seu poder seja sentido quando ele vier. Ele não se vangloria, como eles, além de sua medida.

Leia também uma introdução à Segunda Epístola aos Coríntios.

Adaptado de: Commentary Critical and Explanatory on the Whole Bible. Todas as Escrituras em português citadas são da Bíblia Livre (BLIVRE), Copyright © Diego Santos, Mario Sérgio, e Marco Teles – fevereiro de 2018.