Salmo 18

1 (Para o regente. Do servo do SENHOR, chamado Davi, o qual falou as palavras deste cântico ao SENHOR, no dia em que o SENHOR o livrou das mãos de todos os seus inimigos, e das mãos de Saul. Ele disse:) Eu te amarei, SENHOR, tu és minha força.

Comentário de E. W. Hengstenberg

Lutero:”O nosso doce e alegre afeto deve impelir-nos com grande força para aqueles a quem devemos a bondade de libertar do mal e do infortúnio enormes. Assim diz ele agora:Tenho um desejo sincero e infantil em relação a Ti. Confessa assim o amor mais caloroso, e que teve prazer em Nosso Senhor Deus, pois achou a Sua bondade indescritível; e deste desejo constrangedor e amor surge que ele atribui a Deus tantos nomes”. O amor a Deus, mesmo em Dt 10:12, e numa série de outras passagens do Pentateuco, é declarado como sendo a soma de toda a lei. As manifestações do amor de Deus são concebidas para Lhe conduzir; mas este objetivo não é alcançado em todos:muitos abraçam os dons, e esquecem o Doador – os seus corações tornam-se mais frios para Deus quanto mais eminentes são os Seus dons. De Israel é dito em Deuteronómio 15:”Mas, Israel engordou e deu pontapés; esqueceu-se de Deus que o fez, e desprezou ligeiramente a Rocha da sua salvação”. Em David, porém, as manifestações do amor de Deus a ele acenderam a chama de um amor correspondente, e fizeram-no arder cada vez mais claro e resplandecente. רחם, diligere ex intimista visceribus, para amar de coração, ocorre em Kal apenas aqui; Piel não poderia ter sido usado, pois isso marca sempre o amor terno dos mais fortes para com os mais fracos, a compaixão. Parece que David fez a palavra por si próprio, porque nenhum termo existente era suficiente para expressar o seu sentimento. A palavra “a minha força” (חֵזֶק, também ἅπαξ λεγ.), é referida por Lutero a essa força “com a qual um homem se veste de cima, e com a qual é fortalecido e fortificado interiormente,- a firmeza que sustenta as mentes fracas e delicadas”. Esta força, diz ele, não a temos, exepto da parte de Deus. Pois quando depende de nós próprios, somos bastante fracos, tanto nos bons como nos maus momentos, e derretemos como cera perante o sol. Esta visão levaria à comparação de 1Sa 30:6, “David fortaleceu-se no Senhor seu Deus”. Mas que “a minha força” não é, pelo menos não exclusivamente, ou mesmo preeminentemente, para ser referido ao fortalecimento interno, é evidente pelos seguintes nomes de Deus, que todos se referem à ajuda externa concedida por Deus, e também por toda a sequência, que trata de libertações reais, e pode dizer-se que está envolvida nesta única palavra. [Hengstenberg]

2 O SENHOR é minha rocha, e minha fortaleza, e meu libertador, meu Deus, meu rochedo, em quem confio; é meu escudo, e a força da minha salvação, meu alto refúgio.

Comentário Cambridge

As imagens que Davi utiliza derivam das características de uma nação abundante em penhascos e grutas e fortalezas naturais, com as quais se tinha familiarizado na sua fuga de Saul. A rocha, ou penhasco (sela) onde ele tinha sido tão inesperadamente libertado de Saul (1Sm 23:25-28):a fortificação ou fortaleza no deserto de Judá ou os jejuns de En-gedi (1Sm 22:4; 1Sm 23:14; 1Sm 23:19; 1Sm 23:29; 1Sm 24:22); “as rochas das cabras selvagens” (1Sm 24:2; 1Cr 11:15); eram todos emblemas d’Aquele que tinha sido ao longo do seu verdadeiro Refúgio e Libertador.

meu Deus. El, e assim em Sl 18:30; Sl 18:32; Sl 18:47. Ver nota sobre Sl 5:4.

minha rocha – a minha rocha em quem me refugio. Aqui primeiro no Saltério ocorre o título Rocha (tsûr), tão frequentemente usado para descrever a força, fidelidade, e imutabilidade de Javé. Ver Sl 18:31; Sl 18:46; Deu 32:4; Deu 32:15; Deu 32:18; Deu 32:30-31; 1Sa 2:2; Sl 19:14; Sl 28:1; &c. Aqui, como a frase relativa apresenta, a ideia especial é a de um asilo em perigo. Cp. Sl 94:22; Deu 32:37.

a força da minha salvação – no original grego, meu chifre. Como meu escudo Ele defende-me:como o chifre da minha salvação Ele conduz os meus inimigos perante Ele e dá-me a vitória. O chifre é um símbolo comum de força irresistível, derivado de animais com chifres, especialmente bois selvagens. Ver Deu 33:17; e note-se o uso da frase em Lc 1:69. Cp. Sl 28:7-8.

meu alto refúgio. Ver nota sobre Sl 9:9. 2Sam. acrescenta, “e o meu retiro, o meu salvador, que me salva da violência”. [Cambridge]

3 Eu clamei ao SENHOR digno de louvor; e fiquei livre de meus inimigos.

Comentário Cambridge

Não apenas uma decisão ou expressão de confiança para o futuro (chamarei … assim serei salvo); mas a expressão de uma certeza geral da fidelidade de Deus para responder à oração; quando eu chamar … então serei salvo &c. Cp. Sl 56:9. Esta convicção é baseada na experiência, e ilustrada pelo que se segue (Sl 18:6).

digno de louvor. Cp. Sl 48:1, Sl 96:4, Sl 113:3, Sl 145:3. Jeová é o único objeto de louvor de Israel (Deu 10:21), e sobre os louvores de Israel Ele senta-se entronizado (Sl 22:3). A tônica do culto é Aleluia, ‘louvai a Jah’, e o título hebraico do Saltério é Teilim, ou seja, Louvores. [Cambridge,]

4 Cordas de morte me cercaram; e riachos de maldade me encheram de medo.

Comentário Barnes

Cordas de morte me cercaram. Ou seja, ele estava em perigo iminente de morte, ou em meio a dores e sofrimentos que normalmente ocorrem na morte. Ele se refere provavelmente a algum período de sua vida passada – talvez nas perseguições de Saul – quando ele foi tão assediado por problemas e dificuldades que lhe pareceu que deveria morrer. A palavra traduzida por “dores” – חבל chebel – significa, de acordo com Gesenius, “uma corda, uma corda” e, portanto, “um laço, gim, laço”; e a ideia aqui é, de acordo com Gesenius, que ele foi preso, por assim dizer, nas armadilhas da morte, ou nas bandas da morte. Então, Salmos 116:3. Nossos tradutores, no entanto, e parece-me mais corretamente, consideraram a palavra como derivada do mesmo substantivo diferentemente apontado – הבל chēbel – que significa “contorções, angústias, dores”, como em Is 66:7; Jer 13:21; Jr 22:23; Os 13:13; Jó 39:3. Então, a paráfrase aramaica, “Dores como de uma mulher no parto me cercaram.” Portanto, a Vulgata, “dolores”. Portanto, a Septuaginta, ὠδῖνες ōdines. O local correspondente em 2Sam. 22 é:“As ondas da morte”. A palavra que é usada lá – משׁבר mishbâr – significa propriamente ondas que quebram na costa – “ondas”. Veja Salmos 42:7; Salmo 88:7; Jon 2:3. Por que a mudança foi feita no salmo, não é possível determinar. Qualquer uma das palavras denota uma condição de grande perigo e alarme, como se a morte fosse inevitável.

e riachos de maldade me encheram de medo – Margem, como em hebraico, “Belial”. A palavra “Belial” significa corretamente “sem uso ou lucro”; e então sem valor, abandonado, perverso. É aplicado a homens iníquos como sendo “sem valor” para a sociedade e para todos os fins adequados da vida. Embora o termo aqui indubitavelmente se refira a homens “perversos”, ainda se refere a eles como sendo inúteis ou abandonados – baixos, comuns, inúteis para a humanidade. A palavra traduzida por inundações – נחל nachal – significa no singular, propriamente, um riacho, riacho, riacho; e então, uma torrente, formada pela chuva e neve-água nas montanhas, Jó 6:15. A palavra usada aqui se refere a tais homens como se fossem derramados em riachos e torrentes – em tais multidões que o salmista provavelmente seria dominado por eles, como alguém seria por inundações de água. “Me deixou com medo.” Me deixou com medo de perder minha vida. A que período particular de sua vida ele se refere, é impossível agora determinar. [Barnes, aguardando revisão]

5 Cordas do Sheol me envolveram; laços de morte me afrontaram.

Comentário Barnes

Cordas do Sheol me envolveram. A palavra usada aqui é a mesma que ocorre no versículo anterior, e que é traduzida como “dores”. Está traduzido corretamente aqui, como naquele versículo, “dores”, embora o paralelismo pareça favorecer a interpretação na margem – cordas. Se significa “tristezas”, a ideia é que tais sofrimentos o envolveram, ou se apoderaram dele, como associamos em ideia com a descida ao mundo subterrâneo, ou a descida aos mortos. Se significa “cordas ou faixas”, então a ideia é que ele foi tomado pela dor como se fossem cordas jogadas ao seu redor, e que o estavam arrastando para a morada dos mortos. Luther, DeWette, Alexander, Hengstenberg e outros traduzem a palavra, em cada um desses lugares, “cordas”. Sobre a palavra aqui traduzida “inferno”, שׁאול she’ôl, veja as notas em Isaías 14:9. Significa aqui o “submundo, as regiões dos mortos”. É a descrição de alguém que foi dominado pelo pavor da morte.

laços de morte. A palavra “armadilhas” refere-se aos gins, labutas, redes, que são usados ​​para capturar animais selvagens, de repente atirar cordas ao redor deles e amarrá-los com firmeza. A ideia aqui é que a “Morte” lançou ao seu redor suas labutas ou armadilhas e o amarrou com força.

me afrontaram. A palavra usada aqui em hebraico, como nossa palavra “prevenir” originalmente, significa “antecipar, ir antes”. A ideia aqui é que aquelas armadilhas, por assim dizer, repentinamente caíram sobre ele, ou o agarraram. Eles vieram antes dele e o amarraram firmemente. [Barnes, aguardando revisão]

6 Em minha angústia, clamei ao SENHOR, e roguei a meu Deus; desde o seu Templo ele ouviu a minha voz; e o meu clamor diante de seu rosto chegou aos ouvidos dele.

Comentário de E. W. Hengstenberg

Tal como antes as angústias tinham sido todas compreendidas numa única grande angústia, como também novamente no início deste versículo, também aqui, e no contexto subsequente, as múltiplas audiências e ajudas Divinas estão unidas numa única grande audiência e ajuda. Os futuros do verbo devem ser novamente explicados a partir da viva realização da presença. A fé não conhece passado nem futuro; o que Deus fez e fará, está presente para ela. Stier tomaria צר como a terceira pessoa do pretérito. Mas como צַר ocorre inquestionavelmente em Jó 15:24 como substantivo no sentido de angústia, não temos ocasião de preferir aqui a exposição mais tensa, “na angústia para mim”, pois, “nisto a minha angústia”. שוע, mais forte do que קרא, denota o grito de ajuda proferido por aquele que se encontra no maior perigo e extremo. Sobre a expressão “meu Deus”, Calvino observa:”Ao chamar a Deus seu Deus, distingue-se daqueles desprezadores grosseiros de Deus e hipócritas, que, de fato, invocam confusamente um poder celestial, quando impelidos por dura necessidade; mas nem com um coração puro, nem em termos de intimidade, se aproximam de Deus, de cuja graça paternal nada sabem”. Pelo templo de Deus está aqui indicada a Sua morada nos céus, não pela razão aduzida por Theodoret, que o templo terrestre ainda estava então por construir – pois היכל é utilizado, como anteriormente foi notado, também do tabernáculo; e foi apenas a partir deste ser nomeado a morada de Deus, que o céu também foi assim nomeado – mas porque, por esta exposição, obtemos um contraste mais fino:o servo muito abaixo na terra chora, e o Senhor ouve lá em cima nos céus; não, quanto mais alto Ele é entronizado, melhor Ele ouve, mais facilmente Ele ajuda; porque o seguinte contexto representa como Deus desce do céu, para ajudar o Seu servo; e por último, também, devido à passagem paralela em Sl 11,4:”O Senhor está no Seu santo templo, o trono do Senhor está no céu. ” [Hengstenberg]

7 Então a terra de abalou e tremeu; e os fundamentos dos montes de moveram e foram abalados, porque ele se irritou.

Comentário Barnes

Então a terra de abalou e tremeu. A descrição que se segue aqui é uma das mais sublimes que podem ser encontradas em qualquer linguagem. É tirado da fúria da tempestade, quando todos os elementos estão em comoção; quando Deus parece avançar na grandeza de sua majestade e no terror de seu poder, para prostrar tudo diante dele. Não devemos considerar isso como descritivo de qualquer coisa que ocorreu literalmente, mas antes como expressivo do fato da interposição divina, como se ele assim surgisse na grandeza de seu poder. De fato, não há improbabilidade em supor que em alguns dos períodos perigosos da vida de Davi, quando cercado por inimigos, ou mesmo quando no meio de uma batalha, uma furiosa tempestade pode ter ocorrido que parecia ser uma interposição divina especial em seu favor , mas não temos nenhum registro distinto de tal evento, e não é necessário supor que tal evento ocorreu para uma compreensão correta da passagem. Tudo o que é necessário é considerar isso como uma representação da poderosa interposição de Deus; supor que sua intervenção foi tão direta, tão manifesta e tão sublime, como se ele tivesse assim se interposto. Há referências frequentes nas Escrituras a tais tempestades e tormentas que ilustram a majestade, o poder e a glória de Deus, e da maneira pela qual ele intervém em favor de seu povo. Veja Salmo 144:5-7; Salmo 46:6-8; Salmo 29:1-11; Jó 37:21-24; Jó 38:1; Naum 1:3; e particularmente Habacuque 3:3-16. A descrição em Habacuque se assemelha fortemente à passagem diante de nós, e ambas foram tiradas, sem dúvida, de uma observação real da fúria de uma tempestade.

os fundamentos dos montes de moveram e foram abalados. As montanhas pareciam balançar em suas fundações. No lugar correspondente em 2Samuel 22:8, a expressão é:”Os alicerces do céu se moveram e estremeceram”; isto é, aquilo em que os céus parecem repousar foi agitado. Muitos supõem que a expressão se refere às montanhas como se sustentassem os céus; mas DeWette supõe mais apropriadamente que a referência é aos céus como um edifício ou edifício apoiado em fundações. Por que a mudança foi feita na revisão do salmo dos “fundamentos dos céus” para os “fundamentos das colinas”, é impossível determinar agora.

porque ele se irritou – literalmente, “Porque estava inflamado (ou acendido) para ele”; isto é, porque ele estava com raiva. A raiva costuma ser comparada a uma chama furiosa, porque parece consumir tudo que está antes. Portanto, falamos sobre isso como “aquecido”, como “queimando”. Portanto, dizemos que ele está “inflamado pela paixão”. A expressão aqui é sublime no mais alto grau. Deus parecia estar zangado e, portanto, ele apareceu desta maneira terrível, e a própria terra estremeceu diante dele. [Barnes, aguardando revisão]

8 Fumaça subiu de seu nariz, e fogo consumidor saiu de sua boca; carvões foram acesos por ele.

Comentário de E. W. Hengstenberg

Em todo o versículo há uma expansão adicional das palavras, חרה לו, prop. “Ele está inflamado”, com o qual o versículo anterior havia fechado (Michaelis corretamente:ascendit enim), e assim a ira Divina é representada sob a imagem de um fogo, assim como em Deuteronômio 32:22, Deuteronômio 29:20, “Então a ira do Senhor e Seu ciúme fumegarão contra aquele homem ”; Salmo 74:1. Com a tempestade de trovões, a fumaça, o fogo e as brasas não têm nada a ver aqui; isso está aqui apenas preparado. O nariz tem esse nome porque é comumente considerado a sede da raiva – a boca, porque consome. Que אף significa “nariz” (LXX .:ἀνέβη καπνὸς ἐν ὀρτῆ αῦτοῦ; Vulgata:in ira ejus; assim também Stier), fica claro pela justaposição com a boca; e que מפיו deve ser traduzido por “fora de Sua boca” fica claro por sua justaposição com o nariz. Muito falsamente a ascensão da fumaça no nariz foi conectada com a observação de que bestas furiosas, como cavalos, leões, bufam terrivelmente; e então Stier encontra ocasião, na “natureza não polida, ou melhor, monstruosa da imagem”, para adotar sua falsa exposição. A fumaça não tem nada a ver com cheirar; é apenas o acompanhamento inseparável do fogo. A relação entre os dois é descoberta em Êxodo 19:18, “E o Monte Sinai estava totalmente em uma fumaça, porque o Senhor desceu sobre ele no fogo.” Ao nariz é atribuído o fogo da cólera Divina, em seu aspecto fumegante, simplesmente porque, em seu aspecto ardente e consumidor, é melhor atribuí-lo à boca. A palavra devora permanece propositalmente sem objeto, e não devemos suprir os inimigos. É o poder de queima apenas que é considerado aqui. Toda a cena em Salmos 18:7 e Salmos 18:8 ainda pertence aos céus. Pelas brasas não devemos entender o relâmpago. Este é apenas o produto posterior (comp. Salmo 18:12) do brilho do fogo e da ira, aqui primeiro aceso. O sufixo em מנו refere-se à boca. “Carvões queimados fora dele” não é equivalente a “brasas ardentes saem dele”, mas “a chama de brasas ardentes irrompe dele”, como de um forno aceso, תנור אש, Gênesis 15.

O segundo ponto vem agora:a expressão da raiva, cujo crescimento foi descrito nos versos anteriores. A ira que se acendeu nos céus se faz sentir na terra, que a despertou, e se corporifica em uma tempestade sobre as cabeças dos ímpios, cuja destruição é ao mesmo tempo a libertação do servo do Senhor. [Hengstenberg, aguardando revisão]

9 Ele moveu os céus, e desceu; e as trevas estavam debaixo de seus pés.

Comentário Barnes

Ele moveu os céus – Ele parecia dobrar os céus – para trazê-los para mais perto da terra. “Ele inclina a copa dos céus, por assim dizer, em direção à terra; envolve-se na escuridão da noite e dispara suas flechas; lança seus relâmpagos e os voa com velocidade. ” Herder, Espírito de Poesia Hebraica (Marsh), ii. 157. A alusão ainda é à tempestade, quando as nuvens baixaram; quando parecem varrer o solo; quando parece que os céus foram trazidos para mais perto da terra – como se, para usar uma expressão comum, “os céus e a terra estivessem se unindo”.

e desceu – o próprio Deus parecia descer na fúria da tempestade.

e as trevas estavam debaixo de seus pés – Uma nuvem negra; ou, a escuridão causada por nuvens espessas. Compare Naum 1:3, “O Senhor tem o seu caminho no vendaval e na tempestade, e as nuvens são o pó de seus pés”. Deuteronômio 4:11, “a montanha queimou … com densa escuridão”. Deuteronômio 5:22, “estas palavras o Senhor falou nas trevas”. Salmos 97:2, “nuvens e trevas o rodeiam”. A ideia aqui é de terrível majestade e poder, pois em nenhum lugar estamos mais fortemente impressionados com a ideia de majestade e poder do que na fúria de uma tempestade. [Barnes, aguardando revisão]

10 Ele montou sobre um querubim, e fez seu voo; e voou veloz sobre as assas do vento.

Comentário de A. R. Fausset

querubim – agentes angélicos (compare Gênesis 3:24), cujas figuras foram colocadas sobre a arca (1Samuel 4:4), representando a morada de Deus; usado aqui para realçar a majestade do advento divino. Anjos e ventos podem representar todas as agências racionais e irracionais da providência de Deus (compare Salmo 104:3, Salmo 104:4).

voou – Rapidez de movimento aumenta a grandeza da cena. [JFB, aguardando revisão]

11 Ele pôs as trevas como seu esconderijo; pôs a sua tenda ao redor dele; trevas das águas, nuvens dos céus.

Comentário Barnes

Ele pôs as trevas como seu esconderijo – Herder interpretou lindamente este versículo:“Agora ele se envolveu nas trevas; Nuvens sobre nuvens o envolveram. ”

A palavra traduzida como “lugar secreto” – סתר sêther – significa propriamente um esconderijo; então algo oculto, privado, secreto. Portanto, significa uma cobertura, um véu. Compare Jó 22:14; Jó 24:15. No Salmo 81:7 é aplicado ao trovão:“Eu te respondi no lugar secreto do trovão”; isto é, no lugar secreto ou retiro – a nuvem escura e profunda, de onde o trovão parece vir. Aqui, o significado parece ser que Deus foi cercado por trevas. Ele havia, por assim dizer, se envolvido na noite e feito sua morada na escuridão da tempestade.

sua tenda. Compare Salmo 27:5; Salmo 31:20. Sua morada estava no meio de nuvens e águas, ou nuvens aquosas.

ao redor dele – talvez uma tradução mais literal seria, “as coisas ao redor dele – sua tenda (abrigo ou cobertura) – eram as trevas das águas, as nuvens dos céus.” A ideia é que ele parecia rodeado por nuvens aquosas.

trevas das águas – hebraico, escuridão das águas. A alusão é a nuvens cheias de água; carregada de chuva.

nuvens dos céus – A palavra traduzida como céus neste lugar – שׁחקים shachaqiym – significa, no singular, poeira, como sendo fina; então uma nuvem, como uma nuvem de poeira; então, no plural, é usado para denotar nuvens, Jó 38:37; e, portanto, é usado para denotar a região das nuvens; o firmamento; o céu; Jó 37:18. Talvez uma representação não imprecisa aqui seria, “nuvens de nuvens”; isto é, nuvens enroladas em nuvens; nuvens de um tipo sucedendo rapidamente às de outro tipo – enrolando-se e empilhando-se umas sobre as outras. Existem quatro tipos diferentes de nuvens; e embora não possamos supor que a distinção foi marcada com precisão no tempo do salmista, ainda assim, à mais leve observação, há uma distinção nas nuvens, e é possível que pelo uso de dois termos aqui, ambos denotando nuvens – uma espessa e densas, e as outras nuvens como poeira – o salmista pretendia dar a entender que nuvens de todos os tipos rolavam sobre o firmamento, e que estas constituíam a “tenda” de Deus. [Barnes, aguardando revisão]

12 Do brilho de sua presença suas nuvens se espalharam, e também a saraiva, e as brasas de fogo.

Comentário de E. W. Hengstenberg

A tempestade da ira Divina se descarrega. Entre. trovão terrível (Salmo 18:13), do mar de fogo, com o qual o Senhor em sua indignação está rodeado (comp. Salmo 18:8), ali disparam relâmpagos, dividindo as nuvens, e granizo derramam, – as armas com o qual o Senhor luta contra os seus próprios e os inimigos do salmista, como até agora contra os egípcios, Êxodo 9:24, comp. Salmo 88:47-48, e os cananeus em Bethoron, Josué 10:11. As profundas inundações sob as quais o salmista jaz enterrado, dispersam-se sob a mão onipotente de Deus, até que a terra seja aberta em seus recessos mais íntimos, até as câmaras dos mortos, e a mão de Deus alcance o abismo profundo, as mandíbulas do inferno , e se apodera de Seu servo. A primeira cláusula foi exposta corretamente por Lutero:“É uma descrição de um raio. Quando Lhe agrada, despedaça as nuvens e lança um clarão que as nuvens não podem conter; ele irrompe como se não houvesse nuvens ali. Ao vermos que todo o céu, por assim dizer, se abre quando há relâmpagos. ” Na segunda oração, o verbo não pode ser fornecido pela primeira – עבר não combina. “Pedras de granizo e brasas de fogo” é mais uma exclamação, referindo-se à natureza assustadora da manifestação inesperada. Lengerke, a quem De Wette segue, expõe:”Do brilho diante dEle saíram Suas nuvens, granizo e brasas de fogo;” o último sendo tomado como explicativo:mas עבר não significa “ir em frente;” e as nuvens, que não podem ser identificadas com relâmpagos e granizo, não procedem do brilho, mas o cobrem. [Nota:Em 2Sam. simplesmente corre:do resplendor diante dEle גַּחֲלֵי־אֵשׁ בָּעֲרוּ, brasas de fogo queimadas. É mais distintamente revelado que essas brasas de fogo são o efeito do brilho. A variação não pode ser explicada por acidente, é muito grande; e também existem analógicos. var. na inscrição e ver. 6.] [Hengstenberg, aguardando revisão]

13 E o SENHOR trovejou nos céus; e o Altíssimo soltou sua voz; saraiva e brasas de fogo caíram.

Comentário Barnes

o SENHOR trovejou nos céus – o trovão é frequentemente descrito nas Escrituras como a voz de Deus. Veja a magnífica descrição no Salmo 29:1-11 ; compare isso com Jó 40:9:”Podes tu trovejar com voz como a dele?” Então, 1Samuel 7:10 ; 1Samuel 12:18 ; Salmo 77:18 ; Jó 37:4 .

o Altíssimo soltou sua voz – Deus, o Ser mais exaltado do universo, pronunciou sua voz no trovão; ou, o trovão era sua voz.

saraiva e brasas de fogo caíram – Acompanhando o trovão. A repetição parece ser porque esses eram acompanhamentos marcantes e constantes da tempestade. [Barnes, aguardando revisão]

14 Ele mandou suas flechas, e os dispersou; e lançou muitos raios, e os perturbou.

Comentário Barnes

Ele mandou suas flechas – A palavra flechas aqui provavelmente se refere aos relâmpagos mencionados na outra cláusula do versículo. Aqueles relâmpagos espalhados ao redor, e realizando tal destruição, pareciam ser flechas lançadas das mãos de Deus.

e os dispersou – Herder se refere aos relâmpagos; DeWette, aos inimigos do salmista. A última parece ser a interpretação mais correta, embora os inimigos do salmista não sejam aqui especificamente especificados. Eles parecem, entretanto, ter estado em seus olhos durante todo o salmo, pois era a vitória alcançada sobre eles pela interposição divina que ele estava celebrando ao longo do poema.

e lançou muitos raios – Como flechas; ou, como de um arco.

e os perturbou – literalmente, para impelir, para dirigir; então, para colocar em comoção ou consternação. A alusão é a um exército cuja ordem é perturbada, ou que é lançada em confusão, e que é, portanto, facilmente derrotado. A ideia é que Davi obteve uma vitória sobre todos os seus inimigos, como se Deus os tivesse espalhado por uma tempestade e tempestade. [Barnes, aguardando revisão]

15 E as profundezas das águas foram vistas, e os fundamentos do mundo foram descobertos por tua repreensão, SENHOR, pelo sopro do vento do teu nariz.

Comentário Barnes

E as profundezas das águas foram vistas – em 2Samuel 22:16 isto é, “E os canais do mar apareceram.” A ideia é que, impulsionando a tempestade e a tormenta, as águas se amontoaram, deixando o fundo a descoberto. No lugar diante de nós, a palavra usada, “águas” – מים mayim – denotaria águas de qualquer tipo – mares, lagos, rios; no lugar correspondente em 2Samuel, a palavra usada – ים yâm – denota, propriamente, o mar ou o oceano. A palavra canais renderizados significa um cano ou tubo; então um canal, ou leito de um riacho ou riacho, Isaías 8:7 ; Ezequiel 32:6 ; e depois o fundo do mar ou de um rio. A alusão é o efeito de um vento violento, que empurra as águas e parece deixar o leito ou canal vazio.

e os fundamentos do mundo foram descobertos – foram abertas; foram manifestados ou revelados. As pessoas pareciam ser capazes de olhar para as profundezas e ver os próprios alicerces sobre os quais repousa a terra. O mundo é freqüentemente representado como apoiado em um fundamento, Salmos 102:25 ; Isaías 48:13 ; Zacarias 12:1 ; Provérbios 8:29 ; veja a nota em Jó 38:4 .

por tua repreensão – Na expressão de sua raiva ou desprazer; como se Deus, na fúria da tempestade, expressasse sua indignação e ira.

pelo sopro do vento do teu nariz – Na expiração da raiva, por assim dizer, de suas narinas. Veja a nota no Salmo 18:8 . [Barnes, aguardando revisão]

16 Desde o alto ele enviou, e me tomou; tirou-me de muitas águas.

Comentário Barnes

Desde o alto ele enviou – Ele interpôs para me salvar. Todas essas manifestações da interposição divina vieram do alto ou do céu; tudo veio de Deus.

e me tomou – Ele me segurou; ele me resgatou.

tirou-me de muitas águas – Margem, grandes águas. As águas são freqüentemente expressivas de calamidade e angústia, Salmos 46:3 ; Salmo 69:1 ; Salmo 73:10 ; Salmo 124:4-5 . O significado aqui é que Deus o resgatou dos muitos problemas e perigos que o cercavam, como se ele tivesse caído no mar e estivesse em perigo de morrer. [Barnes, aguardando revisão]

17 Ele me livrou do meu forte inimigo, e daqueles que me odeiam; porque eles eram mais poderosos do que eu.

Comentário Barnes

Ele me livrou do meu forte inimigo – O inimigo que tinha mais poder do que eu, e que provavelmente me venceria. É provável que a alusão aqui na mente do salmista fosse particularmente a Saul.

e daqueles que me odeiam – De todos os que me odiavam e perseguiam, no tempo de Saul, e sempre em diante durante a minha vida.

porque eles eram mais poderosos do que eu – eu não tinha poder para resistir a eles, e quando estava prestes a afundar sob sua oposição e malícia, Deus interpôs e me resgatou. Davi, por mais valente e ousado que fosse como guerreiro, não se envergonhou, na revisão de sua vida, de admitir que devia sua preservação não à sua própria coragem e habilidade na guerra, mas a Deus; que seus inimigos eram superiores a ele em poder; e que, se Deus não tivesse se interposto, ele teria sido esmagado e destruído. Nenhum homem se desonra reconhecendo que deve seu sucesso no mundo à interposição divina. [Barnes, aguardando revisão]

18 Eles me confrontaram no dia de minha calamidade; mas o SENHOR ficou junto de mim.

Comentário Barnes

Eles me confrontaram – Eles me anteciparam ou foram antes de mim. Veja a nota no Salmo 18:5 . A ideia aqui é que seus inimigos vieram antes dele ou interceptaram seu caminho. Eles estavam em seu caminho, prontos para destruí-lo.

no dia de minha calamidade – No dia para o qual agora olho para trás como o tempo da minha provação especial.

mas o SENHOR ficou junto de mim – Meu apoio ou sustentação. Ou seja, o Senhor me apoiou e me impediu de cair. [Barnes, aguardando revisão]

19 Ele me tirou para um lugar amplo; ele me libertou, porque se agradou de mim.

Comentário Cambridge

Do estreito do perigo ele é trazido para a liberdade da segurança. Cp. Sl 4:1, Salmo 31:8.

porque se agradou de mim. Este foi o fundamento da libertação de Deus, e agora torna-se o pensamento principal do Salmo. Cp. Sl 22:8, Sl 41:11; 2Sa 15:26; e também Mat 3:17. Esta última referência ganha novo significado se for recordado que o rei teocrático foi chamado filho de Jeová (Sl 2:7; 2Sa 7:14). [Cambridge]

20 O SENHOR me recompensou conforme a minha justiça; conforme a pureza das minhas mãos ele me retribuiu.

Comentário Whedon

conforme a minha justiça. Sl 18:20-26 parecem datar o salmo antes do grande pecado de David. Mas ele apela especialmente à sua justiça como estando relacionado com as causas das suas guerras, pelas quais não tinha dado qualquer provocação. Nisto a sua história vinga-o. O carácter franco e positivo de David é aqui evidenciado. Se ele pecou, as suas confissões e arrependimento são abertas e sinceras. Se ele agiu de forma íntegra, permanece firme na sua inocência. [Whedon]

21 Porque eu guardei os caminhos do SENHOR; nem me afastei do meu Deus praticando o mal.

Comentário Barnes

Porque eu guardei os caminhos do SENHOR – tenho obedecido às suas leis. Não violei as leis que Deus deu para regular minha conduta com meus semelhantes a ponto de merecer ser tratado por eles como um homem culpado.

nem me afastei do meu Deus praticando o mal – “Eu não fui um pecador quanto ao meu Deus”; um apóstata; um violador declarado de sua lei. O tratamento que recebi, embora fosse justamente prestado a um violador declarado da lei, não é o que mereci da mão do homem. [Barnes, aguardando revisão]

22 Porque todos os juízos dele estavam diante de mim; e não rejeitei seus estatutos para mim.

Comentário Barnes

Porque todos os juízos dele – Todos os seus estatutos, ordenanças, leis. A palavra julgamento é comumente usada neste sentido nas Escrituras, referindo-se ao que Deus julgou ou determinou ser certo.

estavam diante de mim – Ou seja, agi em vista deles, ou como tendo eles para me guiar. Eles estavam constantemente diante de meus olhos, e eu regulava minha conduta de acordo com suas exigências.

e não rejeitei seus estatutos para mim – eu não os rejeitei como o guia de minha conduta. [Barnes, aguardando revisão]

23 Mas eu fui fiel com ele; e tomei cuidado contra minha maldade.

Comentário Barnes

Mas eu fui fiel com ele. O significado é que ele estava correto aos seus olhos. A palavra traduzida reta é a mesma que em Jó 1:1 é traduzida como perfeita. Veja a nota nessa passagem.

e tomei cuidado contra minha maldade – Da iniqüidade para a qual eu estava sujeito ou inclinado. Este é um reconhecimento de que ele estava sujeito ao pecado, ou que se ele tivesse agido de acordo com seu caráter natural, ele teria se entregado ao pecado – talvez os pecados que foram imputados a ele. Mas ele aqui diz que, com sua propensão natural para o pecado, ele se conteve e não merecia o tratamento que havia recebido. Esta é uma daquelas observações incidentais que freqüentemente ocorrem nas Escrituras que reconhecem a doutrina da depravação, ou o fato de que o coração, mesmo quando mais contido, é por natureza inclinado ao pecado. Se este salmo foi composto na última parte da vida de Davi (veja a introdução), então isso deve significar

(a) que na revisão de sua vida ele sentiu que tinha sido seu objetivo geral e habitual controlar sua inclinação natural para o pecado; ou

(b) que nos períodos específicos referidos no salmo, quando Deus se interpôs tão maravilhosamente em seu favor, ele sentiu que este tinha sido seu objetivo, e que ele pode agora considerar isso como uma razão pela qual Deus interpôs em seu favor .

É, no entanto, dolorosamente certo que em alguns períodos de sua vida – como no caso de Urias – ele deu indulgência a algumas das inclinações mais corruptas do coração humano, e que, ao agir de acordo com essas propensões corruptas, ele foi culpado de crimes que obscureceram para sempre o brilho de seu nome e mancharam sua memória. Esses fatos dolorosos, no entanto, não são inconsistentes com a afirmação de que em seu caráter geral ele restringiu essas propensões corruptas e “guardou-se de sua iniqüidade”. Portanto, na revisão de nossas próprias vidas, se realmente somos amigos de Deus, embora possamos estar dolorosamente cônscios de que muitas vezes demos indulgência às propensões corruptas de nossa natureza – das quais, se formos verdadeiramente filhos de Deus, teremos nos arrependido – ainda podemos encontrar evidências de que, como os grandes e regra habitual de vida, restringimos essas paixões e “nos protegemos” das formas particulares de pecado às quais nosso coração estava sujeito. [Barnes, aguardando revisão]

24 Assim o SENHOR me recompensou conforme a minha justiça; conforme a pureza de minhas mãos perante seus olhos.

Comentário Barnes

Assim o SENHOR me recompensou – Livrando-me dos meus inimigos. As intervenções divinas em seu favor tinham sido da natureza de uma recompensa ou recompensa.

conforme a minha justiça – Como se eu fosse justo; ou, seus atos de intervenção foram apropriados para uma vida justa. O salmista não diz que foi por causa de sua justiça como se ele tivesse merecido o favor de Deus, mas que as intervenções em seu favor foram tais que mostraram que Deus o considerava justo.

conforme a pureza de minhas mãos – Veja a nota no Salmo 18:20 .

perante seus olhos – Margem, como em hebraico, diante de seus olhos. A ideia é que Deus viu que ele estava reto. [Barnes, aguardando revisão]

25 Com o bondoso tu te mostras bondoso; e com o homem fiel tu te mostras fiel.

Comentário Barnes

Com o bondoso – A partir da declaração particular a respeito do trato divino consigo mesmo, o salmista passa agora a uma declaração geral (sugerida pelo que Deus fez por ele) em relação aos princípios gerais da administração divina. Essa declaração geral é que Deus trata com os homens de acordo com seu caráter; ou, que ele irá adaptar seus procedimentos providenciais à conduta dos homens. Eles descobrirão que ele é com eles o que eles demonstraram ser com ele. A palavra misericordioso refere-se àquele que está disposto a mostrar bondade ou compaixão para com os culpados ou que nos ofendem ou nos prejudicam.

tu te mostras bondoso – Tu mostras para ele o mesmo caráter que ele mostra aos outros. É de acordo com isso que o Salvador nos ensina a orar:”E perdoa-nos as nossas dívidas, assim como perdoamos aos nossos devedores”, Mateus 6:12 . E também de acordo com isso ele disse:“Porque se perdoardes aos homens as suas ofensas, também vosso Pai celestial vos perdoará; mas se não perdoardes aos homens as suas ofensas, nem vosso Pai perdoará as vossas ofensas”, Mateus 6:14-15 .

com o homem fiel – literalmente, um homem perfeito. Veja Jó 1:1 , onde a mesma palavra é usada no original e tornada perfeita. A ideia é a de um homem coerente, ou cujo caráter é completo em todas as suas partes. Veja a nota em Jó 1:1 .

tu te mostras fiel – Você tratará com ele de acordo com seu caráter. Como ele é fiel e justo, ele descobrirá que tem a ver com um Deus fiel e justo. [Barnes, aguardando revisão]

26 Com o puro tu te mostras puro; mas com o perverso tu te mostras agressivo.

Comentário Barnes

Com o puro – Aqueles que são puros em seus pensamentos, seus motivos, sua conduta.

tu te mostras puro – Eles descobrirão que têm que lidar com um Deus que é puro; que ama a pureza e que a acompanhará com recompensas apropriadas onde quer que ela seja encontrada.

mas com o perverso – A palavra usada aqui – עקשׁ ‛iqqêsh – significa propriamente perverso; um homem de mente perversa e perversa. É derivado de um verbo – עקשׁ ‛âqash – que significa virar para o lado errado, torcer, perverter. Seria aplicável a um homem que perverte ou arranca as palavras dos outros de seu verdadeiro significado; quem prevarica ou engana em sua própria conduta; que não é direto em seus procedimentos; que aproveita as circunstâncias para impor aos outros e promover seus próprios fins; que é azedo, áspero, ranzinza, intransigente, inflexível, cruel. É tornado perverso em Deuteronômio 32:5 ; Provérbios 8:8 ; Provérbios 19:1 ; Provérbios 28:6 ; perverso aqui, e em 2Samuel 22:27 ;Salmo 101:4 ; Provérbios 11:20 ; Provérbios 17:20 ; Provérbios 22:5 ; e tortos em Provérbios 2:15 . A palavra não ocorre em nenhum outro lugar do Antigo Testamento.

tu te mostras agressivo. No lugar correspondente em 2Sa 22:27 é traduzido, “Tu te mostrarás desagradável;” embora a mesma palavra seja usada no original. Na margem daquele lugar, como aqui, a palavra é luta. A palavra original em cada lugar – פתל pâthal – significa torcer, amarrar, girar; e então, ser torcido; ser desonesto, astuto, enganador. Na forma da palavra que ocorre aqui (Hithpael), significa mostrar-se torto, astuto, perverso. (Gesenius, Lexicon). Não pode significar aqui que Deus assumiria tal caráter, ou que ele seria torto, astuto, perverso em seus tratos com os homens, pois ninguém pode supor que o salmista pretendia atribuir tal caráter a Deus; mas o significado claro é que Deus trataria com o homem referido de acordo com seu verdadeiro caráter:em vez de descobrir que Deus trataria com eles como se fossem puros, justos e misericordiosos, tais homens descobririam que ele trata com eles como são – tão perversos, tortuosos, perversos. [Barnes, aguardando revisão]

27 Porque tu livras ao povo aflito, e humilhas aos olhos que se exaltam.

Comentário Barnes

Porque tu livras ao povo aflito – Dos sinais particulares de favor divino para consigo mesmo na aflição e dificuldade, o salmista agora tira a inferência geral de que este era o caráter de Deus, e que outros em aflição poderiam esperar por sua interposição como ele havia feito feito.

e humilhas aos olhos que se exaltam – Outra inferência geral provavelmente derivada do trato de Deus com os inimigos orgulhosos e arrogantes do salmista. Como Deus os humilhou, ele infere que trataria os outros da mesma maneira. “Aparência elevada” indica orgulho e arrogância. Compare Salmo 101:5 ; Provérbios 6:17 ; Provérbios 21:4 ; Isaías 2:11 (notas); Isaías 10:12 ; Daniel 7:20 . [Barnes, aguardando revisão]

28 Porque tu acendes minha lâmpada; o SENHOR meu Deus ilumina as minhas trevas.

Comentário Barnes

Porque tu acendes minha lâmpada. A palavra lâmpada expressa melhor a ideia. Nas Escrituras, a luz é uma imagem de prosperidade, sucesso, felicidade, santidade, assim como as trevas são a imagem do oposto. Veja as notas em Jó 29:2-3 ; compare também Jó 18:6 ; Jó 21:17 ; Provérbios 20:27 ; Provérbios 24:20 ; Salmo 119:105 ; Salmo 132:17 ; Isaías 62:1 . O significado aqui é que o salmista sentia-se seguro de que Deus lhe daria prosperidade, como se sua lâmpada permanecesse acesa constantemente em sua casa.

o SENHOR meu Deus ilumina as minhas trevas – Irá iluminar meu caminho, que de outra forma seria escuro:dará luz ao meu entendimento; vai colocar paz e alegria em meu coração; vai me coroar com seu favor. Compare a nota no Salmo 4:6 . [Barnes, aguardando revisão]

29 Porque contigo eu marcho contra um exército; e com meu Deus eu salto um muro.

Comentário Cambridge

A linguagem é geral, mas parece conter uma reminiscência de dois eventos memoráveis na vida de David:a perseguição bem sucedida da “tropa” predatória dos amalequitas que haviam saqueado Ziclague (1Samuel 30; em Sl 18:8; Sl 18:15; em Sl 18:23 a mesma palavra tropa é usada dos amalequitas):e a captura de Sião, efetuada com tal facilidade inesperada que ele parecia ter saltado sobre as paredes que seus defensores se vangloriavam de serem intransponíveis (2Sa 5:6-8). [Cambridge]

30 O caminho de Deus é perfeito; a palavra do SENHOR é refinada; ele é escudo para todos os que nele confiam.

Comentário Whedon

Como Sl 18:20-29 são um apelo à sua justiça como a razão pela qual Deus tomou sua parte, assim Sl 18:30-43 são uma zelosa entrega a Deus de todo o louvor de todas as suas vitórias e prosperidade. Eles são uma ampliação da primeira estrofe, (Sl 18:1-3) e dos títulos ali dados a Deus.

O caminho de Deus é perfeito. Hebraico, O Deus, perfeito o seu caminho. O artigo é enfático – o grande, o único Deus.

refinado – como metais em uma fornalha; portanto, sua “palavra” não é como minério, mas como ouro puro. Sl 12:6. Veja a passagem fundamental Deu 32:4 [Whedon]

31 Porque quem é Deus, a não ser o SENHOR? E quem é rocha, a não ser o nosso Deus?

Comentário Barnes

Porque quem é Deus, a não ser o SENHOR? Quem é Deus senão Yahweh? A ideia é que nenhum outro ser evidenciou o poder, a sabedoria e a bondade que propriamente pertencem ao Deus verdadeiro; ou, que as coisas que estão implícitas na verdadeira natureza de Deus não são encontradas em nenhum outro ser.

E quem é rocha, a não ser o nosso Deus? – Veja Salmo 18:2 . Não há ninguém que possa fornecer tal segurança ou defesa; ninguém sob cuja proteção possamos estar seguros do perigo. Compare Deuteronômio 32:31. [Barnes, aguardando revisão]

32 Deus é o que me veste de força; e o que dá perfeição ao meu caminho.

Comentário Cambridge

Deus é o que me veste de força. Cp. Sl 18:39; Sl 93:1; 1Sa 2:4.

dá perfeição ao meu caminho. Removendo os obstáculos que poderiam ter me impedido de realizar completamente a obra que Ele traçou para mim. Observar a analogia entre a perfeição do caminho de Deus (Sl 18:30) e o de Seu servo. Cp. Mat 5:48 para um maior desenvolvimento do mesmo pensamento.

A leitura tradicional (Qrç) em 2Sam. é:”Deus é minha fortaleza forte e guia meu caminho na perfeição”; enquanto o texto escrito (Kthîbh) tem:”Ele guia o perfeito em seu caminho”:mas o significado exato é obscuro. Uma palavra mais simples parece ter sido substituída no texto do Salmo. [Cambridge]

33 Ele faz meus pés como o das cervas; e me põe em meus lugares altos.

Comentário Barnes

Ele faz meus pés como o das cervas – Então, Habacuque 3:19 , “Ele fará os meus pés como os de corça, e ele me fará andar sobre os meus lugares altos.” A traseira é a veado fêmea, notável por sua agilidade ou rapidez. O significado aqui é que Deus o deixou alerta ou ativo, capacitando-o a perseguir um inimigo voador ou a escapar de um inimigo que corria veloz.

e me põe em meus lugares altos – lugares de segurança ou refúgio. A ideia é que Deus lhe deu segurança, ou o protegeu do perigo. Compare Deuteronômio 32:13 . A rapidez do pé ou capacidade de escapar ou perseguir um inimigo era considerada de grande valor na guerra antiga. Aquiles, segundo as descrições de Homero, era notável por isso. Compare 2Samuel 2:18 ; 1Crônicas 12:8 . [Barnes, aguardando revisão]

34 Ele ensina minhas mãos para a guerra, de modo que um arco de bronze se quebra em meus braços.

Comentário Barnes

Ele ensina minhas mãos para a guerra – Compare Salmos 144:1 . A habilidade que Davi tinha no uso do arco, da espada ou da lança – tudo depende das mãos – ele atribui inteiramente a Deus.

de modo que um arco de bronze se quebra em meus braços – Isso é mencionado como um exemplo de extraordinária força, como se ele fosse capaz de quebrar um arco de metal. A palavra original traduzida como aço significa latão propriamente dito. A madeira foi, sem dúvida, usada pela primeira vez na construção do arco, mas os metais vieram depois a ser empregados, e o latão seria naturalmente usado antes que a manufatura do aço fosse descoberta. Rosenmuller in loc. [Barnes, aguardando revisão]

35 Também tu me deste o escudo de tua salvação, e tua mão direita me sustentou; e tua mansidão me engrandeceu.

Comentário Barnes

Também tu me deste o escudo de tua salvação – Tu me salvaste como com um escudo; tu jogaste teu escudo diante de mim em tempos de perigo. Veja a nota no Salmo 5:12 .

e tua mão direita me sustentou – Tu me sustentaste quando em perigo de falhar, como se tivesses me sustentado com tua própria mão.

e tua mansidão me engrandeceu – Margem, “ou, com tua mansidão me multiplicaste.” A palavra aqui traduzida gentileza, evidentemente significa aqui favor, bondade, gentileza. Geralmente significa humildade, modéstia, quando aplicada aos homens; aplicado a Deus, significa brandura, clemência, favor. A ideia é que Deus o tratou com gentileza, bondade e clemência, e que somente a este fato ele deve toda a sua prosperidade e sucesso na vida. Não foi por qualquer reclamação que ele tinha sobre Deus; não tinha nenhum valor próprio; não foi por força ou valor nativo que ele foi assim exaltado, mas foi totalmente porque Deus o tratou com bondade, ou lhe mostrou favor. Portanto, todo o nosso sucesso na vida deve ser atribuído ao favor – a bondade – de Deus. [Barnes, aguardando revisão]

36 Tu alargaste os meus passos abaixo de mim; e meus pés não vacilaram.

Comentário Barnes

Tu alargaste os meus passos abaixo de mim – A ideia aqui é:”Abriste espaço para os meus pés, de modo que fui capaz de andar sem obstáculo ou obstrução. Assim, no Salmo 31:8 ,” Tu colocaste os meus pés em um grande sala. “A ideia é que antes ele era estreito, comprimido, atrapalhado em suas andanças, mas agora todos os obstáculos foram retirados do caminho e ele podia andar livremente.

e meus pés não vacilaram. A palavra hebraica traduzida aqui no texto pés, e na margem ancles, significa propriamente uma junta; pequena junta; especialmente o tio. A referência aqui é ao tornozelo, a articulação tão útil para caminhar e que pode sofrer torções ou luxações. O significado é que ele foi capaz de andar com firmeza; que ele não mancou. Antes, ele era como alguém cujos dentes estão fracos ou torcidos; agora ele era capaz de pisar com firmeza. O favor divino que lhe foi dado era como se Deus tivesse dado força a um coxo para andar com firmeza. [Barnes, aguardando revisão]

37 Persegui a meus inimigos, e eu os alcancei; e não voltei até os exterminá-los.

Comentário Barnes

Persegui a meus inimigos, e eu os alcancei – Ele não apenas os desbaratou, mas teve força para persegui-los; ele não apenas os perseguiu, mas foi capaz de ir até eles. A ideia é o sucesso total e o triunfo absoluto.

e não voltei – não fui impelido de volta, nem estava cansado e exausto e obrigado a desistir da perseguição.

até os exterminá-los – Até que todos foram mortos ou feitos cativos, de modo que as forças hostis desapareceram. Nenhum dos meus inimigos sobrou. [Barnes, aguardando revisão]

38 Eu os perfurei, que não puderam mais se levantar; caíram debaixo dos meus pés.

Comentário Barnes

Eu os perfurei, que não puderam mais se levantar. Eu os enfraqueci – os prostrei tão completamente – que eles não foram capazes de se reagrupar. Isso não se refere tanto a ferimentos infligidos a indivíduos nas fileiras hostis quanto a todo o exército ou exército. Estava tão enfraquecido que não pôde mais ser colocado em ordem de batalha. A ideia é a busca e conquista bem-sucedidas.

caíram debaixo dos meus pés – eu os pisei completamente – um modo comum de denotar vitória total, Salmo 119:118 ; Isaías 25:10 ; Lamentações 1:15 ; Daniel 8:13 ; Lucas 21:24 . [Barnes, aguardando revisão]

39 Porque tu me preparaste com força para a batalha; fizeste se curvarem abaixo de mim aqueles que contra mim tinham se levantado.

Comentário Barnes

Porque tu me preparaste com força para a batalha – Veja a nota no Salmo 18:32 . Compare Jó 12:18 ; Provérbios 31:17 .

fizeste se curvarem abaixo de mim. Isto é, Deus fez com que eles se submetessem a ele; ele o capacitou a vencê-los; ainda reconhecendo que tudo isso vinha de Deus, e que o louvor era devido a Ele, e não ao poder de seu próprio braço. [Barnes, aguardando revisão]

40 E tu me deste a nuca de meus inimigos; destruí aos que me odiavam.

Comentário Barnes

E tu me deste a nuca de meus inimigos – Seus pescoços para pisar, como resultado da vitória; ou seus pescoços fiquem sujeitos a mim, como o pescoço do boi está ao seu dono. A frase é às vezes usada neste último sentido para denotar sujeição (compare Jeremias 27:12 ); mas é mais comumente, quando aplicado à guerra, usado no primeiro sentido, como denotando triunfo completo ou conquista. Não era incomum pisar no pescoço daqueles que foram vencidos na batalha. Veja Josué 10:24 ; Ezequiel 21:2 ; Gênesis 49:8. A palavra usada aqui – ערף ‛ôreph – significa corretamente pescoço, nuca, nuca; e, portanto, dar o pescoço significa às vezes virar as costas, como em vôo; e a frase admitiria esse significado aqui. Então Gesenius (Lexicon) entende isso. Da mesma forma, DeWette:”Você faz meus inimigos fugirem”. Parece-me, entretanto, que a interpretação mais provável é a de completa sujeição – como quando o conquistador coloca o pé no pescoço de seus inimigos. Isso é confirmado pelo próximo membro da frase, onde o salmista fala da destruição completa daqueles que o odiavam.

destruí aos que me odiavam. Que têm me perseguido e perseguido desta maneira. A ideia é superá-los totalmente; de pôr fim ao seu poder e à sua capacidade de o ferir. [Barnes, aguardando revisão]

41 Eles clamaram, mas não havia quem os livrasse; clamaram até ao SENHOR, mas ele não lhes respondeu.

Comentário Barnes

Eles clamaram – Eles clamaram por ajuda, por misericórdia, pela vida. Em linguagem moderna, “eles imploraram por quartel”. Eles reconheceram que foram derrotados e imploraram para que suas vidas fossem poupadas.

mas não havia quem os livrasse – Para preservar suas vidas. Nenhuma ajuda apareceu de seus próprios compatriotas; eles não encontraram misericórdia em mim ou em meus seguidores; e Deus não se interpôs para libertá-los.

clamaram até ao SENHOR – como último recurso. As pessoas apelam a tudo o mais por ajuda antes de apelarem a Deus; freqüentemente, quando eles vêm a Ele, é por constrangimento, e não por vontade própria; se o perigo os deixasse, cessariam de invocá-Lo. Conseqüentemente, visto que não há sinceridade real em seu chamado a Deus – nenhuma consideração real por sua honra ou seus mandamentos – seus clamores não são ouvidos, e eles perecem. O curso das coisas com um pecador, no entanto, muitas vezes é tal que, desesperando da salvação de qualquer outra forma, e vendo que este é o único caminho verdadeiro, ele vem com o coração quebrantado, contrito, penitente, e então Deus nunca se afasta do choro. Nenhum pecador, embora como último recurso, que vai a Deus com verdadeira sinceridade, será rejeitado.

mas ele não lhes respondeu – Ele não aplicou seu poder para salvá-los de minha espada; para mantê-los vivos quando assim fossem derrotados. Se eles tivessem clamado a ele para salvar suas almas, ele sem dúvida o teria feito; mas seu grito era para toda a vida – pela ajuda divina para salvá-los da espada do conquistador. Pode ter havido muitas razões pelas quais Deus não deveria intervir para salvá-los das conseqüências regulares da bravura quando eles estavam errados e haviam começado a guerra; mas não haveria razão para que ele não se interpusesse se eles o tivessem chamado para salvá-los de seus pecados. Pode haver muitas razões pelas quais Deus não deve salvar os pecadores dos julgamentos temporais devido aos seus pecados – os intemperantes das doenças, a pobreza, e a miséria conseqüente a esse vício – ou o licencioso das desgraças e tristezas causadas por tal curso de vida; mas não há razão, em qualquer caso, para que Deus não salve das consequências eternas do pecado, se o pecador clama sincera e fervorosamente por misericórdia. [Barnes, aguardando revisão]

42 Então eu os reduzi a pó, como a poeira ao vento; eu os joguei fora como a lama das ruas.

Comentário Barnes

Então eu os reduzi a pó, como a poeira ao vento – Como a poeira fina é levada pelo vento, então eles fugiram antes de mim. Não poderia haver ilustração mais impressionante de um exército derrotado voando diante de um conquistador. DeWette diz corretamente que a ideia é:”Bati neles pequenos e espalhei-os como pó diante do vento”.

eu os joguei fora como a lama das ruas – No lugar correspondente em 2Samuel 22:43 , isto é, “Eu os estampei como a lama da rua, e os espalhei.” A ideia no lugar diante de nós é que ele os derramou, pois assim a palavra hebraica significa, como a sujeira ou lama nas ruas. À medida que isso é pisado ou pisoteado, eles, em vez de serem comandados para a batalha, ficaram totalmente desorganizados, dispersos e deixados para serem pisados, como o mais inútil objeto. Uma imagem semelhante ocorre em Isaías 10:6 , onde Deus fala de Senaqueribe:”Eu o enviarei contra uma nação hipócrita … para os pisar como a lama das ruas.” [Barnes, aguardando revisão]

43 Tu me livraste das brigas do povo; tu me puseste como cabeça das nações; o povo que eu não conhecia me serviu.

Comentário Barnes

Tu me livraste das brigas do povo – das contendas do povo; ou, dos esforços que fizeram para me vencer e subjugar. A alusão é ao esforço realizado pelo povo, sob a orientação de seus dirigentes. Não são “lutas” entre seus próprios seguidores, mas os esforços, as lutas, as contendas de seus inimigos, que se empenharam em obter domínio sobre ele e subjugá-lo.

tu me puseste como cabeça das nações; isto é, as nações ao redor. Em outras palavras, ele os havia, pela ajuda divina, os sujeitado a ele, ou os subjugou de tal forma que se tornaram tributários a ele. A palavra “pagão” conosco expressa uma idéia que não está necessariamente conectada com a palavra original. Essa palavra é simplesmente nações – גוים gôyim. É verdade que essas nações eram pagãs no sentido atual do termo, mas essa ideia não está necessariamente conectada com a palavra. O significado é que as nações vizinhas foram submetidas a ele; ou que ele foi feito para governar sobre eles. Davi, de fato, sujeitou as pessoas ao redor a ele e as tornou tributárias. Em 2Samuel 8diz-se que ele subjugou a Filístia, Moabe, Síria e Edom, em todos os países que colocou “guarnições”, e todas as quais tornou tributárias de si mesmo.

o povo que eu não conhecia me serviu – Pessoas de quem eu nunca tinha ouvido falar. Esta é a linguagem da fé confiante de que seu reino seria ainda mais estendido, de modo a abranger nações antes desconhecidas para ele. Suas vitórias passadas, e o fato de que seu reino havia sido estabelecido e já tão estendido, justificava a expectativa de que seria ainda mais ampliado; que a fama de suas conquistas alcançaria outras nações, e que elas se entregariam voluntariamente a ele. Depois das vitórias que ele alcançou, conforme celebradas neste salmo, era de se esperar que isso acontecesse naturalmente. É a exultação triunfante de um conquistador, e parece ter sido sua expectativa, não que seus sucessores estenderiam o império, mas que outras nações se tornassem voluntariamente sujeitas a ele. [Barnes, aguardando revisão]

44 Ao me ouvirem, logo me obedeceram; estrangeiros se sujeitaram a mim.

Comentário Barnes

Ao me ouvirem, logo me obedeceram – Margem, como em hebraico, Ao ouvir o ouvido. Ou seja, seu envio será rápido e imediato. A fama de minhas vitórias será tal que tornará a resistência desesperadora; minha fama, como à frente de um poderoso império, será tal que os levará a desejar minha amizade e proteção.

estrangeiros. A palavra se refere aos estrangeiros, aos de outras nações. Seu nome e ações inspirariam tanto respeito, ou criariam tal pavor de seu poder, que eles ficariam felizes em buscar sua amizade e prontamente se submeteriam a seu domínio.

se sujeitaram a mim – Margem, render obediência fingida. A palavra hebraica usada aqui – כחשׁ kâchash – significa mentir, falar mentiras; então, para enganar ou decepcionar; depois, fingir, lisonjear, bancar o hipócrita. É manifestamente usado neste sentido aqui, como se referindo àqueles que, intimidados pelo terror de seu nome e poder, viriam e professariam sujeição a ele como um conquistador. No entanto, o uso da palavra aqui implica que ele estava ciente de que, em muitos casos, isso seria apenas uma submissão fingida, ou que a homenagem seria hipócrita; homenagem inspirada pelo terror, não pelo amor. Sem dúvida, muito da suposta sujeição das nações conquistadas é desse tipo, e seria bom se todos os conquistadores entendessem isso como Davi o fez. Ele aceitou, de fato, a aquiescência e a submissão, mas ele entendeu a causa; e esse conhecimento apenas tornaria seu trono mais seguro, pois o pouparia de depositar confiança ou confiança onde não havia certeza de que estaria bem colocada.

Em relação a Davi como soberano, havia muita lealdade real, mas também havia muita lealdade professada que era falsa e vazia; lealdade que duraria apenas enquanto durasse seu poder, e que apenas esperaria por uma oportunidade para se livrar do jugo. Com respeito a Deus, também, não são poucos os que “fingem se submeter” a ele, ou que fingem obediência. Eles também estão maravilhados com seu poder. Eles sabem que ele é capaz de destruir. Eles vêem os sinais de sua grandeza e majestade, e vêm e professam submissão a ele – uma submissão fundada no terror, não no amor; uma submissão que cessaria imediatamente, caso eles tivessem a garantia de segurança, se renunciassem a sua lealdade a ele. E como Davi não ignorava o fato de que nem um pouco da submissão professada a ele era falsa e fingida – então, em um sentido muito mais elevado – de uma maneira muito mais precisa – Deus está ciente do fato de que muitos que professam estar sujeito a ele são sujeitos apenas na profissão; que, se pudessem fazê-lo com segurança, desprezariam a própria aparência de lealdade e cumpririam na realidade o que existe em seus corações. Deve ter sido triste para Davi refletir sobre como o número de seus súditos professos poderia ter diminuído, se nenhum tivesse sido retido, exceto aqueles que verdadeiramente amavam seu reinado e o respeitavam como um soberano; é triste refletir quão grandemente o número dos professos amigos de Deus diminuiria, se se retirassem todos aqueles que renderam apenas obediência reinante a ele! No entanto, a Igreja seria melhor e mais forte por isso. [Barnes, aguardando revisão]

45 Estrangeiros se enfraqueceram; e tremeram de medo desde suas extremidades.

ccc

Estrangeiros se enfraqueceram – hebraico, “Os filhos do estrangeiro”. Ou seja, estrangeiros. A palavra traduzida desvanecer-se – נבל nâbêl – significa propriamente murchar, murchar, cair, conforme aplicável a flores, folhas ou plantas, Salmo 1:3 ; Salmo 37:2 ; Isaías 1:30 ; Isaías 28:1 . Aqui, significa que essas nações estrangeiras diminuiriam em número e em poder, até que desaparecessem por completo. A ideia é que todos os seus inimigos desapareceriam e que ele e seu reino seriam deixados em paz.

e tremeram de medo desde suas extremidades – A palavra traduzida ter medo significa tremer – como fazem aqueles que estão com medo. A palavra traduzida como lugares próximos significa lugares fechados ou fechados, como cidades fortificadas ou fortalezas. A referência é para seus locais de retiro, cidades, castelos, fortalezas. O significado é que eles descobririam que tais lugares não eram nenhuma segurança e estremeceriam com eles; isto é, eles fugiriam deles consternados e alarmados. O pensamento geral é de segurança completa e definitiva para si mesmo e seu reino, ou libertação total de todos os seus inimigos. [Barnes, aguardando revisão]

46 O SENHOR vive, e bendito seja minha rocha; e exaltado seja o Deus de minha salvação;

Comentário Barnes

O Senhor vive – Yahweh – o nome usado aqui – é freqüentemente descrito como o Deus vivo em contraste com os ídolos, que são representados como sem vida, Deuteronômio 5:26 ; Josué 3:10 ; 2Reis 19:4 ; Salmo 42:2 ; Mateus 16:16 ; 1 Tessalonicenses 1:9 . Compare Salmo 115:5 ; Salmo 135:16. É provavelmente em alusão a essa ideia que a frase “O Senhor vive” é usada aqui. É uma exclamação alegre em vista de tudo o que Deus fez; de todas as libertações que ele realizou para o autor do salmo. Na lembrança de tudo isso o salmista diz que Deus se mostrou o vivente, ou seja, o verdadeiro Deus. Essas interposições forneceram uma demonstração abundante de que Yahweh existia, e que ele era digno de adoração e louvor como o verdadeiro Deus. Portanto, em vista da misericórdia e da salvação, o coração dos redimidos exultante exclama:”O Senhor vive – há um Deus vivo.”

e bendito seja minha rocha – Deus, que se revelou refúgio e protetor. Veja a nota no Salmo 18:2 .

e exaltado seja o Deus de minha salvação – O Deus que me salvou dos meus inimigos. Que ele seja exaltado, seja louvado, seja honrado, seja adorado. Deixe seu nome ser exaltado acima de todos os deuses ídolos; acima de todas as criaturas que ele fez. O desejo é que Seu nome se torne proeminente; para que todas as criaturas possam louvá-lo e honrá-lo. [Barnes, aguardando revisão]

47 O Deus que dá minha vingança, e sujeita aos povos debaixo de mim;

Comentário Barnes

O Deus que dá minha vingança – Margem, dá vinganças por mim. A leitura marginal é uma tradução literal do hebraico. O significado é que Deus puniu os inimigos do autor do salmo por todos os erros que lhe fizeram. Compare Romanos 12:19 .

e sujeita aos povos debaixo de mim – Margem, destrói. A ideia é que ele subjugou as nações para que se tornassem obedientes a ele. A noção primária da palavra usada aqui – de דבר dâbar – é definir em uma linha; para variar em ordem; conectar; liderar; guiar; – então, para reduzir à ordem; para subjugar. Isso Deus fez com respeito às nações. Em vez de ser rebelde e tumultuado, Deus os reduziu à obediência, e assim o colocou sobre um reino onde todos estavam sujeitos à ordem e à lei. [Barnes, aguardando revisão]

48 Aquele que me livra dos meus inimigos; tu também me exaltas sobre aqueles que se levantam contra mim; tu me livras do homem violento.

Comentário Barnes

Aquele que me livra dos meus inimigos – de todos os meus inimigos.

tu também me exaltas sobre aqueles que se levantam contra mim – Para que eu triunfe sobre eles. Em vez de ser subjugado por eles e pisoteado, sou exaltado e eles são humilhados.

tu me livras do homem violento – Margem, como em hebraico, homem de violência; o homem caracterizado pela injustiça e erro; o homem que se esforçou para me superar e subjugar pela força e pelas armas. Provavelmente há uma alusão especial aqui pelo salmista a Saul como seu grande inimigo, mas talvez ele também tivesse em seus olhos outros da mesma espécie, e o significado pode ser que ele havia sido libertado de toda aquela classe de pessoas. [Barnes, aguardando revisão]

49 Por isso, SENHOR, eu te louvarei entre as nações, e cantarei ao teu Nome;

Comentário de A. R. Fausset

Paulo (Romanos 15:9) cita essa doxologia para mostrar que sob a economia do Antigo Testamento, outros que os judeus eram considerados como sujeitos daquele governo espiritual do qual Davi era cabeça, e em qual caráter suas libertações e vitórias eram típicas do mais triunfos ilustres do maior Filho de Davi. A linguagem do Salmo 18:50 justifica essa visão em sua alusão distinta à grande promessa (compare 2Samuel 7:12). Em todos os sucessos de Davi ele viu as promessas de cumprimento dessa promessa, e lamentou em todas as suas adversidades, não apenas em vista de seu sofrimento pessoal, mas porque viu nelas evidências de perigo para os grandes interesses que foram cometidos. para sua manutenção. É nesses aspectos de seu caráter que somos conduzidos apropriadamente a apreciar a importância atribuída às suas tristezas e sofrimentos, suas alegrias e sucessos. [JFB, aguardando revisão]

50 Que faz grandes as salvações de seu Rei, e pratica a bondade para com o seu ungido, com Davi, e sua semente, para sempre.

Comentário Barnes

Que faz grandes as salvações de seu Rei – a Davi, como rei. A palavra no original, que é traduzida como “libertação”, significa propriamente salvações, e está aqui no plural. Não se refere a um ato de interposição divina, mas aos muitos atos (mencionados no salmo) nos quais Deus interpôs para salvá-lo do perigo e da morte. A frase “ao seu rei” refere-se ao fato de que Deus o designou para reinar e administrar o governo por ele. Ele não reinou por sua própria conta, mas reinou para Deus e com o objetivo de fazer sua vontade.

e pratica a bondade para com o seu ungido – Para aquele que havia sido separado para o cargo real por um ato solene de unção. Compare 1Samuel 16:13 ; 2Samuel 2:4-7 ; 2Samuel 5:3 , 2Samuel 5:17 ; 2Samuel 12:7 ; compare 2Reis 9:3 , 2Reis 9:6 , 2Reis 9:12 . É em alusão a esse costume que o Messias é chamado de Ungido, ou o Cristo. Veja a nota em Mateus 1:1 .

com Davi, e sua semente – Para seus descendentes, ou posteridade. Há uma referência indiscutível aqui às promessas feitas a Davi em relação a seus sucessores no trono. Veja 2Samuel 7:12-16 , 2Samuel 7:25-26 e Salmos 89:19-37 .

oara sempre – Isso expressa a expectativa confiante de David de que o governo permaneceria em sua família até os últimos tempos. Essa expectativa foi fundada em promessas como a de 2Samuel 7:12-13 :”Porei depois de ti a tua descendência, que sairá das tuas entranhas, e estabelecerei o seu reino; ele construirá uma casa para mim nome, e eu estabelecerei o trono de seu reino para sempre. ” Também 2Samuel 7:16 :“E a tua casa e o teu reino serão firmados para sempre diante de ti; o teu trono será firmado para sempre”. Veja também Salmo 89:36:”Sua semente durará para sempre, e seu trono como o sol diante de mim.” A perpetuidade deste reino encontra-se, de fato, no reinado do Messias, um descendente de Davi, em cujo reinado eterno essas promessas receberão um amplo cumprimento. Veja Isaías 9:7 . Compare Lucas 1:32-33 . O reinado temporal passou totalmente no processo dos descendentes de Davi; o reino espiritual é perpétuo no Messias. Até que ponto Davi entendeu isso, não é importante indagar e seria impossível determinar. É suficiente para a compreensão adequada do local lembrar

(a) que terá havido um cumprimento estrito da promessa, de acordo com o significado completo da linguagem, no Messias, o Filho de Davi; e

(b) que, no entanto, isso pode ter sido entendido por Davi que registrou a promessa, o verdadeiro autor da promessa foi o Espírito Santo, e que o verdadeiro significado da promessa, conforme registrado, era que ela deveria ser cumprida como foi.

Neste, como em todos os outros casos, a indagação a ser feita na interpretação da linguagem não é como o escritor sagrado a entendeu, mas o que significava o verdadeiro autor, o Espírito de Deus – e se a predição, de acordo com esse significado , foi cumprido. Quando um homem emprega um amanuense, a investigação a respeito do que está escrito não é como o amanuense o entendeu, mas como aquele que ditou o que foi escrito pretendia que deveria ser entendido. Aplicando este princípio, a previsão aqui e em outros lugares, com respeito à perpetuidade do reinado de Davi e sua posteridade, foi, e é, cumprida da maneira mais ampla. O “filho maior do Grande Davi” reinará para todo o sempre. [Barnes, aguardando revisão]

<Salmo 17 Salmo 19>

Introdução ao Salmo 18

O Salmo 18 é encontrado, com algumas variações sem importância, em 2Samuel 22. Nessa história, como na inscrição do salmo aqui, diz-se que foi composto por Davi na ocasião em que o Senhor “o livrou das mãos de todos os seus inimigos e das mãos de Saul”. Não pode, portanto, haver dúvida de que Davi foi o autor, nem pode haver qualquer dúvida quanto à ocasião em que foi composta. É uma canção de vitória e é, sem dúvida, a ode mais sublime que já foi composta em tal ocasião. Davi, há muito perseguido e assediado por inimigos que buscavam sua vida, finalmente sentiu que um triunfo completo foi obtido, e que ele e seu reino estavam seguros, e ele derrama as declarações de um coração grato pela misericordiosa e poderosa interposição de Deus, em linguagem da mais alta sublimidade e com a maior grandeza de imagens poéticas. Em nenhum outro lugar, mesmo nas Escrituras sagradas, existem imagens mais belas, ou expressões mais sublimes, do que aquelas que ocorrem neste salmo.

A partir do lugar que este salmo ocupa na história da vida de Davi (2Samuel 22), é provável que tenha sido composto nos últimos anos de sua vida, embora ocupe esse primeiro lugar no livro dos Salmos. Não temos razão para acreditar que o princípio adotado no arranjo dos Salmos foi colocá-los em ordem cronológica; e não podemos determinar por que nesse arranjo este salmo tem o lugar que lhe foi designado; mas não podemos nos enganar ao supor que foi composto em um período um tanto avançado da vida de Davi, e que estava de fato entre as últimas de suas composições. Assim, no Livro de Samuel, é colocado (1Samuel 22) imediatamente anterior a um capítulo (1Samuel 23 ) que professa (1Samuel 23:1) para registrar “as últimas palavras de Davi”. E assim, no título, é dito que foi composto quando “o Senhor o livrou das mãos de todos os seus inimigos”, um evento que ocorreu apenas em um período relativamente tardio de sua vida.

A circunstância mencionada no título – “e da mão de Saul” – não necessariamente conflita com essa visão, nem nos torna necessário supor que ela foi composta imediatamente após sua libertação das mãos de Saul. Para Davi, registrando e recontando os grandes eventos de sua vida, essa libertação ocorreria como uma das mais importantes e dignas de uma grata lembrança, pois foi uma libertação que foi a base de todos os seus sucessos subsequentes, e na qual o divino a interposição foi notável. Em qualquer momento de sua vida, convém referir-se a isso como um reconhecimento especial. Saul estava entre os mais formidáveis ​​de todos os seus inimigos. As interposições de Deus em seu favor haviam ocorrido da maneira mais notável, ao livrá-lo dos perigos daquele período de sua história.

Era natural e apropriado, portanto, em um cântico geral de louvor, composto em vista de todas as interposições de Deus em seu favor, que ele se referisse particularmente a esses perigos e livramentos. Esta opinião, de que o salmo foi composto quando David estava velho, que parece tão óbvia, é a opinião de Jarchi e Kimchi, de Rosenmuller e DeWette. As imagens fortes, portanto, no salmo, descrevendo poderosas agitações da natureza (Salmo 18:6-16), devem ser entendidas não como uma descrição literal, mas como narrando a graciosa interposição de Deus no tempo de perigo, “como se” o Senhor tivesse falado com ele fora do templo; “como se” a terra tivesse tremido; “como se” seus alicerces tivessem sido abalados; “como se” uma fumaça tivesse saído de suas narinas; “como se” ele tivesse curvado os céus e descido; “como se” ele tivesse trovejado nos céus, e tivesse enviado granizo e brasas de fogo, etc.

Pelo fato de haver variações, embora não de caráter essencial, nas duas cópias do salmo, não parece improvável que ele tenha sido revisado pelo próprio Davi, ou por alguma outra pessoa, depois de ter sido composto pela primeira vez, e aquela cópia foi usada pelo autor do Livro de Samuel e a outra pelo colecionador e arranjador do Livro dos Salmos. Essas variações não são importantes e de forma alguma mudam o caráter essencial do salmo. Não é muito fácil ver por que eles foram feitos, se foram feitos de propósito, ou explicá-los se não o foram. São como os seguintes:A introdução, ou o título dela, é adaptado, no salmo antes de nós, aos propósitos para os quais foi projetado, quando foi admitido na coleção. “Ao Músico chefe, um Salmo de Davi, o servo do Senhor, que falou ao Senhor as palavras”, etc. O primeiro versículo do Salmo 18, “Eu te amarei, Senhor, minha força”, não se encontra no salmo como está no Livro de Samuel. O segundo versículo do salmo é:”O Senhor é minha rocha, e minha fortaleza, e meu libertador; meu Deus, minha força, em quem confiarei; meu escudo, e o chifre de minha salvação, e minha alta torre”.

Em Samuel, a passagem correspondente é:”O Senhor é minha rocha, e minha fortaleza, e meu libertador; o Deus de minha rocha, nele confiarei; ele é meu escudo, e o chifre de minha salvação, minha torre alta, e meu refúgio, meu salvador; tu me salvaste da violência”. No Salmo 18:4, a leitura é:”As dores da morte me cercaram” etc .; em Samuel, “as ondas da morte me cercaram”. Variações semelhantes, afetando as palavras, sem afetar materialmente o sentido, ocorrem em Salmo 18:2-4,6-8,11-16,19-21,23-27, também no Salmo 18:28-30,32-45,47-51. Em nenhum caso o sentido é muito afetado materialmente, embora as variações sejam tão numerosas.

É impossível agora explicar essas variações. Hammond, Kennicott e outros supõem que ocorreram a partir de erros dos transcritores. Mas a essa opinião Schultens se opõe a objeções irrespondíveis. Ele se refere particularmente

(a) à multiplicidade e variedade das mudanças;

(b) a condição ou estado dos códices;

(c) à natureza das variações, ou ao fato de as modificações serem feitas por palavras, e não meramente por letras de formas semelhantes que possam ser confundidas entre si.

Parece mais provável, portanto, que essas mudanças tenham sido feitas intencionalmente, e que tenham sido feitas por Davi, que revisou a composição original e disponibilizou duas formas do poema, uma das quais foi inserida na história em Samuel, e a outra na coleção dos Salmos; ou que as mudanças foram feitas pelo colecionador dos Salmos, quando eles foram organizados para o culto público. A primeira suposição é possível; embora, como o salmo foi composto perto do fim da vida de Davi, não parece muito provável. A suposição mais natural, portanto, é que as mudanças foram feitas pelo colecionador dos Salmos, seja ele quem for, ou pela pessoa que presidiu esta parte do culto público no templo, e que as mudanças foram feitas por alguma razão que não podemos entender agora, como uma melhor adaptação do salmo aos propósitos musicais.

Doederlein supõe que a mudança foi feita por algum poeta posterior, com o propósito de “polir” a linguagem; de dar-lhe uma forma poética mais acabada; e de melhor adaptá-lo ao uso público; e ele considera ambas as formas como “genuínas, elegantes, sublimes; uma mais antiga, a outra mais polida e refinada.” Parece mais provável que as mudanças tenham sido feitas com vistas a algum efeito rítmico ou musical, ou com o propósito de adaptar o salmo à música do serviço do templo. Tais mudanças dependeriam de causas que agora poderiam ser pouco compreendidas, visto que não estamos suficientemente familiarizados com a música empregada no culto público pelos hebreus, nem somos agora competentes para compreender o efeito que, a este respeito, seria produzido por um ligeira mudança de fraseologia.

O salmo abrange os seguintes assuntos:

(1) Um reconhecimento geral de Deus, e graças a ele, como o Libertador no tempo de angústia, e como digno de ser louvado (Salmo 18:1-3).

(2) Uma breve descrição dos problemas e perigos dos quais o salmista foi resgatado (Salmo 18:4-5).

(3) Uma descrição, concebida nas mais altas formas de linguagem poética, da intervenção divina em tempos de perigo (Salmo 18:6-19).

(4) Uma declaração do salmista de que essa intervenção era de natureza a justificar seu próprio caráter ou mostrar que sua causa era justa; que ele estava certo e que seus inimigos estavam errados; que Deus aprovou sua conduta, e desaprovou a conduta de seus inimigos:ou, em outras palavras, que essas intervenções eram para provar que Deus era justo e trataria com os homens de acordo com o caráter deles (Salmo 18:20-30).

(5) Uma recapitulação do que Deus fez por ele, capacitando-o a subjugar seus inimigos, e uma declaração do efeito que ele supôs que seria produzido em outros pelo relato do que Deus fez em seu favor (Salmo 18:31-45).

(6) Uma expressão geral de agradecimento a Deus como o autor de todas essas bênçãos e como digno de confiança e louvor universal (Salmos 18:46-50). [Barnes]

Visão geral de Salmos

“O livro dos Salmos foi projetado para ser o livro de orações do povo de Deus enquanto esperam o Messias e seu reino vindouro”. Tenha uma visão geral deste livro através de um breve vídeo produzido pelo BibleProject. (9 minutos)

🔗 Abrir vídeo no Youtube.

Leia também uma introdução ao livro de Salmos.

Todas as Escrituras em português citadas são da Bíblia Livre (BLIVRE), Copyright © Diego Santos, Mario Sérgio, e Marco Teles – fevereiro de 2018.