Bíblia, Revisar

1 Crônicas 11

Davi é feito rei

1 Então todo o Israel se ajuntou a Davi em Hebrom, dizendo: Eis que nós somos teu osso e tua carne.

Então todo o Israel se ajuntou a Davi em Hebrom – Este evento aconteceu na morte de Is-Bosete (ver em 2Sm 5:1). A convenção das propriedades do reino, a homenagem pública e solene dos representantes do povo, e a reiterada unção do novo rei em sua presença e por sua direção, parecem ter sido necessárias para o reconhecimento geral do soberano em a parte da nação (compare 1Sm 11:15).

2 E mesmo antes, quando Saul ainda era rei, tu conduzias as tropas de Israel. Também o SENHOR teu Deus te disse: Tu apascentarás o meu povo Israel, e tu serás líder do meu povo Israel.
3 Também vieram todos os anciãos de Israel ao rei em Hebrom, e Davi fez aliança com eles diante do SENHOR; e ungiram a Davi como rei sobre Israel, conforme a palavra do SENHOR por meio de Samuel.
4 Então Davi e todo Israel foram a Jerusalém, a qual era Jebus, pois ali os jebuseus eram os moradores daquela terra.

Jebus – (Veja em 2Sm 5:6).

5 E os moradores de Jebus disseram a Davi: Tu não entrarás aqui.Porém Davi conquistou a fortaleza de Sião, que é a cidade de Davi.
6 (Pois Davi havia dito: O primeiro a derrotar aos jebuseus será chefe e comandante.Então Joabe, filho de Zeruia, subiu primeiro, e foi feito comandante.)
7 E Davi habitou na fortaleza; por isso que foi chamada de cidade de Davi.
8 E ele edificou a cidade ao redor, desde as fundações do aterro ao redor; e Joabe reparou o resto da cidade.

Joabe reparou o resto da cidade – Davi construiu uma nova cidade ao norte da antiga no Monte Sião; mas Joabe foi encarregado de uma comissão para restaurar a parte que havia sido ocupada pelos antigos Jebus, para consertar as brechas feitas durante o cerco, para reconstruir as casas que haviam sido demolidas ou queimadas no saque da cidade, e para preservar todos que escapou da violência dos soldados. Este trabalho de reconstrução não é notado em outro lugar [Calmet].

9 E Davi ia cada vez mais crescendo em poder, pois o SENHOR dos exércitos era com ele.
10 Estes foram os líderes dos guerreiros que Davi teve, os que lhe deram forte apoio em seu reinado, com todo Israel, para o fazerem rei sobre Israel, conforme a palavra do SENHOR.

Estes foram os líderes dos guerreiros – (Veja em 2Sm 23:8). Eles são aqui descritos como aqueles que agiram fortemente com ele (Margem) para torná-lo rei, etc. Nessas palavras, o historiador sagrado atribui uma razão para introduzir a lista de seus nomes, imediatamente após seu relato da eleição de Davi como rei, e a conquista de Jerusalém; ou seja, que eles ajudaram a tornar Davi rei. Na forma original da lista e na conexão em que ocorre em Samuel, não há referência à escolha de um rei; e mesmo nesta passagem, é apenas na sentença introduzida na inscrição que tal referência ocorre (Keil).

11 E este é o número dos guerreiros que Davi teve: Jasobeão, filho de Hacmoni, chefe de capitães, o qual, fazendo uso de sua lança, matou trezentos de um vez.

Jasobeão, filho de Hacmoni – ou, “filho de Hachmoni”. Ele é chamado também filho de Zabdiel (1Cr 27:2), de modo que, estritamente falando, ele era o neto de Hachmoni (compare 1Cr 27:32).

fazendo uso de sua lança, matou trezentos de um vez – Diz-se o feito (2Sm 23:8) de ter sido um massacre de oitocentos em um dia. Alguns se esforçam para reconciliar as declarações nessa passagem e nisso supondo que ele matou oitocentos em uma ocasião e trezentos em outra; enquanto outros conjecturam que ele atacou um corpo de oitocentos e, tendo matado trezentos deles, o restante fugiu (Lightfoot).

12 E depois dele Eleazar, filho de Dodô, o aoíta; ele era um dos três principais guerreiros.

dos três principais guerreiros – Apenas dois são mencionados; ou seja, Jashobeam e Eleazar – o terceiro, Samá (2Sm 23:11), não é nomeado nesta passagem.

13 Este esteve com Davi em Pas-Damim, quando os filisteus se ajuntaram para a batalha; e havia ali uma plantação cheia de cevada. Enquanto o povo fugia dos filisteus,

Este esteve com Davi em Pas-Damim – Era na época em que ele era um fugitivo no deserto e, sedento de sede sob o calor ardente do meio-dia, ele pensou melancolicamente na fonte fresca de sua aldeia natal [2Sm 23:15; 1Cr 11:17]. Este é um aviso da conquista, a qual Eleazar deve sua fama, mas os detalhes são encontrados apenas em 2Sm 23:9-11, onde se diz ainda que ele foi auxiliado pela bravura de Samá, um fato corroborado no passagem antes de nós (1Cr 11:14), onde é registrado dos heróis, que “eles se colocam no meio daquela parcela.” Como o número singular é usado em falar de Samá (2Sm 23:12), a visão verdadeira parece ser que quando Eleazar desistiu da exaustão, Samá conseguiu, e por sua coragem fresca e extraordinária preservou o campo.

cevada – ou lentilhas (2Sm 23:11). Efés-Damim estava situado entre Shocoh e Azekah, no oeste do território judeu. Esses feitos foram realizados quando Davi atuou como general de Saul contra os filisteus.

14 Eles se puseram no meio da plantação, defenderam-na, e derrotaram os Filisteus; e o SENHOR lhes deu uma grande vitória.
15 E três dos trinta comandantes desceram a Davi, na rocha junto à caverna de Adulão, enquanto o acampamento dos filisteus estava no vale de Refaim.
16 E Davi estava então na fortaleza, enquanto havia uma tropa de filisteus em Belém.
17 Davi teve um desejo, e disse: Quem me dera beber da água do poço de Belém, que está junto à porta!

(Veja no 2Sm 23:15). Este ato de cavalheirismo evidencia a devoção entusiasmada dos homens de Davi, que eles estavam prontos para satisfazer seu menor desejo com o risco de suas vidas. É provável que, ao proferir o desejo, Davi não se lembrasse dos militares postados em Belém. É geralmente dado como certo que aqueles que lutaram um caminho para o poço de Belém foram os três campeões que acabamos de mencionar [ver em 1Cr 11:13]. Mas isso está longe de ser claro. Pelo contrário, parece que três heróis diferentes são referidos, pois Abisai (1Cr 11:20) era um deles. O acampamento dos filisteus ficava no vale de Refaim (1Cr 11:15), que ficava a oeste de Jerusalém, mas um posto avançado estava estacionado em Belém (1Cr 11:16), e através desta guarnição eles tiveram que forçar uma passagem.

18 E aqueles três irromperam pelo acampamento dos filisteus, e tiraram água do poço de Belém, que está junto à porta, tomaram dela, e a trouxeram a Davi. Davi, porém não a quis beber; em vez disso, derramou-a ao SENHOR,
19 E disse: Deus me proíba de fazer isto! Beberia eu o sangue destes homens com suas vidas? Pois eles arriscaram suas vidas para a trazerem.Por isso ele não a quis beber. Isto fizeram aqueles três guerreiros.
20 E também Abisai, irmão de Joabe, foi o cabeça de três, o qual usando sua lança sobre trezentos, ele os matou; e foi famoso entre os três.
21 Dos três ele foi mais ilustre que os outros dois, por isso foi seu cabeça; porém não alcançou os três primeiros.

porém não alcançou os três primeiros – (veja em 2Sm 23:19).

22 Também Benaia, filho de Joiada, filho de homem valente, de grandes feitos, de Cabzeel; ele matou dois dos poderosos guerreiros de Moabe; ele também desceu, e matou um leão dentro de uma cova no tempo da neve.

de Cabzeel – uma cidade no sul de Judá (Js 15:21; Ne 11:25). Diz-se que “ele tinha feito muitos atos”, embora apenas três sejam mencionados como espécimes de sua energia ousada e destemida coragem.

ele matou dois dos poderosos guerreiros de Moabe – literalmente, “leões de Deus”, isto é, grandes leões ou campeões. Este feito galante foi provavelmente alcançado na invasão hostil de Moabe por Davi (2Sm 8:2).

ele também desceu, e matou um leão dentro de uma cova no tempo da neve – provavelmente uma caverna na qual Benaiah se refugiou da tempestade de neve, e na qual ele encontrou um leão selvagem que tinha seu covil lá. Em uma caverna espaçosa, a conquista seria muito maior do que se o monstro tivesse sido previamente capturado ou encurralado em um buraco.

23 Ele também matou um homem egípcio alto, de cinco côvados; o egípcio trazia na mão uma lança como um lançador de tecelão; porém Benaia desceu a ele com um bastão; e arrancou a lança da mão do egípcio, e o matou com sua própria lança.

desceu a ele – a fraseologia comum para expressar um compromisso na batalha. O encontro de Benaia com este gigantesco egípcio nos lembra, em alguns aspectos, o combate de Davi com Golias. Pelo menos, a altura desse gigante, que tinha cerca de dois metros e meio de sua armadura, lembrava a de Gath.

com um bastão – isto é, não tendo nenhuma outra arma na mão do que sua bengala.

24 Estas coisas fez Benaia, filho de Joiada, e por isso foi famoso entre aqueles três guerreiros.
25 Eis que ele foi o mais ilustre dos trinta, mas não alcançou os três primeiros . E Davi o pôs sobre sua guarda pessoal.

Davi o pôs sobre sua guarda pessoal – os queretitas e peletitas que compunham o pequeno guarda-costas em atendimento imediato ao rei.

26 E os guerreiros dos exército foram: Asael, irmão de Joabe; Elanã filho de Dodô de Belém;

os guerreiros do exército – Este era o terceiro grau de patente militar, e Asael era seu chefe; os nomes de alguns dos mencionados são historicamente conhecidos.

27 Samote o harodita; Helez o pelonita;

Samote – Entre este nome e Hebez, o de Eliquia evidentemente caiu, como podemos ver (2Sm 23:25-26) [Bertheau].

28 Ira, filho de Iques, o tecoíta; Abiezer o anatotita;
29 Sibecai o husatita; Ilai o aoíta;
30 Maarai o netofatita; Helede, filho de Baaná, o netofatita;

Maarai – chefe do destacamento dos guardas que compareceram ao rei no décimo mês de janeiro (1Cr 27:13; 2Sm 23:28).

31 Itai, filho de Ribai, de Gibeá dos filhos de Benjamim; Benaia o piratonita;
32 Hurai do ribeiro de Gaás; Abiel, o arbatita;
33 Azmavete, o baarumita; Eliaba, o saalbonita;
34 Os filhos de Hasém, o gizonita; Jônatas, filho de Sage, o hararita;
35 Aião filho de Sacar, o hararita; Elifal filho de Ur;
36 Héfer, o mequeratita; Aías, o pelonita;
37 Hezro, o carmelita; Naarai, filho de Ezbai;
38 Joel, irmão de Natã; Mibar, filho de Hagri;
39 Zeleque, o amonita; Naarai, o berotita, escudeiro de Joabe filho de Zeruia;

Naarai – armorbearer para Joabe (2Sm 23:37). A não ocorrência do nome de Joabe em qualquer um dos três catálogos provavelmente deve-se à circunstância de que seu cargo de comandante-chefe o elevou a uma posição superior a todas essas ordens de cavaleiros militares.

40 Ira, o itrita; Garebe, o itrita;
41 Urias, o heteu; Zabade, filho de Alai;

Urias, o heteu – A inscrição deste nome em tal lista, atestando, como o faz, seus distintos méritos como bravo e devotado oficial, agrava a criminalidade do ultraje de Davi em sua vida e honra. O número dos nomes em 1Cr 11:26-41 (exclusivo de Asael e Urias, que estavam mortos) é trinta, e em 1Cr 11:41-47 é dezesseis – fazendo juntos quarenta e oito (ver em 1Cr 27:1-34). Dos mencionados (1Cr 11:26-41), a maior parte pertencia às tribos de Judá e Benjamim; os dezesseis nomes (1Cr 11:41-47) estão todos associados a lugares desconhecidos, ou a cidades e distritos a leste do Jordão. As tribos do norte não parecem ter fornecido nenhum líder [Bertheau].

42 Adina, filho de Siza, o rubenita, o qual era chefe dos rubenitas, e com ele trinta;
43 Hanã, filho de Maaca; Josafá o mitenita;
44 Uzia, o asteratia; Sama e Jeiel, filhos de Hotão, o aroerita;
45 Jedaiel, filho de Sinri, e seu irmão Joá, o tizita;
46 Eliel, o maavita; Jeribai e Josavias, filhos de Elnaão; Itma, o moabita;
47 Eliel; Obede; e Jaasiel, o mezobaíta.
<1 Crônicas 10 1 Crônicas 12>

Adaptado de: Commentary Critical and Explanatory on the Whole Bible. Todas as Escrituras em português citadas são da Bíblia Livre (BLIVRE), Copyright © Diego Santos, Mario Sérgio, e Marco Teles – fevereiro de 2018.