Bíblia, Revisar

Jó 37

Mensagem importante
Olá visitante do Apologeta! Vou direto ao ponto: peço que você me ajude a manter este projeto. Atualmente a renda gerada através dos anúncios são insuficientes para que eu me dedique exclusivamente a ele. Se cada pessoa que ler essa mensagem hoje, doar o valor de R$10.00, eu poderia me dedicar integralmente ao Apologeta pelo próximo ano e ainda remover todas as propagandas do site (que eu sei que são um pouco incômodas). Tenho um propósito ousado com este site: traduzir e disponibilizar gratuitamente conteúdo teológico de qualidade. O que inclui um dicionário bíblico completo (+4000 verbetes) e comentário de todos os 31.105 versículos da Bíblia. Faça parte deste projeto e o ajude a continuar crescendo. Obrigado!
1 Disto também o meu coração treme, e salta de seu lugar.

Disto também. Talvez a tempestade já tivesse começado, de onde Deus iria se dirigir a Jó (Jó 38:1). [JFU]

2 Ouvi atentamente o estrondo de sua voz, e o som que sai de sua boca,

Ouvir atentamente – o trovão (ruído), etc., e então você sentir que há boas razões para tremer.

som – resmungando do trovão.

3 Ao qual envia por debaixo de todos os céus; e sua luz até os confins da terra.

Ao qual envia – porém ziguezagueie o curso do relâmpago; ou melhor, aplica-se ao rolo de trovão do trovão. O poder abrangente de Deus.

termina – literalmente, “asas”, “saias”, uma terra habitável sendo grafada com uma roupa estendida (Jo 38:13; Is 11:12).

4 Depois disso brama com estrondo; troveja com sua majestosa voz; e ele não retém seus relâmpagos quando sua voz é ouvida.

O trovão segue um intervalo após o flash.

fique com eles – Ele não está seguro nos relâmpagos (Jo 37: 3), quando o trovão for ouvido (Maurer) Em vez disso, os sabores do trovão, um sabre, chuva e granizo [Jo 40: 9].

5 Deus troveja maravilhosamente com sua voz; ele faz coisas tão grandes que nós não compreendemos.

(Jo 36:26; Salmo 65: 6; Salmo 139: 14). A sublimidade da descrição está nisto: O Deus está em toda parte na tempestade, direcionando-se para onde Ele irá (Barnes). Veja Sl 29: 1-11, onde, como aqui, uma voz de Deus é repetida com grande efeito. O trovão na Arábia é sublimemente terrível.

6 Pois ele diz à neve: Cai sobre à terra; Como também à chuva: Sê chuva forte.

à chuva – Ele diz: Seja na terra. O bebê aumentando de “grande”, é expresso pelo plural “chuveiros” (Margem), seguindo uma “chuva” singular. Chuva de inverno (Cantares de Salomão 2:11).

– mais forçável do que “cair”, como Umbreit traduz Gn 1: 3.

7 Ele sela as mãos de todo ser humano, para que todas as pessoas conheçam sua obra.

No inverno, Deus impede a atividade do prédio do homem.

Seleth – fecha (Jo 9: 7). Como “mãos” do homem são então amarradas.

sua obra – em antitese ao próprio trabalho do homem (“mão”), que em outros momentos se relaciona com os homens, de modo a torná-los suscetíveis de esquecer sua dependência de Deus. Uma literalmente, literalmente, “de sua criação” pode ser levada ao conhecimento.

8 E os animais selvagens entram nos esconderijos, e ficam em suas tocas.

entram nos esconderijos – descansem em seus covis. Quando é que eles não conseguem recuperar alimentos, muitos são incluídos, quando não são suficientemente precisos de comida. A desolação dos campos, a pedido de Deus, é poeticamente gráfica.

9 Da recâmara vem o redemoinho, e dos ventos que espalham vem o frio.

recâmara – literalmente, “câmeras”; Conectado com o sul (Jo 9: 9). Os redemoinhos são poeticamente considerados como repre- sentados por Deus em Suas câmaras meridionais, de onde os enviados (assim, Jo 38:22; Sl 135: 7). Quanto aos redemoinhos do sul (ver Is 21: 1; Zc 9:14); principalmente de fevereiro a maio.

o norte – literalmente, “espalhando”; o vento norte espalha como nuvens.

10 Pelo sopro de Deus se dá o gelo, e as largas águas se congelam.

Pelo sopro de Deus – poeticamente, para o vento norte produtor de gelo.

estreito – fisicamente preciso; geada comprime ou o líquido expandido em uma massa congelada (Jo 38:29, Jo 38:30; Salmo 147: 17, Salmo 147: 18).

11 Ele também carrega de umidade as espessas nuvens, e por entre as nuvens ele espalha seu relâmpago.

Como nuvens de trovoada são dispersas, ou então empregadas por Deus, seja para correção ou misericórdia.

wearieth – carrega isto, de forma que cai em chuva; Assim, “fatiga” as respostas ao paralelo “espalha” (compare, veja em Jó 37: 9); Um voo claro tanto de ambos.

relâmpago – literalmente, “nuvem da sua luz”, isto é, do seu raio. Umbreit para “rega”, etc., traduz; “Nuvens esparsas como nuvens, e a luz espacial como nuvens espessas”; o paralelismo é assim bom, mas o hebraico dificilmente o sanciona.

12 Então elas se movem ao redor segundo sua condução, para que façam quanto ele lhes manda sobre a superfície do mundo, na terra;

conselhos – orientação (Sl 148: 8); literalmente, “direção”; como nuvens obedecem a orientação de Deus, como o faz faz o timoneiro. Então o relâmpago (ver em Jó 36:31, Jo 36:32); nem é casual em seus pais.

13 Seja que ou por vara de castigo, ou para sua terra, ou por bondade as faça vir.

Literalmente, “Ele faz com que encontre lugar”, seja para correção, seja (seja destinado) a Sua terra (isto é, para a parte habitada pelo homem, com quem Deus lida, em seguida às partes desabitada). (Jó 38:26, Jo 38:27) ou por misericórdia. “Se for destinado a Sua terra” é uma supressão entre parênteses (Maurer) Na categoria inglesa, esta sentença estraga o equilíbrio da antítese entre a “vara” (Margem) e “misericórdia” (Salmo 68: 9; Gn 7: 1-24).

14 Escuta isto, Jó; fica parado, e considera as maravilhas de Deus.

Escuta isto, Jó, isto é, à lição que tais eventos são capazes para transmitir a respeito de Deus.

fica parado, em uma postura de reverência e atenção. O objetivo é assegurar uma calma contemplação das obras de Deus, de modo que a mente possa ser preenchida com a devida reverência por ele. [Barnes]

15 Por acaso sabes tu quando Deus dá ordem a elas, e faz brilhar o relâmpago de sua nuvem?

Dispôs-los-coloca sua carga sobre estas maravilhas (Jó 37:14) a surgir.

16 Conheces tu os equilíbrios das nuvens, as maravilhas daquele que é perfeito no conhecimento?

Hebraico, ‘Tens tu entendimento dos equilíbrios,’ etc., como as nuvens estão colocadas no ar, de modo que a sua gravidade aguada não as traz à terra? A umidade condensada, descendo por gravidade, encontra uma temperatura mais quente, que a dissipa em vapor (cuja tendência é subir) e assim contraria a força descendente.

perfeito no conhecimento. Deus: não aqui no sentido de que Eliú o usa de si mesmo (Jó 36:4). [JFU]

17 Tu, cujas vestes se aquecem quando a terra se aquieta por causa do vento sul,

cujas vestes – isto é, sabes como o teu corpo aquece, de modo a afectar calorosamente como tuas vestes?

vento sul – literalmente, “região do sul”. “Quando ele faz ainda um vento (pelo vento)” (Cantares de Salomão 4:16).

18 acaso podes estender com ele os céus, que estão firmes como um espelho fundido?

estão firmes – firme; daí o termo “firmamento” (“expansão”, Gn 1: 6; Is 44:24).

espelho fundido – imagem do céu de sorriso brilhante. Os espelhos foram então formados de metal polido derretido, não de vidro.

19 Ensina-nos o que devemos dizer a ele; pois discurso nenhum podemos propor, por causa das nossas trevas.

Os homens não podem ouvir como maravilhas de Deus; Assim, sermos burros e não lutar com Deus. Se você deve dar “deixe-nos ensinar o que diremos”.

trevas – da mente; ignorância. “Os olhos estão aturdidos, cegados, quando se deparam com ousadia controvérsia com Deus em direção aos céus ensolarados” (Jo 37:18) (Umbreit).

20 Seria contado a ele o que eu haveria de falar? Por acaso alguém falaria para ser devorado?

O que eu digo um mortal contra as regras de Deus não é digno de ser dito a Ele. Em relação ao desejo de Jó de “falar” diante de Deus (Jó 13: 3, Jo 13: 18-22).

para ser devorado? – O paralelismo favorece mais a Umbreit, “Quando um homem fala (diante dele, queixando-se) que ele está (sem causa) sendo destruído?”

21 E agora não se pode olhar para o sol, quando brilha nos céus, quando o vento passa e os limpa.

limpa – isto é, limpo o ar de nuvens. Quando “a luz brilhante do sol”, “a luz brilhante” do sol, “a vista por vista do céu”, “o efeito é bonito para os olhos”; então, se a majestade de Deus, agora oculta, fosse subitamente revelada em todo o seu esplendor, espalharia a escuridão sobre os olhos de Job, ansiosa como ele é por ela (compare, veja em Jó 37:19) (Umbreit). É porque agora o homem não vê a luz do sol brilhante (a majestade deslumbrante de Deus), devido às “nuvens” intervenientes (Jó 26: 9), que eles ousam desejar “falar” diante de Deus (Jó 37:20). Prelúdio para a aparência de Deus (Jó 38: 1). As palavras também são verdadeiras em um sentido não pretendido por Eliú, mas talvez incluídas pelo Espírito Santo. Jó e outros sofredores não podem ver a luz do semblante de Deus através das nuvens da provação: mas o vento logo os eliminará, e Deus aparecerá de novo: deixe-os esperar pacientemente, pois Ele ainda brilha, embora por um tempo eles não o veja (veja em Jó 37:23).

22 Do norte vem o esplendor dourado; em Deus há majestade temível.

Em vez disso, “esplendor de ouro”. Maurer traduz “ouro”. Ele é encontrado nas regiões do norte. Mas Deus não pode ser “descoberto” por causa de Sua “Majestade” (Jó 37:23). Assim, o vigésimo oitavo capítulo corresponde; Versão em Inglês é mais simples.

Do norte – O brilho é principalmente associado a ele (veja Jó 23: 9). Aqui, talvez, porque o vento norte limpa o ar (Pv 25:23). Assim esta sentença responde ao último de Jó 37:21; como o segundo deste versículo para o primeiro de Jó 37:21. Paralelismo invertido. (Veja Is 14:13; Salmo 48: 2).

em Deus – sim, “sobre Deus”, como uma vestimenta (Sl 104: 1, Sl 104: 2).

23 Não podemos alcançar ao Todo-Poderoso; ele é grande em poder; porém ele a ninguém oprime em juízo e grandeza de justiça.

ele a ninguém oprime em juízo. De modo a “perverter o julgamento” como Jó sugeriu (Jó 8:3); mas veja em Jó 37:21, fim da nota. A leitura, “Ele não responde”, isto é, não dá conta de Suas relações, é como a correção de um transcritor, de Jó 33:13, Margem.

Leia também um estudo sobre a justiça de Deus.

24 Por isso as pessoas o temem; ele não dá atenção aos que se acham sábios de coração.

sábios de coração, isto é, sábio em seus próprios pensamentos. Deus tem consideração pelos humildes — uma exortação final a Jó para que se abstenha de reclamações presunçosas de Deus e se una à humanidade em todos os lugares para temê-Lo. [Cambridge]

<Jó 36 Jó 38>

Leia também uma introdução ao livro de Jó.

Adaptado de: Commentary Critical and Explanatory on the Whole Bible. Todas as Escrituras em português citadas são da Bíblia Livre (BLIVRE), Copyright © Diego Santos, Mario Sérgio, e Marco Teles – fevereiro de 2018.

Conteúdos recomendados