Deuteronômio 6

O grande mandamento: amar a Deus

1 Estes, pois são os mandamentos, estatutos, e regulamentos que o SENHOR vosso Deus mandou que vos ensinasse, para que os ponhais por obra na terra à qual passais vós para possuí-la:

Comentário de Robert Jamieson

O grande propósito de todas as instituições prescritas a Israel era formar um pessoas religiosas, cujo caráter nacional deve ser distinguido pelo temor do Senhor seu Deus, que asseguraria sua divina observância de Sua adoração e sua firme obediência à Sua vontade. A base de sua religião era um reconhecimento da unidade de Deus com o entendimento e o amor de Deus no coração (Deuteronômio 6:4-5). Comparado com o credo religioso de todos os seus contemporâneos, quão sólido em princípio, quão elevado em caráter, quão ilimitado na extensão de sua influência moral sobre o coração e hábitos do povo! De fato, é precisamente a mesma base sobre a qual repousa a forma mais pura e mais espiritual do que o cristianismo exibe (Mateus 22:37; Marcos 12:30; Lucas 10:27). Além disso, para ajudar a manter um senso de religião em suas mentes, foi ordenado que seus grandes princípios fossem levados aonde quer que fossem, bem como os olhos deles, sempre que entrassem em seus lares. Uma outra provisão foi feita para a inculcação sincera deles nas mentes dos jovens, por meio de um sistema de educação dos pais, destinado a associar a religião a todas as situações mais familiares e muitas vezes recorrentes da vida doméstica. É provável que Moisés tenha usado a fraseologia em Deuteronômio 6:7 apenas de maneira figurada, para significar instrução assídua, séria e frequente; e talvez ele quisesse dizer que a linguagem metafórica em Deuteronômio 6:8 deveria ser tomada no mesmo sentido também. Mas como os israelitas o interpretaram literalmente, muitos escritores supõem que foi feita uma referência a um costume supersticioso emprestado dos egípcios, que usavam jóias e bugigangas ornamentais na testa e no braço, inscritos com certas palavras e frases, como amuletos para protegê-los do perigo. Estes, foi conjecturado, Moisés pretendia suplantar substituindo sentenças da lei; e assim os hebreus o entenderam, pois eles sempre consideraram o uso dos tefilins, ou frontais, uma obrigação permanente. A forma era a seguinte: Quatro pedaços de pergaminho, inscritos, o primeiro com Êxodo 13:2-10; o segundo com Êxodo 13:11-16; o terceiro com Deuteronômio 6:1-8; e o quarto, com Deuteronômio 11:18-21, foram colocados em uma caixa quadrada ou caixa de pele dura, no lado da qual foi colocada a letra hebraica (shin), e amarrados ao redor da testa com uma fita. Quando projetados para os braços, esses quatro textos foram escritos em um pedaço de pergaminho, que, além da tinta, foi cuidadosamente preparado para esse fim. Com relação ao outro uso supostamente aludido, os antigos egípcios tinham os lintéis e as imposições de suas portas e portões inscritos com frases indicativas de um presságio favorável (Wilkinson); e este ainda é o caso, pois no Egito e em outros países maometanos, as portas de entrada das casas (no Cairo, por exemplo) são pintadas de vermelho, branco e verde, ostentando as frases do Alcorão, como “Deus é o Criador”, “Deus é um, e Maomé é seu profeta”. Moisés pretendeu transformar este antigo e popular costume em algo melhor e ordenou que, em vez das antigas inscrições supersticiosas, fossem escritas as palavras de Deus, persuadindo e ordenando ao povo que mantivesse as leis em perpétua lembrança. [JFB]

2 Para que temas ao SENHOR teu Deus, guardando todos os seus estatutos e seus mandamentos que eu te mando, tu, e teu filho, e o filho de teu filho, todos os dias de tua vida, e que teus dias sejam prolongados.

Comentário de Keil e Delitzsch

A razão para comunicar a lei era despertar o temor de Deus (compare com Deuteronômio 4:10; Deuteronômio 5:26), e, de fato, tal temor de Jeová que se mostraria em todo momento na observância de cada mandamento. “Tu e teu filho”:” isto forma o sujeito a “tu poderás temer”, e é colocado no final por uma questão de ênfase. O Hiphil האריך não tem o significado transitivo, “fazer longo”, como em Deuteronômio 5:30, mas o intransitivo, fazer longo, como em Deuteronômio 5:16; Êxodo 20:12, etc. [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

3 Ouve, pois, ó Israel, e cuida de praticá-los, para que te vá bem, e sejais multiplicados, como te disse o SENHOR o Deus de teus pais, na terra que destila leite e mel.

Comentário de Keil e Delitzsch

A manutenção do temor de Deus traria prosperidade e o aumento da nação prometida aos pais. Na forma, este pensamento não está ligado a Deuteronômio 6:3 como a apodose, mas é anexado ao pensamento principal em Deuteronômio 6:1 pelas palavras “Ouve, pois, ó Israel!” que correspondem à expressão “ensinar-te” em Deuteronômio 6:1. אשׁר, que, para que (como em Deuteronômio 2:25; Deuteronômio 4:10, etc.). O aumento da nação tinha sido prometido aos patriarcas desde o primeiro (Gênesis 12:1; compare com Levítico 26:9). – Sobre “leite e mel”, ver em Êxodo 3:8. [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

4 Ouve, Israel: o SENHOR nosso Deus, o SENHOR um é:

Comentário de Robert Jamieson

Ou, como as palavras podem ser melhor traduzidas, ‘Ouve, ó Israel’: Yavé é nosso Deus (“Elohiym”, plural), somente Yavé”. A base da sua religião era o reconhecimento da unidade de Deus com a compreensão e o amor de Deus no coração (Deuteronômio 6:4-5). O teu coração, a sede do sentimento e dos afetos – nomeadamente, do amor. A tua alma, o espírito vital; também a mente racional, como capaz da percepção e pensamento inteligente. E assim esta lei é interpretada nos Evangelhos (Mateus 22:37; Marcos 12:30; Lucas 10:27).

Comparado com o credo religioso de todos os seus contemporâneos, quão sólido em princípio, quão elevado em caráter, quão ilimitado na extensão de sua influência moral no coração e nos hábitos do povo! De fato, é precisamente a mesma base sobre a qual repousa a forma mais pura e mais espiritual da mesma que o cristianismo exibe; mas é observável que uma crença na unidade de Deus foi um princípio fundamental não apenas da sua fé, mas da sua constituição política. O tecido social em todas as outras nações contemporâneas repousava sobre a suposta verdade do politeísmo; e os próprios israelitas estavam tão profundamente contaminados com o espírito da idolatria que os maravilhosos milagres do êxodo não podiam erradicar totalmente essa tendência tão estimada, nem mantê-los fiéis ao culto e serviço do verdadeiro Deus. A sabedoria de Deus, que os havia separado para altos propósitos, previa que sua política civil estivesse essencialmente ligada à adoração do único Deus vivo e verdadeiro; de modo que sua história nacional se tornasse uma história da Igreja; e no momento em que abandonaram o serviço de Deus, eles deixaram de existir como uma nação.

Além disso, para ajudar a manter um sentido de religião em suas mentes, foi ordenado que seus grandes princípios deveriam ser levados consigo onde quer que eles fossem, bem como encontrar seus olhos cada vez que eles entrassem em suas casas. Uma outra provisão foi feita para a inculcação cuidadosa deles nas mentes dos jovens, por um sistema de aperfeiçoamento dos pais, destinado a associar a religião a todas as situações mais familiares e muitas vezes recorrentes da vida doméstica.  [JFU]

5 E Amarás ao SENHOR teu Deus de todo teu coração, e de toda tua alma, e com todas as tuas forças.

Comentário Whedon

Amarás ao SENHOR teu Deus. Este requisito abrangente Cristo chama o primeiro e grande mandamento. E ao seu lado ele coloca a exigência de amar o nosso próximo como a nós próprios. Levítico 19:9. Sobre estes dois pendem toda a lei e os profetas. Comp. Mateus 22:37-40; Mar 12:29-31; Luk 10:27. Todo o significado das Escrituras como regra de vida está corporizado nestes requisitos.

de todo o teu coração. O mandamento exclui toda a divisão de afeto. A palavra que traduzimos coração é usada para designar o centro de toda a atividade moral, e não apenas a sede dos afetos.

de toda a tua alma. A palavra alma é usada para denotar toda a personalidade: o amor a Deus deve impregnar todo o homem.

com todas as tuas forças. Com todo o poder que Deus deu ao homem. Que maior exigência poderia ser feita? [Whedon]

6 E estas palavras que eu te mando hoje, estarão sobre teu coração:

Comentário de Keil e Delitzsch

(6-9) Com Deuteronômio 6:4 começa a entrega da lei, que não é uma nova lei acrescentada aos dez mandamentos, mas simplesmente o desenvolvimento e desdobramento das leis e direitos do pacto contidos como um germe no decálogo, simplesmente uma exposição da lei, como já havia sido anunciado em Deuteronômio 1:5. A exposição começa com uma explicação e aplicação do primeiro mandamento. Há duas coisas contidas nela: (1) que Jeová é o único Deus absoluto; (2) que Ele requer amor com todo o coração, toda a alma, e toda a força. “Jeová, nosso Deus, é um só Jeová”.

(Nota: Sobre a majuscula ע e ד em שׁמע e אחד, R. Bochin tem esta observação: “É possível confessar um só Deus com a boca, embora o coração esteja longe dEle”. Por esta razão, ע e ד são majusculas, das quais o tsere subscreveu a palavra עד, ‘uma testemunha’, para que cada um saiba, quando professa a unidade de Deus, que seu coração deve estar comprometido, e livre de qualquer outro pensamento, porque Deus é uma testemunha e conhece todas as coisas” (J. H. Mich. Bibl. Hebr.).

Isto não significa que Jeová é um só Deus, somente Jeová (Abenezra), pois nesse caso לבדּו יהוה seria usado em vez de אחד יהוה; menos ainda Jeová nosso Deus, ou seja, Jeová é um só (J. H. Michaelis). אחד יהוה juntos formam o predicado da sentença. A idéia não é, Jeová nosso Deus é um (o único) Deus, mas “um (ou o único) Jeová”: não neste sentido, porém, que “Ele não adotou um modo de revelação ou aparência aqui e outro ali, mas um só modo, em outras palavras, a revelação que Israel recebeu” (Schultz); pois Jeová nunca denota apenas um modo no qual o verdadeiro Deus é revelado ou aparece, mas Deus como o absoluto, incondicionado, ou Deus de acordo com a absoluta independência e constância de Suas ações. Portanto, o que aqui se baseia de Jeová (Jeová um) não se relaciona com a unidade de Deus, mas simplesmente afirma que é somente a Ele que o nome Jeová pertence por direito, que Ele é o único Deus absoluto, ao qual nenhum outro Elohim pode ser comparado. Este é também o significado da mesma expressão em Zacarias 14:9, onde as palavras acrescentadas, “e Seu nome um”, só podem significar que no futuro Jeová seria reconhecido como o único Deus absoluto, como Rei sobre toda a terra. Esta cláusula não apenas exclui o politeísmo, mas também o sincretismo, que reduz o único Deus absoluto a uma divindade nacional, um Baal (Oséias 2:18), e de fato toda forma de teísmo e deísmo, que cria para si mesmo um Deus supremo de acordo com abstrações e idéias filosóficas. Para Jeová, embora o absoluto, não é uma noção abstrata como “ser absoluto” ou “a idéia absoluta”, mas o Deus absolutamente vivo, como Ele se fez conhecido em suas obras em Israel para a salvação do mundo inteiro. [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

7 E as repetirás a teus filhos, e falarás delas estando em tua casa, e andando pelo caminho, e ao deitar-te, e quando te levantes:

Comentário de Keil e Delitzsch

(6-9) Com Deuteronômio 6:4 começa a entrega da lei, que não é uma nova lei acrescentada aos dez mandamentos, mas simplesmente o desenvolvimento e desdobramento das leis e direitos do pacto contidos como um germe no decálogo, simplesmente uma exposição da lei, como já havia sido anunciado em Deuteronômio 1:5. A exposição começa com uma explicação e aplicação do primeiro mandamento. Há duas coisas contidas nela: (1) que Jeová é o único Deus absoluto; (2) que Ele requer amor com todo o coração, toda a alma, e toda a força. “Jeová, nosso Deus, é um só Jeová”.

(Nota: Sobre a majuscula ע e ד em שׁמע e אחד, R. Bochin tem esta observação: “É possível confessar um só Deus com a boca, embora o coração esteja longe dEle”. Por esta razão, ע e ד são majusculas, das quais o tsere subscreveu a palavra עד, ‘uma testemunha’, para que cada um saiba, quando professa a unidade de Deus, que seu coração deve estar comprometido, e livre de qualquer outro pensamento, porque Deus é uma testemunha e conhece todas as coisas” (J. H. Mich. Bibl. Hebr.).

Isto não significa que Jeová é um só Deus, somente Jeová (Abenezra), pois nesse caso לבדּו יהוה seria usado em vez de אחד יהוה; menos ainda Jeová nosso Deus, ou seja, Jeová é um só (J. H. Michaelis). אחד יהוה juntos formam o predicado da sentença. A idéia não é, Jeová nosso Deus é um (o único) Deus, mas “um (ou o único) Jeová”: não neste sentido, porém, que “Ele não adotou um modo de revelação ou aparência aqui e outro ali, mas um só modo, em outras palavras, a revelação que Israel recebeu” (Schultz); pois Jeová nunca denota apenas um modo no qual o verdadeiro Deus é revelado ou aparece, mas Deus como o absoluto, incondicionado, ou Deus de acordo com a absoluta independência e constância de Suas ações. Portanto, o que aqui se baseia de Jeová (Jeová um) não se relaciona com a unidade de Deus, mas simplesmente afirma que é somente a Ele que o nome Jeová pertence por direito, que Ele é o único Deus absoluto, ao qual nenhum outro Elohim pode ser comparado. Este é também o significado da mesma expressão em Zacarias 14:9, onde as palavras acrescentadas, “e Seu nome um”, só podem significar que no futuro Jeová seria reconhecido como o único Deus absoluto, como Rei sobre toda a terra. Esta cláusula não apenas exclui o politeísmo, mas também o sincretismo, que reduz o único Deus absoluto a uma divindade nacional, um Baal (Oséias 2:18), e de fato toda forma de teísmo e deísmo, que cria para si mesmo um Deus supremo de acordo com abstrações e idéias filosóficas. Para Jeová, embora o absoluto, não é uma noção abstrata como “ser absoluto” ou “a idéia absoluta”, mas o Deus absolutamente vivo, como Ele se fez conhecido em suas obras em Israel para a salvação do mundo inteiro. [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

8 E hás de atá-las por sinal em tua mão, e estarão por frontais entre teus olhos:

Comentário de Keil e Delitzsch

(6-9) Com Deuteronômio 6:4 começa a entrega da lei, que não é uma nova lei acrescentada aos dez mandamentos, mas simplesmente o desenvolvimento e desdobramento das leis e direitos do pacto contidos como um germe no decálogo, simplesmente uma exposição da lei, como já havia sido anunciado em Deuteronômio 1:5. A exposição começa com uma explicação e aplicação do primeiro mandamento. Há duas coisas contidas nela: (1) que Jeová é o único Deus absoluto; (2) que Ele requer amor com todo o coração, toda a alma, e toda a força. “Jeová, nosso Deus, é um só Jeová”.

(Nota: Sobre a majuscula ע e ד em שׁמע e אחד, R. Bochin tem esta observação: “É possível confessar um só Deus com a boca, embora o coração esteja longe dEle”. Por esta razão, ע e ד são majusculas, das quais o tsere subscreveu a palavra עד, ‘uma testemunha’, para que cada um saiba, quando professa a unidade de Deus, que seu coração deve estar comprometido, e livre de qualquer outro pensamento, porque Deus é uma testemunha e conhece todas as coisas” (J. H. Mich. Bibl. Hebr.).

Isto não significa que Jeová é um só Deus, somente Jeová (Abenezra), pois nesse caso לבדּו יהוה seria usado em vez de אחד יהוה; menos ainda Jeová nosso Deus, ou seja, Jeová é um só (J. H. Michaelis). אחד יהוה juntos formam o predicado da sentença. A idéia não é, Jeová nosso Deus é um (o único) Deus, mas “um (ou o único) Jeová”: não neste sentido, porém, que “Ele não adotou um modo de revelação ou aparência aqui e outro ali, mas um só modo, em outras palavras, a revelação que Israel recebeu” (Schultz); pois Jeová nunca denota apenas um modo no qual o verdadeiro Deus é revelado ou aparece, mas Deus como o absoluto, incondicionado, ou Deus de acordo com a absoluta independência e constância de Suas ações. Portanto, o que aqui se baseia de Jeová (Jeová um) não se relaciona com a unidade de Deus, mas simplesmente afirma que é somente a Ele que o nome Jeová pertence por direito, que Ele é o único Deus absoluto, ao qual nenhum outro Elohim pode ser comparado. Este é também o significado da mesma expressão em Zacarias 14:9, onde as palavras acrescentadas, “e Seu nome um”, só podem significar que no futuro Jeová seria reconhecido como o único Deus absoluto, como Rei sobre toda a terra. Esta cláusula não apenas exclui o politeísmo, mas também o sincretismo, que reduz o único Deus absoluto a uma divindade nacional, um Baal (Oséias 2:18), e de fato toda forma de teísmo e deísmo, que cria para si mesmo um Deus supremo de acordo com abstrações e idéias filosóficas. Para Jeová, embora o absoluto, não é uma noção abstrata como “ser absoluto” ou “a idéia absoluta”, mas o Deus absolutamente vivo, como Ele se fez conhecido em suas obras em Israel para a salvação do mundo inteiro. [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

9 E as escreverás nos umbrais de tua casa, e em tuas entradas.

Comentário de Keil e Delitzsch

(6-9) Com Deuteronômio 6:4 começa a entrega da lei, que não é uma nova lei acrescentada aos dez mandamentos, mas simplesmente o desenvolvimento e desdobramento das leis e direitos do pacto contidos como um germe no decálogo, simplesmente uma exposição da lei, como já havia sido anunciado em Deuteronômio 1:5. A exposição começa com uma explicação e aplicação do primeiro mandamento. Há duas coisas contidas nela: (1) que Jeová é o único Deus absoluto; (2) que Ele requer amor com todo o coração, toda a alma, e toda a força. “Jeová, nosso Deus, é um só Jeová”.

(Nota: Sobre a majuscula ע e ד em שׁמע e אחד, R. Bochin tem esta observação: “É possível confessar um só Deus com a boca, embora o coração esteja longe dEle”. Por esta razão, ע e ד são majusculas, das quais o tsere subscreveu a palavra עד, ‘uma testemunha’, para que cada um saiba, quando professa a unidade de Deus, que seu coração deve estar comprometido, e livre de qualquer outro pensamento, porque Deus é uma testemunha e conhece todas as coisas” (J. H. Mich. Bibl. Hebr.).

Isto não significa que Jeová é um só Deus, somente Jeová (Abenezra), pois nesse caso לבדּו יהוה seria usado em vez de אחד יהוה; menos ainda Jeová nosso Deus, ou seja, Jeová é um só (J. H. Michaelis). אחד יהוה juntos formam o predicado da sentença. A idéia não é, Jeová nosso Deus é um (o único) Deus, mas “um (ou o único) Jeová”: não neste sentido, porém, que “Ele não adotou um modo de revelação ou aparência aqui e outro ali, mas um só modo, em outras palavras, a revelação que Israel recebeu” (Schultz); pois Jeová nunca denota apenas um modo no qual o verdadeiro Deus é revelado ou aparece, mas Deus como o absoluto, incondicionado, ou Deus de acordo com a absoluta independência e constância de Suas ações. Portanto, o que aqui se baseia de Jeová (Jeová um) não se relaciona com a unidade de Deus, mas simplesmente afirma que é somente a Ele que o nome Jeová pertence por direito, que Ele é o único Deus absoluto, ao qual nenhum outro Elohim pode ser comparado. Este é também o significado da mesma expressão em Zacarias 14:9, onde as palavras acrescentadas, “e Seu nome um”, só podem significar que no futuro Jeová seria reconhecido como o único Deus absoluto, como Rei sobre toda a terra. Esta cláusula não apenas exclui o politeísmo, mas também o sincretismo, que reduz o único Deus absoluto a uma divindade nacional, um Baal (Oséias 2:18), e de fato toda forma de teísmo e deísmo, que cria para si mesmo um Deus supremo de acordo com abstrações e idéias filosóficas. Para Jeová, embora o absoluto, não é uma noção abstrata como “ser absoluto” ou “a idéia absoluta”, mas o Deus absolutamente vivo, como Ele se fez conhecido em suas obras em Israel para a salvação do mundo inteiro. [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

Exortação à obediência

10 E será, quando o SENHOR teu Deus te houver introduzido na terra que jurou a teus pais Abraão, Isaque, e Jacó, que te daria; em cidades grandes e boas que tu não edificaste,

Comentário de Keil e Delitzsch

(10-11) À declaração positiva do comando está anexado, no lugar seguinte, o lado negativo, ou uma advertência contra o perigo ao qual a prosperidade e uma abundância de bens terrenos tão certamente expõem, em outras palavras, de esquecer o Senhor e Suas manifestações de misericórdia. Os israelitas estavam ainda mais expostos a este perigo, pois sua entrada em Canaã os levou à posse de todas as coisas favoráveis ao bem-estar, nas quais a terra abundava, sem estar sob a necessidade de adquiri-las pelo trabalho de suas próprias mãos; – à posse, isto é, de grandes e belas cidades que não haviam construído, de casas cheias de todo tipo de coisas boas que não haviam enchido, de poços prontos que não haviam cavado, de vinhedos e olivais que não haviam plantado. – Os substantivos ערים, etc. dependem formalmente do לך לתת, e servem como uma descrição detalhada da terra na qual o Senhor estava prestes a conduzir Seu povo. [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

11 E casas cheias de todo ainda que tu não encheste, e cisternas cavadas, que tu não cavaste, vinhas e olivais que não plantaste: logo que comeres e te fartares,

Comentário de Keil e Delitzsch

(10-11) À declaração positiva do comando está anexado, no lugar seguinte, o lado negativo, ou uma advertência contra o perigo ao qual a prosperidade e uma abundância de bens terrenos tão certamente expõem, em outras palavras, de esquecer o Senhor e Suas manifestações de misericórdia. Os israelitas estavam ainda mais expostos a este perigo, pois sua entrada em Canaã os levou à posse de todas as coisas favoráveis ao bem-estar, nas quais a terra abundava, sem estar sob a necessidade de adquiri-las pelo trabalho de suas próprias mãos; – à posse, isto é, de grandes e belas cidades que não haviam construído, de casas cheias de todo tipo de coisas boas que não haviam enchido, de poços prontos que não haviam cavado, de vinhedos e olivais que não haviam plantado. – Os substantivos ערים, etc. dependem formalmente do לך לתת, e servem como uma descrição detalhada da terra na qual o Senhor estava prestes a conduzir Seu povo. [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

12 Guarda-te que não te esqueças do SENHOR, que te tirou da terra do Egito, de casa de servos.

Comentário de Keil e Delitzsch

(12-13) “Casa da servidão”, como em Êxodo 13:3. “Não esquecer” é descrito de um ponto de vista positivo, como temer a Deus, servi-Lo e jurar por Seu nome. O medo é colocado em primeiro lugar, como a característica fundamental do culto israelita a Deus; não era medo escravo, mas simplesmente o temor santo de um pecador diante do Deus santo, que inclui o amor em vez de excluí-lo. “Temer” é uma questão do coração; “servir”, uma questão de trabalhar e lutar; e “jurar em Seu nome”, a manifestação prática da adoração a Deus em palavras e conversas. Refere-se não apenas a um juramento solene perante um tribunal judicial, mas sim a asseverações sobre juramento no ato sexual comum da vida, pelo qual a atitude religiosa de um homem se revela involuntariamente. [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

13 Ao SENHOR teu Deus temerás, e a ele servirás, e por seu nome jurarás.

Comentário de Keil e Delitzsch

(12-13) “Casa da servidão”, como em Êxodo 13:3. “Não esquecer” é descrito de um ponto de vista positivo, como temer a Deus, servi-Lo e jurar por Seu nome. O medo é colocado em primeiro lugar, como a característica fundamental do culto israelita a Deus; não era medo escravo, mas simplesmente o temor santo de um pecador diante do Deus santo, que inclui o amor em vez de excluí-lo. “Temer” é uma questão do coração; “servir”, uma questão de trabalhar e lutar; e “jurar em Seu nome”, a manifestação prática da adoração a Deus em palavras e conversas. Refere-se não apenas a um juramento solene perante um tribunal judicial, mas sim a asseverações sobre juramento no ato sexual comum da vida, pelo qual a atitude religiosa de um homem se revela involuntariamente. [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

14 Não andareis após deuses alheios, dos deuses dos povos que estão em vossos entornos:

Comentário de Keil e Delitzsch

(14-16) A adoração de Jeová não só exclui toda idolatria, que o Senhor, como Deus ciumento, não suportará (ver em Êxodo 20:5), mas punirá com destruição da terra (“a face da terra”, como em Êxodo 32:12); mas também exclui a tentação do Senhor por um murmúrio descrente contra Deus, se Ele não remover imediatamente qualquer tipo de angústia, como o povo já havia pecado em Massah, ou seja, em Rephidim (Êxodo 17:1-7). [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

15 Porque o Deus zeloso, o SENHOR teu Deus, em meio de ti está; para que não se inflame o furor do SENHOR teu Deus contra ti, e te destrua de sobre a face da terra.

Comentário de Robert Jamieson

Porque o Deus zeloso, o SENHOR teu Deus, em meio de ti está – A ameaça neste versículo, anexado a Deuteronômio 6:14, era provavelmente aplicável a violações tanto do primeiro como do segundo mandamento, (veja as notas em Êxodo 20:5; 34:1-35). [JFU]

16 Não tentareis ao SENHOR vosso Deus, como o tentastes em Massá.

Comentário de Keil e Delitzsch

(14-16) A adoração de Jeová não só exclui toda idolatria, que o Senhor, como Deus ciumento, não suportará (ver em Êxodo 20:5), mas punirá com destruição da terra (“a face da terra”, como em Êxodo 32:12); mas também exclui a tentação do Senhor por um murmúrio descrente contra Deus, se Ele não remover imediatamente qualquer tipo de angústia, como o povo já havia pecado em Massah, ou seja, em Rephidim (Êxodo 17:1-7). [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

17 Guardai cuidadosamente os mandamentos do SENHOR vosso Deus, e seus testemunhos, e seus estatutos, que te mandou.

Comentário de Keil e Delitzsch

(17-19) Eles deveriam antes observar diligentemente todos os Seus mandamentos e fazer o que era certo e bom aos Seus olhos. O infinitivo וגו להדף contém o desenvolvimento posterior de וגו ייטב למען: “para que Ele (Jeová) expulse todos os teus inimigos diante de ti, como Ele falou” (em outras palavras, Êxodo 23:27, Deuteronômio 34:11). [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

18 E farás o correto e bom aos olhos do SENHOR, para que te vá bem, e entres e possuas a boa terra que o SENHOR jurou a teus pais;

Comentário de Keil e Delitzsch

(17-19) Eles deveriam antes observar diligentemente todos os Seus mandamentos e fazer o que era certo e bom aos Seus olhos. O infinitivo וגו להדף contém o desenvolvimento posterior de וגו ייטב למען: “para que Ele (Jeová) expulse todos os teus inimigos diante de ti, como Ele falou” (em outras palavras, Êxodo 23:27, Deuteronômio 34:11). [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

19 Para que ele expulse a todos os seus inimigos de diante de ti, como o SENHOR disse.

Comentário de Keil e Delitzsch

(17-19) Eles deveriam antes observar diligentemente todos os Seus mandamentos e fazer o que era certo e bom aos Seus olhos. O infinitivo וגו להדף contém o desenvolvimento posterior de וגו ייטב למען: “para que Ele (Jeová) expulse todos os teus inimigos diante de ti, como Ele falou” (em outras palavras, Êxodo 23:27, Deuteronômio 34:11). [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

20 Quando amanhã te perguntar teu filho, dizendo: Que significam os testemunhos, e estatutos, e regulamentos, que o SENHOR nosso Deus vos mandou?

Comentário de Robert Jamieson

Quando amanhã te perguntar teu filho, dizendo – As instruções dadas para a instrução de seus filhos formam apenas uma extensão dos conselhos precedentes. [JFB]

21 Então dirás a teu filho: Nós éramos servos de Faraó no Egito, e o SENHOR tirou do Egito com mão forte;

Comentário de Keil e Delitzsch

(20-24) Em Deuteronomio 6:20-25, o ensino para as crianças, que é apenas brevemente sugerido em Deuteronômio 6:7, é explicado de forma mais completa. Os israelitas deveriam instruir seus filhos e descendentes quanto à natureza, significado e objeto dos mandamentos do Senhor; e em resposta às perguntas de seus filhos, ensinar-lhes o que o Senhor havia feito para a redenção de Israel da escravidão do Egito, e como Ele os havia trazido para a terra prometida, e assim despertar na geração mais jovem o amor ao Senhor e a Seus mandamentos. Os “grandes e dolorosos milagres” (Deuteronômio 6:22) foram as pragas egípcias, como מפתּים, em Deuteronômio 4:34. – “Temer”, etc., ou seja, temer ao Senhor. [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

22 E deu o SENHOR sinais e milagres grandes e nocivos no Egito, sobre Faraó e sobre toda sua casa, diante de nossos olhos;

Comentário de Keil e Delitzsch

(20-24) Em Deuteronomio 6:20-25, o ensino para as crianças, que é apenas brevemente sugerido em Deuteronômio 6:7, é explicado de forma mais completa. Os israelitas deveriam instruir seus filhos e descendentes quanto à natureza, significado e objeto dos mandamentos do Senhor; e em resposta às perguntas de seus filhos, ensinar-lhes o que o Senhor havia feito para a redenção de Israel da escravidão do Egito, e como Ele os havia trazido para a terra prometida, e assim despertar na geração mais jovem o amor ao Senhor e a Seus mandamentos. Os “grandes e dolorosos milagres” (Deuteronômio 6:22) foram as pragas egípcias, como מפתּים, em Deuteronômio 4:34. – “Temer”, etc., ou seja, temer ao Senhor. [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

23 E tirou-nos dali, para trazer-nos e dar-nos a terra que jurou a nossos pais;

Comentário de Keil e Delitzsch

(20-24) Em Deuteronomio 6:20-25, o ensino para as crianças, que é apenas brevemente sugerido em Deuteronômio 6:7, é explicado de forma mais completa. Os israelitas deveriam instruir seus filhos e descendentes quanto à natureza, significado e objeto dos mandamentos do Senhor; e em resposta às perguntas de seus filhos, ensinar-lhes o que o Senhor havia feito para a redenção de Israel da escravidão do Egito, e como Ele os havia trazido para a terra prometida, e assim despertar na geração mais jovem o amor ao Senhor e a Seus mandamentos. Os “grandes e dolorosos milagres” (Deuteronômio 6:22) foram as pragas egípcias, como מפתּים, em Deuteronômio 4:34. – “Temer”, etc., ou seja, temer ao Senhor. [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

24 E mandou-nos o SENHOR que executássemos todos estes estatutos, e que temamos ao SENHOR nosso Deus, para que nos vá bem todos os dias, e para que nos dê vida, como hoje.

Comentário de Keil e Delitzsch

(20-24) Em Deuteronomio 6:20-25, o ensino para as crianças, que é apenas brevemente sugerido em Deuteronômio 6:7, é explicado de forma mais completa. Os israelitas deveriam instruir seus filhos e descendentes quanto à natureza, significado e objeto dos mandamentos do Senhor; e em resposta às perguntas de seus filhos, ensinar-lhes o que o Senhor havia feito para a redenção de Israel da escravidão do Egito, e como Ele os havia trazido para a terra prometida, e assim despertar na geração mais jovem o amor ao Senhor e a Seus mandamentos. Os “grandes e dolorosos milagres” (Deuteronômio 6:22) foram as pragas egípcias, como מפתּים, em Deuteronômio 4:34. – “Temer”, etc., ou seja, temer ao Senhor. [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

25 E teremos justiça quando cuidarmos de pôr por obra todos estes mandamentos diante do SENHOR nosso Deus, como ele nos mandou.

Comentário de Keil e Delitzsch

“E a justiça será para nós, se observarmos a fazer”: ou seja, nossa justiça consistirá na observância da lei; seremos considerados e tratados por Deus como justos, se formos diligentes na observância da lei. “Diante de Jeová” refere-se principalmente, sem dúvida, à expressão “fazer todos estes mandamentos”; mas, como podemos ver em Deuteronômio 24:13, isso não impede a referência adicional à “justiça” também. Essa justiça diante de Jeová, é verdade, não é realmente a “justiça da fé” do evangelho; mas não há oposição entre os dois, pois a justiça mencionada aqui não se baseia na justiça externa (farisaica) das obras, mas em um esforço sincero pelo cumprimento da lei, para amar a Deus de todo o coração; e esse amor é totalmente impossível sem uma fé viva. [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

<Deuteronômio 5 Deuteronômio 7>

Visão geral de Deuteronômio

Em Deuteronômio, “Moisés entrega as suas últimas palavras de sabedoria e precaução antes dos Israelitas entrarem na terra prometida, desafiando-os a serem fiéis a Deus”. Tenha uma visão geral deste livro através do vídeo a seguir produzido pelo BibleProject. (9 minutos)

🔗 Abrir vídeo no Youtube.

Leia também uma introdução ao livro de Deuteronômio.

Todas as Escrituras em português citadas são da Bíblia Livre (BLIVRE), Copyright © Diego Santos, Mario Sérgio, e Marco Teles – fevereiro de 2018.