Bíblia

Deuteronômio 6

O grande mandamento: amar a Deus

1 Estes, pois são os mandamentos, estatutos, e regulamentos que o SENHOR vosso Deus mandou que vos ensinasse, para que os ponhais por obra na terra à qual passais vós para possuí-la:

O grande propósito de todas as instituições prescritas a Israel era formar um pessoas religiosas, cujo caráter nacional deve ser distinguido pelo temor do Senhor seu Deus, que asseguraria sua divina observância de Sua adoração e sua firme obediência à Sua vontade. A base de sua religião era um reconhecimento da unidade de Deus com o entendimento e o amor de Deus no coração (Dt 6:4-5). Comparado com o credo religioso de todos os seus contemporâneos, quão sólido em princípio, quão elevado em caráter, quão ilimitado na extensão de sua influência moral sobre o coração e hábitos do povo! De fato, é precisamente a mesma base sobre a qual repousa a forma mais pura e mais espiritual do que o cristianismo exibe (Mt 22:37; Mc 12:30; Lc 10:27). Além disso, para ajudar a manter um senso de religião em suas mentes, foi ordenado que seus grandes princípios fossem levados aonde quer que fossem, bem como os olhos deles, sempre que entrassem em seus lares. Uma outra provisão foi feita para a inculcação sincera deles nas mentes dos jovens, por meio de um sistema de educação dos pais, destinado a associar a religião a todas as situações mais familiares e muitas vezes recorrentes da vida doméstica. É provável que Moisés tenha usado a fraseologia em Deuteronômio 6:7 apenas de maneira figurada, para significar instrução assídua, séria e frequente; e talvez ele quisesse dizer que a linguagem metafórica em Deuteronômio 6:8 deveria ser tomada no mesmo sentido também. Mas como os israelitas o interpretaram literalmente, muitos escritores supõem que foi feita uma referência a um costume supersticioso emprestado dos egípcios, que usavam jóias e bugigangas ornamentais na testa e no braço, inscritos com certas palavras e frases, como amuletos para protegê-los do perigo. Estes, foi conjecturado, Moisés pretendia suplantar substituindo sentenças da lei; e assim os hebreus o entenderam, pois eles sempre consideraram o uso dos tefilins, ou frontais, uma obrigação permanente. A forma era a seguinte: Quatro pedaços de pergaminho, inscritos, o primeiro com Êxodo 13:2-10; o segundo com Êxodo 13:11-16; o terceiro com Deuteronômio 6:1-8; e o quarto, com Deuteronômio 11:18-21, foram colocados em uma caixa quadrada ou caixa de pele dura, no lado da qual foi colocada a letra hebraica (shin), e amarrados ao redor da testa com uma fita. Quando projetados para os braços, esses quatro textos foram escritos em um pedaço de pergaminho, que, além da tinta, foi cuidadosamente preparado para esse fim. Com relação ao outro uso supostamente aludido, os antigos egípcios tinham os lintéis e as imposições de suas portas e portões inscritos com frases indicativas de um presságio favorável (Wilkinson); e este ainda é o caso, pois no Egito e em outros países maometanos, as portas de entrada das casas (no Cairo, por exemplo) são pintadas de vermelho, branco e verde, ostentando as frases do Alcorão, como “Deus é o Criador”, “Deus é um, e Maomé é seu profeta”. Moisés pretendeu transformar este antigo e popular costume em algo melhor e ordenou que, em vez das antigas inscrições supersticiosas, fossem escritas as palavras de Deus, persuadindo e ordenando ao povo que mantivesse as leis em perpétua lembrança. [JFB]

2 Para que temas ao SENHOR teu Deus, guardando todos os seus estatutos e seus mandamentos que eu te mando, tu, e teu filho, e o filho de teu filho, todos os dias de tua vida, e que teus dias sejam prolongados.
3 Ouve, pois, ó Israel, e cuida de praticá-los, para que te vá bem, e sejais multiplicados, como te disse o SENHOR o Deus de teus pais, na terra que destila leite e mel.
4 Ouve, Israel: o SENHOR nosso Deus, o SENHOR um é:

Ou, como as palavras podem ser melhor traduzidas, ‘Ouve, ó Israel’: Yavé é nosso Deus (“Elohiym”, plural), somente Yavé”. A base da sua religião era o reconhecimento da unidade de Deus com a compreensão e o amor de Deus no coração (Dt 6:4-5). O teu coração, a sede do sentimento e dos afetos – nomeadamente, do amor. A tua alma, o espírito vital; também a mente racional, como capaz da percepção e pensamento inteligente. E assim esta lei é interpretada nos Evangelhos (Mt 22:37; Mc 12:30; Lc 10:27).

Comparado com o credo religioso de todos os seus contemporâneos, quão sólido em princípio, quão elevado em caráter, quão ilimitado na extensão de sua influência moral no coração e nos hábitos do povo! De fato, é precisamente a mesma base sobre a qual repousa a forma mais pura e mais espiritual da mesma que o cristianismo exibe; mas é observável que uma crença na unidade de Deus foi um princípio fundamental não apenas da sua fé, mas da sua constituição política. O tecido social em todas as outras nações contemporâneas repousava sobre a suposta verdade do politeísmo; e os próprios israelitas estavam tão profundamente contaminados com o espírito da idolatria que os maravilhosos milagres do êxodo não podiam erradicar totalmente essa tendência tão estimada, nem mantê-los fiéis ao culto e serviço do verdadeiro Deus. A sabedoria de Deus, que os havia separado para altos propósitos, previa que sua política civil estivesse essencialmente ligada à adoração do único Deus vivo e verdadeiro; de modo que sua história nacional se tornasse uma história da Igreja; e no momento em que abandonaram o serviço de Deus, eles deixaram de existir como uma nação.

Além disso, para ajudar a manter um sentido de religião em suas mentes, foi ordenado que seus grandes princípios deveriam ser levados consigo onde quer que eles fossem, bem como encontrar seus olhos cada vez que eles entrassem em suas casas. Uma outra provisão foi feita para a inculcação cuidadosa deles nas mentes dos jovens, por um sistema de aperfeiçoamento dos pais, destinado a associar a religião a todas as situações mais familiares e muitas vezes recorrentes da vida doméstica.  [JFU]

5 E Amarás ao SENHOR teu Deus de todo teu coração, e de toda tua alma, e com todo tua poder.
6 E estas palavras que eu te mando hoje, estarão sobre teu coração:
7 E as repetirás a teus filhos, e falarás delas estando em tua casa, e andando pelo caminho, e ao deitar-te, e quando te levantes:
8 E hás de atá-las por sinal em tua mão, e estarão por frontais entre teus olhos:
9 E as escreverás nos umbrais de tua casa, e em tuas entradas.

Exortação à obediência

10 E será, quando o SENHOR teu Deus te houver introduzido na terra que jurou a teus pais Abraão, Isaque, e Jacó, que te daria; em cidades grandes e boas que tu não edificaste,
11 E casas cheias de todo ainda que tu não encheste, e cisternas cavadas, que tu não cavaste, vinhas e olivais que não plantaste: logo que comeres e te fartares,
12 Guarda-te que não te esqueças do SENHOR, que te tirou da terra do Egito, de casa de servos.
13 Ao SENHOR teu Deus temerás, e a ele servirás, e por seu nome jurarás.
14 Não andareis após deuses alheios, dos deuses dos povos que estão em vossos entornos:
15 Porque o Deus zeloso, o SENHOR teu Deus, em meio de ti está; para que não se inflame o furor do SENHOR teu Deus contra ti, e te destrua de sobre a face da terra.

Porque o Deus zeloso, o SENHOR teu Deus, em meio de ti está – A ameaça neste versículo, anexado a Deuteronômio 6:14, era provavelmente aplicável a violações tanto do primeiro como do segundo mandamento, (veja as notas em Êx 20:5; 34:1-35). [JFU]

16 Não tentareis ao SENHOR vosso Deus, como o tentastes em Massá.
17 Guardai cuidadosamente os mandamentos do SENHOR vosso Deus, e seus testemunhos, e seus estatutos, que te mandou.
18 E farás o correto e bom aos olhos do SENHOR, para que te vá bem, e entres e possuas a boa terra que o SENHOR jurou a teus pais;
19 Para que ele expulse a todos os seus inimigos de diante de ti, como o SENHOR disse.
20 Quando amanhã te perguntar teu filho, dizendo: Que significam os testemunhos, e estatutos, e regulamentos, que o SENHOR nosso Deus vos mandou?

Quando amanhã te perguntar teu filho, dizendo – As instruções dadas para a instrução de seus filhos formam apenas uma extensão dos conselhos precedentes. [JFB]

21 Então dirás a teu filho: Nós éramos servos de Faraó no Egito, e o SENHOR tirou do Egito com mão forte;
22 E deu o SENHOR sinais e milagres grandes e nocivos no Egito, sobre Faraó e sobre toda sua casa, diante de nossos olhos;
23 E tirou-nos dali, para trazer-nos e dar-nos a terra que jurou a nossos pais;
24 E mandou-nos o SENHOR que executássemos todos estes estatutos, e que temamos ao SENHOR nosso Deus, para que nos vá bem todos os dias, e para que nos dê vida, como hoje.
25 E teremos justiça quando cuidarmos de pôr por obra todos estes mandamentos diante do SENHOR nosso Deus, como ele nos mandou.
<Deuteronômio 5 Deuteronômio 7>

Leia também uma introdução ao livro de Deuteronômio.

Adaptado de: Commentary Critical and Explanatory on the Whole Bible. Todas as Escrituras em português citadas são da Bíblia Livre (BLIVRE), Copyright © Diego Santos, Mario Sérgio, e Marco Teles – fevereiro de 2018.