Isaías 24

1 Eis que o SENHOR esvazia a terra, e a assola; e transtorna sua superfície, e espalha seus moradores.

Comentário de A. R. Fausset

Os quatro capítulos (o vigésimo quarto ao vigésimo sétimo) formam uma profecia poética contínua: descritiva da dispersão e das sucessivas calamidades dos judeus (Isaías 24:1-12); a pregação do Evangelho pelo primeiro hebreu converte em todo o mundo (Isaías 24:13-16); os juízos sobre os adversários da Igreja e seu triunfo final (Isaías 24:16-23); ação de graças pela derrota da facção apóstata (Isaías 25:1-12) e estabelecimento dos justos em paz duradoura (Isaías 26:1-21); julgamento sobre leviatã e purificação da Igreja (Isaías 27:1-13). Tendo tratado das várias nações em particular – Babilônia, Filistia, Moabe, Síria, Israel, Egito, Edom e Tiro (o representante de todos, como todos os reinos reuniram-se nele) – ele passa para os últimos tempos do mundo em grande e de Judá o representante e futuro chefe das igrejas.

a terra – sim, “a terra” de Judá (assim em Isaías 24:3,5-6; Joel 1:2). A desolação sob Nabucodonosor prefigurou aquila sob Tito. [JFB]

2 E isso acontecerá, tanto ao povo, como ao sacerdote; tanto ao servo, como a seu senhor; tanto à serva, como a sua senhora; tanto ao comprador, como ao vendedor; tanto a quem empresta, como ao que toma emprestado; tanto ao credor, como ao devedor.

Comentário de A. R. Fausset

tanto ao povo, como ao sacerdote – Todos igualmente compartilharão da mesma calamidade: nenhuma classe favorecida escapará (compare Ezequiel 7:12-13; Oséias 4:9; Apocalipse 6:15). [Fausset, aguardando revisão]

3 A terra será esvaziada por completo, e será saqueada por completo; pois o SENHOR pronunciou esta palavra.

Comentário de Keil e Delitzsch

(1-3) É profundamente característico de Isaías, que o início desta profecia, como Isaías 19:1, nos coloca imediatamente no meio da catástrofe, e condensa o conteúdo do quadro posterior de julgamento em algumas cláusulas rápidas, vigorosas, vívidas e abrangentes (como Isaías 15:1; Isaías 17:1; Isaías 23:1, compare com, Isaías 33:1). “Eis que Jeová esvazia a terra, e a desperdiça, e marreta sua forma, e espalha seus habitantes”. E acontece, quanto ao povo, assim ao sacerdote; quanto ao servo, assim a seu senhor; quanto à criada, assim a sua senhora; quanto ao comprador, assim ao vendedor; quanto ao emprestador, assim ao tomador; quanto ao credor, assim ao devedor. Esvaziar a terra é esvaziar, e saquear é saquear: pois Jeová disse esta palavra”. A pergunta, se o profeta está falando de um passado de julgamento futuro, que é de importância para a interpretação do todo, é respondida pelo fato de que com Isaías “hinnēh” (eis que) sempre se refere a algo futuro (Isaías 3:1; Isaías 17:1; Isaías 19:1; Isaías 30:27, etc.). E é somente em seu caso, que nos encontramos com profecias que começam tão imediatamente com hinnēh. Aqueles em Jeremias que mais se aproximam disto (em outras palavras, Jeremias 47:2; Jeremias 49:35, compare com, Isaías 51:1, e Ezequiel 29:3) de fato começam com hinnēh, mas não sem serem precedidos por uma fórmula introdutória. A abertura “eis” corresponde ao confirmatório “pois Jeová falou”, que é sempre empregado por Isaías no encerramento das declarações com relação ao futuro e ocorre principalmente, embora não exclusivamente, no livro de Isaías, a quem podemos reconhecer na descrição detalhada em Isaías 24: 2 (vid, Isaías 2,12-16; Isaías 3,2-3, Isaías 3,18-23, em comparação com Isaías 9,13; também com a descrição do julgamento em Isaías 19,2-4, que se fecha de maneira semelhante). Assim, logo no início encontramos as peculiaridades de Isaías; e Caspari está certo ao dizer que nenhuma profecia poderia começar com mais das características de Isaías do que a profecia que temos diante de nós. O jogo das palavras começa logo no início. Bâkak e bâlak (compare o árabe ballūka, um deserto vazio e nu) têm o mesmo anel, assim como em Naum 2:11, compare com, Isaías 24:3, e Jeremias 51:2. Os futuros nifais são intencionalmente escritos como verbos Pe-Vâv (tibbōk e tibbōz, em vez de tibbak e tibbaz), com o propósito de fazê-los rimar com os absolutos infinitivos (compare com, Isaías 22:13). Assim, novamente, caggebirtâh é tão escrito em vez de cigarbirtâh, para produzir uma maior semelhança com a sílaba de abertura das outras palavras. O formulário נשׁה é intercambiado com נשׁא) (como em 1Samuel 22:2), ou, de acordo com a forma de escrita de Kimchi, com נשׁא) (escrito com tzere), assim como em outras passagens nos encontramos com נשׁא junto com נשׁה, e, a julgar pelo árabe. ns’, para adiar ou creditar, a primeira é a forma primária. Nōsheh é o credor, e בו נשׁא אשׁר não é a pessoa que o tomou emprestado, mas, como נשה significa invariavelmente creditar (hiphil, dar crédito), a pessoa a quem ele credita (com ב objeto, como בּ נגשׂ em Isaías 9: 3), e não “a pessoa através de quem ele é נשׁא)”. (Hitzig sobre Jeremias 15:10). Portanto, “mutuante e mutuário, credor e devedor” (ou tomador de crédito). É um julgamento que abrange a todos, sem distinção de grau e condição; e é universal, não apenas em toda a terra de Israel (como até mesmo Drechsler faz הארץ), mas em toda a terra; pois como Arndt observa corretamente, הארץ significa “a terra” nesta passagem, inclusive, como em Isaías 11: 4, a idéia ética do Novo Testamento de “o mundo” (kosmos). [Delitzsch, aguardando revisão]

4 A terra chora e se murcha; o mundo enfraquece e se murcha; estão enfraquecidos os mais elevados do povo da terra;

Comentário de A. R. Fausset

mundo – o reino de Israel; como em Isaías 13:11, Babilônia.

elevados – literalmente, “a altura” do povo: abstrato para o concreto, ou seja, o povo alto; até mesmo os nobres compartilham o sofrimento geral. [Fausset, aguardando revisão]

5 Pois a terra está contaminada por causa de seus moradores; pois transgridem as leis, mudam os estatutos, e anulam o pacto eterno.

Comentário Cambridge

a terra está contaminada por causa de seus moradores. Que a terra de Israel é profanada pelos pecados de seu povo, é uma ideia proeminente no Antigo Testamento; a ideia é aqui estendida a toda a terra. A condição do mundo se assemelha àquela que precedeu o Dilúvio (Gênesis 6,11).

o pacto eterno. A expressão é tirada de Gênesis 9,16, e se refere ao pacto feito após a inundação com Noé e sua família como representantes da raça humana. O pecado do mundo está na violação destes princípios fundamentais da moralidade, especialmente a lei contra o assassinato, que é a principal estipulação do pacto noiaico (Gênesis 9,5-6). [Cambridge]

6 Pois isso, a maldição consome a terra; e os que nela habitam pagam por sua culpa; por isso serão queimados os moradores da terra, e poucos homens restarão.

Comentário de A. R. Fausset

terra – a terra.

queimados – ou seja, com a ira consumista do céu: seja internamente, como em Jó 30:30 (Rosenmuller); ou externamente, o profeta tem diante de seus olhos o povo sendo consumido com a seca secando de sua terra condenada (assim Joel 1:10,12), (Maurer) [Fausset, aguardando revisão]

7 O suco de uva chora, a vinha se enfraquece; todos os alegres de coração agora suspiram.

Comentário de A. R. Fausset

chora – porque não há quem a beba (Barnes). Pelo contrário, “tornou-se insípido” [Horsley].

languisheth – porque não há nenhum para cultivá-lo agora. [Fausset, aguardando revisão]

8 A alegria dos tamborins parou, acabou o ruído dos que saltavam de prazer; a alegria da harpa parou.

Comentário de John Skinner

(8-9) Sobre o uso da música nas festas, junto com o vinho, ver Isaías 5:11-12; Amós 6:5. Os verbos em Isaías 24:9 devem ser traduzidos no tempo presente. [Skinner, aguardando revisão]

9 Não beberão vinho com canções; a bebida alcoólica será amarga aos que a beberem.

Comentário de A. R. Fausset

com uma canção – o habitual acompanhamento de festas.

bebida forte – (Veja em Isaías 5:11). “Vinho de data” [Horsley].

amargo – em consequência das calamidades nacionais. [Fausset, aguardando revisão]

10 A cidade da confusão está quebrada; todas as casas estão fechadas; ninguém pode entrar.

Comentário de A. R. Fausset

cidade da confusão – antes, “desolação”. Que Jerusalém seria; por antecipação é chamado assim. Horsley traduz: “A cidade está quebrada; é uma ruína.

cale-se – através do medo; ou melhor, “sufocado pelas ruínas”. [Fausset, aguardando revisão]

11 Um clamor de lamento por causa do vinho se ouve nas ruas; toda a alegria se escureceu; o prazer da terra sumiu.

Comentário de A. R. Fausset

clamor de lamento por causa do vinho – para afogar suas mágoas em bebida (Isaías 16:9); Joel 1:5, escrito mais ou menos na mesma época, assemelha-se a isso. [Fausset, aguardando revisão]

12 Só restou assolação na cidade; o portão foi feito em ruínas.

Comentário de A. R. Fausset

com a destruição – em vez disso “crash” (Gesenius). “Com um grande tumulto, o portão é derrubado” [Horsley]. [Fausset, aguardando revisão]

13 Porque assim será por entre a terra, e no meio destes povos; como quando se sacode a oliveira, e como as uvas que sobram depois de terminada a vindima.

Comentário de A. R. Fausset

a terra – Judéia. Coloque a vírgula depois de “terra”, não depois de “pessoas”. “Haverá entre o povo (um restante remanescente), como o tremor (a colheita posterior) de uma oliveira”; como na colheita de azeitonas, alguns permanecem nos ramos mais altos (Isaías 17:5-6). [Fausset, aguardando revisão]

14 Eles levantarão sua voz, e cantarão com alegria; por causa da glória do SENHOR, gritarão de alegria desde o mar.

Comentário de A. R. Fausset

Eles – aqueles que são deixados: o remanescente.

cantarão com alegria; por causa da glória do SENHOR – cante uma ação de graças pela bondade do Senhor, que tão misericordiosamente os preservou.

o mar – das terras distantes além do mar, para onde eles escaparam. [Fausset, aguardando revisão]

15 Por isso glorificai ao SENHOR no oriente; e no litoral ao nome do SENHOR, o Deus de Israel.

Comentário de A. R. Fausset

no fogo – Vitringa traduz, “nas cavernas”. Poderia significar o fogo da aflição (1Pedro 1:7)? Eles eram exilados na época. Os fogos soltam apenas as ligações carnais da alma, sem ferir um fio de cabelo, como no caso de Sadraque, Mesaque e Abednego. Lowth lê, nas ilhas (Ezequiel 26:18). Em vez disso, traduzimos por “fogos”, “nas regiões da luz da manhã”, isto é, a leste, em antítese às “ilhas do mar”, isto é, ao oeste (Maurer) Onde quer que sejais espalhados, leste ou oeste, ainda glorifique o Senhor (Malaquias 1:11). [Fausset, aguardando revisão]

16 Dos confins da terra ouvimos canções para a glória do Justo; mas eu digo: Fraqueza minha, fraqueza minha; ai de mim! Os enganadores enganam, e com enganação os enganadores agem enganosamente.

Comentário de A. R. Fausset

Canções para Deus vêm juntas para a Palestina de terras distantes, como um grande coro.

glória do Justo – o fardo dos cânticos (Isaías 26:2,7). No meio do exílio, a perda de seu templo e tudo o que é caro ao homem, sua confiança em Deus é inabalável. Essas canções lembram a alegria de outros tempos e extraem de Jerusalém suas atuais calamidades, o grito: “Minha magreza”. Horsley traduz: “glória para o Justo”; então minha magreza expressa seu senso de corrupção do homem, que levou os judeus, “os traidores traiçoeiros” (Jeremias 5:11), para crucificar o Justo; e sua deficiência de justiça que o fez precisar ser revestido da justiça do Justo (Salmo 106:15).

traficantes traidores – as nações estrangeiras que oprimem Jerusalém e superam-na por estratagemas (assim em Isaías 21:2) (Barnes). [Fausset, aguardando revisão]

17 Temor, cova e laço vem sobre ti, ó morador da terra.

Comentário de A. R. Fausset

Este verso explica a miséria falada em Isaías 24:16. Jeremias (Jeremias 48:43-44) usa as mesmas palavras. Eles são proverbiais; Isaías 24:18 expressando que os habitantes não estavam em lugar seguro; se eles escapassem de um perigo, caíam em outro e, pior, no lado oposto (Amós 5:19). “Medo” é o termo aplicado às cordas com penas de todas as cores que, quando tremulam no ar, assustam as feras na armadilha, ou pássaros na armadilha. Horsley faz a conexão. Indignado com o tratamento que o Justo recebeu, o profeta ameaça a terra culpada com vingança instantânea. [Fausset, aguardando revisão]

18 E será que, aquele que fugir do som de temor cairá na cova; e aquele que subir da cova, o laço o prenderá; pois as janelas do alto se abrem; e os fundamentos da terra tremerão.

Comentário de A. R. Fausset

medo – o grito projetado para despertar o jogo e levá-lo para a armadilha.

janelasabrem – tiradas do relato do dilúvio (Gênesis 7:11); as comportas. Assim, os juízos finais do fogo no mundo apóstata são comparados ao dilúvio (2Pedro 3:5-7). [Fausset, aguardando revisão]

19 A terra será quebrada por completo; a terra será totalmente partida, e será muito abalada.

Comentário de A. R. Fausset

A terra será quebrada por completo – imagem de um terremoto. [Fausset, aguardando revisão]

20 A terra balançará como um bêbado; e será abalada como uma choupana; e sua transgressão pesará sobre ela; cairá, e nunca mais se levantará.

Comentário de A. R. Fausset

será abalada como uma choupana – (Veja em Isaías 1:8). Aqui, um sofá suspenso, suspenso das árvores por cordões, como Niebuhr descreve como os guardiões árabes das terras têm, para permitir que eles vigiem e, ao mesmo tempo, estejam seguros das feras. Traduza: “Acenará de um lado para o outro como uma rede”, balançado pelo vento.

pesado sobre ele – como um fardo avassalador.

nunca mais se levantará – não significando que nunca se levantaria (Isaías 24:23), mas naquelas convulsões ela não se elevaria, certamente cairia. [Fausset, aguardando revisão]

21 E será que naquele dia o SENHOR visitará para punir aos exércitos do alto na altura, e aos reis da terra sobre a terra.

Comentário de A. R. Fausset

do alto – a hóstia celestial, isto é, a hoste visível do céu (a atual economia da natureza, afetada pelo sol, a lua e as estrelas, os objetos da idolatria, sendo abolidos, Isaías 65:17; 60:19). , simultaneamente com a política corrupta dos homens); ou melhor, “os governantes invisíveis das trevas deste mundo”, como mostra a antítese dos “reis da terra”. Os anjos, além disso, presidiam, por assim dizer, os reinos do mundo (Daniel 10:13,20-21). [Fausset, aguardando revisão]

22 E juntamente serão amontoados como presos numa masmorra; e serão encarcerados num cárcere; e muitos dias depois serão visitados.

Comentário de A. R. Fausset

no poço – sim, “para o poço” [Horsley]. “Na masmorra” (Maurer) Imagem de cativos empurrados juntos para uma masmorra.

cárcere – isto é, como em uma prisão. Isso lança luz sobre a passagem disputada, 1Pedro 3:19, onde também a prisão é figurativa: O “fechamento” dos judeus em Jerusalém sob Nabucodonosor, e novamente sob Tito, foi seguido por uma visita de misericórdia “depois muitos dias ”- setenta anos no caso do primeiro – o tempo ainda não se passou no caso do segundo. Horsley leva “visitado” em um mau sentido, isto é, na ira, como em Isaías 26:14; compare Isaías 29:6; a punição é a mais pesada no fato do atraso. Provavelmente uma dupla visitação é pretendida, libertação aos eleitos, ira a incrédulos endurecidos; como Isaías 24:23 claramente contempla juízos sobre pecadores orgulhosos, simbolizados pelo “sol” e “lua”. [Fausset, aguardando revisão]

23 E a lua será envergonhada, e o sol humilhado, quando o SENHOR dos exércitos reinar no monte de Sião, e em Jerusalém; e então perante seus anciãos haverá glória.

Comentário de A. R. Fausset

(Jeremias 3:17). Ainda futuro: do qual Jesus “entrada triunfal em Jerusalém entre hosannas era uma promessa.

seus anciãos – os anciãos do Seu povo; ou em geral, o seu povo antigo, os judeus. Após a derrubada dos reinos do mundo. Jeová será estabelecido com um esplendor que excede a luz do sol e da lua sob a ordem anterior das coisas (Isaías 60:19-20). [Fausset, aguardando revisão]

<Isaías 23 Isaías 25>

Visão geral de Isaías

Em Isaías, o profeta “anuncia que o julgamento de Deus irá purificar Israel e preparar o seu povo para a chegada do rei messiânico e de uma nova Jerusalém”. Para uma visão geral deste livro, assista ao breve vídeo abaixo produzido (em duas partes) pelo BibleProject.

Parte 1 (8 minutos).

🔗 Abrir vídeo no Youtube.

Parte 2 (9 minutos).

🔗 Abrir vídeo no Youtube.

Leia também uma introdução ao Livro de Isaías.

Todas as Escrituras em português citadas são da Bíblia Livre (BLIVRE), Copyright © Diego Santos, Mario Sérgio, e Marco Teles – fevereiro de 2018.