Bíblia, Revisar

Isaías 13

Mensagem importante
Olá visitante do Apologeta! Vou direto ao ponto: peço que você me ajude a manter este projeto. Atualmente a renda gerada através dos anúncios são insuficientes para que eu me dedique exclusivamente a ele. Se cada pessoa que ler essa mensagem hoje, doar o valor de R$10.00, eu poderia me dedicar integralmente ao Apologeta pelo próximo ano e ainda remover todas as propagandas do site (que eu sei que são um pouco incômodas). Tenho um propósito ousado com este site: traduzir e disponibilizar gratuitamente conteúdo teológico de qualidade. O que inclui um dicionário bíblico completo (+4000 verbetes) e comentário de todos os 31.105 versículos da Bíblia. Faça parte deste projeto e o ajude a continuar crescendo. Obrigado!

Do décimo terceiro ao vigésimo terceiro capítulos contêm profecias quanto a nações estrangeiras. Os décimo terceiro, décimo quarto e vigésimo sétimo capítulos contêm profecias quanto à Babilônia e Assíria.

1 Revelação sobre a Babilônia, vista por Isaías, filho de Amoz.

As previsões a respeito de nações estrangeiras são para o povo da aliança, para preservá-las do desespero, ou confiança em confederações humanas, e para fortalecer sua fé em Deus: também para extirpar nacionalidades tacanhas: Deus é Jeová para Israel não por amor de Israel, mas para que seja assim Elohim para as nações. Essas profecias estão em seu lugar cronológico correto, no início do reinado de Ezequias; então as nações da Ásia Ocidental, no Tigre e no Eufrates, assumiram pela primeira vez um aspecto mais ameaçador.

fardo – profecia pesada ou pesarosa (Grotius). Caso contrário, simplesmente, a declaração profética, a partir de uma raiz hebraica para apresentar com a voz qualquer coisa, como em Nm 23:7 (Maurer)

da Babilônia – sobre a Babilônia.

2 Levantai uma bandeira sobre um alto monte, levantai a voz a eles; movei a mão ao alto, para que entrem pelas portas dos príncipes.

banner – (Is 5:26; Is 11:10).

um alto monte – sim, “uma montanha nua (literalmente, ‘calva’, isto é, sem árvores)”; dela, a bandeira podia ser vista de longe, a fim de reunir os povos contra a Babilônia.

a eles – aos medos (Is 13:17), os assaltantes da Babilônia. É notável que Isaías não preveja aqui o cativeiro dos judeus na Babilônia, mas pressupõe esse evento, e se lança além, prevendo outro evento ainda mais futuro, a derrubada dos opressores da cidade de Israel. Eram cento e setenta e quatro anos antes do evento.

agite … mão – acene com a mão – acene a mão para dirigir as nações a marcharem contra Babilônia.

nobres – babilônico. Pelo contrário, no mau sentido, tiranos; como em Is 14:5, “governantes” em paralelismo com “os ímpios”; e Jó 21:28 (Maurer)

3 Eu dei ordens aos meus santificados; também chamei aos meus guerreiros para minha ira, aos que se alegram com minha glória.

meus santificados – os soldados medianos e persas solenemente separados por Mim para a destruição de Babilônia, não interiormente “santificados”, mas designados para cumprir o santo propósito de Deus (Jr 51:27-28; Jl 3:9,11, onde o hebraico para preparar a guerra é “santificar” a guerra).

para minha raiva – para executá-lo.

se alegram com minha glória – “Aqueles que são feitos para triunfar por minha honra” [Horsley]. Não se pode dizer que os pagãos Medos “se regozijem na altu- ra de Deus”. Maurer traduz: “Meus soberbos exultantes” (Sf 3:11); uma característica especial dos persas [Heródoto, 1,88]. Eles se regozijaram em sua própria alteza, mas foi dEle que eles estavam inconscientemente glorificando.

4 Há um ruído de tumulto sobre os montes, como o de um imenso povo; ruído de multidões de reinos de nações reunidas; o SENHOR dos exércitos está revistando um exército para a guerra.

os montes – ou seja, que separam a Mídia e a Assíria, e em uma delas é suposto que a bandeira para reunir os anfitriões seja criada.

ruído de multidões – Os babilônios são vividamente representados como ouvindo algum som não usual como o barulho de um anfitrião; eles tentam distinguir os sons, mas só conseguem perceber um ruído tumultuoso.

nações – Medos, persas e armênios compuseram o exército de Ciro.

5 Eles vêm de uma terra distante, desde a extremidade do céu; o SENHOR e os instrumentos de seu furor, para destruir toda aquela terra.

Eles – a saber, “Jeová” e os exércitos que são “as armas de Sua indignação”.

país distante – Mídia e Pérsia, estendendo-se para o extremo norte e leste.

fim do céu – o extremo oriente (Salmo 19: 6).

destruir – sim, “aproveitar” [Horsley].

6 Gritai lamentando, pois o dia do SENHOR está perto; vem como assolação pelo Todo-Poderoso.

dia do SENHOR – dia de sua vingança na Babilônia (Is 2:12). Tipo do futuro “dia da ira” (Ap 6:17).

destruição – literalmente, “uma tempestade devastadora”.

pelo Todo-Poderoso – não do mero homem; portanto irresistível. “Todo-Poderoso”, hebraico, {Shaddai}.

7 Por isso todas as mãos ficarão fracas, e o coração de todos os homens se derreterá.

derreterá – Então Jr 50:43; compare com Js 7:5. Babilônia foi pega de surpresa na noite da festa ímpia de Belsazar (Dn 5:30). Daí o súbito desmaio e o derretimento dos corações.

8 E ficarão aterrorizados; serão tomados por dores e angústias; sofrerão como mulher com dores de parto; cada um terá medo de seu próximo, seus rostos serão rostos em chamas.

dores – O hebraico significa também um “mensageiro”. Horsley, portanto, com a Septuaginta traduz: “Os arautos (que trazem a notícia da invasão inesperada) estão aterrorizados.” Maurer concorda com a versão em inglês, literalmente, “eles tomarão conta de dores e tristezas.

mulher … travaileth – (1Ts 5:3).

espantado – o olhar estupido e perplexo de consternação.

faces … chamas – “suas vises têm o límpido matiz de fogo” [Horsley]; com angústia e indignação.

9 Eis que o dia do SENHOR vem horrendo, com furor e ira ardente, para pôr a terra em assolação, e destruir os pecadores nela.

cruel – não estritamente, mas insensivelmente justo; contra a misericórdia. Também respondendo à crueldade (no sentido estrito) da Babilônia em relação aos outros (Is 14:17), agora prestes a ser visitado em si mesmo.

a terra – “a terra” [Horsley]. A linguagem de Is 13:9-13 só pode se aplicar principalmente e parcialmente à Babilônia; plena e exaustivamente, os julgamentos futuros, em toda a terra. Compare Is 13:10 com Mt 24:29; Ap 8:12. Os pecados da Babilônia, arrogância (Is 13:11; 14:11; 47:7-8), crueldade, adoração falsa (Jr 50:38), perseguição ao povo de Deus (Is 47:6), são peculiarmente característicos do mundo anticristão dos últimos dias (Dn 11:32-37; Ap 17:3,6; 18:6-7,9-14,24).

10 Porque as estrelas dos céus e suas constelações não darão sua luz; o sol se escurecerá ao nascer, e a lua não brilhará com sua luz.

estrelas – figurativamente para anarquia, angústia e revoluções de reinos (Is 34:4; Jl 2:10; Ez 32:7-8; Am 8:9; Ap 6:12-14). Pode haver um cumprimento literal finalmente, sombreado sob esta imagem (Ap 21: 1).

constelações – hebraico, “um tolo” ou “um ímpio”; aplicada à constelação de Orion, que foi representada como um gigante ímpio (Nimrod deificado, o fundador da Babilônia) acorrentado ao céu. Veja em Jó 38:31.

11 Porque visitarei para punir sobre o mundo a maldade, e sobre os maus sua perversidade; e porei fim à arrogância dos soberbos, e abaterei o orgulho dos tiranos.

mundo – o ímpio do mundo (compare Isa 11: 4).

arrogância – o pecado que assedia a Babilônia (Dn 4:22,30).

os terríveis – sim, tiranos [Horsley].

12 Farei com que um varão seja mais raro que o ouro maciço, e um homem mais que o ouro fino de Ofir.

homemouro fino – eu vou cortar os defensores da Babilônia, que um homem solteiro será tão raro e precioso quanto o melhor ouro.

13 Por isso farei estremecer aos céus, e a terra se moverá de seu lugar, por causa do furor do SENHOR dos exércitos, e por causa de sua ardente ira.

Imagem para poderosas revoluções (Is 24:19; 34:4; Hb 3:6,10; Ag 2:6-7; Ap 20:11).

14 E será que, como uma corça em fuga, e como uma ovelha que ninguém recolhe, cada um se voltará para seu povo, e cada um fugirá para sua terra.

isso – Babylon.

ova – gazela; o mais tímido e facilmente assustado.

ninguém toma – ovelha indefesa, sem pastor (Zc 13:7).

todo homem… para seu próprio povo – Os “povos misturados” de terras estrangeiras devem fugir dela (Jr 50:16,28,37; 51:9).

15 Qualquer um que for achado, será traspassado; e qualquer um que se juntar a ele cairá pela espada.

encontrado – na cidade.

entrou – “interceptado” (Maurer) “Todo aquele que se retirou”, a saber, esconder-se nas casas (Gesenius).

16 E suas crianças serão despedaçadas perante seus olhos; suas casas serão saqueadas, e suas mulheres estupradas.

(Salmo 137: 8, Salmo 137: 9).

17 Eis que despertarei contra eles aos medos, que não se importarão com a prata, nem desejarão ouro.

medos – (Is 21:2; Jr 51:11,28). Naquela época eles estavam sujeitos à Assíria; Subsequentemente, Arbaces, sátrapa da Mídia, revoltou-se contra o afeminado Sardanapalo, rei da Assíria, destruiu Nínive e tornou-se rei da Mídia, no nono século b.

não se importarão com a prata – Em vão, alguém tentará comprar sua vida deles por um resgate. O pagão Xenofonte (Cyropaedia, 5, 1, 10) representa Ciro atribuindo essa característica aos medos, desconsiderando as riquezas. Uma curiosa confirmação desta profecia.

18 E com seus arcos despedaçarão aos rapazes, e não terão piedade do fruto do ventre; o olho deles não terá compaixão das crianças.

Arcos – no uso de que os persas eram particularmente qualificados.

19 Assim será Babilônia, a joia dos reinos, a beleza e o orgulho dos caldeus, semelhante a Sodoma e Gomorra, quando Deus as arruinou.

glória dos reinos – (Is 14:4; 47:5; Jr 51:41).

beleza de … excelência – hebraico, “a glória do orgulho” dos Caldeus; foi a sua glória e orgulho.

semelhanteGomorra – como totalmente (Jr 49:18; 50:40; Am 4:11). Tomado por Cyrus, limpando o canal feito para esvaziar as águas supérfluas do Eufrates, e direcionando o rio para este novo canal, de modo que ele pudesse entrar na cidade pela velha cama à noite.

20 Nunca mais será habitada, nem nela se morará, de geração em geração; nem o árabe armará ali sua tenda, nem os pastores farão descansar ali seus rebanhos.

Literalmente cumprida.

nem… tenda de campo árabe – Não só não deve ser uma residência permanente, mas nem mesmo um local de descanso temporário. Os árabes, por medo dos maus espíritos, e acreditando que o fantasma de Nimrod a assombrar, não passará a noite lá (compare Is 13:21).

nempastores – A região já foi mais fértil; mas, como o Eufrates já não está mais sendo mantido em seus canais anteriores, tornou-se um pântano estagnado, impróprio para os rebanhos; e nos resíduos de suas ruínas (tijolos e cimento) não cresce grama.

21 Mas os animais selvagens do deserto ali descansarão, e suas casas se encherão de animais medonhos; e ali habitarão corujas, e bodes selvagens saltarão ali.

animais selvagens – hebraico, “tsiyim}, animais que vivem em ermos áridos. Gatos selvagens, notáveis ​​por seu uivo [Bochart].

criaturas tristes – “bestas uivantes”, literalmente, “uivos” (Maurer)

corujas – sim, “avestruzes”; uma criatura tímida, deliciando-se em desertos solitários e fazendo um barulho hediondo [Bochart].

sátiros – semi-deuses silvestres – metade homem, metade bode – que os árabes acreditavam assombrar essas ruínas; provavelmente animais da espécie caprino-macaco (Vitringa). Devil-adoradores, que dançam entre as ruínas em uma certa noite [J. Wolff].

22 E as hienas uivarão em suas fortalezas, e chacais em seus confortáveis palácios. Pois está chegando bem perto o seu tempo, e os dias dela não se prolongarão.

feras selvagens das ilhas – em vez disso, “chacais”; chamado pelos árabes “filhos de uivos”; um animal a meio caminho entre uma raposa e um lobo [Bochart e Maurer].

chore – em vez disso, “responda”, “responda” um ao outro, como os lobos fazem à noite, produzindo um efeito muito sombrio.

dragões – serpentes de várias espécies, que assobiam e emitem sons dolorosos. A fábula lhes deu asas, porque estão em pé com a maior parte do corpo elevada e depois se lançam rapidamente. Maurer entende aqui outra espécie de chacal.

seu tempo … próximo – embora cento e setenta e quatro anos distante, mas “perto” de Isaías, que deveria estar falando aos judeus como se agora cativos na Babilônia (Is 14:1-2).

Leia também uma introdução ao Livro de Isaías.

Adaptado de: Commentary Critical and Explanatory on the Whole Bible. Todas as Escrituras em português citadas são da Bíblia Livre (BLIVRE), Copyright © Diego Santos, Mario Sérgio, e Marco Teles – fevereiro de 2018.

Conteúdos recomendados