Lucas 11

1 E aconteceu que ele estava orando em um certo lugar. Quando terminou, lhe disse um de seus discípulos:Senhor, ensina-nos a orar, como João também ensinou a seus discípulos.

Comentário de David Brown

um… – atingido com o assunto ou a maneira das orações do nosso Senhor.

como João… – A partir desta referência a João, é possível que o discípulo não tenha ouvido o Sermão da Montanha. Nada do ensinamento interno de João (para seus próprios discípulos) foi preservado para nós, mas podemos ter certeza de que ele nunca ensinou seus discípulos a dizer:”Pai Nosso”. [JFB, aguardando revisão]

2 E ele lhes disse:Quando orardes, dizei:Pai, santificado seja o teu nome; venha o teu Reino.

Comentário Cambridge

Quando orardes, dizei:Pai. ‘Oração do Senhor’ já havia sido consagrada no Sermão da Montanha (Mateus 6:9-13), mas agora foi entregue mais formalmente como um modelo. Vários paralelos para as diferentes petições da Oração do Senhor foram aduzidos a partir do Talmud, nem haveria nada de estranho em nosso Senhor, assim, carimbando com Sua sanção o que havia de mais sagrado nas petições que Seus compatriotas haviam aprendido do Espírito de Deus. Mas observe que (1) os paralelos são apenas para algumas das cláusulas (por exemplo, não para a quarta e quinta); (2) eles são em sua maioria distantes e imperfeitos; (3) não pode haver certeza quanto à sua prioridade, uma vez que mesmo a parte mais antiga do Talmud (a Mishná) não foi escrita até o segundo século depois de Cristo; (4) eles não estão em nenhum lugar misturados em uma petição incomparável. A beleza transcendente e o valor das lições da Oração do Senhor surgem (i) do tom da santa confiança:- ela nos ensina a nos aproximar de Deus como nosso Pai (Romanos 8:15), tanto no amor quanto no santo temor; (ii) seu altruísmo absoluto:- é oferecido no plural, não apenas para nós, mas para toda a irmandade do homem; (iii) toda a sua espiritualidade:- de suas sete petições, uma é apenas para qualquer benefício terreno, e a outra apenas para os mais simples; (iv) sua brevidade e ausência de todas as repetições vãs (Eclesiastes 5:2); (v) sua simplicidade, que não requer aprendizado, mas apenas santidade e sinceridade para sua compreensão universal. Por estas razões, os Padres o chamaram de “Epítome do Evangelho” e “a pérola das orações”.

[que estas no céu] Salmo 11:4. Esta cláusula, bem como “seja feita a tua vontade como no céu, assim também na terra” e “mas livra-nos do mal”, estão ausentes em alguns manuscritos e podem ser adições do texto de Mateus . Nesse caso, a oração seria assim:Ó Pai! Santificado seja o Teu nome. Venha o teu reino. Dê-nos o pão de cada dia. E perdoa-nos os nossos pecados, porque também perdoamos a todos os que nos têm dívidas. E não nos deixes cair em tentação.

santificado seja o teu nomev – isto é, santificado, tratado como santo. “Santo, Santo, Santo” é a adoração dos Serafins (Isaías 6:3). O ‘nome’ de Deus é usado para todos os atributos de Seu ser.

venha o teu Reino. Parece ter havido uma glosa inicial, ou leitura:“Desça sobre nós o Teu Espírito Santo e nos purifica” (mencionado por São Gregório de Nazianzo).

[seja feita a tua vontade]. Esta foi a única regra da vida de Cristo, João 5:30; João 6:38.

[como no céu]. “Bendito seja o Senhor, vós, seus anjos, que se sobressaem em força, que guardam os seus mandamentos, dando ouvidos à voz da sua palavra”, Salmos 103:20. [Cambridge, aguardando revisão]
3 Dá-nos cada dia nosso pão diário.

Comentário de David Brown

cada dia… – uma extensão da petição em Mateus para suprimento “deste dia”, para as necessidades de todos os dias sucessivos. A doxologia final, querendo aqui, está querendo também em todas as melhores e mais antigas cópias do Evangelho de Mateus. Talvez nosso Senhor propositalmente tenha deixado essa parte em aberto:e como as grandes doxologias judaicas estavam ressoando, e passaram imediata e naturalmente, em toda a sua consagrada familiaridade na Igreja Cristã, provavelmente essa oração nunca foi usada nas assembleias cristãs, mas em sua forma atual. , como encontramos em Mateus, enquanto que em Lucas foi permitido permanecer como expressado originalmente. [JFB, aguardando revisão]

4 E perdoa-nos nossos pecados, pois também perdoamos a todo aquele que nos deve. E não nos ponhas em tentação; mas livra-nos do mal.

Comentário de David Brown

mas livra-nos do mal. [Esta última cláusula é, por alguns críticos, excluída do texto, mas por garantia insuficiente, como julgamos.] Ver as notas em Mateus 6:9-13, com as observações correspondentes no final de essa seção. Não há nenhuma doxologia de fechamento aqui. Sobre a questão, se fazia parte da Oração do Senhor no Sermão da Montanha, veja a nota em Mateus 6:13. Talvez nosso Senhor tenha deixado propositalmente essa parte aberta; e como as grandes doxologias judaicas sempre ressoaram e passaram, imediata e naturalmente, em toda a sua sagrada familiaridade para a Igreja Cristã, provavelmente esta Oração nunca foi usada nas assembléias cristãs, mas em sua forma atual, como a encontramos em Mateus, enquanto em Lucas foi permitido permanecer como originalmente pronunciado. [JFU, aguardando revisão]

5 Disse-lhes também:Qual de vós que, tendo um amigo, se for a ele à meia-noite, e lhe disser:Amigo, empresta-me três pães.

Comentário de David Brown

à meia-noite … para um amigo está vindo – O calor em países quentes torna a noite preferível para viajar; mas “a meia-noite” está em toda parte uma hora de chamada muito fora de época, e por isso mesmo é aqui selecionada. [JFB, aguardando revisão]

6 Porque um amigo meu veio de viagem até mim, e nada tenho para lhe apresentar.

Comentário de David Brown

meu veio de viagem até mim, e nada tenho para lhe apresentar. O calor em países quentes torna a noite preferível ao dia para viajar; mas “meia-noite” é, em toda parte, a hora mais inusitada de convocação, e por isso mesmo é selecionada aqui. [JFU, aguardando revisão]

7 E ele de dentro, respondendo, disser:Não me perturbe! A porta já está fechada, e meus filhos estão comigo na cama; não posso me levantar para te dar.

Comentário de David Brown

Não me perturbe – o problema de torná-lo insensível tanto à urgência do caso quanto às alegações de amizade.

Eu não posso – sem esforço que ele não faria. [JFB, aguardando revisão]

8 Digo-vos, que ainda que ele não se levante para lhe dar por seu seu amigo, contudo, por sua teimosia ele se levantará, e lhe dará tudo quanto ele precisar.

Comentário de David Brown

teimosia – A palavra é forte – “falta de vergonha”; persistindo diante de tudo o que parecia razoável, e recusando-se a aceitar uma negação.

como muitos, etc. – Sua relutância, uma vez superada, todas as alegações de amizade e necessidade são sentidas ao máximo. O sentido é óbvio:se os grosseiros e auto-indulgentes – surdos tanto de amizade como de necessidade – podem, depois de uma recusa positiva, ser conquistados, por absoluta persistência, fazer tudo o que é necessário, quanto mais pode o mesmo determinar perseverança em Espera-se que a oração prevaleça com Ele cuja própria natureza é “rica para todos os que O invocam” (Romanos 10:12). [JFB, aguardando revisão]

9 E eu vos digo:pedi, e será vos dado; buscai, e achareis; batei, e vos será aberto.

Comentário Cambridge

pedi, e será vos dado. Mateus 7:7-11; Mateus 21:22; Marcos 11:24; João 16:23. Sem dúvida, esses ensinamentos foram repetidos mais de uma vez para diferentes ouvintes. A relutância de Deus em conceder nunca é mais do que em aparência e para o nosso bem (Mateus 15:28; Gênesis 32:28). [Cambridge, aguardando revisão]

10 Porque todo o que pede, recebe; e quem busca, acha; e quem bate, lhe será aberto.

Comentário Lange

Porque todo o que pede, recebe. Como o Salvador acabou de exortar a perseverança na oração, Ele agora fala da certeza de ser ouvido e dá aos Seus discípulos a compreensão de que a oração não é em vão, e que um desejo expresso é certamente cumprido, isto é, se pertence às boas dádivas que agora são representadas sob a imagem de pão, peixe e ovo. Mas se alguém, em sua tolice, implorar a um escorpião ou a uma cobra, o pai não seria pai se realizasse tal desejo. [Lange, aguardando revisão]

11 E que pai, dentre vós, a quem o filho pedir peixe, no lugar do peixe lhe dará uma serpente?

Comentário do Púlpito

O Mestre continua citando exemplos da amorosa Paternidade de Deus. Todo o tempo os homens pensavam coisas difíceis dele e de sua soberania. “Filhos”, exortou o Salvador, “tais coisas, uma parte tão cruel como vocês atribuíam ao amoroso Pai celestial em seus pensamentos sombrios e tristes, são simplesmente impensáveis no caso dos pais terrenos. Eles nunca fazem ouvidos surdos aos seus a súplica dos filhos; pensa que o seu Pai, que está nos céus, se recusará a ouvi-lo quando você realmente o invocar? ” [Pulpit, aguardando revisão]

12 Ou se também pedir um ovo, lhe dará um escorpião?

Comentário Whedon

um escorpião. A maioria dos escorpiões na Palestina é preta e comprida, parecendo uma lagosta e não um ovo. Mas Burckhardt e outros escritores antigos dizem que havia um escorpião branco que, quando dobrado, tinha este último semelhança. [Whedon, aguardando revisão]

13 Pois se vós, sendo maus, sabeis dar bons presentes para vossos filhos, quanto mais dará vosso Pai celestial, o Espírito Santo, a aqueles que lhe pedirem?

Comentário de David Brown

o Espírito Santo – em Mateus (Mateus 7:11), “bons dons”; o primeiro, o dom de dons que desce sobre a Igreja através de Cristo e compreende o segundo. [JFB, aguardando revisão]

14 E Jesus estava expulsando um demônio, e este era mudo. E aconteceu que, saindo o demônio, o mudo falou, e as multidões se maravilharam.

Comentário Cambridge

era mudo – ou seja, é claro, a possessão pelo espírito causava mudez no homem. Se este incidente for o mesmo de Mateus 12:22, o sofredor parece ter sido mudo, cego e louco.

as multidões se maravilharam. Exorcismos e tentativas de exorcismos (Atos 19:14) eram de fato comuns entre os judeus, mas aparentemente apenas nos casos mais simples, e nunca quando a possessão era complicada por cegueira e mudez. [Cambridge, aguardando revisão]

15 Porém alguns deles diziam:Ele expulsa aos demônios por Belzebu, príncipe dos demônios!

Comentário Cambridge

Porém alguns deles diziam. Aprendemos com Mateus (Mateus 12:24) que esta notável sugestão emanava dos “fariseus” e, como São Marcos (Lucas 3:20) acrescenta, dos “escribas que vieram de Jerusalém”, ou seja, os espiões que haviam sido expressamente enviado pelos hierarcas governantes para seguir os passos de Jesus e neutralizar Sua influência. A explicação era engenhosamente perversa e habilmente plausível para vir dos fariseus menos sofisticados da Galiléia.

Belzebu. O nome e a leitura estão envolvidos na obscuridade. Em 2Reis 1:3, somos informados de que Belzebu era o deus de Ecrom; e a LXX. e Josefo entendeu que o nome significa “senhor das moscas”. Ele pode ter sido um deus adorado para evitar as pragas das moscas na costa do mar baixo, como Zeus Apomuios (aviador de moscas) e Apollo Ipuktonos (matador de vermes). Mas outros interpretam o nome como significando “senhor do esterco”, e consideram-no como um dos apelidos insultuosos que os judeus de uma tradução literal de Êxodo 23:13 sentiram-se obrigados a aplicar a divindades pagãs. Neste lugar, talvez Belzebu seja a verdadeira leitura, e isso significa “senhor da habitação (celestial)”, ou seja, príncipe dos ares, Efésios 2:3. Possivelmente, o οἰκοδεσπότης de Mateus 10:25 é uma alusão a esse significado. Em qualquer caso, a acusação era a mesma do Talmud de que Jesus operou Seus milagres (que os judeus não fingiram negar) por meio de magia. [Cambridge, aguardando revisão]

16 E outros, tentando-o, pediam-lhe um sinal do céu.

Comentário Cambridge

tentando-o – ou seja, querer experimentá-lo, colocá-lo à prova. A tentação era precisamente análoga à do deserto – uma tentação de exercer um poder obstinado ou arbitrário para fins pessoais, ver Lucas 4:3; Lucas 4:12.

um sinal do céu. Eles persuadiram o povo de que Seus milagres foram realizados por artes profanas, e que tais artes seriam impossíveis em um sinal do céu como a Coluna de Nuvem, o Fogo de Elias, etc. Mas nosso Senhor recusou sua exigência. Milagres não deveriam ser concedidos à descrença insolente; nem eram da natureza de meros prodígios. Além disso, era Sua vontade obter convicção, não forçar a aceitação. Esta parece, portanto, ter sido a única arma de ataque que os fariseus acharam mais eficaz contra Ele – aquela que mais profundamente feriu Seu espírito e finalmente O expulsou da planície de Genesaré (Marcos 8:11-12). [Cambridge, aguardando revisão]

17 Mas ele, conhecendo seus pensamentos, disse-lhes:Todo reino dividido contra si mesmo é transformado num vazio, e a casa contra casa cai.

Comentário Cambridge

seus pensamentos – ou melhor, suas maquinações.

Todo reino dividido contra si mesmo… Mais resumidamente e de forma gráfica em Marcos “Como pode Satanás expulsar Satanás?” [Cambridge, aguardando revisão]

18 E se também Satanás está dividido contra si mesmo, como durará o seu reino? Porque dizeis:Por Belzebu ele expulsa aos demônios.

Comentário do Púlpito

Ao longo desse argumento, Jesus assume a existência de um reino do mal, todo armado e totalmente organizado para cumprir seus terríveis propósitos. Ele admite, também, em uma linguagem que não admite questionamento, a existência de um chefe desta confederação do mal. Ao longo de sua resposta, o Mestre, embora tendo em mente a habilidade e habilidade de seus inimigos que haviam sugerido este questionamento ao povo, dirige-se ao bom senso da multidão mista que estava presente nesta ocasião. O argumento é perfeitamente simples. Não é imaginável que o príncipe do mal lutaria contra si mesmo, o que ele faria se colocasse tais armas poderosas nas mãos de Jesus. [Pulpit, aguardando revisão]

19 E se eu expulso aos demônios por Belzebu, por quem os seus filhos expulsam? Portanto eles serão vossos juízes.

Comentário do Púlpito

Mas ele vai além em sua hábil linha de argumento. “Eu não sou o único”, disse Jesus, “que afirma expulsar demônios. Existem aqueles no meio de vocês, seus filhos, que fazem uma afirmação semelhante. Eles também entraram em aliança com este anjo mau? ” Uma questão foi levantada a respeito desses professos exorcistas de espíritos malignos a quem Jesus chama de “seus filhos”. Quem são eles? Alguns, notadamente os expositores patrísticos mais antigos, supuseram que nosso Senhor aqui aludiu a seus próprios apóstolos, a quem certamente foi dada uma medida desse poder sobre os espíritos imundos. Outros, que são idênticos aos “alunos dos sábios”, discípulos das grandes escolas rabínicas, como os presididos pelos famosos doutores do Talmud. Isso é perfeitamente possível; mas não temos prova de que exorcistas profissionais foram alunos em qualquer uma das escolas rabínicas conhecidas. É mais provável que por esse termo geral Jesus tenha aludido aos exorcistas. Estes foram, neste período da história judaica, numerosos. Eles são mencionados em Atos 19:13; por Josefo; a menção deles também é feita especialmente no Talmud, que até descreve algo sobre seu modo de procedimento. Nosso Senhor parece afirmar em alguns casos, até certo ponto, a eficácia do poder desses exorcistas. “Estes, judeus como vocês”, argumentou Jesus, “alguns deles, você sabe, pertencentes à sua própria seita fariseu, – estes em certos casos aparentemente expulsaram o espírito maligno da insanidade:você não os acusa, não é? de trabalhar com um anjo do mal? ” Godet, nos próximos sete versos, sugeriu uma nova linha de interpretação, que, embora geralmente preservando a exposição tradicional dos vários detalhes, fornece o pensamento de conexão entre os ver. 23 (“Quem não é comigo é contra mim”, etc.) e os versículos que precedem e seguem. Isso, aparentemente, nunca foi feito de forma satisfatória por nenhum comentarista. Na verdade, alguns, por exemplo De Wette e Bleek, são francos o suficiente para confessar que abandonam a tentativa. Nestes sete versos, Jesus desenha dois quadros, nos quais ele compara uma daquelas expulsões de espíritos malignos que ele trabalha com a de uma cura operada por um exorcista. [Pulpit, aguardando revisão]

20 Mas se eu expulso aos demônios pelo dedo de Deus, portanto o Reino de Deus chegou a vós.

Comentário de David Brown

pelo dedo de Deus – “o Espírito de Deus” (Mateus 12:28); o primeiro figurativamente denotando o poder de Deus, o segundo, o Agente Pessoal vivo em todo exercício dele. [JFB, aguardando revisão]

21 Quando o valente, armado, guarda seu palácio, seus bens estão em paz.

Comentário de David Brown

homem forte – significa Satanás.

armado – apontando para todos os métodos sutis e variados pelos quais ele exerce seu poder sombrio sobre os homens.

guarda – “guarda”.

seu palácio – homem seja visto em maior parte ou em almas individuais – quão significativo é o que os homens são para Satanás!

em paz – sem perturbações, seguro em sua posse. [JFB, aguardando revisão]

22 Mas vindo outro mais valente que ele, e vencendo-o, toma -lhe toda sua armadura, em que confiava, e reparte seus despojos.

Comentário de David Brown

mais forte que ele – Cristo:título glorioso, em relação a Satanás!

venha sobre ele e o domine – subliminarmente expressando a abordagem do Redentor, como a Semente da mulher, para ferir a cabeça da Serpente.

toma -lhe toda sua armadura – “sua panóplia”, “sua armadura completa”. Vã seria a vitória, não eram os meios de recuperar seu poder perdido arrancado dele. É isso que completa o triunfo e garante a derrota final de seu reino. A parábola que se segue imediatamente (Lucas 11:24-26) é exatamente o inverso disso. (Veja em Mateus 12:43-45.) No caso, Satanás é desalojado por Cristo, e assim encontra, em todos os assaltos futuros, a casa preocupada; no outro, ele simplesmente sai e entra novamente, encontrando a casa “VAZIA” (Mateus 12:44) de qualquer rival, e tudo pronto para recebê-lo de volta. Isso explica o importante ditado que vem entre as duas parábolas (Lucas 11:23). Neutralidade na religião não existe. A ausência de apego positivo a Cristo envolve hostilidade a ele. [JFB, aguardando revisão]

23 Quem não é comigo, é contra mim; e quem comigo não ajunta, espalha.

Comentário de David Brown

coleciona… espalha – referindo-se provavelmente a resgatadores. O significado parece ser, O que quer que na religião seja desconectado de Cristo, não dá em nada. [JFB, aguardando revisão]

24 Quando o espírito imundo tem saído da pessoa, ele anda por lugares secos, buscando repouso; e não o achando, diz:Voltarei para minha casa, de onde saí.

Comentário de David Brown

Quando o espírito imundo tem saído da pessoa, ele anda por lugares seco – literalmente, ‘sem água’, e portanto desertos, lugares desabitados; onde não há homens para possuir e destruir.

buscando repouso; e não o achando – por causa de seu elemento, que é a miséria humana e a destruição: [JFU, aguardando revisão]

25 E vindo, acha-a varrida e adornada.

Comentário Cambridge

varrida e adornada =. O dano e o perigo da alma emancipada é que ela não ser ocupada por um Novo Morador Interno. Não experimentar o poder expulsivo das afeições sagradas. Ela está “ociosa” (σχολάζοντα, Mateus 12:44), ou seja, “deixar”. [Cambridge, aguardando revisão]
26 Então vai, e toma consigo outros sete espíritos piores que ele, e entrando, habitam ali; e as últimas coisas de tal pessoa são piores que as primeiras.

Comentário de David Brown

Então vai, e toma consigo outros sete espíritos piores que ele. Sete sendo o número da perfeição, uma força diabólica sétupla, a maldade de cada uma das quais excede a da primeira, é a expressão mais forte concebível de um poder suficiente para protegê-los contra toda perturbação para o futuro.

habitam ali. Nenhuma estada temporária ou estadia precária eles fazem agora. Eles moram lá como em sua própria morada permanente.

e as últimas coisas de tal pessoa são piores que as primeiras. Mateus adiciona esta importante aplicação ao “E o último estado desse homem é pior do que o primeiro”. Mateus adiciona esta aplicação importante à segunda parábola (Mateus 12:45), “Assim também será para esta geração ímpia:” sugerindo que a ilustração desta parábola que aquela geração ímpia deveria fornecer foi apenas um exemplo da operação de um grande princípio geral. Mas uma ilustração terrível disso era que aquela geração deveria fornecer. Pelo ministério do Batista, seu ‘coração foi voltado para o Senhor,’ em grande medida:então foi sua oportunidade de receber a Cristo e viver; mas não o fizeram:então eles se tornaram piores do que no início, e logo mataram seu próprio Libertador. Essas parábolas extremamente vívidas têm uma forte semelhança entre si; mas eles diferem muito mais amplamente do que concordam. O assunto de ambos é o mesmo – a alma do homem mudando de pior para melhor. Em ambos, a alma é retratada para nós como a residência do Maligno; em uma parábola como seu “palácio”, na outra como sua “casa”. Naum única parábola, a força desse misterioso inimigo é a ideia proeminente; no outro, sua impureza.

Em ambas as parábolas, a alma é libertada desse inimigo poderoso e imundo. Mas aqui a semelhança termina, e a vasta diferença entre as duas parábolas surge. O espírito imundo sai apenas para entrar novamente; mas o homem forte é atacado e dominado, e o palácio é permanentemente ocupado pelo Vencedor. O primeiro é uma partida temporária, senão voluntária; a outra é uma derrota total e uma expulsão absoluta e irresistível. Em um caso, o último estado da alma é pior do que o primeiro; no outro, o último é seu estado melhor e mais nobre. Ambos são casos de conversão; mas em um caso a conversão é parcial e abortiva; no outro, é completo e duradouro. E a causa dessa diferença é retratada de forma mais impressionante. Por que foi que o espírito imundo, depois de sair do homem, voltou a entrar sem luta, para nunca mais ser desalojado? Porque em seu retorno não encontrou rival para disputar o terreno com ele:o diabo estava fora, mas Cristo não estava. Precisamente o contrário disso era o motivo pelo qual, na outra parábola, seu retorno era desesperador. Como foi o Mais Forte do que ele que o pôs para fora, então Sua presença, como o legítimo Ocupante do palácio doravante, protege-o contra todo ataque bem-sucedido no futuro. E agora estamos preparados para ouvir o grande provérbio que vem entre as duas parábolas (Lucas 11:23), e apreender tanto o seu significado como o seu peso:”Quem não é comigo é contra mim; e o que ajunta não comigo espalha. ” Esta última cláusula parece ser uma alusão aos respigadores, cujo trabalho se perde se não seguirem na esteira ou se não trabalharem na companhia de seu líder. Assim são proclamadas estas grandes máximas:’Tudo o que na religião está desconectado de Cristo, dá em nada;’ ‘Neutralidade na religião não existe;’ ‘A ausência de apego positivo a Cristo envolve hostilidade a Ele.’ [JFU, aguardando revisão]

27 E aconteceu que, dizendo ele estas coisas, uma mulher da multidão, levantando a voz, lhe disse:Bem-aventurado o ventre que te trouxe, e os peitos que mamaste!

Comentário de David Brown

mulher da multidão – da multidão, a multidão. Um pequeno incidente encantador e profundamente instrutivo. Com verdadeiro sentimento feminino, ela inveja a mãe de um professor tão maravilhoso. Bem, e maior e melhor do que ela havia dito antes dela (Lucas 1:28,42); e nosso Senhor está longe de condená-lo. Ele só se sustenta – como “bem abençoado” – os ouvintes e guardiões da palavra de Deus; em outras palavras, o mais humilde verdadeiro santo de Deus. (Veja em Mateus 12:49-50.) Quão completamente estranho é este sentimento do ensino da Igreja de Roma, que excomungaria qualquer um dos seus membros que ousassem falar no espírito desta gloriosa palavra! (Veja também em Mateus 12:43.) [JFB, aguardando revisão]

28 Mas ele disse:Antes bem-aventurados os que ouvem a palavra de Deus, e a guardam.

Comentário de David Brown

Um pequeno incidente encantador e profundamente instrutivo. Com verdadeiro sentimento feminino, ela inveja a mãe de um Mestre tão maravilhoso. Bem, e mais alto e melhor do que ela havia dito antes dela, Lucas 1:28; Lucas 1:42; e nosso Senhor está longe de condená-lo. Ele apenas considera, como “bem-aventurados”, os ouvintes e guardadores da palavra de Deus; em outras palavras, o verdadeiro santo de Deus mais humilde. Veja as notas em Mateus 12:49-50. Quão estranho é este sentimento do ensino da Igreja de Roma, que excomungaria qualquer um de seus membros que ousasse falar no espírito desta gloriosa declaração! [JFU, aguardando revisão]

29 E ajuntando as multidões, começou a dizer:Maligna é esta geração; busca sinal, mas sinal não lhe será dado, a não ser o sinal de Jonas o profeta.

Comentário Schaff

E ajuntando as multidões, etc. Possivelmente na expectativa do “sinal”; mas a controvérsia com os fariseus foi prolongada, o que atrairia uma multidão crescente. [Schaff, aguardando revisão]

30 Porque como Jonas foi sinal para os ninivitas, assim também será o Filho do homem para esta geração.

Comentário Schaff

Porque como Jonas foi sinal para os ninivitas. Peculiar ao relato mais breve de Lucas. O aparecimento de Jonas como pregador após os três dias e noites no ventre da baleia (após sua ressurreição), foi um sinal recebido pelos ninivitas. Nosso Senhor fala de algo que ainda está para acontecer, predizendo Sua ressurreição como um sinal maior para aquela geração. [Schaff, aguardando revisão]

31 A rainha do Sul se levantará em juízo com as pessoas desta geração, e as condenará; pois até dos fins da terra veio para ouvir a sabedoria de Salomão; e eis que mais que Salomão está aqui.

Comentário Barnes

A Rainha de Sabá, sua visita ao Rei Salomão e seus resultados subsequentes causaram uma impressão duradoura em todo o Oriente; provavelmente a consequência imediata foi a abertura de um grande comércio entre o Iêmen, do qual ela era rainha, e outras partes da Arábia e do Extremo Oriente. O Talmud e o Alcorão, por exemplo, têm várias lendas a respeito dessa rainha oriental que ficou tão deslumbrada e impressionada com o magnífico soberano israelita. Tal comparação seria singularmente atraente para as pessoas comuns que estavam então, sabemos (a partir do versículo 29), aglomerando-se ao redor de Jesus. A sabedoria do rei Salomão encantou e atraiu de países distantes a famosa rainha. Uau! Alguém mais sábio do que Salomão estava entre eles:não podemos ouvir do povo honesto e simples ao seu redor um murmúrio de assentimento aqui? Não estavam eles apenas ouvindo suas palavras sábias quando os fariseus tentaram prejudicá-los? Não tinham explodido, na pessoa da mulher dos versos. 27, 28, com um indescritível sinal de admiração? Uau! a grande rainha da Arábia, quando no dia do julgamento ela se levantasse, condenaria Israel por sua insensatez cega. [Barnes, aguardando revisão]

32 Os homens de Nínive se levantarão em juízo com esta geração, e a condenarão; pois com a pregação de Jonas se converteram; e eis que mais que Jonas está aqui.

Comentário Schaff

Os homens de Nínive. Se esses ninivitas não tivessem ouvido falar do milagre, o contraste é ainda mais forte. Pois, nesse caso, seu arrependimento foi simplesmente na pregação de Jonas, enquanto os judeus permaneceram descrentes em face da ressurreição de Cristo, bem como de Sua pregação. Há um clímax na ordem de Lucas; o maior pecado foi a rejeição da pregação de arrependimento de Cristo. [Schaff, aguardando revisão]

33 E ninguém, acendendo a lâmpada, a põe em lugar oculto, nem debaixo da caixa, mas na luminária, para que os que entrarem vejam a luz.

Comentário Cambridge

mas na luminária. Em vez disso, “sob o alqueire”; ou seja, aquele em uso na casa; e da mesma forma “o castiçal”, ou melhor, “candeeiro”.

para que os que entrarem vejam a luz. A comparação é a mesma que em Mateus 5:14, Marcos 4:21; mas a aplicação no próximo versículo é diferente. A luz é usada aqui para iluminação interior, para não ser vista de longe. [Cambridge, aguardando revisão]

34 A lâmpada do corpo é o olho. Sendo pois teu olho bom, também todo teu corpo será luminoso; porém se for mau, também todo teu corpo será tenebroso.

Comentário Ellicott

A lâmpada do corpo é o olho. Veja a nota em Mateus 6:22. Em alguns aspectos, a sequência de pensamento em Lucas difere daquela em Mateus, e parece um pouco mais próxima. No Sermão da Montanha, a companhia dos discípulos de Cristo é a luz, e cada um deles é como a lâmpada em seu suporte adequado, e o ensino quanto à “luz do corpo” e o correspondente “olho” de a alma está separada dessa ilustração pelo comentário de nosso Senhor sobre as corrompidas interpretações tradicionais dos escribas. Aqui, os dois pensamentos são aproximados. O sentido moral, a “visão e a faculdade divina” que tem suas intuições de verdades eternas, esta é a luz que é colocada de forma que aqueles que “estão entrando” (esta característica, como em Lucas 8:16, é peculiar a Lucas) – os buscadores e indagadores que são atraídos a olhar, por assim dizer, para a casa da Igreja de Cristo, os “indoutos” ou “incrédulos” de 1Coríntios 14:23 – podem ver a luz e se voltar para ela. [Ellicott, aguardando revisão]

35 Olha pois que a luz que em ti há não sejam trevas.

Comentário Ellicott

Isso ocorre no relato de São Lucas de São Mateus (Lucas 6:23) “Se a luz que há em ti são trevas, quão grandes são essas trevas!” O aviso é aquele que chama os homens ao auto-exame. Eles precisam examinar suas crenças primárias, suas próprias intuições de certo e errado, para que tudo o que façam não seja viciado em sua própria fonte. O chamado para fazer isso implica que eles devem ter uma Luz pela qual julgar sua luz, um Padrão pelo qual testar seu padrão, e que Luz e Padrão são encontrados no ensino da Luz que ilumina todo homem, nas palavras registradas e atos do Filho do Homem. [Ellicott, aguardando revisão]

36 Então se sendo teu corpo todo luminoso, não tendo parte alguma escura, ele todo será iluminado, como quando a lâmpada com seu brilho te ilumina.

Comentário do Púlpito

O Senhor aqui completa sua alegoria, ainda preservando as mesmas imagens, com um esboço da condição de um homem santo e humilde de coração, que com um “olho único”, isto é, com honestidade, confiança, amor, olhou para o sinal e acreditou. O comentário de Godet sobre este ditado duro e místico do Bem-aventurado é muito bonito:”Quando, pelo fato da clareza dos teus olhos, todo o teu corpo for penetrado de luz, sem que haja em ti o menor vestígio de escuridão, então o fenômeno que será operado em ti se assemelhará ao que ocorre em teu corpo quando colocado sob os raios de um foco luminoso. Jesus quer dizer que da parte interna de um homem perfeitamente santificado irradia um esplendor que glorifica o homem externo, como quando ele é iluminado de fora. É a glória como resultado da santidade. O fenômeno aqui descrito por Jesus não é outro senão aquele que se realizou em si mesmo por ocasião de sua transfiguração e que agora aplica a todos os crentes. ” Há pouca dúvida de que esse ensino foi falado pelo Mestre em uma, senão em mais de uma, ocasião anterior. No relato de São Mateus, em linguagem quase idêntica (Mateus 5:15 e Mateus 6:22), a aplicação imediata foi diferente, e a referência da lâmpada colocada em um lugar de destaque não era a Ressurreição. [Pulpit, aguardando revisão]

37 E estando ele ainda falando, um fariseu lhe rogou que viesse para jantar com ele; e entrando, sentou-se à mesa;

Comentário Barnes

E estando ele ainda falando. Enquanto ele estava se dirigindo ao povo, e particularmente enquanto ele estava reprovando aquela geração e declarando seus crimes.

um fariseu. Os fariseus foram mencionados em particular no discurso do Salvador registrado nos versículos anteriores. Este, talvez, tendo sentido particularmente a força das palavras de Jesus e desejoso de ficar a sós com ele, convidou-o a ir para casa com ele. Há pouca dúvida de que foi com o propósito de afastá-lo do povo; que ele o fez com uma intenção maligna, talvez com o propósito de refutar Jesus em particular ou reprová-lo por condenar assim toda a nação como ele o fez. Ele pode ter visto que aqueles que atacaram Jesus “publicamente” geralmente não tiveram sucesso, e ele desejou. provavelmente, para encontrá-lo de forma mais privada.

lhe rogou que viesse para jantar com ele. Os judeus, assim como os gregos e romanos, tinham apenas duas refeições principais. A primeira era uma refeição ligeira e era feita por volta das dez ou onze horas de nosso tempo, e consistia principalmente de frutas, leite, queijo, etc. A segunda refeição foi feita por volta das três horas da tarde, e era seu principal refeição. O “primeiro” é o aqui pretendido.

e entrando. Embora conhecesse o propósito maligno do fariseu, ele não recusou o convite. Ele sabia que isso poderia lhe dar uma oportunidade de fazer o bem. Essas duas coisas devem ser observadas em relação à conduta de nosso Salvador em tais assuntos:

1. Que ele não recusou um convite para jantar com um homem simplesmente porque era fariseu ou porque era um homem mau. Portanto, ele foi acusado de ser glutão e amigo de publicanos e pecadores, Mateus 11:19.

2. Ele aproveitou todas as ocasiões para fazer o bem. Ele nunca se esquivou de declarar a verdade e de fazer dessas ocasiões o meio de pregar o evangelho. Se os cristãos e ministros cristãos sempre seguissem o exemplo do Salvador, eles evitariam todo escândalo e poderiam fazer até mesmo nesses lugares um grande bem.

sentou-se à mesa. Reclinado à mesa. Veja as notas em Mateus 23:6. [Barnes, aguardando revisão]

38 E vendo-o o fariseu, maravilhou-se de que não tinha se lavado antes de jantar.

Comentário Cambridge

Literalmente, “banhado”. Nenhuma lavagem era necessária para comer algumas tâmaras ou figos. Na refeição principal do dia, onde todos mergulhavam as mãos em um prato comum, era uma questão de limpeza. Mas o dever de limpeza foi transformado pela Lei Oral em um conjunto rigoroso de abluções incômodas e desnecessárias, cada uma realizada com certos métodos elaborados e gesticulações (Marcos 7:2-3) que não tinham nada a ver com religião ou mesmo com o Levítico Lei, mas apenas com a tradição farisaica e a Lei Oral. No Shulchan Aruk, um livro de Ritual Judaico, não menos do que vinte e seis orações são feitas com as quais suas lavagens são acompanhadas. Mas tudo isso não só estava desprovido de sanção divina, mas também se tornara supersticioso, tirânico e fútil. O fariseu “ficou maravilhado” porque ele e seu partido tentaram fazer com que a Lei Oral sobre o povo fosse ainda mais sagrada do que a Lei Escrita. O assunto das abluções foi o que causou várias dessas disputas com Cristo, Mateus 15:19-20. O Rabino Akhibha teria preferido morrer de sede a negligenciar suas abluções, e o Talmud pensava que um demônio – chamado Schibta – estava sentado em mãos não lavadas. Nosso Senhor surpreendeu o convencionalismo desses mestres religiosos e seus seguidores, mostrando que o que realmente contamina o homem é o que vem de dentro – do coração. [Cambridge, aguardando revisão]

39 E o Senhor lhe disse:Agora vós, os fariseus, limpais o exterior do copo e do prato; porém vosso interior está cheio de roubo e maldade.

Comentário de David Brown

do copo e do prato – exemplo notável da forma como nosso Senhor desenha as mais impressionantes ilustrações das grandes verdades a partir dos objetos e incidentes mais familiares da vida.

voracidade – rapacidade. [JFB, aguardando revisão]

40 Loucos, o que fez o exterior não fez também o interior?

Comentário de David Brown

o que fez o exterior… – isto é, aquele a quem pertence a vida exterior e o direito de exigir sua sujeição a si mesmo – o homem interior é menos seu? [JFB, aguardando revisão]

41 Porém daí de esmola o que tendes; e eis que tudo vos será limpo.

Comentário de David Brown

e… tudo… limpo – um princípio de imenso valor. Como a ganância desses hipócritas era uma das características mais proeminentes de seu caráter (Lucas 16:14; Mateus 23:14), nosso Senhor os convida a exemplificar o caráter oposto, e então o exterior deles, governado por isto, seria belo em o olho de Deus, e suas refeições seriam comidas com as mãos limpas, embora nunca tão sujas com os negócios deste mundo infalível. (Veja Eclesiastes 9:7). [JFB, aguardando revisão]

42 Mais ai de vós, fariseus, que dizimais a hortelã, e a arruda, e toda hortaliça; e pelo juízo e amor de Deus passais longe. Estas coisas era necessário fazer, e não deixar as outras.

Comentário de David Brown

rue, etc. – arredondando em Levítico 27:30, o que eles interpretaram rigidamente. Nosso Senhor propositadamente nomeia os produtos mais insignificantes da terra, como exemplos do que eles precisamente exigiram o décimo de.

juízo e amor de Deus – em Mateus 23:25, “julgamento, misericórdia e fé”. A referência é a Miqueias 6:6-8, cujo terceiro elemento de toda a religião aceitável, “andando humildemente com Deus”, compreende tanto “Amor” e “fé”. (Veja em Marcos 12:29; veja em Marcos 12:32-33). A mesma tendência para fundir maiores deveres em menos ainda nos assedia, mas é a característica dos hipócritas.

estes devem ser, etc. – Não há necessidade de um conjunto de deveres para empurrar o outro; mas do maior, nosso Senhor diz:“Deverias tê-los feito; do menor, apenas “não deve deixá-los por fazer”. [JFB, aguardando revisão]

43 Ai de vós, fariseus, que amais os primeiros assentos nas sinagogas, e as saudações nas praças.

Comentário Cambridge

os primeiros assentos. Estes eram lugares na sinagoga em um semicírculo conspícuo de frente para a congregação, e ao redor do púlpito do leitor, Lucas 14:7-11; Mateus 23:6.

as saudações nas praças – em que se dirigiam uns aos outros com títulos extravagantes e exigiam de seus seguidores uma reverência exagerada. [Cambridge, aguardando revisão]

44 Ai de vós, que sois como as sepulturas disfarçadas, e as pessoas que andam sobre elas não sabem.

Comentário de David Brown

não se aparece, etc. – Como alguém pode inconscientemente caminhar sobre uma sepultura escondida de vista, e assim contrair impureza cerimonial, o exterior plausível dos fariseus impedia as pessoas de perceberem a poluição que contraíam de entrar em contato com tais personagens corruptos. (Veja Salmo 5:9; Romanos 3:13; uma ilustração diferente de Mateus 23:27). [JFB, aguardando revisão]

45 E respondendo um dos estudiosos da Lei, disse-lhe:Mestre, quando dizes isto também afrontas a nós.

Comentário do Púlpito

Isso não significa que todos esses mestres professos eram da seita fariseu; alguns, sem dúvida, eram saduceus. Parece, entretanto, provável que a maior proporção desses doutores profissionais e expositores da Lei pertenciam aos fariseus. A lei oral e escrita, baseada no código mosaico comparativamente simples, tornou-se agora o guia absoluto e o diretor de toda a vida do povo em todos os seus detalhes menores. Os vários copistas, conferencistas, professores e casuístas, que debatiam os muitos pontos duvidosos que surgiam constantemente no complexo e elaborado sistema, eram todos conhecidos pelo termo geral “escribas”. O doutor foi o escriba que dedicou especial atenção ao esclarecimento das questões difíceis e disputadas que surgiam na vida cotidiana das pessoas. Este advogado era certamente, considerando a empresa à qual estava associado, da mais estrita seita de fariseus. Esta pessoa não podia acreditar que este hábil Rabino da Galiléia – pois todos eles devem, após a discussão da manhã, ter permitido que Jesus existisse – pudesse incluir ele e sua santa ordem em suas terríveis denúncias, cuja verdade o erudito escriba não era improvável vagamente discernido. [Pulpit, aguardando revisão]

46 Porém ele disse:Ai de vós também, estudiosos da Lei, que carregais as pessoas com cargas pesadas para levar, e vós mesmos nem ainda com um de vossos dedos tais cargas tocais.

Comentário de David Brown

cargas pesadas… – referindo-se não tanto à ingenuidade dos ritos legais (embora fossem cansativos, Atos 15:10), quanto ao rigor sem coração com que eram aplicados, e a homens de inconsistência desavergonhada. [JFB, aguardando revisão]

47 Ai de vós, que construís os sepulcros dos profetas, e vossos pais os mataram.

Comentário de David Brown

construís… – Com respeito e honra fingidos, eles consertaram e embelezaram os sepulcros dos profetas, e com a hipocrisia choramingar disseram:“Se estivéssemos nos dias de nossos pais, não teríamos sido participantes com eles em o sangue dos profetas ”, enquanto que durante todo o tempo eles“ eram testemunhas de que eram filhos dos que matavam os profetas ”(Mateus 23:29-30); Condenando-se diariamente de uma semelhança tão exata, em espírito e caráter, com as próprias classes sobre cujos atos fingiam lamentar-se, como filhos dos pais. [JFB, aguardando revisão]

48 Bem testemunhais pois, que também consentis nas obras de vossos pais; porque eles os mataram, e vós edificais seus sepulcros.

Comentário Cambridge

testemunhaisconsentis. Encontramos as mesmas duas palavras usadas por Paulo em Atos 7:58; Atos 8:1. Permitir significa ‘aprovar após o teste’ e é derivado de allaudare. [Cambridge, aguardando revisão]

49 Portanto também diz a sabedoria de Deus:Profetas e apóstolos lhes mandarei; e deles a uns matarão, e a outros lançarão fora;

Comentário de David Brown

diz a sabedoria… – uma notável variação das palavras em Mateus 23:34, “Eis ENVIANDO”. Como parece claramente uma alusão às antigas advertências do que Deus faria com um povo tão incorrigível, então aqui Cristo, pisando majestosamente no lugar de Deus, por assim dizer, diz:“Agora vou levar tudo isso para fora”. Isso poderia ser outro que não o Senhor de Israel na carne? [JFB, aguardando revisão]

50 Para que desta geração seja requerido o sangue de todos os profetas, que foi derramado desde a fundação do mundo;

Comentário de David Brown

desta geração seja requerido – Como foi somente na última geração deles que “a iniquidade dos amorreus estava cheia” (Gênesis 15:16), e então as abominações das eras foram completamente e terrivelmente vingadas, então a iniquidade da Permitiu-se que Israel se acumulasse de era em era até que, nessa geração, ela chegou ao máximo, e toda a vingança coletada do Céu rompeu de uma só vez com a cabeça devotada. Na primeira Revolução Francesa, o mesmo princípio terrível foi exemplificado e a cristandade ainda não o fez.

profetas – no sentido do Novo Testamento (Mateus 23:34; veja 1Coríntios 12:28). [JFB, aguardando revisão]

51 Desde o sangue de Abel, até o sangue de Zacarias, que foi morto entre o altar e a casa de Deus ; assim vos digo, será requerido desta geração.

Comentário de David Brown

sangue de Zacarias – Provavelmente a alusão não é a qualquer assassinato recente, mas a 2Crônicas 24:20-22, como o último caso registrado e mais adequado para ilustração. E como as últimas palavras de Zacarias foram:“O Senhor requer isto”, então elas são advertidas de que “daquela geração seria necessário”. [JFB, aguardando revisão]

52 Ai de vós, estudiosos da Lei, que tomastes a chave do conhecimento; vós mesmos não entrastes, e impedistes aos que estavam entrando.

Comentário de David Brown

chave do conhecimento – não a chave para abrir o conhecimento, mas o conhecimento, a única chave para abrir o céu. Em Mateus 23:13, eles são acusados ​​de fechar o céu; aqui de tirar a chave, que era pior. Um conhecimento correto da Palavra de Deus é a vida eterna (Jo 17:3); mas isso eles tiraram do povo, substituindo-o por suas tradições miseráveis. [JFB, aguardando revisão]

53 E dizendo-lhes estas coisas, os escribas e os fariseus começaram a apertá-lo fortemente, e tentar lhe fazer falar de muitas coisas,

Comentário de David Brown

Extremamente vívido e afetando. Eles foram picados para o rápido – e podemos nos perguntar? – ainda não tinham materiais para a acusação que estavam preparando contra ele.

provocá-lo, etc – “para atormentá-lo com perguntas.” [JFB, aguardando revisão]

54 armando-lhe ciladas, e procurando caçar alguma coisa de sua boca, para o poderem acusar.

Comentário Ellicott

procurando caçar alguma coisa de sua boca. As palavras lançam luz sobre a questão subsequente sobre o pagamento de tributo a César (Mateus 22:15-22; Marcos 12:13-17) e mostram que foi uma atuação pré-combinada. [Ellicott, aguardando revisão]

<Lucas 10 Lucas 12>

Visão geral de Lucas

No evangelho de Lucas, “Jesus completa a história da aliança entre Deus e Israel e anuncia as boas novas do reino de Deus tanto para os pobres como para os ricos”. Tenha uma visão geral deste Evangelho através deste breve vídeo (em duas partes) produzido pelo BibleProject.

Parte 1 (9 minutos).

🔗 Abrir vídeo no Youtube.

Parte 2 (9 minutos).

🔗 Abrir vídeo no Youtube.

Leia também uma introdução ao Evangelho de Lucas.

Todas as Escrituras em português citadas são da Bíblia Livre (BLIVRE), Copyright © Diego Santos, Mario Sérgio, e Marco Teles – fevereiro de 2018.