Marcos 11

1 E quando se aproximaram de Jerusalém, de Betfagé, e de Betânia, junto ao monte das Oliveiras, Jesus enviou dois de seus discípulos,

Comentário do Púlpito

E quando se aproximaram de Jerusalém, de Betfagé, e de Betânia, junto ao monte das Oliveiras. Mateus (Mateus 21:1) diz:”Quando eles se aproximaram de Jerusalém e chegaram a Betfagé.” Marcos menciona os três lugares juntos, porque Betfagé e Betânia, por estarem próximas, também eram ambas próximas de Jerusalém. A distância de Jericó a Jerusalém (cerca de dezessete milhas) envolveria uma viagem de cerca de sete horas. A região entre Jerusalém e Jericó é montanhosa, acidentada e deserta. É do alto que se projeta sobre Betânia que se obtém a melhor vista de Jerusalém. Parece de São João (João 12:1) que nosso Senhor no sábado anterior tinha ceiado, e provavelmente passou a noite, em Betânia; e que no dia seguinte (respondendo ao nosso Domingo de Ramos) ele tinha chegado ainda mais perto de Jerusalém, ou seja, de Betfagé; e de lá ele enviou dois de seus discípulos para pegar o jumento e o jumentinho. Portanto, o seu caminho para Jerusalém era de Betânia por Betfagé, o Monte das Oliveiras e o Vale de Josafá. O Vale de Josafá, por onde corre o riacho Quedron, fica perto de Jerusalém. Betfagé significa literalmente “a casa dos figos verdes”, já que Betânia, situada a uma curta distância a oeste dela, significa “a casa das tâmaras”. A tamareira crescendo na vizinhança forneceria os ramos com os quais a multidão espalhou o caminho por ocasião da entrada triunfal de nosso Senhor.

Jesus enviou dois de seus discípulos. Quem são eles? Beda pensa que eles eram Pedro e Filipe. Jansônio, com maior probabilidade, pensa que eles eram Pedro e João, porque um pouco depois Cristo enviou esses dois para se preparar para a Páscoa. Mas não sabemos nada certo sobre este ponto. [Pulpit, aguardando revisão]

2 dizendo-lhes:Ide ao vilarejo que está adiante de vós; e assim que nela entrardes, achareis um jumentinho amarrado, sobre o qual ninguém se sentou; soltai-o, e trazei-o.

Comentário do Púlpito

Ide ao vilarejo que está adiante de vós. A aldeia defronte deles provavelmente seria Beth-phage, de onde estavam se aproximando.

assim que nela entrardes, achareis um jumentinho amarrado, sobre o qual ninguém se sentou. Marcos menciona apenas o potro. Mateus menciona o asno e o potro. Mas São Marcos destaca o jumentinho como aquele de que nosso Senhor precisava especialmente; a mãe do animal que o acompanha como reservatório. Animais nunca antes usados eram os únicos admissíveis para fins sagrados. Lemos em Números (Nm 19:2) sobre “a novilha sobre a qual nunca veio o jugo”. Nosso Senhor aqui vê coisas ausentes e fora de vista, como se estivessem presentes. De maneira que o revelou aos seus discípulos pelo dom da profecia que a sua divindade acrescentou à sua humanidade. Aqui, portanto, está uma prova manifesta de sua divindade. Foi pelo mesmo poder divino que ele revelou a Natanael o que havia acontecido sob a figueira. [Pulpit, aguardando revisão]

3 E se alguém vos disser:Por que fazeis isso?, dizei:O Senhor precisa dele, e logo o devolverá para cá.

Comentário do Púlpito

O grego, de acordo com as melhores autoridades aqui, é εὐθέως αὐτὸν ἀποστελλει πάλιν ὧδε:literalmente, imediatamente ele o manda de volta para cá novamente. O verbo aqui no presente pode representar o verbo no futuro, “ele o enviará de volta.” Mas a palavra “novamente” (πάλιν) não é tão facilmente explicada. Há forte autoridade para a inserção desta palavra, o que necessariamente muda o significado da frase. Sem o πάλιν, a frase significaria realmente que nosso Senhor, por sua divina presciência, aqui diz a seus discípulos que quando o jumentinho fosse exigido por eles, o dono imediatamente permitiria que o pegassem. Mas se a palavra πάλιν for inserida, isso só pode significar que esta era uma parte da mensagem que nosso Senhor dirigiu seus discípulos a entregar como de si mesmo:”O Senhor precisa dele; e ele, o Senhor, imediatamente o enviará de volta.” A passagem é assim interpretada por Orígenes, que duas vezes introduz o advérbio em seu comentário sobre São Mateus. A evidência dos unciais mais antigos é fortemente a favor dessa inserção. Nosso Senhor não queria que os discípulos levassem embora o potro se o dono se opusesse, ele poderia ter levado os animais por seu próprio direito supremo, mas ele escolheu cumprir sua vontade por sua providência, poderosa e ainda gentilmente; e, se a leitura aqui fosse permitida, ele os influenciou ainda mais pela promessa de que suas propriedades deveriam ser devolvidas a eles. Foi a vontade e o propósito de Cristo, que durante estes três anos andou a pé, e percorreu toda a Palestina desta forma, mostrar-se longamente como o Rei de Judá, isto é, o Messias e Herdeiro de David ; e então ele resolve entrar em Jerusalém, a metrópole, a cidade do grande Rei, com dignidade real. Mas ele não será cercado pela “pompa e circunstância” de um monarca terreno. Ele monta em um jumentinho, para mostrar que seu reino é de outra espécie, isto é, espiritual e celestial. E assim ele assume um equipamento humilde, montado em um jumentinho, tendo como único alojamento as roupas de seus discípulos. E, no entanto, havia dignidade e humildade em seu equipamento. O asno do Oriente era, e é, um animal superior ao conhecido entre nós. Os juízes e príncipes de Israel montavam em “jumentos brancos” e seus filhos em potros de jumentos. Então nosso Senhor montou em um jumentinho; e não havia espadas reluzentes em sua procissão, ou outros sinais de contenda e derramamento de sangue. Mas havia ramos de palmeiras e vestimentas espalhadas ao longo de seu caminho – as evidências de devoção a ele. Então ele veio com mansidão, não para que ele pudesse ser temido por causa de seu poder, mas para que ele pudesse ser amado por causa de sua bondade. [Pulpit, aguardando revisão]

4 Eles foram, e acharam um jumentinho amarrado à porta, do lado de fora em uma esquina, e o soltaram.

Comentário Ellicott

à porta, do lado de fora em uma esquina. Cada toque é característico de Marcos e implica observação pessoal por parte de seu informante. [Ellicott, aguardando revisão]

5 E alguns dos que ali estavam lhes perguntaram:Que fazeis, soltando o jumentinho?

Comentário Barnes

Que fazeis, soltando o jumentinho? – Ou, por que você faz isso? Que autoridade você tem para fazer isso? [Barnes, aguardando revisão]

6 Eles lhes disseram como Jesus lhes havia dito, e os deixaram ir.

Comentário Schaff

Eles lhes disseram como Jesus lhes havia dito, e os deixaram ir. Peculiar a Marcos, e correspondendo à mensagem de Marcos 11:3. A referência à profecia de Zacarias (Mateus, João) foi omitida por Marcos e Lucas. [Schaff, aguardando revisão]

7 Então trouxeram o jumentinho a Jesus. Lançaram sobre ele suas roupas, e Jesus sentou-se sobre ele.

Lançaram sobre ele suas roupas] sobre ambos, na verdade (Mt 21:7), para Lhe honrar, assim como os capitães “tomaram cada um a sua vestimenta, e a colocaram sob Jeú no topo da escada, e tocaram trombetas , dizendo:Jeú é rei ”(2Rs 9:13).

e Jesus sentou-se sobre ele] o jumentinho não usado, enquanto provavelmente alguns dos apóstolos o guiavam pelo freio. [Cambridge, aguardando revisão]

8 Muitos estendiam suas roupas pelo caminho, e outros espalhavam ramos que haviam cortado dos campos.

Comentário Cambridge

estendiam suas roupas pelo caminho – i. e. seus “abbas” ou “hykes”, o manto solto usado sobre a túnica ou camisa. Assim, ramos e mantos de murta foram espalhados por seus ancestrais antes de Mordecai, quando ele saiu do palácio de Assuero (Targ. Est 8:15), então o exército persa honrou Xerxes quando estava para cruzar o Helesponto (Herodes. VII 54), e assim Robinson nos conta que os habitantes de Belém jogaram suas vestes sob os pés dos cavalos do cônsul inglês em Damasco, cuja ajuda eles estavam implorando (Pesquisas Bíblicas, II. 162). [Cambridge, aguardando revisão]

9 E os que iam adiante, e os que seguiam, clamavam:Hosana, bendito o que vem no Nome do Senhor!

Comentário do Púlpito

A palavra Hosana significa literalmente “Oh, salve!” Pode ter sido originalmente o clamor de cativos por misericórdia; e assim passaram a uma aclamação geral, expressiva de alegria e libertação. [Pulpit, aguardando revisão]

10 Bendito o Reino que vem, o Reino do nosso pai Davi! Hosana nas alturas!

Comentário do Púlpito

Bendito o Reino que vem, o Reino do nosso pai Davi – isto é, o reino do Messias, agora vindo e prestes a ser estabelecido – Hosana nas alturas – isto é, Hosana nas mais altos reinos de glória e bem-aventurança, onde a salvação é aperfeiçoada. [Pulpit, aguardando revisão]

11 Jesus entrou em Jerusalém, e no Templo. E depois que ter visto tudo em redor, e sendo já tarde, ele saiu para Betânia com os doze.

Comentário de David Brown

E depois que ter visto tudo em redor, e sendo já tarde, ele saiu para Betânia com os doze – Assim, brevemente, nosso evangelista dispõe deste Seu primeiro dia em Jerusalém, após a entrada triunfal. Nem o Terceiro e Quarto Evangelhos nos dão mais luz. Mas de Mateus (Mt 21:10-11,14-16) aprendemos alguns detalhes adicionais e preciosos, para os quais vemos em Lc 19:45-48. Não era agora seguro para o Senhor dormir na cidade, nem, desde o dia de Sua Entrada Triunfal, passou uma noite nela, exceto a última fatal. [JFB, aguardando revisão]

12 E no dia seguinte, quando saíram de Betânia, ele teve fome.

Comentário de David Brown

E no dia seguinte – Entrada Triunfal no primeiro dia da semana, o dia seguinte era segunda-feira.

quando saíram de Betânia – “de manhã” (Mt 21:18).

ele teve fome – Como foi isso? Teria ele fugido daquele querido abrigo de Betânia para a “montanha para orar e continuado a noite toda em oração a Deus?” (Lc 6:12); ou, “de manhã”, como em uma ocasião anterior, “levantou-se muito antes do dia, e partiu para um lugar solitário, e ali orou” (Mc 1:35); não quebrando o seu jejum depois disso, mas dobrando os seus passos diretamente para a cidade, para que Ele pudesse “fazer as obras daquele que o enviou enquanto era dia” (Jo 9:4). Nós não sabemos, embora se demore e adora traçar todo o movimento daquela vida de maravilhas. Uma coisa, no entanto, temos certeza – foi a verdadeira fome corpórea que Ele agora procurou acalmar pelo fruto desta figueira, “se porventura achasse alguma coisa nela”; não é uma mera cena com o propósito de ensinar uma lição, como alguns primeiros hereges mantiveram, e alguns ainda parecem virtualmente manter. [JFB, aguardando revisão]

13 E vendo de longe uma figueira que tinha folhas, foi ver se acharia alguma coisa nela; mas ao chegar perto dela, nada achou, a não ser folhas, pois não era o tempo de figos.

Comentário de Genebra

pois não era o tempo de figos. A temporada de figos começa em junho, e a Páscoa acontece ao final de março. Algumas figueiras dão fruto fora da temporada, e o sinal disso é a presença de folhas. Essa figueira lembrou Jesus da hipocrisia, pois tinha os sinais de haver frutos (folhas haviam aparecido), porém não tinha fruto algum. [Genebra, 2009]

14 Então Jesus lhe disse:Nunca mais ninguém coma fruto de ti! E seus discípulos ouviram isso.

Comentário de David Brown

Então Jesus lhe disse:Nunca mais ninguém coma fruto de ti. Aquela palavra não tornou estéril a árvore, mas a selou na sua própria esterilidade. Veja em Mt 13:13-15.

E seus discípulos ouviram isso – e marcaram o ditado. Isto é introduzido como um elo de conexão, para explicar o que foi dito posteriormente sobre o assunto, pois a narrativa tem que prosseguir para as outras transações deste dia. [JFB, aguardando revisão]

15 Depois vieram a Jerusalém. E entrando Jesus no Templo, começou a expulsar os que vendiam e compravam no Templo; e revirou as mesas dos cambiadores, e as cadeiras dos que vendiam pombas.

Comentário do Púlpito

Depois vieram a Jerusalém. E entrando Jesus no Templo. Não o lugar santo, nem o santo dos santos (no qual apenas o sumo sacerdote poderia entrar), mas no pátio do templo; pois nisso o povo ia orar e testemunhar os sacrifícios que estavam sendo oferecidos perante o lugar santo; pois este tribunal era, por assim dizer, o templo do povo. Nosso Senhor não era um sacerdote levítico, porque não era filho de Levi e Aarão. Portanto, ele não podia entrar no lugar sagrado, mas apenas no átrio externo do templo.

começou a expulsar (ἐκβάλλειν) – foi uma expulsão forçada – os que vendiam e compravam no Templo. Houve duas ocasiões em que nosso Senhor purificou o templo – uma no início de seu ministério público e a outra no final, quatro dias antes de sua morte. Havia um mercado regular no pátio externo, ‘o tribunal dos gentios, pertencente à família do sumo sacerdote. As barracas desse mercado são mencionadas nos escritos rabínicos como as barracas do filho de Hanã, ou Anás. Mas esse mercado nunca é mencionado no Antigo Testamento. Parece ter surgido após o cativeiro. Nosso Senhor adotou essas medidas vigorosas (1) porque os pátios do templo não eram locais adequados para mercadorias e (2) porque essas transações eram freqüentemente desonestas, por causa da avareza e cobiça dos sacerdotes.

Os sacerdotes, eles próprios ou por suas famílias, vendiam bois, ovelhas e pombas para quem precisava oferecê-los no templo. Esses animais eram, é claro, necessários para os sacrifícios; e havia uma boa razão para que eles estivessem à mão para aqueles que subiam para adorar. Mas o pecado dos sacerdotes estava em permitir que essa compra e venda ocorresse dentro do recinto sagrado e em negociar desonestamente. Havia outras coisas necessárias para os sacrifícios, como vinho, sal e óleo. Depois, havia também os cambistas (κολλυβιστής, de κόλλυβος, uma pequena moeda) – aqueles que trocavam moedas grandes por moedas menores, ou dinheiro estrangeiro pelo meio siclo. Todo israelita, rico ou pobre, era obrigado a dar o meio siclo, nem menos nem mais. Portanto, quando o dinheiro precisava ser trocado, o cambista exigia um extra. Pombas ou pombos eram solicitados em várias ocasiões para oferendas, principalmente pelos pobres, que não podiam pagar por oferendas mais caras. Destes também os sacerdotes tiveram seu ganho.

as cadeiras dos que vendiam pombas. Essas aves eram frequentemente vendidas por mulheres. [Pulpit, aguardando revisão]

16 E não consentia que ninguém levasse vaso algum pelo Templo.

Comentário do Púlpito

Foi uma grande tentação fazer do templo, pelo menos o grande átrio dos gentios, uma via pública. Era tão extenso que se evitaria um longo e tedioso circuito, indo de uma parte a outra da cidade, passando por ela. Para aqueles, por exemplo, que estavam passando do mercado de ovelhas, Betesda, para a parte alta da cidade, o corte mais curto era por este pátio e pelo Pórtico de Salomão. A distância aumentaria muito se a contornassem. Assim, os sacerdotes permitiram que servos e trabalhadores, carregados de qualquer coisa, fizessem esse caminho mais curto através do grande pátio do templo. Mas nosso Senhor os impediu, proibindo-os com a voz de quem tinha autoridade, e os restringindo com a mão, e obrigando-os a voltar. Ele queria que toda a casa de seu pai fosse considerada sagrada. [Pulpit, aguardando revisão]

17 E ensinava, dizendo-lhes:Não está escrito:Minha casa será chamada casa de oração de todas as nações? Mas vós fizestes dela esconderijo de ladrões!

Comentário do Púlpito

Minha casa será chamada casa de oração de todas as nações (πᾶσι τοῖς ἔθνεσιν). Marcos, escrevendo para os gentios, assegura-lhes que o Deus dos judeus é o Deus de todas as nações; e que a corte dos gentios, então tão profanada, era parte integrante de sua casa de oração. São Jerônimo observa a ação de Cristo em expulsar os profanadores do templo como uma grande prova de seu poder divino, que somente ele deveria ter sido capaz de expulsar uma multidão tão grande. Ele diz:”Um esplendor de fogo brilhou de seus olhos, e a majestade da Divindade brilhou em seu semblante.” As palavras:”Minha casa se chamará casa de oração” são uma citação de Is 56:7; e é uma coincidência notável que em Is 56:11 daquele capítulo os governantes do povo sejam descritos como olhando “cada um para o seu ganho do seu lado”.

esconderijo de ladrões. A palavra grega para “ladrão” é κλέπτης, não ληστής. Os dois termos são cuidadosamente distinguidos em João (João 10:1), “o mesmo é um ladrão (κλέπτης) e um ladrão (λῃστής).” Esses sacerdotes, totalmente voltados para o lucro, por meio de vários atos fraudulentos, saquearam os estranhos e os pobres, que vinham comprar ofertas para a adoração de Deus. Observe que o templo é chamado de casa de Deus, não porque ele habite nele em qualquer sentido corporal, pois “ele não habita em templos feitos por mãos”, mas porque o templo é o lugar separado para a adoração a Deus, em no qual ele dá ouvidos especialmente às orações de seu povo, e no qual ele especialmente promete sua presença espiritual. Conseqüentemente, aprendemos que reverência é devida às casas de Deus; de modo que, como o dono de uma casa se ressente de qualquer insulto oferecido à sua casa como um insulto a si mesmo, assim Cristo considera qualquer desonra intencional feita à sua casa como um mal e um insulto a ele. [Pulpit, aguardando revisão]

18 Os chefes dos sacerdotes e os escribas ouviram isso, e buscavam uma maneira de o matar; pois o temiam, porque toda a multidão estava admirada do ensino dele.

Comentário do Púlpito

Os chefes dos sacerdotes e os escribas ouviram isso, e buscavam uma maneira de o matar. Eles estavam procurando como poderiam, não apenas matá-lo, mas “destruí-lo totalmente”, extinguir seu nome e influência como uma grande energia espiritual no mundo. Essa ação dele os elevou ao mais alto grau de fúria e indignação. Sua autoridade e seus interesses foram atacados. Mas o povo ainda reconheceu seu poder; e os escribas e fariseus temiam o povo. [Pulpit, aguardando revisão]

19 E como já era tarde, eles saíram fora da cidade.

Comentário do Púlpito

E como já era tarde – literalmente, e sempre que (ὅταν) a noite chegasse; isto é, todas as noites. Durante esses últimos dias antes de sua crucificação, ele permaneceu em Jerusalém durante o dia e voltou para Betânia à noite. São Mateus diz (Mateus 21:17), falando de um desses dias:”E ele os deixou, e saiu da cidade para Betânia, e se hospedou lá.” Era tão verdade que “ele veio para os seus, e os seus não o receberam”. Ninguém naquela cidade, que ele tanto amava, se ofereceu para recebê-lo. O fim estava se aproximando. Mas a relação com Marta e Maria deve ter sido um calmante para ele; e Betânia ficava a menos de duas milhas de Jerusalém. [Pulpit, aguardando revisão]

Lições da maldição da figueira

20 E passando pela manhã, viram que a figueira estava seca desde as raízes.

Comentário de David Brown

pela manhã – de terça-feira, o terceiro dia da semana:Ele havia dormido, como durante toda esta semana, em Betânia.

viram que a figueira estava seca desde as raízes – nenhuma ferrugem parcial, deixando a vida na raiz; mas agora estava morto, raiz e ramo. Em Mt 21:19 diz-se que secou assim que foi amaldiçoado. Mas a praga total não apareceu provavelmente de uma só vez; e no crepúsculo, talvez, quando voltaram a Betânia, não o observaram. A precisão com que Marcos distingue os dias não é observada por Mateus, pretendendo apenas sustentar as verdades que o incidente foi projetado para ensinar. Em Mateus, o todo é representado de uma só vez, assim como os dois estágios da “morte e morte” de Jairo são representados por ele como um. A única diferença é entre um resumo mais detalhado e uma narrativa mais detalhada, cada um dos quais apenas confirma o outro. [JFB, aguardando revisão]

21 Pedro se lembrou disso, e disse-lhe:Mestre, eis que a figueira que amaldiçoaste, se secou.

Comentário de David Brown

Pedro se lembrou disso, e disse-lhe – satisfeito que um milagre tão peculiar – um milagre, não de bênção, como todos os seus outros milagres, mas de maldição – não poderia ter sido feito, mas com alguma referência superior, e totalmente esperando ouvir algo pesado sobre o assunto.

Mestre, eis que a figueira que amaldiçoaste secou, ​​ligando assim as duas coisas a ponto de mostrar que ele traçou a morte da árvore inteiramente para a maldição de seu Senhor. Mateus (Mt 21:20) dá isto simplesmente como uma exclamação geral de surpresa pelos discípulos “quão logo” a praga teve efeito. [JFB, aguardando revisão]

22 E respondendo Jesus, disse-lhes:Tende fé em Deus.

Comentário Whedon

Tende fé em Deus. Tão completa foi a evidência do poder miraculoso que forneceu o fundamento para uma lição de fé miraculosa. [Whedon, aguardando revisão]

23 Em verdade vos digo que qualquer um que disser a este monte:Levanta-te, e lança-te no mar; e não duvidar em seu coração, mas crer que se fará o que diz, tudo o que disser lhe será feito.

Comentário de David Brown

Aqui está a lição. Da natureza do caso supostamente – que eles poderiam desejar que uma montanha fosse removida e lançada ao mar, algo muito distante de qualquer coisa que eles pudessem ser realmente desejados – está claro que não obstáculos físicos, mas morais ao progresso de Sua O reino estava na visão do Redentor, e o que Ele planejou ensinar foi a grande lição, que nenhum obstáculo deveria ser capaz de se colocar diante de uma fé confiante em Deus. [JFB, aguardando revisão]

24 Portanto eu vos digo que tudo o que pedirdes orando, crede que recebereis, e vós o tereis.

Comentário de David Brown

Este versículo generaliza a garantia do verso anterior; o que parece mostrar que ele foi pensado para o encorajamento especial dos esforços evangelísticos e missionários, enquanto que este é um guia para a oração em geral. [JFU]

Comentário de James Morison

Portanto. Isto é, uma vez que a fé em Deus une eficazmente o crente à onipotência do Todo-Poderoso.

eu vos digo que tudo o que pedirdes orando, crede que recebereis. Especificamente, no propósito de Deus. No manuscrito de Cambridge, ou códice Beza (D), o verbo está no futuro, crede que recebereis. No manuscrito Alexandrino (A), por outro lado, e em muitos outros, tanto unciais como cursivos, o verbo está no presente, crede que recebeis, a leitura do Texto Recebido, e portanto reproduzido na versão do Rei James. Mas nos manuscritos do Sinaítico e do Vaticano (א B), como também em C L Δ, o verbo está no passado, crede vós recebestes. E esta é a leitura que foi acolhida nos textos de Lachmann, Tischendorf, Tregelles, Alford. É uma leitura que nunca se teria sugerido como correção. Ela coloca a ideia do Salvador na forma mais forte possível. Seus discípulos deveriam estar tão seguros quanto a obediência seria se eles tivessem recebido. “Antes mesmo que clamem, eu responderei; estando eles ainda falando, eu os ouvirei” (Is 65:24, NAA).

e vós o tereis. Deus sabe de antemão as orações que estão prestes a ascender, e envia Suas respostas em antecipação. Uma grande promessa; e disponível não apenas para os apóstolos, mas para todos os crentes. Comp. Mt 7:7-11; 1Jo 3:22, v. 14,15; Tg 1:4-5, v. 15. Todo desejo do coração humano, que é fruto da fé em Deus ou fé em Cristo, será realizado. (Sl 145:19). É uma coincidência absoluta com o desejo do próprio coração de Deus. Se houver, entrelaçado ou misturado com ele, qualquer átomo de desejo que não esteja em coincidência com a vontade Divina, então o verdadeiro crente, no coração de seu coração, deseja que esse desejo não seja satisfeito. Quando sua oração real é despojada de todos os acessórios não essenciais, descobre-se que a apresentação daquele item em particular é uma excrescência e não faz parte da essência de sua petição. [Morison]

25 E quando estiverdes orando, perdoai, se tendes algo contra alguém, para que o vosso Pai, que está nos céus, vos perdoe vossas ofensas.

Comentário de David Brown

Isto é repetido desde o Sermão da Montanha (cf. Mt 6:12); para lembrá-los de que, se isso fosse necessário para a aceitabilidade de toda oração, muito mais quando grandes coisas fossem solicitadas e confiavelmente esperadas. [JFB, aguardando revisão]

26 Mas se vós não perdoardes, também o vosso Pai, que está nos céus, não vos perdoará vossas ofensas.

Comentário de David Brown

Isso é repetido no Sermão da Montanha (veja as notas em Mateus 6:14-15); para lembrá-los de que, se isso era necessário para a aceitação de todas as orações, muito mais quando grandes coisas deviam ser pedidas e esperadas com confiança. [Tischendorf exclui Marcos 11:26 de seu texto, no que nos parece evidência muito insuficiente. Ele acha que foi emprestado de Mateus 6:15. Tregelles também o exclui; mas Lachmann o mantém. Dos comentadores críticos, embora Fritzsche o coloque entre parênteses e se incline contra ele, Meyer e Alford o defendem, e DeWette é a favor dele.] [JFU, aguardando revisão]

27 Depois voltaram a Jerusalém; e, enquanto ele andava pelo Templo, vieram a ele os chefes dos sacerdotes, os escribas, e os anciãos.

Comentário Cambridge

enquanto ele andava pelo Templo] Isso está de acordo com o estilo vívido de delineamento de São Marcos.

anciãos. Os antigos representantes do povo. Com os principais sacerdotes e escribas, constituíram nesta ocasião uma delegação formal do Sinédrio. Encontramos o primeiro aviso dos presbíteros agindo em conjunto como um corpo político na época do Êxodo (Êxodo 19:7; Deu 31:9). Sua autoridade, que se estendia a todos os assuntos do bem comum, eles exerciam sob (a) os Juízes (Juízes 2:7; 1Sa 4:3); sob (b) os Reis (1Sa 30:26; 1Cr 21:16; 2Sa 17:4); durante (c) o cativeiro (Jr 29:1; Ez 8:1); após (d) o Retorno (Esd 5:5; Esd 6:7; Esd 6:14; Esd 10:8; Esd 10:14); sob (e) os Macabeus (1Ma 12:6; 2Ma 1:10); em (f) o tempo de nosso Senhor, quando eles denotaram um corpo distinto no Sinédrio, entre o qual obtiveram seu assento por eleição ou nomeação da autoridade executiva. [Cambridge, aguardando revisão]

28 E disseram-lhe:Com que autoridade fazes estas coisas? Ou quem te deu esta autoridade, para fazerdes estas coisas?

Comentário do Púlpito

Com que autoridade fazes estas coisas? Aprendemos com Marcos 11:18 que os principais sacerdotes e escribas já estavam procurando como eles poderiam destruí-lo, e eles queriam estabelecer alguma acusação definitiva, seja de blasfêmia ou de sedição, contra ele. Eles agora se aproximam dele enquanto ele caminhava no templo, e exigem que autoridade ele estava fazendo essas coisas, como expulsar os profanadores do templo, ensinar e instruir o povo, aceitar seus Hosanas, etc.

Ou quem te deu esta autoridade, para fazerdes estas coisas? De acordo com a melhor leitura, esta frase deve ser executada, ou (ἢ em vez de καὶ) quem te deu, etc., em vez de “e quem te deu”, etc. De modo que as perguntas sejam direcionadas a duas coisas – era sua autoridade inerente ? ou foi derivada? [Pulpit, aguardando revisão]

29 Jesus lhes respondeu:Também eu vos farei uma pergunta, e respondei-me; então vos direi com que autoridade faço estas coisas.

Comentário do Púlpito

Também eu vos farei uma pergunta (ἐπερωτήσω ὑμᾶς ἕνα λόγον). O verbo justifica a tradução, uma pergunta, para “uma palavra”. A pergunta que nosso Senhor lhes colocou foi aquela em que dependeu a solução daquela proposta pelos escribas. É como se ele dissesse:”Você não acredita em mim quando digo que recebi poder de Deus. Acredite então em João Batista, que testificou de mim que fui enviado por Deus para fazer essas coisas.” [Pulpit, aguardando revisão]

30 O batismo de João era do céu ou dos homens? Respondei-me.

Comentário do Púlpito

O batismo de João era do céu ou dos homens? Pelo “batismo de João”, nosso Senhor quer dizer seu testemunho a respeito de si mesmo, sua doutrina e nada de sua pregação. É uma sinédoque – a parte colocada para o todo. O argumento é incontestável. É o seguinte:”Você pergunta de onde eu obtenho minha autoridade – de Deus ou dos homens? Eu, por minha vez, pergunto de quem João Batista tirou sua autoridade para batizar e ensinar? Do céu ou dos homens? isso de Deus, como todos confessarão, então eu também tenho o mesmo de Deus, pois João testificou de mim, dizendo que ele era apenas um servo, o amigo do Noivo; mas que eu era o Messias, o Filho de Deus:e isto também quando você enviou mensageiros a ele para seu propósito especial, para que você pudesse saber dele se ele era o Messias. ” (Ver Jo 1:20; Jo 10:41.)

Respondei-me. Isso é característico do estilo de Marcos e da seriedade digna de nosso Senhor. [Pulpit, aguardando revisão]

31 E eles argumentavam entre si, dizendo:Se dissermos do céu, ele dirá:Por que, pois, não crestes nele?

Comentário do Púlpito

E eles argumentavam entre si – como homens ansiosos e perplexos. Se dissermos do céu, ele dirá:Por que, pois, não crestes nele? Pois ele disse que eu era o Messias prometido e ordenou que vocês se preparassem pelo arrependimento para receber minha graça e salvação. [Pulpit, aguardando revisão]

32 Porém, se dissermos dos homens, tememos ao povo, porque todos consideravam que João era verdadeiramente profeta.

Comentário do Púlpito

Esta é uma frase quebrada, mas muito expressiva. O evangelista deixa seu leitor fornecer o que eles significam. Eles consideraram prudente não terminar a frase; e provavelmente interrompê-lo com algum gesto significativo. Eles não gostavam de confessar que temiam o povo; embora esta fosse a verdadeira razão pela qual eles hesitaram em dizer que o batismo de João era de homens. Eles sabiam que todas as pessoas consideravam João um profeta. Assim eles foram colocados em uma corda bamba. [Pulpit, aguardando revisão]

33 Então responderam a Jesus:Não sabemos. E Jesus lhes replicou:Também eu não vos direi com que autoridade faço estas coisas.

Comentário do Púlpito

Não sabemos. Eles tinham visto a vida de John. Eles tinham ouvido seu ensino sagrado e divino. Eles foram testemunhas de sua morte pela verdade; e ainda assim eles mentem. Eles poderiam ter dito:”Achamos que é imprudente ou impróprio dizer;” mas para isso não tiveram coragem moral suficiente.

Também eu não vos direi com que autoridade faço estas coisas. Você não responderá à minha pergunta; nem, portanto, responderei a sua; porque sua resposta à minha é a sua própria resposta. “Ele mostra assim”, diz São Jerônimo, “que eles sabiam, mas não iriam responder; e que ele sabia, mas não falava, porque eles se calaram quanto ao que sabiam.” Nosso Senhor fez assim, mas distribuiu a eles a medida que eles impuseram a ele. [Pulpit, aguardando revisão]

<Marcos 10 Marcos 12>

Visão geral de Marcos

O evangelho de Marcos, mostra que “Jesus é o Messias de Israel inaugurando o reino de Deus através do Seu sofrimento, morte e ressurreição”. Tenha uma visão geral do Evangelho através deste breve vídeo (10 minutos) produzido pelo BibleProject.

🔗 Abrir vídeo no Youtube.

Sobre a afirmação do vídeo de que o final do Evangelho de Marcos (16:9-20) não foi escrito por ele, penso ser necessário acrescentar algumas considerações. De fato, há grande discussão entre estudiosos sobre este assunto, já que os manuscritos mais antigos de Marcos não têm essa parte. Porém, mesmo que seja verdade que este final não tenha sido escrito pelo evangelista, todas as suas afirmações são asseguradas pelos outros Evangelhos e Atos dos Apóstolos. Para entender mais sobre a ciência que estuda os manuscritos antigos acesse esta aula de manuscritologia bíblica.

Leia também uma introdução ao Evangelho de Marcos.

Todas as Escrituras em português citadas são da Bíblia Livre (BLIVRE), Copyright © Diego Santos, Mario Sérgio, e Marco Teles – fevereiro de 2018.