Bíblia, Revisar

1 Crônicas 21

Mensagem importante
Olá visitante do Apologeta! Vou direto ao ponto: peço que você me ajude a manter este projeto. Atualmente a renda gerada através dos anúncios são insuficientes para que eu me dedique exclusivamente a ele. Se cada pessoa que ler essa mensagem hoje, doar o valor de R$10.00, eu poderia me dedicar integralmente ao Apologeta pelo próximo ano e ainda remover todas as propagandas do site (que eu sei que são um pouco incômodas). Tenho um propósito ousado com este site: traduzir e disponibilizar gratuitamente conteúdo teológico de qualidade. O que inclui um dicionário bíblico completo (+4000 verbetes) e comentário de todos os 31.105 versículos da Bíblia. Faça parte deste projeto e o ajude a continuar crescendo. Obrigado!

Davi peca em numerar as pessoas

1 Mas Satanás se levantou contra Israel, e incitou a Davi a que contasse a Israel.

Satanás se levantou contra Israel – Deus, retirando Sua graça neste tempo de Davi (ver em 2Sm 24:1), permitiu que o tentador prevalecesse sobre ele. Como o resultado dessa tentação bem-sucedida foi o resultado de uma pesada calamidade como castigo de Deus sobre o povo, pode-se dizer que “Satanás se levantou contra Israel”.

contasse a Israel – No ato de fazer o censo de um povo, não há apenas mal, mas muita utilidade. Mas numerar Israel – que o povo que se tornaria como as estrelas pela multidão, implicando uma desconfiança da promessa divina, era um pecado; e embora tenha sido feito com impunidade no tempo de Moisés, nessa contagem cada um dos povos contribuiu com “meio siclo para a construção do tabernáculo”, para que não houvesse praga entre eles quando os contasse (Êx 30:12). Por isso, a numeração desse povo era, em si mesma, considerada uma tarefa pela qual a ira de Deus podia ser facilmente despertada; mas quando os arranjos foram feitos por Moisés para a realização do censo, Deus não estava zangado porque as pessoas foram numeradas para o propósito expresso do imposto para o santuário, e o dinheiro que assim foi coletado (“o dinheiro da expiação”, Êx 30:16) apaziguou-o. Tudo dependia, portanto, do desenho do censo [Bertheau]. O pecado de Davi contando com o povo consistia em gratificar seu orgulho para averiguar o número de guerreiros que ele poderia reunir para algum plano de conquista meditado; ou, talvez, mais provavelmente ainda, instituir um sistema regular e permanente de tributação, que ele considerava necessário para prover um estabelecimento adequado para a monarquia, mas que era considerado como uma expropriação tirânica e opressiva – uma inovação sobre a liberdade das pessoas. – um afastamento do uso antigo impróprio para um rei de Israel.

2 E disse Davi a Joabe e a os príncipes do povo: Ide, contai a Israel desde Berseba até Dã, e trazei-me o número deles para que eu o saiba.
3 E disse Joabe: Acrescente o SENHOR a seu povo cem vezes outros tantos. Rei senhor meu, não são todos estes servos de meu senhor? Para que procura meu senhor isto, que será pernicioso a Israel?

Para que procura meu senhor isto, que será pernicioso a Israel? – ou trazer uma ocasião de castigo a Israel. Em hebraico, a palavra “pecado” é frequentemente usada como sinônimo da punição do pecado. No curso da Providência, as pessoas frequentemente sofrem pela má conduta de seus governantes.

4 Mas o mandamento do rei pode mais que Joabe. Saiu por tanto Joabe, e foi por todo Israel; e voltou a Jerusalém, e deu a conta do número do povo a Davi.

Totalizou um milhão e cem mil homens em Israel, capazes de carregar armas, inclusive dos trezentos mil militares (1Cr 27:1-9), que, sendo já alistado no serviço real, não foram contados (2Sm 24:9), e quatrocentos e setenta mil homens em Judá, omitindo trinta mil que formaram um exército de observação estacionados na fronteira filistéia (2Sm 6:1). Uma população tão grande neste período inicial, considerando a extensão limitada do país e comparando-a com o censo anterior (Nm 26:1-65), é uma impressionante prova do cumprimento da promessa (Gn 15:5).

5 E achou-se em todo Israel que tiravam espada, onze vezes cem mil; e de Judá quatrocentos e setenta mil homens que tiravam espada.
6 Entre estes não foram contados os levitas, nem os filhos de Benjamim, porque Joabe abominava o mandamento do rei.

não foram contados os levitas, nem os filhos de Benjamim – Se este recenseamento foi ordenado com vista à imposição de impostos, isso por si só seria responsável por Levi, que não eram guerreiros (1Cr 21:5), não sendo contados (ver em Nm 1:47-54). A população de Benjamim havia sido tomada (ver em 1Cr 7:6-11), e o registro foi preservado nos arquivos daquela tribo. Isto, no entanto, foi tomado em outra ocasião, e por outra agência que não a de Joabe. A não-numeração dessas duas tribos pode ter se originado na providência especial e graciosa de Deus, em parte porque Levi era dedicado ao Seu serviço, e Benjamim havia se tornado o menor de todas as tribos (Jz 21:1-25); e em parte porque Deus previu que eles permaneceriam fiéis à casa de Davi na divisão das tribos e, portanto, Ele não os teria diminuído [Poole]. A partir do curso seguido nesta pesquisa (veja 2Sm 24:4-8), parece que Judá e Benjamim foram as últimas tribos que deveriam ser visitadas; e que, depois de terminado o recenseamento em Judá, Joabe, antes de entrar no de Benjamim, teve que voltar a Jerusalém, onde o rei, agora sensível ao seu grande erro, ordenou que todos os procedimentos futuros fossem suspensos. Não apenas a repreensão de Joabe no início, mas seu lento progresso na pesquisa (2Sm 24:8) mostrou a forte repugnância e até horror do velho general nesta medida inconstitucional.

7 Assim desagradou este negócio a os olhos de Deus, e feriu a Israel.
8 E disse Davi a Deus: Pequei gravemente em fazer isto: rogo-te que faças passar a iniquidade de teu servo, porque eu ei feito muito loucamente.
9 E falou o SENHOR a Gade, vidente de Davi, dizendo:

Embora Davi fosse dotado de um dom profético, ainda assim, em questões relativas a si mesmo ou a seu reino, ele tinha o hábito de consultar o Senhor por intermédio dos sacerdotes; e quando ele não conseguiu, um profeta foi enviado em ocasiões extraordinárias para adverti-lo ou castigá-lo. Gad, um amigo particular, foi ocasionalmente empregado como portador dessas mensagens proféticas.

10 Vai, e fala a Davi, e dize-lhe: Assim disse o SENHOR: Três coisas te proponho; escolhe de elas uma que eu faça contigo.

escolhe de elas – Aos três males correspondem em belo acordo: três anos, três meses, três dias [Bertheau]. (Veja em 2Sm 24:13).

11 E vindo Gade a Davi, disse-lhe: Assim disse o SENHOR:
12 Escolhe-te, ou três anos de fome; ou ser por três meses defeito diante de teus inimigos, e que a espada de teus adversários te alcance; ou por três dias a espada do SENHOR e pestilência na terra, e que o anjo do SENHOR destrua em todo o termo de Israel. Olha, pois, o que responderá ao que me enviou.
13 Então Davi disse a Gade: Estou em grande angústia: rogo que eu caia na mão do SENHOR; porque suas misericórdias são muitas em extremo, e que não caia eu em mãos de homens.

rogo que eu caia na mão do SENHORe que não caia eu em mãos de homens – A experiência ensinou-lhe que a paixão humana e a vingança não tinham limites, enquanto nosso sábio e gracioso Pai celestial conhece a espécie e regula a extensão , de castigo que todo mundo precisa.

14 Assim o SENHOR deu pestilência em Israel, e caíram de Israel setenta mil homens.

Assim o SENHOR deu pestilência em Israel – A imposição apenas da pestilência é aqui notada, sem qualquer relato de sua duração ou de sua devastação, enquanto uma descrição minuciosa é dada da aparência visível e da atitude ameaçadora do anjo destruidor. .

15 E enviou o SENHOR o anjo a Jerusalém para destruí-la: mas estando ele destruindo, olhou o SENHOR, e arrependeu-se daquele mal,

ficava na eira de Ornã, o jebuseu – Ornã era provavelmente hebreu ou judeu, Araúna, seu nome jebuseu ou cananeu. Se ele era o velho rei de Jebus, como esse título é dado a ele (2Sm 24:23), ou não, ele havia se convertido à adoração do verdadeiro Deus, e possuía propriedades e influência.

16 E levantando Davi seus olhos, viu ao anjo do SENHOR, que estava entre o céu e a terra, tendo uma espada nua em sua mão, estendida contra Jerusalém. Então Davi e os anciãos se prostraram sobre seus rostos, cobertos de sacos.

Então Davi e os anciãos se prostraram sobre seus rostos, cobertos de sacos – Eles apareceram nos trajes e assumiram a atitude de humildes penitentes, confessando seus pecados e depreciando a ira de Deus.

17 E disse Davi a Deus: Não sou eu o que fez contar o povo? Eu mesmo sou o que pequei, e certamente fiz mal; mas estas ovelhas, que fizeram? Ó SENHOR, Deus meu, seja agora tua mão contra mim, e contra a casa de meu pai, e não haja praga em teu povo.

Davi constrói um altar

18 E o anjo do SENHOR ordenou a Gade que dissesse a Davi, que subisse e construísse um altar a o SENHOR na era de Ornã jebuseu.

o anjo do SENHOR ordenou a Gade que dissesse – A ordem sobre a construção de um altar, bem como a indicação de seu local, é descrita (2Sm 24:18) como trazida diretamente por Gad. Aqui estamos informados do bairro de onde o profeta recebeu sua comissão. É somente nos últimos estágios da história de Israel que encontramos anjos empregados na comunicação da vontade divina aos profetas.

19 Então Davi subiu, conforme a palavra de Gade que lhe havia dito em nome do SENHOR.
20 E voltando-se Ornã viu o anjo; pelo que se esconderam quatro filhos seus que com ele estavam. E Ornã trilhava o trigo.

Ornã trilhava o trigo – Se o censo fosse feito no outono, o começo do ano civil, os nove meses e meio ocupados terminariam na colheita do trigo. A maneira comum de debulhar o milho é espalhando-o em uma área de alto nível, e dirigindo para trás e para frente sobre ele dois bois aproveitados em um trenó desajeitado com três rolos e alguns espetos afiados. O motorista senta-se de joelhos na caixa, enquanto outra pessoa é empregada para retirar o canudo e separá-lo do grão por baixo. Por esta operação o joio é muito picado e o grão debulhado.

21 E vindo Davi a Ornã, olhou este, e viu a Davi: e saindo da eira, prostrou-se em terra a Davi.
22 Então disse Davi a Ornã: Dá-me este lugar da eira, em que edifique um altar a o SENHOR, e dá-o a mim por seu devido preço, para que cesse a praga do povo.
23 E Ornã respondeu a Davi: Toma-o para ti, e faça meu senhor o rei o que bem lhe parecer; e ainda os bois darei para o holocausto, e os trilhos para lenha, e trigo para a oferta de alimentos; eu dou tudo.

Isto é, para queimar o sacrifício dos bois. Muito pouca importância real – a pressa e o valor do presente oferecido – podem ser entendidos neste país. A oferta foi feita para uso imediato. Ornan, por este meio, esperando acabar com a peste sem um momento de atraso, “deu tudo”, bois, a grande máquina de debulhar e o trigo.

24 Então o rei Davi disse a Ornã: Não, mas sim que efetivamente a comprarei por seu justo preço: porque não tomarei para o SENHOR o que é teu, nem sacrificarei holocausto que nada me custe.
25 E deu Davi a Ornã pelo lugar seiscentos siclos de ouro por peso.

pelo lugar seiscentos siclos de ouro – A princípio ele comprou somente o gado e os instrumentos de debulha, pelos quais pagou cinquenta siclos de prata (2Sm 24:24); depois comprou toda a propriedade, o Monte Moriá, onde ficava o futuro templo. No centro da plataforma montanhosa, ergue-se uma rocha notável, agora coberta pela cúpula do “Sakrah”. Ela é irregular em sua forma e mede cerca de sessenta pés em uma direção e cinquenta pés na outra. É a superfície natural do Monte Moriá e é considerada por muitos como a rocha da eira de Araúna, selecionada por Davi, e continuada por Salomão e Zorobabel como “a pedra bruta” sobre a qual edificar o altar [Bartlett, Caminha por Jerusalém; Stanley].

26 E edificou ali Davi um altar a o SENHOR, em o que ofereceu holocaustos e sacrifícios pacíficos, e invocou a o SENHOR, o qual lhe respondeu por fogo dos céus em o altar do holocausto.

E edificou ali Davi um altar – Ele foi em procissão com seus líderes do palácio real, pelo Monte Sião e pela cidade intermediária. Embora tivesse bastante espaço em sua propriedade, foi ordenado, sob direção peremptória, a percorrer uma distância considerável de sua casa, subir o Monte Moriá, para erigir um altar nas instalações que ele tinha de comprar. Foi sobre ou perto do local onde Abraão havia oferecido Isaque.

respondeu por fogo dos céus – (Veja Lv 9:24, 1Rs 18:21-23, 2Rs 1:12, 2Cr 7:1).

27 E como o SENHOR falou ao anjo, ele voltou sua espada à bainha.
28 Então vendo Davi que o SENHOR lhe havia ouvido na eira de Ornã jebuseu, sacrificou ali.

Ou “continuou a sacrificar-se ali”. Percebendo que seu sacrifício era aceitável, ele fez ofertas adicionais lá e buscou favor pela oração e pelos ritos expiatórios; pois o pavor do anjo ameaçador destruindo Jerusalém enquanto ele estava ausente no centro de adoração em Gibeon, especialmente a reverência pelo Ser Divino, levou-o a continuar suas adorações naquele lugar que Deus (2Cr 3:1) consagrara sinais de Sua presença e aceitação graciosa.

29 E o tabernáculo do SENHOR que Moisés havia feito no deserto, e o altar do holocausto, estavam então no alto de Gibeão:
30 Mas Davi não pode ir ali a consultar a Deus, porque estava espantado por causa da espada do anjo do SENHOR.
<1 Crônicas 20 1 Crônicas 22>

Leia também uma introdução aos livros das Crônicas.

Adaptado de: Commentary Critical and Explanatory on the Whole Bible. Todas as Escrituras em português citadas são da Bíblia Livre (BLIVRE), Copyright © Diego Santos, Mario Sérgio, e Marco Teles – fevereiro de 2018.

Conteúdos recomendados