1 Crônicas 21

Davi peca em numerar as pessoas

1 Mas Satanás se levantou contra Israel, e incitou a Davi a que contasse a Israel.

Comentário de Robert Jamieson

contasse a Israel. Fazer o censo de um povo, não só não é um mal e si mesmo, mas é muito útil. Porém numerar Israel – o povo que se tornaria como as estrelas do céu – implicando uma desconfiança da promessa divina, era um pecado; e embora tenha sido feita sem punição no tempo de Moisés, naquela oportunidade cada um contribuiu com “meio siclo para a construção do tabernáculo”, para que não houvesse praga entre eles quando ele os numerava (Êxodo 30:12). Portanto, a numeração daquele povo, era em si mesma considerada, como um projeto pelo qual a ira de Deus podia ser facilmente despertada; mas, quando os preparativos foram feitos por Moisés para a realização do censo, Deus não se enfureceu, porque o povo foi contado para o propósito expresso de pagar o imposto para o santuário, e o dinheiro que foi assim recolhido, “o dinheiro da expiação” (Êxodo 30:16), serviu para que Deus não trouxesse juízo sobre eles. Tudo dependia, portanto, do propósito do censo (Bertheau). O pecado de Davi ao numerar o povo consistiu em satisfazer o seu orgulho, ao saber o número de guerreiros que ele poderia reunir para algum projeto de conquista, ou, talvez, mais provavelmente ainda, em instituir um sistema de tributação regular e permanente, que ele considerava necessário para consolidar a monarquia, mas que era considerado como uma tirania e opressão – uma mudança sobre a liberdade do povo – um afastamento do costume antigo impróprio de um rei de Israel. [JFU, 1871]

2 E disse Davi a Joabe e a os príncipes do povo: Ide, contai a Israel desde Berseba até Dã, e trazei-me o número deles para que eu o saiba.

Comentário de Keil e Delitzsch

(2-14) A nomeação do העם שׂרי junto com Joabe está de acordo com as circunstâncias, pois aprendemos em 2Samuel 24:4 que Joabe não realizou a contagem do povo sozinho, mas foi auxiliado pelos capitães do exército. O objeto de אלי והביאוּ, que não é expresso, resultado da numeração, pode ser fornecido a partir do contexto. Nenhuma objeção precisa ser feita ao simples כּהם de 1 Crônicas 21:3, ao invés do duplo וכהם כּהם em Samuel. A repetição da mesma palavra, “há tantos e tantos deles”, é uma peculiaridade do autor do livro de Samuel (compare com 2Samuel 12:8), enquanto a expressão na Crônica corresponde à de Deuteronômio 1 :11. Com as palavras וגו אדני הלא, “Eles não são, meu senhor rei, todos os servos do meu senhor”, ou seja, sujeitos a ele? Joabe dissipa a suspeita de que ele ressentia ao rei a alegria de reinar sobre um povo muito numeroso. Em 2Samuel 24:3 o pensamento toma outro rumo; e a última cláusula: “Por que isso (a coisa ou a numeração) se tornaria uma transgressão para Israel?” está querendo. אשׁמה denota aqui uma transgressão que deve ser expiada, não uma que se comete. O significado é, portanto, por que Israel deveria expiar seu pecado, buscando sua glória no poder e grandeza do seu reino? Sobre os números, 1Crônicas 21:5, ver em 2Samuel 24:9. Ao comentar 1Crônicas 21:6, que não se encontra em Samuel, Berth. defende a afirmação de que Joabe não fez nenhuma reunião das tribos Levi e Benjamin, contra as objeções de Wette e Gramberg, como é feito em meu apologeta. Versuche, S. 349ss., mostrando que a tribo de Levi estava por lei (compare com Números 1:47-54) isenta dos censos das pessoas tomadas para fins políticos; e a tribo de Benjamim não foi contada, porque Davi, tendo se tornado consciente de seu pecado, interrompeu a numeração antes que fosse concluída (compare com também as observações em 2Samuel 24:9). A razão dada, “porque a palavra do rei era uma abominação para Joabe”, é certamente a opinião subjetiva do historiador, mas mostra-se bem fundamentada pelas circunstâncias, pois Joabe desaprovou o desígnio do rei desde o início; (compare com 2Samuel 24:3 e 1Crônicas 21:3). – Em 1 Crônicas 21:7, o autor da Crônica, ao invés de atribuir a confissão do pecado de Davi que segue ao motivo puramente subjetivo declarado nas palavras “e o coração de Davi o feriu”, ou seja, sua consciência (2Samuel 24 :10), atribuiu o rumo que as coisas tomaram a causas objetivas: a coisa desagradou a Deus; e antecipando o curso dos eventos, ele observa imediatamente, “e Ele (Deus) feriu Israel”. Isso, no entanto, não é motivo para pensar, com Berth., que as palavras surgiram de uma má interpretação ou alteração de 2Samuel 24:10; para tais observações antecipatórias, abrangendo o conteúdo dos versículos seguintes, não raramente ocorrem nos livros históricos (compare com, por exemplo, 1Rs 6:14; 1Rs 7:2). – Em referência a 1Cronicas 21:8-10, ver em 2Samuel 24:10-16. – Em 1Crônicas 21:12, נספּה não entrou no texto por engano ou por leitura errada de נסך (2Samuel 24:13), mas é original, o autor da Crônica descreve os dois últimos males mais detalhadamente do que Samuel. A palavra não é um particípio, mas um substantivo formado a partir do particípio, com o significado de “perecer” (o ser arrebatado). A segunda cláusula paralela, “a espada dos teus inimigos para alcançar” (para que te alcance), serve para intensificar. Assim também em referência ao terceiro mal, o יהוה חרב que precede בּארץ דּבר, e a cláusula paralela adicionada a ambos: “e o anjo do Senhor destruindo em todo o domínio de Israel.” [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

3 E disse Joabe: Acrescente o SENHOR a seu povo cem vezes outros tantos. Rei senhor meu, não são todos estes servos de meu senhor? Para que procura meu senhor isto, que será pernicioso a Israel?

Comentário de Robert Jamieson

Para que procura meu senhor isto, que será pernicioso a Israel? – ou trazer uma ocasião de castigo a Israel. Em hebraico, a palavra “pecado” é frequentemente usada como sinônimo da punição do pecado. No curso da Providência, as pessoas frequentemente sofrem pela má conduta de seus governantes. [Jamieson, aguardando revisão]

4 Mas o mandamento do rei pode mais que Joabe. Saiu por tanto Joabe, e foi por todo Israel; e voltou a Jerusalém, e deu a conta do número do povo a Davi.

Comentário de Robert Jamieson

Totalizou um milhão e cem mil homens em Israel, capazes de carregar armas, inclusive dos trezentos mil militares (1Crônicas 27:1-9), que, sendo já alistado no serviço real, não foram contados (2Samuel 24:9), e quatrocentos e setenta mil homens em Judá, omitindo trinta mil que formaram um exército de observação estacionados na fronteira filistéia (2Samuel 6:1). Uma população tão grande neste período inicial, considerando a extensão limitada do país e comparando-a com o censo anterior (Números 26:1-65), é uma impressionante prova do cumprimento da promessa (Gênesis 15:5). [Jamieson, aguardando revisão]

5 E achou-se em todo Israel que tiravam espada, onze vezes cem mil; e de Judá quatrocentos e setenta mil homens que tiravam espada.

Comentário de Keil e Delitzsch

(2-14) A nomeação do העם שׂרי junto com Joabe está de acordo com as circunstâncias, pois aprendemos em 2Samuel 24:4 que Joabe não realizou a contagem do povo sozinho, mas foi auxiliado pelos capitães do exército. O objeto de אלי והביאוּ, que não é expresso, resultado da numeração, pode ser fornecido a partir do contexto. Nenhuma objeção precisa ser feita ao simples כּהם de 1 Crônicas 21:3, ao invés do duplo וכהם כּהם em Samuel. A repetição da mesma palavra, “há tantos e tantos deles”, é uma peculiaridade do autor do livro de Samuel (compare com 2Samuel 12:8), enquanto a expressão na Crônica corresponde à de Deuteronômio 1 :11. Com as palavras וגו אדני הלא, “Eles não são, meu senhor rei, todos os servos do meu senhor”, ou seja, sujeitos a ele? Joabe dissipa a suspeita de que ele ressentia ao rei a alegria de reinar sobre um povo muito numeroso. Em 2Samuel 24:3 o pensamento toma outro rumo; e a última cláusula: “Por que isso (a coisa ou a numeração) se tornaria uma transgressão para Israel?” está querendo. אשׁמה denota aqui uma transgressão que deve ser expiada, não uma que se comete. O significado é, portanto, por que Israel deveria expiar seu pecado, buscando sua glória no poder e grandeza do seu reino? Sobre os números, 1Crônicas 21:5, ver em 2Samuel 24:9. Ao comentar 1Crônicas 21:6, que não se encontra em Samuel, Berth. defende a afirmação de que Joabe não fez nenhuma reunião das tribos Levi e Benjamin, contra as objeções de Wette e Gramberg, como é feito em meu apologeta. Versuche, S. 349ss., mostrando que a tribo de Levi estava por lei (compare com Números 1:47-54) isenta dos censos das pessoas tomadas para fins políticos; e a tribo de Benjamim não foi contada, porque Davi, tendo se tornado consciente de seu pecado, interrompeu a numeração antes que fosse concluída (compare com também as observações em 2Samuel 24:9). A razão dada, “porque a palavra do rei era uma abominação para Joabe”, é certamente a opinião subjetiva do historiador, mas mostra-se bem fundamentada pelas circunstâncias, pois Joabe desaprovou o desígnio do rei desde o início; (compare com 2Samuel 24:3 e 1Crônicas 21:3). – Em 1 Crônicas 21:7, o autor da Crônica, ao invés de atribuir a confissão do pecado de Davi que segue ao motivo puramente subjetivo declarado nas palavras “e o coração de Davi o feriu”, ou seja, sua consciência (2Samuel 24 :10), atribuiu o rumo que as coisas tomaram a causas objetivas: a coisa desagradou a Deus; e antecipando o curso dos eventos, ele observa imediatamente, “e Ele (Deus) feriu Israel”. Isso, no entanto, não é motivo para pensar, com Berth., que as palavras surgiram de uma má interpretação ou alteração de 2Samuel 24:10; para tais observações antecipatórias, abrangendo o conteúdo dos versículos seguintes, não raramente ocorrem nos livros históricos (compare com, por exemplo, 1Rs 6:14; 1Rs 7:2). – Em referência a 1Cronicas 21:8-10, ver em 2Samuel 24:10-16. – Em 1Crônicas 21:12, נספּה não entrou no texto por engano ou por leitura errada de נסך (2Samuel 24:13), mas é original, o autor da Crônica descreve os dois últimos males mais detalhadamente do que Samuel. A palavra não é um particípio, mas um substantivo formado a partir do particípio, com o significado de “perecer” (o ser arrebatado). A segunda cláusula paralela, “a espada dos teus inimigos para alcançar” (para que te alcance), serve para intensificar. Assim também em referência ao terceiro mal, o יהוה חרב que precede בּארץ דּבר, e a cláusula paralela adicionada a ambos: “e o anjo do Senhor destruindo em todo o domínio de Israel.” [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

6 Entre estes não foram contados os levitas, nem os filhos de Benjamim, porque Joabe abominava o mandamento do rei.

Comentário de Robert Jamieson

não foram contados os levitas, nem os filhos de Benjamim – Se este recenseamento foi ordenado com vista à imposição de impostos, isso por si só seria responsável por Levi, que não eram guerreiros (1Crônicas 21:5), não sendo contados (ver em Números 1:47-54). A população de Benjamim havia sido tomada (ver em 1Crônicas 7:6-11), e o registro foi preservado nos arquivos daquela tribo. Isto, no entanto, foi tomado em outra ocasião, e por outra agência que não a de Joabe. A não-numeração dessas duas tribos pode ter se originado na providência especial e graciosa de Deus, em parte porque Levi era dedicado ao Seu serviço, e Benjamim havia se tornado o menor de todas as tribos (Juízes 21:1-25); e em parte porque Deus previu que eles permaneceriam fiéis à casa de Davi na divisão das tribos e, portanto, Ele não os teria diminuído [Poole]. A partir do curso seguido nesta pesquisa (veja 2Samuel 24:4-8), parece que Judá e Benjamim foram as últimas tribos que deveriam ser visitadas; e que, depois de terminado o recenseamento em Judá, Joabe, antes de entrar no de Benjamim, teve que voltar a Jerusalém, onde o rei, agora sensível ao seu grande erro, ordenou que todos os procedimentos futuros fossem suspensos. Não apenas a repreensão de Joabe no início, mas seu lento progresso na pesquisa (2Samuel 24:8) mostrou a forte repugnância e até horror do velho general nesta medida inconstitucional. [Jamieson, aguardando revisão]

7 Assim desagradou este negócio a os olhos de Deus, e feriu a Israel.

Comentário de Keil e Delitzsch

(2-14) A nomeação do העם שׂרי junto com Joabe está de acordo com as circunstâncias, pois aprendemos em 2Samuel 24:4 que Joabe não realizou a contagem do povo sozinho, mas foi auxiliado pelos capitães do exército. O objeto de אלי והביאוּ, que não é expresso, resultado da numeração, pode ser fornecido a partir do contexto. Nenhuma objeção precisa ser feita ao simples כּהם de 1 Crônicas 21:3, ao invés do duplo וכהם כּהם em Samuel. A repetição da mesma palavra, “há tantos e tantos deles”, é uma peculiaridade do autor do livro de Samuel (compare com 2Samuel 12:8), enquanto a expressão na Crônica corresponde à de Deuteronômio 1 :11. Com as palavras וגו אדני הלא, “Eles não são, meu senhor rei, todos os servos do meu senhor”, ou seja, sujeitos a ele? Joabe dissipa a suspeita de que ele ressentia ao rei a alegria de reinar sobre um povo muito numeroso. Em 2Samuel 24:3 o pensamento toma outro rumo; e a última cláusula: “Por que isso (a coisa ou a numeração) se tornaria uma transgressão para Israel?” está querendo. אשׁמה denota aqui uma transgressão que deve ser expiada, não uma que se comete. O significado é, portanto, por que Israel deveria expiar seu pecado, buscando sua glória no poder e grandeza do seu reino? Sobre os números, 1Crônicas 21:5, ver em 2Samuel 24:9. Ao comentar 1Crônicas 21:6, que não se encontra em Samuel, Berth. defende a afirmação de que Joabe não fez nenhuma reunião das tribos Levi e Benjamin, contra as objeções de Wette e Gramberg, como é feito em meu apologeta. Versuche, S. 349ss., mostrando que a tribo de Levi estava por lei (compare com Números 1:47-54) isenta dos censos das pessoas tomadas para fins políticos; e a tribo de Benjamim não foi contada, porque Davi, tendo se tornado consciente de seu pecado, interrompeu a numeração antes que fosse concluída (compare com também as observações em 2Samuel 24:9). A razão dada, “porque a palavra do rei era uma abominação para Joabe”, é certamente a opinião subjetiva do historiador, mas mostra-se bem fundamentada pelas circunstâncias, pois Joabe desaprovou o desígnio do rei desde o início; (compare com 2Samuel 24:3 e 1Crônicas 21:3). – Em 1 Crônicas 21:7, o autor da Crônica, ao invés de atribuir a confissão do pecado de Davi que segue ao motivo puramente subjetivo declarado nas palavras “e o coração de Davi o feriu”, ou seja, sua consciência (2Samuel 24 :10), atribuiu o rumo que as coisas tomaram a causas objetivas: a coisa desagradou a Deus; e antecipando o curso dos eventos, ele observa imediatamente, “e Ele (Deus) feriu Israel”. Isso, no entanto, não é motivo para pensar, com Berth., que as palavras surgiram de uma má interpretação ou alteração de 2Samuel 24:10; para tais observações antecipatórias, abrangendo o conteúdo dos versículos seguintes, não raramente ocorrem nos livros históricos (compare com, por exemplo, 1Rs 6:14; 1Rs 7:2). – Em referência a 1Cronicas 21:8-10, ver em 2Samuel 24:10-16. – Em 1Crônicas 21:12, נספּה não entrou no texto por engano ou por leitura errada de נסך (2Samuel 24:13), mas é original, o autor da Crônica descreve os dois últimos males mais detalhadamente do que Samuel. A palavra não é um particípio, mas um substantivo formado a partir do particípio, com o significado de “perecer” (o ser arrebatado). A segunda cláusula paralela, “a espada dos teus inimigos para alcançar” (para que te alcance), serve para intensificar. Assim também em referência ao terceiro mal, o יהוה חרב que precede בּארץ דּבר, e a cláusula paralela adicionada a ambos: “e o anjo do Senhor destruindo em todo o domínio de Israel.” [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

8 E disse Davi a Deus: Pequei gravemente em fazer isto: rogo-te que faças passar a iniquidade de teu servo, porque eu ei feito muito loucamente.

Comentário de Keil e Delitzsch

(2-14) A nomeação do העם שׂרי junto com Joabe está de acordo com as circunstâncias, pois aprendemos em 2Samuel 24:4 que Joabe não realizou a contagem do povo sozinho, mas foi auxiliado pelos capitães do exército. O objeto de אלי והביאוּ, que não é expresso, resultado da numeração, pode ser fornecido a partir do contexto. Nenhuma objeção precisa ser feita ao simples כּהם de 1 Crônicas 21:3, ao invés do duplo וכהם כּהם em Samuel. A repetição da mesma palavra, “há tantos e tantos deles”, é uma peculiaridade do autor do livro de Samuel (compare com 2Samuel 12:8), enquanto a expressão na Crônica corresponde à de Deuteronômio 1 :11. Com as palavras וגו אדני הלא, “Eles não são, meu senhor rei, todos os servos do meu senhor”, ou seja, sujeitos a ele? Joabe dissipa a suspeita de que ele ressentia ao rei a alegria de reinar sobre um povo muito numeroso. Em 2Samuel 24:3 o pensamento toma outro rumo; e a última cláusula: “Por que isso (a coisa ou a numeração) se tornaria uma transgressão para Israel?” está querendo. אשׁמה denota aqui uma transgressão que deve ser expiada, não uma que se comete. O significado é, portanto, por que Israel deveria expiar seu pecado, buscando sua glória no poder e grandeza do seu reino? Sobre os números, 1Crônicas 21:5, ver em 2Samuel 24:9. Ao comentar 1Crônicas 21:6, que não se encontra em Samuel, Berth. defende a afirmação de que Joabe não fez nenhuma reunião das tribos Levi e Benjamin, contra as objeções de Wette e Gramberg, como é feito em meu apologeta. Versuche, S. 349ss., mostrando que a tribo de Levi estava por lei (compare com Números 1:47-54) isenta dos censos das pessoas tomadas para fins políticos; e a tribo de Benjamim não foi contada, porque Davi, tendo se tornado consciente de seu pecado, interrompeu a numeração antes que fosse concluída (compare com também as observações em 2Samuel 24:9). A razão dada, “porque a palavra do rei era uma abominação para Joabe”, é certamente a opinião subjetiva do historiador, mas mostra-se bem fundamentada pelas circunstâncias, pois Joabe desaprovou o desígnio do rei desde o início; (compare com 2Samuel 24:3 e 1Crônicas 21:3). – Em 1 Crônicas 21:7, o autor da Crônica, ao invés de atribuir a confissão do pecado de Davi que segue ao motivo puramente subjetivo declarado nas palavras “e o coração de Davi o feriu”, ou seja, sua consciência (2Samuel 24 :10), atribuiu o rumo que as coisas tomaram a causas objetivas: a coisa desagradou a Deus; e antecipando o curso dos eventos, ele observa imediatamente, “e Ele (Deus) feriu Israel”. Isso, no entanto, não é motivo para pensar, com Berth., que as palavras surgiram de uma má interpretação ou alteração de 2Samuel 24:10; para tais observações antecipatórias, abrangendo o conteúdo dos versículos seguintes, não raramente ocorrem nos livros históricos (compare com, por exemplo, 1Rs 6:14; 1Rs 7:2). – Em referência a 1Cronicas 21:8-10, ver em 2Samuel 24:10-16. – Em 1Crônicas 21:12, נספּה não entrou no texto por engano ou por leitura errada de נסך (2Samuel 24:13), mas é original, o autor da Crônica descreve os dois últimos males mais detalhadamente do que Samuel. A palavra não é um particípio, mas um substantivo formado a partir do particípio, com o significado de “perecer” (o ser arrebatado). A segunda cláusula paralela, “a espada dos teus inimigos para alcançar” (para que te alcance), serve para intensificar. Assim também em referência ao terceiro mal, o יהוה חרב que precede בּארץ דּבר, e a cláusula paralela adicionada a ambos: “e o anjo do Senhor destruindo em todo o domínio de Israel.” [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

9 E falou o SENHOR a Gade, vidente de Davi, dizendo:

Comentário de Robert Jamieson

Embora Davi fosse dotado de um dom profético, ainda assim, em questões relativas a si mesmo ou a seu reino, ele tinha o hábito de consultar o Senhor por intermédio dos sacerdotes; e quando ele não conseguiu, um profeta foi enviado em ocasiões extraordinárias para adverti-lo ou castigá-lo. Gad, um amigo particular, foi ocasionalmente empregado como portador dessas mensagens proféticas. [Jamieson, aguardando revisão]

10 Vai, e fala a Davi, e dize-lhe: Assim disse o SENHOR: Três coisas te proponho; escolhe de elas uma que eu faça contigo.

Comentário de Robert Jamieson

escolhe de elas – Aos três males correspondem em belo acordo: três anos, três meses, três dias [Bertheau]. (Veja em 2Samuel 24:13). [Jamieson, aguardando revisão]

11 E vindo Gade a Davi, disse-lhe: Assim disse o SENHOR:

Comentário de Keil e Delitzsch

(2-14) A nomeação do העם שׂרי junto com Joabe está de acordo com as circunstâncias, pois aprendemos em 2Samuel 24:4 que Joabe não realizou a contagem do povo sozinho, mas foi auxiliado pelos capitães do exército. O objeto de אלי והביאוּ, que não é expresso, resultado da numeração, pode ser fornecido a partir do contexto. Nenhuma objeção precisa ser feita ao simples כּהם de 1 Crônicas 21:3, ao invés do duplo וכהם כּהם em Samuel. A repetição da mesma palavra, “há tantos e tantos deles”, é uma peculiaridade do autor do livro de Samuel (compare com 2Samuel 12:8), enquanto a expressão na Crônica corresponde à de Deuteronômio 1 :11. Com as palavras וגו אדני הלא, “Eles não são, meu senhor rei, todos os servos do meu senhor”, ou seja, sujeitos a ele? Joabe dissipa a suspeita de que ele ressentia ao rei a alegria de reinar sobre um povo muito numeroso. Em 2Samuel 24:3 o pensamento toma outro rumo; e a última cláusula: “Por que isso (a coisa ou a numeração) se tornaria uma transgressão para Israel?” está querendo. אשׁמה denota aqui uma transgressão que deve ser expiada, não uma que se comete. O significado é, portanto, por que Israel deveria expiar seu pecado, buscando sua glória no poder e grandeza do seu reino? Sobre os números, 1Crônicas 21:5, ver em 2Samuel 24:9. Ao comentar 1Crônicas 21:6, que não se encontra em Samuel, Berth. defende a afirmação de que Joabe não fez nenhuma reunião das tribos Levi e Benjamin, contra as objeções de Wette e Gramberg, como é feito em meu apologeta. Versuche, S. 349ss., mostrando que a tribo de Levi estava por lei (compare com Números 1:47-54) isenta dos censos das pessoas tomadas para fins políticos; e a tribo de Benjamim não foi contada, porque Davi, tendo se tornado consciente de seu pecado, interrompeu a numeração antes que fosse concluída (compare com também as observações em 2Samuel 24:9). A razão dada, “porque a palavra do rei era uma abominação para Joabe”, é certamente a opinião subjetiva do historiador, mas mostra-se bem fundamentada pelas circunstâncias, pois Joabe desaprovou o desígnio do rei desde o início; (compare com 2Samuel 24:3 e 1Crônicas 21:3). – Em 1 Crônicas 21:7, o autor da Crônica, ao invés de atribuir a confissão do pecado de Davi que segue ao motivo puramente subjetivo declarado nas palavras “e o coração de Davi o feriu”, ou seja, sua consciência (2Samuel 24 :10), atribuiu o rumo que as coisas tomaram a causas objetivas: a coisa desagradou a Deus; e antecipando o curso dos eventos, ele observa imediatamente, “e Ele (Deus) feriu Israel”. Isso, no entanto, não é motivo para pensar, com Berth., que as palavras surgiram de uma má interpretação ou alteração de 2Samuel 24:10; para tais observações antecipatórias, abrangendo o conteúdo dos versículos seguintes, não raramente ocorrem nos livros históricos (compare com, por exemplo, 1Rs 6:14; 1Rs 7:2). – Em referência a 1Cronicas 21:8-10, ver em 2Samuel 24:10-16. – Em 1Crônicas 21:12, נספּה não entrou no texto por engano ou por leitura errada de נסך (2Samuel 24:13), mas é original, o autor da Crônica descreve os dois últimos males mais detalhadamente do que Samuel. A palavra não é um particípio, mas um substantivo formado a partir do particípio, com o significado de “perecer” (o ser arrebatado). A segunda cláusula paralela, “a espada dos teus inimigos para alcançar” (para que te alcance), serve para intensificar. Assim também em referência ao terceiro mal, o יהוה חרב que precede בּארץ דּבר, e a cláusula paralela adicionada a ambos: “e o anjo do Senhor destruindo em todo o domínio de Israel.” [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

12 Escolhe-te, ou três anos de fome; ou ser por três meses defeito diante de teus inimigos, e que a espada de teus adversários te alcance; ou por três dias a espada do SENHOR e pestilência na terra, e que o anjo do SENHOR destrua em todo o termo de Israel. Olha, pois, o que responderá ao que me enviou.

Comentário de Keil e Delitzsch

(2-14) A nomeação do העם שׂרי junto com Joabe está de acordo com as circunstâncias, pois aprendemos em 2Samuel 24:4 que Joabe não realizou a contagem do povo sozinho, mas foi auxiliado pelos capitães do exército. O objeto de אלי והביאוּ, que não é expresso, resultado da numeração, pode ser fornecido a partir do contexto. Nenhuma objeção precisa ser feita ao simples כּהם de 1 Crônicas 21:3, ao invés do duplo וכהם כּהם em Samuel. A repetição da mesma palavra, “há tantos e tantos deles”, é uma peculiaridade do autor do livro de Samuel (compare com 2Samuel 12:8), enquanto a expressão na Crônica corresponde à de Deuteronômio 1 :11. Com as palavras וגו אדני הלא, “Eles não são, meu senhor rei, todos os servos do meu senhor”, ou seja, sujeitos a ele? Joabe dissipa a suspeita de que ele ressentia ao rei a alegria de reinar sobre um povo muito numeroso. Em 2Samuel 24:3 o pensamento toma outro rumo; e a última cláusula: “Por que isso (a coisa ou a numeração) se tornaria uma transgressão para Israel?” está querendo. אשׁמה denota aqui uma transgressão que deve ser expiada, não uma que se comete. O significado é, portanto, por que Israel deveria expiar seu pecado, buscando sua glória no poder e grandeza do seu reino? Sobre os números, 1Crônicas 21:5, ver em 2Samuel 24:9. Ao comentar 1Crônicas 21:6, que não se encontra em Samuel, Berth. defende a afirmação de que Joabe não fez nenhuma reunião das tribos Levi e Benjamin, contra as objeções de Wette e Gramberg, como é feito em meu apologeta. Versuche, S. 349ss., mostrando que a tribo de Levi estava por lei (compare com Números 1:47-54) isenta dos censos das pessoas tomadas para fins políticos; e a tribo de Benjamim não foi contada, porque Davi, tendo se tornado consciente de seu pecado, interrompeu a numeração antes que fosse concluída (compare com também as observações em 2Samuel 24:9). A razão dada, “porque a palavra do rei era uma abominação para Joabe”, é certamente a opinião subjetiva do historiador, mas mostra-se bem fundamentada pelas circunstâncias, pois Joabe desaprovou o desígnio do rei desde o início; (compare com 2Samuel 24:3 e 1Crônicas 21:3). – Em 1 Crônicas 21:7, o autor da Crônica, ao invés de atribuir a confissão do pecado de Davi que segue ao motivo puramente subjetivo declarado nas palavras “e o coração de Davi o feriu”, ou seja, sua consciência (2Samuel 24 :10), atribuiu o rumo que as coisas tomaram a causas objetivas: a coisa desagradou a Deus; e antecipando o curso dos eventos, ele observa imediatamente, “e Ele (Deus) feriu Israel”. Isso, no entanto, não é motivo para pensar, com Berth., que as palavras surgiram de uma má interpretação ou alteração de 2Samuel 24:10; para tais observações antecipatórias, abrangendo o conteúdo dos versículos seguintes, não raramente ocorrem nos livros históricos (compare com, por exemplo, 1Rs 6:14; 1Rs 7:2). – Em referência a 1Cronicas 21:8-10, ver em 2Samuel 24:10-16. – Em 1Crônicas 21:12, נספּה não entrou no texto por engano ou por leitura errada de נסך (2Samuel 24:13), mas é original, o autor da Crônica descreve os dois últimos males mais detalhadamente do que Samuel. A palavra não é um particípio, mas um substantivo formado a partir do particípio, com o significado de “perecer” (o ser arrebatado). A segunda cláusula paralela, “a espada dos teus inimigos para alcançar” (para que te alcance), serve para intensificar. Assim também em referência ao terceiro mal, o יהוה חרב que precede בּארץ דּבר, e a cláusula paralela adicionada a ambos: “e o anjo do Senhor destruindo em todo o domínio de Israel.” [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

13 Então Davi disse a Gade: Estou em grande angústia: rogo que eu caia na mão do SENHOR; porque suas misericórdias são muitas em extremo, e que não caia eu em mãos de homens.

Comentário de Robert Jamieson

rogo que eu caia na mão do SENHORe que não caia eu em mãos de homens – A experiência ensinou-lhe que a paixão humana e a vingança não tinham limites, enquanto nosso sábio e gracioso Pai celestial conhece a espécie e regula a extensão , de castigo que todo mundo precisa. [Jamieson, aguardando revisão]

14 Assim o SENHOR deu pestilência em Israel, e caíram de Israel setenta mil homens.

Comentário de Robert Jamieson

Assim o SENHOR deu pestilência em Israel – A imposição apenas da pestilência é aqui notada, sem qualquer relato de sua duração ou de sua devastação, enquanto uma descrição minuciosa é dada da aparência visível e da atitude ameaçadora do anjo destruidor. . [Jamieson, aguardando revisão]

15 E enviou o SENHOR o anjo a Jerusalém para destruí-la: mas estando ele destruindo, olhou o SENHOR, e arrependeu-se daquele mal,

Comentário de Robert Jamieson

ficava na eira de Ornã, o jebuseu – Ornã era provavelmente hebreu ou judeu, Araúna, seu nome jebuseu ou cananeu. Se ele era o velho rei de Jebus, como esse título é dado a ele (2Samuel 24:23), ou não, ele havia se convertido à adoração do verdadeiro Deus, e possuía propriedades e influência. [Jamieson, aguardando revisão]

16 E levantando Davi seus olhos, viu ao anjo do SENHOR, que estava entre o céu e a terra, tendo uma espada nua em sua mão, estendida contra Jerusalém. Então Davi e os anciãos se prostraram sobre seus rostos, cobertos de sacos.

Comentário de Robert Jamieson

Então Davi e os anciãos se prostraram sobre seus rostos, cobertos de sacos – Eles apareceram nos trajes e assumiram a atitude de humildes penitentes, confessando seus pecados e depreciando a ira de Deus. [Jamieson, aguardando revisão]

17 E disse Davi a Deus: Não sou eu o que fez contar o povo? Eu mesmo sou o que pequei, e certamente fiz mal; mas estas ovelhas, que fizeram? Ó SENHOR, Deus meu, seja agora tua mão contra mim, e contra a casa de meu pai, e não haja praga em teu povo.

Comentário de Keil e Delitzsch

(16-19) O relato do arrependimento de Davi suplicando ao Senhor que afastasse o julgamento primitivo, e a palavra do Senhor proclamada a ele pelo profeta, mandando-o construir um altar ao Senhor no lugar onde o anjo destruidor apareceu visivelmente, juntamente com a execução desta ordem divina pela compra da eira de Araúna, a ereção de um altar e a oferta de holocausto, é dada mais longamente na Crônica do que em 2Samuel 24: 17-25, onde apenas a negociação de David com Araunah é narrada mais circunstancialmente do que na Crônica. Em substância, ambos os relatos correspondem perfeitamente, exceto que na Crônica várias circunstâncias subordinadas são preservadas, as quais, como pontos menores, são repassadas em Samuel. Em 1Crônicas 21,16, a descrição da aparência do anjo, que ele tinha uma espada desembainhada na mão estendida sobre Jerusalém, e a declaração de que Davi e os anciãos, revestidos de saco (vestes indicando arrependimento), caíram diante do Senhor; em 1Crônicas 21: 20, a menção dos filhos de Ornã (Araúna), que se esconderam ao contemplar o anjo, e do fato de Ornã estar envolvido na debulha do trigo quando Davi chegou até ele; e a declaração em 1Crônicas 21:26, de que o fogo desceu do céu sobre o altar – são exemplos de tais pontos menores. Já comentamos esta seção em nossas observações em 2Samuel 24:17-25, e o relato na Crônica é correto e de fácil compreensão. No entanto, Bertheau, seguindo Thenius e Bttcher, afirma que o texto está em vários versos corrompido, e deseja corrigi-los por 2 Samuel. Mas estes críticos são enganados pela presunção errônea com que entraram na interpretação da Crônica, que o autor da mesma usou como sua autoridade, e revisou, nosso texto Masorético do segundo livro de Samuel. Sob a influência deste preconceito, são propostas emendas que são carimbadas com sua própria improbabilidade, e descansam em parte até mesmo sobre mal-entendidos da narrativa do livro de Samuel. Destas uma ou duas ilustrações serão suficientes. Quem comparar 2 Samuel 24:17 (Sam.) com 1Crônicas 21:16 e 1Crônicas 21:17 da Crônica, sem nenhuma opinião pré-formada, verá que o que está lá (Sam.) expresso de forma concisa é narrado mais claramente na Crônica. O início de 1Crônicas 21,17, “E falou Davi a Javé”, é inteiramente sem conexão, pois o pensamento que forma a transição de 1Crônicas 21,16 para 1Crônicas 21,17, em outras palavras, que Davi foi movido pela visão do anjo destruidor para rezar a Deus para que a destruição pudesse ser afastada, só é trazido depois na cláusula subordinada, “ao ver o anjo”. Esta forma abrupta de expressão é eliminada no Chronicle pela cláusula: “E Davi levantou os olhos, viu o anjo … e caiu … sobre seu rosto; e Davi falou a Deus”. O que em Samuel é esmagado em uma cláusula infinitiva subordinada à sentença principal, precede na Crônica, e é narrado circunstancialmente. Nestas circunstâncias, é claro, o autor da Crônica não poderia depois em 1Crônicas 21:17 fazer uso da cláusula, “ao ver o anjo que feriu o povo”, sem tautologia. Berth.., pelo contrário, sustenta que 1Crônicas 21:16 é uma interpolação do cronista, e se propõe, então, a abater a partir das palavras e cartas בעם המכה המכה המלאך את בראתו (Sam. ), as palavras בעם למנותי אמרתי בראתו (1Crônicas 21:17), grande utilidade no processo dos auxiliares sempre prontos, erros e um texto que se tornou obscuro. Este é um exemplo entre muitos. 1Crônicas 21:16 da Crônica não é uma adição que a Crônica interpolou entre 2Samuel 24:16-17 de Samuel, mas uma representação mais detalhada do curso histórico das coisas. Nenhuma menção é feita em 2 Samuel da espada desembainhada na mão do anjo, porque ali toda a história é narrada de forma muito concisa. Este detalhe não precisa ter sido emprestado dos Números 22:23, pois a espada desembainhada é um sinal sensato de que a missão do ângulo é punitiva; e o anjo, que se diz ter aparecido visivelmente também no 2º Samuel, só poderia ser reconhecido como o portador da pestilência judicial por este emblema, sendo tal reconhecimento claramente o objeto de sua aparência. A menção dos anciãos junto com Davi como caindo em seus rostos em oração, revestidos de saco, não surpreenderá nenhum leitor ou crítico que considere que, no caso de uma peste tão temerosa, o rei não estaria sozinho em rezar a Deus para afastar o julgamento. Além disso, da menção do עבדים do rei que foi com David a Ornan (2Samuel 24:20), ficamos sabendo que o rei não tomou sozinho medidas para afastar a peste, mas o fez junto com seus servos. Na narrativa de 2 Samuel, que se limita ao ponto principal, os anciãos não são mencionados, pois somente de Davi ficou registrado que sua confissão de pecado provocou a remoção da peste. Tão pouco podemos nos surpreender que David chame sua ordem de numerar as pessoas o delito pelo qual ele havia trazido o julgamento da peste sobre si mesmo. – Alterar בּדבר, 1Crônicas 21:19, para כּדבר, como deseja Berth., mostraria pouca inteligência. בּדבר, na palavra de Gad David subiu, está provado pelos números 31:16 como sendo um bom hebreu, e é perfeitamente adequado. [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

Davi constrói um altar

18 E o anjo do SENHOR ordenou a Gade que dissesse a Davi, que subisse e construísse um altar a o SENHOR na era de Ornã jebuseu.

Comentário de Robert Jamieson

o anjo do SENHOR ordenou a Gade que dissesse – A ordem sobre a construção de um altar, bem como a indicação de seu local, é descrita (2Samuel 24:18) como trazida diretamente por Gad. Aqui estamos informados do bairro de onde o profeta recebeu sua comissão. É somente nos últimos estágios da história de Israel que encontramos anjos empregados na comunicação da vontade divina aos profetas. [Jamieson, aguardando revisão]

19 Então Davi subiu, conforme a palavra de Gade que lhe havia dito em nome do SENHOR.

Comentário de Keil e Delitzsch

(16-19) O relato do arrependimento de Davi suplicando ao Senhor que afastasse o julgamento primitivo, e a palavra do Senhor proclamada a ele pelo profeta, mandando-o construir um altar ao Senhor no lugar onde o anjo destruidor apareceu visivelmente, juntamente com a execução desta ordem divina pela compra da eira de Araúna, a ereção de um altar e a oferta de holocausto, é dada mais longamente na Crônica do que em 2Samuel 24: 17-25, onde apenas a negociação de David com Araunah é narrada mais circunstancialmente do que na Crônica. Em substância, ambos os relatos correspondem perfeitamente, exceto que na Crônica várias circunstâncias subordinadas são preservadas, as quais, como pontos menores, são repassadas em Samuel. Em 1Crônicas 21,16, a descrição da aparência do anjo, que ele tinha uma espada desembainhada na mão estendida sobre Jerusalém, e a declaração de que Davi e os anciãos, revestidos de saco (vestes indicando arrependimento), caíram diante do Senhor; em 1Crônicas 21: 20, a menção dos filhos de Ornã (Araúna), que se esconderam ao contemplar o anjo, e do fato de Ornã estar envolvido na debulha do trigo quando Davi chegou até ele; e a declaração em 1Crônicas 21:26, de que o fogo desceu do céu sobre o altar – são exemplos de tais pontos menores. Já comentamos esta seção em nossas observações em 2Samuel 24:17-25, e o relato na Crônica é correto e de fácil compreensão. No entanto, Bertheau, seguindo Thenius e Bttcher, afirma que o texto está em vários versos corrompido, e deseja corrigi-los por 2 Samuel. Mas estes críticos são enganados pela presunção errônea com que entraram na interpretação da Crônica, que o autor da mesma usou como sua autoridade, e revisou, nosso texto Masorético do segundo livro de Samuel. Sob a influência deste preconceito, são propostas emendas que são carimbadas com sua própria improbabilidade, e descansam em parte até mesmo sobre mal-entendidos da narrativa do livro de Samuel. Destas uma ou duas ilustrações serão suficientes. Quem comparar 2 Samuel 24:17 (Sam.) com 1Crônicas 21:16 e 1Crônicas 21:17 da Crônica, sem nenhuma opinião pré-formada, verá que o que está lá (Sam.) expresso de forma concisa é narrado mais claramente na Crônica. O início de 1Crônicas 21,17, “E falou Davi a Javé”, é inteiramente sem conexão, pois o pensamento que forma a transição de 1Crônicas 21,16 para 1Crônicas 21,17, em outras palavras, que Davi foi movido pela visão do anjo destruidor para rezar a Deus para que a destruição pudesse ser afastada, só é trazido depois na cláusula subordinada, “ao ver o anjo”. Esta forma abrupta de expressão é eliminada no Chronicle pela cláusula: “E Davi levantou os olhos, viu o anjo … e caiu … sobre seu rosto; e Davi falou a Deus”. O que em Samuel é esmagado em uma cláusula infinitiva subordinada à sentença principal, precede na Crônica, e é narrado circunstancialmente. Nestas circunstâncias, é claro, o autor da Crônica não poderia depois em 1Crônicas 21:17 fazer uso da cláusula, “ao ver o anjo que feriu o povo”, sem tautologia. Berth.., pelo contrário, sustenta que 1Crônicas 21:16 é uma interpolação do cronista, e se propõe, então, a abater a partir das palavras e cartas בעם המכה המכה המלאך את בראתו (Sam. ), as palavras בעם למנותי אמרתי בראתו (1Crônicas 21:17), grande utilidade no processo dos auxiliares sempre prontos, erros e um texto que se tornou obscuro. Este é um exemplo entre muitos. 1Crônicas 21:16 da Crônica não é uma adição que a Crônica interpolou entre 2Samuel 24:16-17 de Samuel, mas uma representação mais detalhada do curso histórico das coisas. Nenhuma menção é feita em 2 Samuel da espada desembainhada na mão do anjo, porque ali toda a história é narrada de forma muito concisa. Este detalhe não precisa ter sido emprestado dos Números 22:23, pois a espada desembainhada é um sinal sensato de que a missão do ângulo é punitiva; e o anjo, que se diz ter aparecido visivelmente também no 2º Samuel, só poderia ser reconhecido como o portador da pestilência judicial por este emblema, sendo tal reconhecimento claramente o objeto de sua aparência. A menção dos anciãos junto com Davi como caindo em seus rostos em oração, revestidos de saco, não surpreenderá nenhum leitor ou crítico que considere que, no caso de uma peste tão temerosa, o rei não estaria sozinho em rezar a Deus para afastar o julgamento. Além disso, da menção do עבדים do rei que foi com David a Ornan (2Samuel 24:20), ficamos sabendo que o rei não tomou sozinho medidas para afastar a peste, mas o fez junto com seus servos. Na narrativa de 2 Samuel, que se limita ao ponto principal, os anciãos não são mencionados, pois somente de Davi ficou registrado que sua confissão de pecado provocou a remoção da peste. Tão pouco podemos nos surpreender que David chame sua ordem de numerar as pessoas o delito pelo qual ele havia trazido o julgamento da peste sobre si mesmo. – Alterar בּדבר, 1Crônicas 21:19, para כּדבר, como deseja Berth., mostraria pouca inteligência. בּדבר, na palavra de Gad David subiu, está provado pelos números 31:16 como sendo um bom hebreu, e é perfeitamente adequado. [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

20 E voltando-se Ornã viu o anjo; pelo que se esconderam quatro filhos seus que com ele estavam. E Ornã trilhava o trigo.

Comentário de Robert Jamieson

Ornã trilhava o trigo – Se o censo fosse feito no outono, o começo do ano civil, os nove meses e meio ocupados terminariam na colheita do trigo. A maneira comum de debulhar o milho é espalhando-o em uma área de alto nível, e dirigindo para trás e para frente sobre ele dois bois aproveitados em um trenó desajeitado com três rolos e alguns espetos afiados. O motorista senta-se de joelhos na caixa, enquanto outra pessoa é empregada para retirar o canudo e separá-lo do grão por baixo. Por esta operação o joio é muito picado e o grão debulhado. [Jamieson, aguardando revisão]

21 E vindo Davi a Ornã, olhou este, e viu a Davi: e saindo da eira, prostrou-se em terra a Davi.

Comentário de Keil e Delitzsch

(20-23) ארנן ויּשׁב, ” e Ornan o virou”, é traduzido por Berth. incorretamente, “então Ornan voltou para trás”, que então constrói sobre esta interpretação errônea, que é contrária ao contexto, todo um ninho de conjecturas. ויּשׁב teria surgido de ויּשׁקף, o sucessor המּלאך de המּלך, עמּו בּניו ערבּעת de עליו עברים עבדיו (2Samuel 24:20), “por engano e alteração posterior”. Ao dizer isto, porém, ele mesmo não percebeu que 2Samuel 24:20 (Sam. ) não corresponde em nada às 1Crônicas 21:20 da Crônica, mas às 1Crônicas 21:21, onde as palavras “e Araunah olhou (ישׁקף) e viu o rei”, como paralelo às palavras, “e Ornan olhou (יבּט) e viu David”. A 1Crônicas 21,20 da Crônica contém uma declaração que não se encontra em Samuel, que Ornan (Araunah), enquanto debulhava com seus quatro filhos, virou-se e viu o anjo, e, aterrorizado com a visão, escondeu-se com seus filhos. Depois disso, David com seu trem veio de Zion para a eira em Mouth Moriah, e Araunah olhando para fora viu o rei, e saiu da eira para encontrá-lo, com profunda reverência. Esta narrativa não contém nada de improvável, nada que nos justifique a recorrer a conjecturas críticas. [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

22 Então disse Davi a Ornã: Dá-me este lugar da eira, em que edifique um altar a o SENHOR, e dá-o a mim por seu devido preço, para que cesse a praga do povo.

Comentário de Keil e Delitzsch

(20-23) ארנן ויּשׁב, ” e Ornan o virou”, é traduzido por Berth. incorretamente, “então Ornan voltou para trás”, que então constrói sobre esta interpretação errônea, que é contrária ao contexto, todo um ninho de conjecturas. ויּשׁב teria surgido de ויּשׁקף, o sucessor המּלאך de המּלך, עמּו בּניו ערבּעת de עליו עברים עבדיו (2Samuel 24:20), “por engano e alteração posterior”. Ao dizer isto, porém, ele mesmo não percebeu que 2Samuel 24:20 (Sam. ) não corresponde em nada às 1Crônicas 21:20 da Crônica, mas às 1Crônicas 21:21, onde as palavras “e Araunah olhou (ישׁקף) e viu o rei”, como paralelo às palavras, “e Ornan olhou (יבּט) e viu David”. A 1Crônicas 21,20 da Crônica contém uma declaração que não se encontra em Samuel, que Ornan (Araunah), enquanto debulhava com seus quatro filhos, virou-se e viu o anjo, e, aterrorizado com a visão, escondeu-se com seus filhos. Depois disso, David com seu trem veio de Zion para a eira em Mouth Moriah, e Araunah olhando para fora viu o rei, e saiu da eira para encontrá-lo, com profunda reverência. Esta narrativa não contém nada de improvável, nada que nos justifique a recorrer a conjecturas críticas. [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

23 E Ornã respondeu a Davi: Toma-o para ti, e faça meu senhor o rei o que bem lhe parecer; e ainda os bois darei para o holocausto, e os trilhos para lenha, e trigo para a oferta de alimentos; eu dou tudo.

Comentário de Robert Jamieson

Isto é, para queimar o sacrifício dos bois. Muito pouca importância real – a pressa e o valor do presente oferecido – podem ser entendidos neste país. A oferta foi feita para uso imediato. Ornan, por este meio, esperando acabar com a peste sem um momento de atraso, “deu tudo”, bois, a grande máquina de debulhar e o trigo. [Jamieson, aguardando revisão]

24 Então o rei Davi disse a Ornã: Não, mas sim que efetivamente a comprarei por seu justo preço: porque não tomarei para o SENHOR o que é teu, nem sacrificarei holocausto que nada me custe.

Comentário de Keil e Delitzsch

O infinitivo העלות é muito freqüentemente usado em hebraico como continuação do verbo fin., e é encontrado em todos os livros do Antigo Testamento (compare com a coleção de passagens ilustrativas desta forma peculiar de expressão breve, que Nós. damos, 351, c), e que não só no que diz respeito ao infinito. absol., mas também ao infinito constr. A resposta de David à oferta de Ornan de dar-lhe o lugar para o altar, e o gado, arado e trigo para a oferta queimada, foi, portanto: “não, eu o comprarei pelo preço total; não tomarei o que te pertence por Jahve, e trarei holocaustos sem custo”, ou seja, sem ter pago o preço por eles. [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

25 E deu Davi a Ornã pelo lugar seiscentos siclos de ouro por peso.

Comentário de Robert Jamieson

pelo lugar seiscentos siclos de ouro – A princípio ele comprou somente o gado e os instrumentos de debulha, pelos quais pagou cinquenta siclos de prata (2Samuel 24:24); depois comprou toda a propriedade, o Monte Moriá, onde ficava o futuro templo. No centro da plataforma montanhosa, ergue-se uma rocha notável, agora coberta pela cúpula do “Sakrah”. Ela é irregular em sua forma e mede cerca de sessenta pés em uma direção e cinquenta pés na outra. É a superfície natural do Monte Moriá e é considerada por muitos como a rocha da eira de Araúna, selecionada por Davi, e continuada por Salomão e Zorobabel como “a pedra bruta” sobre a qual edificar o altar [Bartlett, Caminha por Jerusalém; Stanley]. [Jamieson, aguardando revisão]

26 E edificou ali Davi um altar a o SENHOR, em o que ofereceu holocaustos e sacrifícios pacíficos, e invocou a o SENHOR, o qual lhe respondeu por fogo dos céus em o altar do holocausto.

Comentário de Robert Jamieson

E edificou ali Davi um altar – Ele foi em procissão com seus líderes do palácio real, pelo Monte Sião e pela cidade intermediária. Embora tivesse bastante espaço em sua propriedade, foi ordenado, sob direção peremptória, a percorrer uma distância considerável de sua casa, subir o Monte Moriá, para erigir um altar nas instalações que ele tinha de comprar. Foi sobre ou perto do local onde Abraão havia oferecido Isaque.

respondeu por fogo dos céus – (Veja Levítico 9:24, 1Reis 18:21-23, 2Reis 1:12, 2Crônicas 7:1). [Jamieson, aguardando revisão]

27 E como o SENHOR falou ao anjo, ele voltou sua espada à bainha.

Comentário de Keil e Delitzsch

(26-30) Em 2Samuel 24:25 a conclusão deste evento é brevemente narrada assim: Davi ofereceu holocaustos e ofertas pacíficas, e Jahve foi suplicado pela terra, e a praga foi impedida de Israel. Na Crônica temos uma declaração mais completa do יהוה יעתר em 1 Crônicas 21:26. Davi invocou Jahve, e Ele respondeu com fogo do céu sobre o altar do holocausto (1 Crônicas 21:27); e Jahve falou ao anjo, e ele devolveu a espada na bainha. O retorno da espada em sua bainha é uma expressão figurativa para parar a pestilência; e o fogo que desceu do céu sobre o altar do holocausto foi o sinal visível pelo qual o Senhor assegurou ao rei que sua oração havia sido ouvida e sua oferta graciosamente aceita. A realidade deste sinal da graciosa aceitação de uma oferta é colocada sem dúvida pelos casos análogos, Levítico 9:24; 1 Reis 18:24, 1 Reis 18:38 e 2 Crônicas 7:1. Foi somente por este sinal da complacência divina que Davi soube que o altar construído sobre a eira de Araúna havia sido escolhido pelo Senhor como o lugar onde Israel deveria sempre oferecer seus holocaustos e sacrifícios, como é registrado mais adiante. em 1 Crônicas 21:28-30. e em 1 Crônicas 22:1. Da cessação da pestilência em consequência de sua oração e sacrifício, Davi só pôde concluir que Deus havia perdoado sua transgressão, mas não poderia saber que Deus havia escolhido o lugar onde ele havia construído o altar para a oferta exigida por Deus como um lugar permanente de sacrifício. Isso certamente ele obteve apenas pela resposta divina, e essa resposta foi o fogo que desceu sobre o altar do holocausto e devorou ​​o sacrifício. Esta 1 Crônicas 21:28 afirma: “No momento em que viu que Jahve lhe havia respondido na eira de Ornan, ele ofereceu sacrifício lá”, ou seja, a partir daquele momento; para que possamos com Berth. traduzir שׁם ויּזבּח, “então ele costumava oferecer sacrifício lá”. Em 1Crônicas 21:29 e 1Crônicas 21:30 temos ainda outras razões dadas para David continuar a oferecer sacrifícios na eira de Ornan. O local de sacrifício legalmente sancionado para Israel ainda era naquela época o tabernáculo, o santuário mosaico com seu altar de holocausto, que então ficava no alto de Gibeão (compare com 1 Crônicas 16:39). Ora, Davi de fato trouxe a arca da aliança, que havia sido separada do tabernáculo desde o tempo de Samuel, para Sião, e ali não apenas erigiu uma tenda para ela, mas também construiu um altar e estabeleceu ali um culto estabelecido. (1Crônicas 17), ainda sem ter recebido qualquer ordem expressa de Deus a respeito; de modo que este local de culto era meramente provisório, destinado a continuar apenas até que o próprio Senhor tornasse conhecida Sua vontade sobre o assunto de alguma maneira definida. Quando, portanto, Davi, após a conquista de seus inimigos, obteve descanso ao redor, ele formou a resolução de acabar com essa separação provisória da arca do tabernáculo e a existência de dois altares de sacrifício, construindo um templo; mas o Senhor havia declarado a ele pelo profeta Natã, que não ele, mas seu filho e sucessor no trono, deveria construir um templo para Ele. O altar junto à arca em Sião, portanto, continuou a coexistir com o altar do holocausto no tabernáculo em Gibeão, sem ser sancionado por Deus como o local de sacrifício para a congregação de Israel. Então, quando Davi, ordenando a contagem do povo, trouxe culpa sobre a nação, que o Senhor tão fortemente vingou sobre eles pela peste, ele deveria apropriadamente, como rei, oferecer uma oferta pelo pecado e um holocausto em o santuário nacional em Gibeão, e ali buscou o favor divino para si e para todo o povo. Mas o Senhor lhe disse pelo profeta Gad, que ele não deveria trazer sua oferta nem em Gibeão, nem diante da arca de Sião, mas na eira de Ornã (Araúna), sobre o altar que ele estava ali para erguer. Este comando, no entanto, não estabeleceu o lugar onde ele deveria sacrificar depois. Mas David – assim corre, 1Crônicas 21:29. – sacrificado a partir de então na eira de Ornan, não em Gibeão no ainda existente santuário nacional, porque ele (de acordo com 1 Crônicas 21:30) “não podia ir adiante (לפניו) para buscar a Deus, pois ele estava apavorado diante do espada do anjo de Jahve”. Esta afirmação não significa, entretanto, ex terrore visionis angelicae infirmitatem corporis contraxerat (J. H. Mich.), nem ainda, “porque ele, sendo atingido e sobrecarregado pela aparência do anjo, não se aventurou a oferecer sacrifícios em outro lugar” (Berth.), nem, “porque a viagem a Gibeon foi muito longa para ele” (O. v. Gerl.). Nenhuma destas interpretações se adequa nem às palavras nem ao contexto. חרב מפּני נבעת, aterrorizado diante da espada, de fato significa que a espada do anjo, ou o anjo com a espada, o impediu de ir a Gibeon, mas não durante a pestilência, quando o anjo estava entre o céu e a terra pela eira de Araunah com a espada desembainhada, mas – de acordo com o contexto – depois, quando a angelophany tinha cessado, como sem dúvida fez simultaneamente com a pestilência. As palavras וגו נבעת כּי não podem, portanto, ter outro significado, a não ser que o terror de Davi antes da espada do anjo o levou a determinar sacrificar-se depois, não em Gibeon, mas na eira de Araunah; ou que, como durante a pestilência a espada do anjo o impediu de ir a Gibeon, ele não se aventuraria a ir nunca mais depois. Mas o medo diante da espada do anjo é em substância o terror da pestilência; e a pestilência o havia impedido de sacrificar-se em Gibeon, porque Gibeon, não obstante a presença do santuário ali, com o altar do Mosaico, não havia sido poupado pela pestilência. David considerou esta circunstância como normativa para o futuro, e sempre depois ofereceu seus sacrifícios no lugar apontado para ele, e disse, como lemos mais adiante em 1Crônicas 22:1, “Aqui (הוּא זה, propriamente isto, mas. ou neutro.) é a casa de Deus Jahve, e aqui está o altar para a oferta queimada de Israel”. Ele chama o site do altar na eira de Araunah יהוה בּית, porque lá Jahve tinha manifestado a ele Sua presença graciosa; compare com Gênesis 28:17. [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

28 Então vendo Davi que o SENHOR lhe havia ouvido na eira de Ornã jebuseu, sacrificou ali.

Comentário de Robert Jamieson

Ou “continuou a sacrificar-se ali”. Percebendo que seu sacrifício era aceitável, ele fez ofertas adicionais lá e buscou favor pela oração e pelos ritos expiatórios; pois o pavor do anjo ameaçador destruindo Jerusalém enquanto ele estava ausente no centro de adoração em Gibeon, especialmente a reverência pelo Ser Divino, levou-o a continuar suas adorações naquele lugar que Deus (2Crônicas 3:1) consagrara sinais de Sua presença e aceitação graciosa. [Jamieson, aguardando revisão]

29 E o tabernáculo do SENHOR que Moisés havia feito no deserto, e o altar do holocausto, estavam então no alto de Gibeão:

Comentário de Keil e Delitzsch

(26-30) Em 2Samuel 24:25 a conclusão deste evento é brevemente narrada assim: Davi ofereceu holocaustos e ofertas pacíficas, e Jahve foi suplicado pela terra, e a praga foi impedida de Israel. Na Crônica temos uma declaração mais completa do יהוה יעתר em 1 Crônicas 21:26. Davi invocou Jahve, e Ele respondeu com fogo do céu sobre o altar do holocausto (1 Crônicas 21:27); e Jahve falou ao anjo, e ele devolveu a espada na bainha. O retorno da espada em sua bainha é uma expressão figurativa para parar a pestilência; e o fogo que desceu do céu sobre o altar do holocausto foi o sinal visível pelo qual o Senhor assegurou ao rei que sua oração havia sido ouvida e sua oferta graciosamente aceita. A realidade deste sinal da graciosa aceitação de uma oferta é colocada sem dúvida pelos casos análogos, Levítico 9:24; 1 Reis 18:24, 1 Reis 18:38 e 2 Crônicas 7:1. Foi somente por este sinal da complacência divina que Davi soube que o altar construído sobre a eira de Araúna havia sido escolhido pelo Senhor como o lugar onde Israel deveria sempre oferecer seus holocaustos e sacrifícios, como é registrado mais adiante. em 1 Crônicas 21:28-30. e em 1 Crônicas 22:1. Da cessação da pestilência em consequência de sua oração e sacrifício, Davi só pôde concluir que Deus havia perdoado sua transgressão, mas não poderia saber que Deus havia escolhido o lugar onde ele havia construído o altar para a oferta exigida por Deus como um lugar permanente de sacrifício. Isso certamente ele obteve apenas pela resposta divina, e essa resposta foi o fogo que desceu sobre o altar do holocausto e devorou ​​o sacrifício. Esta 1 Crônicas 21:28 afirma: “No momento em que viu que Jahve lhe havia respondido na eira de Ornan, ele ofereceu sacrifício lá”, ou seja, a partir daquele momento; para que possamos com Berth. traduzir שׁם ויּזבּח, “então ele costumava oferecer sacrifício lá”. Em 1Crônicas 21:29 e 1Crônicas 21:30 temos ainda outras razões dadas para David continuar a oferecer sacrifícios na eira de Ornan. O local de sacrifício legalmente sancionado para Israel ainda era naquela época o tabernáculo, o santuário mosaico com seu altar de holocausto, que então ficava no alto de Gibeão (compare com 1 Crônicas 16:39). Ora, Davi de fato trouxe a arca da aliança, que havia sido separada do tabernáculo desde o tempo de Samuel, para Sião, e ali não apenas erigiu uma tenda para ela, mas também construiu um altar e estabeleceu ali um culto estabelecido. (1Crônicas 17), ainda sem ter recebido qualquer ordem expressa de Deus a respeito; de modo que este local de culto era meramente provisório, destinado a continuar apenas até que o próprio Senhor tornasse conhecida Sua vontade sobre o assunto de alguma maneira definida. Quando, portanto, Davi, após a conquista de seus inimigos, obteve descanso ao redor, ele formou a resolução de acabar com essa separação provisória da arca do tabernáculo e a existência de dois altares de sacrifício, construindo um templo; mas o Senhor havia declarado a ele pelo profeta Natã, que não ele, mas seu filho e sucessor no trono, deveria construir um templo para Ele. O altar junto à arca em Sião, portanto, continuou a coexistir com o altar do holocausto no tabernáculo em Gibeão, sem ser sancionado por Deus como o local de sacrifício para a congregação de Israel. Então, quando Davi, ordenando a contagem do povo, trouxe culpa sobre a nação, que o Senhor tão fortemente vingou sobre eles pela peste, ele deveria apropriadamente, como rei, oferecer uma oferta pelo pecado e um holocausto em o santuário nacional em Gibeão, e ali buscou o favor divino para si e para todo o povo. Mas o Senhor lhe disse pelo profeta Gad, que ele não deveria trazer sua oferta nem em Gibeão, nem diante da arca de Sião, mas na eira de Ornã (Araúna), sobre o altar que ele estava ali para erguer. Este comando, no entanto, não estabeleceu o lugar onde ele deveria sacrificar depois. Mas David – assim corre, 1Crônicas 21:29. – sacrificado a partir de então na eira de Ornan, não em Gibeão no ainda existente santuário nacional, porque ele (de acordo com 1 Crônicas 21:30) “não podia ir adiante (לפניו) para buscar a Deus, pois ele estava apavorado diante do espada do anjo de Jahve”. Esta afirmação não significa, entretanto, ex terrore visionis angelicae infirmitatem corporis contraxerat (J. H. Mich.), nem ainda, “porque ele, sendo atingido e sobrecarregado pela aparência do anjo, não se aventurou a oferecer sacrifícios em outro lugar” (Berth.), nem, “porque a viagem a Gibeon foi muito longa para ele” (O. v. Gerl.). Nenhuma destas interpretações se adequa nem às palavras nem ao contexto. חרב מפּני נבעת, aterrorizado diante da espada, de fato significa que a espada do anjo, ou o anjo com a espada, o impediu de ir a Gibeon, mas não durante a pestilência, quando o anjo estava entre o céu e a terra pela eira de Araunah com a espada desembainhada, mas – de acordo com o contexto – depois, quando a angelophany tinha cessado, como sem dúvida fez simultaneamente com a pestilência. As palavras וגו נבעת כּי não podem, portanto, ter outro significado, a não ser que o terror de Davi antes da espada do anjo o levou a determinar sacrificar-se depois, não em Gibeon, mas na eira de Araunah; ou que, como durante a pestilência a espada do anjo o impediu de ir a Gibeon, ele não se aventuraria a ir nunca mais depois. Mas o medo diante da espada do anjo é em substância o terror da pestilência; e a pestilência o havia impedido de sacrificar-se em Gibeon, porque Gibeon, não obstante a presença do santuário ali, com o altar do Mosaico, não havia sido poupado pela pestilência. David considerou esta circunstância como normativa para o futuro, e sempre depois ofereceu seus sacrifícios no lugar apontado para ele, e disse, como lemos mais adiante em 1Crônicas 22:1, “Aqui (הוּא זה, propriamente isto, mas. ou neutro.) é a casa de Deus Jahve, e aqui está o altar para a oferta queimada de Israel”. Ele chama o site do altar na eira de Araunah יהוה בּית, porque lá Jahve tinha manifestado a ele Sua presença graciosa; compare com Gênesis 28:17. [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

30 Mas Davi não pode ir ali a consultar a Deus, porque estava espantado por causa da espada do anjo do SENHOR.

Comentário de Keil e Delitzsch

(26-30) Em 2Samuel 24:25 a conclusão deste evento é brevemente narrada assim: Davi ofereceu holocaustos e ofertas pacíficas, e Jahve foi suplicado pela terra, e a praga foi impedida de Israel. Na Crônica temos uma declaração mais completa do יהוה יעתר em 1 Crônicas 21:26. Davi invocou Jahve, e Ele respondeu com fogo do céu sobre o altar do holocausto (1 Crônicas 21:27); e Jahve falou ao anjo, e ele devolveu a espada na bainha. O retorno da espada em sua bainha é uma expressão figurativa para parar a pestilência; e o fogo que desceu do céu sobre o altar do holocausto foi o sinal visível pelo qual o Senhor assegurou ao rei que sua oração havia sido ouvida e sua oferta graciosamente aceita. A realidade deste sinal da graciosa aceitação de uma oferta é colocada sem dúvida pelos casos análogos, Levítico 9:24; 1 Reis 18:24, 1 Reis 18:38 e 2 Crônicas 7:1. Foi somente por este sinal da complacência divina que Davi soube que o altar construído sobre a eira de Araúna havia sido escolhido pelo Senhor como o lugar onde Israel deveria sempre oferecer seus holocaustos e sacrifícios, como é registrado mais adiante. em 1 Crônicas 21:28-30. e em 1 Crônicas 22:1. Da cessação da pestilência em consequência de sua oração e sacrifício, Davi só pôde concluir que Deus havia perdoado sua transgressão, mas não poderia saber que Deus havia escolhido o lugar onde ele havia construído o altar para a oferta exigida por Deus como um lugar permanente de sacrifício. Isso certamente ele obteve apenas pela resposta divina, e essa resposta foi o fogo que desceu sobre o altar do holocausto e devorou ​​o sacrifício. Esta 1 Crônicas 21:28 afirma: “No momento em que viu que Jahve lhe havia respondido na eira de Ornan, ele ofereceu sacrifício lá”, ou seja, a partir daquele momento; para que possamos com Berth. traduzir שׁם ויּזבּח, “então ele costumava oferecer sacrifício lá”. Em 1Crônicas 21:29 e 1Crônicas 21:30 temos ainda outras razões dadas para David continuar a oferecer sacrifícios na eira de Ornan. O local de sacrifício legalmente sancionado para Israel ainda era naquela época o tabernáculo, o santuário mosaico com seu altar de holocausto, que então ficava no alto de Gibeão (compare com 1 Crônicas 16:39). Ora, Davi de fato trouxe a arca da aliança, que havia sido separada do tabernáculo desde o tempo de Samuel, para Sião, e ali não apenas erigiu uma tenda para ela, mas também construiu um altar e estabeleceu ali um culto estabelecido. (1Crônicas 17), ainda sem ter recebido qualquer ordem expressa de Deus a respeito; de modo que este local de culto era meramente provisório, destinado a continuar apenas até que o próprio Senhor tornasse conhecida Sua vontade sobre o assunto de alguma maneira definida. Quando, portanto, Davi, após a conquista de seus inimigos, obteve descanso ao redor, ele formou a resolução de acabar com essa separação provisória da arca do tabernáculo e a existência de dois altares de sacrifício, construindo um templo; mas o Senhor havia declarado a ele pelo profeta Natã, que não ele, mas seu filho e sucessor no trono, deveria construir um templo para Ele. O altar junto à arca em Sião, portanto, continuou a coexistir com o altar do holocausto no tabernáculo em Gibeão, sem ser sancionado por Deus como o local de sacrifício para a congregação de Israel. Então, quando Davi, ordenando a contagem do povo, trouxe culpa sobre a nação, que o Senhor tão fortemente vingou sobre eles pela peste, ele deveria apropriadamente, como rei, oferecer uma oferta pelo pecado e um holocausto em o santuário nacional em Gibeão, e ali buscou o favor divino para si e para todo o povo. Mas o Senhor lhe disse pelo profeta Gad, que ele não deveria trazer sua oferta nem em Gibeão, nem diante da arca de Sião, mas na eira de Ornã (Araúna), sobre o altar que ele estava ali para erguer. Este comando, no entanto, não estabeleceu o lugar onde ele deveria sacrificar depois. Mas David – assim corre, 1Crônicas 21:29. – sacrificado a partir de então na eira de Ornan, não em Gibeão no ainda existente santuário nacional, porque ele (de acordo com 1 Crônicas 21:30) “não podia ir adiante (לפניו) para buscar a Deus, pois ele estava apavorado diante do espada do anjo de Jahve”. Esta afirmação não significa, entretanto, ex terrore visionis angelicae infirmitatem corporis contraxerat (J. H. Mich.), nem ainda, “porque ele, sendo atingido e sobrecarregado pela aparência do anjo, não se aventurou a oferecer sacrifícios em outro lugar” (Berth.), nem, “porque a viagem a Gibeon foi muito longa para ele” (O. v. Gerl.). Nenhuma destas interpretações se adequa nem às palavras nem ao contexto. חרב מפּני נבעת, aterrorizado diante da espada, de fato significa que a espada do anjo, ou o anjo com a espada, o impediu de ir a Gibeon, mas não durante a pestilência, quando o anjo estava entre o céu e a terra pela eira de Araunah com a espada desembainhada, mas – de acordo com o contexto – depois, quando a angelophany tinha cessado, como sem dúvida fez simultaneamente com a pestilência. As palavras וגו נבעת כּי não podem, portanto, ter outro significado, a não ser que o terror de Davi antes da espada do anjo o levou a determinar sacrificar-se depois, não em Gibeon, mas na eira de Araunah; ou que, como durante a pestilência a espada do anjo o impediu de ir a Gibeon, ele não se aventuraria a ir nunca mais depois. Mas o medo diante da espada do anjo é em substância o terror da pestilência; e a pestilência o havia impedido de sacrificar-se em Gibeon, porque Gibeon, não obstante a presença do santuário ali, com o altar do Mosaico, não havia sido poupado pela pestilência. David considerou esta circunstância como normativa para o futuro, e sempre depois ofereceu seus sacrifícios no lugar apontado para ele, e disse, como lemos mais adiante em 1Crônicas 22:1, “Aqui (הוּא זה, propriamente isto, mas. ou neutro.) é a casa de Deus Jahve, e aqui está o altar para a oferta queimada de Israel”. Ele chama o site do altar na eira de Araunah יהוה בּית, porque lá Jahve tinha manifestado a ele Sua presença graciosa; compare com Gênesis 28:17. [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

<1 Crônicas 20 1 Crônicas 22>

Introdução à 1Crônicas 20

O motivo que influenciou o rei, fazendo com que fosse feito um censo dos homens capazes de portar armas em todo o reino no último ano de seu reinado, já foi discutido nas observações de 2 Sam, onde também apontamos o que era o que era tão pecaminoso e desagradável a Deus no empreendimento. Nós também comentamos no mesmo lugar sobre os vários estágios de seu progresso, não levando em conta as diferenças que existem entre os números dados em 2Samuel 24:9, 2Samuel 24:13, 2Samuel 24:24, e aqueles em nosso registro , 1Crônicas 21:5, 1Crônicas 21:12, 1Crônicas 21:25; de modo que aqui precisamos apenas comparar os dois relatos um pouco mais minuciosamente. Eles correspondem não apenas nos pontos principais de sua narrativa do evento, mas em muitos lugares fazem uso dos mesmos termos, o que mostra que ambos foram derivados da mesma fonte; mas, ao mesmo tempo, divergências muito consideráveis ​​são encontradas na concepção e representação do assunto. No primeiro versículo, o propósito de Davi é dito em 2 Samuel como sendo o efeito da ira divina; na Crônica é o resultado da influência de Satanás sobre Davi. Então, em 2Samuel 24:4-9, a numeração do povo é narrada longamente, enquanto na Crônica, 1Cronicas 21:4-6, apenas os resultados são registrados, com a observação de que Joabe não completou a numeração, Levi e Benjamim não sendo incluído, porque a ordem do rei era uma abominação para ele. Por outro lado, a Crônica, em 1 Cronicas 21:19-27, narra a compra da eira de Araúna para um local de sacrifício, e não dá apenas um relato mais circunstancial da oferta de Davi do que encontramos em Samuel (2Samuel 24: 19-25), mas também afirma, em conclusão (versículos 28-30), as circunstâncias que levaram Davi a oferecer sacrifício mesmo depois, no altar que ele havia construído por ordem divina, na eira comprada de Araúna. O propósito que o autor da Crônica tinha em vista ao fazer esta observação conclusiva é manifesto em 1 Crônicas 22:1, que deve ser devidamente conectado com 1 Crônicas 21: “E disse Davi: Aqui está a casa de Jahve Deus, e aqui o altar para o holocausto de Israel”. Somente neste versículo, como Bertheau observou corretamente, encontramos a conclusão adequada do relato da numeração do povo, a peste e a aparência do anjo, e ainda assim é omitido no livro de Samuel; “Embora seja manifesto pela conexão enquanto, e pela maneira como a história de Davi e Salomão é apresentada nos livros de Samuel e Reis, que o relato é dado lá também apenas para apontar a santidade do lugar onde Salomão construiu o templo mesmo no tempo de Davi, e para responder à pergunta por que aquele lugar em particular foi escolhido para o local do santuário”. Essa observação é perfeitamente justa, se não for entendida como significando que o autor de nosso livro de Samuel deu uma dica desse propósito em sua narrativa; pois a conclusão de 2Samuel 24:25, “E Jahve foi suplicado pela terra, e a praga parou”, é irreconciliável com tal idéia. Esta frase conclusiva, e a omissão de qualquer referência ao templo, ou à designação do altar construído na eira de Araúna para ser um lugar de sacrifício para Israel, e das palavras introdutórias da narrativa: “E novamente a ira de Javé se acendeu contra Israel e moveu Davi contra eles” (2Samuel 24:1), mostram claramente que o autor do livro de Samuel considerou, e narrou aqui, o evento como um castigo do povo de Israel por sua rebelião contra o rei divinamente escolhido, nas revoltas de Absalão e Sabá (compare com as observações em 2Samuel 24:1). O autor da Crônica, mais uma vez, nos informou sem dúvida sobre a numeração do povo e a peste, com seus resultados, com o objetivo de mostrar como o próprio Deus havia escolhido e consagrado este local para ser o futuro local de culto para Israel, pela aparição do anjo, a ordem dada a Davi pelo profeta Gade para construir um altar onde o anjo havia aparecido, e sacrificar nele, e pela aceitação graciosa desta oferta, desceu fogo do céu para devorar isto. Para esse fim, ele não exigiu dar um relato prolongado da numeração do povo, pois era importante para ele apenas como ocasião da humilhação de Davi. [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

Visão geral de 1 e 2Crônicas

Em 1 e 2Crônicas, “a história completa do Antigo Testamento é recontada, destacando a esperança futura do rei messiânico e do templo restaurado”. Tenha uma visão geral destes livros através de um breve vídeo produzido pelo BibleProject. (7 minutos)

🔗 Abrir vídeo no Youtube.

Leia também uma introdução aos livros da Crônicas.

Todas as Escrituras em português citadas são da Bíblia Livre (BLIVRE), Copyright © Diego Santos, Mario Sérgio, e Marco Teles – fevereiro de 2018.