Juízes 21

Mulheres para os benjamitas

1 E os homens de Israel haviam jurado em Mispá, dizendo: Nenhum de nós dará sua filha aos de Benjamim por mulher.

Comentário de Keil e Delitzsch

(1-14) A proposta de encontrar esposas para os seiscentos benjamitas que ficaram foi exposta a esta dificuldade, que a congregação havia jurado em Mispá (como é complementado nos Juízes 21:1 ao relato nos Juízes 20:1-9) que ninguém deveria dar sua filha a um benjamita como esposa. [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

2 E veio o povo à casa de Deus, e estiveram ali até à tarde diante de Deus; e levantando sua voz fizeram grande pranto, e disseram:

Comentário de Robert Jamieson

A inconstância característica dos israelitas não demorou a ser demonstrada; porque mal haviam se resfriado da ferocidade de sua sanguinária vingança, que começaram a ceder e se apressaram ao extremo oposto de auto-acusação e pesar pela desolação que seu zelo impetuoso havia produzido. Sua vitória entristeceu e humilhou-os. Seus sentimentos na ocasião foram expressos por um serviço público e solene de expiação na casa de Deus. E, no entanto, essa observância extraordinária, embora lhes permitisse encontrar vazão para suas dolorosas emoções, não lhes proporcionava alívio total, pois eles estavam limitados pela obrigação de um voto religioso, intensificado pelo acréscimo de um anátema solene a todos os que violavam a lei. juramento. Não há registro prévio deste juramento; mas o propósito era que eles tratariam os perpetradores dessa atrocidade de Gibeá da mesma maneira que os cananeus, que estavam condenados à destruição; e a entrada nessa solene liga foi uma peça com o resto de sua conduta imprudente em todo esse assunto. [JFB, aguardando revisão]

3 Ó SENHOR Deus de Israel, por que sucedeu isto em Israel, que falte hoje de Israel uma tribo?

Comentário de Keil e Delitzsch

(2-4) Após o término da guerra, o povo, ou seja, o povo que se reunira para a guerra (ver Juízes 21:9), foi novamente para Betel (ver Juízes 20:18, Juízes 20:26), para chorar lá por um dia diante de Deus sobre a grave perda que a guerra havia causado à congregação. Então eles proferiram esta lamentação: “Por que, ó Senhor Deus de Israel, isto acontece em Israel, que falta hoje uma tribo de Israel”? Esta lamentação envolvia o desejo de que Deus lhes mostrasse o caminho para evitar a ameaça de destruição da tribo desaparecida, e construir os seiscentos que ficaram. Para dar uma expressão prática a este desejo, eles construíram um altar na manhã seguinte, e ofereceram holocaustos e ofertas suplicatórias sobre ele (ver Juízes 20:26), sabendo que sua proposta não teria sucesso sem a reconciliação com o Senhor, e um retorno à comunhão de Sua graça. Há algo aparentemente estranho na ereção de um altar em Betel, já que já haviam sido oferecidos sacrifícios lá durante a própria guerra (Juízes 20:26), e isto não poderia ter acontecido sem um altar. Por que foi erguido novamente, ou outro construído, é uma pergunta que não pode ser respondida com nenhuma certeza. É possível, entretanto, que a primeira não tenha sido suficientemente grande para o número de sacrifícios que tiveram que ser oferecidos agora. [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

4 E ao dia seguinte o povo se levantou de manhã, e edificaram ali altar, e ofereceram holocaustos e pacíficos.

Comentário de Keil e Delitzsch

(2-4) Após o término da guerra, o povo, ou seja, o povo que se reunira para a guerra (ver Juízes 21:9), foi novamente para Betel (ver Juízes 20:18, Juízes 20:26), para chorar lá por um dia diante de Deus sobre a grave perda que a guerra havia causado à congregação. Então eles proferiram esta lamentação: “Por que, ó Senhor Deus de Israel, isto acontece em Israel, que falta hoje uma tribo de Israel”? Esta lamentação envolvia o desejo de que Deus lhes mostrasse o caminho para evitar a ameaça de destruição da tribo desaparecida, e construir os seiscentos que ficaram. Para dar uma expressão prática a este desejo, eles construíram um altar na manhã seguinte, e ofereceram holocaustos e ofertas suplicatórias sobre ele (ver Juízes 20:26), sabendo que sua proposta não teria sucesso sem a reconciliação com o Senhor, e um retorno à comunhão de Sua graça. Há algo aparentemente estranho na ereção de um altar em Betel, já que já haviam sido oferecidos sacrifícios lá durante a própria guerra (Juízes 20:26), e isto não poderia ter acontecido sem um altar. Por que foi erguido novamente, ou outro construído, é uma pergunta que não pode ser respondida com nenhuma certeza. É possível, entretanto, que a primeira não tenha sido suficientemente grande para o número de sacrifícios que tiveram que ser oferecidos agora. [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

5 E disseram os filhos de Israel: Quem de todas as tribos de Israel não subiu à reunião próximo do SENHOR? Porque se havia feito grande juramento contra o que não subisse ao SENHOR em Mispá, dizendo: Sofrerá morte.

Comentário de Keil e Delitzsch

(5-8) A congregação então resolveu um plano, através da execução do qual várias virgens foram asseguradas para os benjamitas. Eles determinaram que cumpririam o grande juramento, que havia sido feito quando a assembléia nacional foi convocada contra os que não apareceram, sobre aquela das tribos de Israel que não havia comparecido à reunião da congregação em Mizpeh. As deliberações sobre este ponto foram abertas (Juízes 21:5) com a pergunta: “Quem é aquele que não compareceu à reunião de todas as tribos de Israel, a Jeová? Na explicação desta pergunta, observa-se nos Juízes 21:5: “Porque foi feito o grande juramento sobre aquele que não subiu a Jeová a Mizpá: ele será morto”. Aprendemos desta observação suplementar, que quando reuniões importantes da congregação foram convocadas, todos os membros foram obrigados por um juramento a comparecer. A reunião em Mizpeh é a mencionada nos Juízes 20:1. O “grande juramento” consistia na ameaça de morte no caso de alguém que fosse desobediente. A esta explicação da questão nos Juízes 20:5, a explicação adicional é acrescentada nos Juízes 21:6, Juízes 21:7, que os israelitas sentiram compaixão por Benjamim, e desejaram evitar toda a sua destruição, adquirindo esposas para os que ficaram. A palavra ויּנּחמוּ nos Juízes 21:6 é anexada à cláusula explicativa nos Juízes 21:5, e deve ser dada como uma pluperfeita: “E os filhos de Israel haviam demonstrado compaixão para com seu irmão Benjamin, e disseram: Uma tribo está cortada de Israel hoje em dia; o que devemos fazer com eles, com aqueles que permanecem em relação às esposas, como juramos? (compare os Juízes 21:1). Os dois pensamentos, – (1) o juramento de que aqueles que não tinham vindo a Mizpeh deveriam ser punidos com a morte (Juízes 21:5), e (2) a ansiedade pela preservação desta tribo que surgiu da compaixão para com Benjamim, e foi mostrado em seus esforços para prover tais como permaneceram com esposas, sem violar o juramento de que nenhuma delas lhes daria suas próprias filhas como esposas, – formaram os dois fatores que determinaram o curso a ser adotado pela congregação. Após a declaração destas duas circunstâncias, a questão dos Juízes 21:5, “Quem é o único (apenas um) das tribos de Israel que”, etc., é retomada e respondida: “Eis que não veio ninguém de Jabesh em Gilead, para o acampamento, para a assembléia”. שׁבטי é usado nos Juízes 21:8, Juízes 21:5, num sentido mais geral, como denotando não apenas as tribos como tal, mas as várias subdivisões das tribos. [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

6 E os filhos de Israel se arrependeram por causa de Benjamim seu irmão, e disseram: Uma tribo é hoje cortada de Israel.

Comentário de Robert Jamieson

Uma tribo é hoje cortada de Israel – isto é, em perigo de extinção; porque, como aparece em Juízes 21:7, eles massacraram todas as mulheres e crianças de Benjamim, e seiscentos homens sobreviveram a toda a tribo. A perspectiva de tal espaço em branco no catálogo das doze tribos, tal lacuna nos arranjos nacionais, era dolorosa demais para contemplar, e medidas imediatas devem ser tomadas para evitar essa grande catástrofe. [JFB, aguardando revisão]

7 Que faremos em quanto a mulheres para os que restaram? Nós juramos pelo SENHOR que não lhes temos de dar nossas filhas por mulheres.

Comentário de Keil e Delitzsch

(5-8) A congregação então resolveu um plano, através da execução do qual várias virgens foram asseguradas para os benjamitas. Eles determinaram que cumpririam o grande juramento, que havia sido feito quando a assembléia nacional foi convocada contra os que não apareceram, sobre aquela das tribos de Israel que não havia comparecido à reunião da congregação em Mizpeh. As deliberações sobre este ponto foram abertas (Juízes 21:5) com a pergunta: “Quem é aquele que não compareceu à reunião de todas as tribos de Israel, a Jeová? Na explicação desta pergunta, observa-se nos Juízes 21:5: “Porque foi feito o grande juramento sobre aquele que não subiu a Jeová a Mizpá: ele será morto”. Aprendemos desta observação suplementar, que quando reuniões importantes da congregação foram convocadas, todos os membros foram obrigados por um juramento a comparecer. A reunião em Mizpeh é a mencionada nos Juízes 20:1. O “grande juramento” consistia na ameaça de morte no caso de alguém que fosse desobediente. A esta explicação da questão nos Juízes 20:5, a explicação adicional é acrescentada nos Juízes 21:6, Juízes 21:7, que os israelitas sentiram compaixão por Benjamim, e desejaram evitar toda a sua destruição, adquirindo esposas para os que ficaram. A palavra ויּנּחמוּ nos Juízes 21:6 é anexada à cláusula explicativa nos Juízes 21:5, e deve ser dada como uma pluperfeita: “E os filhos de Israel haviam demonstrado compaixão para com seu irmão Benjamin, e disseram: Uma tribo está cortada de Israel hoje em dia; o que devemos fazer com eles, com aqueles que permanecem em relação às esposas, como juramos? (compare os Juízes 21:1). Os dois pensamentos, – (1) o juramento de que aqueles que não tinham vindo a Mizpeh deveriam ser punidos com a morte (Juízes 21:5), e (2) a ansiedade pela preservação desta tribo que surgiu da compaixão para com Benjamim, e foi mostrado em seus esforços para prover tais como permaneceram com esposas, sem violar o juramento de que nenhuma delas lhes daria suas próprias filhas como esposas, – formaram os dois fatores que determinaram o curso a ser adotado pela congregação. Após a declaração destas duas circunstâncias, a questão dos Juízes 21:5, “Quem é o único (apenas um) das tribos de Israel que”, etc., é retomada e respondida: “Eis que não veio ninguém de Jabesh em Gilead, para o acampamento, para a assembléia”. שׁבטי é usado nos Juízes 21:8, Juízes 21:5, num sentido mais geral, como denotando não apenas as tribos como tal, mas as várias subdivisões das tribos. [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

8 E disseram: Há alguém das tribos de Israel que não tenha subido ao SENHOR em Mispá? E acharam que ninguém de Jabes-Gileade havia vindo ao acampamento à reunião:

Comentário de Robert Jamieson

ninguém de Jabes-Gileade havia vindo ao acampamento à reunião – Esta cidade ficava no território de Manassés oriental, cerca de quinze milhas a leste do Jordão, e era, segundo Josefo, a capital de Gileade. A proibição que as tribos reunidas haviam pronunciado em Mispa parecia impor-lhes a necessidade de punir seus habitantes por não se juntarem à cruzada contra Benjamin; e assim, com o objetivo de reparar as consequências de um procedimento precipitado, eles correram apressadamente para a perpetração de outro, embora uma tragédia menor. Mas parece (Juízes 21:11) que, além de agir em cumprimento de seu juramento, os israelitas tinham o objetivo adicional por este ataque de fornecer esposas ao remanescente de Benjamim. Isso mostra a fúria intempestiva dos israelitas no massacre indiscriminado de mulheres e crianças. [JFB, aguardando revisão]

9 Porque o povo foi contado, e não havia ali homem dos moradores de Jabes-Gileade.

Comentário de Keil e Delitzsch

Para, no entanto, confirmar a veracidade desta resposta, que pode ter sido fundada em uma observação superficial e errônea, todo o povo (reunido) foi reunido, e nenhum dos habitantes de Jabes foi encontrado lá (em a assembléia nacional em Betel). A situação de Jabesh em Gileade ainda não foi apurada. Esta cidade foi sitiada de perto pelo amonita Naás e foi aliviada por Saul ( 1 Samuel 11: 1 .), razão pela qual os habitantes depois se mostraram gratos a Saul ( 1 Samuel 31: 8 .). Josefo chama Jabes a metrópole de Gileade (Ant. vi. 5, 1). De acordo com o Onom. (s. v. Jabis), ficava a seis milhas romanas de Pela, no topo de uma montanha em direção a Gerasa. Robinson (Bibl. Res. p. 320) supõe que sejam as ruínas de ed Deir no uádi Jabes. [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

10 Então a congregação enviou ali doze mil homens dos mais valentes, e mandaram-lhes, dizendo: Ide e ponde à espada aos moradores de Jabes-Gileade, e as mulheres e meninos.

Comentário de Keil e Delitzsch

(10-12) Para punir esta conduta ilícita, a congregação enviou 12.000 valentes combatentes contra Jabes, com ordens de ferir os habitantes da cidade com o fio da espada, junto com suas esposas e filhos, mas também com instruções mais precisas (Juízes 21 :11), “proibir todos os homens e mulheres que souberam deitar-se com homem” (isto é, matá-los como expostos à morte, o que implicava, por outro lado, que as virgens que não se deitaram com nenhum homem deveriam ser poupado). Os guerreiros encontraram 400 dessas virgens em Jabes e as levaram para o acampamento em Siló, na terra de Canaã. אותם (Juízes 21:12) refere-se às virgens, o masculino sendo usado como o gênero mais comum no lugar do feminino. Siló, com a cláusula adicional “na terra de Canaã”, que foi ocasionada pela antítese Jabes em Gileade, como em Josué 21:2; Josué 22:9, era o local de reunião habitual da congregação, por ser a sede do tabernáculo. Os representantes da congregação se mudaram para lá, depois que as deliberações sobre Jabes, que ainda estavam relacionadas com a guerra contra Benjamin, foram concluídas. [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

11 Mas fareis desta maneira: matareis a todo homem e a toda mulher que tiver se deitado com homem.

Comentário de Keil e Delitzsch

(10-12) Para punir esta conduta ilícita, a congregação enviou 12.000 valentes combatentes contra Jabes, com ordens de ferir os habitantes da cidade com o fio da espada, junto com suas esposas e filhos, mas também com instruções mais precisas (Juízes 21 :11), “proibir todos os homens e mulheres que souberam deitar-se com homem” (isto é, matá-los como expostos à morte, o que implicava, por outro lado, que as virgens que não se deitaram com nenhum homem deveriam ser poupado). Os guerreiros encontraram 400 dessas virgens em Jabes e as levaram para o acampamento em Siló, na terra de Canaã. אותם (Juízes 21:12) refere-se às virgens, o masculino sendo usado como o gênero mais comum no lugar do feminino. Siló, com a cláusula adicional “na terra de Canaã”, que foi ocasionada pela antítese Jabes em Gileade, como em Josué 21:2; Josué 22:9, era o local de reunião habitual da congregação, por ser a sede do tabernáculo. Os representantes da congregação se mudaram para lá, depois que as deliberações sobre Jabes, que ainda estavam relacionadas com a guerra contra Benjamin, foram concluídas. [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

12 E acharam dos moradores de Jabes-Gileade quatrocentas virgens que não tinham se deitado com homem, e trouxeram-nas ao acampamento em Siló, que está na terra de Canaã.

Comentário de Keil e Delitzsch

(10-12) Para punir esta conduta ilícita, a congregação enviou 12.000 valentes combatentes contra Jabes, com ordens de ferir os habitantes da cidade com o fio da espada, junto com suas esposas e filhos, mas também com instruções mais precisas (Juízes 21 :11), “proibir todos os homens e mulheres que souberam deitar-se com homem” (isto é, matá-los como expostos à morte, o que implicava, por outro lado, que as virgens que não se deitaram com nenhum homem deveriam ser poupado). Os guerreiros encontraram 400 dessas virgens em Jabes e as levaram para o acampamento em Siló, na terra de Canaã. אותם (Juízes 21:12) refere-se às virgens, o masculino sendo usado como o gênero mais comum no lugar do feminino. Siló, com a cláusula adicional “na terra de Canaã”, que foi ocasionada pela antítese Jabes em Gileade, como em Josué 21:2; Josué 22:9, era o local de reunião habitual da congregação, por ser a sede do tabernáculo. Os representantes da congregação se mudaram para lá, depois que as deliberações sobre Jabes, que ainda estavam relacionadas com a guerra contra Benjamin, foram concluídas. [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

13 Toda a congregação enviou logo a falar aos filhos de Benjamim que estavam na penha de Rimom, e chamaram-nos em paz.

Comentário de Keil e Delitzsch

(13-14) A congregação então mandou chamar os benjamitas, que haviam se refugiado na rocha Rimom, e lhes deu como esposas, quando voltaram (isto é, para seus próprios bens), as 400 virgens de Jabes que haviam sido preservadas vivas. “Mas então eles não foram suficientes” (כּן, então, ou seja, em seu número existente, 400: Bertheau). Nesta observação há uma alusão ao que se segue. [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

14 E voltaram então os de Benjamim; e deram-lhes por mulheres as que haviam escravo vivas das mulheres de Jabes-Gileade: mas não lhes bastaram estas.

Comentário de Keil e Delitzsch

(13-14) A congregação então mandou chamar os benjamitas, que haviam se refugiado na rocha Rimom, e lhes deu como esposas, quando voltaram (isto é, para seus próprios bens), as 400 virgens de Jabes que haviam sido preservadas vivas. “Mas então eles não foram suficientes” (כּן, então, ou seja, em seu número existente, 400: Bertheau). Nesta observação há uma alusão ao que se segue. [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

15 E o povo teve dor por causa de Benjamim, de que o SENHOR houvesse feito brecha nas tribos de Israel.

Comentário de Keil e Delitzsch

(15-16) Dos seiscentos benjamitas que escaparam, ainda restavam duzentos para serem providos de esposas. A estes a congregação deu permissão para tomar esposas à força numa festa em Siló. O relato disso é mais uma vez introduzido, com uma descrição da ansiedade sentida pela congregação pela continuidade da tribo de Benjamim. Juízes 21:15, Juízes 21:16 e Juízes 21:18 são apenas uma repetição de Juízes 21:6 e Juízes 21:7, com uma ligeira mudança de expressão. A “brecha (perez) nas tribos de Israel” surgiu do extermínio quase completo de Benjamim. “Pois de Benjamim é (toda) mulher destruída”, em outras palavras, pela matança implacável de todo o povo daquela tribo (Juízes 20:48). Conseqüentemente, os benjaminitas que ainda eram solteiros não conseguiram encontrar esposas em sua própria tribo. O fato de que quatrocentos dos benjaminitas que permaneceram já estavam providos de esposas não é notado aqui, porque foi declarado pouco antes, e é claro que nenhum deles poderia entregar suas próprias esposas a outros. [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

16 Então os anciãos da congregação disseram: Que faremos acerca de mulheres para os que restaram? Porque as mulheres tinham sido exterminadas de Benjamim.

Comentário de Robert Jamieson

os anciãos da congregação disseram: Que faremos acerca de mulheres para os que restaram? –  Embora as jovens de Jabes-Gileade tenham sido cuidadosamente poupadas, o suprimento foi considerado inadequado, e algum outro expediente deve ser recor- rido. [JFB, aguardando revisão]

17 E disseram: A herança dos que escaparam será o que era de Benjamim, para que não seja uma tribo extinta de Israel.

Comentário de Robert Jamieson

A herança dos que escaparam será o que era de Benjamim – Como eram os únicos legítimos proprietários do território, deve-se providenciar para transmiti-lo a seus legítimos herdeiros, e um novo ato de violência foi meditado (Juízes 21:19). ; a oportunidade para a qual foi proporcionada pelo festival que se aproximava – uma festa geralmente supostamente a festa dos tabernáculos. Isto, como as outras festas anuais, foi realizado em Siló, e sua celebração foi assistida com mais alegria social e alegrias de feriados do que as outras festas. [JFB, aguardando revisão]

18 Nós porém, não lhes podemos dar mulheres de nossas filhas, porque os filhos de Israel juraram, dizendo: Maldito o que der mulher a Benjamim.

Comentário de Keil e Delitzsch

(17-19) Ainda Benjamin deve ser preservado como uma tribo. Os anciãos, portanto, disseram: “A posse dos salvos será para Benjamim”, ou seja, a terra da tribo de Benjamim permanecerá uma possessão independente para os benjaminitas que escaparam do massacre, para que uma tribo não seja destruída de Israel. Era necessário, portanto, que eles tomassem medidas para ajudar os benjaminitas restantes às esposas. As outras tribos não podiam dar-lhes suas filhas, por causa do juramento que já foi mencionado em Juízes 21:1 e Juízes 21:7 e é repetido aqui (Juízes 21:18). Consequentemente, quase não havia outro caminho em aberto, a não ser deixar os benjaminitas se apoderarem de esposas. E os anciãos deram-lhes uma ajuda, oferecendo-lhes este conselho, que no próximo festival anual em Siló, no qual as filhas de Siló dançavam ao ar livre (fora da cidade), elas deveriam tomar esposas para si de entre essas filhas, e prometendo-lhes que, quando a coisa fosse realizada, eles a ajustariam pacificamente (Juízes 21:19-22). A “festa de Jeová”, que os israelitas celebravam ano a ano, era uma das três grandes festas anuais, provavelmente uma que durava sete dias, seja a páscoa ou a festa dos tabernáculos – provavelmente a primeira, como as danças de as filhas de Siló eram aparentemente uma imitação das danças das mulheres israelitas no Mar Vermelho sob a superintendência de Miriã (Êxodo 15:20). A descrição minuciosa da situação de Siló (Juízes 21:19), ou seja, “ao norte de Betel, ao leste da estrada que vai de Betel a Siquém, e ao sul de Lebonah” (a atual aldeia de Lubban, no noroeste de Seilun: ver Rob. Pal. iii. p. 89), serve para lançar luz sobre a cena que se segue, ou seja, para mostrar como a situação de Shiloh foi peculiarmente adequada para a realização de o conselho dado aos benjaminitas; pois, logo que saíram de seus esconderijos nos vinhedos de Siló, e se apoderaram das virgens dançantes, podiam facilmente escapar para sua própria terra pela estrada vizinha que levava de Betel a Siquém, sem serem presos. pelos cidadãos de Siló. [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

19 Agora bem, disseram, eis que cada ano há solenidade do SENHOR em Siló, que está ao norte de Betel, e ao lado oriental do caminho que sobe de Betel a Siquém, e ao sul de Lebona.

Comentário de Robert Jamieson

ao lado oriental do caminho que sobe de Betel a Siquém – O local exato do lugar foi descrito evidentemente para a direção dos benjamitas. [JFB, aguardando revisão]

20 E mandaram aos filhos de Benjamim, dizendo: Ide, e ponde emboscadas nas vinhas:

Comentário de Keil e Delitzsch

(20-21) O Kethibh ויצו no singular pode ser explicado com base em que um dos anciãos falou e deu o conselho em nome dos outros. חטף em Juízes 21:21 e Salmo 10:9, apoderar-se ou levar como presa é igual a חתף. [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

21 E estai atentos: e quando virdes sair as filhas de Siló a dançar em cirandas, vós saireis das vinhas, e arrebatareis cada um mulher para si das filhas de Siló, e vos ireis à terra de Benjamim:

Comentário de Robert Jamieson

filhas de Siló a dançar em cirandas – A dança era antigamente uma parte da observância religiosa. Foi feito em ocasiões festivas, como ainda é no Oriente, não na cidade, mas ao ar livre, em algum campo adjacente, as mulheres estão sozinhas. As moças, sozinhas, entregando-se à luz e aos espíritos flutuantes e apreensivas de nenhum perigo, facilitaram a execução do esquema de apreendê-las, que se assemelha ao estupro sabino na história romana. Os anciãos se comprometeram a reconciliar as famílias ao rapto forçado de suas filhas. E assim a expressão de sua sanção pública a esse ato de violência proporcionou uma nova evidência dos males e dificuldades nos quais a precipitação infeliz dos israelitas nessa crise os envolveu. [JFB, aguardando revisão]

22 E quando vierem os pais delas ou seus irmãos a nos exigirem, nós lhes diremos: Tende piedade de nós em lugar deles: pois que nós na guerra não tomamos mulheres para todos: que vós não as destes a eles, para que agora sejais culpáveis.

Comentário de Keil e Delitzsch

“E quando os pais ou irmãos das virgens levadas, vierem até nós para repreender-nos, nós (os anciãos) lhes diremos (em vosso nome), Apresentai-os a nós (אותם como nos Juízes 21:12); pois não recebemos cada uma sua esposa através da guerra (com Jabesh); pois vós não lhos destes; como seríeis vós culpados”. As palavras “apresentá-los a nós”, etc., devem ser entendidas como faladas em nome dos benjaminitas, que foram acusados da incursão, aos parentes das virgens que apresentaram a queixa. Isto explica o uso do pronome na primeira pessoa em חנּוּנוּ e לקחנוּ, que não deve ser alterado, portanto, para a terceira pessoa.

(Nota: Uma circunstância que é decisiva contra esta alteração do texto, é que os Setenta tiveram o texto Masorético diante deles, e sobre ela fundaram sua tradução (ἐλεήσατε ἡμῖν αυτάς, ὅτι οὐκ ἐλάβομεν ἀνὴρ γυναῖκα πολέμῳ αὐτοῦ ἐν τῷ πολέμῳ). A diferente interpretação de Jerônimo dada na Vulgata – miseremini eorum! non enim rapuerunt eas jure bellantium atque victorum – não passa de uma infeliz e mal sucedida tentativa de se livrar das dificuldades relacionadas com as leituras do texto).

As duas cláusulas que começam com כּי são coordenadas, e contêm dois pontos que servem para fazer valer o pedido, “Apresente-os”, etc. O primeiro é invocado em nome dos benjaminitas; o segundo é aduzido, como fundamento geral por parte dos anciãos da congregação, para pacificar os pais e irmãos que fazem a reclamação, em razão do juramento que os israelitas fizeram, de que nenhuma delas daria suas filhas como esposas aos benjaminitas. O significado é o seguinte: Vós podeis ter vossas filhas com os benjaminitas que as tomaram à força, pois não as haveis dado voluntariamente, de modo a ter quebrado vosso juramento ao fazê-lo. Na última cláusula כּעת tem um significado incomum: “no momento” (ou agora), ou seja, nesse caso, você teria sido culpado, em outras palavras, se as tivesse dado voluntariamente. [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

23 E os filhos de Benjamim o fizeram assim; pois tomaram mulheres conforme seu número, tomando das que dançavam; e indo logo, voltaram-se à sua herança, e reedificaram as cidades, e habitaram nelas.

Comentário de Keil e Delitzsch

Os benjamitas adotaram esse conselho. Eles tomaram para si esposas de acordo com seu número, ou seja, duzentas (de acordo com Juízes 21:12, comparado com Juízes 20:47), que eles pegaram das filhas dançarinas de Siló, e voltaram com elas para sua herança, onde eles reconstruiu as cidades que haviam sido reduzidas a cinzas e habitou nelas. [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

24 Então os filhos de Israel se foram também dali, cada um à sua tribo e à sua família, saindo dali cada um à sua propriedade.

Comentário de Keil e Delitzsch

(24-25) Em Juízes 21:24 e Juízes 21:25, o relato deste evento é encerrado com uma dupla observação: (1) que os filhos de Israel, isto é, os representantes da congregação que estavam reunidos em Siló, separaram-se e restituiu cada homem à sua herança à sua tribo e família; (2) que naquela época não havia rei em Israel, e todo homem estava acostumado a fazer o que era certo aos seus próprios olhos. Se os pais ou irmãos das virgens que foram levadas trouxeram alguma reclamação perante a congregação sobre o ataque que havia sido cometido, o escritor não afirma, simplesmente porque isso não era importante no que dizia respeito à história, na medida em que , de acordo com Juízes 21:22, a denúncia não fez diferença nos próprios fatos.

(Nota: “Sem dúvida, os pais e irmãos das virgens exigiram tanto dos próprios benjaminitas, como também dos anciãos de Israel, ou pelo menos pediram que os benjaminitas fossem punidos: mas os anciãos responderam como haviam dito que eles deveriam; e as pessoas envolvidas ficaram satisfeitas com a resposta, e assim o caso foi levado a um término pacífico.” – Seb. Schmidt.)

Com a observação final em Juízes 21:25, no entanto, com a qual o relato retorna ao seu início em Juízes 19:1, o historiador profético resume seu julgamento sobre a história nas palavras: “Naquele tempo, cada um fez o que era certo aos seus próprios olhos, porque não havia rei em Israel”, no qual está implícita a ideia de que, sob o governo de um rei, que administrava o direito e a justiça no reino, tais coisas não poderiam ter acontecido. Isso não se refere apenas à conduta dos israelitas em relação a Benjamim na guerra, cuja severidade não deveria ser justificada, mas também à sua conduta em relação aos habitantes de Jabes, conforme descrito em Juízes 21: 5. A congregação tinha sem dúvida um direito perfeito, quando todo o povo foi convocado para deliberar sobre assuntos importantes que afetavam o bem-estar de toda a nação, de proferir o “grande juramento” contra aqueles que não compareceram, ou seja, ameaçá-los de morte e executar essa ameaça sobre os obstinados; mas uma punição como essa só poderia ser infligida com justiça a pessoas realmente culpadas e se rebelaram contra a congregação como o poder supremo, e não poderia ser estendida a mulheres e crianças, a menos que também tivessem cometido um crime que merecesse a morte. Mas mesmo que houvesse circunstâncias peculiares no caso diante de nós, que foram ignoradas por nosso autor, que se limita apenas a pontos relacionados ao objetivo principal da história, mas que tornavam necessário que a proibição fosse infligida a todos os habitantes de Jabes, era de qualquer forma uma isenção arbitrária poupar todas as virgens casadas, e uma que não podia ser justificada pelo objetivo contemplado, por mais louvável que esse objetivo pudesse ser. Isso também se aplica ao juramento feito pelo povo, de que não daria nenhuma de suas filhas como esposa aos benjaminitas, bem como ao conselho dado pelos anciãos aos duzentos restantes, para levar virgens da festa em Siló. Por mais justa e louvável que tenha sido a indignação moral, expressa naquele juramento da nação em geral pelo crime escandaloso dos gibeitas, um crime sem paralelo em Israel, e pelo favor demonstrado aos culpados pela tribo de Benjamim, o o juramento em si era um ato de temeridade, no qual não havia apenas uma negação total do amor fraterno, mas os limites da justiça eram rompidos. Quando os anciãos da nação chegaram a um estado de espírito melhor, eles deveriam ter reconhecido sua imprudência abertamente, e libertaram a si mesmos e à nação de um juramento que havia sido feito com tanta pressa pecaminosa. “Portanto, eles teriam agido com muito mais retidão, se tivessem confessado seriamente sua falta e pedido perdão a Deus, e dado permissão aos benjamitas para se casar livremente. meio deles por crueldade de outro tipo” (Buddeus). Mas se eles se sentiram obrigados em suas consciências a manter o juramento inviolavelmente, eles deveriam ter recomendado o assunto ao Senhor em oração, e deixado por Sua decisão; ao passo que, pelo conselho dado aos benjamitas, eles de fato mantiveram o juramento na carta, mas o trataram em ação e verdade como não tendo qualquer validade. [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

25 Nestes dias não havia rei em Israel; cada um fazia o que era correto diante de seus olhos.

Comentário de Lias e Cooke

não havia rei em Israel – comparar com Juízes 17:6 n. Uma transição adequada para a história de Samuel que relata o início da monarquia. [Lias e Cooke, aguardando revisão]

<Juízes 20 Rute 1>

Introdução à Juízes 21

Através da extraordinária severidade com que as tribos de Israel haviam levado adiante a guerra contra Benjamin, esta tribo havia sido reduzida a 600 homens e, assim, levada muito perto do extermínio. Tal conclusão do conflito sanguinário foi para o coração da congregação. Pois embora, ao formar a resolução para punir a inigualável maldade dos habitantes de Gibeá com toda a severidade da lei, eles tinham sido incitados por nada mais do que o dever sagrado que os obrigava a erradicar o mal de seu meio, e embora a guerra contra toda a tribo de Benjamim fosse justificada pelo fato de que eles tinham tomado o lado dos culpados, e tinham até recebido a aprovação do Senhor; não há dúvida de que na execução desta resolução, e da guerra que foi realmente levada adiante, sentimentos de vingança pessoal haviam perturbado a justa causa em conseqüência da derrota que haviam sofrido duas vezes nas mãos dos benjaminitas, e haviam levado os guerreiros a uma guerra de extermínio que não era comandada pela lei nem justificada pelas circunstâncias, e havia provocado a destruição de toda uma tribo das doze tribos da nação do pacto, com exceção de um pequeno remanescente desaparecido. Quando o ato imprudente foi feito, a congregação começou a se arrepender amargamente. E com o arrependimento foi despertado o sentimento de amor fraterno, e também um senso de dever de prover a continuidade da tribo, que havia sido trazida tão perto da destruição, encontrando esposas para aqueles que ficaram, a fim de que o pequeno remanescente pudesse crescer novamente em uma tribo vigorosa. [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

Visão geral de Juízes

Em Juízes, “os Israelitas se afastam de Deus e enfrentam as consequências. Deus levanta juízes durante ciclos de rebelião, arrependimento e restauração”. Tenha uma visão geral deste livro através do vídeo a seguir produzido pelo BibleProject. (7 minutos)

🔗 Abrir vídeo no Youtube.

Leia também uma introdução ao livro dos Juízes.

Todas as Escrituras em português citadas são da Bíblia Livre (BLIVRE), Copyright © Diego Santos, Mario Sérgio, e Marco Teles – fevereiro de 2018.