Biografia, Revisar

Gênesis 28

Isaque manda Jacó a Padã-Arã

1 Então Isaque chamou a Jacó, e o abençoou, e mandou-lhe dizendo: Não tomes mulher das filhas de Canaã.

Então Isaque chamou a Jacó, e o abençoou – Ele entrou completamente nos sentimentos de Rebeca, e o fardo de seu conselho de despedida para com seu filho era evitar uma aliança matrimonial com qualquer outro, exceto o ramo mesopotâmico da família. Ao mesmo tempo, ele deu-lhe uma solene bênção – pronunciada antes de maneira inconsciente, agora planejada e com um espírito cordial. É mais explicitamente e totalmente dado, e Jacob foi assim reconhecido como “o herdeiro da promessa”.

2 Levanta-te, vai a Padã-Arã, à casa de Betuel, pai de tua mãe, e toma ali mulher das filhas de Labão, irmão de tua mãe.
3 E o Deus Todo-Poderoso te abençoe e te faça frutificar, e te multiplique, até vir a ser congregação de povos;
4 E te dê a bênção de Abraão, e à tua descendência contigo, para que herdes a terra de tuas peregrinações, que Deus deu a Abraão.
5 Assim enviou Isaque a Jacó, o qual foi a Padã-Arã, a Labão, filho de Betuel arameu, irmão de Rebeca, mãe de Jacó e de Esaú.
6 E viu Esaú como Isaque havia abençoado a Jacó, e lhe havia enviado a Padã-Arã, para tomar para si mulher dali; e que quando lhe abençoou, lhe havia mandado, dizendo: Não tomarás mulher das filhas de Canaã;
7 E que Jacó havia obedecido a seu pai e a sua mãe, e se havia ido a Padã-Arã.
8 Esaú viu que as filhas de Canaã pareciam mal ao seu pai Isaque.
9 Então Esaú foi a Ismael, e tomou para si por mulher, além de suas outras mulheres, a Maalate, filha de Ismael, filho de Abraão, irmã de Nebaiote.

E viu Esaú como Isaque havia abençoado a Jacó – Desejoso de alegrar seus pais e, se possível, obter a última revogação, ele se tornou sábio quando chegou tarde demais (ver Mt 25:10), e esperou gratificar seus pais em um só dia. coisa para expiar todas as suas inadimplências anteriores. Mas ele só piorou o mal e, apesar de não se casar com uma “esposa das filhas de Canaã”, ele se casou com uma família que Deus rejeitara. Mostrou uma reforma parcial, mas nenhum arrependimento, pois ele não deu provas de diminuir seus propósitos vingativos contra seu irmão, nem nutrir aquele espírito piedoso que teria gratificado seu pai – ele era como Miquéias (ver Jz 17:13).

O sonho de Jacó em Betel

10 E Jacó saiu de Berseba, e foi a Harã;

Sua partida da casa de seu pai foi um vôo ignominioso; e por medo de ser perseguido ou atacado por seu irmão vingativo, ele não tomou o caminho comum, mas seguiu caminhos solitários e pouco frequentados, o que aumentou o tamanho e os perigos da jornada.

11 ele chegou a um lugar, e ali dormiu, porque o sol já se havia posto. E tomou uma das pedras daquele lugar e a pôs por sua cabeceira, e deitou-se naquele lugar.

Ele acendeu-se em um determinado lugar – Por uma marcha forçada ele chegou a Betel, a cerca de quarenta e oito milhas de Beer-Seba, e teve que passar a noite em campo aberto.

E tomou uma das pedras – “A natureza do solo é um comentário existente no registro do território pedregoso onde Jacó jazia” [Clarke’s Travels].

12 E sonhou, e eis uma escada que estava posta na terra, e seu topo tocava no céu; e eis que anjos de Deus subiam e desciam por ela.

e eis uma escada – Alguns escritores são de opinião que não era uma escada literal que se entende, como é impossível conceber qualquer imagem estranha e mais antinatural do que a de uma escada, cuja base estava na terra, enquanto seu topo alcançava o céu , sem ter qualquer coisa em que descansar sua extremidade superior. Eles supõem que o pequeno montão de pedras, no qual a cabeça dele se reclinou para um travesseiro, sendo o modelo em miniatura do objeto que apareceu a sua imaginação, este último era uma gigantesca pilha de montanhas, cujos lados, recortados na rocha, lhe davam o aparência de uma escada de escala. Não pode haver dúvida de que esse uso do termo original era comum entre os primeiros hebreus; como Josephus, descrevendo a cidade de Ptolemais (Acre), diz que foi delimitada por uma montanha, que, de seus lados salientes, foi chamada de “escada”, e as escadas que levavam à cidade são, no original, denominadas uma escada (Ne 3:15) embora eles fossem apenas um lance de degraus cortados no lado da rocha. Mas se a imagem apresentada ao olho mental de Jacó era uma escada comum, ou uma pilha de montanhas como a que foi descrita, o objetivo dessa visão era proporcionar conforto, encorajamento e confiança ao fugitivo solitário, tanto em suas atuais circunstâncias. e quanto às suas perspectivas futuras. Seus pensamentos durante o dia devem ter sido dolorosos – ele seria seu próprio auto-acusador de que ele havia trazido exílio e privação para si – e, acima de tudo, que embora tivesse obtido o perdão de seu pai, ele tinha muitas razões para temer Deus poderia tê-lo abandonado. A solidão proporciona tempo para reflexão; e foi agora que Deus começou a levar Jacó a um curso de instrução e treinamento religioso. Para dissipar seus medos e acalmar o tumulto interior de sua mente, nada era mais adequado do que a visão da escada gigantesca, que alcançava de si para o céu, e sobre a qual os anjos subiam e desciam continuamente do próprio Deus em suas tarefas benevolentes (Jo 1:51).

13 E eis que o SENHOR estava no alto dela, e disse: “Eu sou o SENHOR, o Deus de teu pai Abraão, e o Deus de Isaque; a terra em que estás deitado, eu a darei a ti e à tua descendência.

E eis que o SENHOR estava no alto dela, e disse – Para que Jacó não perdesse o conhecimento da visão, ele ouviu a voz divina; e o anúncio de Seu nome, junto com a renovação da aliança e uma garantia de proteção pessoal, produziram ao mesmo tempo o efeito mais solene e inspirador em sua mente.

14 E a tua descendência será como o pó da terra, e te estenderás ao ocidente, ao oriente, ao norte, e ao sul; e todas as famílias da terra serão abençoadas em ti e na tua descendência.
15 E eis que eu estou contigo, e te guardarei por onde quer que fores, e te farei voltar a esta terra; porque não te deixarei, até que eu tenha feito o que te disse.”
16 Jacó despertou-se de seu sonho, e disse: “Certamente o SENHOR está neste lugar, e eu não sabia.”

Jacó despertou-se de seu sonho – Sua linguagem e sua conduta eram semelhantes às de um homem cuja mente estava impregnada de sentimentos de admiração solene, de fervorosa piedade e viva gratidão (Jr 31:36).

17 E teve medo, e disse: “Quão temível é este lugar! Não é outra coisa, senão casa de Deus e porta do céu.”
18 Jacó levantou-se de manhã cedo, tomou a pedra que havia colocado de cabeceira, e a pôs por coluna, e derramou azeite sobre ela.
19 E chamou o nome daquele lugar Betel, porém antes o nome da cidade era Luz.

A simples colocação da pedra poderia ter sido como um futuro memorial para marcar o local; e essa prática ainda é comum no Oriente, em memória de um voto ou compromisso religioso. Mas o óleo derramado sobre ele era uma consagração. Assim, ele deu um novo nome, Betel, “a casa de Deus” (Os 12:4); e não parecerá uma coisa forçada ou antinatural chamar uma casa de pedra, quando se considera a prática comum em países quentes de se sentar ao ar livre por ou em uma pedra, como são os deste lugar, “folhas largas de nu rocha, alguns deles parecendo os cromeleques dos monumentos druídicos ”[Stanely].

20 E Jacó fez um voto, dizendo: “Se Deus for comigo, e me guardar nesta viagem que vou, e me der pão para comer e roupa para vestir,

E Jacó fez um voto – Suas palavras não devem ser consideradas como implicando uma dúvida, muito menos como afirmando a condição ou termos nos quais ele se dedicaria a Deus. Vamos “se” ser mudado para “desde”, e a linguagem aparecerá como uma expressão apropriada da fé de Jacó – uma evidência de que ele realmente abraçou a promessa. Quão frequentemente edificante é meditar em Jacó em Betel.

21 e se eu voltar em paz à casa de meu pai, o SENHOR será meu Deus,
22 e esta pedra que pus por coluna será casa de Deus; e de tudo o que me deres, darei a ti o dízimo.
<Gênesis 27 Gênesis 29>

Leia também uma introdução ao livro do Gênesis.

Adaptado de: Commentary Critical and Explanatory on the Whole Bible. Todas as Escrituras em português citadas são da Bíblia Livre (BLIVRE), Copyright © Diego Santos, Mario Sérgio, e Marco Teles – fevereiro de 2018.