Êxodo 25

As ofertas para o Tabernáculo

1 E o SENHOR falou a Moisés, dizendo:

Comentário de R. Jamieson

O negócio que ocupou principalmente Moisés no monte, quaisquer que fossem as outras revelações feitas a ele ali, foi receber instruções sobre o tabernáculo, e eles são aqui registrados como dados a ele. [JFB, aguardando revisão]

2 Dize aos filhos de Israel que tomem para mim oferta:de todo homem que a der de sua vontade, de coração, tomareis minha oferta.

Comentário de R. Jamieson

de todo homem que a der de sua vontade, de coração, tomareis minha oferta – Tendo declarado lealdade a Deus como seu soberano, era esperado que eles contribuíssem para o Seu estado, como outros súditos aos seus reis; e a “oferta” exigida deles não era para ser imposta como um imposto, mas para vir de seus próprios sentimentos leais e liberais. [JFB, aguardando revisão]

3 E esta é a oferta que tomareis deles:Ouro, e prata, e bronze,

Comentário de R. Jamieson

esta é a oferta – uma lista dos principais artigos que a oferta deve incluir. [JFU, aguardando revisão]

4 E material azul, e púrpura, e carmesim, e linho fino, e pelo de cabras,

Comentário de R. Jamieson

azul, [uwtkeelet] – de um molusco, Helix Ianthina (Linnoeus), uma espécie de mexilhão encontrada no Mediterrâneo, com uma concha de cerúleo; de onde foi obtido o corante roxo azul-escuro; Septuaginta, huakinthon.

púrpura [wª’argaamaan] – um roxo-avermelhado, obtido de uma espécie diferente de marisco mediterrâneo (Ezequiel 27:7; Ezequiel 27:16). [A etimologia desta palavra, e do cognato caldeu, ‘argªwaan (2Cr 2:6; Dan 5:7; Dan 5:16), foi traçada com grande probabilidade no sânscrito. A forma, ‘argaamaan, é ragaman sânscrito; e ‘argªwaan é ragavan sânscrito,’ tingido de vermelho ‘(Gesenius); Septuaginta, porfurano].

carmesim [wªtowla`at shaaniy] – um corante vermelho carmesim ou bonito, extraído de um inseto, Kermes, coccus ilicis (Linnoeus), assim chamado por depositar seus ovos em fileiras no azevinho – a cochonilha. [Septuaginta, kokkinon diploun.

linho fino [sheesh] – um nome aplicado a ele por causa de sua brancura. Septuaginta, busson kekloosmeneen, bussus de fiação fina. De acordo com a opinião recebida na Europa, essa manufatura era, até um período relativamente recente, considerada como sendo algodão. Mas os experimentos precisos feitos com o microscópio, decidiram o fato de que era linho. ‘Dificuldade considerável, no entanto, se apresenta, devido ao hebraico shesh sendo traduzido por bissus na versão da Septuaginta, e em nossa própria,’ linho fino ‘; e shesh é o nome aplicado até hoje pelos árabes à musselina fina, que é de algodão, e não de linho; porque a semelhança das palavras nessas línguas cognatas argumenta a favor do mesmo significado. Por outro lado, Heródoto diz que os panos de múmia eram de “Sindon bizantino” (linho); e eles são invariavelmente linho’ (Rawlinson).

pelo de cabra [`iziym] – cabras, elipse para pêlo de cabra, tecido em camlete, usado principalmente como cobertura para tendas (cf. Êxodo 36:14; 1Sa 19:13). [Septuaginta, trichas aigeias]. [JFU, aguardando revisão]

5 E couros de carneiros tingidos de vermelho, e couros finos, e madeira de acácia;

Comentário de R. Jamieson

couros de carneiros – O texugo era um animal impuro, e não é nativo do Oriente – e sim algum tipo de peixe, do couro do qual são feitas sandálias no Oriente. [Veja Êx 39:34 e veja em Ez 16:10]

madeira de acácia – ou Shittah (Is 41:19), a acácia, um arbusto que cresce abundantemente nos desertos da Arábia, produzindo uma madeira leve, forte e bonita, em longas tábuas. [JFB, aguardando revisão]

6 Azeite para a luminária, especiarias para o azeite da unção, e para o incenso aromático;

Comentário de R. Jamieson

Azeite para a luminária (veja a nota em Êxodo 27:20.)

especiarias para o azeite da unção [bªsaamiym] – fragrância como difundida por especiarias; mas no plural, especiarias, aromáticos, canela, etc. (veja a nota em Êxodo 25:23); [hacamiym] o incenso, não necessariamente incenso ‘doce’ (veja a nota em Êxodo 30:34). Este versículo está faltando na versão da Septuaginta. [JFU, aguardando revisão]

7 Pedras de ônix, e pedras de engastes, para o éfode, e para o peitoral.

Comentário de R. Jamieson

Pedras de ônix [‘abneey shoham] – (veja a nota em Gênesis 2:12). É duvidoso o que se entende por gema. Michaelis supõe que seja o ônix com listras claras.

para o éfode (veja a nota sobre a forma do éfode, Êxodo 28:6.) Um éfode era uma veste quadrada que cobria os ombros e se estendia sobre o peito, parecendo um casaco sem mangas. [A Septuaginta tem eis teen epoomida para a vestimenta usada sobre os ombros.]

e para o peitoral – ornamento usado especialmente no peitoral do sumo sacerdote, que era cravejado externamente com pedras preciosas (veja a nota em Êxodo 28:15). [A Septuaginta tem kai eis ton podeeree, e para o manto longo (pendurado até os pés) (Ap 1:13).] As coisas mencionadas na parte anterior do catálogo foram trazidas pelo povo em geral; mas as pedras preciosas foram contribuídas somente pelos príncipes (Êxodo 35:27). [JFU, aguardando revisão]

8 E farão para mim um santuário, e eu habitarei entre eles.

Comentário Whedon

um santuário. Esta palavra, מקדשׁ, ocorreu apenas uma vez antes deste lugar, a saber, no cântico de Moisés, (Êxodo 15:17), onde uma profecia geral é feita de que o povo escolhido será estabelecido no monte da herança de Jeová, o santuário no qual Jeová se propôs habitar. Esse nome se aplica a toda a estrutura a ser descrita e a designa como o lugar santo onde Jeová habitaria graciosamente entre seu povo, revelando-lhes sua santidade e verdade. [Whedon]

9 Conforme tudo o que eu te mostrar, o desenho do tabernáculo, e o desenho de todos os seus objetos, assim o fareis.

Comentário de R. Jamieson

A ereção proposta poderia ser, nas circunstâncias dos israelitas, não de uma descrição fixa e estável, mas de uma descrição temporária e móvel, capaz de ser levada com eles em suas várias permanências. Ele foi feito depois de “o padrão” mostrado a Moisés, pelo qual agora é geralmente entendido, não que fosse uma novidade inédita, ou uma estrutura inteiramente original, pois se constatou que ele teve semelhança em forma e arranjos com o estilo. de um templo egípcio, mas que foi tão alterado, modificado e purificado de todas as associações idólatras, a ponto de ser apropriado a objetos corretos e sugestivo de ideias relacionadas com o verdadeiro Deus e Sua adoração. [JFB, aguardando revisão]

A arca da aliança

10 Farão também uma arca de madeira de acácia, cujo comprimento será de dois côvados e meio, e sua largura de côvado e meio, e sua altura de côvado e meio.

Comentário de R. Jamieson

uma arca – uma arca ou tórax, revestida de ouro, cujas dimensões, tomando o cúbito a dezoito polegadas, são calculadas como sendo três pés e nove polegadas de comprimento, dois pés e três polegadas de largura. [JFB, aguardando revisão]

11 E a cobrirás de ouro puro; por dentro e por fora a cobrirás; e farás sobre ela uma borda de ouro ao redor.

Comentário de R. Jamieson

E a cobrirás de ouro puro. Que este modo especial de aplicar o metal precioso a outras substâncias, especialmente madeira, era praticado no Egito, evidência indubitável é fornecida pelos numerosos restos de trabalho sobreposto ainda em existência. Alguns deles, em forma de miniaturas, estão depositados no Museu Britânico; enquanto o processo de sobreposição é frequentemente representado nos monumentos daquele país. Osburn descreve uma imagem da antiga tumba de Roti, em Benihassan, na qual a prática dessa arte parece estar representada. ‘Uma pessoa está distribuindo aos trabalhadores finas tiras de latão de ouro, que eles estão fixando, por meio de aparentemente forte pressão, em um bloco que tem alguma semelhança com uma arca, ou baú sagrado. Há algo ao lado deles semelhante a um gancho, que seria útil para segurar ou prender; e pela aparência dos homens, o esforço corporal do trabalhador não foi poupado em nenhum grau neste processo, seja por meio de ferramentas ou qualquer outro artifício. ‘ Neste caso, o baú foi revestido com finas placas de ouro. Mas Wilkinson mostrou que as substâncias eram, em algumas ocasiões, apenas douradas, em outras, cobertas com folha de ouro. Taylor, editor deste último trabalho, afirma que a ‘cobertura’ da mobília do tabernáculo deve ter sido por douramento, tanto porque se placas de ouro, por mais finas que fossem, tivessem sido usadas, o peso das placas teria tornado o tabernáculo muito difícil de transporte, e porque todo o ouro que Moisés coletou não seria suficiente para fornecer as placas para cada artigo a ser coberto. A arca deveria ser revestida com “ouro puro”. O mesmo escritor, depois de descrever como o minério foi submetido ao calor de uma fornalha em uma cápsula, para remover a escória e fazer ouro puro – isto é, distinto do ouro não trabalhado e não purificado – diz:’Nas inscrições hieroglíficas que enumeram os presentes dos Faraós aos templos dos deuses, as ofertas de ouro são sempre designadas “ouro puro”; provando assim uma demonstração de que como um certo padrão ou teste de ouro existia no Egito, e que o metal que o continha era aplicado para fins sagrados, este padrão era conhecido pelos israelitas no deserto, e o metal tão distinto empregado em um forma semelhante “.

e farás sobre ela uma borda de ouro ao redor [zeer]. Esta coroa de ouro, que deveria circundar a borda superior, provavelmente pretendia mais decorar do que fortalecer a tampa. [JFU, aguardando revisão]

12 E para ela farás de fundição quatro anéis de ouro, que porás a seus quatro cantos; dois anéis ao um lado dela, e dois anéis ao outro lado.

Comentário de R. Jamieson

para ela farás de fundição quatro anéis de ouro, que porás a seus quatro cantos [pa`ªmotaayw] – pés de madeira de acácia, dois de cada lado, sobre os quais a arca estava apoiada, de modo que o corpo do cofre sagrado , embora nunca se tocasse, descansaria firmemente no chão. O comprimento desses pés não é dado, mas seria proporcional ao tamanho do peito; e os anéis, sendo presos ao topo desses pés, levantariam a arca e a tornariam mais visível quando carregada. [JFU, aguardando revisão]

13 E farás umas varas de madeira de acácia, as quais cobrirás de ouro.

Comentário de R. Jamieson

farás umas varas de madeira de acácia. Essas varas, que deviam ser ornamentadas no mesmo estilo da própria arca, deviam sempre permanecer nos anéis, mesmo quando a arca estivesse parada, para evitar que fosse profanada pelo contato de mãos humanas. A Septuaginta tem:hoi anaforeis akineetoi, os pólos não devem ser movidos (veja a nota em Nm 4:15). [JFU, aguardando revisão]

14 E meterás as varas pelos anéis aos lados da arca, para levar a arca com elas.

Comentário do Púlpito

para levar a arca com elas. A arca hebraica não foi feita, como as arcas egípcias, para procissões, e nunca foi exibida na forma de exibição, como era. A necessidade de carregá-lo surgiu do fato de que os israelitas ainda não haviam obtido uma residência permanente. Assim que Canaã foi alcançada, a arca tinha uma localidade fixa atribuída a ela, embora a localidade fosse mudada de tempos em tempos (Josué 18:1; 1 Samuel 4:3; 1 Samuel 7:1; 2 Samuel 6:10, etc.); mas no deserto ele precisava ser removido cada vez que a congregação mudava seu local de acampamento. [Pulpit, aguardando revisão]

15 As varas se estarão nos anéis da arca:não se tirarão dela.

Comentário Barnes

não se tirarão dela – Esta direção foi provavelmente dada para que a arca não pudesse ser tocada pela mão (compare 2Samuel 6:6). [Barnes, aguardando revisão]

16 E porás no arca o testemunho que eu te darei.

Comentário de R. Jamieson

o testemunho – isto é, as duas tábuas de pedra, contendo os dez mandamentos, e chamado “o testemunho”, porque por ele Deus testificou Sua soberana autoridade sobre Israel como Seu povo, Sua seleção deles como guardiões de Sua vontade e adoração e Seu desagrado no caso de transgredirem Suas leis; enquanto de sua parte, ao receber e depositar esta lei em seu lugar designado, eles testificaram seu reconhecimento do direito de Deus de governá-los e sua submissão à autoridade de Sua lei. O estilo soberbo e elaborado da arca que continha “o testemunho” era emblemático do grande tesouro que ele possuía; em outras palavras, o incomparável valor e excelência da Palavra de Deus, enquanto ela está sendo colocada neste baú, mostrava ainda o grande cuidado que Deus sempre teve em preservá-la. [JFB, aguardando revisão]

17 E farás uma coberta de ouro fino, cujo comprimento será de dois côvados e meio, e sua largura de côvado e meio.

Comentário de R. Jamieson

E farás uma coberta de ouro fino – para servir de tampa, cobrindo-a exatamente. Era “a cobertura propiciatória”, como o termo pode ser traduzido, denotando que Cristo, nossa grande propiciação [1Jo 2:24:10], respondeu plenamente a todas as exigências da lei, cobre nossas transgressões e se interpõe entre nós e a maldição de uma lei violada. [JFB, aguardando revisão]

18 Farás também dois querubins de ouro, lavrados a martelo os farás, nas duas extremidades do propiciatório.

Comentário de R. Jamieson

dois querubins – O verdadeiro significado dessas figuras, bem como a forma ou forma delas, não é conhecido com certeza – provavelmente semelhante ao que foi posteriormente introduzido no templo e descrito em Ez 10:8-22. Eles estenderam suas asas, e seus rostos estavam voltados para o propiciatório [Êx 25:20], provavelmente em atitude de reverência. A opinião prevalecente agora é que essas figuras esplêndidas eram simbólicas, não de seres angelicais, mas terrestres e humanos – os membros da Igreja de Deus interessados ​​na dispensação da graça, os redimidos em todas as épocas – e que essas formas hieroglíficas simbolizavam as qualidades. do verdadeiro povo de Deus – coragem, paciência, inteligência e atividade. [JFB, aguardando revisão]

19 Farás, pois, um querubim ao extremo de um lado, e um querubim ao outro extremo do lado oposto:da qualidade do propiciatório farás os querubins em suas duas extremidades.

Comentário Barnes

da qualidade do propiciatório. O sentido parece ser que os querubins e o propiciatório deveriam ser trabalhados com uma única peça de ouro. (Compare Êxodo 37:7.) [Barnes, aguardando revisão]

20 E os querubins estenderão por encima as asas, cobrindo com suas asas o propiciatório:suas faces a uma em frente da outra, olhando ao propiciatório as faces dos querubins.

Comentário Ellicott

os querubins estenderão por encima as asas. As duas asas de ambos os querubins deveriam ser elevadas e avançadas de modo a ofuscar o propiciatório e, por assim dizer, protegê-lo. Nas figuras egípcias de Ma, uma das asas tem apenas esta posição, a outra está deprimida e ficando para trás da figura.

olhando ao propiciatório. Inclinado para baixo, ou seja, como se estivesse olhando para o propiciatório. (Compare Êxodo 37:9 ). [Ellicott, aguardando revisão]

21 E porás o propiciatório encima da arca, e na arca porás o testemunho que eu te darei.

Comentário do Púlpito

E porás o propiciatório encima da arca. Em vez disso, “sobre a arca” – “tu cobrirás a arca com ela”. Isso não havia sido expresso anteriormente, embora as dimensões (ver. 17), em comparação com as da arca (ver. 10), naturalmente tivessem sugerido a ideia.

e na arca porás o testemunho. Esta é uma mera repetição do versículo 16, marcando a importância especial que se atribuía à provisão. [Pulpit, aguardando revisão]

22 E dali me declararei a ti, e falarei contigo de sobre o propiciatório, dentre os dois querubins que estão sobre a arca do testemunho, tudo o que eu te mandarei para os filhos de Israel.

Comentário de R. Jamieson

E dali me declararei a ti, e falarei contigo de sobre o propiciatório – A Shekinah, ou símbolo da Presença Divina, descansou no propiciatório, e foi indicada por uma nuvem, do meio da qual as respostas foram audíveis. dado quando Deus foi consultado em nome de Seu povo. Daí Deus é descrito como “habitação” ou “sentado” entre os querubins. [JFB, aguardando revisão]

A mesa e seus utensílios

23 Farás também uma mesa de madeira de acácia:seu comprimento será de dois côvados, e de um côvado sua largura, e sua altura de côvado e meio.

Comentário de R. Jamieson

mesa de madeira de acácia – do mesmo material e decorações que a arca [ver em Êx 25:5], e, como ela, também, equipado com anéis para os pólos em que foi transportado [Êx 25:26]. Os bastões, no entanto, foram retirados quando estavam parados, a fim de não sobrecarregar os sacerdotes enquanto se ocupavam de seus serviços à mesa. Era meio cúbito menor do que a arca em comprimento e largura, mas da mesma altura. [Veja em Êx 25:10] [JFB, aguardando revisão]

24 E a cobrirás de ouro puro, e lhe farás uma borda de ouro ao redor.

Comentário de R. Jamieson

borda – o aro de moldagem ou ornamental, que se acredita ter sido elevado acima do nível da mesa, para evitar que qualquer coisa caia. [JFB, aguardando revisão]

25 Farás também para ele também uma moldura ao redor, da largura de uma mão, à qual moldura farás uma borda de ouro ao redor.

Comentário Barnes

uma moldura. Em vez disso, uma moldura que ia de uma perna à outra para tornar a mesa firme, bem como para enfeitá-la com uma segunda moldura de ouro. Dois fragmentos desse enquadramento ainda são vistos na escultura presa às pernas até a metade. [Barnes, aguardando revisão]

26 E lhe farás quatro anéis de ouro, os quais porás aos quatro cantos que correspondem a seus quatro pés.

Comentário Ellicott

quatro anéis. Comparar com Êxodo 25:12 . A mesa, como a arca, teria de ser carregada de um lugar para outro. Embora fosse menos sagrado do que a arca, ainda assim foi feita provisão para carregá-la por meio de varas e anéis.

aos quatro cantos que correspondem a seus quatro pés. Não nos cantos superiores da mesa, ou seja, mas nos cantos inferiores. A mesa, como a arca, deveria, quando carregada, ser elevada acima dos ombros dos carregadores. Assim, vemos que nasceu no Arco de Tito. [Ellicott, aguardando revisão]

27 Os anéis estarão antes da moldura, por lugares das varas, para levar a mesa.

Comentário Barnes

antes da moldura. Em vez disso, contra o enquadramento; isto é, os anéis não deveriam ser colocados na moldura em si, mas nas extremidades das pernas, respondendo a cada canto dela. [Barnes, aguardando revisão]

28 E farás as varas de madeira de acácia, e as cobrirás de ouro, e com elas será levada a mesa.

Comentário do Púlpito

E farás as varas de madeira de acácia, e as cobrirás de ouro. Da mesma forma que os varais para a arca, e que eram feitos da mesma madeira.

e com elas será levada a mesa – quando movida de um lugar para outro; essas varas não permaneceram nos anéis, como as varas da arca; mas, como diz Josefo, foram retirados, porque, de outra forma, estariam no caminho dos sacerdotes, que vinham todas as semanas a ela para colocar os pães da proposição; e estes eram colocados somente quando o carregavam de um lugar para outro, como aparece em Números 4:8. [Pulpit, aguardando revisão]

29 Farás também seus pratos, e suas colheres, e seus jarros, e suas bacias, com que se fará libações:de ouro fino os farás.

Comentário de R. Jamieson

pratos [qª`aarotaayw Septuaginta, trublia, pratos] – (Nm 7:13:cf. Mat 26:23.)

colheres [wªkapotaayw] – literalmente, e mãos ocas; Septuaginta, thiskas, seus incensários, panelas (Nm 7:14).

com que se fará libações – ou então, para cobrir com isso – ou, como na margem da Bíblia Inglesa, para derramar com isso; i:e., com o qual, a saber, os dois utensílios-libações mencionados anteriormente podem ser feitos. Portanto, pode-se inferir, embora não seja afirmado aqui ou em qualquer outra passagem, que o vinho foi colocado na mesa, o que provavelmente foi usado pelos sacerdotes ao mesmo tempo que o pão (Lv 24:8-9) . [JFU, aguardando revisão]

30 E porás sobre a mesa o pão da proposição diante de mim continuamente.

Comentário de R. Jamieson

mesa o pão – literalmente, pão de presença, assim chamado porque era constantemente exposto diante do Senhor, ou porque o pão da Sua presença, como o anjo da Sua presença, apontava simbolicamente para Cristo. Consistia em doze pães sem fermento, que tradicionalmente foram colocados em pilhas de seis cada. Este pão foi concebido para ser um símbolo da provisão completa e inesgotável que é feita na Igreja para o sustento espiritual e renovação do povo de Deus. [JFB, aguardando revisão]

O candelabro de ouro

31 Farás também um candelabro de ouro puro; lavrado a martelo se fará o candelabro:seu pé, e sua cana, seus copos, seus botões, e suas flores, serão do mesmo:

Comentário de R. Jamieson

candelabro – literalmente, “um portador de lâmpada”. Foi construído de modo a ser capaz de ser feito em pedaços para facilitar a remoção. O eixo ou o estoque descansou em um pedestal. Tinha sete ramos, em forma de palhetas ou canas – três de cada lado, com um no centro – e trabalhava em maçanetas, flores e vasos, colocados alternadamente [Êx 25:32-36]. A figura representada no arco de Tito dá a melhor ideia deste candelabro. [JFB, aguardando revisão]

32 E sairão seis braços de seus lados:três braços do candelabro do um lado seu, e três braços do candelabro do outro seu lado:

Comentário de R. Jamieson

seis rbraços [qaaniym; Septuaginta, kalamiskoi] – sustentando a luz. Havia sete ramos – o talo central e seis ramos, ou braços. Cada braço foi adornado em distâncias iguais com seis ornamentos em forma de flor, com o mesmo número de botões e tigelas recorrentes alternadamente. [JFU, aguardando revisão]

33 Três copos em forma de amêndoas em um braço, um botão e uma flor; e três copos, forma de amêndoas no outro braço, um botão e uma flor:assim, pois, nos seis braços que saem do candelabro:

Comentário Barnes

Três copos em forma de amêndoas. Três copos de flores de amêndoa. Parecem ser os copos em contato imediato com os botões, conforme mostrado na escultura.

uma flor. Um lírio; e esta representação concorda bem com a escultura.

candelabro. Aqui, e nos dois versículos seguintes, a palavra parece denotar “a haste”, como a parte essencial do castiçal. Parece de Êxodo 25:33-35 que a ornamentação do castiçal consistia em membros uniformes, cada um compreendendo uma série de uma flor de amêndoa, um botão e um lírio; que o caule compreendia quatro desses membros; que cada par de ramos estava unido à haste em uma das saliências; e que cada ramo era composto por três membros. Ao comparar a descrição no texto com a figura esculpida, deve-se levar em consideração algum desvio na cópia do escultor. [Barnes, aguardando revisão]

34 E no candelabro quatro copos em forma de amêndoas, seus botões e suas flores.

Comentário Whedon

no candelabro. Ou seja, no eixo principal dele.

quatro copos. Quatro copos como as de cada um dos ramos que acabamos de descrever em Êxodo 25:33. Estes, como aqueles, deveriam ter seus botões e suas flores. A posição desses nós é declarada no próximo versículo. [Whedon, aguardando revisão]

35 Haverá um botão debaixo dos dois braços do mesmo, outro botão debaixo dos outros dois braços do mesmo, e outra botão debaixo dos outros dois braços do mesmo, em conformidade aos seis braços que saem do candelabro.

Comentário Whedon

debaixo dos outros dois braços do mesmo, em conformidade aos seis braços. Ou seja, imediatamente abaixo do ponto em que as hastes laterais, ou ramos, procediam da haste principal, havia uma protuberância, cada uma conectada com sua xícara, (tigela, Êxodo 25:31, nota) e sua flor, (Êxodo 25:33.) Isso nos leva a inferir que a quarta tigela (Êxodo 25:34) estava acima, entre os dois ramos superiores e o topo da haste principal. Assim é explicada a posição das quatro taças de Êxodo 25:34. [Whedon, aguardando revisão]

36 Seus botões e seus braços serão do mesmo, todo ele uma peça lavrada a martelo, de ouro puro.

Comentário Whedon

serão do mesmo. Todo o candelabro deveria ser feito de uma única peça de ouro puro, isto é, como em Êxodo 25:31, de modo que a obra concluída fosse uma peça sólida. [Whedon, aguardando revisão]

37 E farás para ele sete lâmpadas, as quais acenderás para que iluminem à parte de sua dianteira:

Comentário de R. Jamieson

para que iluminem – A luz foi derivada do azeite de oliva puro, e provavelmente continuou queimando continuamente (compare Êx 30:7; Lv 24:2). [JFB, aguardando revisão]

38 Também suas tenazes e seus apagadores, de ouro puro.

Comentário de R. Jamieson

suas tenazes [uwmalqaacheyhaa] – às vezes grandes pinças para fogo (cf. Is 6:6); mas aqui pequenas tenazes, ou apagadores de lâmpadas (cf. Êx 37:23; Nm 4:9; 1Rs 7:49; 2Cr 4:21). [JFU, aguardando revisão]

39 De um talento de ouro fino o farás, com todos estes objetos.

Comentário de George Bush

Ou seja, um talento de ouro em peso foi usado para fazer o candelabro e os diferentes vasos e instrumentos pertencentes a ele. [Bush, aguardando revisão]

40 E olha, e faze-os conforme seu modelo, que te foi mostrado no monte.

Comentário de R. Jamieson

Essa cautela, que se repete com não pouca freqüência em outras partes da narrativa, é uma evidência do profundo interesse do Rei Divino na construção de Seu palácio ou santuário; e é impossível explicar a circunstância de Deus condescender com tais detalhes minuciosos, exceto na suposição de que este tabernáculo era para ser de um caráter típico, e eminentemente subserviente à instrução religiosa e ao benefício da humanidade, por obscurecer, em sua características principais, as grandes verdades da Igreja Cristã. [JFB, aguardando revisão]

<Êxodo 24 Êxodo 26>

Visão geral de Êxodo

Em Êxodo 1-18, “Deus resgata os Israelitas de uma vida de escravidão no Egito e confronta o mal e as injustiças do Faraó” (BibleProject). (6 minutos)

🔗 Abrir vídeo no Youtube.

Em Êxodo 19-40, “Deus convida os Israelitas a um relacionamento de aliança e vive no meio deles, no Tabernáculo, mas Israel age em rebeldia e estraga o relacionamento” (BibleProject). (6 minutos)

🔗 Abrir vídeo no Youtube.

Leia também uma introdução ao livro do Êxodo.

Todas as Escrituras em português citadas são da Bíblia Livre (BLIVRE), Copyright © Diego Santos, Mario Sérgio, e Marco Teles – fevereiro de 2018.