Bíblia, Revisar

Gênesis 24

Uma esposa para Isaque

1 E Abraão era velho, e cheio de dias; e o SENHOR havia abençoado a Abraão em tudo.

cheio de dias. Ou seja, com idade muito avançada. Sendo dez anos mais velho do que Sara, ele tinha cento e trinta e sete anos quando ela morreu. E ainda assim viveria mais trinta anos (Comp. Gn 25:7). [Whedon]

2 E disse Abraão a um criado seu, o mais velho de sua casa, que era o que governava em tudo o que tinha: Põe agora tua mão debaixo de minha coxa,

um criado seu, o mais velho de sua casa, que era o que governava em tudo o que tinha. Provavelmente Eliézer (Gn 15:2-3).

3 E te juramentarei pelo SENHOR, Deus dos céus e Deus da terra, que não tomarás mulher para meu filho das filhas dos cananeus, entre os quais eu habito;

Entre as tribos pastorais os acordos matrimoniais eram feitos pelos pais, e um jovem devia casar, não com estranhos, mas com alguém de sua própria tribo – costume que lhe dava direito à mão de sua prima em primeiro grau. Mas Abraão tinha um motivo muito mais elevado – um medo de que, se o seu filho casasse com uma família cananéia, ele pudesse ser gradualmente afastado do verdadeiro Deus. [JFB]

4 Em vez disso irás à minha terra e à minha parentela, e tomarás mulher para meu filho Isaque.

Entre as tribos pastorais os acordos matrimoniais eram feitos pelos pais, e um jovem devia casar, não com estranhos, mas com alguém de sua própria tribo – costume que lhe dava direito à mão de sua prima em primeiro grau. Mas Abraão tinha um motivo muito mais elevado – um medo de que, se o seu filho casasse com uma família cananéia, ele pudesse ser gradualmente afastado do verdadeiro Deus. [JFB]

5 E o criado lhe respondeu: Talvez a mulher não queira vir atrás de mim a esta terra; farei voltar, pois, teu filho à terra de onde saíste?

Talvez a mulher não queira. Podemos ver, diz Calmet, por esta e outras passagens da Escritura (Js 9:18), qual era noção dos antigos em relação a um juramento. Eles acreditavam que estavam vinculados precisamente pelo que era dito, e não tinham liberdade para interpretar as intenções daqueles a quem o juramento era feito. [Clarke]

6 E Abraão lhe disse: Guarda-te que não faças voltar a meu filho ali.

Guarda-te (“Cuidado!” na versão NVI). Seja qual for o impedimento, em nenhuma hipótese Abraão permitirá que seu filho volte para a terra de onde ele mesmo foi chamado. [Whedon]

7 O SENHOR, Deus dos céus, que me tomou da casa de meu pai e da terra de minha parentela, e me falou e me jurou, dizendo: À tua descendência darei esta terra; ele enviará seu anjo diante de ti, e tu tomarás dali mulher para meu filho.

ele enviará seu anjo diante de ti. Abraão está confiante de que o Anjo da Aliança preparará o caminho do seu servo. Muitas foram as intervenções divinas para que agora ele duvide. Ele está perfeitamente disposto a descansar com o entendimento de que, se a mulher não quiser, o seu servo deve ser liberado do seu juramento. [Whedon]

8 E se a mulher não quiser vir atrás de ti, serás livre deste meu juramento; somente que não faças voltar ali a meu filho.

serás livre deste meu juramento. Liberado da obrigação do juramento e das consequências de sua violação. [Poole]

9 Então o criado pôs sua mão debaixo da coxa de Abraão seu senhor, e jurou-lhe sobre este negócio.

o criado. Provavelmente Eliézer (Compare com Gn 24:2).

10 E o criado tomou dez camelos dos camelos de seu senhor, e foi-se, pois tinha à sua disposição todos os bens de seu senhor: e posto em caminho, chegou à Mesopotâmia, à cidade de Naor.

tomou dez camelos. Parece que Abraão havia deixado toda a administração desse assunto à critério de seu servo, para levar consigo a comitiva e o dote que ele quisesse; pois se acrescenta: pois tinha à sua disposição todos os bens de seu senhor. [Clarke]

11 E fez ajoelhar os camelos fora da cidade, junto a um poço de água, à hora da tarde, à hora em que saem as moças para tirar água.

E fez ajoelhar os camelos fora da cidade. Ao longo deste capítulo, os camelos desempenham um papel muito significativo. Fazer os camelos se ajoelharem, para esperar e descansar até receberem água, é uma situação comum no Oriente.

à hora em que saem as moças para tirar água. Temos aqui uma cena comum da vida oriental. O poço fica do lado de fora do portão da cidade. É dever das mulheres tirar água (compare 1Sm 9:11; Jo 4:7). Elas vêm quando o calor do dia já passou. [Cambridge]

12 E disse: SENHOR, Deus de meu senhor Abraão, dá-me, te rogo, o ter hoje bom encontro, e faze misericórdia com meu senhor Abraão.

SENHOR, Deus de meu senhor. Se referindo a Gênesis 24:7. O servo, embora possivelmente natural de Damasco (Gn 15:2), adora o Deus de Abraão (compare Gn 24:26). [Cambridge]

13 Eis que eu estou junto à fonte de água, e as filhas dos homens desta cidade saem por água:

à fonte de água. Duas palavras são usadas nesta passagem que precisam ser distinguidas: (1) fonte ou “nascente” (ayin), cuja água brota da terra ou da rocha; e (2) “o poço” (be’êr), como em Gn 24:11,20, o tanque ou cisterna, protegido com pedras, e provido de degraus que levam à verdadeira fonte ou “nascente”; compare com Gn 24:16. [Cambridge]

14 Seja, pois, que a moça a quem eu disser: Baixa teu cântaro, te rogo, para que eu beba; e ela responder: Bebe, e também darei de beber a teus camelos: que seja esta a que tu destinaste para teu servo Isaque; e nisto conhecerei que haverás feito misericórdia com meu senhor.

O sinal que o servo pede é a proposta voluntária por parte de uma moça de dar água, não só a ele, mas também aos seus camelos. Isso não seria uma mera formalidade, mas um ato prático e trabalhoso de bondade para com um estranho, feito provavelmente na presença de muitos espectadores e ociosos; e, portanto, exigiria energia e coragem moral, bem como força física. [Cambridge]

O encontro de Rebeca

15 E aconteceu que antes que ele acabasse de falar, eis que Rebeca, que havia nascido a Betuel, filho de Milca, mulher de Naor irmão de Abraão, a qual saía com seu cântaro sobre seu ombro.

antes que ele acabasse de falar. Rapidamente essa simples oração de fé é respondida.

Rebeca. Seu nome já apareceu na genealogia de Gênesis 22:20-24. [Whedon]

16 E a moça era de muito belo aspecto, virgem, à que homem não havia conhecido; a qual desceu à fonte, e encheu seu cântaro, e se voltava.

à fonte. Duas palavras são usadas nesta passagem que precisam ser distinguidas: (1) fonte ou “nascente” (ayin), cuja água brota da terra ou da rocha; e (2) “o poço” (be’êr), como em Gn 24:11,20, o tanque ou cisterna, protegido com pedras, e provido de degraus que levam à verdadeira fonte ou “nascente”. [Cambridge]

17 Então o criado correu até ela, e disse: Rogo-te que me dês a beber um pouco de água de teu cântaro.

o criado. Provavelmente Eliézer, servo de Abraão.

18 E ela respondeu: Bebe, meu senhor; e apressou-se a baixar seu cântaro sobre sua mão, e lhe deu a beber.

ela respondeu: Bebe, meu senhor. Pois sua comitiva demonstrava que ele era uma pessoa importante. [Poole]

19 E quando acabou de dar-lhe de beber, disse: Também para teus camelos tirarei água, até que acabem de beber.

O sinal que o servo havia pedido era a proposta voluntária por parte de uma moça de dar água, não só a ele, mas também aos seus camelos. Isso não seria uma mera formalidade, mas um ato prático e trabalhoso de bondade para com um estranho, feito provavelmente na presença de muitos espectadores e ociosos; e, portanto, exigiria energia e coragem moral, bem como força física. [Cambridge]

20 E apressou-se, e esvaziou seu cântaro no bebedouro, e correu outra vez ao poço para tirar água, e tirou para todos os seus camelos.

bebedouro. Havia um reservatório separado, provavelmente de pedra, para os animais beberem; Rebeca esvazia o resto do seu cântaro neste bebedouro, e provavelmente tem que enchê-lo várias vezes a fim de dar água suficiente para os 10 camelos. [Cambridge]

21 E o homem estava maravilhado dela, permanecendo calado, para saber se o SENHOR havia prosperado ou não sua viagem.

Ele agora anseia saber se essa moça é parente de Abraão, e se ela irá com ele até seu senhor. Será que sua oração seria respondida tão rapidamente? [Whedon]

22 E foi que quando os camelos acabaram de beber, presenteou-lhe o homem um pendente de ouro que pesava meio siclo, e dois braceletes que pesavam dez;

um pendente de ouro. Para ser usado no nariz (Gn 24:47).

23 E disse: De quem és filha? Rogo-te me digas, há lugar em casa de teu pai onde possamos passar a noite?

E disse: De quem és filha? Provavelmente ele perguntou quem era ela antes de lhe dar os presentes mencionados no versículo anterior (compare Gn 24:47). [Poole]

24 E ela respondeu: Sou filha de Betuel, o filho que Milca deu a Naor.

Betuel. Ele era sobrinho de Abraão (Gn 22:20).

25 E acrescentou: Também há em nossa casa palha e muita forragem, e lugar para passar a noite.

palha e muita forragem. O caráter de Rebeca transparece em sua resposta prática. A comida e a hospedagem para os 10 camelos seriam mais difíceis de encontrar do que um alojamento para o homem. [Cambridge]

26 O homem então se inclinou, e adorou ao SENHOR.

Compare com Gn 24:48; 43:28. A menção de Rebeca à sua família tinha dissipado a última dúvida do servo; inclinando a cabeça, ele louva a Jeová, o Deus de Abraão; compare com Gn 24:12. [Cambridge]

27 E disse: Bendito seja o SENHOR, Deus de meu senhor Abraão, que não afastou sua misericórdia e sua verdade de meu senhor, guiando-me o SENHOR no caminho à casa dos irmãos de meu senhor.

Bendito seja o SENHORque não afastou sua misericórdia e sua verdade. Isto é, manifestou a sua misericórdia ao derramar sobre Abraão uma abundância de prosperidade temporal, e a Sua verdade no fiel cumprimento das promessas divinas. [JFU]

28 E a moça correu, e fez saber na casa de sua mãe estas coisas.

Esta família estava numa fase avançada da vida pastoral, habitando num lugar fixo e numa moradia permanente. [JFU]

29 E Rebeca tinha um irmão que se chamava Labão, o qual correu fora ao homem, à fonte;

um irmão que se chamava Labão. Pelo que sabemos do seu carácter, há razões para acreditar que a visão dos deslumbrantes presentes reforçou a sua pressa e o seu convite. [JFU]

30 E foi que quando viu o pendente e os braceletes nas mãos de sua irmã, que dizia, Assim me falou aquele homem; veio a ele: e eis que estava junto aos camelos à fonte.

quando viu o pendente e os braceletes. Com um leve toque de ironia, é dada a primeira dica sobre o caráter avarento de Labão. O vislumbre do ouro parece estimular sua cortesia para com o servo de Abraão. [Cambridge]

31 E disse-lhe: Vem, bendito do SENHOR; por que estás fora? eu limpei a casa, e o lugar para os camelos.

Vem, bendito do SENHOR (“Yahweh” no original hebraico). Este, é claro, não era o estilo habitual de Labão de falar, porque o nome Yahweh ainda estava limitado a Abraão e sua família. Mas, seja qual for o grau de conhecimento que Labão possuísse de Deus, e esse conhecimento provavelmente tenha sido reduzido por várias razões, ainda é fácil conceber que ele poderia ter tomado emprestado essa linguagem do servo de Abraão, cujas palavras Rebeca, sem dúvida, havia transmitido fielmente aos seus parentes em casa. [JFU]

32 Então o homem veio à casa, e Labão desatou os camelos; e deu-lhes palha e forragem, e água para lavar os pés dele, e os pés dos homens que com ele vinham.

o homem. Isto é, o servo de Abraão; ele desatou os seus próprios camelos, e Labão deu-lhes palha e forragem. O camelo é uma posse muito valiosa, mas um animal delicado, necessitando de cuidado e atenção.

água. Compare com Gn 18:4. [Cambridge]

33 E puseram diante dele comida; mas ele disse: Não comerei até que tenha dito minha mensagem. E ele lhe disse: Fala.

Não comerei. As cortesias do Oriente proibiam um interrogatório sobre o nome do estrangeiro antes de ele ter comido. O nome poderia possivelmente revelar relações, por exemplo, de conflito entre famílias, o que impediria a hospitalidade. [Cambridge]

34 Então disse: Eu sou criado de Abraão;

criado de Abraão. Provavelmente Eliézer (Gn 15:2-3).

35 E o SENHOR abençoou muito a meu senhor, e ele se engrandeceu: e lhe deu ovelhas e vacas, prata e ouro, servos e servas, camelos e asnos.

abençoou. Compare com Gênesis 24:1. O servo relata a riqueza de Abraão da qual ouvimos falar em Gn 12:16; 13:2. O primeiro objetivo do servo é mostrar que, de um ponto de vista material, um casamento com o filho de Abraão não seria apenas prudente, mas desejável. [Cambridge]

36 E Sara, mulher de meu senhor, deu à luz em sua velhice um filho a meu senhor, a quem deu tudo quanto tem.

a quem deu tudo quanto tem. O objetivo do servo é mostrar que, de um ponto de vista material, um casamento com o filho de Abraão não seria apenas prudente, mas desejável. [Cambridge]

37 E meu senhor me fez jurar, dizendo: Não tomarás mulher para meu filho das filhas dos cananeus, em cuja terra habito;

Este e os quatro versículos seguintes recapitulam a essência de Gn 24:3-8. O desdobramento da história é assim retardado. Da mesma forma nos versículos seguintes (42-48), o suspense provocado pela repetição tende a aumentar o interesse. [Cambridge]

38 Em vez disso irás à casa de meu pai, e à minha parentela, e tomarás mulher para meu filho.

Entre as tribos pastorais os acordos matrimoniais eram feitos pelos pais, e um jovem devia casar, não com estranhos, mas com alguém de sua própria tribo – costume que lhe dava direito à mão de sua prima em primeiro grau. Mas Abraão tinha um motivo muito mais elevado – um medo de que, se o seu filho casasse com uma família cananéia, ele pudesse ser gradualmente afastado do verdadeiro Deus. [JFB]

39 E eu disse: Talvez a mulher não queira me seguir.

Talvez a mulher não queira. Podemos ver, diz Calmet, por esta e outras passagens da Escritura (Js 9:18), qual era noção dos antigos em relação a um juramento. Eles acreditavam que estavam vinculados precisamente pelo que era dito, e não tinham liberdade para interpretar as intenções daqueles a quem o juramento era feito. [Clarke]

40 Então ele me respondeu: O SENHOR, em cuja presença tenho andado, enviará seu anjo contigo, e fará teu caminho ser bem-sucedido; e tomarás mulher para meu filho de minha linhagem e da casa de meu pai;

enviará seu anjo contigo. Abraão estava confiante de que o Anjo da Aliança prepararia o caminho do seu servo. Muitas foram as intervenções divinas para que ele então duvidasse. Ele estava perfeitamente disposto a descansar com o entendimento de que, se a mulher não quisesse, o seu servo deveria ser liberado do seu juramento. [Whedon]

41 Então serás livre de meu juramento, quando houveres chegado à minha linhagem; e se não a derem a ti, serás livre de meu juramento.

serás livre deste meu juramento. Liberado da obrigação do juramento e das consequências de sua violação. [Poole]

42 Cheguei, pois, hoje à fonte, e disse: SENHOR, Deus de meu senhor Abraão, se tu fazes bem-sucedido agora meu caminho pelo qual ando;

Gênesis 24:42-48 recapitula a essência de Gn 24:12-37.

SENHOR, Deus de meu senhor. Se referindo a Gênesis 24:7. O servo, embora possivelmente natural de Damasco (Gn 15:2), adora o Deus de Abraão (compare Gn 24:26). [Cambridge]

43 Eis que eu estou junto à fonte de água; seja, pois, que a virgem que sair por água, à qual disser: Dá-me de beber, te rogo, um pouco de água de teu cântaro;

a virgem. Não é a mesma palavra usada em Gênesis 24:16, mas almah, que significa uma jovem mulher que estava amadurecendo para o casamento. É aplicada a Miriã em Êxodo 2:8 e à mãe do Emanuel em Isaías 7:14. [Ellicot]

44 E ela me responder, Bebe tu, e também para teus camelos tirarei água: esta seja a mulher que destinou o SENHOR para o filho de meu senhor.

O sinal que o servo pediu era a proposta voluntária por parte de uma moça de dar água, não só a ele, mas também aos seus camelos. Isso não seria uma mera formalidade, mas um ato prático e trabalhoso de bondade para com um estranho, feito provavelmente na presença de muitos espectadores e ociosos; e, portanto, exigiria energia e coragem moral, bem como força física. [Cambridge]

45 E antes que acabasse de falar em meu coração, eis que Rebeca saía com seu cântaro sobre seu ombro; e desceu à fonte, e tirou água; e lhe disse: Rogo-te que me dês de beber.

antes que ele acabasse de falar. Rapidamente essa simples oração de fé foi respondida.

46 E prontamente baixou seu cântaro de cima de si, e disse: Bebe, e também a teus camelos darei a beber. E bebi, e deu também de beber a meus camelos.

O sinal que o servo pediu era a proposta voluntária por parte de uma moça de dar água, não só a ele, mas também aos seus camelos. Isso não seria uma mera formalidade, mas um ato prático e trabalhoso de bondade para com um estranho, feito provavelmente na presença de muitos espectadores e ociosos; e, portanto, exigiria energia e coragem moral, bem como força física. [Cambridge]

47 Então lhe perguntei, e disse: De quem és filha? E ela respondeu: Filha de Betuel, filho de Naor e Milca. Então pus nela um pendente sobre seu nariz, e braceletes sobre suas mãos;

Betuel. Ele era sobrinho de Abraão (Gn 22:20).

48 E inclinei-me, e adorei ao SENHOR, e bendisse ao SENHOR, Deus de meu senhor Abraão, que me havia guiado pelo caminho de verdade para tomar a filha do irmão de meu senhor para seu filho.

a filha do irmão de meu senhor. Rebeca era filha de Betuel, sobrinho de Abraão. “Irmão” as vezes significa “parente” (compare Gn 13:8; 14:14).

49 Agora, pois, se vós fazeis misericórdia e verdade com meu senhor, declarai-o a mim; e se não, declarai-o a mim; e irei embora à direita ou à esquerda.

se vós fazeis misericórdia e verdade. Compare com Gn 47:29. Ver comentário sobre Gn 24:27.

à direita ou à esquerda. O servo pede uma resposta rápida, para que, se o seu pedido for recusado, possa considerar qual o caminho que deve seguir. [Cambridge]

O casamento de Isaque e Rebeca

50 Então Labão e Betuel responderam e disseram: Do SENHOR saiu isto; não podemos falar-te mal nem bem.

Do SENHOR saiu isto. Eles não duvidam da providência especial do Deus de Abraão, e não ousam interferir para favorecer ou se opor. [Whedon]

51 Eis aí Rebeca diante de ti; toma-a e vai-te, e seja mulher do filho de teu senhor, como o disse o SENHOR.

Eis aí Rebeca diante de ti; toma-a e vai-te. O noivado é assim resolvido em poucas palavras. A noiva não é consultada!

como o disse o SENHOR. Referindo-se à maneira pela qual a vontade de Jeová foi evidentemente tornada conhecida. Eventos, não palavras, foram o meio de revelação. [Clarke]

52 E foi, que quando o criado de Abraão ouviu suas palavras, inclinou-se à terra ao SENHOR.

inclinou-se à terra. Compare com Gn 24:26,48. O servo agradece ao SENHOR antes de prosseguir com a ratificação do noivado. [Cambridge]

53 E o criado tirou objetos de prata, objetos de ouro e roupas, e deu a Rebeca: também deu coisas preciosas a seu irmão e a sua mãe.

objetos de prata, objetos de ouro. Estes, juntamente com o dinheiro, são os itens de costume que formam o dote de uma mulher entre as tribos pastorais. Sendo o casamento uma espécie de transação comercial, o pagamento era feito com presentes caros para a família da noiva; e assim Rebeca ficou noiva. [JFU]

54 E comeram e beberam ele e os homens que vinham com ele, e dormiram; e levantando-se de manhã, disse: Autorizai-me voltar a meu senhor.

comeram e beberam. Quando Eliézer teve uma resposta favorável, ele e os seus servos sentaram-se à mesa; ele havia recursado fazer isto antes de ter comunicado a sua mensagem (Gn 24:33). [Clarke]

55 Então respondeu seu irmão e sua mãe: Espere a moça conosco ao menos dez dias, e depois irá.

seu irmão e sua mãe. Embora Betuel estivesse vivo (Gn 24:15,50), ele desempenha uma participação muito insignificante, ou melhor, é ignorado nessa transação; e “se ele era incapaz por causa da idade ou falta de competência de administrar seus próprios assuntos, é obviamente impossível dizer; mas algo desse tipo parece estar implícito em tudo o que se relaciona com ele. A narrativa o representa sob uma luz totalmente diferente da participação muito ativa que Labão assumiu nos arranjos matrimoniais de suas filhas” (Blunt’s ‘Undesigned Coincidences’). [JFU]

56 E ele lhes disse: Não me detenhais, pois que o SENHOR fez prosperar meu caminho; despede-me para que me vá a meu senhor.

Não me detenhais. O servo está muito ansioso para dar as boas notícias de seu sucesso ao seu senhor. [Whedon]

57 Eles responderam então: Chamemos a moça e perguntemos a ela.

Chamemos a moça e perguntemos a ela. Não sobre o casamento, pois parece que isso já estava decidido (compare com Gn 24:51), mas sobre deixar a sua família neste momento e ir com o servo.

58 E chamaram a Rebeca, e disseram-lhe: Irás tu com este homem? E ela respondeu: Sim, irei.

Irás tu com este homem? Essa pergunta não era se ela aceitaria casar com Isaque; isso já havia sido resolvido por aqueles que, segundo os costumes orientais, tinham esse poder, e Rebeca, sem dúvida, estava convencida, assim como seus pais e irmão, de que a mão de Deus estava nisto. Mas essa pergunta significava: Queres ir com esse homem agora, ou esperar um tempo mais longo entre o noivado e o casamento? [Whedon]

59 Então deixaram ir a Rebeca sua irmã, e à sua criada, e ao criado de Abraão e a seus homens.

à sua criada (“ama” em algumas versões). Uma mulher distinta era, em seu casamento, sempre acompanhada por uma criada, que, como serva confidencial, era muito respeitada (Gn 29:24,29 compare Gn 35:8). [JFU]

60 E abençoaram a Rebeca, e disseram-lhe: És nossa irmã; sejas em milhares de milhares, e tua geração possua a porta de seus inimigos.

E abençoaram a Rebeca. A bênção de despedida e os votos de felicidades da família se referiam de forma oriental a dois fins, (1) que ela fosse a mãe de muitos descendentes; e (2) que eles fossem vitoriosos sobre seus inimigos.

tua geração possua a porta de seus inimigos. Compare com Gn 22:17. “Os possuidores da porta” eram os que controlavam os assuntos da cidade. [Cambridge]

61 Levantou-se então Rebeca e suas moças, e subiram sobre os camelos, e seguiram ao homem; e o criado tomou a Rebeca, e foi embora.

suas moças. Rebeca levou consigo assistentes além da criada mencionada em Gênesis 24:59. [Cambridge]

62 E vinha Isaque do poço do Laai-Roi; porque ele habitava na terra do Sul;

 

63 E havia saído Isaque a orar ao campo, à hora da tarde; e levantando seus olhos, olhou, e eis os camelos que vinham.
64 Rebeca também levantou seus olhos, e viu a Isaque, e desceu do camelo;

ela acendeu o camelo – Se Isaac estivesse andando, teria sido muito inconveniente para ela ter continuado sentada; um inferior, se cavalgando, sempre se aloja na presença de uma pessoa de patente, sem exceção para as mulheres.

65 Porque havia perguntado ao criado: Quem é este homem que vem pelo campo até nós? E o servo havia respondido: Este é meu senhor. Ela então tomou o véu, e cobriu-se.

Ela então tomou o véu, e cobriu-se – O véu é uma parte essencial do vestido feminino. Nos lugares do campo, muitas vezes é jogado de lado, mas na aparência de um estranho, ele é desenhado sobre o rosto, como para esconder todos, menos os olhos. Em uma noiva, era um sinal de sua reverência e sujeição ao marido.

66 Então o criado contou a Isaque tudo o que havia feito.

 

67 E trouxe-a Isaque à tenda de sua mãe Sara, e tomou a Rebeca por mulher; e amou-a: e consolou-se Isaque depois da morte de sua mãe.

E trouxe-a Isaque à tenda de sua mãe. estabelecendo-a assim de uma só vez nos direitos e honras de uma esposa antes que ele visse suas feições. Muitas vezes acontecem desapontamentos, mas quando Isaac viu sua esposa, “ele a amava”.

<Gênesis 23 Gênesis 25>

Leia também uma introdução ao livro do Gênesis.

Adaptado de: Commentary Critical and Explanatory on the Whole Bible. Todas as Escrituras em português citadas são da Bíblia Livre (BLIVRE), Copyright © Diego Santos, Mario Sérgio, e Marco Teles – fevereiro de 2018.