Marcos 10

Partida final da Galileia

1 E levantando-se dali, Jesus se foi aos limites da Judeia, por dalém do Jordão; e as multidões voltaram a se juntar a ele, e voltou a lhes ensinar, como tinha costume.

Comentário do Púlpito

Nosso Senhor estava agora em seu último progresso em direção a Jerusalém. Parece de São Lucas (9:51) que na primeira parte de sua jornada ele tocou a fronteira de Samaria. Juntando as contas, concluímos que, sendo recusado pelos samaritanos, ele passou para o leste ao longo de sua fronteira, tendo a Galiléia à sua esquerda e Samaria à sua direita; e então cruzou o Jordão, talvez em Citópolis, onde havia uma ponte, e assim entrou na Peréia. Como a Judéia e a Galiléia ficavam a oeste do Jordão, a rota acima descrita estaria literalmente chegando “às fronteiras da Judéia e além do Jordão”. Mais uma vez, multidões se reuniram a ele, e novamente ele os ensinou. Mateus (Mateus 21:1) diz que “ele os curou”. Seus milagres de cura e seu ensino andaram de mãos dadas. [Pulpit, aguardando revisão]

2 E vindo a ele os fariseus, perguntaram-lhe se era lícito ao homem deixar a sua mulher, testando-o.

Comentário do Púlpito

E vindo a ele os fariseus, perguntaram-lhe – eles se apresentaram ao povo e o questionaram publicamente:era lícito ao homem deixar a sua mulher. Mateus (Mateus 21:3) acrescenta à pergunta as palavras “por qualquer motivo”. Houve causas para as quais era lícito. Eles fizeram essa pergunta a nosso Senhor, tentando-o; claro que com más intenções. Esta questão sobre o divórcio foi muito agitada na época de nosso Senhor. No século antes de Cristo, um rabino erudito, chamado Hilel, natural da Babilônia, que depois veio a Jerusalém, estudou a Lei com grande sucesso e se tornou o chefe da escola principal daquela cidade. Um de seus discípulos, chamado Shammai, separou-se de seu mestre e abriu outra escola; de modo que no tempo de nosso Senhor os escribas e doutores da Lei estavam divididos em duas partes, a saber, os seguidores de Hilel, o mais influente; e os seguidores de Shammai. Essas duas escolas divergem amplamente no assunto do divórcio. Os seguidores de Shammai só permitiam o divórcio em caso de contaminação moral, enquanto os seguidores de Hilel colocavam o assunto inteiramente nas mãos do marido. O objetivo, portanto, desta pergunta engenhosa era prender nosso Senhor, e colocá-lo em colisão com uma ou outra dessas duas partes opostas. Pois se ele tivesse dito que não era lícito ao homem repudiar sua esposa, ele se teria exposto à hostilidade de muitas das classes ricas, que repudiariam suas esposas por qualquer motivo. Mas se ele tivesse permitido a legalidade do divórcio, eles teriam encontrado falha em sua doutrina como imperfeita e carnal, embora ele professasse ser um Mestre espiritual de um sistema perfeito, enviado do céu. [Pulpit, aguardando revisão]

3 Mas ele lhes respondeu:O que Moisés vos mandou?

Comentário do Púlpito

Eles professavam muita reverência por Moisés; ele, portanto, apela ao seu grande legislador. [Pulpit, aguardando revisão]

4 E eles disseram:Moisés permitiu escrever carta de divórcio, e deixá-la.

Comentário do Púlpito

Se agora nos voltarmos para Mateus (Mateus 21:4, Mateus 21:5). Ele descobriremos que nosso Senhor apela então à instituição original do casamento. “Não lestes que aquele que os fez desde o princípio os fez homem e mulher, e disse:Por isso deixará o homem pai e mãe e apegar-se-á a sua mulher; e os dois se tornarão uma só carne “Para que não sejam mais dois, mas uma só carne. Portanto, o que Deus uniu, não o separe o homem.” Ele então os lembra que o casamento é uma instituição divina; que como Adão e Eva estavam unidos por ele em uma união indissolúvel, ele pretendia que o vínculo matrimonial permanecesse para sempre, de modo que a esposa nunca deveria ser separada de seu marido, uma vez que pelo casamento ela se torna uma parte integrante dela marido. Para isso diz Santo Agostinho (Mateus 14:22). Ele “Não era do espírito que comanda e do corpo que obedece, nem da alma racional que rege e do desejo irracional que é regido, nem da virtude contemplativa que é suprema, e do ativo que está sujeito, nem da compreensão da mente e dos sentidos do corpo; mas claramente da união matrimonial, pela qual os sexos estão mutuamente ligados, que nosso Senhor, quando questionado se era lícito por qualquer motivo repudiar a esposa, respondeu como em St Mateus (Mateus 21:4, Mateus 21:5). É certo, então, que desde os primeiros homens foram criados como os vemos e sabemos que são agora, de dois sexos – macho e fêmea – e que são chamados uma, seja pela união matrimonial, seja pela origem da mulher, que foi criada do lado do homem ”. [Pulpit, aguardando revisão]

5 E Jesus lhes respondeu:Foi pela dureza dos vossos corações que ele vos escreveu este mandamento.

Comentário do Púlpito

Mateus parece dar um relato mais completo, do qual Marcos é uma abreviatura. Se supormos que os escribas aqui interpõem sua pergunta:”Por que então Moisés permitiu uma carta de divórcio?” as duas narrativas se encaixam perfeitamente. Nosso Senhor aqui responde à pergunta deles, Por sua dureza de coração, ele escreveu este mandamento. Ele permitiu (não ordenou) que eles repudiassem suas esposas, para que a antipatia não se transformasse em ódio. Desde o início, Deus os uniu em uma curva indissolúvel; mas a natureza do homem se tornou corrompida pelo pecado, esse pecado mudou e corrompeu a instituição, e assim foi a ocasião de títulos de divórcio e poligamia. A Lei de Moisés restringia a liberdade com que os homens até então tinham repudiado suas esposas; a partir de então, o divórcio não poderia ocorrer até que algumas medidas legais tivessem sido tomadas e um instrumento regular tivesse sido redigido; e essa demora pode muitas vezes ser o meio de evitar um divórcio que, de outra forma, poderia ter ocorrido em um momento de paixão. Assim, essa legislação foi adaptada à condição moral imperfeita do povo, que ainda não estava preparado para um código moral superior. [Pulpit, aguardando revisão]

6 Porém, desde o princípio da criação, macho e fêmea ele os fez.

Comentário de J. A. Alexander

De acordo com a primeira visão dada acima do significado de nosso Salvador (no versículo 5), este versículo distingue a lei primária ou original do casamento de sua modificação na lei de Moisés. De acordo com a outra, ele simplesmente declara a lei do casamento como era desde o início e ainda permaneceu inalterada e não repassada. Desde o início da criação, não em referência à ordem da própria criação, pois a do homem não foi o primeiro, mas em referência a todas as coisas posteriores, desde o início da (mundo, isto é, sua) criação. Ou o mesmo sentido pode ser obtido limitando a criação à origem do próprio homem, desde o início da raça humana, ou quando o homem foi criado. Deus os fez homem e mulher, i. e. ele criou um casal e os uniu em casamento, excluindo assim toda poligamia, e ao mesmo tempo dando a esta relação a precedência sobre todas as outras, não excetuando a paternidade e filial, como expressamente afirmado no próximo verso. [Alexander, aguardando revisão]

7 Por isso, deixará o homem a seu pai e a sua mãe.

Comentário de James Morison

Por isso. O Salvador continua a citar, mas de outra parte do registro anterior (Gênesis 2:24). A causa ou condição das coisas mencionadas é a contrapartida e a relação complementar entre os dois sexos.

deixará o homem a seu pai e a sua mãe. Porque no casamento sobrevém um relacionamento superior, que domina o relacionamento filial anterior. Um novo centro doméstico deve ser estabelecido.

“E apegue-se a sua esposa” Essas palavras estão faltando nos manuscritos do Sinai e do Vaticano (א B), e também na versão gótica. Tischendorf os omitiu em sua oitava edição, sem garantia suficiente. Cleave é a palavra de Wycliffe; é de Coverdale também, e adotado tanto em Genebra quanto nos Bheims. É uma tradução admirável, muito melhor do que o sorteio de Purvey ou a promessa de Tyndale, “e aguardar por sua esposa”. É traduzido como juntar-se a si mesmo em Atos 5:36. O termo original denota o apego e adesão mais próximos possíveis. Muito literalmente traduzido, significa, como observa Petter, deve ser colado. [Morison, aguardando revisão]

8 E os dois serão uma só carne; assim, já não são dois, mas sim uma só carne.

Comentário de James Morison

E os dois. A expressão não ocorre na passagem hebraica citada por nosso Senhor. Ele o fornece gratuitamente, incorporando o significado manifesto do original.

serão uma só carne, isto é, serão tão intimamente unidos que, em suas relações terrenas ou corporais, constituirão como se fossem uma unidade de ser.

assim, já não são dois, mas sim uma só carne. O que precedeu é a citação de Gênesis 2:24. Esta é a inferência do próprio Salvador a partir da linguagem citada. Marido e mulher, embora em certo sentido dois, ainda, se cumprirem o ideal divino, não são mais dois. Eles são apenas metades de um todo, “uma só carne”. Se não fosse pela intervenção do pecado, a união mais agradável concebível seria realizada em sua experiência. [Morison, aguardando revisão]

9 Portanto, o que Deus juntou, não separe o homem.

Comentário de J. A. Alexander

Até agora nosso Senhor pode parecer ter argumentado contra a poligamia e não o divórcio; mas agora ele faz uma aplicação de suas declarações anteriores de forma que satisfaça completamente o presente caso, declarando que é ilegal para o homem separar (ou cortar violentamente) aquilo que o próprio Deus uniu. Em outras palavras, o casamento não sendo uma instituição humana, mas divina, e contemporânea com a própria raça, não pode ser anulado ou mesmo modificado por qualquer autoridade inferior àquela que o criou primeiro. [Alexander, aguardando revisão]

10 E em casa os discípulos voltaram a lhe perguntar sobre isto mesmo.

Comentário do Púlpito

A discussão com os fariseus, relatada nos versículos anteriores, ocorreu em público. Mas agora em casa, e em particular, os discípulos perguntaram-lhe novamente sobre este assunto; de modo que o que se segue parece aqui ter sido dito a eles em particular. Mas parece de Mateus (Mateus 21:8) que nosso Senhor já havia dito isso em público; de modo que aqui ele proclama uma nova lei, ou melhor, afirma as sanções da instituição primitiva, revogando a “carta de divórcio”, exceto no caso de fornicação, e restaurando o rito do casamento ao seu caráter primitivo e indissolúvel. [Pulpit, aguardando revisão]

11 E disse-lhes:Qualquer um que deixar a sua mulher, e se casar com outra, adultera contra ela.

Comentário do Púlpito

adultera contra ela (μοιχᾶται ἐπ αὐτήν). Isso certamente deve significar a esposa que foi repudiada. O adultério é contra ela, contra seus direitos e interesses. [Pulpit, aguardando revisão]

12 E se ela deixar o seu marido, e se casar com outro, adultera.

Comentário de David Brown

E se ela…Pela lei mosaica, a mulher parece não ter o direito legal de se divorciar do marido. No entanto, vários exemplos aparecem na história judaica, de uma mulher abandonando seu marido e se casando com outro durante a vida do primeiro marido; nem parece haver qualquer lei para punir tal maldade. Jesus virtualmente coloca ambos os sexos em um mesmo nível na dispensação cristã. [JFB]

Criancinhas levados para Cristo

13 E lhe traziam crianças para que ele as tocasse, mas os discípulos repreendiam -lhes.

Comentário de David Brown

as tocasse…de acordo com o costume do Antigo Testamento (Gênesis 48:14). [JFB]

14 Porém Jesus, vendo, indignou-se, e lhe disse:Deixai vir as crianças a mim, e não as impeçais; porque delas é o Reino de Deus.

Comentário do Púlpito

Porém Jesus, vendo (ἰδὼν δὲ ὁ Ἰησοῦς). O grego mostra que não houve intervalo entre os atos dos pais e dos discípulos e o fato de nosso Senhor ver isso. Os pais traziam os filhos, os discípulos os repreendiam, Jesus percebia.

indignou-se (ἠγανάκτησε); literalmente, ele ficou comovido de indignação. Suas palavras implicam entusiasmo e seriedade:Deixai vir as crianças a mim, e não as impeçais. O καὶ copulativo não pode ser encontrado nas melhores autoridades. A omissão adiciona força e vivacidade às palavras. A simplicidade, franqueza e inocência das crianças são muito atraentes. Essa narrativa mostra com que cuidado as crianças devem ser educadas. [Pulpit, aguardando revisão]

15 Em verdade vos digo, que qualquer um que não receber o Reino de Deus como criança, em maneira nenhuma nele entrará.

Comentário do Púlpito

Observe o “em verdade” com que nosso Senhor introduz essas palavras. Ele aqui adiciona algo que estende o que ele acabou de dizer para aqueles que são, não literalmente, mas figurativamente, crianças pequenas. Devemos primeiro receber o reino em nossas afeições antes de podermos realmente entrar nele. É como se Cristo dissesse:”Não é indigno da minha dignidade tomar as criancinhas em meus braços e abençoá-las, porque pela minha bênção elas se tornam adequadas para o reino dos céus. E se vocês, homens adultos, se tornassem dignas de meu reino, você deve abandonar seus objetivos ambiciosos e competições terrenas, e imitar os caminhos simples e não mundanos das crianças. A simplicidade da criança é o modelo e a regra para todo aquele que deseja, pela graça de Cristo, obter o reino dos céus. [Pulpit, aguardando revisão]

16 Então, tomando-as entre seus braços, e pondo as mãos sobre elas, ele as abençoou.

Comentário do Púlpito

Esta é considerada a verdadeira ordem das palavras, de acordo com as melhores autoridades. A palavra traduzida como “tomando-as entre seus braços” (ἐναγκαλισάμενος) já ocorreu neste Evangelho em Marcos 9:36 (onde ver a nota). A descrição aqui é muito gráfica. Nosso Salvador abraça primeiro a criança. Ele o dobrou nos braços; então ele colocava sua mão direita sobre a cabeça da criança e a abençoava. [Pulpit, aguardando revisão]

17 E quando ele saiu para caminhar, um homem correu até ele; e pondo-se de joelhos diante dele, perguntou-lhe:Bom Mestre, que farei para herdar a vida eterna?

Comentário do Púlpito

Este versículo deve ser traduzido, E quando ele saiu para caminhar – isto é, quando ele estava saindo de casa – um homem correu até ele; e pondo-se de joelhos diante dele, perguntou-lhe. São Mateus (Mateus 21:20) diz que ele era “um jovem”. São Lucas (18:18) que ele era “um governante”. Ele aparentemente estava esperando por nosso Senhor, emboscando-o, embora com uma boa intenção. Ele mostrou zelo – assim que viu Jesus, correu para ele; e ele mostrou reverência, pois se ajoelhou diante dele. Ele queria o conselho de alguém de quem deve ter ouvido falar como um Mestre célebre; e ele desejava esse conselho como um assunto de grande interesse para si mesmo.

Bom Mestre. Esta seria a maneira ordinária e cortês de abordar uma pessoa que professa ser um professor, de modo a conciliar sua atenção e interesse.

que farei para herdar a vida eterna? É como se dissesse:”Rabi, eu sei que és bom, tanto como homem como mestre e profeta, bem capaz de me ensinar perfeitamente as coisas que são realmente boas e que conduzem à bem-aventurança no futuro. Diga-me, portanto, o que devo fazer? ” Mateus (Mateus 21:17) diz:”Que coisa boa (τί ἀγαθὸν ποιήσω) farei para herdar a vida eterna?” [Pulpit, aguardando revisão]

18 E Jesus lhe disse:Por que me chamas bom? Ninguém é bom, a não ser um:Deus.

Comentário de David Brown

Nosso Senhor quis então ensinar que Deus só deve ser chamado de “bom”? Impossível, pois isso tinha sido contradizer todo o ensino das Escrituras, e o Seu próprio, também (Sl 112:5; Mt 25:21Tt 1:8). A não ser que, portanto, atribuamos astúcia a nosso Senhor, Ele poderia ter apenas um objetivo – elevar as idéias do jovem sobre Si mesmo, para não ser classificado meramente com outros “bons mestres”, e recusar receber este título separadamente do “Aquele” que é essencialmente e somente “bom”. Na verdade, isso é apenas uma sugestão distante; mas a menos que isso seja visto no fundo das palavras de nosso Senhor, nada digno Dele pode ser feito a partir delas. (Por isso, o Socinianismo, em vez de ter qualquer apoio aqui, fica apenas perplexo com ele) [JFB]

19 Sabes os mandamentos:Não adulterarás; não matarás; não furtarás; não darás falso testemunho; não serás enganador; honra o teu pai e a tua mãe.

Comentário do Púlpito

Em Mateus (Mt 21:17, etc.), o registro da conversa de nosso Senhor com o jovem governante é mais completo; e deve ser lido lado a lado com a narrativa mais condensada de Marcos. Será observado que é sobre os mandamentos da segunda taboa que nosso Senhor aqui enfatiza. Pois o amor de Deus produz o amor ao próximo; e quem não ama a seu irmão a quem viu, como pode amar a Deus, a quem não viu? [Pulpit, aguardando revisão]

20 Porém ele lhe respondeu:Mestre, tudo isto guardei desde a minha juventude.

Comentário do Púlpito

Mestre, tudo isto guardei desde a minha juventude (ἐφυλαξὰμην). Mateus adiciona aqui (Mat 19:20). Ele “O que me falta ainda?” – “O que ainda está faltando em mim, para que eu possa herdar a vida vindoura em sua plenitude de glória e bem-aventurança? Você parece, bom Mestre, como um Mestre celestial, estabelecer um superior e caminho mais excelente do que aquele apontado por nossos escribas e fariseus. Diga-me qual é esse caminho. Diga-me o que ainda falta; pois desejo sinceramente prosseguir no caminho certo que conduz à vida eterna. ” [Pulpit, aguardando revisão]

21 E olhando Jesus para ele, amou-o, e disse-lhe:Uma coisa te falta:vai, vende tudo quanto tens, e dá aos pobres; e terás um tesouro no céu; e vem, segue-me, toma tua cruz.

Comentário do Púlpito

E olhando Jesus para ele, amou-o (ἐμβλέψας αὐτῶ ἠγάπησεν αὐτόν) Este é outro dos toques gráficos de Marcos – uma peça primorosa de pintura de palavras, provavelmente fornecida a ele por Pedro. As palavras expressam de forma mais vívida um olhar sério, terno e perscrutador. Eles parecem, se pode ser dito com reverência, combinar a penetração Divina com a simpatia e compaixão humanas. O conselho de nosso Senhor que se segue não é um mandamento geral, mas um preceito particular, de que o jovem governante precisava especialmente.

Uma coisa te falta. Em Mateus (Mateus 19:21), as palavras são:”Se queres ser perfeito.” Mas as palavras de nosso Senhor aqui, “Uma coisa te falta”, se encaixam perfeitamente com a pergunta do jovem governante dada logo antes em São Mateus:”O que me falta ainda?” mostrando uma unidade substancial na narrativa, com exatamente aquela variedade que deveríamos esperar no relato do mesmo incidente feito por duas testemunhas independentes, mas igualmente confiáveis. A “única coisa que te falta” de Marcos, e “se tu escreves, sê perfeito de Mateus, ambos apontam para a mesma conclusão – que o objetivo de nosso Senhor era revelar este jovem a si mesmo. Sua pedra de tropeço era sua riqueza; e assim nosso Salvador imediatamente transpassa seu pecado de cobiça. O preceito foi um conselho especial para ele; dirigia-o a fazer algo que, como nosso Senhor viu, era necessário para sua salvação. Ele não poderia seguir a Cristo sem se separar este pecado, e com aquele que o ministrou. Esta foi sua dificuldade espiritual particular. [Pulpit, aguardando revisão]

22 Mas ele, pesaroso desta palavra, foi-se triste; porque tinha muitas propriedades.

Comentário de J. A. Alexander

Quer o homem tenha compreendido totalmente o raciocínio envolvido na resposta de nosso Senhor ou não, ele parece pelo menos ter sentido sua aplicação a si mesmo, i. e. ele sentia que não poderia fazer o que Cristo exigia e, portanto, não podia manter sua vanglória de perfeita submissão à vontade de Deus. Pois embora ele possa não ter admitido o direito desse “bom professor” de exigir dele um sacrifício tão terrível, ele deve ter sentido que, mesmo se tivesse o direito, seu próprio coração era incapaz de tal obediência. Ele foi tão completamente silenciado por essa consciência, e pela sondagem temerosa que a produziu, que parece ter se retirado sem tentar qualquer autodefesa ou refutação da doutrina do Salvador. E ele, heing (ou hecoming) triste, um termo grego expressivo em outro lugar aplicado ao aspecto sombrio de um dia de rebaixamento (Mt 16:3). Na (ou por causa da) palavra (ou ditado), i. e. o que o Salvador acabara de dizer em resposta ao seu próprio pedido e do qual ele, portanto, não podia reclamar decentemente, embora incapaz de recebê-lo. Ele foi embora aflito, porque sua esperança orgulhosa (embora séria e sincera) de herdar a vida eterna foi esmagada por esta condição mais inesperada e impossível, pois ele tinha, literalmente, uma expressão estranha ao nosso idioma, mas sugerindo a ideia de continuação ou posse habitual, bem como posse real. Embora jovem (Mt 19, 22), ele não era um mero expectante, mas tinha adquirido a posse de sua propriedade, o que talvez possa lançar luz sobre a forma de sua investigação, como ele poderia herdar a vida eterna. Muitas posses podem simplesmente significar muitas propriedades ou, mais especificamente, vários tipos de riqueza. Sobre a história posterior e o destino final desse jovem, as Escrituras, como em muitos outros casos, deixam cair o véu, e a questão de seu destino é deixada para as conjecturas dos intérpretes, que variam com seus temperamentos, ou talvez por causas acidentais. Calvin acha mais provável que ele tenha continuado como era. Os alemães modernos inclinam-se para o outro lado, como alguns deles têm esperanças, não apenas por Simão Mago, mas por Judas Iscariotes. O mero silêncio da história nada prova, pois a Bíblia contém poucos detalhes biográficos que não tenham um interesse histórico ou público. Até os patriarcas se retiram de vista assim que deixam de ser atores em cena, embora muito antes do fim da vida. Como Adão e Eva, a fonte culpada de nossa apostasia, são quase universalmente considerados salvos, apesar do silêncio do registro sagrado, então a mesma presunção pode ser justificadamente levantada em outros casos menos evidentes e notáveis. No que está diante de nós, há um indício positivo, embora leve, de uma questão favorável, na declaração feita apenas por Marcos, de que Jesus o amava, o que, como vimos, muito provavelmente denota que ele tinha propósitos de misericórdia para com ele, e nesta conclusão é agradável, visto que é permitido, descansar. [Alexander, aguardando revisão]

23 Então Jesus olhando ao redor, disse a seus discípulos:Como é difícil aos que têm riquezas entrar no Reino de Deus!

Comentário do Púlpito

Então Jesus olhando ao redor, disse a seus discípulos (καὶ περιβλεψάμενος ὁ Ιησοῦς λέγει). Marcos freqüentemente usa esta palavra περιβλέπω. Nosso Senhor desviou-se do jovem, que agora ia embora, e olhou em volta, sem dúvida com um olhar triste e desapontado, e disse aos seus discípulos: Como é difícil aos que têm riquezas entrar no Reino de Deus! Por que é isso? Em parte porque o amor às riquezas tenta os homens a amontoá-las, seja legal ou ilegalmente. Em parte porque o amor às riquezas liga a alma à terra, de modo que é menos provável que se pense em, em parte porque as riquezas são um incentivo ao orgulho, ao luxo e a outros pecados. O poeta pagão Ovídio poderia falar de riquezas “irritamenta malorum”. A pobreza e o desprezo pelas riquezas muitas vezes abrem aquele céu que a riqueza e a cobiça fecham. [Pulpit, aguardando revisão]

24 E os discípulos se espantaram destas suas palavras; mas Jesus, voltando a responder, disse-lhes:Filhos, como é difícil entrar no Reino de Deus!

Comentário Barnes

Filhos – Uma expressão de afeto, talvez implicando também uma reprovação de que sua lentidão de compreensão era como a de crianças. Quando deveriam ter percebido imediatamente a verdade do que ele disse, demoraram a aprendê-la. Tornou-se necessário, portanto, “repetir” o que ele havia dito. [Barnes, aguardando revisão]

25 Mais fácil é passar um camelo pelo olho de uma agulha, do que entrar um rico no Reino de Deus.

Comentário do Púlpito

Esta é uma expressão proverbial hiperbólica forte para representar qualquer coisa que seja muito difícil de fazer. John Lightfoot, em seus exercícios hebraicos sobre o Evangelho de Mateus. Ele cita exemplos de escritos binários de uma frase muito semelhante destinada a representar algo que é possível. Por exemplo, ele cita um rabino em disputa com outro, que diz:”Talvez você seja um daqueles que podem fazer um elefante passar pelo buraco de uma agulha; isto é,” que fala coisas que são impossíveis. ‘ São Jerônimo diz:”Não é a impossibilidade absoluta da coisa que é apresentada, mas a raridade dela.” [Pulpit, aguardando revisão]

26 E eles se espantavam ainda mais, dizendo uns para os outros:Quem, pois, poderá se salvar?

Comentário de J. A. Alexander

Esta repetição enfática da proposição surpreendente, no que parecia ser uma forma exagerada, só serviu para aumentar o espanto dos discípulos de nosso Senhor. E (ou mas) eles ficaram excessivamente surpresos, não o verbo assim traduzido no v. 24, mas aquele empregado em 1, 22. 6, 2.7,37, e originalmente significando atingido ou expulso de seu estado de espírito normal ou normal por grande surpresa ou maravilha. Isso eles expressaram dizendo para si mesmos, ou para si mesmos, ou seja, uns aos outros, quem então (literalmente, e quem, que em grego é uma expressão equivalente) pode (é capaz de) ser salvo, i. e. alcançar a eternidade; bem-aventurança (ver acima, no v. 17. 24.25.) Isso não significa apenas aquele homem rico, que seria um eco sem sentido das próprias palavras de nosso Senhor, mas que homem, quem de qualquer classe? A conexão lógica tem sido compreendida de várias maneiras, mas parece ser mais naturalmente esta, que se os ricos, ou a classe mais favorecida, são impedidos e ameaçados pelas próprias vantagens de que desfrutam, como outros podem esperar alcançar a salvação? Alguns dos melhores intérpretes, entretanto, negam qualquer referência ao caso de outros como ainda pior do que o dos homens ricos, e entendem os discípulos simplesmente perguntando:quem então pode escapar dessas dificuldades e obstruções terríveis? Isso implica que eles consideraram o perigo não como peculiar, mas comum; ou porque todos esperavam ser ricos e prósperos no reino do Messias; ou porque todos, exceto os mais pobres, têm seus interesses e bens mundanos, para impedir sua salvação, da mesma maneira, embora não na mesma medida; ou porque eles viram o princípio envolvido para admitir uma aplicação muito mais ampla, assim como o teste ao qual o Salvador trouxe o jovem governante rico pode ser modificado para se adequar a milhares de outros casos além do de uma consideração idólatra por riqueza ou dinheiro. De acordo com essa visão da passagem, a pergunta dos discípulos pode ser parafraseada da seguinte maneira. “Se então, como acabamos de ouvir, a propriedade ou a riqueza, com todas as suas vantagens naturais e morais, são acompanhadas de armadilhas que tornam a salvação de seus proprietários impossível sem um milagre; e se esta é apenas uma entre muitas situações e condições, cada uma das quais com suas próprias armadilhas e pedras de tropeço peculiares, igualmente adversas à salvação dos homens; como esse fim pode ser alcançado em qualquer caso? ” [Alexander, aguardando revisão]

27 Porém, olhando Jesus para eles, disse:Para os seres humanos, é impossível; mas para Deus, não; porque para Deus tudo é possível.

Comentário do Púlpito

olhando Jesus para eles (ἐμβλέψας δὲ αὐτοῖς). O verbo grego implica um olhar sério e intenso para eles; evidentemente narrado por alguém que, como Pedro, observou seu semblante. São Crisóstomo diz que os olhou dessa maneira, para mitigar e acalmar as mentes tímidas e ansiosas de seus discípulos. É como se nosso Senhor dissesse:”É impossível para um homem rico, envergonhado e emaranhado com sua riqueza, por sua própria força natural obter a salvação; porque esta é uma bênção sobrenatural, que não podemos obter sem as ajudas sobrenaturais semelhantes de graça. Mas com Deus todas as coisas são possíveis, porque Deus é o autor e a fonte, como da natureza, portanto da graça e da glória. E ele nos permite, por sua graça, triunfar sobre todas as dificuldades e obstáculos da natureza; para que os ricos não serão impedidos por suas riquezas; mas, sendo fiéis nas riquezas injustas, farão delas o meio de serem recebidos no ‘tabernáculo eterno’. ” [Pulpit, aguardando revisão]

28 E Pedro começou a lhe dizer:Eis que nós deixamos tudo, e te seguimos.

Comentário do Púlpito

Pedro começou a dizer a ele. Ele tinha pensado em si mesmo e em seus companheiros, os outros discípulos. Ele em referência a estas últimas palavras de nosso Senhor. É provável que o sacrifício que Pedro e o resto dos discípulos fizeram quando se tornaram seus seguidores foi pequeno, comparado com o sacrifício que nosso Senhor exigiu do jovem rico. No entanto, eles abandonaram tudo, fosse o que fosse. Eles haviam abandonado seus barcos e redes. Eles haviam abandonado seus meios de subsistência. Eles haviam abandonado coisas que, embora não fossem muito em si mesmas, eram, no entanto, coisas que eles desejariam manter. Cornelins a Lapide diz:”Essas coisas são abandonadas por aqueles que seguem a Cristo, como podem ser desejadas por aqueles que não o seguem.” Santo Agostinho diz:”São Pedro não só abandonou o que tinha, mas também o que desejava ter. Mas quem não deseja aumentar diariamente o que tem? Esse desejo foi cortado. Pedro abandonou o mundo inteiro, e ele receberam em troca o mundo inteiro. Eles eram como aqueles que nada tinham, mas possuíam todas as coisas. ” [Pulpit, aguardando revisão]

29 Jesus respondeu:Em verdade vos digo, que não há ninguém que tenha deixado casa, ou irmãos, ou irmãs, ou mãe, ou pai, ou filhos, ou campos, por amor de mim e do Evangelho,

Comentário do Púlpito

Mateus (Mt 19:28) aqui apresenta a grande promessa, a ser cumprida na regeneração, ou seja, na segunda vinda de Cristo – no momento em que Mateus foi guiado a registrá-la, visto que seu Evangelho foi escrito para os judeus. Sua omissão por Marcos e Lucas pode ser explicada pelo fato de que eles estavam escrevendo, um para os Romanos e outro para os Gentios em geral. Omitindo outra observação aqui desta grande promessa registrada apenas por Mateus, as palavras de Marcos parecem gerais, comuns a todos os cristãos fiéis. Esta saída, de casa, ou irmãos, ou irmãs, etc., pode ser tornada necessária por várias causas. Mas todos eles são abrangidos por essa única expressão, por minha causa e pelo evangelho. [Pulpit, aguardando revisão]

30 que não receba cem vezes tanto, agora neste tempo, casas, e irmãos, e irmãs, e mães, e filhos, e campos, com perseguições; e a vida eterna, no tempo que virá.

Comentário do Púlpito

que não receba cem vezes tanto, agora neste tempo (ἑκατονταπλασίονα). Lucas (Lucas 18:30) diz (πολλαπλασίονα) “muito mais” – um aumento indefinido, para mostrar a grandeza e a multidão da recompensa. Aquele que abandona os seus por amor a Cristo encontrará outros, muitos em número, que lhe darão o amor de irmãos e irmãs, com ainda maior afeição; de modo que ele parecerá não ter perdido ou abandonado os seus, mas tê-los recebido novamente com juros. Pois as afeições espirituais são muito mais profundas do que as naturais; e seu amor é mais forte aquele que arde com o amor celestial que Deus acendeu, do que aquele que é influenciado apenas pelo amor terreno, que apenas a natureza plantou. Mas, no sentido mais amplo, aquele que abandona essas coisas terrenas por amor a Cristo, em vez disso, recebe o próprio Deus. Pois para aqueles que abandonam tudo por ele, ele mesmo é pai, irmão, irmã e todas as coisas. Para que ele tenha bens muito mais ricos do que a terra pode fornecer; apenas com perseguições (μετὰ διωγμῶν). Esta é uma adição muito notável. Nosso Senhor aqui inclui “perseguições” no número de bênçãos do cristão. E sem dúvida há um sentido nobre no qual as perseguições estão realmente entre as bênçãos do crente. “Se sois envergonhados pelo nome de Cristo, bem-aventurados sois; porque o espírito de glória e de Deus está sobre vós” (1Pedro 4:14). São Pedro, que deve ter tido em mente as “perseguições” de nosso Senhor quando escreveu estas palavras, mostra aqui que a bem-aventurança do cristão quando sofre perseguição é esta, que ele tem um sentido especial da presença permanente de o Espírito de Deus, trazendo consigo a certeza da glória futura. “Alegrai-vos e exultai; muito grande é a vossa recompensa no céu.” As palavras são também, é claro, uma advertência aos discípulos quanto às perseguições que os aguardavam. E no mundo vindouro a vida eterna. Esta é aquela herança esplêndida na qual os bem-aventurados serão herdeiros de Deus e co-herdeiros de Cristo; e assim possuirá não apenas o céu e a terra e todas as coisas que neles há, mas até o próprio Deus, e toda honra, toda glória, toda alegria, não meramente como ocupantes, mas como herdeiros para sempre; enquanto o próprio Deus existir, que é ele mesmo “o Deus eterno”. [Pulpit, aguardando revisão]

31 Porém muitos primeiros serão últimos, e últimos, primeiros.

Comentário do Púlpito

Muito apropriadamente, nosso Senhor acrescenta esta importante sentença ao que acabou de acontecer. Pois assim ele coloca a si mesmo, sua graça e seu evangelho em oposição direta ao ensino corrupto dos escribas e fariseus. Talvez os discípulos pensassem consigo mesmos:”Como pode acontecer que nós, os pobres, os iletrados, os desprezados, devemos sentar-nos em tronos, julgando as doze tribos de Israel, entre as quais estão homens muito nossos superiores em posição, no ensino , e em autoridade, como são os escribas e fariseus, e aquele jovem governante rico que acabamos de mencionar. ” Nosso Senhor aqui os ensina que o futuro revelará grandes mudanças – que alguns dos primeiros aqui serão os últimos ali, e alguns que parecem os últimos aqui serão os primeiros ali. Os discípulos e outros como eles, que, tendo abandonado tudo e seguido a Cristo, pareciam ser os últimos neste mundo, serão os primeiros no mundo vindouro – os mais queridos de Cristo, o Rei do Céu, em suas vidas; muitos gostam dele em seu zelo por sua causa. [Pulpit, aguardando revisão]

32 E iam pelo caminho, subindo para Jerusalém; e Jesus ia diante deles, e espantavam-se, e seguiam-no atemorizados. E voltando a tomar consigo aos doze, começou-lhes a dizer as coisas que lhe viriam a acontecer:

Comentário de David Brown

Nosso Senhor está agora em sua jornada final para Jerusalém, antes de sua crucificação.

E iam pelo caminhona estrada.

subindo para Jerusalémna Peréia, e provavelmente em algum lugar entre Efraim e Jericó, no lado mais distante do Jordão, e a nordeste de Jerusalém.

e Jesus ia diante delescomo diz Grotius, no estilo de um Líder intrépido.

espantavam-sepor Sua coragem em avançar para a morte certa.

E voltando a tomar consigo aos dozereferindo-se aos seus anúncios anteriores sobre este triste assunto.

começou-lhes a dizer as coisas que lhe viriam a acontecerA palavra expressa algo já iniciado, mas não trazido à tona, em vez de algo totalmente futuro. [JFB]

33 Eis que subimos a Jerusalém, e o Filho do homem será entregue aos chefes dos sacerdotes, e aos escribas; e o condenarão à morte, e o entregarão aos gentios.

Comentário de David Brown

Esta é a primeira declaração expressa de que os gentios se uniriam aos judeus em sua morte; as duas grandes divisões da raça humana pelas quais Ele morreu participando da crucificação do Senhor da Glória, como Webster e Wilkinson observam. [JFB]

34 E escarnecerão dele, e cuspirão nele, e o açoitarão, e o matarão; e três dias depois ressuscitará.

Comentário de David Brown

Por mais explícito que este anúncio tenha sido, Lucas (Lucas 18:34) diz “eles não entenderam nenhuma destas coisas; e esta palavra lhes foi escondida, e eles não sabiam o que era falado”. O significado das palavras eles não perderiam a compreensão, mas seu significado em relação ao Seu reino messiânico eles não podiam penetrar; toda a previsão acertando os dentes de suas noções preconcebidas. O fato de eles terem se apegado tão tenazmente à noção popular de um Messias insensível pode nos surpreender; mas dá um peso inexprimível ao seu testemunho posterior de um Salvador sofredor.  [JFU, aguardando revisão]

Pedido ambicioso de Tiago e João

35 E vieram a ele Tiago e João, filhos de Zebedeu, dizendo-lhe:Mestre, queríamos que nos fizesses o que pedirmos.

E vieram a ele Tiago e João, filhos de Zebedeu, dizendo-lheMateus (Mt 20:20) diz que “a mãe deles foi com seus filhos, adorando-o e desejando”, etc. (compare com Mt 27:56, com Mc 15:40). Salomé era o nome dela (Mc 16:1). Não podemos ter certeza com qual das partes o movimento se originou; mas como nosso Senhor, mesmo no relato de Mateus, se dirige a Tiago e João, sem levar em conta a mãe, é provável que a mãe tenha sido apenas colocada por eles. O pensamento foi indubitavelmente sugerido a seus filhos pela promessa recente aos Doze de “tronos para se sentar, quando o Filho do homem se sentasse no trono de Sua glória” (Mt 19:28); mas depois da repreensão tão ultimamente dada a eles (Mc 9:33) eles fazem com que sua mãe fale por eles.

36 E ele lhes disse:O que quereis que eu vos faça?

Comentário de David Brown

Embora bem cientes do que estava em sua mente e de sua mãe, nosso Senhor terá a petição imprópria proferida diante de todos. [JFB]

37 E eles lhe disseram:Concede-nos que em tua glória nos sentemos, um à tua direita, e outro à tua esquerda?

Comentário de David Brown

Isto é, designa-nos os dois lugares de maior honra no reino vindouro. A aparência de um apelo por um pedido tão presunçoso poderia ter sido extraída do fato de que um dos dois geralmente se apoiava no peito de Jesus, ou se sentava ao lado Dele nas refeições, enquanto o outro era um dos três favorecidos. [JFB]

38 Mas Jesus lhes disse:Não sabeis o que pedis; podeis vós beber o copo que eu bebo, ou ser batizados com o batismo com que eu sou batizado?

Comentário de David Brown

Mas Jesus lhes disse:Não sabeis o que pedisquão suave é a resposta a tal pedido, preferida em tal época, depois do triste anúncio que acabamos de fazer!

podeis vós beber o copo que eu bebo…“Beber de um copo” é na Escritura, uma figura para se satisfazer tanto (Sl 16:5; 23:5; 116:13; Jr 16:7) ou de má sorte (Sl 75:8; Jo 18:11; Ap 14:10). Aqui é o cálice do sofrimento.

ou ser batizados com o batismo com que eu sou batizado?…(Compare pelo idioma, Sl 42:7). O objetivo desta questão parece ter sido tentar verificar até que ponto esses dois homens eram capazes da dignidade a que aspiravam e isto com base no princípio de que aquele que mais pode sofrer por sua causa será o mais próximo a Ele em Seu reino. [JFB]

39 E eles lhe disseram:Podemos. Porém Jesus lhes disse:Em verdade, o copo que eu bebo, bebereis; e com o batismo com que eu sou batizado, sereis batizados.

Comentário de David Brown

E eles lhe disseram:PodemosAqui nós os vemos possuindo a petição de sua mãe por eles como sendo deles; e, sem dúvida, eles eram perfeitamente sinceros em professar sua disposição de seguir seu Mestre para qualquer sofrimento que pudesse sofrer. Quanto a Tiago, ele foi o primeiro dos apóstolos que foi honrado e mostrou ser capaz de ser batizado com o batismo de sangue de seu Mestre (At 12:1-2); enquanto João, depois de passar por todas as perseguições às quais a infante Igreja foi exposta pelos judeus, e compartilhando as lutas e sofrimentos ocasionados pelos primeiros triunfos do Evangelho entre os gentios, viveu para ser a vítima de uma amarga perseguição na noite de seus dias, pela palavra de Deus e pelo testemunho de Jesus Cristo. Sim, eles eram queridos crentes e homens abençoados, apesar dessa ambição indigna, e seu Senhor sabia disso; e talvez a previsão do que eles teriam que passar, e o testemunho corajoso que Ele ainda receberia deles, fosse a causa daquela gentileza que não podemos deixar de admirar em Sua repreensão.

Porém Jesus lhes disse:Em verdade, o copo que eu bebo, bebereis; e com o batismo com que eu sou batizado, sereis batizados…Sem dúvida esta predição, quando seus sofrimentos finalmente caíram sobre eles, os aplaudiram com a segurança, não que eles se sentariam à Sua direita e esquerda – por causa desse pensamento. eles ficariam profundamente envergonhados – mas que “se eles sofressem com Ele, eles também seriam glorificados juntos”. [JFB]

40 Mas sentar-se à minha direita, ou à minha esquerda, não é meu concedê-lo, mas sim, para aqueles a quem está preparado.

Comentário de David Brown

para aqueles a quem está preparado – “por meu Pai” (Mat 20:23). O suplemento que nossos tradutores inseriram foi aprovado por alguns bons intérpretes, e o sentido apropriado da palavra traduzida como “mas” [alla)] é certamente a favor dele. Mas, além disso, torna a declaração muito elíptica – deixando muitas palavras a serem fornecidas – parece fazer nosso Senhor repudiar o direito de atribuir a cada um de Seu povo seu lugar no reino de glória; algo que Ele não faz em nenhum outro lugar, mas antes o contrário. É verdade que Ele diz que o lugar deles é “preparado para eles por Seu Pai”. Mas isso é verdade em sua admissão ao céu; e, ainda assim, de Seu grande trono branco, o próprio Jesus julgará o reino e convidará com autoridade aqueles que estão à sua direita, chamando-os de “benditos de seu Pai:” tão pouca incoerência existe entre a escolha eterna deles por Seu Pai, e aquele julgamento público deles, não apenas para o céu em geral, mas cada um para sua própria posição nele, que todas as Escrituras atribuem a Cristo.

A verdadeira tradução, então, desta cláusula, nós a consideramos, é esta:’Mas sentar-se à Minha direita e à Minha esquerda não é meu para dar, exceto para aqueles para quem está preparado.’ [O uso de alla neste sentido, como equivalente a ei-mee, ocorre em 9 de março:8, “Eles não viram mais nenhum homem exceto Jesus apenas” – alla ton) Ieesoun. E as próprias palavras do nosso Evangelista, all ‘hois, ocorrem neste sentido em Mat 19:11]. Quando, portanto, Ele diz:”Não é meu para dar” o significado é:’Não posso dá-lo como um favor a quem eu quiser, ou por um princípio de favoritismo:pertence exclusivamente àqueles para quem está preparado,’ etc. … E se este for o Seu significado, será visto quão longe nosso Senhor está de negar o direito de atribuir a cada um o seu devido lugar no Seu Reino; que, ao contrário, afirma expressamente, apenas anunciando que o princípio da distribuição é bastante diferente do que esses peticionários supunham. Nosso Senhor, será observado, não nega a petição de Tiago e João, nem diz que eles não ocuparão o lugar em Seu reino que agora buscavam indevidamente:pelo que sabemos, esse pode ser o seu verdadeiro lugar. Tudo o que temos certeza é que o pedido deles desagradou Àquele “a quem foi confiado todo o julgamento” e, portanto, não era adequado para obter seu objetivo, mas apenas o contrário. (Veja o que é ensinado em Lucas 14:8-11.) Pelo menos um desses irmãos, como Alford notavelmente observa, viu à direita e à esquerda de seu Senhor, enquanto Ele estava pendurado na árvore, os ladrões crucificados; e realmente amarga deve ter sido a lembrança dessa oração ambiciosa naquele momento. [JFU, aguardando revisão]

41 E quando os dez ouviram isto, começaram a se irritar contra Tiago e João.

Comentário de David Brown

Havia provavelmente um tempero do antigo espírito de rivalidade neles, que, apesar dos recentes e prolongados, diversificados e solenes avisos de nosso Senhor contra eles, não cessara de agitar seus corações. [JFB]

42 Mas Jesus, chamando-os a si, disse-lhes:Já sabeis que os que são vistos como governadores dos gentios, agem como senhores deles; e os grandes usam de autoridade sobre eles.

Comentário do Púlpito

Nessas palavras, nosso Senhor não critica aquele poder ou autoridade, seja civil ou eclesiástica, que é exercido por príncipes ou bispos; pois isso é necessário em todos os estados e, portanto, é sancionado pela lei divina e humana. O que ele condena é o exercício arbitrário e tirânico de tal poder, ao qual os príncipes dos gentios estavam acostumados. [Pulpit, aguardando revisão]

43 Mas entre vós não será assim; antes qualquer que entre vós quiser ser grande, será vosso servidor.

Comentário de J. A. Alexander

Mas entre vós não será assim (ou de acordo com os últimos críticos, é), em meu reino, do qual vocês devem ser ministros e governantes. Em oposição a esta dominação secular ou mundana, ele repete a máxima proferida em uma ocasião anterior (ver acima, em 9:35), mas de uma forma mais completa e expandida. antes qualquer que entre vós quiser (ou preeminente em dignidade) será vosso servidor, a palavra posteriormente usada no sentido oficial de ministro e diácono. [Alexander, aguardando revisão]

44 E qualquer que de vós quiser ser o primeiro, será servo de todos.

servo de todos…um na mais baixa condição de serviço.

45 Porque também não veio o Filho do homem para ser servido, mas para servir, e dar sua vida em resgate por muitos.

Comentário de David Brown

“em vez de muitos”, isto é, “No reino a ser estabelecido, este princípio terá nenhum lugar. Todos os meus servos serão iguais; e a única grandeza conhecida será a grandeza da humildade e dedicação ao serviço dos outros. Aquele que desce ao mais profundo desses serviços de humildade abnegada deve subir ao mais alto nível e ocupar o lugar mais importante naquele reino; assim como o Filho do homem, cuja humilhação e abnegação para os outros, transcendendo a todos, dá a Ele um lugar justo acima de tudo! [JFB]

46 E vieram a Jericó. E saindo ele, e seus discípulos, e uma grande multidão de Jericó, estava Bartimeu, um mendigo cego, filho de Timeu, sentado junto ao caminho.

Comentário de David Brown

Bartimeu…A palavra Bar em hebraico significa filho, como Bar-Jesus, filho de Jesus, (At 13: 6) Barjonas, Bartolomeu. Bartimeu é filho de Timeu. Ele parece ter sido um conhecido pedinte cego daquela localidade e, por isso, seu nome é informado. [JFB]

47 E ouvindo que era Jesus o nazareno, começou a clamar, e a dizer:Jesus, Filho de Davi! Tem misericórdia de mim!

Comentário de J. A. Alexander

era Jesus o nazareno. Esta era a denominação familiar e de fato depreciativa pela qual nosso Senhor era geralmente conhecido, e em cujo uso Mateus (Mateus 2:23) representa as profecias de sua humilhação como cumpridas (Marcos 1:24).

Filho de Davi – seu descendente e sucessor no trono de Israel. Um notável reconhecimento de sua messianidade (Marcos 12:35), preservado em todos os três relatos e notavelmente contrastado com a outra designação na primeira frase. “Vocês comumente o chamam, senão desrespeitosamente, de Nazareno, mas eu o chamo de filho de Davi”.

Tem misericórdia de mim! Um reconhecimento de miséria, indignidade e desamparo, bem como de forte confiança na capacidade e disposição de Cristo para ajudá-lo. [Alexander]

48 E muitos o repreendiam, para que se calasse; mas ele clamava ainda mais:Filho de Davi! Tem misericórdia de mim!

Comentário de J. A. Alexander

muitos o repreendiam, para que se calasse. Não há necessidade de supor um motivo maligno para essa interferência, que foi evidentemente motivada por um desejo natural de evitar perturbações e preservar o Profeta do aborrecimento, mesmo os mais elevados interesses particulares, em todos esses casos, sendo considerados sem importância.

ele clamava ainda mais – ou seja, mais do que ele fez no início, mostrando assim a força de seu desejo de cura e de sua fé na capacidade de Cristo para concedê-la.  [Alexander]

49 Jesus parou, e disse:chamai-o. Então chamaram ao cego, dizendo-lhe:Tem bom ânimo, levanta-te, ele está te chamando.

Comentário do Púlpito

Jesus parou, e disse:chamai-o. São Jerônimo diz que nosso Senhor ficou parado por causa da enfermidade do homem. Havia muitos muros em Jericó; havia lugares difíceis; havia pedras e precipícios nos quais ele poderia tropeçar. Portanto, o Senhor estava onde havia um caminho plano pelo qual o cego poderia se aproximar dele. A multidão mostra sua simpatia. Há algo muito genuíno e comovente em suas palavras:em bom ânimo, levanta-te, ele está te chamando. [Pulpit, aguardando revisão]

50 Então ele lançou sua capa, deu um salto, e veio a Jesus.

Comentário do Púlpito

Então ele lançou sua capa, deu um salto – a palavra em grego é ἀναπηδήσας. literalmente, pôs-se de pé – e veio a Jesus. Ele jogou fora sua “vestimenta”, isto é, o manto externo solto que cobria sua túnica. Ele estava com pressa e desejava se desvencilhar de todos os obstáculos, em sua ânsia de se aproximar de Jesus. Parece que aqui temos a descrição de uma testemunha ocular perspicaz, como seria Pedro. [Pulpit, aguardando revisão]

51 Jesus, lhe perguntou:Que queres que eu te faça? E o cego lhe disse:Mestre, que eu veja.

Comentário de David Brown

Mestre…(raboni), somente mais uma vez esta expressão de reverência foi aplicada a Jesus nos Evangelhos, em Jo 20:16, por Maria. [JFB]

52 Jesus lhe disse:Vai; a tua fé te salvou. E logo conseguiu ver. Então seguiu Jesus pelo caminho.

Comentário Ellicott

Então seguiu Jesus pelo caminho. Podemos razoavelmente inferir disso que Bartimeu foi um dos que subiu com o grupo de viajantes a Jerusalém. A proeminência que Marcos dá ao seu nome sugere o pensamento de que ele posteriormente se tornou mais ou menos notável na Igreja da Circuncisão, seu novo dom da visão qualificando-o para tomar seu lugar entre as testemunhas oculares das coisas que foram feitos na semana seguinte. No Evangelho Apócrifo de Nicodemos, ele aparece como uma das testemunhas da defesa no julgamento de nosso Senhor. [Ellicott, aguardando revisão]

<Marcos 9 Marcos 11>

Visão geral de Marcos

O evangelho de Marcos, mostra que “Jesus é o Messias de Israel inaugurando o reino de Deus através do Seu sofrimento, morte e ressurreição”. Tenha uma visão geral do Evangelho através deste breve vídeo (10 minutos) produzido pelo BibleProject.

🔗 Abrir vídeo no Youtube.

Sobre a afirmação do vídeo de que o final do Evangelho de Marcos (16:9-20) não foi escrito por ele, penso ser necessário acrescentar algumas considerações. De fato, há grande discussão entre estudiosos sobre este assunto, já que os manuscritos mais antigos de Marcos não têm essa parte. Porém, mesmo que seja verdade que este final não tenha sido escrito pelo evangelista, todas as suas afirmações são asseguradas pelos outros Evangelhos e Atos dos Apóstolos. Para entender mais sobre a ciência que estuda os manuscritos antigos acesse esta aula de manuscritologia bíblica.

Leia também uma introdução ao Evangelho de Marcos.

Todas as Escrituras em português citadas são da Bíblia Livre (BLIVRE), Copyright © Diego Santos, Mario Sérgio, e Marco Teles – fevereiro de 2018.