Bíblia

1 Pedro 4

Aviso Quer estudar a Bíblia e não sabe por onde começar? Conheça o nosso curso: Como Estudar a Bíblia? Ele é gratuito, online e pode ser iniciado agora mesmo! Clique aqui e saiba mais.


1 Visto que Cristo sofreu na carne, armai-vos também com o mesmo modo de pensar, pois quem sofreu na carne terminou com o pecado;

na carne. Em seu corpo mortal de humilhação.

armai-vos (Ef 6:11,13).

com o mesmo modo de pensar. De sofrer com paciente disposição o que Deus quer que você sofra.

quem sofreu. Primeiro Cristo, e em sua pessoa o crente: uma proposição geral.

terminou. Literalmente, “foi feito cessar”, obteve pelo próprio fato de ter sofrido de uma vez por todas, uma interrupção do pecado, que até então estava sobre Ele (Rm 6:6-11, especialmente, 1Pe 4:7). O cristão é pela fé um com Cristo: assim como então Cristo pela morte é judicialmente liberto do pecado; assim o cristão que morreu na pessoa de Cristo, não tem mais relação com ele judicialmente, e não deveria ter mais relação com ele de fato. A “carne” é a esfera na qual o pecado tem lugar. [JFU, 1871]

2 para que, no resto do tempo na carne, não viva mais segundo os maus desejos humanos, mas sim segundo a vontade de Deus.

para que (o crente, que de uma vez por todas obteve o fim do pecado pelo sofrimento, na pessoa de Cristo, isto é, em virtude da sua união com Cristo crucificado), no resto do tempo na carne, não viva mais segundo os maus desejos humanos, mas sim segundo a vontade de Deus como sua norma. O resto do tempo na carne (o grego tem a preposição “dentro” aqui, não em 1Pe 4:1 quanto a Cristo) prova que a referência aqui não é a Cristo, mas ao crente, cujo tempo restante para glorificar a Deus é curto (1Pe 4:3). “Viver” no sentido mais verdadeiro, pois até agora ele estava morto. [JFU, 1871]

3 Pois já basta, no tempo passado, termos feito a vontade dos pagãos, e andado em promiscuidades, desejos maliciosos, bebedeiras, orgias, festas de embriaguez, e abomináveis idolatrias.

abomináveis idolatrias.​​ “idolatrias sem lei”, violando a lei mais sagrada de Deus; não que todos os leitores de Pedro (veja em 1Pe 1:1) andassem nelas, mas muitos, a saber, a parte gentia deles. [JFU, 1871]

4 Como eles estranham vós não agirdes como eles, que correm em busca da extrema devassidão, por isso falam mal de vós.

falam mal – os acusando de orgulho e hipocrisia (1Pe 4:14; 2Pe 2:2). No entanto, não há “de vós” no grego, mas simplesmente “blasfemam”. Esta expressão parece sempre usada, direta ou indiretamente, para insultar a Deus, Cristo, o Espírito Santo, ou a religião cristã; não apenas contra os homens como tais (grego, 1Pe 4:14). [JFU, 1871]

5 Eles terão de prestar contas ao que está pronto para julgar vivos e mortos.

Aqueles que agora o chamam a prestar contas falsamente, terão que prestar contas por isso (Jd 1:15), e serão condenados com justiça.

pronto. Muito próximo (1Pe 4:7; 2Pe 3:10). A vinda de Cristo é para o crente sempre próxima. [JFU, 1871]

6 Pois por isso o evangelho também foi pregado a mortos, para que, mesmo que tenham sido julgados na carne segundo os critérios humanos, vivam em espírito segundo os critérios de Deus.

Pois – dando a razão de 1Pedro 4:5, “julgaros mortos”.

o evangelho também foi pregado a mortos – assim como a eles agora vivos, e aos que forem achados vivos na vinda do Juiz. “Morto” deve ser entendido no sentido literal, conforme 1Pedro 4:5, que refuta a explicação “morto” em pecados. Além disso, a ausência do artigo não restringe “morto” a determinadas pessoas mortas, pois não há artigo em 1Pedro 4:5 também, onde “o morto” tem significado universal. O sentido parece, Pedro, representando a atitude da Igreja em todas as épocas esperando Cristo a qualquer momento, diz: O Juiz está pronto para julgar os vivos e mortos – os mortos, digo, pois eles também, em sua vida, tiveram o Evangelho pregado a eles, para que sejam por fim julgados como aqueles que agora vivem (e aqueles que estarão vivos quando Cristo vier), isto é, ‘homens na carne’, e que podem, tendo escapado da condenação ao abraçar o Evangelho assim pregado, viver para Deus no espírito (embora a morte tenha atravessado a sua carne: Lucas 20:38), assemelhando-se assim a Cristo na morte e na vida (veja, 1Pe 3:18). [JFU, 1871]

7 O fim de todas as coisas está próximo; portanto sede sóbrios, e vigiai em orações.

Retomando o assunto de 1 Pedro 4:5.

O fim de todas as coisas – e, portanto, também da devassidão (1Pe 4:3-4) dos ímpios e dos sofrimentos dos justos (Bengel). A proximidade pretendida não é a do mero “tempo”, mas a do Senhor; conforme Ele explica para evitar mal-entendidos, e defende Deus da acusação de procrastinação: Vivemos na última dispensação, não como os judeus do Antigo Testamento. O Senhor virá como um ladrão; Ele está “pronto” (1Pe 4:5) para julgar o mundo a qualquer momento; é somente a longanimidade de Deus e Sua vontade que o Evangelho seja pregado como um testemunho a todas as nações, que O leva a estender o tempo.

sóbrios – “auto-contidos”. Os deveres opostos aos pecados em 1 Pedro 4:3 são aqui incutidos. Assim, “sóbrios” é o oposto de “libertinagem” (1Pe 4:3, NVI).

vigiai. No grego, “seja sóbrio vigilante”; não embriagado com preocupações e prazeres mundanos. A temperança promove a vigilância e a atenção, e ambas favorecem a oração. [JFU, 1871]

8 Acima de tudo, tende fervoroso amor uns para com os outros; porque o amor cobre uma multidão de pecados.

o amor cobre uma multidão de pecados (Pv 10:12). Não os nossos, mas os de nossos irmãos; suas falhas e ofensas, que o amor desconsidera e perdoa, revertendo a regra tão humana da indulgência para consigo mesmo e da severidade para com os outros. Os romanistas, equivocadamente consideram que aqui significa que ações de benevolência para com os pobres proporcionam perdão pelo pecado, pois, como Lutero diz corretamente, “Somente a fé só pode cobrir o pecado por ti diante de Deus”. [Whedon, 1874]

9 Proporcionai hospitalidade uns aos outros, sem murmurações.

(Rm 12:13; Hb 13:2). O acolhimento dos que dela necessitam, especialmente os exilados pela fé, como representantes de Cristo.

sem murmurações. “Aquele que dá, faça-o com simplicidade”, isto é, com sinceridade de coração aberto; com cordialidade. Não falando secretamente contra a pessoa que acolhemos, nem o desprezando pelo favor que lhe conferimos. [JFU, 1871]

10 Cada um sirva aos outros segundo o dom que recebeu, como bons administradores da variada graça de Deus.

Cada. Os dons do Espírito (literalmente, “dom da graça”, isto é, concedidos gratuitamente) pertencem à comunidade cristã, cada um é apenas um mordomo para a edificação do todo, não recebendo o dom apenas para si.

como bons administradores – referindo-se a Mateus 25:15, etc .; Lucas 19:13-26. [JFU, 1871]

11 Se alguém fala, que seja como as palavras de Deus; se alguém serve, que sirva segundo a força que Deus dá; a fim de que em tudo Deus seja glorificado por meio de Jesus Cristo. E a ele pertencem a glória e o poder para todo o sempre, Amém!

Se alguém fala. Como um mestre, pregador ou conselheiro.

que seja como as palavras de Deus. Como comunicações das doutrinas de Deus, e não das do orador. Em Romanos 3:2 a frase significa as revelações de Deus nas Escrituras Sagradas e, para nós, tem aqui a mesma importância prática.

se alguém serve. A referência não é ao diácono que distribui esmolas à igreja, mas a qualquer serviço que um irmão possa oferecer a outro por seus próprios meios.

segundo a força que Deus dá. Esta, nem mais nem menos, é a norma para a Igreja de todos os tempos, e a medida do dever de cada homem no reino de Cristo (Rm 12:6-8). O apóstolo, talvez, tivesse em mente a parábola do Senhor sobre os talentos (Mt 25:14-30).

em tudo Deus seja glorificado. Assim Ele será através de toda essa consagração e dedicação de cada homem ao seu dom de fazer todo o bem possível às almas e aos corpos dos homens.

E a ele. Cristo, porque a ele, como Mediador, pertence a glória de todos os bons dons concedidos e de seu uso correto, e o poder que capacita para fazer o bem. [Whedon, 1874]

12 Amados, não estranheis o fogo ardente que vem sobre vós para vos provar, como se algo estranho estivesse vos acontecendo.

não estranheis. Eles podem achar estranho que Deus permita que Seus filhos escolhidos sejam severamente provados.

fogo ardente. Como o fogo pelo qual os metais são submetidos e sua escória removida. [Whedon, 1874]

13 Em vez disso, alegrai-vos em serdes participantes das aflições de Cristo; para que, também na revelação de sua glória vos alegreis com júbilo.

vos alegreis com júbilo. Agora vocês se alegram com os sofrimentos; então se EXULTAREIS, para sempre livres dos sofrimentos (1Pe 1:6,8). Se não suportarmos o sofrimento por Cristo agora, teremos de suportar os sofrimentos eternos no futuro. [JFU, 1871]

14 Se vós sois insultados por causa do nome de Cristo, benditos sois; porque o Espírito da glória e de Deus repousa sobre vós.

por causa do nome de Cristo, ou seja, como cristãos (1Pe 4:163:14); Marcos 9:41: “em meu nome, porque sois de Cristo”. 1Pedro 4:15, “como assassino, ladrão”, etc., está em contraste. Que o seu sofrimento seja por causa de Cristo, não por causa de más ações (1Pe 2:20).

o Espíritosobre vós – o mesmo Espírito que repousou sobre Cristo (Lc 4:18). “O Espírito da glória” é o Seu Espírito, pois Ele é o “Senhor da glória” (Tg 2:1, ARC). Os crentes podem superar os “insultos” (compare Hb 11:26), porque sobre eles repousa, como sobre Ele, o “Espírito da glória”. Os insultos não podem impedir a felicidade deles, porque conservam diante de Deus toda a sua glória, como tendo o Espírito, com quem a glória está inseparavelmente unida (Calvino).

e de Deus. No grego “e o (Espírito) de Deus”; insinuando que “o Espírito da glória” (que é o Espírito de Cristo) é também o Espírito de Deus. [JFU, 1871]

15 Porém nenhum de vós sofra como homicida, ladrão, malfeitor, ou como alguém que se intromete em assuntos alheios;

comomalfeitor. Como um homem perverso; ou como culpado de injustiça contra outros [Barnes, 1870].

16 Mas se sofre como cristão, não se envergonhe; ao contrário, glorifique a Deus com esse nome;

como cristão – o nome dado primeiro em Antioquia (At 11:2626:28); os únicos três lugares onde o termo ocorre. No início os crentes não tinham um nome distinto, mas eram chamados entre si “irmãos” (At 6:3), “discípulos” (At 6:1), “os do caminho” (At 9:2), “santos” ( Rm 1:7; pelos judeus (que negavam que Jesus era o Cristo, e assim nunca originariam o nome Cristão), em desprezo, “nazarenos”. Em Antioquia, onde os primeiros gentios idólatras (Cornélio, At 10:1-2, não um idólatra, mas um prosélito) se converteram, e um amplo trabalho missionário começou, eles não podiam mais ser vistos como uma seita judaica, e assim os gentios os designaram pelo novo nome “cristãos”. O surgimento do novo nome marcou uma nova época na vida da Igreja, uma nova etapa de seu desenvolvimento, a saber, suas missões aos gentios. A data desta epístola deve ser de quando esta designação se tornou geralmente reconhecida entre os gentios (pois até então seu uso não era comum entre os crentes) – uma prova não planejada que que o Novo Testamento foi composto quando professa, e quando o nome expunha alguém a reprovação e sofrimento, embora não ainda a perseguição sistemática.

não se envergonhe. Sofrer por causa dos próprios erros não é honra (1Pe 4:152:20) – por Cristo, não é vergonha (1Pe 4:143:13).

ao contrário, glorifique a Deus. Pedro poderia ter dito como o contraste, “ao contrário, fique honrado”; mas a honra deve ser dada a Deus, que o considera digno dela, que implicando a isenção dos juízos que virão sobre os ímpios. [JFU, 1871]

17 Pois já é tempo do julgamento começar pela casa de Deus; e se é primeiro conosco, qual será o fim daqueles que são desobedientes ao Evangelho de Deus?

Pois já é tempo do julgamento começar pela casa de Deus. A casa de Deus é a Igreja (ver 1Tm 3:15; 1Co 3:16; e 1Pe 2:5). O julgamento deve começar no santuário (Ez 9:6; ver também Jr 25:15-29). O início do julgamento é a perseguição dos cristãos, como nosso Senhor havia dito (Mt 24:8-9, e seguintes versículos); mas esse julgamento não é para condenação: “Quando somos julgados, somos castigados pelo Senhor, para não sermos condenados com o mundo” (1Co 11:32); é a prova ardente, “que é muito mais preciosa do que o ouro que perece”, o fogo refinador da aflição. E se começar por nós, qual será o fim daqueles que não obedecem ao evangelho de Deus? Compare a passagem em Jeremias já mencionada: “Pois eis que na cidade que se chama pelo meu nome eu começo a castigar; e vós ficaríeis impunes?” Compare também a pergunta do nosso Senhor: “Porque, se fazem isto à árvore verde, o que se fará com a árvore seca?” Gerhard (citado por Huther) comenta acertadamente,“Exaggeratio est in interrogatione”. A pergunta sugere respostas horríveis demais para as palavras. [Pulpit, 1897]

18 E se o justo se salva com dificuldade, em que situação aparecerá o ímpio e pecador?

com dificuldade. Compare com “como passado pelo fogo” (1Co 3:15). “O justo” tem provação, mas a solução é certa, e a entrada no reino finalmente abundante. O “com dificuldade” marca a gravidade da provação e a improbabilidade (do ponto de vista humano) dos justos que a suportarem; mas a justiça de Cristo e a eterna aliança de Deus tornam isso possível.

aparecem (no julgamento) o ímpio (aquele que não tem consideração por Deus; descrição negativa) e pecador (amante do pecado; positiva). O mesmo homem é ao mesmo tempo indiferente a Deus e amante do pecado. [JFU, 1871]

19 Portanto, os que sofrem segundo a vontade de Deus, confiem suas almas ao fiel Criador, fazendo o bem.

Conclusão de 1 Pedro 4:17-18. Visto que os piedosos sabem que seus sofrimentos acontecem pela vontade de Deus, para seu bem (1Pe 4:17), para castigá-los a fim de que não pereçam com o mundo, eles devem confiar em Deus alegremente em meio aos sofrimentos, perseverando em fazer bem.

segundo a vontade de Deus (veja 1Pe 3:17). A vontade de Deus para que o crente sofra (1Pe 4:17) é para o bem dele. Um manuscrito mais antigo e a Vulgata leram “em boas ações”; contraste maus atos, 1Pe 4:15. Nosso comprometimento de nós mesmos com Deus é ser, não em quietismo indolente e passivo, mas acompanhado de ações ativas.

fiel (às promessas da sua aliança) Criador – que é, portanto, o nosso Sustentador Todo-Poderoso. Ele, não nós, deve manter nossas almas. O pecado destruiu a relação espiritual entre nós e o Criador, deixando apenas a do governo. A fé a restaura isso; de modo que o crente, vivendo para a vontade de Deus (1Pe 4:2), repousa implicitamente na fidelidade do seu Criador. [JFU, 1871]

<1 Pedro 3 1 Pedro 5>

Visão geral de 1 Pedro

Na primeira carta de Pedro, o apóstolo ” oferece esperança aos Cristãos perseguidos e os orienta com instruções práticas sobre como viver uma vida consistente com o seguir Jesus”. Para uma visão geral desta carta, assista ao breve vídeo abaixo produzido pelo BibleProject. (8 minutos)

🔗 Abrir vídeo no Youtube.

Leia também uma introdução à Primeira Epístola de Pedro.

Todas as Escrituras em português citadas são da Bíblia Livre (BLIVRE), Copyright © Diego Santos, Mario Sérgio, e Marco Teles – fevereiro de 2018.