Bíblia, Revisar

2 Pedro 3

1 Amados, eu já vos escrevo esta segunda carta, em ambas as quais eu desperto vosso sincero entendimento por meio da relembrança;

– “Agora, uma segunda epístola eu escrevo”. Portanto, ele havia escrito ultimamente a antiga epístola. As sete epístolas católicas foram escritas por Tiago, João e Judas, pouco antes de sua morte; anteriormente, embora tendo a perspectiva de ainda estar vivo por algum tempo, eles sentiram que era menos necessário escrever (Bengel).

até você – A Segunda Epístola, embora mais geral em seu discurso, ainda incluía especialmente as mesmas pessoas que a Primeira Epístola estava particularmente endereçada.

puro – literalmente, “puro quando examinado pela luz do sol”; “Sincero.” Adulterado sem erro. Oposto a “ter o entendimento obscurecido”. Alford explica: A mente, vontade e afeição em relação ao mundo exterior, sendo transformada em Deus [o Sol da alma], e não obscurecida por considerações carnais e egoístas.

por meio da – grego, “em”, “em vos relembrar” (2Pe 1:12-13). Você já sabe (2Pe 3:3); só é necessário que eu te lembre (Jz 1:5).

2 Para que vos lembreis das palavras que anteriormente foram ditas pelos santos profetas, e do nosso mandamento, dos apóstolos do Senhor e Salvador.

profetas – do Antigo Testamento.

de nós – Os manuscritos mais antigos e Vulgata ler: “E do mandamento do Senhor e Salvador (declarado) por seus apóstolos” (assim “apóstolo dos gentios”, Rm 11:13) – os apóstolos que vivem entre vocês no tempo presente, em contraste com os “profetas” do Antigo Testamento.

3 Sabendo primeiro isto: que nos últimos dias virão escarnecedores, andando segundo seus próprios maus desejos,

Sabendo disso primeiro – da palavra dos apóstolos.

virá – Sua muito escárnio confirmará a verdade da previsão.

escarnecedores – Os manuscritos mais antigos e a Vulgata acrescentam: “(escarnecedores) em (isto é, ‘com’) escárnio.” Como Ap 14:2, “harping com harpas”.

andando segundo seus próprios maus desejos – (2Pe 2:10; Jz 1:16,18). Seu próprio prazer é sua única lei, irrestrita pela reverência a Deus.

4 E dizendo: Onde está a promessa da vinda dele? Pois desde que os pais dormiram, todas as coisas continuam como desde o princípio da criação.

(Compare Sl 10:11; 73:11) Ceticismo presunçoso e luxúria sem lei, colocando a natureza e suas chamadas leis acima do Deus da natureza e da revelação, e argumentando a partir da continuidade passada dos fenômenos da natureza que pode haver nenhuma interrupção futura para eles, foi o pecado dos antediluvianos, e será o dos escarnecedores nos últimos dias.

Onde – implicando que deveria ter acontecido antes disto, se alguma vez acontecer, mas que nunca acontecerá.

a promessa – que vocês, crentes, estão buscando continuamente o cumprimento de (2Pe 3:13). O que acontece com a promessa da qual você fala tanto?

dele – de Cristo; o assunto da profecia desde os primeiros dias.

os pais – a quem a promessa foi feita, e que depositou todas as suas esperanças nela.

todas as coisas – no mundo natural; os céticos não olham além disso.

como eram – continuam como fazem; enquanto os vemos continuar. Desde o tempo da promessa da vinda de Cristo como Salvador e Rei sendo dado aos pais, até o tempo presente, todas as coisas continuam, e continuaram, como são agora, desde o “começo da criação”. escarnecedores ”aqui não são necessariamente ateus, nem sustentam que o mundo existiu desde a eternidade. Eles estão dispostos a reconhecer um Deus, mas não o Deus da revelação. Eles raciocinam por parecerem atrasos contra o cumprimento da palavra de Deus.

5 Porque eles ignoram isto por sua própria vontade, que pela palavra de Deus desde os tempos antigos é que foram os céus, e que a terra saiu da água, e sobre a água continua.

Refutação de suas zombarias da história das Escrituras.

voluntariamente – intencionalmente; eles não querem saber. Sua ignorância é voluntária.

eles… são ignorantes – em contraste com 2Pe 3:8, “Não ignore isto”. Literalmente, em ambos os versos, “Isto escapa à SUA notação (filósofos sagazes que eles mesmos pensam)”; “Que isso não escape da tua atenção.” Eles obstinadamente fecharam os olhos para o registro bíblico da criação e do dilúvio; o último é o próprio paralelo ao julgamento vindouro pelo fogo, que Jesus menciona, como Pedro, sem dúvida, lembrou.

pela palavra de Deus – não por uma coincidência fortuita de átomos (Alford).

do grego antigo, “do velho”; desde o primeiro começo de todas as coisas. Uma confutação de sua objeção, “todas as coisas continuam como eram desde o início da criação”. Antes do dilúvio, a mesma objeção à possibilidade do dilúvio poderia ter sido impelida com a mesma plausibilidade: os céus e a terra têm Foi DE VELHA, quão improvável, então, que eles não devem continuar assim! Mas, responde Pedro, o dilúvio veio apesar de seus raciocínios; assim também a conflagração da terra virá apesar dos “escarnecedores” dos últimos dias, mudando toda a ordem das coisas (o presente “mundo”, ou como grego significa “ordem”), e introduzindo os novos céus e terra (2Pe 3:13).

a terra saiu – grego, “consistindo de”, isto é, “formado da água”. As águas sob o firmamento estavam na criação reunidas em um lugar, e a terra seca emergia de cima para cima delas.

em, etc. – sim, “por meio da água”, como um grande instrumento (junto com o fogo) nas mudanças operadas na superfície da Terra para prepará-lo para o homem. Unidos juntos pela água. A terra surgiu da água pela eficácia da própria água (Tittmann).

6 Pelas quais o mundo anterior foi destruído, coberto com as águas do dilúvio.

Pelas quais – grego, “pelo qual” (plural). Por meio do qual céus e terra (em relação às ÁGUAS que fluíam juntos de ambos) o mundo pereceu (isto é, em relação a seus ocupantes, homens e animais, e sua ordem então existente: não foi aniquilada); pois no dilúvio “as fontes das grandes profundidades foram quebradas” da terra (1) abaixo, e “as janelas do céu” (2) acima “foram abertas”. A terra foi inundada por aquela água da qual ela tinha originalmente surgido.

7 E os céus e a terra de agora, pela mesma palavra estão reservados, e são guardados para o fogo até o dia do juízo, e da perdição das pessoas ímpias.

(Compare o trabalho 28: 5, final).

que são agora – “o mundo visível pós-diluviano”. Em contraste com “aquele então era”, 2Pe 3:6.

o mesmo – Outros manuscritos mais antigos dizem: “Dele” (de Deus).

mantido na loja – grego, “estimado”.

reservados – “guardado”. É somente a providência vigilante de Deus que mantém unido o estado atual das coisas até o Seu tempo para terminá-lo.

8 Mas amados, desta uma coisa não ignoreis: que um dia para o Senhor é como mil anos, e mil anos como um dia.

não ignoreis – como aqueles escarnecedores são (2Pe 3:5). Além da refutação deles (2Pe 3:5-7) extraída da história do dilúvio, aqui ele acrescenta outro (mais dirigido aos crentes do que aos escarnecedores): o atraso de Deus em cumprir Sua promessa não é, como os homens atrasos, devido à incapacidade ou inconstância em manter Sua palavra, mas através de “longanimidade”.

esta uma coisa – como a consideração de importância principal (Lc 10:42).

um diamil anos – (Sl 90:4): Moisés diz: A tua eternidade, sem distinção entre mil anos e um dia, é o refúgio de nós, criaturas de um dia. Pedro vê a eternidade de Deus em relação ao último dia: esse dia parece-nos, seres de vida curta, que demoram a chegar, mas com o Senhor o intervalo é independente da ideia de longo ou curto. Sua eternidade excede todas as medidas do tempo: para o Seu conhecimento divino todas as coisas futuras estão presentes: Seu poder requer não longos atrasos para o desempenho de Sua obra: Sua longanimidade exclui toda expectativa impaciente e pressa ansiosa, como nós homens sentimos. Ele é igualmente abençoado em um dia e em mil anos. Ele pode fazer o trabalho de mil anos em um dia: assim em 2Pe 3:9 é dito: “Ele não é negligente”, isto é, “lento”: Ele tem sempre o poder de cumprir Sua “promessa”.

mil anos como um dia – Nenhum atraso que ocorra é longo para Deus: quanto a um homem de inúmeras riquezas, mil guinéus são como um único centavo. Oeonologe de Deus (medidor de idade eterna) difere totalmente do horologe do homem (ampulheta). Seu gnomon (ponteiro de discagem) mostra todas as horas de uma vez na maior atividade e em perfeito repouso. Para Ele, as horas passam, nem mais devagar, nem mais rapidamente, do que convém à Sua economia. Não há nada que faça com que Ele precise apressar ou atrasar o fim. As palavras “com o Senhor” (Sl 90:4, “À Tua vista”) silenciam todas as objeções do homem com base em sua incapacidade de entender isso (Bengel).

9 O Senhor não é tardio em sua promessa (como alguns a consideram tardia); mas ele é paciente para conosco, não querendo que alguns pereçam, mas sim que todos venham ao arrependimento.

folga – lenta, tardia, atrasada; excedendo o tempo devido, como se aquele tempo já tivesse chegado. Hb 10:37, “não tardará”.

sua promessa – que os escarnecedores criticam. 2Pe 3:4: “Onde está a promessa?” Ela certamente será cumprida “segundo a sua promessa” (2Pe 3:13).

alguns – os “escarnecedores”.

contar – Sua promessa de ser o resultado de “negligência” (atraso).

longanimidade – esperando até que o número completo de pessoas designadas para “salvação” (2Pe 3:15) seja completado.

para nós-ala – Os manuscritos mais antigos, a Vulgata, o siríaco, etc., leram “em direção a VOCÊ”.

qualquer – não desejando que algum, sim, mesmo que os escarnecedores, perecessem, o que seria o resultado se Ele não desse espaço para o arrependimento.

venham – vá e seja recebido ao arrependimento: o grego implica que há espaço para que sejam recebidos ao arrependimento (compare grego, Mc 2:2; Jo 8:37).

10 Mas o dia do Senhor virá como um ladrão durante a noite, no qual os céus se desfarão com grande estrondo, e os elementos queimando se dissolverão, e a terra e as obras que nela há serão descobertas.

A certeza, a rapidez e os efeitos concomitantes da vinda do dia do Senhor. Faber argumenta a partir disso que o milênio, etc., deve preceder a vinda literal de Cristo, e não segui-lo. Mas “o dia do Senhor” compreende toda a série de eventos, começando com o advento pré-milenista, e terminando com a destruição dos ímpios, e conflagração final, e julgamento geral (que intervém por último entre a conflagração e a renovação dos eventos). a Terra).

vai – enfático. Mas (apesar dos escarnecedores, e apesar do atraso) venha e esteja presente no dia do Senhor.

como um ladrão – Pedro se lembra e repete a imagem de seu Senhor (Lc 12:39,41) usada na conversa em que ele participou; assim também Paulo (1Ts 5:2) e João (Ap 3:316:15).

os céus – que os escarnecedores dizem que “continuarão” como são (2Pe 3:4; Mt 24:35; Ap 21:1).

com um grande barulho – com um ruído agudo, como o de uma flecha zumbindo, ou o estrondo de uma chama devoradora.

obras – os materiais componentes do mundo (Wahl). No entanto, como “as obras” na terra são mencionadas separadamente da “terra”, então é provável que “elementos”, mencionados depois de “os céus”, significam “as obras ali”, ou seja, o sol, a lua, e as estrelas (como Teófilo de Antioquia [pg 22, 148, 228]; e Justino Mártir [Apologia, 2.44], usam a palavra “elementos”): estes, como na criação, assim na destruição do mundo, são mencionados (Bengel) Mas como “elementos” não são tão usados ​​nas Escrituras Gregas, talvez se refiram aos materiais componentes dos “céus”, incluindo os corpos celestes; claramente pertence à primeira cláusula, “os céus”, não ao seguinte, “a terra” etc.

derreta – dissolva-se, como em 2Pe 3:11.

as obras … aí – da natureza e da arte.

11 Visto, pois, que todas estas coisas estão para serem desfeitas, de que maneira vós deveis ser em santo comportamento e piedade,

Seu dever, vendo que isto é assim, é estar sempre esperando ansiosamente o dia de Deus.

então – Alguns manuscritos mais antigos substituem “assim” por “então”: uma refutação feliz do “assim” dos escarnecedores, 2Pe 3:4 (Versão em Inglês, “Como eram”, grego, “assim”).

para serem – grego, “estão sendo (na nomeação de Deus, em breve a ser cumprida) dissolvido”; o tempo presente implicando a certeza como se estivesse realmente presente.

que tipo de homens – exclamatório. Quão vigilante, orante e zeloso!

ser – não o mero verbo substantivo grego da existência ({einai}), mas ({huparchein}) denotando um estado ou uma condição em que se supõe que seja (Tittmann). Que homens santos devem ser encontrados quando o evento chegar! Este é o “santo mandamento” mencionado em 2Pe 3:2.

conversa … piedade – grego, plural: comportamentos (para com os homens), piedade (ou piedade para com Deus) em seus múltiplos modos de manifestação.

12 esperando, e tendo pressa para a vinda do dia de Deus, pelo qual os céus, incendiados, se desfarão, e os elementos, inflamados, se derreterão.

tendo pressa – com uma largura ansia desejada (Wahl), orando e contemplando, uma vinda do Salvador como se estivesse em mãos. O grego pode significar “apressar (isto é, persuadir (Alford)) o dia de Deus”; não é uma indicação de direito de Deus do tempo seja mutável, mas Deus é um instrumento de execução para os eventos que devem ser feitos em todo o mundo. Rezando por Sua vinda, promovendo a pregação do Evangelho como testemunha para todas as nações, e trazendo aqueles que “a longanimidade de Deus” espera para salvar, nós apressamos a vinda do dia de Deus. O verbo grego está sempre no Novo Testamento usado como neutro (como a versão em inglês aqui), não ativo; mas a Septuaginta usa ativamente. Cristo diz: “Certamente cedo venho. Amém. ”Nossa parte é acelerar a consumação ao orar:“ Ora vem, Senhor Jesus ”(Ap 22:20).

a vinda – grego, “presença” de uma pessoa: geralmente, do Salvador.

o dia de Deus – Deus deu muitas miríades de dias aos homens: um será o grande “dia de Deus”.

em que – sim como grego, “por causa (ou devido a) que” dia.

céus – as regiões superiores e inferiores do céu.

derreter – Nossas rochas ígneas mostram que elas já estiveram em estado líquido.

13 Porém, segundo a sua promessa, aguardamos novos céus e nova terra, em que a justiça habita.

Porém – “Mas”: em contraste com os efeitos destrutivos do dia de Deus, existem seus efeitos construtivos. Como o dilúvio foi o batismo da terra, ocorrendo em uma terra renovada, parcialmente liberta da “maldição”, assim o batismo com fogo purificará a terra de modo a ser a renovada morada do homem regenerado, totalmente livre da maldição.

sua promessa – (Is 65:1766:22). O “nós” não é enfático como na versão inglesa.

novos céus – novos céus atmosféricos que cercam a terra renovada.

a justiça – habita naquele mundo vindouro como sua característica essencial, tendo todas as poluições sido removidas.

14 Por isso, amados, aguardando essas coisas, procurai que por ele sejais achados incontaminados e irrepreensíveis em paz;

ser encontrado dele – “à Sua vista” (Alford), em Sua vinda; claramente implicando uma vinda pessoal.

incontaminados – no próximo casamento festa do Cordeiro, em contraste com 2Pe 2:13, “Spots eles são e manchas, enquanto eles festa”, não tendo em traje de casamento puro do rei.

irrepreensível – (1Co 1:8; Fm 1:10; 1Ts 3:135:23).

em paz – em todos os seus aspectos, em direção a Deus, a sua própria consciência e a seus semelhantes, e como consequência a bem-aventurança eterna: “o Deus da paz” efetuará isso para você.

15 E considerai como salvação a paciência de nosso Senhor; assim como também nosso irmão Paulo vos escreveu, segundo a sabedoria que lhe foi dada;

E considerai como salvação a paciência – ela é destinada para a salvação daqueles que ainda não foram reunidos na Igreja: ao passo que aqueles escarnecedores “contam (para ser o resultado de) negligência” da parte do Senhor (2Pe 3:9).

nosso amado irmão Paulo – um belo exemplo de amor e humildade. Pedro elogia as próprias epístolas que contêm sua condenação.

segundo a sabedoria que lhe foi dada – adotando a própria linguagem de Paulo, 1Co 3:10: “Segundo a graça de Deus que me é dada como um sábio mestre-construtor”. A sabedoria sobrenatural e inspirada “DÁ” a ele, não adquirido em escolas humanas de aprendizagem.

escreveu – um aoristo grego, “escreveu”, como uma coisa totalmente passada: Paulo estava a esta altura morto ou deixara de ministrar a eles.

vos – Gálatas, Efésios, Colossenses, a mesma região que Pedro aborda. Compare “em paz”, 2Pe 3:14, uma exposição prática da qual Pedro agora mostra como Paulo concorda perfeitamente (que escreveu a Epístola aos Gálatas) e ele é, apesar do evento registrado (Gl 2:11-14). ). Cl 3:4 refere-se à segunda vinda de Cristo. A Epístola aos Hebreus, também (dirigida não apenas aos palestinos, mas também secundariamente aos cristãos hebreus em todos os lugares), pode ser referida como Pedro principalmente (embora não exclusivamente) aborda em ambas Epístolas os cristãos hebreus da dispersão em 1Pe 1:1). Hb 9:27-28; Hb 10:25,37, “fala destas coisas” (2Pe 3:16) que Pedro tem tratado, ou seja, a vinda do dia do Senhor, retardada por sua “longanimidade”; próximo e repentino.

16 Como também em todas as suas cartas, ele fala nelas destas coisas; entre as quais há algumas coisas difíceis de entender, as quais os ignorantes e os inconstantes distorcem, assim como também as outras Escrituras, para a própria perdição deles.

Como também em duas as suas cartasRm 2:4 é muito semelhante ao início de 2Pe 3:15. As cartas paulinas eram a propriedade comum de todas as igrejas. O “todas” parece implicar que elas estavam completadas. O assunto da vinda do Senhor é tratado em 1Ts 4:135:11; compare 2Pe 3:10 com 1Ts 5:2.

entre as quais há algumas coisas difíceis de entender – a saber, em referência à vinda de Cristo, por exemplo, as declarações quanto ao homem do pecado e a apostasia, antes da vinda de Cristo. “Paulo parecia assim atrasar a vinda de Cristo a um período mais longo do que os outros apóstolos, de onde alguns duvidaram completamente da Sua vinda” (Bengel). Embora haja algumas coisas difíceis de serem compreendidas, há bastante além de simples, fácil e suficiente para aperfeiçoar o homem de Deus (2Tm 3:16-17). “Há pouca coisa tirada dos lugares obscuros, mas o mesmo em outros lugares pode ser encontrado mais claro” (Agostinho). São nossos próprios preconceitos, expectativas tolas, e fantasias carnais, que tornam a Escritura difícil (Jeremy Taylor).

os ignorantes – Não são aqueles que querem aprendizado humano, mas aqueles que não têm o conhecimento transmitido pelo Espírito. Os humanamente aprendidos têm sido frequentemente os mais deficientes em aprendizado espiritual e originaram muitas heresias. Compare 2Tm 2:23, uma palavra grega diferente, “sem instrução”. Quando a religião é estudada como uma ciência, nada é mais obscuro; quando estudada para conhecer e praticar nosso dever, nada é mais fácil.

os inconstantes – ainda não estabelecidos no que aprenderam; abalados por toda dificuldade aparente; que, em textos desconcertantes, em vez de esperar até que Deus, pelo Seu Espírito, os esclarece comparando-os com outras Escrituras, adotam apressadamente visões distorcidas.

distorcem – forçando e torcendo, como um parafuso, o que é reto em si mesmo (por exemplo, 2Tm 2:18).

outras Escrituras – As cartas de Paulo foram por esta época reconhecidas na Igreja como “escritura”, um termo nunca aplicado em qualquer dos cinquenta lugares onde ela ocorre, exceto aos escritos do Antigo e do Novo Testamento. Homens em cada igreja com discernimento de espíritos, teriam impedido que qualquer escrita não inspirada fosse equiparada à palavra de Deus do Antigo Testamento; as vidas dos apóstolos foram providencialmente prolongadas – a de Paulo e Pedro, pelo menos até trinta e quatro anos depois da ressurreição de Cristo; a de João, até trinta anos depois; de modo que a fraude no cânon está fora de questão. Os primeiros três evangelhos e Atos estão incluídos nas “outras escrituras”; talvez todos os livros do Novo Testamento, exceto João e Apocalipse, escritos mais tarde.

para a própria perdição deles – não por culpa de Paulo (2Pe 2:1). [JFU]

17 Portanto vós, amados, sabendo disto com antecedência, guardai-vos para que, pelo engano dos maus, não sejais juntamente arrebatados, e caiais de vossa firmeza.

Ye – advertido pelo caso daquelas pessoas “indoutas e instáveis” (2Pe 3:16).

sabendo … antes – o evento.

Levou-o embora – o próprio termo, como lembra Pedro, usado por Paulo de Barnabé “sendo” carregado “, grego”, levou embora “Pedro e os outros judeus em sua hipocrisia”.

ímpios – “sem lei”, como em 2Pe 2:7.

queda de – (graça, Gl 5: 4: a verdadeira fonte de) “firmeza” ou estabilidade em contraste com o “instável” (2Pe 3:16): “estabelecido” (2Pe 1:12): todos os parentes gregos termos. Compare Jz 1:20-21.

18 Mas crescei em graça e conhecimento de nosso Senhor e Salvador Jesus Cristo. A ele seja a glória, tanto agora como no dia da eternidade, Amém!

crescei – Não só não “cair de” (2Pe 3:17), mas crescer para a frente: o verdadeiro segredo de não voltar atrás. Ef 4:15: “Cresça nele, o cabeça, Cristo”.

graça e … conhecimento de … Cristo – “a graça e conhecimento de Cristo” [Alford, com razão]: a graça da qual Cristo é o autor, e o conhecimento de que Cristo é o objeto.

para sempre grego “, para o dia da eternidade”: o dia que não tem fim: “o dia do Senhor”, começando com a vinda do Senhor.

<2 Pedro 2 1 João 1>

Introdução à 2 Pedro 3

A certeza da vinda de Cristo e seus acompanhamentos declararam-se em oposição aos escarnecedores prestes a se levantarem. Deus está há muito sofrendo um motivo para o arrependimento, como as epístolas de Paulo expuseram; Exortação concludente ao crescimento no conhecimento de Cristo.

Leia também uma introdução à Segunda Epístola de Pedro.

Adaptado de: Commentary Critical and Explanatory on the Whole Bible. Todas as Escrituras em português citadas são da Bíblia Livre (BLIVRE), Copyright © Diego Santos, Mario Sérgio, e Marco Teles – fevereiro de 2018.