Bíblia

1 Pedro 1

Aviso Quer estudar a Bíblia e não sabe por onde começar? Conheça o nosso curso: Como Estudar a Bíblia? Ele é gratuito, online e pode ser iniciado agora mesmo! Clique aqui e saiba mais.


1 Pedro, apóstolo de Jesus Cristo, aos forasteiros que estão espalhados em Ponto, Galácia, Capadócia, Ásia e Bitínia,

Pedro. Grego de Cefas, que significa “pedra”.

apóstolo de Jesus Cristo. “Aquele que prega de outra maneira que não seja como um mensageiro de Cristo, não deve ser ouvido: se ele pregar como tal, então é tudo como se você tivesse ouvido Cristo falando diante de ti”cccc(Lutero).

aos forasteiros que estão espalhados. Literalmente, “os peregrinos da dispersão”.  Dispersão (“diaspora” no grego), é a designação particularmente dada a condição dos judeus exilados depois do cativeiro babilônico. Ela aparece somente aqui, em Jo 7:35 e Tg 1:1, no Novo Testamento, e na Septuaginta, como “os dispersos de Israel” (Sl 147:2).

A estes, como o apóstolo da circuncisão, Pedro dirige-se principalmente, mas não apenas no sentido temporal: ele considera sua condição temporal como uma sombra de seu chamado espiritual para serem estrangeiros e peregrinos na terra, procurando a Jerusalém celestial como seu lar (Hb 11:8-10). Assim, os cristãos gentios, como o Israel espiritual, são incluídos secundariamente, como tendo o mesmo elevado chamado. Ele (1Pe 1:142:104:3) claramente se refere aos gentios cristãos (compare com 1Pe 1:17). Os cristãos, se eles considerarem corretamente seu chamado, nunca devem se estabelecer aqui, mas se sentirem viajantes. Assim como os judeus em sua dispersão espalharam através das nações o conhecimento do único Deus, preparatório para o primeiro advento de Cristo, assim os cristãos, através de sua dispersão entre os não convertidos, difundem o conhecimento de Cristo, preparatório para Seu segundo advento. Os “filhos de Deus dispersos” constituem um todo em Cristo, que os “reúne em um”, agora parcialmente e em espírito, no futuro perfeitamente e visivelmente. “Eleitos” (no grego, versículo 2) vem antes de “forasteiros”: eleitos, em relação ao céu; forasteiros, em relação à terra. [JFU]

2 escolhidos segundo o pré-conhecimento de Deus Pai, por meio da santificação do Espírito, para a obediência e a aspersão do sangue de Jesus Cristo. Que a graça e a paz vos sejam multiplicadas.

pré-conhecimento de Deus. Amor predestinador (1Pe 1:20), inseparável da pré-conhecimento de Deus, a origem da qual, e o modelo segundo o qual, a eleição ocorre. At 2:23 e Rm 11:2, provam que “presciência” é predestinação. A presciência de Deus não é a percepção de qualquer fundamento de ação fora de Si mesmo; ainda nela a liberdade é compreendida e toda restrição absoluta é suprimida (Anselmo em Steiger). Pois assim o Filho de Deus foi “conhecido de antemão” (assim o original grego para “preordenado”, 1Pe 1:20) para ser o Cordeiro sacrificial, não contra, ou sem a Sua vontade, mas a Sua vontade descansou na vontade do Pai; isso inclui ação autoconsciente; não, mesmo alegre consentimento. O hebraico e o grego “conhecer” incluem aprovação e reconhecimento como próprios. O hebraico marca a unicidade de amar e escolher, por ter uma palavra para ambos. Pedro descende da eterna “eleição” de Deus, através do novo nascimento, para a “santificação” dos crentes, para que a partir daí ele possa novamente levantá-los através da consideração do seu novo nascimento para uma “esperança viva” da “herança” celestial (Heidegger). Os três divinos são introduzidos em suas respectivas funções na redenção.

por meio da. O elemento em que somos eleitos. A “eleição” de Deus realizou-se e manifestou-se “por meio da” sua santificação. Os crentes são “santificados pela oferta de Cristo uma vez por todas” (Hb 10:10). “Tu deves acreditar e saber que és santo; não, todavia, por tua própria piedade, mas pelo sangue de Cristo” (Lutero). A verdadeira santificação do Espírito é obedecer ao Evangelho, confiar em Cristo (Bullinger).

santificação. O Espírito separa o santo como consagrado a Deus. A execução da escolha de Deus (Gl 1:4). Deus Pai nos dá a salvação pela eleição gratuita; o Filho o ganha pelo Seu derramamento de sangue; o Espírito Santo aplica o mérito do Filho à alma pela palavra do Evangelho (Calvino). Compare com Nm 6:24-26, a bênção trina do Antigo Testamento.

para a obediência. O fim visado por Deus no que diz respeito a nós, a obediência que consiste na fé e a que flui da fé: “obediência à verdade pelo Espírito” (1Pe 1:22; Rm 1:5).

e a aspersão…Não a justificação através da expiação de uma vez por todas, que é expressa nas sentenças anteriores, mas (como prova a ordem) a aspersão diária pelo sangue de Cristo, purificação de todo pecado, que é privilégio de alguém já justificado e “andando na luz” (1Jo 1:7; Jo 13:10).

graça. A fonte da “paz”.

sejam multiplicadas. Ainda mais do que já. (Dn 4:1): “Vós tendes paz e graça, mas ainda não em perfeição: deveis continuar crescendo até que o velho Adão esteja morto” (Lutero). [JFU]

Leia também um estudo sobre a onisciência de Deus.

3 Bendito seja o Deus e Pai de nosso Senhor Jesus Cristo. Segundo sua grande misericórdia, ele nos regenerou para uma esperança viva, por meio da ressurreição de Jesus Cristo dentre os mortos.

Pedro começa, como Paulo na abertura de suas Epístolas, dando graças a Deus pela grande salvação; aqui ele olha para frente (1) no futuro (1Pe 1:3-9); (2) para trás no passado (1Pe 1:10-12) (Alford).

Bendito. Totalmente! Sua benção sendo auto-derivada, e nossa benção a Ele sendo apenas uma atribuição de algo que lhe pertence. Eulogetos (grego) no Novo Testamento é restrito a Deus; eulogeemenos (abençoado com bênçãos vindas de fora) é dito do homem, e até do Messias como homem (Mt 21:9; 25:34, compare com João 12:13; Lc 1:28,42);  baarak (hebraico), significa, literalmente, “ajoelhar-se”. Abençoar qualquer um, sem referência a Deus como a fonte original da bênção, é idolatria (Sl 103:22; Ap 5:12).

Pai. Toda esta epístola está de acordo com a oração do Senhor; “Pai” (1Pe 1:3,14,17,23; 2:2) “nosso” (1Pe 1:4, fim) “que estais no céu” (1Pe 1:4); “santificado seja o teu nome” (1Pe 1:15-163:15) “venha o teu reino” (1Pe 2:9), “seja feita a tua vontade” (1Pe 2:153:174:2,19); “pão de cada dia” (1Pe 5:7); “perdão dos pecados” (1Pe 4:8); “tentação” (1Pe 4:12); “libertação” (1Pe 4:18) (Bengel): compare com 1Pedro 3:74:7, para alusões à oração”.

Segundo sua grande misericórdia. Que a “misericórdia” de Deus chegue até nós, inimigos culpados, prova a sua plenitude. A “misericórdia” encontrou a nossa miséria, a “graça” a nossa culpa.

ele nos regenerou – do Espírito pela palavra (1Pe 1:23); enquanto nós éramos filhos da ira, mortos naturalmente em pecados.

para uma esperança viva. Ele tem vida em si, a dá e a busca como objeto (De Wette). Viver é a expressão favorita de Pedro (1Pe 1:232:4-5). Ele se alegra em contemplar a vida vencendo a morte. Fé e amor seguem a esperança (1Pe 1:8,21-22). para uma esperança viva é explicada mais adiante por (para) uma herança incorruptívelque não pode ser enfraquecida”, e (para) salvaçãopronta para se revelar no último tempo”. Prefiro com Bengel e Steiger se juntem como no grego: para uma esperança viva (possuindo vida e vitalidade) por meio da ressurreição de Jesus Cristo. A fé, meio subjetivo da ressurreição espiritual da alma, é operada pelo mesmo poder com que Cristo ressuscitou (Ef 1:19-20). O batismo é um meio objetivo (1Pe 3:21). Seu fruto moral é uma nova vida. A conexão de nossa filiação com a ressurreição aparece também em Lucas 20:36; Atos 13:33. A ressurreição de Cristo é:

  • (1) a causa eficiente da nossa ressurreição (1Co 15:22);
  • (2) a Causa exemplar: todos os santos ressuscitarão semelhante à Sua ressurreição (Fp 3:21).

Nossa esperança é: Cristo ressuscitando instituiu o poder, e é o padrão da ressurreição do crente. A alma, nascida de novo da natureza para a graça, também nasce de novo para a vida de glória. Mt 19:28, “regeneração, quando o Filho do homem se assentar no trono da sua glória”; a ressurreição de nossos corpos é uma saída do ventre da terra, um nascimento para uma vida imortal (Dr. Pearson). Nossa adoção particular é agora (Gl 4:6); nossa adoção pública, na próxima ressurreição. As quatro causas da salvação são:

  • (1) a causa primária, a misericórdia de Deus;
  • (2) a causa imediata, a morte e ressurreição de Cristo;
  • (3) a causa formal, nossa regeneração;
  • (4) a causa final, nossa felicidade eterna.

Como João é o discípulo do amor, também Paulo da fé e Pedro da esperança. Por isso, Pedro, acima de todos os apóstolos, exorta à ressurreição de Cristo; uma coincidência indesejada entre a história e a epístola, e assim uma prova de genuinidade. A ressurreição de Cristo foi a circunstância da sua própria restauração por Cristo depois da sua queda (Mc 16:7). [JFU]

4 E o resultado disso é uma herança incorruptível, incontaminável, e que não pode ser enfraquecida. Ela está guardada nos céus para vós,

E o resultado disso é uma herança. O objeto da nossa “esperança” (1Pe 1:3), que não é, portanto, uma esperança morta, mas sim uma esperança “viva”. A titularidade da herança já é do crente, sendo realmente atribuída a ele; a entrada em sua posse é futura e esperada como uma certeza. Ao ser “gerado de novo” como um “filho”, ele é um “herdeiro”, como pais terrenos geram filhos para herdar seus bens. A herança é “salvação” (1Pe 1:5,9); “a graça que será trazida na revelação de Cristo” (1Pe 1:13; 5:4).

incorruptível. Não tendo o princípio da morte. As negações das imperfeições são aqui o principal meio de nos transmitir uma concepção das coisas que “não subiram ao coração do homem”, visto que nossas capacidades são agora insuficientes para compreendê-las. Pedro, impulsivo e suscetível às impressões exteriores, era mais provável que sentisse dolorosamente a corrupção profundamente enraizada que espreitava sob as mais belas coisas terrenas, e as condenava à rápida decadência.

incontaminável. Não manchada pelo pecado como bens terrestres, seja na aquisição, seja no uso deles; incapaz de qualquer mancha. “O homem rico é um homem desonesto ou o herdeiro de um homem desonesto” (Jerônimo, 347-420 d.C). Até mesmo a herança de Israel foi contaminada pelo pecado. A contaminação invade até mesmo nossas coisas sagradas agora, ao passo que o serviço de Deus deveria ser imaculado.

e que não pode ser enfraquecida. Contraste 1Pe 1:24. Até mesmo a parte mais delicada da herança celestial, seu florescimento, continua imperecível. “Em substância incorruptível; em pureza imaculada; em beleza imperecível” (Alford).

Ela está guardada. Reservada (Cl 1:5, “reservada para ti no céu”, 2Tm 4:8); perfeita (teteereemeneen), expressando um estado permanente, “que foi e é reservado”. A herança está fora de risco, fora do alcance de Satanás, embora nós para quem ela é reservada ainda estejamos em meio a perigos. Se somos crentes, nós também (1Pe 1:5), assim como a herança, somos “guardados” (o mesmo grego, Jo 17:12).

nos céus. Onde esta herança não pode ser destruída nem saqueada. Pedro lembra-se do sermão de Jesus no monte (Mt 6:20). Não se segue que, porque agora esteja guardada no céu, não será daqui por diante também na terra.

para vós. Essa herança está segura não só da desgraça, mas também da separação; nenhum outro pode recebê-la em SEU lugar. Ele tinha dito a NÓS (1Pe 1:3), agora ele se volta para os eleitos, para encorajá-los. [JFU]

5 que pela fé estais guardados no poder de Deus para a salvação, pronta para se revelar no último tempo.

guardados. Pedro responde à objeção: De que nos serve que a salvação seja “reservada” para nós no céu, como em um porto calmo e seguro, quando somos lançados no mundo como em um conturbado mar no meio de mil naufrágios? (Calvino). Como a herança está “guardada” com segurança “no céu”, assim devemos ser “guardados” no mundo para termos certeza de alcançá-la. Isto define o ” vós “de 1 Pedro 1:4. A herança pertence somente àqueles que “perseveram até o fim”, pela fé guardados NO poder de Deus. Contraste Lucas 8:13. “É o poder protetor de Deus que nos salva dos nossos inimigos. É a Sua longanimidade que nos salva de nós mesmos” (Bengel). Jd 1:1, “guardados por Jesus Cristo”; Fp 4:7, “guardará”. Esta guarda é feita pelo poder de Deus, a causa eficiente; pela fé, por parte do homem, o meio eficaz.

No. O crente vive espiritualmente em Deus, em virtude do Seu poder; e Deus vive nele. No assinala a causa é inerente a Deus, trabalhando organicamente através dela com influência viva, de modo que os meios existam também na causa. O poder de Deus que guarda o crente não é uma força que opera sobre ele de fora mecanicamente, mas sim o poder espiritual de Deus em que ele vive, e com cujo espírito é revestido (1Cr 12:18; Ag 1:13). Ele desce, depois habita nele, assim como ele [o crente] está nele (Steiger). Que ninguém se orgulhe por está sendo guardado pelo poder de Deus para a salvação, se não anda pela . Nem o conhecimento teórico e a razão, nem as obras de caridade, valerão de nada, separadas da fé. É através da fé que a salvação é recebida e guardada.

para a salvação. O fim último do novo nascimento. “Salvação”, não meramente cumprida por nós em título através de Cristo, e nos entregue em nosso crer, mas realmente manifestada e definitivamente completada.

pronta para se revelar. Quando Cristo for revelado, a “salvação” será revelada. Os preparativos para isso estão sendo feitos agora, e começaram quando Cristo veio: “Tudo já está preparado”; a salvação já está cumprida, e só espera que o tempo do Senhor se manifeste: “Ele está pronto para julgar”.

no último tempo. O último dia, fechando o dia da graça; o dia do juízo, da redenção, da restauração de todas as coisas e da ruína dos ímpios. [JFU, 1871]

6 Nisso vos alegrais, ainda que agora seja necessário que estejais por um pouco de tempo entristecidos com várias provações,

Nisso. Nesta perspectiva da salvação final.

vos alegrais. “exultem de alegria”: “sejam extremamente alegres”. A salvação é realizada pela fé (1Pe 1:9) como uma coisa tão presente a ponto de causar alegria, apesar das aflições existentes.

ainda que agora. No original grego, “por um pouco de tempo”.

seja necessário. “se for da vontade de Deus que seja assim” (Alford), pois nem todos os crentes são afligidos. Não é preciso pedir ou colocar uma cruz sobre si mesmo, mas apenas “tomar” a cruz que Deus impõe (“sua cruz”); a interpretação de 2 Timóteo 3:12 não deve ser forçada demais. Nem todo crente, nem todo pecador é provado com aflições (Teofilatos). Alguns pensam falsamente que, apesar do nosso perdão em Cristo, é necessária uma espécie de redenção, ou expiação pelo sofrimento.

que estejais por um pouco de tempo entristecidos. A “aflição” é considerada como passado, a “alegria” presente. Porque a compreensão da alegria da salvação vindoura faz com que a dor presente pareça uma coisa do passado. No primeiro momento de aflição, ficaram aflitos, mas agora, antecipadamente se alegram, considerando a tristeza presente como passado.

várias. Muitas e de vários tipos (1Pe 4:12-13).

provações. Testando sua fé. [JFU, 1871]

7 para que a prova de vossa fé, muito mais preciosa que o ouro que perece (mesmo sendo provado pelo fogo), seja achada em louvor, glória, e honra, na revelação de Jesus Cristo.

Objetivo das “provações”.

prova. Para que a sua fé assim provada seja achada (aoristo; de uma vez por todas, como o resultado de ser provado no dia do julgamento) em louvor, isto é, o louvor a ser concedido pelo Juíz.

muito mais preciosa que o ouro que perece (mesmo sendo provado pelo fogo). Se o ouro, embora perecendo (1Pe 1:18), ainda é provado com fogo para remover a escória e testar sua genuinidade, quanto mais sua fé, que nunca perecerá, precisa passar por uma prova ardente para remover qualquer defeito, e para testar sua genuinidade e pleno valor?

louvor, glória, e honra. “Honra” não é tão forte quanto “glória”. Como “louvor” é em palavras, assim “honra” é em ações: recompensa de honra.

na revelação. Na revelação de Cristo deve ocorrer também a revelação dos filhos de Deus (Rm 8:19; 1Jo 3:2). [JFU, 1871]

8 A ele, sem terdes visto, vós o amais. Ainda que não estejais o vendo agora, mas crendo nele, vós estais alegres com júbilo indescritível e glorioso.

sem terdes visto, vós o amais. embora em outros casos seja o conhecimento da pessoa que lhe produz amor. São mais “bem-aventurados os que não viram e ainda creram” do que os que creram porque viram. Sobre o amor de Pedro por Jesus, compare João 21:15-17. Embora os apóstolos O tivessem visto, eles agora deixaram de conhecê-Lo meramente segundo a carne.

Ainda que. Conectado com crendo: o resultado disso é “vós estais alegrais”.

agora. No presente estado, em contraste com o estado futuro, quando os crentes “verão o Seu rosto”.

indescritível (1Co 2:9).

glorioso. Uma alegria já envolvida pela glória. A “glória” está em parte na condição atual, através da presença de Cristo, “o Senhor da glória”, na alma; em parte em expectativa segura. “A alegria do cristão está ligada ao amor a Jesus: sua base é a ; não é, portanto, nem egoísta nem auto-suficiente” (Steiger). [JFU, 1871]

9 Assim estais alcançando o resultado da fé: a salvação das vossas almas.

alcançando (com expectativa segura) o resultado da fé, isto é, sua consumação final, finalmente completa salvação (Pedro aqui confirma o ensinamento de Paulo quanto à justificação pela fé): também recebendo agora a titularidade dela e sua primícias. Em 1Pedro 1:10 a “salvação” é representada como já presente, enquanto que “os profetas” ainda não a tinham. Deve, portanto, neste versículo, referir-se ao presente: Libertação agora de um estado de ira: os crentes já “recebem a salvação”, embora sua plena “revelação” seja futura. [JFU, 1871]

10 Dessa salvação os profetas que profetizaram a respeito da graça direcionada a vós procuraram entender, e com empenho investigaram,

A magnitude desta “salvação” é comprovada pela seriedade com que “profetas” e até mesmo “anjos” a procuraram. Mesmo desde o princípio do mundo esta salvação tem sido testemunhada pelo Espírito Santo.

profetas. Embora não haja um artigo no grego, ainda assim a versão em português está correta, “os profetas” em geral (incluindo todos os autores inspirados no Antigo Testamento), assim como “os anjos” se referem a eles em geral.

a respeito da graça direcionada a vós. A graça do Novo Testamento. Os crentes do Antigo Testamento também possuíam a graça de Deus; eles eram filhos de Deus, mas era como filhos em sua menor idade, como se fossem servos; enquanto nós desfrutamos dos plenos privilégios de filhos adultos.

e com empenho investigaram. Muito mais é manifestado a nós do que pela diligente investigação e busca que os profetas fizeram. Não se diz, porém, que eles procuravam por ela, mas sim a respeito dela. Eles já estavam convencidos de que a redenção estava prestes a chegar. Eles não a viram plenamente como nós, mas desejavam conhecer o único e o mesmo Cristo a quem vemos plenamente em espírito. “Como Simeão desejava ansiosamente, e ficou em tranquilo em paz somente quando viu Cristo, todos os santos do Antigo Testamento viram Cristo apenas oculto e ausente — ausente não em poder e graça, mas na medida em que ainda não estava manifestado na carne” (Calvino). Os profetas, particularmente, tiveram que refletir sobre o sentido oculto e de longo alcance de suas profecias; porque suas palavras, como profetas, em sua função pública, eram as palavras do Espírito, falando por e neles: assim Caifás. Um testemunho marcante da inspiração verbal; as palavras que os autores inspirados escreveram são palavras de Deus expressando a mente do Espírito, que os próprios escritores investigaram, para compreender o significado profundo e precioso, assim como os leitores crentes fazem. O termo “investigaram” implica que eles tinham determinadas coordenadas a seguir em sua busca. [JFU, 1871]

11 procurando saber qual era o tempo ou ocasião que o Espírito de Cristo dentro deles indicava, quando dava prévio testemunho dos sofrimentos de Cristo e das glórias seguintes.

qual era o tempo ou ocasião. No original grego, “Em referência a que, ou que modo de tempo”. O que expressa o tempo absolutamente: o que seria a era da vinda do Messias; que tipo de tempo; que eventos e aspectos caracterizariam o tempo da Sua vinda. O “ou” implica que alguns dos profetas, se não pudessem como indivíduos descobrir o tempo exato, buscaram em suas características e acontecimentos. O grego para o “tempo” é a estação, a época, o momento apropriado nos propósitos de Deus.

Espírito de Cristo dentro deles (At 16:7, nos manuscritos mais antigos, “o Espírito de Jesus”; Ap 19:10). Justino Mártir disse: “Jesus era Aquele que apareceu e comungou com Moisés, Abraão e os outros patriarcas”. Clemente de Alexandria o chama de “o Profeta dos profetas e o Senhor de todo o espírito profético”.

quando dava prévio testemunho dos sofrimentos de Cristo. No grego, “os sofrimentos (designados) para Cristo”, ou preditos em relação a Cristo. “Cristo”, o Mediador ungido, cujos sofrimentos são o preço da nossa “salvação” (1Pe 1:9-10), e que é o canal da “graça direcionada a vós”.

das glórias. De sua ressurreição, de sua ascensão, de seu julgamento e reino vindouro, a consequência necessária dos sofrimentos.

seguintes. No original grego, “depois destes (sofrimentos)”, 1Pedro 3:18-225:1. Visto que o Espírito de Cristo é o Espírito de Deus, Cristo é Deus. É somente porque o Filho de Deus se tornou nosso Cristo que Ele se manifestou e o Pai através Dele no Antigo Testamento, e pelo Espírito Santo, eternamente procedente do Pai e de Si, falou nos profetas. [JFU, 1871]

12 A eles foi revelado que não foi para eles mesmos, mas sim para vós, que eles prestaram serviço com estas coisas. E agora, elas vos foram anunciadas pelos que, pelo Espírito Santo enviado do céu, vos pregaram o Evangelho. Tais coisas os anjos desejam atentamente observar.

Não só o futuro foi revelado a eles, mas também que estas revelações do futuro não foram dadas para eles mesmos, mas para o nosso bem nos tempos do Evangelho. Isto, longe de ser desanimador, só os vivificava a dar um testemunho abnegado no Espírito para o bem parcial da própria geração (só dos crentes) e para o pleno benefício da posteridade. Contraste nos tempos dos Evangelhos (Ap 22:10.). Não que as suas profecias fossem desacompanhadas de instrução espiritual quanto ao Redentor para a sua própria geração, mas a luz plena não seria dada antes da vinda do Messias; foi bom que eles tivessem esta “revelação”, para que eles não ficassem desanimados em não descobrir claramente, com toda a sua investigação e busca, os detalhes completos da “salvação” vindoura. Para Daniel (Dn 9:25-26) o “tempo” foi revelado. Nossos imensos privilégios são, portanto, evidenciados em contraste com os deles, por mais que tenham tido a grande honra do Espírito de Cristo falando neles; e isto, como um incentivo para uma seriedade ainda maior de nossa parte do que até mesmo eles manifestaram (1Pe 1:13 etc.).

vós. Este verso implica que nós, cristãos, com a ajuda do Espirito Santo, podemos entender as profecias em sua parte mais importante, isto é, contanto que elas já tenham sido cumpridas.

pelo Espírito Santo enviado do céu. No dia de Pentecostes. Os evangelistas que falavam pelo Espírito Santo eram testemunhas infalíveis. O “Espírito de Cristo” estava também nos profetas (1Pe 1:11), mas não manifestamente, como no caso da Igreja Cristã e seus primeiros pregadores, “ENVIADO do céu”. Quão favorecidos somos em sermos ministrados a respeito da “salvação”, tanto por profetas como por apóstolos, estes últimos anunciando agora as mesmas coisas que de fato se cumpriram e que os primeiros predisseram.

Tais coisas. “as coisas relatadas a vocês” pelos pregadores evangelísticos, “os sofrimentos de Cristo e a glória que deve seguir” (1Pe 1:11-12).

anjos. Ainda maiores do que “os profetas” (1Pe 1:10). Os anjos não possuem mais do que nós mesmos um conhecimento INTUITIVO de redenção. “Olhar para dentro” literalmente no grego, ” curvar-se de modo a olhar profundamente para dentro e ver o fundo de uma coisa”. Veja em Tg 1,25, na mesma palavra. Assim como os querubins se curvacam sobre o propiciatório, o símbolo da redenção, no lugar mais santo, assim também os anjos olham atentamente e desejam compreender as profundezas do “grande mistério da piedade: Deus manifesto na carne, justificado no Espírito, visto pelos anjos” (1Tm 3:16). Seu “ministério aos herdeiros da salvação” naturalmente os dispõe a desejar penetrar neste mistério como refletindo tal glória no amor, justiça, sabedoria e poder de seu e de nosso Deus e Senhor. Eles só podem conhecê-lo por meio de sua manifestação na Igreja, já que eles pessoalmente não têm a participação direta nele que temos. “Os anjos têm apenas o contraste entre o bem e o mal, sem o poder de conversão do pecado à justiça: testemunhando essa conversão na Igreja, anseiam penetrar no conhecimento dos meios pelos quais ela se realiza” (Hoffman em Alford). [JFU, 1871]

13 Portanto, preparai as vossas mentes, sede sóbrios, e esperai completamente na graça que vos será trazida na revelação de Jesus Cristo.

Portanto. Visto que os profetas vos serviram nestes altos privilégios do Evangelho, dos quais eles próprios não participaram plenamente, embora os “investigassem”, e vendo que até mesmo os anjos “querem olhar para eles”, quão fervorosos deveis ser e atentos em relação a eles!

preparai as vossas mentes. Em algumas versões:“cingindo os lombos do vosso entendimento”, referindo-se às próprias palavras de Cristo (Lc 12:35); uma imagem tirada do modo como os israelitas comiam a páscoa com o manto externo solto, cingido pela cintura com um cinto, prontos para uma viagem. Trabalhadores, peregrinos, corredores, lutadores e guerreiros (todos eles são tipos de cristãos), cinjam-se, tanto para encurtar a vestimenta, a fim de não impedir o movimento, e para cingir o próprio corpo, de modo a se prepararem para a ação. O crente deve ter sua mente (poderes mentais) sempre pronta para a vinda de Cristo. A sobriedade, isto é, o autocontrole espiritual, para que não se seja vencido pelas seduções do mundo e dos sentidos, e a espera paciente e esperançosa da revelação de Cristo, são as verdadeiras formas de “cingir os lombos do entendimento”.

esperai completamente. Ou então, “perfeitamente”, para que não haja nada de insuficiente na vossa esperança, nenhuma perda da vossa confiança. Ainda assim, pode haver uma alusão ao “fim” mencionado em 1Pedro 1:9. Esperai tão completamente (em grego, teleios) a ponto de chegar até o fim (telos) de sua fé e esperança, ou seja, a graça que vos será trazida na revelação de Jesus Cristo. ”Assim como a graça será aperfeiçoada, assim você deve esperar perfeitamente. “Esperança” é repetida em 1Pe 1:3. As duas aparições são apenas diferentes estágios da ÚNICA grande revelação de Cristo, compreendendo o Novo Testamento desde o começo até o fim. [JFU, 1871]

14 E, como filhos obedientes, não vos conformeis com os maus desejos do passado, de quando éreis ignorantes.

Da sobriedade de espírito e perseverança da esperança, Pedro passa à obediência, à santidade e ao temor reverencial.

Como. Marcando seu atual caráter real como “nascido de novo” (1Pe 1:3,22).

filhos obedientes. No original grego, “filhos da obediência”: filhos aos quais a obediência é sua natureza característica e dominante, como um filho é da mesma natureza que a mãe e o pai. Contraste com Efésios 5:6, “os filhos da desobediência”. Compare 1Pe 1:17, “obedecer ao Pai” de quem vocês são “filhos”. Tendo a obediência da (compare 1Pe 1:22) e assim da prática (compare 1Pe 1:16,18). “A fé é a mais alta obediência, porque cumpre a mais alta ordem” (Lutero).

conformeis. A forma exterior (grego, schema) é passageira, e meramente superficial. A “forma”, ou conformação no Novo Testamento, é algo mais profundo e mais perfeito e essencial.

maus desejos do passado. Que eram característicos do seu estado de ignorância de Deus: verdade tanto para os judeus como para os gentios. A santificação é descrita pela primeira vez negativamente (1Pe 1:14, não vos conformeis, etc .; o despojamento do velho homem, mesmo na forma exterior, bem como na conformação interior), então positivamente (1Pe 1:15, vestindo o novo homem, compare Ef 4:22,24). Os maus desejos decorrem do pecado original (herdado dos nossos primeiros pais, que por vontade própria trouxeram o pecado ao mundo), da cobiça que, desde que o homem foi alienado de Deus, procura preencher com coisas terrenas o vazio do seu ser; as múltiplas formas que a mãe cobiça assume são chamadas nas suas múltiplas concupiscências. No regenerado, no que diz respeito ao novo homem, que constitui o seu eu mais verdadeiro, o ” pecado ” já não existe; mas na carne ou no velho homem ele existe. Daí surge o conflito, mantido ininterruptamente através da vida, no qual prevalece o homem novo no essencial, e por fim completamente. Mas o homem natural só conhece o confronto de suas concupiscências entre si, ou com a lei, sem poder para vencê-las. [JFU, 1871]

15 Ao contrário; assim como aquele que vos chamou é santo, sede vós também santos em todo o vosso comportamento.

Literalmente: “Mas (sim) segundo o padrão daquele que vos chamou (cuja característica é que Ele é) santo, sejam (no original grego, ‘torne-se’) vós também santos”. Deus é nosso grande modelo. O chamado de Deus é um motivo frequentemente solicitado nas epístolas de Pedro. Cada um que gera, gera um filho parecido com ele (Epiphanius). “Que os atos da descendência indiquem semelhança com o Pai” (Agostinho).

comportamento. Conduta, trajetória de vida: um modo de agir, distinto, mas refletindo, a natureza interna de cada um. Os cristãos já são santos para Deus pela consagração; eles devem ser assim também em sua caminhada exterior e comportamento em todos os aspectos. O exterior deve corresponder ao homem interior. [JFU]

16 Pois está escrito: Sede santos, porque eu sou santo.

A Escritura é a fonte de toda a autoridade em matéria de doutrina e prática.

Sede santos, porque eu sou. Já que eu sou a fonte da santidade, sendo santo na minha essência, sede zelosos de participar da santidade, para que sejais como Eu sou (Dídimo). A criatura é santa somente na medida em que é santificada por Deus. Deus, ao dar a ordem, está disposto a dar também o poder de obedecer, através do Espírito santificador (1Pe 1:2). [JFU]

17 E, se vós chamais de Pai aquele que, sem acepção de pessoas, julga segundo a obra de cada um, vivei em temor o tempo de vossa peregrinação;

se vós chamais. Isto é, “visto que o chamais”, para todos os regenerados que oram como filhos de Deus, “Pai nosso que estais no céu” (Mt 6:9; Lc 11:2).

de Pai. “Invocai como Pai aquele que, não faz acepção de pessoas  (At 10:34; Rm 2:11; Tg 2:1, não aceitando o judeu acima do gentio, 2Cr 19:7; Lc 20:21; um juiz não enviesado pelo respeito das pessoas) julga, etc. O Pai julga por Seu Filho, Seu Representante, exercendo Sua autoridade delegada (Jo 5:22). Isso marca a unidade harmoniosa e completa da Trindade.

obra. A obra de cada homem é um todo, seja bom ou mau. As obras particulares de cada um são manifestações da sua obra geral de vida, seja ela de fé ou de amor, através da qual sozinhos agradamos a Deus e escapamos da condenação.

temor. Reverencial, não servil. Aquele que é o vosso Pai, também é o vosso Juiz: isso pode muito bem inspirar o temor reverencial.

peregrinação. A condição dos judeus, na sua dispersão, tipifica o estado de permanência dos crentes neste mundo, longe da nossa pátria. [JFU]

18 e sabei que não foi por coisas destrutíveis, como prata ou ouro, que fostes resgatados da vossa vã maneira de viver que recebestes dos vossos pais,

Outro motivo para o temor reverente e cauteloso (1Pe 1:17) de desagradar a Deus, a consideração do alto preço de nossa redenção do pecado. Observe, somos nós que somos comprados pelo sangue de Cristo, não o céu. Na Escritura não se diz que o sangue de Cristo compra o céu para nós: o céu é a “herança” (1Pe 1:4) dada a nós como filhos, pela promessa de Deus.

destrutíveis. Compare com 1Pedro 1:7, “ouro que perece”, 1Pe 1:23.

prata e (“ou”) ouro. Compare com as palavras do próprio Pedro em Atos 3:6: uma coincidência não proposital.

resgatados. O ouro e a prata estão sujeitos à corrupção, não podem libertar ninguém da morte espiritual e corporal; eles são, portanto, de pouquíssimo valor. Contraste com 1Pedro 1:19, o “sangue precioso” de Cristo. Os israelitas eram resgatados com meio siclo cada um, que ia para comprar o cordeiro para o sacrifício diário (Êx 30:12-16; compare Nm 3:44-51). Mas o Cordeiro que redime os israelitas espirituais o faz “sem dinheiro nem preço”. A Igreja do primogênito é redimida do pecado e da maldição com o sangue precioso de Cristo (Mt 20:28; 1​​Tm 2:6; Tt 2:14; Ap 5:9). Em todas estas passagens há a ideia de substituição, a entrega de um pelo outro mediante resgate ou equivalente. O homem é “vendido sob o pecado” como escravo; fechado sob a condenação e a maldição. O resgate foi, portanto, pago ao Juiz justamente indignado, e foi aceito por Deus como uma satisfação vicária pelo nosso pecado, na medida em que foi o Seu próprio amor e a justiça que o determinaram. Um israelita vendido como escravo para pagar uma dívida poderia ser redimido por um de seus irmãos. Assim como, portanto, não podíamos nos redimir, Cristo assumiu nossa natureza a fim de se tornar nosso parente e irmão mais próximo, e assim também nosso Deus ou Redentor. A santidade é o fruto natural da redenção da vossa vã maneira; porque aquele por quem somos redimidos é também aquele por quem somos redimidos. “Sem a justa abolição da maldição, ou não haveria libertação, ou, o que é impossível, a graça e a justiça de Deus teriam entrado em colisão” (Steiger); mas agora, tendo Cristo levado a maldição do nosso pecado, liberta dela aqueles que são feitos filhos de Deus pelo Seu Espírito.

vã maneira. Auto-enganada, irreal e inútil: prometendo o bem que não realiza. Compare com os gentios (At 14:15; Rm 1:21; Ef 4:17); quanto aos filósofos humanos (1Co 3:20); quanto aos judeus desobedientes (Jr 4:14).

de viver. Curso da vida. Para saber qual é o nosso pecado, devemos saber quanto custa.

que recebestes dos vossos pais. As tradições dos judeus. “A piedade humana é uma blasfêmia vã, e o maior pecado que um homem pode cometer” (Lutero). Há apenas um Pai a ser imitado, 1Pe 1:17; compare Mt 23:9, a mesma antítese (Bengel). [JFU, 1871]

19 mas sim, pelo sangue precioso, como de um cordeiro sem falha e sem contaminação: o sangue de Cristo.

precioso. De valor inestimável. A no grego está assim: “Com sangue precioso, como de um cordeiro sem mácula (em si mesmo) e sem mancha (contraído pelo contato com outros), [mesmo o sangue] de Cristo”. Embora fosse homem, permaneceu puro em Si mesmo (sem falha), e incontaminado por qualquer marca externa de pecado (sem mancha), que o teria inadequado para ser nosso Redentor expiatório: assim o cordeiro pascal, e toda vítima sacrificial; da mesma forma, a Igreja, a Noiva, por sua união com Ele. Assim como a redenção de Israel do Egito exigiu o sangue do cordeiro pascal, assim também a nossa redenção da maldição exigiu o sangue de Cristo; “predestinado”. (1Pe 1:20) desde a eternidade, como o cordeiro pascal era tomado no décimo dia do mês. [JFU]

20 Ele já era conhecido desde antes da fundação do mundo, mas foi manifesto no fim dos tempos por causa de vós,

A predestinação eterna de Deus do sacrifício redentor de Cristo, e a sua realização nestes últimos tempos por nós, são uma obrigação adicional à nossa prática de uma santa caminhada. A linguagem de Pedro na história corresponde (At  2:23), “conhecimento prévio”: aqui, literalmente, “presciência”: uma coincidência e marca de genuinidade não desejada. A redenção não foi um remédio pós-pensamento de um mal imprevisto. A predestinação do Redentor por Deus refuta a calúnia de que, segundo a teoria cristã, há 4.000 anos de nada mais que um Deus indignado. Deus nos escolheu em Cristo antes da fundação do mundo (Ef 1:4).

conhecido. Em Sua encarnação na plenitude do tempo. Ele existiu desde a eternidade antes de ser manifestado.

no fim dos tempos. 1Co 10:11, “fins dos templos”. Esta última dispensação, feita de “tempos” marcados por grandes mudanças, ainda mantendo uma unidade geral, estende-se desde a ascensão de Cristo até a Sua vinda ao juízo. [JFU]

Leia também um estudo sobre a onisciência de Deus.

21 que, por meio dele, credes em Deus, que o ressuscitou dos mortos e lhe deu glória, para que a vossa fé e esperança estejam em Deus.

por meio dele. Compare “a que é por Ele“, Atos 3:16. Por Cristo: Seu Espírito, obtido por nós em Sua ressurreição e ascensão, capacitando-nos a crer. Este versículo exclui todos os que não creem em Deus por Ele, e inclui os todas as épocas e lugares que o fazem. Literalmente, “são crentes em Deus”. credes EM (grego, ‘eis‘) Deus expressa uma confiança interna: “crendo amar a Deus, indo Nele, e apegando-se a Ele, unido em Seus membros. Por esta fé o ímpio é justificado, de modo que dali em diante a própria fé começa a operar pelo amor” (P. Lombard). Crer EM (grego, epi, ou caso dativo) Deus expressa a confiança, que se fundamenta em Deus, repousando sobre Ele. “Fé EM (grego, en) “Seu sangue” (Rm 3:25) iimplica que Seu sangue é o elemento EM que a fé tem seu lugar próprio e permanente. Compare com este versículo, Atos 20:21, “arrependimento para (grego, eis, voltando para e indo para) Deus e fé em (grego, eis) Cristo”: onde, como há apenas um artigo para ambos arrependimento e , os dois estão inseparavelmente unidos como formando juntos uma verdade; onde há “arrependimento”, há “fé”; quando alguém conhece Deus Pai espiritualmente, então ele deve conhecer o Filho por quem somente nós podemos vir ao Pai. Em Cristo temos vida: se não temos a doutrina de Cristo, não temos Deus. O único caminho vivo para Deus é através de Cristo e do seu sacrifício.

que o ressuscitou. A ressurreição de Jesus por Deus é a base particular do nosso “crer”: (1) porque por ela Deus declarou abertamente Sua aceitação Dele como nosso justo substituto; (2) porque por ela e por Sua glorificação Ele recebeu poder, isto é, o Espírito Santo, para dar a Seus eleitos “fé”: o mesmo poder que nos capacita a crer como O ressuscitou dentre os mortos. Nossa fé não deve estar somente Em Cristo, mas POR E ATRAVÉS de Cristo. “Visto que na ressurreição de Cristo e consequente domínio nossa segurança é fundamentada, ali a ‘fé’ e a ‘esperança’ encontram o seu lugar” (Calvino)

para que a vossa fé e esperança estejam em Deus. O objeto e o efeito do Cristo ressuscitado por Deus. Ele afirma qual foi o resultado e o fato real, não uma exortação, exceto indiretamente. Sua flui da Sua ressurreição; sua esperança da “glória que Deus lhe deu” (compare 1Pe 1:11, “glórias”). Lembre-se que Deus ressuscitou e glorificou Jesus como âncora de sua fé e esperança em Deus, e assim mantenha vivas essas graças. Além de Cristo, nós poderíamos ter apenas temido, não crido e esperado em Deus. Compare 1Pe 1:3,7-9,13, sobre a esperança em conexão com a ; o amor é introduzido em 1Pe 1:22. [JFU, 1871]

22 Uma vez que purificastes as vossas almas na obediência da verdade, para o sincero amor fraternal, amai-vos intensamente uns aos outros de coração,

purificastesna obediência da verdade. O caminho do evangelho da salvação, isto é, no fato de você creres. A purifica o coração, dando-lhe o único motivo puro, amor a Deus (At 15:9; Rm 1:5, “obediência à fé”).

para o. Com o objetivo de: o resultado próprio da purificação dos vossos corações pela fé. “Para que fim devemos levar uma vida pura? Para que assim possamos ser salvos? Não: mas por isso, para que sirvamos ao nosso próximo” (Lutero).

amor fraternal. Isto é, dos cristãos. O amor fraternal é diferente do amor comum. “O cristão ama primeiramente os que estão em Cristo; secundariamente, todos os que poderiam estar em Cristo, isto é, todos os homens, como Cristo como homem morreu por todos, e como ele espera que também eles possam se tornar seus irmãos cristãos” (Steiger). Bengel observa que, como aqui, assim em 2Pe 1:5-7, “amor fraterno” é precedido pelas graças purificadoras, “, conhecimento e piedade”, etc. O amor aos irmãos é a evidência de nossa regeneração e justificação pela fé.

amai-vos uns aos outros. Quando a purificação pela fé no amor dos irmãos tiver formado a disposição, então o ato segue, de modo que o “amor” seja ao mesmo tempo disposição e ato.

intensamente. (1Pe 4:8, “fervoroso amor”). [JFU, 1871]

23 visto que nascestes de novo, não de semente que perece, mas sim imperecível, pela viva palavra de Deus, que permanece.

A fraternidade cristã brota do nosso novo nascimento de uma semente imperecível, a palavra permanente de Deus. Esta é a consideração que aqui se pede para nos levar a exercitar o amor fraterno. Assim como a relação natural dá origem à afeição natural, assim a relação espiritual dá origem ao amor espiritual, e portanto permanente, assim como a semente da qual brota é permanente, e não transitória como as coisas terrenas.

dedepela. A palavra de Deus não é o elemento material do novo nascimento espiritual, mas seu meio ou intermediário. Por meio da palavra, o homem recebe a semente incorruptível do Espírito Santo, e assim se torna um “nascido de novo”: Jo 3:3-5, “nascido da água e do Espírito”: como há apenas um artigo grego para o dois substantivos, a íntima conexão do sinal e da graça, ou novo nascimento significado está implícito. A palavra é o instrumento remoto e anterior; batismo, o instrumento próximo e sacramental. A palavra é o instrumento em relação ao indivíduo; batismo, em relação à Igreja como sociedade (Tg 1:18). Nós nascemos de novo do Espírito, mas não sem o uso de meios, mas pela palavra de Deus. A palavra não é o próprio princípio gerador, mas apenas aquilo pelo qual ele funciona: o veículo do poder germinador misterioso (Alford).

pela viva palavra de Deus, que permanece. É porque o Espírito de Deus o acompanha que a palavra traz em si a semente da vida. Aqueles que assim nasceram de novo vivem e permanecem para sempre, em contraste com aqueles que semeiam na carne. “O Evangelho dá frutos incorruptíveis, não obras mortas, porque ele mesmo é incorruptível” (Bengel). A palavra é um eterno poder divino. Pois, embora a voz ou a fala desapareça, ainda permanece o cerne, a verdade compreendida na voz. Isto afunda no coração e está vivo; sim, é o próprio Deus. Assim Deus disse a Moisés (Êx 4:12), “Eu serei com a tua boca” (Lutero). A vida está em Deus, mas é comunicada a nós através da palavra. “O Evangelho nunca cessará, apesar de seu ministério o faça” (Calovius). A glória permanente da ressurreição está sempre ligada à nossa regeneração pelo Espírito. A regeneração que começa com a renovação da alma do homem na ressurreição, passa para o corpo, depois para todo o mundo da natureza. [JFU, 1871]

24 Pois toda carne é como a erva, e toda a sua glória como a flor da erva. A erva se seca, e a flor cai;

Prova bíblica de que a palavra de Deus vive para sempre, em contraste com a fragilidade natural do homem. Se vós nascestes de novo da carne, semente corruptível, perecereis também de novo como a erva; mas agora aquilo de que derivastes a vida permanece eternamente, e assim também tornar-vos-á eternos.

carne. Homem em sua natureza meramente terrena.

como. Omitido em alguns dos manuscritos mais antigos.

seca. Grego, aoristo: literalmente, “murcha”, isto é, é murchado como uma coisa do passado. Assim também o grego para “cai” é “caiu”, isto é, está caído assim que se vai. [JFU, 1871]

25 mas a palavra do Senhor permanece para sempre. E esta é a palavra que foi evangelizada entre vós.

Veja o Salmo 119:89.

a palavraque foi evangelizada. É eterno o que nasce da semente incorruptível (1Pe 1:24): mas recebestes a semente incorruptível, a palavra (1Pe 1:25); portanto, nascestes para a eternidade, e assim tendes agora de viver para a eternidade (1Pe 1:22-23). Não precisas procurar muito a palavra; está entre vocês, a alegre mensagem do Evangelho que pregamos. Não duvide que o Evangelho que vos foi pregado por nosso irmão Paulo, e que vocês abraçaram, é a verdade eterna. Assim se manifesta a unidade do credo de Paulo e de Pedro. [JFU, 1871]

<Tiago 5 1 Pedro 2>

Introdução à 1 Pedro 1

Esta carta foi endereço a cristãos que passavam por provações difíceis e, provavelmente, àqueles que estavam sofrendo perseguição naquele momento (1Pe 1:6-7; 3:14; 4:1,12-19). O objetivo principal em 1 Pedro 1 é os confortar em suas provações; apresentar considerações que lhes permitam sustentá-los com o espírito correto e mostrar o poder sustentador e purificador do Evangelho.

Leia também uma introdução à Primeira Epístola de Pedro.

Adaptado de: Commentary Critical and Explanatory on the Whole Bible e Notes on the Bible por Albert Barnes. Todas as Escrituras em português citadas são da Bíblia Livre (BLIVRE), Copyright © Diego Santos, Mario Sérgio, e Marco Teles – fevereiro de 2018.