Bíblia

1 João 1

1 O que era desde o princípio, o que ouvimos, o que vimos com os nossos olhos, o que temos contemplado, e nossas mãos tocaram, quanto à Palavra da vida,

O que era desde o princípio – Aquilo que não “começou a ser”, mas era essencialmente (grego, “een”, não “egeneto” antes de ser manifestado (1Jo 1:2); respondendo a “aquele que é desde o princípio” (1Jo 2:13), assim o Evangelho de João, Jo 1:1,“ No princípio era a Palavra”. Pv 8:23: “Desde a eternidade eu fui ungida; desde o princípio; desde antes do surgimento da terra”.

e nossas mãos tocaram – Tomé e os outros discípulos em ocasiões distintas após a ressurreição. O próprio João havia se apoiado no peito de Jesus na última ceia. Contraste o mais sábio dos sentimentos pagãos (o mesmo grego que aqui; apalpando com AS MÃOS ”), se por acaso eles pudessem encontrar Deus (veja At 17:27). Isto prova contra Socinianos que ele está falando aqui da Palavra pessoal encarnada, não do ensino de Cristo desde o começo de Sua vida oficial.

quanto à Palavra da vida – “relativo”; depois de “ouvido”. “Ouvi” é o verbo que mais se aplica ao propósito da epístola, ou seja, a verdade que João tinha ouvido sobre a Palavra da vida, isto é, (Cristo) a Palavra que é a vida. “Ouvi”, ou seja, do próprio Cristo, incluindo todos os ensinamentos de Cristo sobre Si mesmo. Portanto, ele coloca “quanto à”  antes da “palavra da vida”, que é inaplicável a qualquer um dos verbos, exceto “ouvido”; também “ouvido” é o único dos verbos que ele recomeça em 1Jo 1:5. [JFB]

2 (pois a vida já foi manifesta, e nós a vimos, demos testemunho, e vos anunciamos a vida eterna, que estava com o Pai, e a nós foi manifesta)

a vida – Jesus, “a Palavra da vida”.

foi manifesta – que anteriormente tinha sido “com o pai”.

demos testemunho – Traduza como em 1Jo 1:3, “anunciamos” (compare com 1Jo 1:5). Anunciar é o termo geral; escrever é o particular (1Jo 1:4).

a vida eterna – grego, “a vida que é eterna”. Como a epístola começa, assim termina com “vida eterna”, que devemos sempre desfrutar, nAquele que é “a vida eterna”.

que estava com o Pai –  (1Jo 1:1) vida que estava com o Pai “desde o início” (compare Jo 1:1). Isso prova a distinção da Primeira e da Segunda Pessoas na única Divindade. [JFB]

3 o que vimos e ouvimos, isso vos anunciamos, para que também vós tenhais comunhão conosco. E a nossa comunhão é com o Pai, e com o seu Filho Jesus Cristo.

que vimos e ouvimos – retomou de 1Jo 1:1, em que a sentença interrompida por 1Jo 1:2, parêntese, foi deixada incompleta.

isso vos anunciamos – manuscritos mais antigos adicionam; a vós também que não o viram nem ouviram.

para que também vós tenhais comunhão conosco – para que também vós, que não vistes, tenhais a comunhão conosco, a qual nós, que temos visto, desfrutamos; Em que consiste essa comunhão, ele prossegue declarando: “Nossa comunhão é com o Pai e com Seu Filho”. A fé percebe o que não vemos como espiritualmente visível; até que pela fé nós também vimos, conhecemos toda a excelência do verdadeiro Salomão. Ele mesmo é nosso; Ele em nós e nós Nele. Somos “participantes da natureza divina”. Conhecemos a Deus somente por ter comunhão com Ele; Ele pode assim ser conhecido, mas não compreendido. A repetição de “com” diante do “Filho” distingue as pessoas, enquanto a comunhão com ambos, Pai e Filho, implica sua unidade. Não é acrescentado “e com o Espírito Santo”; pois é pelo Espírito Santo ou Espírito do Pai e do Filho em nós que somos capacitados a ter comunhão com o Pai e o Filho (compare com 1Jo 3:24). Os crentes desfrutam da comunhão de, mas não com o Espírito Santo. “Através de Cristo, Deus fecha o abismo que o separou da raça humana e se comunica a eles na comunhão da vida divina” (Neander). [JFB]

4 Estas coisas escrevemos para que a nossa alegria seja completa.

Estas coisas – e nenhuma outra, a saber, toda esta epístola.

escrevemos – Alguns manuscritos mais antigos omitem “até você” e enfatizam “nós”. Assim, a antítese é entre “nós” (apóstolos e testemunhas oculares) e “seu”. Escrevemos, assim, que sua alegria pode ser plena. Outros manuscritos e versões mais antigas dizem “NOSSA alegria”, a saber, que nossa alegria pode ser plena, trazendo-te também à comunhão com o Pai e o Filho. (Veja Jo 4:36, final; Fp 2:2, “Cumprai a minha alegria”, Fp 2:16; 4:1; 2Jo 1:8). É possível que “seu” possa ser uma correção de transcritores para fazer este verso se harmonizar com Jo 15:1116:24; no entanto, como João frequentemente repete frases favoritas, ele pode fazê-lo aqui, então “seu” pode ser de si mesmo. Assim, 2Jo 1:12, “seu” nos manuscritos mais antigos. A autoridade dos manuscritos e versões de ambos os lados aqui é quase equilibrada. O próprio Cristo é a fonte, objeto e centro da alegria de Seu povo (compare 1Jo 1:3, fim); é em comunhão com Ele que temos alegria, o fruto da fé. [JFB]

5 E esta é a mensagem que dele ouvimos, e vos anunciamos: que Deus é luz, e não há nele nada de trevas.

anunciamos – relatamos por sua vez; uma palavra grega diferente de 1Jo 1:3. Quando o Filho anunciou a mensagem ouvida do Pai como seu apóstolo, os apóstolos do Filho anunciam o que ouviram do Filho. João em nenhum lugar usa o termo “Evangelho”; mas a testemunha, a palavra, a verdade e aqui a mensagem.

que Deus é luz – Que luz existe no mundo natural, que Deus, a fonte da luz material, está no espiritual, na fonte da sabedoria, pureza, beleza, alegria e glória. Como toda a vida e crescimento material depende da luz, toda a vida e crescimento espiritual dependem de Deus. Como Deus aqui, assim também Cristo, em 1Jo 2:8, é chamado de “a verdadeira luz”.

e não há nele nada de trevas – negação forte; Grego: “Não, nem mesmo um grão de escuridão”; sem ignorância, erro, inverdade, pecado ou morte. João ouviu isso de Cristo, não apenas em palavras expressas, mas em Suas palavras agidas, a saber, Sua manifestação inteira na carne como “o brilho da glória do Pai”. O próprio Cristo era a personificação da “mensagem”, representando totalmente em todas as Suas declarações, feitos e sofrimentos, Aquele que é LUZ. [JFB]

6 Se dissermos que temos comunhão com Ele, e andarmos em trevas, mentimos, e não praticamos a verdade.

Se dissermos – professarmos.

que temos comunhão com Ele – (1Jo 1:3). A essência da vida cristã.

e andarmos – em ação interior e exterior, aonde quer que nos voltemos (Bengel).

em trevas – grego, “na escuridão”; oposta à “luz” (compare com 1Jo 2:8,11).

mentimos – (1Jo 2:4).

a verdade – (Ef 4:21; Jo 3:21). [JFB]

7 Porém, se andamos na luz, como ele está na luz, temos comunhão uns com os outros, e o sangue de Jesus, seu Filho, nos purifica de todo pecado.

Porém, se andamos na luz, como ele está na luz – Compare Ef 5:8,11-14. “NÓS ANDAMOS”; “Deus está (essencialmente em Sua própria natureza como ‘a luz’, 1Jo 1: 5) na luz.” ANDANDO na luz, o elemento no qual o próprio Deus é, constitui o teste de comunhão com Ele. Cristo, como nós, andou na luz (1Jo 2:6). Alford percebe, Andar na luz como Ele está na luz, não é mera imitação de Deus, mas uma identidade no elemento essencial de nossa caminhada diária com o elemento essencial do ser eterno de Deus.

temos comunhão uns com os outros – e, claro, com Deus (para ser entendido em 1Jo 1:6). Sem ter comunhão com Deus, não pode haver comunhão verdadeira e cristã uns com os outros (compare com 1Jo 1:3).

e – como resultado de “andar na luz, como Ele está na luz”.

o sangue de Jesus, seu Filho, nos purifica de todo pecado – contraído diariamente através da fraqueza pecaminosa da carne e do poder de Satanás e do mundo. Ele não está falando de justificação através de Seu sangue de uma vez por todas, mas da presente santificação (“purifica” está presente) que o crente, andando na luz e tendo comunhão com Deus e os santos, goza como Seu privilégio. Compare Jo 13:10, em grego: “Aquele que foi banhado, não precisa de a lavá-lo, mas está limpo todo o tempo.” Compare 1Jo 1:9, “purifica-nos de toda injustiça”, um passo além de “ perdoar-nos os nossos pecados”. O sangue de Cristo é o meio de limpeza, pelo qual gradualmente, já sendo justificados e em comunhão com Deus, nos tornamos limpos de todo pecado que prejudicaria nossa comunhão com Deus. A fé aplica a limpeza e purificação do sangue. Alguns manuscritos mais antigos omitem “Cristo”; outros o retêm. [JFB]

8 Se dissermos que não temos pecado, enganamos a nós mesmos, e a verdade não está em nós.

Se dissermos que – A confissão dos pecados é uma consequência necessária de “andar na luz” (1Jo 1:7). “Se te confessares pecador, a verdade está em ti; porque a verdade é ela mesma luz. Ainda não a tua vida se tornou perfeitamente leve, como os pecados ainda estão em ti, mas ainda assim já começaste a ser iluminado, porque há em ti a confissão dos pecados” (Agostinho).

não temos pecado – “TENHO”, “não tive”, não deve se referir à vida pecaminosa do passado enquanto não é convertido, mas ao estado presente no qual os crentes ainda têm pecado. Observe, “pecado” está no singular; “(Confessarmos nossos) pecados” (1Jo 1:9) no plural. O pecado se refere à corrupção do velho homem ainda presente em nós e à mancha criada pelos pecados reais que fluem daquela velha natureza em nós. Confessar nossa necessidade de purificação do pecado presente é essencial para “andar na luz”; até agora, a presença de algum pecado é incompatível com o nosso “andar em luz” principal. Mas o crente odeia, confessa e anseia por ser liberto de todo pecado, que é a escuridão. “Aqueles que defendem seus pecados, verão no grande dia se seus pecados podem defendê-los.”

enganamos a nós mesmos – não podemos enganar a Deus; nós só nos obrigamos a errar do caminho certo.

e a verdade não está em nós. (1Jo 2:4). Fé verdadeira. “A verdade a respeito da santidade de Deus e nossa pecaminosidade, que é a primeira centelha de luz em nós, não tem lugar em nós” (Alford). [JFB]

9 Se confessarmos nossos pecados, Ele é fiel e justo para nos perdoar os pecados e nos purificar de toda injustiça.

Se confessarmos – com os lábios, falando de um coração contrito; envolvendo também a confissão aos nossos semelhantes de ofensas cometidas contra eles.

fiel – às suas próprias promessas; “Verdade” à sua palavra.

e justo – não meramente a misericórdia, mas a justiça ou a justiça de Deus é estabelecida na redenção do crente arrependido em Cristo. As promessas de misericórdia de Deus, às quais Ele é fiel, estão de acordo com a Sua justiça.

para – Ele nos perdoando nossos pecados e nos purificando, etc., é em promoção dos fins da fidelidade eterna dele e justiça.

perdoar os pecados– remetendo a culpa.

e nos purificar – purificar de toda a imundícia, para que a partir de agora nos tornemos mais e mais livres da presença do pecado através do Espírito de santificação (compare Hb 9:14; e acima, ver em 1Jo 1:7).

de toda injustiça – ofensiva àquele que é justo; chamado “pecado”, 1Jo 1:7, porque “o pecado é a transgressão da lei”, e a lei é a expressão da justiça de Deus, de modo que o pecado é injustiça. [JFB]

10 Se dissermos que não pecamos, nós o fazemos de mentiroso, e a palavra dele não está em nós.

Paralelo a 1Jo 1:8.

Se dissermos que não pecamos – referindo-se à prática dos pecados atuais, mesmo após a regeneração e conversão; enquanto em 1Jo 1:8, “não temos pecado”, refere-se à atual CULPA remanescente (até purificado) dos pecados reais cometidos, e ao PECADO de nossa velha natureza corrupta ainda aderindo a nós.

nós o fazemos de mentiroso – uma gradação; 1Jo 1:6, “nós mentimos”; 1Jo 1:8, “nós nos enganamos”; o pior de tudo é que “fazemos dele um mentiroso”, negando a Sua palavra de que todos os homens são pecadores (compare com 1Jo 5:10).

e a palavra dele não está em nós – “Sua palavra”, que é “a verdade” (1Jo 1:8), nos acusa de verdade; negando isto nós dirigimos isto de nossos corações (compare Jo 5:38). Nossa rejeição de “Sua palavra” em relação a sermos pecadores, implica como consequência nossa rejeição de Sua palavra e vontade revelada na lei e no Evangelho como um todo; porque tudo isso repousa no fato de que pecamos e temos pecado. [JFB]

<2 Pedro 3 1 João 2>

Introdução à 1 João 1

1 João 1 trata d autoridade do escritor como testemunha ocular dos fatos do evangelho, tendo visto, ouvido e tocada Aquele que foi desde o princípio: Seu objetivo ao escrever: Sua mensagem. Se quisermos ter comunhão com Ele, devemos andar em luz, como Ele é luz.

Leia também uma introdução à Primeira Epístola de João.

Adaptado de: Commentary Critical and Explanatory on the Whole Bible. Todas as Escrituras em português citadas são da Bíblia Livre (BLIVRE), Copyright © Diego Santos, Mario Sérgio, e Marco Teles – fevereiro de 2018.