João 13

1 E antes da festa da páscoa, sabendo Jesus que sua hora já era vinda, para que deste mundo passasse para o Pai, havendo amado aos seus, que estavam no mundo, até o fim os amou.

Comentário de David Brown

quando Jesus soube que era chegada a sua hora de partir deste mundo para o Pai – Sobre esses belos eufemismos, ver Lucas 9:31; veja em Lucas 9:51.

havendo amado aos seus, que estavam no mundo, até o fim os amou – O significado é que, no limite de seus últimos sofrimentos, quando se poderia supor que Ele seria absorvido em suas próprias perspectivas terríveis, Ele era tão longe de esquecer “os seus”, que deviam continuar lutando “no mundo” depois que Ele “partiu para o Pai” (Jo 17:11), que em Seu cuidado por eles parecia escasso pensar de Si mesmo, salvar em conexão com eles: “Aqui está o amor”, não apenas “perseverando até o fim”, mas manifestando-se mais afetivamente quando, a julgar pelo padrão humano, menos se espera. [JFB, aguardando revisão]

2 E terminada a ceia, o diabo já havia metido no coração de Judas de Simão Iscariotes, que o traísse.

Comentário de David Brown

E terminada a ceia – em vez disso, “estar preparado”, “ser servido” ou “continuar”; pois isso não foi “terminado” está claro em Jo 13:26.

o diabo tendo agora – ou “já”.

colocado no coração de Judas … para traí-lo – referindo-se ao acordo que ele já havia feito com os principais sacerdotes (Lucas 22:3-6). [JFB, aguardando revisão]

3 Sabendo Jesus que o Pai já tinha lhe dado todas as coisas nas mãos, e que ele era vindo de Deus, e para Deus ele iria,

Comentário de David Brown

Sabendo Jesus que o Pai já tinha lhe dado todas as coisas nas mãos… – Este versículo é muito sublime e, como prefácio ao que se segue, se não nos familiarizássemos com ele, nos encheria de uma inexprimível surpresa. Uma percepção desimpedida de Sua relação com o Pai, a comissão que Ele possuía dele e Sua aproximação a Ele, possuía Sua alma. [JFB, aguardando revisão]

4 Levantou-se da ceia, e tirou as roupas, e tomando uma toalha, envolveu- a em si;

Comentário de David Brown

Ele se levanta da ceia e põe de lado suas vestes – roupas externas que impediriam a operação de lavar.

e pegou uma toalha e se cingiu – assumindo o vestido de servo. [JFB, aguardando revisão]

5 Depois pôs água em uma bacia, e começou a lavar os pés dos discípulos, e limpá-los com a toalha com que estava envolto.

Comentário de David Brown

começou a lavar – começou a lavar. Além de toda dúvida, os pés de Judas foram lavados, como todo o resto. [JFB, aguardando revisão]

6 Veio, pois, a Simão Pedro; e ele lhe disse: Senhor, tu a mim lavas meus pés?

Comentário de David Brown

Pedro; e ele lhe disse: Senhor, tu a mim lavas meus pés? – Nossa linguagem não pode trazer o contraste intensamente vívido entre o “Tu” e o “meu”, que, ao uni-los, expressa o original, pois não é bom o inglês dizer: “Senhor, Tu lavas os meus pés?” Mas toda palavra dessa questão é enfática. Até agora, e na própria pergunta, não havia nada além do mais profundo e belo espanto diante de uma condescendência com ele, que era incompreensível. Assim, embora não haja dúvida de que o coração de Pedro se rebelou contra aquilo como algo a não ser tolerado, Jesus ainda não é repreensivo, mas apenas pede que ele espere um pouco, e ele deve entender tudo. [JFB, aguardando revisão]

7 Respondeu Jesus, e disse-lhe: O que eu faço tu não o sabes agora; mas depois o entenderás.

Comentário de David Brown

Jesus respondeu e disse … O que eu não sei agora – isto é, tal condescendência precisa de explicação; está equipado para surpreender.

mas depois o entenderás – depois, significando atualmente; embora vista como uma máxima geral, aplicável a todos os ditos sombrios na Palavra de Deus, e às trevas na providência de Deus, estas palavras estão cheias de consolação. [JFB, aguardando revisão]

8 Disse-lhe Pedro: Nunca lavarás meus pés. Respondeu-lhe então Jesus: Se eu não te lavar, não tens parte comigo.

Comentário de E. W. Hengstenberg

Pedro continua a protestar. A alusão do Senhor ao fato de um mistério não foi suficiente para superar sua oposição. Para isso, ele deve ter pelo menos algum conhecimento elementar do que era o mistério. E esse conhecimento o Senhor agora lhe dá por Sua resposta. A lavagem corporal era um tipo de lavagem espiritual da contaminação do pecado. Isso por si só o salvou de ser antinatural e indigno de Cristo, e fez para os apóstolos não mais uma repreensão penetrante, mas na verdade uma evidência do amor supremo de seu Senhor. Jesus, cujo nome significa que Ele salvaria Seu povo de seus pecados, só então estará verdadeiramente em Seu elemento. Ambas as coisas devem concordar em nossa estimativa do motivo do ato: referência à omissão dos apóstolos do serviço um ao outro e a esse significado espiritual. Esta justifica o ato em sua significação real, a primeira justifica sua forma.

Que a lavagem deve ser entendida em seu sentido espiritual, para o qual os israelitas foram preparados pelas lavagens levíticas – tendo considerado as impurezas externas como a figura do pecado, de modo que as purificações eram atos simbólicos que tipificavam o que deve acontecer no pecado – é evidente a partir da circunstância de que nada mais se diz sobre a lavagem dos pés, mas apenas sobre a lavagem em geral; como também a partir do resultado que se diz decorrer do não ser lavado por Cristo. Não ter parte nEle significa não ter nada a ver com Ele, ser excluído de toda comunhão com Ele: Josué 22:24-25; 2Samuel 20:1; 1Reis 12:16; 2Coríntios 6:15. A exclusão total da comunhão de Cristo só pode ocorrer àqueles que se recusam a buscar a limpeza espiritual dEle. Com isto concorda a inegável referência a Salmo 51:4, que o ditado de nosso Senhor contém. Ali David reza a Deus: “Lava-me completamente da minha iniqüidade, e purifica-me do meu pecado”. Quando Jesus se arrogou a si mesmo o que ali se supera de Deus, Ele assumiu para si mesmo uma dignidade divina. Essa passagem do Salmo nos ensina também que a lavagem aqui se refere diretamente à concessão de perdão (νίπτειν é equivalente a ἀφιέναι ἁμαρτίας, Marcos 2:10, Mateus 9:6, que os fariseus justamente consideravam como arrogância de uma prerrogativa Divina), e não principalmente à santificação. O versículo 9 nos dá o comentário sobre o versículo 4 do Salmo: a eliminação da iniqüidade corresponde à lavagem. “Nas petições preliminares, versículos 3, 4, 5, o assunto é a bênção principal e proeminente no perdão dos pecados. E as súplicas desdobradas são ocupadas principalmente apenas com isto, versículo 9-11. Então, nos versículos 12-14, o Salmo se volta para o segundo dom, que necessariamente segue da comunicação do primeiro, a transmissão da graça santificadora de Deus”. Mas embora a lavagem nada tenha a ver principalmente com a santificação, Jesus, ao arrogar-se o poder de perdoar os pecados, assume indiretamente também o poder de criar um coração puro; pois Ele, pelo primeiro, se coloca na província de Deus, com quem o início em justificação está, segundo o Salmo 51, inseparavelmente ligado ao término em santidade.

A palavra sobre lavar deve ter encontrado uma resposta imediata em Pedro, que, em Lucas 5:8, clama: “Sou um homem pecador, ó Senhor”. A lei de Moisés tem uma palavra tão severa como esta (Números 19:20): “Mas o homem que for imundo, e não se purificar, essa alma será extirpada do meio da congregação”. Tão certo como Cristo é o três vezes Santo, certamente o homem nascido e preso ao pecado permanece separado dEle por um grande abismo, a menos que Ele preencha o grande abismo pelo perdão dos pecados. Quando aqui o ser lavado por Cristo se torna a condição fundamental de toda comunhão com Ele, temos a certeza de que o conhecimento do pecado e o desejo de ser lavado dele por Cristo são os primeiros princípios de todo o cristianismo. “Qualquer pureza que um homem possa se gabar de ter”, diz Quesnel, “a menos que Jesus nos purifique, somos indignos de sua comunhão, da comunhão de seu corpo e da glória de sua nova vida”. Que a base da doutrina da água do perdão é o sangue da expiação, aprendemos em João 19:34-35; 1João 5:6. O perdão, portanto, que Jesus concedeu durante a continuação de Sua vida terrena, deve ter tido um caráter antecipatório. [Hengstenberg, aguardando revisão]

9 Disse-lhe Simão Pedro: Senhor, lava não só meus pés, mas também as mãos e a cabeça.

Comentário de F. L. Godet

O versículo 9 nos apresenta, no caso de Pedro, uma daquelas súbitas mudanças de impressão que frequentemente observamos nele, na narrativa sinótica. Aqui está o mesmo Pedro que corre sobre a água e um momento depois clama “Eu pereço!” que fere com a espada e que foge, que entra na casa do sumo sacerdote e ainda assim nega seu Mestre. A perfeita concordância entre esses traços dispersos e a imagem cheia de vida que deles resulta provam admiravelmente neste caso como em todos os outros, como Luthardt tão bem expôs, a completa realidade da história evangélica. Todo o significado do ato de Jesus estava no fato de lavar os pés.

A natureza do ato mudava absolutamente assim que dizia respeito à cabeça, pois nesse caso não era mais um ato de humilhação. Jesus segue Pedro neste novo terreno e é isso que introduz o significado diferente dado ao ato em sua resposta. Na fundação, o que Pedro pediu, sem ter consciência disso, foi, em vez da remoção de uma mancha, uma renovação completa e, por assim dizer, um segundo batismo; ele implicitamente negou a obra já realizada nele (João 15:3). Isto é o que dá a chave para a resposta de Jesus. Esta resposta tem, naturalmente, um duplo sentido. Jesus se eleva imediatamente, como na conversa com a samaritana, do domínio material para o espiritual. Assim como, depois de tomar banho pela manhã, um homem se considera limpo o dia inteiro e se contenta em lavar os pés quando volta de fora, para remover a sujeira acidental que eles contraíram ao caminhar, assim aquele que, com seriedade, apegando-se a Cristo, rompeu com o pecado de uma vez por todas, não tem necessidade em cada contaminação particular para começar de novo esta consagração geral; ele só tem que se purificar dessa mancha pela confissão e recurso a Cristo.

Devemos recordar aqui o que Jesus diz a seus discípulos, João 15,3: “Vós já estais limpos pela palavra que vos declarei”. Ao receberem Sua palavra, eles tinham recebido em princípio a perfeita santidade da qual é o padrão na vida Nele. Não há nada mais do que transformar a lei em ato, colocando-se sempre de novo sobre os alicerces que foram lançados. Weiss pensa que toda noção de perdão no símbolo da lavagem é estranha a este contexto. Mas a ruptura fundamental com o pecado que Jesus compara ao banho completo implica um perdão geral e uma reconciliação com Deus, e cada ato de destruir um pecado particular, representado pelo lava-pés, implica o perdão particular desse pecado. Reuss objeta que a resposta de Jesus, assim explicada, desviaria o símbolo de seu sentido primitivo. Vimos que o sentido do símbolo era totalmente diferente do da disposição para a bondade com o próximo; que Jesus desejava erradicar uma má propensão do coração dos discípulos. Isto é o que dá ocasião ao novo giro que a explicação do símbolo toma em conseqüência da exigência de Pedro. Creio com Reuss, que, diga o que disser Weiss, Jesus está aqui pensando no batismo de água, o símbolo da purificação geral, e significa que não é mais necessário renovar este ato (o que Pedro pediu) do que o da própria fé de quem é o símbolo. A leitura εἰ μή, se não for, em alguns documentos de Alexandria, é uma correção do ἤ, no Textus Receptus, que é ligeiramente irregular; ἤ, do que, para οὐδενὸς ἄλλου ἤ, nada mais do que. A rejeição das palavras ἢ τοὺς πόδας, no manuscrito do Sinaitic, muda completamente o significado: “Aquele que toma banho não precisa se lavar; mas está todo limpo”. Esta leitura é uma correção ocasionada pela dificuldade de distinguir entre o banho total e a lavagem parcial. As últimas palavras: “mas ele está totalmente limpo”, devem ser explicadas assim: “Mas, longe de ter que tomar banho totalmente uma segunda vez, como você exige, seu corpo está, em geral, limpo”. Basta limpar a impureza local que os pés contraíram”.

Mas será este estado de reconciliação e consagração realmente o estado de todos? Não; há um discípulo que quebrou o vínculo que o liga a Jesus ou em cujo coração este vínculo nunca existiu. Ele é quem realmente precisaria do ato interior do qual Pedro tinha acabado de pedir o símbolo. Aqui está a primeira revelação da traição de Judas, no decorrer do jantar. Ao expressar desta forma o pesar que o pensamento deste crime faz com que Ele sinta, Jesus faz um último esforço para levar Judas ao arrependimento. E se Ele não conseguir, Ele, pelo menos, terá mostrado a seus discípulos que Ele não era a duplicidade de sua hipocrisia (João 13:19). [Godet, aguardando revisão]

10 Disse-lhe Jesus: Aquele que está lavado não necessita lavar, a não ser os pés, mas está todo limpo. E vós limpos estais, porém não todos.

Comentário de David Brown

Aquele que está lavado – neste sentido completo, para expressar qual a palavra é cuidadosamente mudada para um significado para lavar como em um banho.

não precisa – ser tão lavado mais.

a não ser os pés – não precisa fazer mais do que lavar os pés (e aqui a palavra anterior é retomada, o que significa lavar as mãos ou os pés).

mas está todo limpo – como um todo. Esta frase é singularmente instrutiva. Das duas purificações, a que aponta para o que acontece no começo da vida cristã, abrangendo a completa absolvição do pecado como um estado de culpa, e toda a libertação dela como uma vida contaminada (Apocalipse 1:5; 1Coríntios 6:11) – ou, na linguagem da teologia, Justificação e Regeneração. Essa limpeza é efetuada de uma vez por todas e nunca é repetida. A outra limpeza, descrita como a dos “pés”, é como aquela que se anda de um banho bem purificado que ainda necessita, em consequência de seu contato com a terra. (Compare Êxodo 30:18-19). É a limpeza diária que nos é ensinado a buscar, quando no espírito da adoção dizemos: “Pai nosso que estais no céu… perdoa-nos as nossas dívidas” (Mateus 6:9, 12); e, quando sobrecarregado com o sentimento de múltiplas deficiências – como que espírito terno de um cristão não é? – não é um alívio permitir lavar os pés depois de um dia de contato com a terra? Isso não é para questionar a integridade de nossa justificação passada. Nosso Senhor, enquanto graciosamente insistindo em lavar os pés de Pedro, se recusa a estender a purificação mais adiante, que a instrução simbólica destinada a ser transmitida pode não ser prejudicada.

e estais limpos – no primeiro e inteiro sentido.

porém não todos – importante, como mostrar que Judas, em vez de ser um discípulo de coração verdadeiro como o resto a princípio, e simplesmente se afastar depois – como muitos o representam – nunca experimentou aquela limpeza que fez com que os outros fossem . [JFB, aguardando revisão]

11 Porque ele bem sabia quem o trairia; por isso disse: Nem todos estais limpos.

Comentário Schaff

Que contraste com os onze essas palavras apresentam: são cheias de fé e amor, ‘limpas’; Judas com o coração cheio de paixões malignas, naquele exato momento sua traição não é coisa do futuro, mas do presente. E ainda mais! Jesus sabia disso. O olho que vê o que está no homem, viu o que estava no coração do traidor enquanto ainda lavava os pés. Pode-se perguntar: Qual é a importância do lava-pés em tal caso? Podemos apenas responder: Não é nada além de um rito externo. O banho completo deve ter sido aceito, antes que a subsequente lavagem dos pés possa trazer sua bênção para nós, ou ser outra forma que não carnal. [Schaff, aguardando revisão]

12 Quando então, tendo eles lavado os pés, e tomado suas roupas, voltou a se sentar à mesa, e disse-lhes: Entendeis o que vos tenho feito?

Comentário de David Brown

Entendeis o que vos tenho feito? – isto é, a sua intenção. A questão, no entanto, foi colocada meramente para chamar a atenção deles para a sua própria resposta. [JFB, aguardando revisão]

13 Vós me chamais Mestre, e Senhor, e bem dizeis; que eu o sou;

Comentário de David Brown

Você me chama de mestre – professor.

e Senhor – aprendendo dEle em uma capacidade, obedecendo a ele no outro.

e bem dizeis; que eu o sou – A dignidade consciente com a qual essa afirmação é feita é notável, seguindo imediatamente a Ele deixando de lado a toalha do serviço. No entanto, o que é toda essa história, mas uma sucessão de um contraste tão surpreendente do começo ao fim? [JFB, aguardando revisão]

14 Pois se eu, o Senhor, e o Mestre, tenho lavado vossos pés, também vós deveis lavar vossos pés uns aos outros.

Comentário de David Brown

Se eu então – o Senhor.

lavaram seus pés – os servos “.

vós – mas companheiros servos.

vós deveis lavar vossos pés uns aos outros – não no sentido estrito de uma lavagem literal, profanamente caricaturada por papas e imperadores, mas pelos serviços reais mais humildes uns aos outros. [JFB, aguardando revisão]

15 Porque vos tenho dado exemplo, para que como eu vos tenho feito, façais vós também.

Comentário de H. W. Watkins

para que como eu vos tenho feito, façais vós também. O exemplo está no princípio, não no ato específico; não é “o que vos fiz”, mas “conforme vos fiz”. A imitação deve ser desenvolvida na aplicação do mesmo princípio de amor e auto-sacrifício em todas as diversas circunstâncias da vida em que somos colocados. [Watkins, aguardando revisão]

16 Em verdade, em verdade vos digo, que o servo não é maior que seu senhor; nem o enviado maior que aquele que o enviou.

Comentário Cambridge

que o servo não é maior que seu senhor. Esse ditado ocorre quatro vezes nos Evangelhos, cada vez conectado a uma situação diferente: (1) para mostrar que os discípulos não devem esperar tratamento melhor do que seu Mestre (Mateus 10:24); (2) para marcar os Apóstolos com suas responsabilidades como mestres, pois seus discípulos serão como eles são (Lucas 6:40); (3) aqui; (4) com o mesmo propósito que em Mateus 10:24, mas em outra ocasião (Jo 15:20). Deduzimos que esse era um dos ditos frequentes de Cristo: é introduzido aqui com o duplo “em verdade” como de especial importância (Jo 1:51).

o enviado. No original grego apostolos. [Cambridge, 1902]

17 Se sabeis estas coisas, sereis bem-aventurados se as fizerdes.

Comentário de H. W. Watkins

A primeira sentença deste versículo assume o conhecimento deles das coisas que Ele estava ensinando (João 13:13-17). Eram, de fato, velhas lições ensinadas antes em palavras, e agora ensinadas em atos e palavras.

A segunda sentença faz com que sua bem-aventurança dependa de sua ação combinada com conhecimento. Eles já conheciam a verdade antes, mas seu conhecimento não os beneficiou, e eles precisavam neste mesmo dia ser ensinados novamente. [Watkins, aguardando revisão]

18 Não digo de todos; bem sei eu aos que tenho escolhido; mas para que se cumpra a Escritura, que diz : O que come comigo, levantou contra mim seu calcanhar.

Comentário de David Brown

Não falo de todos vocês – os “felizes sois”, de Jo 13:17, não sendo uma suposição aplicável a Judas.

Eu sei quem eu escolhi – no sentido mais elevado.

mas para que se cumpra a Escritura – ou seja, uma foi adicionada ao seu número, sem nenhum acidente ou erro, que não é Minha, mas apenas para que ele possa cumprir seu destino predito.

Quem come pão comigo, “comeu do meu pão” (Salmo 41:9), como membro da Minha família; admitiu a familiaridade mais próxima do discipulado e da vida social.

ergueu o calcanhar contra mim; virou-se contra mim, acrescentando insulto à injúria. (Compare com Hebreus 10:29). No Salmo, a referência imediata é à traição de Aitofel contra Davi (2Samuel 17:1-23), uma daquelas cenas em que o paralelo de sua história com o de Seu grande antítipo é extremamente impressionante. “O pão que alimenta deriva um significado temeroso da participação na ceia sacramental, um significado que deve ser aplicado para sempre a todos os comunicantes indignos, bem como a todos os traidores de Cristo que comem o pão da Sua Igreja” (Stier, com quem e outros, concordamos em pensar que Judas participou da Ceia do Senhor). [JFB, aguardando revisão]

19 Desde agora, antes que se faça, digo-o a vós, para que, quando se fizer, creiais que eu sou.

Comentário de David Brown

Eu lhes digo antes … que quando se trata de passar, você pode acreditar – e aconteceu quando eles precisavam profundamente de tal confirmação. [JFB, aguardando revisão]

20 Em verdade, em verdade vos digo, que se alguém receber ao que eu enviar, a mim me recebe; e quem a mim me receber, recebe a aquele que me enviou.

Comentário de David Brown

se alguém receber ao que eu enviar, a mim me recebe… – (Veja em Mateus 10:40). A conexão aqui parece ser que, apesar da desonra feita a Ele por Judas, e semelhante tratamento esperando por si mesmos, eles deveriam ser aplaudidos pela certeza de que seu ofício, assim como o Seu, era divino. [JFB, aguardando revisão]

21 Havendo Jesus dito isto, perturbou-se em espírito, e testemunhou, e disse: Em verdade, em verdade vos digo, que um de vós me trairá.

Comentário de David Brown

O anúncio de Jo 13:18 parece não ter sido suficientemente claro para ser bastante apreendido, salvo pelo próprio traidor. Ele, portanto, falará em termos para não ser mal interpretado. Mas o quanto isso custou a Ele fazer isso, aparece a partir do “problema” que veio sobre o seu “espírito” – emoção visível, sem dúvida – antes que ele fosse pronunciado. Que suscetibilidade ferida isso revela, e que delicadeza primorosa em Sua relação social com os Doze, a quem Ele não pode, sem esforço, romper o assunto! [JFB, aguardando revisão]

22 Pelo que os discípulos se olhavam uns para os outros, duvidando de quem ele dizia.

Comentário de David Brown

Mais detalhes interessantes são dados nos outros Evangelhos: (1) “Eles estavam extremamente tristes” (Mateus 26:22). (2) “Eles começaram a indagar entre si qual deles que deveria fazer isso” (Lucas 22:23). (3) “Eles começaram a dizer-lhe um por um, sou eu e outro, sou eu?” (Marcos 14:19). Corações generosos e simples! Eles odiavam o pensamento, mas, em vez de colocá-lo nos outros, cada um estava apenas ansioso para se purificar e saber se ele poderia ser o desgraçado. Eles o colocaram imediatamente ao próprio Jesus, como sabendo, sem dúvida, quem deveria fazê-lo, era o melhor, pois certamente era a evidência mais espontânea e desinteressada de sua inocência. (4) Jesus, aparentemente, enquanto este questionamento estava acontecendo, acrescentou: “O Filho do homem vai, como está escrito a seu respeito, mas ai daquele homem por quem o Filho do homem é traído! E fora bom para aquele homem se não tivesse nascido ”(Mateus 26:24). (5) “Judas,” último de todos, “respondeu e disse: Senhor, sou eu?” Evidentemente sentindo que quando todos estavam dizendo isto, se ele se calasse, aquilo por si mesmo atrairia suspeitas sobre ele. Para evitar isso, a questão é espremida para ele, mas talvez, em meio à agitação e excitação à mesa, em um tom meio suprimido, como estamos inclinados a pensar que a resposta também foi – “Tu disseste” (Mateus 26:25).), ou possivelmente por pouco mais que um sinal; porque de Jo 13:28 é evidente que até o momento em que ele saiu, ele não foi descoberto abertamente. [JFB, aguardando revisão]

23 E um dos discípulos, a quem Jesus amava, estava sentado à mesa encostado no seio de Jesus.

Comentário de David Brown

estava inclinado sobre o peito de Jesus um dos seus discípulos, a quem Jesus amava – Assim modestamente nosso evangelista se denota, recostando-se ao lado de Jesus à mesa.

Pedro … chamou-o para perguntar quem deveria ser de quem ele falava – recostando-se provavelmente no lugar correspondente do outro lado de Jesus. [JFB, aguardando revisão]

24 A este pois fez sinal Simão Pedro, que perguntasse quem era aquele de quem ele dizia.

Comentário de E. W. Hengstenberg

O presente νεύει é característico. A cena, que ele mesmo testemunhou, e com a qual teve particularmente que fazer, está imediatamente diante dos olhos do apóstolo. Que um mero aceno fosse suficiente, implica uma relação mais próxima entre João e Pedro, como é atestado por muitas outras passagens: João 20:2, João 21:7; Lucas 5:10; Lucas 22:8; Atos 3:4; Atos 8:14. O texto de Lachmann diz: καὶ λέγει αὐτῷ εἰπὲ τίς ἐστιν οὗ λέγει. Aqui, novamente, podemos aprender uma lição de cautela em relação a este texto. O aceno pressupõe que Pedro, em sua posição à mesa, não podia se comunicar com João por palavras. O λέγει entra em contradição com isso. O εἰπέ é desagradavelmente ambíguo. A visão óbvia disso seria que João deveria falar por sua própria vontade. Então surge a dificuldade de como João veio a saber, ou como Pedro poderia ter certeza de que ele sabia. De acordo com outra visão, “dizer” equivale a “pedir”. Mas então devemos esperar αὐτῷ, e “dizer” no sentido de “pedir” é estranho. A leitura surgiu sem dúvida da dificuldade sentida em apreciar a relação espiritual entre João e Pedro, e na compreensão de como um pedido poderia ser feito por um simples aceno de cabeça.

Pedro não foi instigado pela curiosidade. Ele, o homem de ação, que cortou a orelha do servo do sumo sacerdote, pensou que havia algo aqui também para ele fazer. Que Jesus tenha entrado em seu desejo, serviu para responder ao fim indicado no versículo 19. De acordo com isso, Jesus não poderia terminar com “Um de vocês me trairá”; Ele deve antes da traição mencionar o nome do traidor, embora fosse deixado preliminarmente aos cuidados do discípulo a quem Jesus amava. Ele, ao entregá-lo a João, o entregaria a todo o círculo apostólico, à Igreja cristã coletiva. [Hengstenberg, aguardando revisão]

25 E declinando-se ele ao peito de Jesus, disse-lhe: Senhor, quem é?

Comentário de Alfred Plummer

declinando-se ele ao peito de Jesus. Nossa versão faz bem em usar palavras diferentes daquelas usadas em João 13:23, mas a distinção usada é inadequada. Além disso, a mesma preposição, ‘ao’, é usada em ambos os casos; no grego as preposições também diferem. Em João 13:23 temos a postura permanente; aqui uma mudança, o mesmo verbo sendo usado como em João 13:12 (veja nota). O significado é recostar-se no peito de Jesus. Comp João 21:20, onde nossos tradutores dão uma tradução igualmente inadequada. “Este é um dos mais marcantes dos traços descritivos vívidos que distinguem a narrativa do Quarto Evangelho em geral, e que são especialmente notáveis ​​nestas últimas cenas da vida de Jesus, onde o discípulo amado foi ele mesmo uma testemunha ocular e um ator. É, portanto, lamentável que esses finos toques da imagem sejam borrados em nossas Bíblias em inglês.” 1

Alguns bons manuscritos inserem “assim” antes de “no peito de Jesus” (comp. João 4:6). [Plummer, aguardando revisão]

26 Respondeu Jesus: Aquele a quem eu der o pedaço molhado de pão. E molhando o pedaço de pão, deu-o a Judas de Simão Iscariotes.

Comentário de David Brown

Respondeu Jesus – a João, de modo que os outros não puderam ouvir.

Aquele a quem eu der o pedaço molhado de pão – um pedaço do pão embebido no vinho ou no molho do prato; uma das formas antigas de demonstrar uma consideração especial; compare Jo 13:18, “o que come comigo”. Assim, o sinal da traição de Judas foi uma expressão afetuosa, e a última, do amor ferido do Salvador! [JFU, 1871]

27 E após o pedaço de pão, entrou nele Satanás. Disse-lhe pois Jesus: O que fazes, faze-o depressa.

Comentário de David Brown

E após o pedaço de pão, entrou nele Satanás – Muito solene são estas breves dicas dos sucessivos passos pelos quais Judas alcançou o clímax de sua culpa. “O diabo já havia colocado em seu coração para trair o seu Senhor.” No entanto, quem pode dizer que lutas ele passou antes de trazer a sugestão em prática? Mesmo depois disso, no entanto, suas limitações não acabaram. Com as trinta moedas de prata já em sua posse, ele parece ainda ter estremecido – e podemos nos perguntar? Quando Jesus se inclinou para lavar os pés, pode ser que a última luta estivesse chegando à sua crise. Mas aquela palavra do salmo, sobre “alguém que comeu do seu pão que levantaria o calcanhar contra ele” (Salmo 41:9), provavelmente quase virou a escala terrível, e o anúncio ainda mais explícito, que um daqueles sentados com Ele à mesa deveria traí-lo, geraria o pensamento: “Sou detectado; agora é tarde demais para recuar. ”Naquele momento, o sopé é dado; oferta de amizade é mais uma vez feita – e como afetivamente! Mas já “Satanás entrou nele”, e embora o ato do Salvador possa parecer suficiente para lembrá-lo ainda, o inferno está agora em seu peito, e ele diz dentro de si: “A sorte está lançada; agora deixe-me passar com isso ”; temor, mendigo! ”(Veja em Mateus 12:43).

Disse-lhe pois Jesus: O que fazes, faze-o depressa isto é, por que fica aqui? Tua presença é uma restrição, e teu trabalho fica parado; tu tens o salário da iniquidade, vai trabalhar para isso! [JFB, aguardando revisão]

28 E nenhum dos que estavam sentados à mesa entendeu para que ele lhe dissera.

Comentário de David Brown

nenhum homem… sabia para que intenção ele falou isso para ele… alguns pensaram… Jesus… disse… Mas o que precisamos… ou… dar aos pobres – uma declaração muito importante, mostrando quão cuidadosamente. Jesus manteve o segredo e Judas sua hipocrisia até o fim. [JFB, aguardando revisão]

29 Pois alguns pensavam que, porque Judas tinha a bolsa, Jesus havia lhe dito: Compra o que para o que nos é necessário para a festa; ou que alguma coisa desse aos pobres.

Comentário Schaff

Naum ‘bolsa’ aqui mencionada, veja em João 12:6. A primeira suposição feita, que Judas poderia ter saído para comprar coisas necessárias ‘para a festa’, é uma prova de que a festa em si não havia começado, ou estava apenas começando. É importante observar a palavra ‘festa’. É a de João 13:1, e mostra que os discípulos esperavam participar da Ceia Pascal com Jesus. Esta expectativa o evangelista com toda a probabilidade não nos teria comunicado como fez se não soubesse que estava correta. Ele sabe que Jesus participou da festa; que o que Ele não participou foi a ‘Páscoa dos Judeus’ (comp. em João 13:1). As palavras também são muito mais conciliáveis ​​com a ideia de que o banquete estava prestes a ser realizado, do que deveria ser comido vinte e quatro horas depois. Nesta última suposição, o “mais rápido” perde todo o seu significado. No primeiro, mantém sua força. A expressão aqui empregada fornece, portanto, um poderoso argumento para a suposição de que a noite em que Jesus e Seus discípulos estavam assim reunidos era a da Ceia Pascal. De fato, foi instado que, se a Ceia ocorresse na noite do dia 14 – segundo o cálculo sagrado, no início do dia 15 – tais compras teriam sido ilegais e impossíveis, o dia 15 possuindo toda a santidade de um sábado. . Isso, no entanto, dificilmente é uma representação justa do caso. Há indicações claras tanto na Escritura (Êxodo 12:16; Levítico 23:7; Lucas 23:56) quanto na Mishná, de que foi feita uma diferença entre esses dois dias no que diz respeito à santidade, a preparação de alimentos, por exemplo, sendo expressamente permitido no último dos dois. Uma provisão rabínica, também, para a aquisição do cordeiro pascal quando a véspera da Páscoa caiu no sábado, é uma prova de que nenhuma dificuldade foi experimentada no ponto em que os dois dias não coincidiam (Mishna, tratado sábado).

A segunda suposição dos discípulos aponta para a mesma conclusão. Eles pensavam que Judas deveria dar algo aos pobres; e que deveria ser dado “mais rapidamente”. Isso dificilmente poderia ser mera caridade geral para com os pobres. O tempo não era muito propício para o exercício de tal caridade, e não havia necessidade de que fosse dada imediatamente. Somos obrigados, portanto, a pensar não na caridade em geral, mas naquela ajuda particular que, em conformidade com a lei (Deuteronômio 16:14), deveria ser dada na Páscoa ao estrangeiro, e ao órfão, e à viúva ‘, para capacitá-los também a se alegrar. Tal interpretação das palavras de Jesus por parte dos discípulos corresponde muito melhor à suposição de que a festa estava prestes a ser celebrada naquele momento do que na noite seguinte. [Schaff, aguardando revisão]

30 Havendo ele pois tomado o pedaço de pão, logo saiu. E já era noite.

Comentário de David Brown

Ele então, tendo recebido o calmante, saiu imediatamente – separando-se para sempre daquela sociedade santa com a qual ele nunca teve qualquer simpatia espiritual.

e era noite – mas muito mais negra noite na alma de Judas do que no céu sobre sua cabeça. [JFB, aguardando revisão]

31 Tendo, pois, ele saído, disse Jesus: Agora o Filho do homem é glorificado, e Deus é glorificado nele.

Comentário de David Brown

Tendo, pois, ele saído, disse Jesus: Agora o Filho do homem é glorificado – Estas palavras notáveis ​​indicam claramente que até o momento nosso Senhor havia falado sob uma dolorosa restrição, a presença de um traidor dentro do pequeno círculo de Sua comunhão mais santa sobre terra impedindo o livre e pleno derramamento de Seu coração; como é evidente, de fato, a partir dessas sentenças recorrentes: “Vocês não são todos limpos”, “não falo de todos vocês”, etc. “Agora” a restrição é removida, e o aterro que se mantinha no poderoso volume de Quando as águas vivas se romperam, explodiram em uma torrente que só cessa quando Ele deixa a sala de jantar e entra no próximo estágio de Sua grande obra – a cena no Jardim. Mas com que palavras o primeiro silêncio é quebrado na partida de Judas? Por nenhuma reflexão sobre o traidor, e, o que é ainda mais maravilhoso, por nenhuma referência ao temível caráter de Seus próprios sofrimentos se aproximando. Ele nem mesmo os nomeia, exceto anunciando, como com uma explosão de triunfo, que a hora de Sua glória chegou! E o que é muito notável, em cinco breves orações, Ele repete cinco vezes essa palavra “glorificar”, como se, para Sua opinião, uma coruscação de glórias ocorresse naquele momento sobre a cruz. (Veja em Jo 12:23).

Deus é glorificado nele – a glória de cada um atingindo seu zênite na morte da cruz! [JFB, aguardando revisão]

32 Se Deus nele é glorificado, também Deus o glorificará em si mesmo, e logo o glorificará.

Comentário de David Brown

Se Deus for glorificado nele, Deus também deve – em retorno e recompensa deste mais alto de todos os serviços prestados a Ele, ou capaz de ser prestado.

glorificará em si mesmo, e logo o glorificará – referindo-se agora à Ressurreição e Exaltação de Cristo depois que este serviço terminou, incluindo toda a honra e glória então colocadas sobre Ele, e que o envolverão como Chefe da nova criação. . [JFB, aguardando revisão]

33 Filhinhos, ainda um pouco estou convosco. Vós me buscareis; e tal como eu aos Judeus: Para onde eu vou, vós não podeis vir; assim também o digo a vós agora.

Comentário de David Brown

Filhinhos – Do alto de sua própria glória, Ele agora desce, com pena piedosa, a seus “filhinhos”, agora todos seus. Este termo de carinho, em nenhum outro lugar usado nos Evangelhos, e antes empregado por Paulo (Gálatas 4:19), é apropriado pelo próprio discípulo amado, que não menos que sete vezes o emprega em sua primeira epístola.

Vós me buscareis – sentes a falta de mim.

como eu disse aos judeus – (Jo 7:34; Jo 8:21). Mas oh, em que sentido diferente! [JFB, aguardando revisão]

34 Um novo mandamento vos dou: que vos ameis uns aos outros; tal como eu vos amei, também ameis vós uns aos outros.

Comentário de David Brown

one mandamento que eu te dou: que ameis uns aos outros; Você foi uma nova beleza disso. O amor de Cristo e seu povo em sua vida por eles foram totalmente novos e, consequentemente, como Modelo e Padrão para os outros para os outros. Não é, no entanto, algo que transcende a grande lei moral, que é “o antigo mandamento” (1João 2:7, e veja em Marcos 12:28-33), mas aquela lei em uma forma nova e peculiar. Por isso é dito que é novo e velho (1João 2:7, 1João 2:8). [JFB, aguardando revisão]

35 Nisto todos conhecerão que sois meus discípulos: se vós tiverdes amor uns aos outros.

Comentário de David Brown

Por isso todos os homens saberão que sois meus discípulos – os discípulos dAquele que deu a vida por aqueles que amava.

se vós tiverdes amor uns aos outros – por amor de mim e como um em mim; Pois, para tais homens de amor fora do círculo dos crentes, sabem bem que são completamente estranhos. Quão pouco disso existe mesmo dentro deste círculo! [JFB, aguardando revisão]

36 Disse-lhe Simão Pedro: Senhor, para onde vais? Respondeu-lhe Jesus: Para onde eu vou tu não podes me seguir agora; porém depois me seguirás.

Comentário de David Brown

Disse-lhe Simão Pedro – vendo claramente nessas direções como se comportar, que Ele estava de fato saindo deles.

Senhor, para onde você é convidado? – tendo quase um vislumbre da verdade real.

Respondeu-lhe Jesus: Para onde eu vou tu não podes me seguir agora; porém depois me seguirás – Quão diferente do que Ele disse aos judeus:” Para onde eu vou não podeis vir “(Jo 8:21). [JFB, aguardando revisão]

37 Disse-lhe Pedro: Senhor, por que agora não posso te seguir? Por ti eu darei minha vida.

Comentário de David Brown

por que agora não posso te seguir? Por ti eu darei minha vida – Ele parece agora ver que foi a morte a que Cristo se referiu como aquilo que O separaria deles, mas não está confuso em segui-Lo para lá. Jesus respondeu: [JFB, aguardando revisão]

38 Respondeu-lhe Jesus: Por mim darás tua vida? Em verdade, em verdade te digo, que o galo não cantará, até que três vezes me negues.

Comentário de David Brown

Por mim darás tua vida? – Nesta repetição das palavras de Pedro, há uma ironia profunda e afetuosa, e esse mesmo Pedro se sentiria por muitos um dia após sua recuperação, enquanto refazia as particularidades dolorosas.

Verdadeiramente … O galo, etc. – Veja em Lucas 22:31-34. [JFB, aguardando revisão]

<João 12 João 14>

Visão geral de João

No evangelho de João, “Jesus torna-se humano, encarnando Deus o criador de Israel, e anunciando o Seu amor e o presente de vida eterna para o mundo inteiro”. Tenha uma visão geral deste Evangelho através deste breve vídeo (em duas partes) produzido pelo BibleProject.

Parte 1 (9 minutos).

🔗 Abrir vídeo no Youtube.

Parte 2 (9 minutos).

🔗 Abrir vídeo no Youtube.

Leia também uma introdução ao Evangelho de João.

Todas as Escrituras em português citadas são da Bíblia Livre (BLIVRE), Copyright © Diego Santos, Mario Sérgio, e Marco Teles – fevereiro de 2018.

  1. Lightfoot, On Revision, p. 73.