Marcos 7

1 Os fariseus, e alguns dos escribas, que tinham vindo de Jerusalém, reuniram-se com ele.

Comentário Cambridge

reuniram-se com ele. Poucos dias foram designados para a realização das ações de misericórdia descritas no final do último capítulo. Mas os trabalhos de amor do Salvador logo foram rudemente interrompidos. Tendo celebrado a festa em Jerusalém, os escribas e fariseus voltaram para buscar o assunto de acusação contra ele. A combinação dos fariseus da Galiléia e dos fariseus da Judéia já havia sido combinada e iniciada, e eles agora observavam cada passo Dele. [Cambridge, aguardando revisão]

2 E viram que alguns dos discípulos dele comiam pão com mãos impuras, isto é, sem lavar.

Comentário Ellicott

com mãos impuras, isto é, sem lavar. A primeira palavra significa literalmente comum. Isso veio a ser associado, como em Atos 10:14, com o que era “impuro” e, assim, para os judeus em todos os eventos, a palavra adquiriu um novo significado. Os leitores gentios de São Marcos, no entanto, provavelmente não entendiam o que se entende por “mãos comuns” e, portanto, ele adiciona sua explicação de “não lavado”. [Ellicott, aguardando revisão]

3 (Pois os fariseus, e todos os judeus, mantendo a tradição dos antigos, se não lavarem bastante as mãos, não comem.

Comentário do Púlpito

se não lavarem bastante as mãos. A palavra grega aqui traduzida por “freqüentemente” é πυγμῇ :literalmente, com o punho , isto é , com a mão fechada, esfregando uma contra a outra. Esta palavra causou muitas críticas; e a dificuldade de explicá-lo parece ter levado à adoção de uma leitura conjectural ( πυκνῷς ou πυκνῇ ) traduzida como “frequentemente”; cérebro na Vulgata. Mas a versão siríaca peshita traduz a palavra grega por uma palavra que significa “diligentemente”, e é interessante e útil, como uma questão de exegese, saber que também traduz a palavra grega ( ἐπιμελῶς ) em Lucas 15:8pelo mesmo sinônimo siríaco, “diligentemente”. O “punho cerrado” implica vigor e resolução e aponta para “diligência”, e há autoridades muito altas a favor dessa tradução, como Epifânio, Isaac Casaubon e Cornelius a Lapide, para não falar de nossos melhores expositores modernos. Também é adotado na versão revisada.

mantendo a tradição dos antigos. Os fariseus tratavam essa tradição como se houvesse sido transmitida oralmente por Deus a Moisés no Monte Sinai, e então transmitida oralmente até sua época. Esses preceitos orais foram posteriormente incorporados no Talmude. [Pulpit, aguardando revisão]

4 E, quando voltam da rua, se não se lavarem, não comem; e há muitas outras coisas que se encarregam de guardar, como lavar os copos, as vasilhas, e os utensílios de metal).

Comentário do Púlpito

E, quando voltam da rua ( ἀπὸ ἀγορᾶς ); literalmente, e do mercado ; não há verbo nos manuscritos principais, embora o Cambridge Codex tenha ὅταν ἔλθωσιν , e o antigo latim forneça reduntas. No mercado haveria toda espécie de homens e coisas, limpos e impuros, pelo contato com o qual temiam ser contaminados; e assim eles consideraram que eles deveriam limpar-se desta impureza por uma ablução mais cuidadosa e completa. Outra palavra grega é usada aqui, a saber, βαπτίσωνται . No versículo anterior, a palavra é νίψωνται, um tipo de lavagem mais parcial e superficial do que aquele implícito em βαπτίζω . Deve-se, no entanto, acrescentar que dois dos grandes unciais, Vaticano e Sinaítico, têm ῤαντίσωνται , “borrifar-se”, em vez de βαπτίσωνται ( uma autoridade suficiente para justificar os Revisores de 1881 em colocá-lo na margem.

como lavar os copos, as vasilhas, e os utensílios de metal. As palavras ( καὶ κλινῶν ) erroneamente traduzidas, “e de mesas” – porque só poderiam significar “sofás” – não têm autoridade suficiente para serem retidas no texto. “Xícaras” ( ποτηρίων ) significa “recipientes para beber”. O “pote” ( ξεστὴς ) é uma palavra romana,, uma pequena medida líquida, a sexta parte de um congius , correspondendo quase ao galão inglês, de modo que ξεστὴς seria mais do que uma medida de pinta. Brasen v essels. Provavelmente seriam vasos de cobre, como os que ainda são usados ​​na Síria para cozinhar. Esses são particularmente mencionados. Os vasos de barro seriam quebrados. [Pulpit, aguardando revisão]

5 Depois os fariseus e os escribas lhe perguntaram:Por que os teus discípulos não andam conforme a tradição dos antigos, em vez de comerem pão com as mãos impuras?

Comentário do Púlpito

A Lei de Moisés proibia o contato com muitas coisas consideradas impuras; e se alguém os tivesse tocado, era considerado impuro, de modo que não se aproximasse do templo até que se purificasse pela lavagem prescrita na Lei; o desígnio era que por meio dessas lavagens cerimoniais e corporais os judeus pudessem ser despertados para a necessidade da purificação espiritual. Daí os judeus, e especialmente os fariseus, que desejavam ser considerados mais justos do que os outros, colocando toda a sua religião nessas cerimônias externas, frequentemente se lavavam antes das refeições, e até mesmo durante as refeições. Na festa de casamento em Caná da Galiléia, lemos que foram colocados “seis potes de pedra (λίθιναι ῦδρίαι)” para esses fins de purificação; de forma que se algum judeu por acidente tivesse entrado em contato com qualquer coisa impura, e assim tivesse contraído qualquer impureza cerimonial, ele poderia removê-la. Isso, no entanto, era apenas um costume, e não uma obrigação legal, até que fosse exaltado como lei pelos fariseus. Agora, essa observância meticulosa das tradições pelos fariseus e outros judeus rendeu pouco ou nenhum lucro religioso; pois isso ocupou seu tempo com purificações externas, e assim desviou sua atenção do dever de um momento muito maior – a purificação da alma do pecado. Eles limparam “o exterior do copo e do prato”, mas negligenciaram a limpeza interior do coração. Portanto, nosso bendito Senhor, que veio pôr fim à velha lei cerimonial e a essas vãs e frívolas tradições que agora a cobriam, e que desejava dirigir todo o cuidado de seus discípulos para tornar o coração limpo, não se importou para impor essas lavagens externas sobre seus discípulos, embora ele não tenha dito isso em tantas palavras aos fariseus, para que não provocasse sua inveja e malícia. Ele, portanto, responde à pergunta deles de outra maneira. [Pulpit, aguardando revisão]

6 E ele lhes respondeu:Bem profetizou Isaías acerca de vós, hipócritas! Como está escrito:Este povo me honra com os lábios, mas o seu coração está longe de mim.

Comentário do Púlpito

Nosso Senhor cita contra eles uma profecia de Isaías (Isaías 29:13), Este povo me honra com os lábios, mas o seu coração está longe de mim. Mas em vão eles me adoram, ensinando como suas doutrinas os preceitos dos homens. O profeta aqui dá a causa da cegueira dos judeus, porque eles honravam a Deus com os lábios, enquanto seu coração estava longe dele; e sua adoração a ele (pois esse é o significado de “seu temor”) era o mandamento dos homens, que haviam sido ensinados; isto é, eles adoravam a Deus, não de acordo com aquela adoração espiritual que ele havia ordenado, mas segundo as tradições dos homens e de seus próprios escribas, em parte fútil, em parte perversa e contrária à Lei de Deus. Então ele diz:Bem profetizou Isaías a seu respeito. A palavra é καλῶς, “excelentemente – lindamente – ele profetizou a respeito de vocês (τῶν ὑποκριτῶν), os hipócritas”. Não que o profeta tivesse os hipócritas do tempo de nosso Salvador em sua mente quando ele pronunciou essas palavras, mas que o Espírito de Deus que estava dentro dele o capacitou a descrever com precisão o caráter daqueles que sete séculos depois estariam fazendo as mesmas coisas que seus antepassados. E observe como eles foram punidos. Pois assim como eles serviam da boca para fora apenas a Deus, louvando-o com a boca, mas entregando seu coração à vaidade e ao mundo; assim, Deus, de sua parte, lhes daria apenas as palavras – a casca, por assim dizer, a letra que mata; mas tira deles o grão, o espírito e a vida, para que não possam agarrar-se a ele nem prová-lo. [Pulpit, aguardando revisão]

7 Eles, porém, me honram em vão, ensinando como doutrinas mandamentos humanos.

Comentário Ellicott

me honram em vão – A palavra usada aqui e em Mateus 15:9, não é aquele comumente usado para expressar o ato externo de homenagem, mas aquele que expressa (como em Atos 18:13) devoção interna.

mandamentos – As duas palavras gregas usadas para “mandamento” neste e nos versículos seguintes são, como foi dito na Nota sobre Mat. 15:9, não exatamente o mesmo em significado; que neste versículo apontando para muitos preceitos detalhados; que no próximo ao mandamento que é “excessivamente amplo”. [Ellicott, aguardando revisão]

8 Vós deixais o mandamento de Deus, e mantendes a tradição humana.

Comentário Schaff

Este versículo é peculiar a Marcos, ‘apresentando depreciação do mandamento de Deus por eles em comparação com a tradição humana, perante sua violação absoluta desse mandamento em 7:10-11.’ (Alford. )

tradição humana. ‘Homens’ em contraste com ‘Deus’, implicando que os ‘anciãos’ (Marcos 7:5) não tinham outra coisa senão a autoridade humana. [Schaff, aguardando revisão]

9 E dizia-lhes:Vós dispensais o mandamento de Deus para guardardes a vossa tradição;

Comentário do Púlpito

Aqui, a palavra καλῶς é repetida. Vós dispensais o mandamento de Deus para guardardes a vossa tradição. É como se nosso Senhor dissesse:”Suas tradições não foram instituídas por Deus, ou por seus servos, os profetas, mas são invenções modernas, que você deseja defender, não por amor ou reverência por eles, mas porque você é o sucessores daqueles que os inventaram, e se arrogam o poder de adicionar a eles e fazer novas tradições semelhantes. [Pulpit, aguardando revisão]

10 porque Moisés disse:Honra o teu pai e a tua mãe. E quem maldisser ao pai ou à mãe terá de morrer.

Comentário do Púlpito

Nosso Senhor agora dá um exemplo de uma dessas tradições humanas. porque Moisés disse:Honra o teu pai e a tua mãe; isto é, obedeça e ame-os e ajude-os se precisarem; pois aqui “honra” significa não apenas reverência e amor, mas apoio, como fica claro em Marcos 7:12 – e, aquele que fala mal do pai ou da mãe, morra de morte; isto é, deixá-lo “certamente morrer”, sem qualquer esperança de perdão. Nosso Senhor quer dizer o seguinte:”Que se aquele que só por palavras fala mal de seu pai ou de sua mãe é, por lei, culpado de morte, quanto mais é culpado de morte aquele que os injustiça por atos e os priva desse apoio que ele deve a eles pela lei da natureza; e não apenas isso, mas ensina a outros da cadeira de Moisés, como vocês escribas e fariseus fazem quando dizem, ‘É Corban.’ ” [Pulpit, aguardando revisão]

11 Mas vós dizeis:Se o homem disser ao pai ou à mãe:Tudo o que te puder aproveitar de mim é corbã (isto é, oferta),

Comentário Ellicott

é corbã – A palavra hebraica é peculiar a Marcos. Ocorre frequentemente em Levítico e Números (por exemplo, Levítico 2:1; Levítico 2:5; Núm. 7:3; Núm. 7:5), e é geralmente traduzido por “oferta”, às vezes por “oblação” ( Lev. 2:13; Lev. 3:1), mas em outras partes do Antigo Testamento só aparece em Eze. 20:28; Eze. 40:43. Tinha vindo a ser aplicado especificamente (como no grego de Mat. 27:6) para o tesouro sagrado do Templo. [Ellicott, aguardando revisão]

12 então não lhe deixais mais nada fazer por seu pai ou por sua mãe.

Comentário Schaff

Não necessariamente que eles o proibissem ativamente, mas seus ensinamentos levavam que ele negligenciasse seu pai e sua mãe por completo. Este é o comentário de nosso Senhor, não a linguagem dos fariseus. Comp. Mateus 15:6. [Schaff, aguardando revisão]

13 Assim invalidais a palavra de Deus por vossa tradição, que ordenastes; e fazeis muitas coisas semelhantes a estas.

Comentário do Púlpito

Agora, isso os escribas e fariseus fizeram para seus próprios fins gananciosos. Pois a maioria deles eram sacerdotes, que recebiam ofertas feitas a Deus como seus ministros, e então os convertiam para seu próprio uso. Nisto eles erraram grandemente; porque a obrigação de piedade, pela qual os filhos são obrigados a sustentar seus pais quando precisam, é uma parte da lei da natureza, à qual todo voto, toda oblação deve ceder. Assim, se alguém devotou seus bens a Deus, e seu pai ou sua mãe tornaram-se necessitados, esses bens deveriam ser dados a seus pais e não ao templo. A palavra “corban” é uma palavra hebraica que significa “aquilo que se aproxima”, “um presente ou oferta a Deus”. Conseqüentemente, figurativamente, o lugar onde essas ofertas foram depositadas era chamado de “corbanas” ou “tesouro sagrado” (ver Mateus 27:6, κορβανᾶν). Portanto, dizer de qualquer coisa, “É Corban”, era dizer que ele tinha um destino anterior e mais sagrado. E quando era algo que um pai poderia precisar, dizer:”É Corban”, isto é, já é apropriado para outro propósito, era simplesmente recusar seu pedido e negar-lhe ajuda, e assim quebrar um dos primeiros os mandamentos divinos. Assim, o filho, ao gritar “Corban” aos seus pais necessitados, calou-lhes a boca, opondo-lhes um escrúpulo de consciência e sugerindo-lhes um medo supersticioso. Era o mesmo que dizer:”Aquilo que me pedes é uma coisa sagrada que dediquei a Deus. Cuidado, portanto, para que não, ao me pedir isso, cometa um sacrilégio convertendo-o para seus próprios usos.” Assim, os pais ficariam calados e alarmados, preferindo morrer de fome a roubar a Deus. A tais extremos esses cobiçosos escribas e fariseus levaram suas vítimas, obrigando um filho a se abster de quaisquer ofícios bondosos para seu pai ou sua mãe. Santo Ambrósio diz:”Deus não busca um dom tirado das necessidades dos pais.” Tornando vazio (ἀκυροῦντες); literalmente, privando-o de sua autoridade, anulando. Em Gálatas 3:17, a mesma palavra é traduzida como “disannul”. Por suas tradições; isto é, as tradições pelas quais ensinaram as crianças a dizer “Corban” aos pais. Observe as palavras, “sua tradição” (τῇ παρδόσει ὑμῶν); sua tradição, em oposição àquelas tradições divinas que Deus santificou, e sua Igreja transmitiu desde o início. E muitas coisas semelhantes vocês fazem. Isso é adicionado por Marcos para preencher o esboço e mostrar que esta foi apenas uma amostra das muitas maneiras pelas quais o mandamento de Deus foi distorcido, distorcido e anulado por essas tradições rabínicas. [Pulpit, aguardando revisão]

14 E chamando para si toda a multidão, disse-lhes:Ouvi-me todos, e entendei:

Comentário do Púlpito

E chamando para si toda a multidão. É provável que ele os tivesse dispensado enquanto fazia esse discurso com os escribas de Jerusalém. Mas agora ele chama as pessoas para perto dele novamente, para que todos possam ouvir o que diz respeito a todos igualmente. É provável, de fato, que essa discussão com os escribas possa ter ocorrido na casa, para a qual ele voltou novamente após ter feito esta declaração oficial à multidão. As palavras são dadas com mais ênfase aqui do que as registradas por São Mateus. Cada um foi solenemente convidado a ouvir e compreender, enquanto ele anunciava um princípio da mais alta importância. Nosso Senhor não pretendia menosprezar a diferença entre carnes puras e impuras como havia sido estabelecido na Lei Levítica. Em vez disso, seu objetivo era limpar aquele ensino das obscuridades em que havia sido envolvido pelos escribas e fariseus, que davam ênfase apenas aos atos externos. Seu objetivo era mostrar que toda impureza brota do coração; e que, a menos que o coração seja purificado, todas as lavagens externas são em vão. É como se dissesse:”Os escribas ensinam que não é lícito comer com as mãos não lavadas, porque as mãos não lavadas tornam a comida limpa, e a comida impura contamina a alma. Mas nisso eles erram; porque não é o que vem de fora na boca, mas o que procede de dentro pela boca, e assim do coração, se for impuro – isso contamina o homem ”; como ele explica mais completamente no versículo 21. [Pulpit, aguardando revisão]

15 Nada há fora do ser humano que nele entre que o possa contaminar; mas o que dele sai, isso é o que contamina o ser humano.

Conforme a interpretação da versão VIVA:“A alma de vocês não é prejudicada pelo que vocês comem, mas sim pelo que vocês pensam e dizem!”.

16 Se alguém tem ouvidos para ouvir, ouça.

Comentário Ellicott

Este versículo é omitido em muitos dos melhores manuscritos [antigos], e pode ter sido originalmente uma nota marginal escrita por algum copista para chamar a atenção para a verdade declarada no texto. [Ellicott, 1905]

17 Quando Jesus deixou a multidão e entrou em casa, seus discípulos lhe perguntaram sobre a parábola.

seus discípulos lhe perguntaram – por intermédio de Pedro (Mt 15:15).

18 E ele lhes disse:Também vós estais assim sem entendimento? Não entendeis que tudo o que de fora entra no ser humano não o pode contaminar?

Comentário Barnes

Também vós estais assim sem entendimento? Ou então, “Será que vocês também não conseguem entender?” (NVI).

tudo o que de fora entranão o pode contaminar. Não pode tornar sua alma impura; não pode fazer dele um pecador. [Barnes, 1870]

19 Pois não entra no seu coração, mas, sim, no ventre, e sai para a privada. (Assim, ele declarou como limpas todas as comidas).

Comentário de Genebra

Assim, ele declarou como limpas todas as comidas. Marcos salienta a natureza radical das palavras de Jesus (que não foram compreendidas pelos seus discípulos senão muito mais tarde; veja At 10:9-16). Nesse ensino, Jesus declarou o fim da dieta de restrição alimentar do Antigo Testamento. [Genebra, 2009]

20 E dizia:O que sai do ser humano, isso contamina o ser humano.

Comentário do Púlpito

O que sai do ser humano – isto é, da razão e da vontade, da qual o coração é o símbolo e o laboratório. Pois o coração ministra a parte vital do intelecto para capacitá-lo a compreender, e à vontade para capacitá-lo a viver, embora a sede do intelecto esteja no cérebro. A enumeração das coisas más de Marcos está em uma ordem um tanto diferente daquela de Mateus; e ele acrescenta à lista de Mateus (ἀφροσύνη), tolice, mostrando como todo mal termina na perda de toda iluminação moral e intelectual. [Pulpit, aguardando revisão]

21 Pois é de dentro do coração humano que vêm os maus pensamentos, os pecados sexuais, os roubos, os homicídios, os adultérios,

Comentário Schaff

Pois é de dentro do coração humano. Isso representa, ainda mais enfaticamente do que a forma preservada por Mateus, que o coração do homem é ‘o laboratório e fonte de tudo o que é bom e mau na vida interior do homem’, daí sua responsabilidade, etc. Que o corpo é a sede do pecado é aqui negada. Tanto o materialismo quanto o ascetismo são opostos. O catálogo de pecados de Marcos é mais completo do que o de Mateus. Aqui, como ali, o plural parece indicar que os pecados são comuns e notórios. [Schaff, aguardando revisão]

22 as ganâncias, as maldades, o engano, a depravação, o olho malicioso, a blasfêmia, a soberba, a insensatez.

Comentário Whedon

as ganâncias, as maldades. – As palavras gregas para isso são, como a precedente, no plural, indicando as múltiplas formas em que os pecados se manifestam.

insensatez. Esta, novamente, é uma palavra rara no Novo Testamento, encontrando-se conosco apenas em 2Coríntios 11:1,17,21. Conforme interpretado por Pro. 14:18; Pró. 15:21, é a loucura que consiste na ausência do temor de Deus, a paixão pela impiedade. [Whedon, aguardando revisão]

23 Todos estes males procedem de dentro, e contaminam o ser humano.

Comentário J. A. Alexander

Essa longa enumeração de particularidades é seguida por um resumo ou repetição da afirmação geral que pretendiam exemplificar.

Todos estes males procedem de dentro, e contaminam o ser humano – não cerimonialmente, mas moralmente. Aqui novamente, como no v. 21, a construção grega peculiar e a repetição idiomática do artigo conferem uma força e ao mesmo tempo uma precisão à frase que só pode ser retida de forma imperfeita em inglês, mesmo por uma tradução simples. Todos estes males, ou seja, . todas essas coisas, essas coisas más. Mal, a palavra combinada com olho no versículo anterior, e significando aqui como ali, não apenas pecaminoso em geral, mas perverso, rancoroso ou malicioso em particular. [Alexander, aguardando revisão]

Uma mulher siro-fenícia e sua filha

24 Jesus levantou-se dali e foi para a região de Tiro. Ele entrou numa casa, e não queria que ninguém soubesse disso, mas não pôde se esconder.

Comentário de David Brown

Ele entrou numa casa, e não queria que ninguém soubesse disso – porque Ele não tinha vindo ali para ministrar aos pagãos. Mas, embora não tenha sido “enviado para as ovelhas perdidas da casa de Israel” (Mt 15:24), Ele não impediu que as ovelhas perdidas do vasto mundo gentio viessem a Ele, nem as afastassem quando viessem – como esta incidente foi projetado para mostrar.

mas não pôde se esconder – a fama de Cristo havia se espalhado desde a Galileia até esta mesma região (Mc 3:8; Lc 6:17). [JFB, aguardando revisão]

25 E logo uma mulher, cuja filhinha tinha um espírito imundo, assim que ouviu falar dele, veio, e prostrou-se a seus pés.

Comentário do Púlpito

A construção deste versículo é hebraica (veja Atos 15:17). Em vez de ἀκούσασα γὰρ, a leitura aprovada é ἀλλ εὐθὺς ἀκούσασα: E logo uma mulher, cuja filhinha; Marcos gosta de diminutivos – tinha um espírito imundo. Todas as idades estavam sujeitas a espíritos imundos. [Pulpit, aguardando revisão]

26 Esta mulher era grega, de nacionalidade sirofenícia; e rogava-lhe que expulsasse o demônio de sua filha.

Comentário de David Brown

de nacionalidade sirofenícia – assim chamado como habitante do trato fenício da Síria. Juvenal usa o mesmo termo, como foi observado por Justino Mártir e Tertuliano. Mateus (Mt 15:22) a chama de “uma mulher de Canaã” – uma descrição mais inteligível para seus leitores judeus (compare Jz 1:30,32-33). [JFB, aguardando revisão]

27 Mas Jesus lhe disse:Deixa primeiro que os filhos se fartem; porque não é bom tomar o pão dos filhos, e lançá-lo aos cachorrinhos.

Comentário de David Brown

Mas Jesus lhe disse:Deixa primeiro que os filhos se fartem – “Há esperança para mim aqui?” “Cheio primeiro?” “Então, minha vez, parece que está chegando! – mas então, ‹As CRIANÇAS primeiro?‘ Ah! quando, nessa regra, chegará a minha vez! ”Mas antes que ela tenha tempo para essas ponderações de Sua palavra, outra palavra vem para complementá-la.

porque não é bom tomar o pão dos filhos, e lançá-lo aos cachorrinhos É esta a morte de suas esperanças? Não, é a vida dos mortos. Do comedor sairá carne (Jz 14:14). “À tardinha, será luz” (Zc 14:7). “Ah! Eu tenho agora. Se Ele tivesse mantido silêncio, o que eu poderia ter feito, se não fosse ir mais cruel? mas ele falou, e a vitória é minha. [JFB, aguardando revisão]

28 Porém ela lhe respondeu:Sim Senhor; mas também os cachorrinhos comem debaixo da mesa, das migalhas que os filhos deixam.

Comentário de David Brown

mas também os cachorrinhos comem debaixo da mesa, das migalhas que os filhos deixam – “que caem da mesa do seu mestre” (Mt 15:27). “Te agradeço, ó abençoado, por essa palavra! Esse é todo o meu caso. Não das crianças? Verdade. Um cachorro? É verdade também:No entanto, os cães sob a mesa estão autorizados a comer as migalhas das crianças – os excrementos da mesa cheia do seu mestre:Dá-me isso, e eu estou contente:Uma migalha de poder e graça de Tua mesa deve lançar o demônio saiu da minha filha. ”Oh, que rapidez de relâmpago, que alcance de ingenuidade instintiva, contemplamos nesta mulher pagã! [JFB, aguardando revisão]

29 Então ele lhe disse:Por esta palavra, vai, o demônio já saiu da tua filha.

Comentário de David Brown

Então ele lhe disse – “Ó mulher, grande é a tua fé” (Mateus 15:28) Como Bengel belamente observa, Jesus “se maravilhou” apenas com duas coisas:fé e descrença (veja a nota em Lucas 7:9).

Por esta palavra, vai, o demônio já saiu da tua filha. Naquele momento, a ação foi cumprida. [JFU, aguardando revisão]

30 Quando ela chegou à sua casa, encontrou que o demônio já havia saído, e a criança estava deitada sobre a cama.

Comentário de David Brown

Mas Mateus (Mt 15:28) é mais específico; “E sua filha foi curada a partir daquela hora.” A maravilha deste caso, em todas as suas características, tem sido sentida em todas as épocas da Igreja, e o bálsamo que administrou e administrará a milhões só será conhecido. nesse dia isso revelará os segredos de todos os corações. [JFB, aguardando revisão]

Homem surdo e mudo curado

31 Então Jesus voltou a sair da região de Tiro e veio por Sidom para o mar da Galileia, por meio da região de Decápolis.

Comentário de David Brown

Então Jesus voltou a sair da região de Tiro e veio por Sidom para o mar da Galileia – ou, de acordo com o que tem fortes afirmações de ser considerado como a verdadeira palavra aqui, “E novamente, partindo das costas de Tiro, Ele Vieram através de Sídon para o Mar da Galileia. ”Os manuscritos em favor desta leitura, embora não sejam os mais numerosos, são pesados, enquanto as versões que concordam com ela estão entre as mais antigas; e todos os melhores editores críticos e comentaristas adotam. Neste caso, devemos entender que nosso Senhor, uma vez tendo saído da Terra Santa do comprimento de Tiro, foi tão ao norte quanto Sidon, embora sem ministrar, até onde parece, naquelas partes, e então dobrou Seus passos em um direção sudeste. Há certamente uma dificuldade na suposição de um desvio tão longo sem qualquer objeto missionário:e alguns podem pensar que isso é suficiente para lançar a balança em favor da leitura recebida. Seja como for, ao retornar destas costas de Tiro, Ele passou

de Decápolis – cruzando o Jordão, portanto, e aproximando-se do lago a leste. Aqui Mateus, que omite os detalhes da cura desse homem surdo e mudo, introduz alguns detalhes, dos quais aprendemos que era apenas um de um grande número. “E Jesus”, diz o evangelista (Mt 15:29-31), “partiu dali e chegou perto do mar da Galileia e subiu a uma montanha” – a cadeia montanhosa que delimita o lago a nordeste, em Decápolis:“E grandes multidões chegaram a Ele, tendo com eles coxo, cegos, mudos, mutilados” – não “mutilados”, que são apenas um sentido secundário da palavra, mas “deformados” – “e muitos outros, e lançados aos pés de Jesus; e curou-os; de modo que a multidão se maravilhou ao ver os mudos falarem, os aleijados, os inteiros, os coxos a andar e os cegos a ver; e glorificaram o Deus de Israel ”- que depois de tanto tempo e triste ausência de manifestação visível, retornou para abençoar Seu povo como antigamente (compare Lc 7:16). Além disso, não está claro na linguagem do evangelista que o povo viu as reivindicações de Jesus. Bem, destes casos, Mark aqui escolhe um, cuja cura tinha algo de peculiar nisso. [JFB, aguardando revisão]

32 E trouxeram-lhe um surdo que dificilmente falava, e rogaram-lhe que pusesse a mão sobre ele.

Comentário de David Brown

Em sua impaciência, eles parecem ter sido um tanto quanto suspeitosos. Embora geralmente fazendo como aqui sugerido, Ele lidará com este caso à sua maneira. [JFB, aguardando revisão]

33 E tomando-o em separado da multidão, pôs os seus dedos nos ouvidos dele, cuspiu, e tocou-lhe a língua.

Comentário de David Brown

E tomando-o em separado da multidão – Como em outro caso, Ele “tomou o cego pela mão e o levou para fora da cidade” (Mc 8:23), provavelmente para fixar sua atenção distraída sobre Si mesmo, e, por meios de certas ações que Ele estava prestes a fazer, para despertar e direcionar sua atenção para a fonte adequada de alívio.

pôs os seus dedos nos ouvidos dele – Como sua indistinta articulação surgiu de sua surdez, nosso Senhor se dirige a isso primeiro. Para o homem impotente Ele disse:“Serás curado?” Para os cegos:“Que farei por vós?” E “Crede vós que eu posso fazer isso?” (Jo 5:6 Mt 20:32; Mt 9:28). Mas como este paciente não pôde ouvir nada, nosso Senhor substitui as ações simbólicas sobre cada um dos órgãos afetados.

cuspiu, e tocou-lhe a língua – umedecendo a língua ressecada do homem com saliva de Sua própria boca, como se para lubrificar o órgão ou facilitar seu movimento livre; indicando assim a fonte da virtude da cura para ser sua própria pessoa. (Para ações similares, veja Mc 8:23; Jo 9:6). [JFB, aguardando revisão]

34 Depois, levantando os olhos ao céu, suspirou, e disse:Efatá, (isto é, abre-te).

Comentário de David Brown

levantando os olhos ao céu – sempre reconhecendo Seu Pai, mesmo enquanto a cura era vista fluir de Si mesmo (ver em Jo 5:19).

suspirou – “sobre o naufrágio”, diz Trench, “que o pecado provocou, e a malícia do diabo em deformar as características justas da criação original de Deus.” Mas, nós entendemos, houve um sofrimento ainda mais doloroso. impressão daquela “coisa má e amarga” da qual todos os nossos males surgiram e que, quando “Ele mesmo levou nossas fraquezas e expôs nossas doenças” (Mt 8:17), se tornou misteriosamente Seu próprio.

e disse:Efatá, (isto é, abre-te) – Nosso evangelista, como observado em Mc 5:41, adora dar palavras tão maravilhosas como foram ditas. [JFB, aguardando revisão]

35 Os ouvidos dele se abriram, e imediatamente o que prendia sua língua se soltou, e passou a falar bem.

Comentário de David Brown

Os ouvidos dele se abriram. Isso é mencionado primeiro, como a fonte da outra perturbação.

imediatamente o que prendia sua língua se soltou, e passou a falar bem. A cura era, portanto, instantânea e perfeita. [JFU, aguardando revisão]

36 Jesus lhes mandou que a ninguém dissessem; porém, quanto mais lhes mandava, mais divulgavam.

Comentário de David Brown

lhes mandou que a ninguém dissessem – Nessa mesma região Ele enviara o homem de quem fora lançada a legião de demônios, para proclamar “o que o Senhor tinha feito por ele” (Mc 5:19). Agora ele os fará “não falem a ninguém”. Mas no primeiro caso, não havia perigo de obstruir o Seu ministério “queimando a matéria” (Mc 1:45), como Ele próprio havia deixado a região; enquanto que agora ele estava permanecendo nela.

porém, quanto mais lhes mandava, mais divulgavam – Eles não podiam ser contidos; ou melhor, a proibição parecia apenas aguçar sua determinação de publicar Sua fama. [JFB, aguardando revisão]

37 E ficavam muito admirados, dizendo:Ele faz tudo bem! Aos surdos faz ouvir, e aos mudos falar.

Comentário de David Brown

E ficaram espantados, dizendo:Ele fez todas as coisas bem – lembrando-nos, diz Trench, das palavras da primeira criação (Gênesis 1:31, Septuaginta), sobre as quais não somos, assim, inadequadamente rejeitados, porque Cristo O trabalho é, no verdadeiro sentido, “uma nova criação”

Aos surdos faz ouvir, e aos mudos falar – “e glorificavam o Deus de Israel” (Mt 15:31). Veja em Mc 7:31. [JFB, aguardando revisão]

<Marcos 6 Marcos 8>

Visão geral de Marcos

O evangelho de Marcos, mostra que “Jesus é o Messias de Israel inaugurando o reino de Deus através do Seu sofrimento, morte e ressurreição”. Tenha uma visão geral do Evangelho através deste breve vídeo (10 minutos) produzido pelo BibleProject.

🔗 Abrir vídeo no Youtube.

Sobre a afirmação do vídeo de que o final do Evangelho de Marcos (16:9-20) não foi escrito por ele, penso ser necessário acrescentar algumas considerações. De fato, há grande discussão entre estudiosos sobre este assunto, já que os manuscritos mais antigos de Marcos não têm essa parte. Porém, mesmo que seja verdade que este final não tenha sido escrito pelo evangelista, todas as suas afirmações são asseguradas pelos outros Evangelhos e Atos dos Apóstolos. Para entender mais sobre a ciência que estuda os manuscritos antigos acesse esta aula de manuscritologia bíblica.

Leia também uma introdução ao Evangelho de Marcos.

Todas as Escrituras em português citadas são da Bíblia Livre (BLIVRE), Copyright © Diego Santos, Mario Sérgio, e Marco Teles – fevereiro de 2018.