Mateus 15

Discurso sobre a impureza cerimonial

1 Então alguns fariseus e escribas de Jerusalém se aproximaram de Jesus, e perguntaram:

Comentário de David Brown

O tempo desta seção foi depois daquela Páscoa que estava próximo quando nosso Senhor alimentou os cinco mil (Jo 6:4) – a terceira Páscoa, como nós a tomamos, desde que Seu ministério público começou, mas que Ele não guardou em Jerusalém pela razão mencionada em Jo 7:1.

Então alguns fariseus e escribas de Jerusalém se aproximaram de Jesus – ou “de Jerusalém”. Marcos (Marcos 7:1) diz que “veio” dele:uma delegação provavelmente enviado da capital expressamente para observá-lo. Como Ele não tinha chegado a eles na última Páscoa, que eles haviam contado, eles agora vêm a Ele. “E”, diz Marcos (Marcos 7:2-3), “quando viram alguns de seus discípulos comerem pão com impurezas, isto é, com mãos não lavadas” – mãos não lavadas cerimonialmente por lavagem – “eles falha encontrada. Para os fariseus, e todos os judeus, a não ser que lavem as mãos de “literalmente” em “ou” com o punho “; isto é, provavelmente lavando uma mão pelo uso da outra – embora alguns a compreendam, com a nossa versão, no sentido de “diligentemente”, “diligentemente” – “não coma, mantendo a tradição dos anciãos”; agindo religiosamente de acordo com o costume dado a eles. “E quando eles vêm do mercado” (Marcos 7:4) – “E depois do mercado”:após qualquer negócio comum, ou comparecer a um tribunal de justiça, onde os judeus, como Webster e Wilkinson observam, após sua sujeição aos romanos , estavam especialmente expostos ao coito e ao contato com os pagãos – “exceto que eles lavam, não comem. E há muitas outras coisas que eles receberam para segurar, como a lavagem de xícaras e potes, vasos de bronze e mesas ”- em vez disso,“ sofás ”, como os usados ​​nas refeições, que provavelmente eram apenas aspergidos para fins cerimoniais. “Então os fariseus e escribas perguntaram a ele” [JFB, aguardando revisão]

2 Por que os teus discípulos transgridem a tradição dos anciãos? Pois não lavam suas mãos quando comem pão.

Comentário Cambridge

a tradição dos ancião. Oséias anciãos, ou presbíteros, eram os mestres judeus ou escribas, como Hillel e Shammai. As tradições eram as regras ou observâncias da lei não escrita, que eles impunham aos seus discípulos. Muitos deles eram frívolos; alguns realmente subversivos da lei de Deus; e ainda um ditado rabínico era:”As palavras da lei são pesadas e leves, mas todas as palavras dos escribas são pesadas.” [Cambridge, aguardando revisão]

3 Porém ele lhes respondeu:E vós, por que transgredis o mandamento de Deus por vossa tradição?

Comentário de David Brown

A acusação é respondida com um poder surpreendente:’A tradição que eles transgridem é apenas a do homem, e é em si mesma a ocasião para uma transgressão grave, comprometendo a autoridade da lei de Deus’. [JFU]

4 Pois Deus disse:Honra ao teu pai e à tua mãe; e quem maldisser ao pai ou à mãe seja sentenciado à morte.

Pois Deus disse:Honra ao teu pai e à tua mãe – (Deuteronômio 5:16).

e quem maldisser ao pai ou à mãe seja sentenciado à morte – (Êxodo 21:17).

5 Mas vós dizeis:'Qualquer um que disser ao pai ou à mãe:'Todo o proveito que terias de mim é oferta exclusiva para Deus', não precisa honrar seu pai ou à sua mãe'.

Comentário de David Brown

Ou simplesmente “uma oferta!” Em Marcos (Marcos 7:11), é “Corbã!”, Isto é, “Uma oblação! Significando, qualquer oferenda ou presente de sangue não derramado dedicado aos usos sagrados. [JFB, aguardando revisão]

6 E assim invalidastes a palavra de Deus por vossa tradição.

invalidastes – ou anulastes a palavra de Deus por vossa tradição.

7 Hipócritas! Isaías bem profetizou sobre vós, dizendo:

Comentário Cambridge

Isaías bem profetizou sobre vós] Uma expressão judaica comum para citar um ditado dos profetas. [Cambridge, aguardando revisão]

8 Este povo com os lábios me honra; mas o seu coração está longe de mim.

Comentário Barnes

Eles são fiéis nas formas de adoração; rigorosos nas observâncias cerimoniais, e cumprem a lei externamente; mas Deus requer o coração, e que eles não o tenham rendido. [Barnes]

Comentário do Púlpito

A citação é da versão Septuaginta, com uma pequena variação em relação ao texto no final. O hebraico também difere um pouco; mas o significado geral não é afetado.

com os lábios me honra. Eles usam as formas prescritas de adoração, guardam com muito cuidado a letra da Escritura, observam suas promulgações legais e cerimoniais, são rigorosos na prática de todas as formalidades externas.

mas o seu coração está longe de mim. Isto é o que os profetas tão constantemente contestam. Orações, sacrifícios, etc., são totalmente inaceitáveis a menos que sejam inspirados pela devoção interior, e acompanhados pela pureza do coração. [Pulpit]

9 Em vão, porém, me veneram, ensinando doutrinas que são regras humanas.

Comentário de David Brown

Ao colocar os mandamentos dos homens no mesmo nível dos requisitos divinos, toda a sua adoração foi tornada vã – um princípio de grande importância no serviço de Deus. “Pois”, é acrescentado em Marcos 7:8, “deixando de lado o mandamento de Deus, vós guardais a tradição dos homens, como a lavagem de potes e copos; e muitas outras coisas semelhantes vós fazeis.” [Tregelles coloca entre colchetes todas as palavras depois de “homens” neste versículo como de autoridade duvidosa; mas não vemos base para isso:Tischendorf insere o todo como no texto recebido]. A natureza impulsionadora de suas numerosas observâncias é aqui claramente exposta, em contraste com a observância viril do “mandamento de Deus”; e quando nosso Senhor diz:”Muitas outras coisas semelhantes vocês fazem”, está implícito que Ele apenas deu um exemplo do tratamento hediondo que a lei divina recebeu, e a disposição avarenta que, sob a máscara da piedade, foi manifestada pelos eclesiásticos daquela época. [JFU, aguardando revisão]

10 Assim chamou a multidão para si, e disse-lhes:Ouvi e entendei.

Comentário de David Brown

Assim chamou a multidão para si, e disse-lhes – O diálogo anterior, embora na audiência das pessoas, foi entre Jesus e os fariseus, cujo objetivo era desacreditá-lo com o povo. Mas Jesus, havendo-os rebaixado, volta-se para a multidão, que neste momento estava preparada para beber em tudo o que Ele dizia, e com admirável simplicidade, força e brevidade, estabelece o grande princípio da poluição real, pelo qual um mundo de a servidão e o desconforto da consciência seriam dissipados em um momento, e o sentido do pecado seria reservado para desvios da santa e eterna lei de Deus. [JFB, aguardando revisão]

11 Não é o que entra na boca que contamina o ser humano; mas sim o que sai da boca, isso contamina o ser humano.

Comentário de Jamieson, Fausset e Brown

Isso é expresso ainda mais enfaticamente em Marcos (Marcos 7:15-16), e é acrescentado:“Se alguém tem ouvidos para ouvir, ouça”. Como em Mateus 13:9, este dito tão frequentemente repetido parece ter por objetivo chamar a atenção para o caráter fundamental e universal da verdade a que se refere. [JFU]

Comentário Whedon

Não é o que entramas sim o que sai. Isto é, não o alimento material que entra no estômago do homem. Isto é colocado em contraste com o que sai do homem; isto é, a ação moral, que sai da vontade e da intenção do homem. As palavras intencionais de um homem contaminam a alma. Assim como suas ações, e até mesmo seus pensamentos, pois todos eles saem dele mesmo.

A falta de controle no comer ou beber pode, de fato, profanar moralmente uma pessoa. Mas mesmo aqui a impureza não provém do contato físico sofrido, mas sim da vontade e do ato de agir pelo qual esses alimentos são tomados. Deuteronômio fato, toda a força do dito de nosso Senhor é, que não o toque físico, mas a ação moral torna uma pessoa verdadeiramente impura diante de Deus. [Whedon]

12 Então os discípulos aproximaram-se dele, e lhe perguntaram:Tu sabes que os fariseus se ofenderam quando ouviram essa palavra?

Comentário de David Brown

Eles deram vazão à sua irritação e talvez ameaças, não ao nosso próprio Senhor, de quem eles parecem ter fugido, mas a alguns dos discípulos, que relatam isso ao seu Mestre. [JFB, aguardando revisão]

13 Mas ele respondeu:Toda planta que meu Pai celestial não plantou será arrancada pela raiz.

Comentário Cambridge

Toda planta] Não uma flor selvagem, mas uma planta ou árvore cultivada; a palavra ocorre aqui apenas no Novo Testamento; na LXX. versão do Antigo Testamento é usado para a videira, a planta mais cuidadosamente cultivada; 2Reis 19:29; Ezequiel 17:7; Miq 1:6; e em uma outra passagem, Gênesis 21:33, da tamargueira. Aqui, a planta cultivada por mãos humanas – a vide que não é a videira verdadeira de Israel – é a doutrina dos fariseus. [Cambridge, aguardando revisão]

14 Deixai-os, são guias cegos de cegos. E se o cego guiar outro cego, ambos cairão na cova.

Comentário Cambridge

são guias cegos de cegos] O provérbio que se segue é citado em uma conexão diferente, Lucas 6:39; cp. também ch. Mateus 23:16.

cairão na cova] Palestina abundou em perigos deste tipo, de poços desprotegidos, pedreiras e armadilhas; abundava também em pessoas que sofriam de cegueira. Veja a nota cap. Mateus 9:27. [Cambridge, aguardando revisão]

15 E Pedro lhe disse:Explica-nos a parábola.

Comentário de David Brown

E Pedro lhe disse – “quando Ele entrou em casa vindo do povo”, diz Marcos – “declara-nos esta parábola”. [JFU, aguardando revisão]

16 Porém Jesus disse:'Até vós ainda estais sem entender?'

Comentário de Jamieson, Fausset e Brown

A lentidão de compreensão espiritual em Seus genuínos discípulos aflige o Salvador:dos outros Ele não espera nada melhor (Mateus 13:11). [JFU]

Comentário Whedon

Até vós (meus próprios discípulos, assim como os fariseus) ainda (o depois de todo meu exemplo e minhas instruções) sem entender – a diferença entre impureza física e impureza moral. Oséias discípulos foram claramente autorizados por nosso Senhor a negligenciar estas lavagens. Sem dúvida, muitas vezes lhes foi dito que lavar o corpo não lava a alma. Ainda assim, quando o preceito em seu poder declarado é colocado em choque direto com as doutrinas dos mestres, eles ficam um pouco confusos, e precisam que o Mestre o declare de forma direta e em termos completos. [Whedon]

Comentário do Púlpito

Até vós ainda estais sem entender? Apesar de tudo o que passou – meu ensinamento, minha vida, meus milagres – vocês não entendem em que consiste a verdadeira pureza? Muitas vezes Jesus teve que se queixar da lentidão da inteligência de seus discípulos, da lenta apreciação de seu significado, da indiferença ao lado espiritual de seus atos e de sua doutrina. Até o último momento eles não conseguiram apreender sua missão; nem foi até o Dia de Pentecostes, quando o Espírito Santo foi derramado sobre eles, que eles realmente e em plenitude compreenderam os ensinamentos do Senhor e seus próprios deveres e poderes. [Pulpit]

17 Não percebeis que tudo o que entra na boca vai ao ventre, mas depois é lançado na privada?

Comentário de David Brown

Não percebeis que tudo o que entra na boca… – Por mais familiares que estes ditos se tornem agora, que liberdade do cativeiro às coisas exteriores eles proclamam, por um lado? e, por outro lado, como é que a busca é a verdade que eles expressam – que nada que entre de fora pode realmente nos corromper; e que somente o mal que está no coração, que é permitido se mexer ali, se elevar em pensamento e afeição e fluir em ação voluntária, realmente contamina um homem! [JFB, aguardando revisão]

18 Porém as coisas que saem da boca procedem do coração; e elas contaminam o ser humano.

Comentário do Púlpito

as coisas. Ele não afirma que tudo o que sai da boca de um homem o contamina; pois, como foi dito acima em Mateus 15:11, muitas coisas boas podem sair da boca do homem; mas ele quer dizer que o mal que ele profere é repleto de poluição para sua natureza moral.

do coração. O coração representa alma, mente, espírito, vontade, todo o homem interior, aquilo que o torna o que ele é, um ser consciente, inteligente e responsável. Conseqüentemente, são atribuídos a ele não apenas palavras, mas atos, concepções que resultam em ações externas e as consequências que estas envolvem. [Pulpit, aguardando revisão]

19 Pois do coração procedem maus pensamentos, mortes, adultérios, pecados sexuais, furtos, falsos testemunhos, blasfêmias.

Comentário Whedon

do coração procedem. A fonte da intenção moral e da ação moral. A ação pecaminosa brota de uma natureza pecaminosa. Aí reside a ação má, uma maldade permanente da disposição. O coração, portanto, é depravado.

maus pensamento. A palavra pensamentos aqui se refere a estes raciocínios internos e ponderação a favor e contra o ceder ao pecado que precede sua prática. O coração negocia com o delito e oscila antes de dar a conhecer o ato. Daí a frase maus pensamentos designar as fontes das quais procede todo o rol de pecados enumerado no versículo. Este catálogo segue quase a ordem da segunda tabela do decálogo, começando com o sexto mandamento.

falsos testemunhos – mentiras de todo tipo.

blasfêmias. Manifestações injuriosas contra Deus ou contra o homem. [Whedon]

Comentário Cambridge

do coração procedem. A enumeração segue a ordem dos Mandamentos. “Maus pensamentos” – raciocínios prejudiciais – formam uma classe sob a qual o resto cai, indicando, também, que a transgressão dos Mandamentos está muitas vezes em pensamento, pela lei de Cristo, não apenas em atos. Por “blasfêmias”, que podem ser consideradas para resumir a primeira tábua, Marcos (Marcos 7:22), cuja ordem difere ligeiramente, tem “cobiça”, completando assim o decálogo, e acrescenta à lista do texto “as maldades, o engano, a depravação, o olho malicioso, a blasfêmia, a soberba, a insensatez”.

Oséias plurais “mortes, adultérios”, como aponta Meyer, denotam as diferentes situações e tipos de assassinato e adultério. O assassinato inclui muito mais do que o ato de derramamento de sangue. [Cambridge]

20 Estas coisas são as que contaminam o ser humano; mas comer sem lavar as mãos não contamina o ser humano.

Comentário de David Brown

Estas são as coisas que contaminam o homem; mas comer com mãos não lavadas não contamina o homem. Assim nosso Senhor resume todo esse discurso. [JFB, aguardando revisão]

A mulher de Canaã e sua filha

21 E, tendo Jesus partido dali, foi para as partes de Tiro e de Sidom.

Comentário Whedon

tendo Jesus partido dali. A hostilidade precedente dos fariseus para com Nosso Senhor foi tão agravada em consequência de sua refutação, que ele parece ter deixado Cafarnaum por causa de suas maquinações. Ele também foi nesta época, desde a morte de João Batista, um motivo de atenção por parte de Herodes Antipas. Inseguro, portanto, dos poderes dominantes tanto da Judéia como da Galileia, o encontramos de repente à margem do Mediterrâneo.

Tiro e Sidon. À beira do Mar Mediterrâneo, na parte noroeste da Judéia. [Whedon]

Comentário Ellicott

para as partes de Tiro e de Sidom. Marcos (Marcos 7:31) diz  que nosso Senhor passou, depois do milagre, “por Sidom”, e assim temos a exceção registrada àquela lei auto-imposta de Seu ministério que o manteve dentro dos limites da terra de Israel. Para os discípulos poderia parecer que Ele estava simplesmente se retirando do conflito com a hostilidade exaltada de seus opositores fariseus. Podemos ver uma relação entre os dois atos não muito diferente daquela que depois conectou a visão de Pedro em Jope com sua entrada na casa de Cornélio em Cesareia. Ele estava mostrando em ato, como antes em palavras (Mateus 11:21), que Ele considerava Tiro e Sidom no mesmo nível de Corazim e Betsaida. A poeira das cidades pagãs não estava mais contaminada do que a de Cafarnaum. A viagem de Cafarnaum a Tiro era uma viagem que poderia ser feita em um longo dia de caminhada. [Ellicott]

22 E eis que uma mulher Cananeia, que tinha saído daquela região, clamou:Senhor, Filho de Davi, tem misericórdia de mim! Minha filha está miseravelmente endemoninhada.

Comentário Whedon

uma mulher Cananeia. Ela era uma gentia, mas já tinha ouvido falar e parece ter acreditado no Messias judeu. Ela é chamada por Marcos de grega, isto é, de uma pagã pela religião, e também de sirofenícia pelo nascimento. Fenícia era o nome grego daquela faixa de país habitada pelos antigos cananeus, situada entre a cordilheira do Líbano e o Mediterrâneo. A parte dela que estava incluída na província romana da Síria se chamava Sírio-fenícia.

Filho de Davi. Ela o chama por seu nome judeu e linhagem. Ela faz isso para ganhar sua atenção e sua boa vontade. Ao mesmo tempo, mostra que ela se familiarizou com as ideias judaicas e provavelmente acreditou nelas.

Minha filha está miseravelmente endemoninhada. Doença e insanidade são terríveis, mas quais devem ser os sentimentos da mãe por encontrar seu filho lutando sob o domínio de um demônio? Não é de admirar que quando ela ouve que um homem que possui o poder divino para aliviar se aproxima dele, ela venha até ele e com toda a energia da oração desesperada. [Whedon]

Comentário Dummelow

uma mulher Cananeia. Ela era de uma daquelas nações que os judeus haviam sido chamados a exterminar, e por isso era motivo de mais desprezo do que uma pagã comum. Marcos a chama de “uma grega, siro-fenícia de nação”; isto é, ela falava grego, mas pertencia ao povo dos sírios que habitavam na Fenícia. Oséias fenícios eram de ascendência cananéia.

Filho de Davi. Como ela sabia que Jesus era descendente de Davi? Não porque ela era uma prosélita, pois abaixo ela é chamada de “um cão”, ou seja, um pagã. Provavelmente porque a fama de Jesus, e o título popular pelo qual Ele era conhecido, tinha se espalhado muito além dos limites da Galiléia. [Dummelow]

23 Mas ele não lhe respondeu palavra. Então seus discípulos se aproximaram dele, e rogaram-lhe, dizendo:Manda-a embora, porque ela está gritando atrás de nós.

Comentário Cambridge

ele não lhe respondeu palavra] Jesus, com esta recusa, prova a fé da mulher, para que a purifique e aprofunde. Seu pedido deve ser vencido por meio de oração fervorosa, “para que a vitória da luz não torne o prêmio mais leve”.

Observe que Cristo recusa primeiro pelo silêncio, depois por palavras expressas.

Manda-a embora] Concedendo o que ela pede, cedendo, como o juiz injusto, à sua importunação. [Cambridge, aguardando revisão]

24 E ele respondeu:Não fui enviado para ninguém além das ovelhas perdidas da casa de Israel.

Comentário Cambridge

Não fui enviado para ninguém além das ovelhas perdidas da casa de Israel] Jesus veio para salvar a todos, mas Seu ministério pessoal foi confinado, com poucas exceções, aos judeus.

O pensamento de Israel como um rebanho de ovelhas perdidas nas montanhas é lindamente desenhado, Ezequiel 34; “Meu rebanho estava espalhado por toda a face da terra, e ninguém os buscava ou buscava” (Mateus 15:6). Leia o capítulo inteiro. [Cambridge, aguardando revisão]

25 Então ela veio e se prostrou diante dele, dizendo:Senhor, socorre-me.

Comentário do Púlpito

ela veio e se prostrou. Nesse ínterim, como aprendemos com Marcos, Jesus saiu da rua e entrou em uma casa. A mulher, nada intimidada por sua rejeição e pelo desprezo com que seu apelo foi recebido, seguiu-o persistentemente e, ficando mais ousada em sua importunação, caiu como uma suplicante a seus pés. Enquanto ele ainda parecia lhe causar repulsa, ela estava aprendendo uma nova fé e esperança.

Senhor, socorre-me. Ela agora não o chama de “Filho de Davi”. Ela começa a sentir que tem poucos direitos sobre ele como o Messias judeu; ela apela antes para sua misericórdia e seu poder. Ainda assim, ela se identifica, a princípio, com sua filha; a única dádiva que ela deseja para si mesma é o alívio do filho. “Pois ela realmente (minha filha) está insensível de sua doença, mas sou eu que sofro seus incontáveis males; minha doença é com consciência, minha loucura com percepção de si mesma”. [Pulpit, aguardando revisão]

26 Mas ele respondeu:Não é bom tomar o pão dos filhos e lançá-lo aos cachorrinhos.

Comentário Cambridge

Não é bom tomar o pão dos filhos e lançá-lo aos cachorrinhos. Oséias “filhos” são os judeus; os “cães” são os gentios. Este foi o nome aplicado pelos judeus a todos fora do grupo escolhido, sendo o cão, no Oriente, um símbolo de impureza. Paulo, considerando a Igreja Cristã como o verdadeiro Israel, chama os mestres judaizantes de “cães”, Filipenses 3:2. As palavras de Cristo, como relatadas por Marcos (cap. Mar 7:27), contêm um brilho de esperança, “Que as crianças sejam primeiro preenchidas”. [Cambridge]

Comentário do Púlpito

tomar o pão dos filhos. Oséias “filhos” são o povo escolhido, “os filhos do reino” (Mateus 8,12), que ocuparam esta alta posição por eleição, por mais que os indivíduos possam perdê-la por um uso indigno de privilégios. O “pão” significa as graças e os favores concedidos por Deus em Cristo.

lançá-lo. Um termo humilhante; não para dá-lo, como você daria a seus filhos, mas para jogá-lo fora como sem valor, adequado apenas para animais.

aos cachorrinhos (κυναρίοις). Este era o termo aplicado pelos judeus aos gentios […] Alguns viram um termo de carinho no diminutivo “cachorrinhos”, como se Cristo quisesse suavizar a dureza da expressão, referindo-se, não aos animais que rondam, sem dono, que agem como carniceiros em cidades orientais, mas aos animais de estimação da casa do dono. Mas a Escritura não dá nenhum motivo para pensar que os hebreus jamais mantiveram os cães como amigos e companheiros, à nossa maneira moderna; e nosso Senhor adota a língua de seus compatriotas, para colocar a mulher em sua posição correta, como alguém com quem os judeus não poderiam ter comunhão. Tirar as bênçãos da Igreja de Israel para dá-las aos estranhos era lançá-las fora em destinatários indignos. [Pulpit]

27 Ela, porém, disse:Sim, Senhor. Porém os cachorrinhos também comem, das migalhas que caem da mesa dos seus senhores.

Comentário Cambridge

Porém os cachorrinhos também comem – A mulher leva a sério a palavra de Jesus, aceita o nome da censura e reclama a pequena parte que cabe até aos cachorros. Não há necessidade de lançar o pão das crianças aos cães, pois até os cães têm migalhas das mãos do Mestre.

das migalhas] Provavelmente como em E. V., não, como sugere Trench, os pedaços de pão usados pelos convidados para limpar as mãos e depois atirados aos cães.

da mesa dos seus senhores] Oséias “senhores” devem ser interpretados como significando Deus, não, como por alguns, o povo judeu. [Cambridge, aguardando revisão]

28 Então Jesus lhe respondeu:Ó mulher, grande é a tua fé. A ti seja feito como tu queres. E desde aquela hora sua filha ficou curada.

Comentário Whedon

Ó mulher. O Senhor irrompe em exclamações! Ele escolhe se encontrar vencido. A fé dela a faz uma exceção para todo o mundo gentio. Ela será como uma israelita. Sua oração será cumprida. Marcos diz que quando ela voltou para casa “encontrou que o demônio já havia saído, e a criança estava deitada sobre a cama”.

grande é a tua fé. Sua fé não é apenas peculiar em sua grandeza, mas peculiar no fato de obter uma bênção não para si mesma, mas para outro. Ou, para expressar de forma mais verdadeira, ela obtém sua bênção para si mesma sobre outro. É um caso de intercessão bem-sucedida. Por sua causa e por meio de sua oração fervorosa e eficaz, a bênção iluminou sua descendência. E, portanto, uma coisa abençoada pode significar ser filho de um pai que ora. E todos os pais que oram podem ser encorajados a perseverar na oração fervorosa, mesmo no caso mais desesperançoso de pecado ou sofrimento de um filho. [Whedon]

Comentário do Púlpito

Ó mulher, grande é a tua fé. Jesus frequentemente se queixava de incredulidade em seus ouvintes; a fé de nenhuma outra pessoa ele jamais expressou surpresa, exceto no caso de outro gentio, o centurião de Cafarnaum (Mateus 8:10).

A ti seja feito como tu queres. Ela tinha vencido; ela conquistou o seu desejo. Mas não devemos pensar que Cristo consentiu porque seus sentimentos humanos foram superados por sua importunação, como o juiz injusto da parábola, embora o princípio e o ensinamento dessa parábola tenham sido aqui belamente ilustrados. Ele agiu o tempo todo como Deus, antecipando o que ele faria. Ele a conduziu até este clímax; ele quis dar a ela uma oportunidade de exibir esta […] confiança inabalável, e agora ele a coroa com seu poderoso elogio, e concede a ela seu pedido, recompensando sua grande fé através de uma grande misericórdia.

desde aquela hora sua filha ficou curada. Marcos (Marcos 7:29) relata as palavras de Cristo:“Por esta palavra, vai, o demônio já saiu da tua filha”. Ele não diz:”Eu irei e a curarei”; ele lhe diz que a cura já está feita. Sem contato pessoal com a doente, sem nenhum comando dado ao demônio que a possuía, só por sua vontade silenciosa a maravilha se realiza. Esta bênção para a criança foi conquistada pela fé da mãe. Oséias dois pontos a serem comentados nesta maravilhosa história são o tratamento incomum que Cristo dá a um suplicante, e a fé e perseverança surpreendentes do suplicante. [Pulpit]

Quatro mil milagrosamente alimentados

29 E tendo Jesus partido dali, veio ao mar da Galileia. Ele subiu a um monte, e ali se sentou.

Comentário Ellicott

tendo Jesus partido dali. Como Marcos (no melhor MSS.) Dá a narrativa, Sua jornada o conduziu através de Sidon. Foi o único caso em que Ele visitou uma cidade distintamente pagã, e caminhou pela costa do Grande Mar, e olhou em direção às ilhas de Quitim, as ilhas dos gentios, às quais Seu nome viria depois de anos como a mensagem de alegria, paz e vida. É significativo, visto que Sidon ficava ao norte de Tiro, que Ele estendeu Sua jornada, como se procurasse para Si mesmo e seus discípulos um período mais longo de descanso para oração e meditação. Seu retorno à Galiléia deve ter sido por alguns dos desfiladeiros da cordilheira do Hermon, trazendo-O para a margem oriental do lago. [Ellicott, aguardando revisão]

30 E vieram a ele muitas multidões, que tinham consigo mancos, aleijados, cegos, mudos, e muitos outros; e os lançaram aos pés de Jesus, e ele os curou.

Comentário Schaff

muitas multidões. Mesmo neste lugar aposentado, Ele não teve permissão para descansar por muito tempo. As multidões vinham trazendo consigo, ou seja, trazendo consigo uma grande variedade de aflitos.

mudos. Marcos menciona um caso em particular (Marcos 7:32-35).

aleijados. A primeira menção a esta classe, ou seja, os feridos ou doentes nas mãos ou nos pés.

os lançaram aos pés. Isso pode se referir à grosseria desses que subiram ao monte, ou à sua pressa, ou à sua confiança; provavelmente as três explicações devem ser combinadas. [Schaff, aguardando revisão]

31 Desta maneira, as multidões se maravilhavam quando viam os mudos falarem, os aleijados ficarem sãos, os mancos andarem, e os cegos verem; então glorificaram ao Deus de Israel.

Comentário do Púlpito

os aleijados ficarem sãos. Esta frase é omitida por א e alguns outros manuscritos, a Vulgata e outras versões, e alguns editores modernos. Provavelmente a dificuldade mencionada acima fez com que fosse primeiro posta em dúvida e depois rejeitada.

ao Deus de Israel. Jeová, cujas misericórdias pactuadas eles desfrutavam. Mateus tem o cuidado de, em todas as ocasiões, exibir Jesus como o Mensageiro e Representante do Deus do Antigo Testamento. Oséias apóstolos, como Alford sugere, podem alegremente contrastar esta abundância de atos de misericórdia com a grande dificuldade com a qual a fé de um gentio recentemente obteve ajuda. “Vês”, diz Crisóstomo, “como a mulher realmente curou com tanto atraso, mas estes imediatamente? Não porque estes são melhores do que ela, mas porque ela é mais fiel do que eles. Portanto, enquanto no caso dela. ele adia e retarda, para manifestar a constância dela, sobre estes ele concede o presente imediatamente, fechando a boca dos judeus incrédulos[…]. Pois quanto maior o favor que alguém recebeu, tanto mais ele está sujeito à punição , se ele for insensível, e a própria honra não o torna melhor. ” [Pulpit, aguardando revisão]

32 Jesus chamou a si os seus discípulos, e disse:Estou compadecido com a multidão, porque já há três dias que estão comigo, e não têm o que comer. E não quero os deixar ir em jejum, para que não desmaiem no caminho.

Comentário do Púlpito

Jesus chamou a si os seus discípulos. Vendo as necessidades da multidão, Jesus, por assim dizer, leva seus discípulos ao conselho, tratando-os não como servos, mas como amigos. Estavam sem dúvida dispersos no meio da multidão, e Jesus os convoca à sua volta e apresenta-lhes o ponto especial para o qual se dirige a sua atenção. Assim, ele prova a fé deles e mostra que não havia meios humanos disponíveis para alimentar essas pessoas famintas. Assim, Deus, por assim dizer, confia em Abraão antes de visitar a iniqüidade de Sodoma:”Devo esconder de Abraão o que faço?” (Gênesis 18:17).

Estou compadecido com a multidão. O coração humano de Jesus sentiu por esses seguidores angustiados; sua perfeita simpatia foi despertada em favor deles. Observamos referências a esse sentimento terno em muitos outros casos.

porque já há três dias que estão comigo. O verbo usado aqui (προσμένειν) implica um atendimento próximo perseverado em contra obstáculos; é usado no Atos 11:23 em um sentido espiritual:”Ele exortou a todos que com propósito de coração se apegassem (προσμένειν) ao Senhor.” Os três dias, de acordo com a fórmula hebraica de cálculo, consistiriam em um dia inteiro e partes de dois outros. Assim constantemente empregado na cura e no ensino, Jesus não pensa em si mesmo; todo o seu cuidado está centrado nas pessoas que, na ansiedade de o ver e ouvir, esquecem as suas próprias necessidades. Não haveria nada de estranho nas pessoas acampando por uma noite na Palestina. Homens e mulheres geralmente deitam-se para descansar com as roupas que vestiram durante o dia e não precisam de preparação especial para dormir. Assim, um homem se cobre com sua roupa externa pesada, deita no chão seco, como Jacó em Betel, com uma pedra ou seu braço como travesseiro, e dorme confortável e seguramente até acordar pelo sol da manhã.

E não quero os deixar ir em jejum. Como um bom senhor de uma casa, em sua terna piedade, Cristo leva em consideração as circunstâncias da multidão e não pode suportar a ideia de despedi-los cansados ​​e sem alimentação para encontrar o caminho para suas próprias casas, que, como acrescenta Marcos, eram , no caso de muitos deles, à distância.

desmaiem. Oséias viajantes nos contam que, no século 19, em meio à multidão heterogênea de peregrinos que se aglomeravam em Jerusalém na época de Páscoa, muitos ficavam sem provisões e morriam na estrada. O cuidado atencioso de Cristo considera a possibilidade de tal desastre e prepara o remédio. Ele havia tratado as doenças da multidão; ele havia instruído sua ignorância; agora ele vai alimentar seus corpos. Eles nada haviam procurado dele, nem implorado por comida; provavelmente eles não tinham ideia de recorrer a ele para suprir suas necessidades. Mas aqueles que seguem a Jesus nunca faltarão. Eles buscavam primeiro o reino de Deus e sua justiça, e bênçãos temporais foram acrescentadas a eles. [Pulpit, aguardando revisão]

33 E os discípulos lhe responderam:Deuteronômio onde conseguiremos tantos pães no deserto, para saciar tão grande multidão?

Comentário do Púlpito

Cristo nada disse aos seus discípulos sobre seu projeto de alimentar o povo, mas suas observações apontaram para a possibilidade de tal projeto, e os apóstolos imediatamente jogaram água fria no projeto. Naum verdade, não o exortam, como faziam antes, a mandar embora a multidão, para que supram suas próprias necessidades, mas enfatizam a impossibilidade de realizar a ideia de alimentá-los. A resposta deles é cheia de objeções. O lugar está desabitado; a multidão é numerosa; a quantidade de comida necessária é enorme; e como podemos nós, pobres e necessitados como somos, ajudá-los? Parece-nos incrível que pudessem devolver esta resposta, depois de terem, muito antes, experimentado o milagre da alimentação dos cinco mil. Pareciam agora ter esquecido a maravilha anterior e estar em total dúvida sobre como o alimento necessário deveria ser fornecido na ocasião. O fato de Cristo exibir seus poderes milagrosos parece não ter passado pela cabeça deles. Tal surpreendente esquecimento e lentidão de fé pareceram a alguns críticos tão improváveis ​​e incomuns, que eles consideraram a atitude dos apóstolos como uma confirmação de sua suposição da identidade dos dois milagres da alimentação. Mas realmente essa conduta é verdadeira para a natureza humana. Calvino, embora condene com veemência a estupidez dos discípulos – “nimis brutum produnt stuporem” – tem o cuidado de acrescentar que os homens são sempre suscetíveis a uma insensibilidade semelhante, propensos a esquecer a libertação passada em face da dificuldade presente. Imediatamente após a passagem do Mar Vermelho, o povo temeu morrer de sede no deserto; e quando Deus prometeu dar-lhes carne para comer, até Moisés duvidou da possibilidade do suprimento e perguntou de onde poderia ser provido (Êxodo 17:1, etc; Números 11:21, etc.). Quantas vezes Jesus falou de seus sofrimentos, morte e ressurreição! No entanto, esses eventos vieram aos crentes como uma surpresa para a qual eles estavam totalmente despreparados. Continuamente os discípulos se esqueciam do que deveriam ter lembrado, não tiraram nenhuma inferência apropriada do que tinham visto e experimentado, e tiveram que aprender as mesmas lições repetidamente em diferentes circunstâncias. Desde a primeira refeição milagrosa, muitos eventos aconteceram; muitas vezes, possivelmente, careciam de comida, como quando no dia de sábado saciavam sua fome com espigas colhidas pelo caminho, e Cristo não operou nenhum milagre para seu alívio. Não sugeriu imediatamente que eles recorressem a seu Mestre em caso de emergência; eles estavam muito longe de esperar a interposição divina a cada passo. Se eles pensaram em tudo no milagre anterior, eles podem ter olhado para ele como o resultado de um poder intermitente, nem sempre sob comando, ou de qualquer forma que provavelmente não será exercido na ocasião presente. Eles demoraram a apreender a missão e o caráter divinos de Cristo. O reconhecimento de sua messianidade não necessariamente conota a realização de sua divindade. Nos escritos deste e do período imediatamente anterior, vemos que o grande Profeta, Príncipe, Conquistador, que há de aparecer, não é Deus, mas alguém comissionado por Deus e, no máximo, um homem ou anjo inspirado por Deus. Portanto, os apóstolos estavam apenas em uníssono com os melhores de seus contemporâneos quando, no momento, eles hesitaram em acreditar e foram incapazes de apreender a natureza divina de Cristo. [Pulpit, aguardando revisão]

34 Jesus lhes perguntou:Quantos pães tendes? E eles disseram:Sete; e uns poucos peixinhos.

Comentário do Púlpito

Quantos pães tendes? Jesus não dá uma resposta formal à pergunta hesitante dos apóstolos, mas por meio de um novo interrogatório os leva a esperar sua interposição. Este foi o prelúdio do milagre.

Sete; e uns poucos peixinhos. Eles não acrescentam, como na ocasião anterior:”Mas o que são eles entre tantos?” Eles aprenderam algo com o que havia ocorrido anteriormente. Se esta pequena loja foi o que restou de seus próprios suprimentos, ou se foi tudo que eles puderam encontrar entre a multidão, não aparece. Pela menção indeterminada dos peixes, devemos supor que este seja o caso, pois provavelmente teriam mencionado o número dos peixes se fossem deles. Pode ter havido algum desprezo implícito no diminutivo ἰχθύδια, “peixinhos”, como se estes quase não fossem dignos de nota. O peixe seco era um produto básico na região. [Pulpit, aguardando revisão]

35 Então mandou as multidões que se sentassem pelo chão.

Comentário do Púlpito

que se sentassem pelo chão. Naquela época não havia “muita grama no local”, pois a estação não era mais o início da primavera. Seu assento era o solo descoberto, sua refeição do mais simples caráter. Aquele que, como homem, teve pena deles, agora os alimentava como Deus, mas não com luxos ou iguarias, mas com comida suficiente para suas necessidades. [Pulpit, aguardando revisão]

36 Tomou os sete pães e os peixes, deu graças e os partiu. Em seguida, ele os deu aos discípulos, e os discípulos às multidões.

Comentário do Púlpito

Tomou. O relato difere pouco daquele da ocasião anterior.

deu graças. Isso representa a bênção dos mantimentos. O Dia de Ação de Graças era um acompanhamento especial das refeições. O Talmud disse:”Aquele que desfruta de qualquer coisa sem um ato de ação de graças é como aquele que rouba o Todo-Poderoso.” A bênção aqui foi a causa eficiente da multiplicação dos alimentos. Sem nenhuma nova criação, Jesus usou os materiais prontos para as suas mãos e apenas os aumentou com o seu poder Todo-Poderoso.

os partiu. Em seguida, ele os deu). Olhando para os tempos usados, devemos dizer que Jesus partiu os mantimentos uma vez, e então continuou dando-as continuamente aos doze para o propósito de distribuição. Não lemos como a multidão foi organizada no presente caso. Possivelmente a localidade não admitia divisão metódica em categorias e empresas ou, por outro lado, seus terraços naturais podem ter evitado a necessidade de qualquer arranjo formal, a empresa caindo naturalmente em seções convenientes. [Pulpit, aguardando revisão]

37 E todos comeram e se saciaram; e levantaram dos pedaços que sobraram sete cestos cheios.

Comentário Cambridge

dos pedaços que sobraram] Veja cap. Mateus 14:20. Um lado da lição é a prodigalidade da Providência. Deus dá ainda mais do que exigimos ou pedimos. Mas o pensamento dominante é um protesto contra o desperdício.

sete cestos] Ver nota cap. Mateus 14:20 e Atos 9:25, onde se diz que Paulo foi descido do muro de Damasco em uma espora, provavelmente um grande cesto feito de rede de corda, possivelmente um cesto de pescador. Por que os discípulos trouxeram diferentes tipos de cestos nas duas ocasiões, não podemos determinar. [Cambridge, aguardando revisão]

38 E foram os que comeram quatro mil homens, sem contar as mulheres e as crianças.

Comentário do Púlpito

O cálculo é feito da mesma forma que em Mateus 14:21 tornando a grandiosidade do milagre ainda maior. [Pulpit, aguardando revisão]

39 Depois de despedir as multidões, Jesus entrou em um barco, e veio à região de Magadã.

Comentário do Púlpito

despedir as multidões. Tendo suprido suas necessidades espirituais e materiais. Ele desejava evitar qualquer perturbação ou colisão com as autoridades constituídas; e o povo se dispersou silenciosamente, sendo menos excitável do que os habitantes de Betsaida, e não tão bem familiarizado com as reivindicações messiânicas. O número assim rejeitado foi menor do que na ocasião anterior, embora a provisão fosse maior – uma diferença que distingue um incidente do outro, e que nenhum falsificador teria introduzido, sendo muito mais natural fazer transcender a segunda maravilha, em vez de ficando aquém do anterior. Mencionamos isso aqui, porque alguns críticos assumiram que o presente é apenas um relato imperfeitamente lembrado da alimentação dos cinco mil já narrados. Existem, é claro, muitos pontos de semelhança nos dois incidentes. Sendo de caráter idêntico, devem apresentar naturalmente as mesmas características gerais. Mas o exame cuidadoso das duas narrativas revela muitas diferenças, que excluem totalmente a noção de que a última é uma reprodução tradicional da primeira. Para aquele que acredita na honestidade e boa fé dos evangelistas, a alusão que Cristo faz aos dois milagres é um argumento suficiente para sua separação. Nosso Senhor claramente chama a atenção para as duas ocasiões em que multiplicou os alimentos e repreende os apóstolos por sua falta de apreensão em face dessas maravilhas. “Não percebeis ainda, nem vos lembrais dos cinco pães para cinco mil, e de quantos cestos (κοφίνους) levantastes? Nem dos sete pães para quatro mil, e de quantos cestos (σπυρίδας) levantastes?”. Muitos dos pontos essenciais de diferença entre os dois relatos são notados na Exposição, e eles serão vistos se dispersando sempre que a divergência foi possível, no tempo, na cena e nos detalhes.

Magadã. A leitura correta é muito provavelmente Magadã (Vulgata), o Magdala mais conhecido tendo sido substituído por ele em uma data anterior. Conder identifica um dos dois com uma vila de barro e pedra chamada El Mejdel, um pouco ao norte de Tibério, um lugar pobre sem jardins, situado em uma planície de solo parcialmente arável. [Pulpit, aguardando revisão]

<Mateus 14 Mateus 16>

Visão geral de Mateus

No evangelho de Mateus, Jesus traz o reino celestial de Deus à terra e, por meio da sua morte e ressurreição, convoca os seus discípulos a viverem um novo estilo de vida. Tenha uma visão geral deste Evangelho através deste breve vídeo (em duas partes) produzido pelo BibleProject.

Parte 1 (9 minutos).

🔗 Abrir vídeo no Youtube.

Parte 2 (8 minutos).

🔗 Abrir vídeo no Youtube.

Leia também uma introdução ao Evangelho de Mateus.

Todas as Escrituras em português citadas são da Bíblia Livre (BLIVRE), Copyright © Diego Santos, Mario Sérgio, e Marco Teles – fevereiro de 2018.