Bíblia, Revisar

Mateus 15

Mensagem importante
Olá visitante do Apologeta! Vou direto ao ponto: peço que você me ajude a manter este projeto. Atualmente a renda gerada através dos anúncios são insuficientes para que eu me dedique exclusivamente a ele. Se cada pessoa que ler essa mensagem hoje, doar o valor de R$10.00, eu poderia me dedicar integralmente ao Apologeta pelo próximo ano e ainda remover todas as propagandas do site (que eu sei que são um pouco incômodas). Tenho um propósito ousado com este site: traduzir e disponibilizar gratuitamente conteúdo teológico de qualidade. O que inclui um dicionário bíblico completo (+4000 verbetes) e comentário de todos os 31.105 versículos da Bíblia. Faça parte deste projeto e o ajude a continuar crescendo. Obrigado!

Discurso sobre a impureza cerimonial

1 Então alguns fariseus e escribas de Jerusalém se aproximaram de Jesus, e perguntaram:

O tempo desta seção foi depois daquela Páscoa que estava próximo quando nosso Senhor alimentou os cinco mil (Jo 6:4) – a terceira Páscoa, como nós a tomamos, desde que Seu ministério público começou, mas que Ele não guardou em Jerusalém pela razão mencionada em Jo 7:1.

Então alguns fariseus e escribas de Jerusalém se aproximaram de Jesus – ou “de Jerusalém”. Marcos (Mc 7:1) diz que “veio” dele: uma delegação provavelmente enviado da capital expressamente para observá-lo. Como Ele não tinha chegado a eles na última Páscoa, que eles haviam contado, eles agora vêm a Ele. “E”, diz Marcos (Mc 7:2-3), “quando viram alguns de seus discípulos comerem pão com impurezas, isto é, com mãos não lavadas” – mãos não lavadas cerimonialmente por lavagem – “eles falha encontrada. Para os fariseus, e todos os judeus, a não ser que lavem as mãos de “literalmente” em “ou” com o punho “; isto é, provavelmente lavando uma mão pelo uso da outra – embora alguns a compreendam, com a nossa versão, no sentido de “diligentemente”, “diligentemente” – “não coma, mantendo a tradição dos anciãos”; agindo religiosamente de acordo com o costume dado a eles. “E quando eles vêm do mercado” (Mc 7:4) – “E depois do mercado”: após qualquer negócio comum, ou comparecer a um tribunal de justiça, onde os judeus, como Webster e Wilkinson observam, após sua sujeição aos romanos , estavam especialmente expostos ao coito e ao contato com os pagãos – “exceto que eles lavam, não comem. E há muitas outras coisas que eles receberam para segurar, como a lavagem de xícaras e potes, vasos de bronze e mesas ”- em vez disso,“ sofás ”, como os usados ​​nas refeições, que provavelmente eram apenas aspergidos para fins cerimoniais. “Então os fariseus e escribas perguntaram a ele”

dizendo – como segue:

2 Por que os teus discípulos transgridem a tradição dos anciãos? Pois não lavam suas mãos quando comem pão.

Por que os teus discípulos transgridem a tradição dos anciãos? porque não lavam as mãos quando comem pão.

3 Porém ele lhes respondeu: E vós, por que transgredis o mandamento de Deus por vossa tradição?

A acusação é respondida com um poder surpreendente: ‘A tradição que eles transgridem é apenas a do homem, e é em si mesma a ocasião para uma transgressão grave, comprometendo a autoridade da lei de Deus’. [JFU]

4 Pois Deus disse: Honra ao teu pai e à tua mãe; e quem maldisser ao pai ou à mãe seja sentenciado à morte.

Pois Deus disse: Honra ao teu pai e à tua mãe – (Dt 5:16).

e quem maldisser ao pai ou à mãe seja sentenciado à morte – (Êx 21:17).

5 Mas vós dizeis: 'Qualquer um que disser ao pai ou à mãe: 'Todo o proveito que terias de mim é oferta exclusiva para Deus', não precisa honrar seu pai ou à sua mãe'.

Ou simplesmente “uma oferta!” Em Marcos (Mc 7:11), é “Corbã!”, Isto é, “Uma oblação! Significando, qualquer oferenda ou presente de sangue não derramado dedicado aos usos sagrados.

6 E assim invalidastes a palavra de Deus por vossa tradição.

invalidastes – ou anulastes a palavra de Deus por vossa tradição.

7 Hipócritas! Isaías bem profetizou sobre vós, dizendo:
8 Este povo com os lábios me honra; mas o seu coração está longe de mim.

Este povo com os lábios me honra… – Ao colocar os mandamentos dos homens em um nível com as exigências divinas, toda a sua adoração foi tornada vã – um princípio de momento profundo no serviço de Deus. “Para”, é adicionado em Mc 7:8 “, deixando de lado o mandamento de Deus, você mantém a tradição dos homens, como a lavagem de panelas e copos; e muitas outras coisas semelhantes que você faz. ”A natureza vacilante de suas numerosas observâncias é aqui explicitamente exposta, em contraste com a observância viril do“ mandamento de Deus ”; e quando nosso Senhor diz: “Muitas outras coisas semelhantes fazem”, está implícito que Ele havia dado apenas um espécime do tratamento hediondo que a lei divina recebeu, e a disposição que, sob a máscara da piedade, se manifestava pelos eclesiásticos daquele dia.

9 Em vão, porém, me veneram, ensinando doutrinas que são regras humanas.
10 Assim chamou a multidão para si, e disse-lhes: Ouvi e entendei.

Assim chamou a multidão para si, e disse-lhes – O diálogo anterior, embora na audiência das pessoas, foi entre Jesus e os cavailers farisaicos, cujo objetivo era desacreditá-lo com o povo. Mas Jesus, havendo-os rebaixado, volta-se para a multidão, que neste momento estava preparada para beber em tudo o que Ele dizia, e com admirável simplicidade, força e brevidade, estabelece o grande princípio da poluição real, pelo qual um mundo de a servidão e o desconforto da consciência seriam dissipados em um momento, e o sentido do pecado seria reservado para desvios da santa e eterna lei de Deus.

11 Não é o que entra na boca que contamina o ser humano; mas sim o que sai da boca, isso contamina o ser humano.

Isso é expresso ainda mais enfaticamente em Marcos (Mc 7:15-16), e é acrescentado: “Se alguém tem ouvidos para ouvir, ouça. ”Como em Mt 13:9, essa frase tão repetida parece destinada a chamar a atenção para o caráter fundamental e universal da verdade a que ela se refere.

12 Então os discípulos aproximaram-se dele, e lhe perguntaram: Tu sabes que os fariseus se ofenderam quando ouviram essa palavra?

Eles deram vazão à sua irritação e talvez ameaças, não ao nosso próprio Senhor, de quem eles parecem ter fugido, mas a alguns dos discípulos, que relatam isso ao seu Mestre.

13 Mas ele respondeu: Toda planta que meu Pai celestial não plantou será arrancada pela raiz.

Eles são ofendidos, estão? Não o ouvisse: o seu ensino corrupto já está condenado: o jardim do Senhor na terra, por muito tempo sobrecarregado com a sua presença, ainda será purificado deles e do seu sistema amaldiçoado: sim, e tudo o que não é da plantação do Meu Pai celestial O grande Marido (Jo 15:1) compartilhará o mesmo destino.

14 Deixai-os, são guias cegos de cegos. E se o cego guiar outro cego, ambos cairão na cova.

Deixe-os em paz: eles são líderes cegos dos cegos. E se o cego guiar o cego, ambos cairão na vala – Expressão marcante dos efeitos ruinosos do ensino errôneo!

15 E Pedro lhe disse: Explica-nos a parábola.

Então Pedro, respondendo, disse-lhe: Declara-nos esta parábola – “quando foi entrado em casa do povo”, diz Marcos (Mc 7:17).

16 Porém Jesus disse: Até vós ainda estais sem entender?

Lentidão de apreensão espiritual em Seus genuínos discípulos aflige o Salvador: dos outros Ele não espera nada melhor (Mt 13:11).

17 Não percebeis que tudo o que entra na boca vai ao ventre, mas depois é lançado na privada?

Não percebeis que tudo o que entra na boca… – Por mais familiares que estes ditos se tornem agora, que liberdade do cativeiro às coisas exteriores eles proclamam, por um lado? e, por outro lado, como é que a busca é a verdade que eles expressam – que nada que entre de fora pode realmente nos corromper; e que somente o mal que está no coração, que é permitido se mexer ali, se elevar em pensamento e afeição e fluir em ação voluntária, realmente contamina um homem!

18 Porém as coisas que saem da boca procedem do coração; e elas contaminam o ser humano.
19 Pois do coração procedem maus pensamentos, mortes, adultérios, pecados sexuais, furtos, falsos testemunhos, blasfêmias.

Pois do coração procedem maus pensamentos – “raciocínios malignos”; Referindo-me aqui mais imediatamente àqueles raciocínios corruptos que introduziram sorrateiramente e gradualmente criaram aquele tecido hediondo de tradição que por fim praticamente anulou os princípios imutáveis ​​da lei moral. Mas a afirmação é muito mais ampla do que isso; a saber, que a primeira forma que o mal que está no coração toma, quando começa ativamente a se agitar, é a de “considerações” ou “raciocínios” sobre certas ações sugeridas.

mortes, adultérios, pecados sexuais, furtos, falsos testemunhos, blasfêmias – detrações, sejam contra Deus ou contra o homem; aqui a referência parece ser para o último. Marcos (Mc 7:22) acrescenta: “cobiças” – ou desejos depois de mais; “Maldades” – aqui significando, talvez, malignidades de várias formas; “Engano, lascívia” – significando excesso ou enormidade de qualquer tipo, embora por escritores posteriores restritos à lascívia; “Um mau olhado” – ou seja, todos os olhares ou olhares de inveja, ciúmes ou má vontade para com um vizinho; “Orgulho, tolice” – no sentido do Velho Testamento de “loucura”; isto é, insensatez criminal, a loucura do coração. Quão chocante é esse catálogo preto!

20 Estas coisas são as que contaminam o ser humano; mas comer sem lavar as mãos não contamina o ser humano.

Estas são as coisas que contaminam o homem; mas comer com mãos não lavadas não contamina o homem. Assim nosso Senhor resume todo esse discurso pesquisador.

(Mc 7:1,23).

A mulher de Canaã e sua filha

21 E, tendo Jesus partido dali, foi para as partes de Tiro e de Sidom.
22 E eis que uma mulher Cananeia, que tinha saído daquela região, clamou: Senhor, Filho de Davi, tem misericórdia de mim! Minha filha está miseravelmente endemoninhada.
23 Mas ele não lhe respondeu palavra. Então seus discípulos se aproximaram dele, e rogaram-lhe, dizendo: Manda-a embora, porque ela está gritando atrás de nós.

(Veja também em Mc 7:26)

24 E ele respondeu: Não fui enviado para ninguém além das ovelhas perdidas da casa de Israel.

(Veja também em Mc 7:26).

25 Então ela veio e se prostrou diante dele, dizendo: Senhor, socorre-me.

(Veja também em Mc 7:26).

26 Mas ele respondeu: Não é bom tomar o pão dos filhos e lançá-lo aos cachorrinhos.
27 Ela, porém, disse: Sim, Senhor. Porém os cachorrinhos também comem, das migalhas que caem da mesa dos seus senhores.
28 Então Jesus lhe respondeu: Ó mulher, grande é a tua fé. A ti seja feito como tu queres. E desde aquela hora sua filha ficou curada.

Quatro mil milagrosamente alimentados

Para a exposição, veja em Mc 7:31; veja em Mc 8:10.

29 E tendo Jesus partido dali, veio ao mar da Galileia. Ele subiu a um monte, e ali se sentou.
30 E vieram a ele muitas multidões, que tinham consigo mancos, aleijados, cegos, mudos, e muitos outros; e os lançaram aos pés de Jesus, e ele os curou.
31 Desta maneira, as multidões se maravilhavam quando viam os mudos falarem, os aleijados ficarem sãos, os mancos andarem, e os cegos verem; então glorificaram ao Deus de Israel.
32 Jesus chamou a si os seus discípulos, e disse: Estou compadecido com a multidão, porque já há três dias que estão comigo, e não têm o que comer. E não quero os deixar ir em jejum, para que não desmaiem no caminho.
33 E os discípulos lhe responderam: De onde conseguiremos tantos pães no deserto, para saciar tão grande multidão?
34 Jesus lhes perguntou: Quantos pães tendes? E eles disseram: Sete; e uns poucos peixinhos.
35 Então mandou as multidões que se sentassem pelo chão.
36 Tomou os sete pães e os peixes, deu graças e os partiu. Em seguida, ele os deu aos discípulos, e os discípulos às multidões.
37 E todos comeram e se saciaram; e levantaram dos pedaços que sobraram sete cestos cheios.
38 E foram os que comeram quatro mil homens, sem contar as mulheres e as crianças.
39 Depois de despedir as multidões, Jesus entrou em um barco, e veio à região de Magadã.
<Mateus 14 Mateus 16>

Leia também uma introdução ao Evangelho de Mateus

Adaptado de: Commentary Critical and Explanatory on the Whole Bible. Todas as Escrituras em português citadas são da Bíblia Livre (BLIVRE), Copyright © Diego Santos, Mario Sérgio, e Marco Teles – fevereiro de 2018.

Conteúdos recomendados