Apocalipse 7

1 E depois destas coisas eu vi quatro anjos que estavam sobre os quatro cantos da terra, retendo os quatro ventos da terra, para que nenhum vento soprasse sobre a terra, nem sobre o mar, nem sobre árvore alguma.

Comentário A. R. Fausset

E assim B e siríaco. Mas A, C, Vulgata e Copta omitem “e”.

depois destas coisas – A, B, C e Coptic lêem, “depois disto.” As duas visões neste capítulo aparecem como um episódio após o sexto selo, e antes do sétimo selo. É claro que, embora “Israel” possa em outro lugar designar o Israel espiritual, “os eleitos (Igreja) na terra” (Alford), aqui, onde os nomes das tribos um por um são especificados, esses nomes não podem ter nada além do significado literal. O segundo advento será o tempo da restauração do reino a Israel, quando os tempos dos gentios tiverem sido cumpridos, e os judeus dirão finalmente: “Bendito o que vem em nome do Senhor”. O período da ausência do Senhor tem sido um vazio na história dos judeus como nação. Assim como Apocalipse é o Livro do Segundo Advento (De Burgh), naturalmente a menção do favor restaurado de Deus a Israel ocorre entre os eventos que inauguram o advento de Cristo.

terra… mar… árvore – Os julgamentos para descer sobre estes são em resposta aos mártires “oração sob o quinto selo. Compare os mesmos julgamentos sob a quinta trombeta, sendo o isento lacrado (Apocalipse 9:4).

sobre árvore alguma – grego, “contra qualquer árvore” (grego, “{epi ti dendron}”), mas “na terra”, grego, “{epi tees gees}”). [Fausset, aguardando revisão]

2 E eu vi outro anjo subir do lado onde o sol nasce, que tinha o selo do Deus vivente, e clamou com grande voz aos quatro anjos, aos quais tinha sido dado poder para danificar a terra e o mar,

Comentário de Albert Barnes

E eu vi outro anjo. Evidentemente não tendo nenhuma ligação com os quatro, e empregado para outro propósito. Esse anjo também deve ter sido simbólico; e tudo o que está implícito é que algo seria feito como se um anjo o tivesse feito.

subir do lado onde o sol nasce. Ele apareceu no leste e parecia nascer como o sol. Não é fácil determinar qual é o significado especial, se houver, do leste aqui, ou por que este quarto dos céus é designado em vez do norte, sul ou oeste. Pode ser que, como a luz começa no leste, isso seja propriamente simbólico de algo que possa ser comparado com a luz da manhã; ou que alguma influência em “selar” os servos de Deus de fato sairia do leste; ou talvez nenhum significado especial deva ser atribuído ao bairro de onde o anjo é visto vir. Não é necessário supor que cada pequena coisa em um símbolo deve receber um cumprimento completo, ou que haverá alguma coisa particular para corresponder a ela. Talvez tudo o que se queira dizer aqui seja que, como o sol sai com esplendor do leste, o anjo veio com magnificência para realizar uma tarefa – a de selar os servos de Deus – alegre e alegre como o sol realiza. É certo que de nenhuma outra parte dos céus seria tão apropriado representar um anjo vindo para realizar um propósito de luz, misericórdia e salvação. Não me parece, portanto, que devamos procurar, no cumprimento disso, qualquer influência especial vindo do leste como o que é simbolizado aqui.

que tinha o selo do Deus vivente. Carregando-o nas mãos. Em relação a este selo, podem ser feitas as seguintes observações:

(a) A frase “selo do Deus vivo” sem dúvida significa o que Deus havia designado ou o que ele usaria; isto é, se o próprio Deus surgisse dessa maneira, ele usaria esse selo para esses propósitos. As pessoas muitas vezes têm um selo próprio, com algum nome, símbolo ou dispositivo, que o designa como seu, e que ninguém mais tem o direito de usar. Um selo às vezes é usado pela própria pessoa; às vezes confiado a um alto funcionário do Estado; às vezes ao secretário de uma corporação; e às vezes, como sinal de favor especial, a um amigo. Nesse caso, foi confiado a um anjo, que estava autorizado a usá-lo e cujo uso seria sancionado, é claro, onde quer que ele o aplicasse, pelo Deus vivo, como se ele próprio o tivesse empregado.

(b) Quanto à forma do selo, não temos nenhuma informação. Seria muito natural supor que o nome “do Deus vivo” estaria gravado nele, para que esse nome aparecesse em qualquer pessoa a quem ele pudesse ser afixado. Compare as notas em 2Timóteo 2:19. Era costume no Oriente marcar o nome do mestre na testa de um escravo (Grotius, in loco); e tal idéia iria ao encontro de tudo o que está implícito na linguagem aqui, embora não haja provas certas de que haja uma alusão a esse costume. Em tempos posteriores, na igreja, era comum os cristãos impressionarem o sinal da cruz em sua testa (Tertuliano de Corolla; Cyrill. lib. vi. Ver Grotius). Como nada é dito aqui, porém, sobre qualquer marca ou dispositivo no selo, a conjectura é inútil quanto ao que foi.

(c) Quanto ao que deveria ser designado pelo selo, a idéia principal é clara, que era colocar alguma marca em seus amigos para que eles fossem conhecidos como seus e que estariam seguros nas calamidades iminentes. , Há talvez alusão aqui a onde ocorre a seguinte direção ao profeta: “Passe pelo meio da cidade, pelo meio de Jerusalém, e coloque um sinal na testa do povo que suspira , e que clamam por todas as abominações que se cometem no meio dela. E aos outros disse ao meu ouvido: Ide após ele pela cidade, e feri; não poupe o vosso olho, nem tenhais piedade; matai totalmente velhos e moços, tanto servas como criancinhas e mulheres; mas não se aproximem de nenhum homem em quem haja a marca”. As idéias essenciais na vedação, na passagem diante de nós, parecem ser:

(1) que haveria alguma marca, sinal ou sinal pelo qual aqueles que eram o povo de Deus seriam conhecidos; isto é, haveria algo que responderia, a esse respeito, ao mesmo propósito como se um selo tivesse sido impresso em suas testas. Se isso era um distintivo externo, ou um rito religioso, ou as doutrinas que eles sustentavam e pelas quais seriam conhecidos, ou algo em seu espírito e maneira que caracterizaria seus verdadeiros discípulos, pode ser um assunto justo de investigação. Não é especificamente designado pelo uso da palavra.

(2) seria algo que seria visível ou proeminente, como se estivesse impresso na testa. Não seria apenas algum selo interno, ou alguma designação pela qual eles seriam conhecidos por si mesmos e por Deus, mas seria algo aparente, como se estivesse gravado na testa. O que isso seria, seja uma profissão, ou uma forma de religião, ou a manutenção de alguma doutrina, ou a manifestação de um espírito particular, não é designado aqui.

(3) isso seria algo designado pelo próprio Deus. Não seria de origem humana, mas seria como se um anjo enviado do céu a imprimisse na testa. Se se refere às doutrinas que eles defenderiam, não poderiam ser doutrinas de origem humana; se ao espírito que eles manifestariam, seria um espírito de origem celestial; se para alguma proteção externa, seria manifesto que era de Deus.

(4) isso seria uma garantia de segurança. O projeto de selar as pessoas mencionadas parece ter sido para garantir sua segurança nas calamidades iminentes. Assim, os ventos foram retidos até que aqueles que deveriam ser selados pudessem ser designados, e então eles deveriam ter permissão para varrer a terra. Essas coisas, portanto, devemos procurar no cumprimento do símbolo.

e clamou com grande voz. Como se ele tivesse autoridade para comandar, e como se os quatro ventos estivessem prestes a ser lançados sobre o mundo.

aos quais tinha sido dado poder para danificar a terra e o mar. Quem tinha poder confiado a eles para fazer isso por meio dos quatro ventos. [Barnes, aguardando revisão]

3 Dizendo: 'Não danifiques a terra, nem o mar, nem as árvores, até que tenhamos selado aos servos do nosso Deus nas suas testas.'

Comentário A. R. Fausset

Não ferir – deixando soltar os ventos destrutivos.

até que tenhamos selado aos servos do nosso Deus – paralelamente a Mateus 24:31, “Seus anjos … reunirão seus eleitos dos quatro ventos”. O amor de Deus é tal que Ele não pode fazer nada no caminho do julgamento, até que o seu povo esteja protegido da mágoa (Gênesis 19:22). Israel, na véspera da vinda do Senhor, será reencontrado como nação; pois suas tribos são claramente especificadas (Joseph, no entanto, sendo substituído por Dan; seja porque o Anticristo virá de Dan, ou porque Daniel será o instrumento especial do Anticristo [Aretas, décimo século], compare Gênesis 49:17; Jeremias 8:16, Amós 8:14, assim como houve um Judas entre os Doze). Destas tribos, um remanescente crente será preservado dos julgamentos que destruirão toda a confederação anticristã (Apocalipse 6:12-17), e será transfigurado com a Igreja eleita de todas as nações, a saber, 144.000 (ou seja qual for o número pretendido por este número simbólico), que deve resistir fielmente às seduções do Anticristo, enquanto o resto da nação, restaurado à Palestina em incredulidade, é seu tolo e, finalmente, suas vítimas. Anteriormente aos julgamentos do Senhor sobre o Anticristo e suas hostes, estes últimos destruiriam dois terços da nação, um terço escapando e, pela operação do Espírito através de aflição, voltando-se para o Senhor, cujo remanescente formará o núcleo na terra da nação israelita que é deste tempo para estar à frente das nações milenares do mundo. A ressurreição espiritual de Israel será “como a vida dos mortos” para todas as nações. Como agora uma regeneração continua aqui e ali de indivíduos, então haverá então uma regeneração das nações universalmente, e isto em conexão com a vinda de Cristo. Mateus 24:34; “Esta geração (a nação judaica) não passará até que todas estas coisas sejam cumpridas”, o que implica que Israel não pode mais passar antes do advento de Cristo, do que as próprias palavras de Cristo podem passar (o mesmo grego), Mateus 24:35 Tão exatamente Zacarias 13:8-914:2-4,9-21; compare Zacarias 12:2-1413:1-2. Assim também Ezequiel 8:17-189:1-7, especialmente Ezequiel 9:4. Compare também Ezequiel 10:2 com Apocalipse 8:5, onde os julgamentos finais realmente caem sobre a terra, com o mesmo acompanhamento, o fogo do altar lançado na terra, incluindo o fogo espalhado pela cidade. Então, novamente, Apocalipse 14:1, os mesmos 144.000 aparecem em Sião com o nome do Pai em suas testas, no final da seção, do décimo segundo ao décimo quarto capítulos, sobre a Igreja e seus inimigos. Não que os santos estejam isentos do julgamento: Apocalipse 7:14prova o contrário; mas suas provações são distintas dos juízos destruidores que caem no mundo; destes estão isentos, como Israel era das pragas do Egito, especialmente do último, as portas israelitas tendo o selo protetor da marca de sangue.

testas – a parte mais visível e mais nobre do corpo do homem; em que o capacete, “a esperança da salvação”, é usado. [Fausset, aguardando revisão]

4 E ouvi o número dos que foram selados; e cento e quarenta e quatro mil foram selados de todas as tribos dos filhos de Israel.

Comentário A. R. Fausset

Doze é o número das tribos, e apropriado para a Igreja: três por quatro: três, o número divino, multiplicado por quatro, o número para extensão mundial. Doze por doze implica em fixidez e completude, o que é levado mil vezes em 144.000. Mil implica o mundo perfeitamente permeado pelo divino; porque é dez, o número do mundo, elevado ao poder de três, o número de Deus.

de todas as tribos – literalmente, “fora de cada tribo”; não 144.000 de cada tribo, mas o agregado dos doze mil de cada tribo.

filhos – grego, “filhos de Israel”. Apocalipse 3:1221:12, não são objeções, como Alford pensa, ao literal Israel ser pretendido; pois, em glória consumada, ainda assim a Igreja será aquela “edificada sobre o fundamento dos (doze) apóstolos (israelitas), sendo Jesus Cristo (um israelita) a principal pedra angular”. Os crentes gentios terão o nome de Jerusalém escrito neles, em que eles devem compartilhar a cidadania antitípica àquela da literal Jerusalém. [Fausset, aguardando revisão]

5 Da tribo de Judá, doze mil foram selados; da tribo de Rúben, doze mil; da tribo de Gade, doze mil;

Comentário A. R. Fausset

Judá (que significa louvor) está em primeiro lugar, como a “tribo de Jesus”. Benjamin, o mais novo, é o último; e com ele é associado em último lugar, Joseph. Reuben, como originalmente primogênito, vem depois de Judá, a quem deu lugar, tendo pelo pecado perdido seu direito de primogenitura. Além da razão dada acima (veja Apocalipse 7:2), outro semelhante para a omissão de Dan, é, tendo sido o primeiro a cair em idolatria (Juízes 18:1-31); por isso mesmo o nome Efraim, também (compare Juízes 17:1-3; Oséias 4:17), é omitido, e Joseph substituído. Além disso, estava há muito tempo quase extinto. Muito antes, os hebreus dizem (Grotius), foi reduzido a uma família de Hussim, que pereceu subsequentemente nas guerras antes do tempo de Esdras. Por isso, é omitido no quarto ao oitavo capítulo de First Chronicles. Os pequenos números de Daniel se juntam aqui aos de Naftali, cujo irmão ele era da mesma mãe (Bengel). As doze vezes doze mil seladas de Israel são o núcleo da humanidade transfigurada, à qual os gentios eleitos se juntam, “uma multidão que nenhum homem poderia contar”, Apocalipse 7:9 (isto é, a Igreja dos Judeus e dos Judeus). Gentios indiscriminadamente, em que os gentios são o elemento predominante, Lucas 21:24 A palavra “tribos”, grego, implica que os israelitas crentes estão nesta multidão incontável. Ambos estão no céu, mas governam sobre a terra, como ministros da bênção para seus habitantes: enquanto na terra o mundo das nações é adicionado ao reino de Israel. Os doze apóstolos estão à frente do todo. A congregação superior e inferior, embora distinta, está intimamente associada. [Fausset, aguardando revisão]

6 da tribo de Aser, doze mil; da tribo de Naftali, doze mil; da tribo de Manassés, doze mil;

Comentário de J. A. Bengel

Dã é omitido, porque essa tribo há muito havia reduzido para a única família de Hussim, como dizem os hebreus; e esta própria família parece ter perecido por guerras antes dos tempos de Esdras. Pois nas Crônicas, onde a posteridade dos patriarcas é mencionada, Dã é omitido. E talvez isso esteja previsto em Amós 8:14. João de Antioquia relata que alguns sobreviveram da tribo de Dã e que fugiram para a Fenícia. [Bengel, aguardando revisão]

7 da tribo de Simeão, doze mil; da tribo de Levi, doze mil; da tribo de Issacar, doze mil;

Embora Levi tenha sido excluído na divisão da Canaã terrestre, ele está incluído entre os participantes da Canaã celestial. [Pulpit, aguardando revisão]

8 da tribo de Zebulom, doze mil; da tribo de José, doze mil; da tribo de Benjamim, doze mil.
Efraim é omitido, enquanto Manassés é inserido. Wordsworth considera que isso se deve ao caráter rebelde da tribo de Efraim (ver 1Reis 12:25; Isaías 7:917; Oséias 5, etc.). Mas Efraim às vezes o mesmo que José (compare com Sl 78:67; Ezequiel 37:16), que aqui encontra um lugar entre os doze. [Pulpit, aguardando revisão]
9 Depois destas coisas eu olhei, e eis uma grande multidão, a qual ninguém podia contar, de todas as nações, e tribos, e povos, e línguas, que estavam diante do trono e diante do Cordeiro, vestidos de roupas brancas, e com ramos de palmas nas suas mãos.

Comentário A. R. Fausset

de todas as nações – grego, “FORA DE TODA A Nação”. A raça humana é “uma nação” por origem, mas depois se separou em tribos, povos e línguas; portanto, o singular é o primeiro, seguido pelos três plurais.

tribos – grego, “tribos”.

povos – grego, “povos”. As “primícias do Cordeiro”, os 144.000 (Apocalipse 14:1-4) de Israel, são seguidos por uma copiosa colheita de todas as nações, uma eleição dos gentios, como o 144.000 são uma eleição de Israel (ver Apocalipse 7:3).

roupas brancas – (veja Apocalipse 6:11; também Apocalipse 3:5,184:4).

palmas nas suas mãos – o antítipo para a entrada de Cristo em Jerusalém em meio à multidão portadora de palma. Isto será justo quando Ele estiver prestes a vir visivelmente e tomar posse do Seu reino. O ramo de palmeira é o símbolo da alegria e do triunfo. Foi usado na festa dos tabernáculos, no décimo quinto dia do sétimo mês, quando eles celebraram a festa a Deus em ação de graças pelos frutos reunidos. O antítipo será o recolhimento completo da colheita dos eleitos resgatados aqui descritos. Compare Zacarias 14:16, onde parece que a festa terrestre dos tabernáculos será renovada, em comemoração da preservação de Israel em seu longo deserto, como a estada entre as nações das quais ela será agora entregue, assim como a festa típica original. foi para comemorar sua morada por quarenta anos em estandes ou tabernáculos no deserto literal. [Fausset, aguardando revisão]

10 E clamavam com grande voz, dizendo: “A salvação pertence ao nosso Deus, que está sentado sobre o trono, e ao Cordeiro!”

Comentário A. R. Fausset

clamavam – grego, “chorar”, nos três manuscritos mais antigos, A, B, C, Vulgata, siríaco e copta. É o seu emprego contínuo e incessante.

salvação – literalmente, “a salvação”; todo o louvor da nossa salvação deve ser atribuído ao nosso Deus. Na entrada do Senhor em Jerusalém, o tipo, similarmente “salvação”, é o grito das multidões portadoras de palma. Hosana significa “nos salvar agora”; tirado do Salmo 118:25, em que Salmo (Salmo 118:14-15,21,26) ocorre a mesma conexão entre a salvação, os tabernáculos dos justos e o clamor dos judeus ser repetido por toda a nação na vinda de Cristo, “Bendito seja Aquele que vem em nome do Senhor”. [Fausset, aguardando revisão]

11 E todos os anjos estavam ao redor do trono, e dos anciãos, e dos quatro animais; e se prostraram sobre seus rostos diante do trono, e adoraram a Deus,

Comentário de Albert Barnes

e dos quatro animais. O significado é que os anjos estavam no círculo externo, ou fora dos anciãos e das quatro criaturas vivas. Os remidos, é manifesto, ocupavam o círculo interno e estavam perto do trono, embora sua localização precisa não seja mencionada. Os anjos simpatizam com a igreja redimida e triunfante, como fizeram com a igreja em seus conflitos e provações, e agora se unem apropriadamente a essa igreja em adorar e louvar a Deus. Eles veem nessa redenção novas demonstrações do caráter de Deus, e regozijam-se porque essa igreja foi resgatada de seus problemas e agora é trazida triunfante para o céu. [Barnes, aguardando revisão]

12 Dizendo: “Amém! Sejam louvor, glória, sabedoria, agradecimento, honra, poder, e força a nosso Deus, para todo o sempre, Amém!”

Comentário de Albert Barnes

Dizendo: “Amém. A palavra “Amém” aqui é uma palavra que afirma fortemente a verdade do que é dito, ou expressa uma concordância sincera com isso. Pode ser pronunciado, como expressando isso, no início ou no final de uma frase. Assim, os testamentos são comumente iniciados, “Em nome de Deus, Amém”.

Sejam louvor, glória, sabedoria, agradecimento, honra, poder, e força a nosso Deus, para todo o sempre, Amém! Substancialmente a mesma atribuição de louvor ocorre em Apocalipse 5:12. A ideia geral é que o mais alto tipo de louvor deve ser atribuído a Deus; tudo de excelente em caráter deve ser atribuído a ele; toda bênção recebida deve ser atribuída a ele. A ordem das palavras de fato é alterada, mas o sentido é substancialmente o mesmo. No primeiro caso, Apocalipse 5:12, a atribuição de louvor é ao Cordeiro – o Filho de Deus; aqui é para Deus. Em ambos os casos, a adoração é descrita como prestada no céu; e o uso da linguagem mostra que Deus e o Cordeiro são considerados no céu como merecedores de igual louvor. As únicas palavras encontradas aqui que não ocorrem em Apocalipse 5:12 são ação de graças e poder – palavras que não requerem explicação particular. [Barnes, aguardando revisão]

13 E um dos anciãos respondeu, dizendo-me: 'Estes que estão vestidos de roupas compridas brancas, quem são? E de onde eles vieram?'

Comentário A. R. Fausset

respondeu – ou seja, aos meus pensamentos; falou, fazendo a pergunta que poderia ser esperada surgir na mente de John do que foi antes. Um dos vinte e quatro anciãos, representando o ministério do Antigo e do Novo Testamentos, apropriadamente age como intérprete desta visão da Igreja glorificada.

O quê, etc. – ordem grega: “Estes que estão vestidos de vestes brancas, quem são eles?” [Fausset, aguardando revisão]

14 E eu lhe disse: “Senhor, tu sabes.” E ele me disse: “Estes são os que vieram da grande tribulação; e lavaram suas roupas compridas e as branquearam no sangue do Cordeiro.

Comentário A. R. Fausset

Senhor – grego, “Senhor”. B, C, Vulgata, siríaco, versões coptas e Cipriano lêem: “Meu Senhor”. A omite “Meu”, como Versão em Inglês.

tu sabes – tirado de Ezequiel 37:3. Comparativamente, ignorando as coisas divinas, é bom que as olhemos para o conhecimento divinamente comunicado.

veio – sim como grego, “venha”; implicando que eles são apenas encontrados.

grande tribulação – grego, “a grande tribulação”; “A tribulação, a grande”, ou seja, uma tribulação à qual os homens foram expostos sob o selo, o mesmo que Cristo anunciado como um preceder à Sua vinda (Mateus 24:21, grande tribulação), e completado pelo mesmo sinais como o sexto selo (Mateus 24:29-30), compare Daniel 12:1; Incluindo também retrospectivamente toda a tribulação pela qual os santos de todas as gerações tiveram passar. Assim, este capítulo é uma recapitulação da visão dos seis selos, Apocalipse 6:1-17, para preencher o plano de vista do que os dedos cobrados. Lá, no entanto, seu número estava esperando para ser concluído, mas aqui está concluído, e eles são vistos retirados da terra antes dos julgamentos sobre a apostasia anticristã; com o seu Senhor, eles e todas as Suas fiéis testemunhas e discípulos das épocas passadas, esperam a Sua vinda e a sua vinda para serem glorificados e reinarem juntos com Ele. Enquanto isso, em contraste com seus sofrimentos anteriores, eles estão isentos da fome, sede e calor abrasador de sua vida na Terra (Apocalipse 7:16), e são alimentados e refrescados pelo próprio Cordeiro de Deus (Apocalipse 7:17; Apocalipse 14:1-4,13); um penhor de sua futura bênção perfeita em corpo e alma unidos (Apocalipse 21:4-622:1-5).

lavado… vestes… branco no sangue de… Cordeiro – (Apocalipse 1:5; Isaías 1:18; Hebreus 9:14; 1João 1:7; compare Isaías 61:10; Zacarias 3:3-5). A fé aplica ao coração o sangue purificador; de uma vez por todas para justificação, continuamente ao longo da vida para a santificação. [Fausset, aguardando revisão]

15 Por isso eles estão diante do trono de Deus, e servem a ele dia e noite no seu templo; e aquele que está sentado sobre o trono armará sua tenda e habitará com eles.

Comentário A. R. Fausset

Por isso – porque eles são tão lavados brancos; pois sem isso eles nunca poderiam ter entrado no santo céu de Deus; Apocalipse 22:14: “Bem-aventurados os que lavam as suas vestes (os manuscritos mais antigos lêem), para que tenham direito à arvore da vida e possam entrar na cidade pelas portas”; Apocalipse 21:27; Efésios 5:26-27.

antes – grego, “na presença de.” Mateus 5:8; 1Coríntios 13:12, “face a face”.

trono … templo – Estes estão ligados porque só podemos nos aproximar do Rei celestial através da mediação sacerdotal; portanto, Cristo é ao mesmo tempo rei e sacerdote em seu trono.

dia e noite – isto é, perpetuamente; como aqueles aprovados como sacerdotes pelo Sinédrio eram vestidos de branco, e mantidos por turnos uma vigília perpétua no templo em Jerusalém; compare com os cantores, 1Crônicas 9:33, “dia e noite”; Salmo 134:1. Estritamente “não há noite” no santuário celestial (Apocalipse 22:5).

no seu templo – no que é o análogo celestial de Seu templo na terra, pois estritamente não há “nenhum templo nele” (Apocalipse 21:22), “Deus e o Cordeiro são o templo” enchendo o todo, de modo que não há distinção de lugares sagrados e seculares; a cidade é o templo e o templo a cidade. Compare Apocalipse 4:8, “os quatro seres viventes não descansam dia e noite, dizendo: Santo”, etc.

habitará com eles – em vez disso (grego, {scenosei ep ‘autous}), “será o tabernáculo sobre eles” (compare Apocalipse 21:3; Levítico 26:11, especialmente Isaías 4:5-68:1425:4, Ezequiel 37:27). Sua morada entre eles deve ser entendida como uma verdade secundária, além do que é expresso, a saber, sendo Ele o seu disfarçado. Quando uma vez Ele tabernaculou entre nós como o Verbo feito carne, Ele estava em grande humildade; então ele estará em grande glória. [Fausset, aguardando revisão]

16 Eles não mais terão fome, nem mais terão sede; nem o sol, nem calor algum cairá sobre eles.

Comentário de Albert Barnes

Eles não mais terão fome. Uma parte considerável dos remidos que estarão lá, foram, quando na terra, submetidos aos males da fome; muitos que morreram de fome. No céu eles não serão mais submetidos a esse mal, pois não haverá necessidade que não seja suprida. Os corpos que os redimidos terão – corpos espirituais 1Coríntios 15:44 – serão, sem dúvida, nutridos de outra maneira que não por comida, se precisarem de algum alimento; e qualquer que seja essa nutrição, ela será totalmente suprida. A passagem aqui é tirada de Isaías 49:10; “Não terão fome nem sede; nem o calor nem o sol os ferirá”. Veja as notas sobre essa passagem.

nem mais terão sede. Assim como multidões de remidos foram submetidas aos males da fome, assim também multidões foram submetidas às dores da sede. Na prisão; em desertos sem caminhos; em tempos de seca, quando poços e fontes secaram, eles sofreram com essa causa – uma causa que produz um sofrimento tão intenso talvez quanto qualquer outro que o homem suporta. Compare Êxodo 17:3; Salmo 63:1; Lamentações 4:4; 2Coríntios 11:27. É fácil conceber pessoas sofrendo tão intensamente de sede que a visão mais elevada de felicidade seria uma promessa como aquela nas palavras diante de nós – “não tenho mais sede”.

nem o sol, nem calor algum cairá sobre eles. Não é necessário, talvez, dizer que a palavra “luz” aqui não significa iluminar, dar luz a, brilhar. O grego é πέσῃ pesē – “cair” – e a referência, provavelmente, é ao intenso e ardente calor do sol, comumente chamado de insolação. O calor excessivo do sol, causando grande dor ou morte súbita, não é algo muito incomum entre nós, e deve ter sido mais comum nos climas quentes e nas areias ardentes dos países vizinhos da Palestina. O significado aqui é que no céu eles estariam livres dessa calamidade.

nem calor algum. Em Isaías 49:10, de onde este lugar é citado, a expressão é שׁרב shaaraab, denotando adequadamente o calor ou a queima, e particularmente a miragem, o calor excessivo de um deserto arenoso produzindo um vapor que tem uma semelhança impressionante com a água, e que muitas vezes engana o viajante incauto por sua aparência enganosa. Veja as notas sobre Isaías 35:7. A expressão aqui é equivalente ao calor intenso; e o significado é que no céu os remidos não serão submetidos a nenhum sofrimento como o viajante muitas vezes experimenta nas areias ardentes do deserto. A linguagem transmitiria uma ideia muito grata àqueles que foram submetidos a estes sofrimentos, e é uma forma de dizer que, no céu, os remidos serão libertados dos males que sofrem nesta vida. Talvez toda a imagem aqui seja a de viajantes que estiveram numa longa viagem, expostos à fome e à sede, vagando nas areias ardentes do deserto, e expostos aos raios de sol ardentes, alcançando longamente seu lar tranquilo e pacífico, onde encontrariam segurança e abundância. A viagem do crente da terra para o céu é uma peregrinação tão grande. [Barnes, aguardando revisão]

17 Porque o Cordeiro, que está no meio do trono, os apascentará, e os guiará até fontes vivas de águas; e Deus limpará toda lágrima dos seus olhos.”

Comentário A. R. Fausset

no meio do trono – isto é, no ponto médio em frente ao trono (Apocalipse 5:6).

alimentar – grego, “tendem como pastor”.

fontes vivas de águas – A, B, Vulgata e Cipriano lêem (eterna) “as fontes das águas da vida”. “Viver” não é apoiado pelas velhas autoridades. [Fausset, aguardando revisão]

<Apocalipse 6 Apocalipse 8>

Visão geral de Apocalipse

Em Apocalipse, “as visões de João revelam que Jesus venceu o mal através da sua morte e ressurreição, e um dia irá regressar como o verdadeiro rei do mundo”. Tenha uma visão geral deste livro através deste breve vídeo (em duas partes) produzido pelo BibleProject.

Parte 1 (12 minutos).

🔗 Abrir vídeo no Youtube.

Parte 2 (12 minutos).

🔗 Abrir vídeo no Youtube.

Leia também uma introdução ao livro do Apocalipse.

Todas as Escrituras em português citadas são da Bíblia Livre (BLIVRE), Copyright © Diego Santos, Mario Sérgio, e Marco Teles – fevereiro de 2018.