Salmo 1

1 Bem-aventurado o homem que não anda no conselho dos maus, nem fica parado no caminho dos pecadores, nem se senta junto dos escarnecedores.

Comentário de A. R. Fausset

Bem-aventurado: literalmente, “oh, a felicidade” – uma exclamação de forte emoção, como se resultasse da reflexão sobre o assunto.

conselho … caminho … junto: Com seus verbos correspondentes, marca as gradações do mal, agindo de acordo com os princípios, cultivando a sociedade e permanentemente conforme a conduta dos ímpios, que são descritos por três termos, dos quais o último é indicativo de a mais ousada impiedade (compare Sl 26:4-5; Jr 15:17). [JFB]

2 Mas sim, que tem seu prazer na Lei do SENHOR; e medita em sua Lei de dia e de noite.

Comentário de A. R. Fausset

lei: toda a palavra de Deus então escrita, especialmente os livros de Moisés (compare Sl 119:1,55,97, etc.). [JFB]

3 Porque ele será como uma árvore, plantada junto a ribeiros de águas, que dá fruto a seu devido tempo, e suas folhas não caem; e tudo quanto fizer prosperará.

como uma árvore: (Jr 17:7-8).

ribeiros de águas: canais para irrigação.

4 Os maus não são assim; mas são como a palha que o vento dispersa.

não são assim: nem como conduta ou felicidade.

5 Por isso os maus não subsistirão no julgamento, nem os pecadores no ajuntamento dos justos.

Comentário de A. R. Fausset

não subsistirão no julgamento:  não serão absolvidos. Eles serão expulsos dentre os bons (Mt 25:45-46). [JFB]

6 Porque o SENHOR conhece o caminho dos justos; porém o caminho dos maus perecerá.

Comentário de A. R. Fausset

conhece o caminho: atende e provê para eles (Sl 101:6; Pv 12:10; Os 13:5).

caminho dos maus: Todos os seus planos terminarão em decepção e ruína (Salmo 37:13; 146:8; Pv 4:19). [JFB]

<Jó 42 Salmo 2>

Introdução ao Salmo 1

O Salmo 1 é o desenvolvimento em linguagem poética e imagética do pensamento repetido em tantas formas no Livro de Provérbios (por exemplo, Pv 2:21-22), que as coisas vão bem para justos e mal para com os ímpios. A crença no governo justo de Javé no mundo era um princípio fundamental da religião do Antigo Testamento, e é aqui afirmado sem nenhuma daquelas dúvidas e questionamentos que perturbaram as mentes de muitos salmistas e profetas, especialmente nos estágios posteriores da revelação do Antigo Testamento.

O Salmo constitui um prólogo apropriado para o Saltério, que registra as múltiplas experiências dos piedosos. Pois ela afirma a verdade à qual eles se apegaram, apesar de todas as aparências em contrário, apesar dos sofrimentos dos justos e dos triunfos dos ímpios, que a única felicidade certa e duradoura para o homem deve ser encontrada na comunhão com Deus.

O Salmo expressa uma verdade geral e não parece referir-se a nenhuma pessoa ou ocasião em particular. Portanto, data e autoria devem permanecer incertas. Alguns (sem uma boa razão) o atribuíram a Davi, durante sua perseguição por Saul, ou durante a rebelião de Absalão: Perowne conjectura que pode ter sido escrito por Salomão como uma introdução a uma coleção de poemas de Davi: Cheyne pensa que foi um fruto do novo entusiasmo pelo estudo da Lei na época de Esdras.

No entanto, duas considerações limitam o período a que pode ser atribuído.

(1) É anterior a Jeremias, que parafraseia e expande parte dele Salmo 17:5-8 com referência a Jeoiaquim ou Joaquim.

(2) Os paralelos mais notáveis ​​no pensamento e na linguagem podem ser encontrados na seção intermediária do Livro dos Provérbios (10-24), que data de um período relativamente inicial na história de Judá, se não do próprio reinado de Salomão. O “escarnecedor” é um personagem dificilmente mencionado fora do Livro dos Provérbios: o contraste entre os justos e os ímpios, e a crença de que a prosperidade é a recompensa da piedade e a adversidade da impiedade são especialmente visíveis na seção intermediária daquele livro: e outras coincidências marcantes em detalhes de pensamento e linguagem serão facilmente encontradas.

A ausência de um título o distingue do conjunto de Salmos no Livro 1 e indica que ele foi derivado de uma fonte diferente. Pode ter sido composto ou selecionado como um prefácio para a coleção “Davídica” original, ou, embora seja menos provável, colocado aqui pelo editor final do Saltério.

O Salmo consiste em duas divisões iguais:

(a) A prosperidade duradoura dos justos (Salmo 1:1-3),

(b) contrastado com a rápida ruína dos ímpios (Salmo 1:4-6).

Observe a afinidade deste Salmo com o 26; e ainda mais ao 112, que celebra a bem-aventurança dos justos, e começa e termina com as mesmas palavras (Bem-aventurado … perece): e contraste com sua simples confiança os questionamentos de 37 e 73, nos quais o problema da prosperidade dos ímpios é tratado como uma prova de fé. [Cambridge]

Visão geral de Salmos

“O livro dos Salmos foi projetado para ser o livro de orações do povo de Deus enquanto esperam o Messias e seu reino vindouro”. Tenha uma visão geral deste livro através de um breve vídeo produzido pelo BibleProject. (9 minutos)

🔗 Abrir vídeo no Youtube.

Leia também uma introdução ao livro de Salmos.

Todas as Escrituras em português citadas são da Bíblia Livre (BLIVRE), Copyright © Diego Santos, Mario Sérgio, e Marco Teles – fevereiro de 2018.