Levítico 11

Animais puros e impuros

1 E falou o SENHOR a Moisés e a Arão, dizendo-lhes:

Comentário de Robert Jamieson

Essas leis, sendo dirigidas aos governantes civis e eclesiásticos em Israel, podem servir para indicar a dupla visão que deve ser tomada deles. Sem dúvida, a primeira e mais forte razão para instituir uma distinção entre as carnes foi desencorajar os israelitas de se espalharem para outros países e do contato geral com o mundo – para evitar que adquirissem familiaridade com os habitantes dos países limítrofes de Caanan, de modo a cair em suas idolatrias, ou ser contaminado com seus vícios; em suma, para mantê-los um povo distinto e especial, erguendo uma ampla e intransponível muralha de costumes opostos.

Para esse propósito, nenhuma diferença de credo, nenhum sistema de governo, nenhuma diversidade de linguagem ou maneiras era tão subserviente quanto uma distinção de carnes, baseada na religião; e, portanto, os judeus, que foram ensinados pela educação a abominar muitos artigos alimentares livremente compartilhados por outras pessoas, nunca, mesmo em períodos de grande degeneração, puderam amalgamar-se com as nações entre as quais estavam dispersos.

Mas, embora esse fosse o principal fundamento dessas leis, as razões dietéticas também pesavam; porque não há dúvida de que a carne de muitos dos animais aqui classificados como impuros está em toda parte, mas especialmente em climas quentes, menos saudável e adaptada para alimentação do que aqueles que podem ser comidos – apta a estimular paixões grosseiras e sensuais, e para promover gostos grosseiros, bem como hábitos degradantes. Essas leis, portanto, sendo subservientes aos fins sanitários e também religiosos, foram dirigidas a Moisés e Aarão. [JFU, aguardando revisão]

2 Falai aos filhos de Israel, dizendo:Estes são os animais que comereis de todos os animais que estão sobre a terra.

Comentário Barnes

Estes são os animais que comereis de todos os animais que estão sobre a terra. Ou seja, das criaturas maiores, os quadrúpedes, que se distinguem dos pássaros e répteis. Ver Gênesis 1:24. Dos quadrúpedes, só poderiam ser consumidos aqueles tivessem o casco dividido e ruminassem (Levítico 11:3-8). [Barnes]

3 De entre os animais, todo o de casco, e que tem as unhas fendidas, e que rumina, este comereis.

Comentário Whedon

que tem as unhas fendidas. Aqui não há limite para o número de divisões, mas em Deuteronômio 14:6 encontramos as palavras “casco fendido e dividido em duas unhas”. Assim também os Setenta neste versículo.

e que rumina. Literalmente, faz com que o que foi mastigado suba. Isto descreve o método de ruminação. O ruminante é dotado de quatro estômagos. O primeiro recebe os vegetais grosseiramente triturados por uma primeira mastigação, que passam para a segunda, onde são umedecidos e formados em pequenas pelotas, que são levadas novamente à boca para serem mastigadas novamente, depois engolidas no terceiro estômago, do qual passam para o quarto, para digestão final. As qualidades requeridas neste versículo excluem todos os animais carnívoros, mas não incluem todos os animais herbívoros. [Whedon]

4 Estes, porém, não comereis dos que ruminam e dos que têm casco:o camelo, porque rumina mas não tem casco fendido, haveis de tê-lo por impuro;

Comentário de Robert Jamieson

o camelo – divide em certo medida o casco, em primeiro lugar em duas partes, mas a divisão não está completa; os dedos dos pés repousam sobre uma elástica na qual o animal vai; como um animal de carga, a sua carne é dura. Uma razao adicional para a sua comuna poderia ser os israelitas separados dos descendentes de Ismael. [JFB, aguardando revisão]

5 Também o coelho, porque rumina, mas não tem unha fendida, o tereis por impuro;

Comentário de Robert Jamieson

o coelho – não o coelho, pois não é encontrado na Palestina ou na Arábia, mas não possui um animal pequeno e um formato geral do coelho, mas diferentes nele têm várias características essenciais. Não tem rabo, cabelos longos e singulares eriçados como espinhos no cabelo das costas; seus pés estão descalços, suas unhas são planas e redondas, são as que acompanham as viagens traseiras, que são planejadas e projetam como um furador. Não toca chão, mas sustenta como fendas das rochas. [JFB, aguardando revisão]

6 Assim a lebre, porque rumina, mas não tem unha fendida, a tereis por impura;

Comentário de Robert Jamieson

a lebre – Duas espécies de lebre devem ter sido apontadas:a lebre do Sinai, a lebre do deserto, pequena e geralmente marrom; a outra, a lebre da Palestina e da Síria, sobre o tamanho e a aparência daquelas conhecidas em nosso próprio país. Nem a lebre nem o coelho estão realmente ruminando. Eles só parecem ser assim de trabalhar as mandíbulas nas gramas em que vivem. Eles não são de pés cruzados; e, além disso, diz-se que, da grande quantidade que caem sobre eles, estão muito sujeitos a vermes – que, para expeli-los, comem plantas venenosas e, se usados como alimento, nesse estado, são muito prejudiciais. [WHITLAW] [JFB, aguardando revisão]

7 Também o porco, porque tem unhas, e é de unhas fendidas, mas não rumina, o tereis por impuro.

Comentário Whedon

o porco. Os judeus não estão sozinhos na sua abominação pela carne de porco. Foi proibido aos sacerdotes egípcios, rejeitado pelo Alcorão, e rejeitado pelos fenícios, etíopes e outras nações orientais. [Whedon]

8 Da carne deles não comereis, nem tocareis seu corpo morto:os tereis por impuros.

Comentário Ellicott

Da carne deles não comereis. Durante o segundo Templo, a proibição foi definida para se estender à menor quantidade. Se alguém comia um pedaço de carne menor que o tamanho de uma azeitona, era castigado com listras.

nem tocareis seu corpo morto. Como o contato com um cadáver humano, que era considerado o mais contaminador de todos, era proibido apenas aos sacerdotes (ver Lev. 21:1-3), portanto, a proibição aqui dirigida a toda a nação foi interpretada durante o segundo Templo para aplicar simplesmente às ocasiões em que os israelitas vinham a Jerusalém nos festivais de peregrinação. O contato com a carcaça de um animal impuro nessas visitas impedia o adorador de entrar no santuário, de tocar em coisas sagradas e de participar das carnes sacrificais. [Ellicott, aguardando revisão]

9 Isto comereis de todas as coisas que estão nas águas:todas as coisas que têm barbatanas e escamas nas águas do mar, e nos rios, aquelas comereis;

Comentário de Robert Jamieson

“As barbatanas e escamas são o meio pelo qual as excrescências de peixes são levadas para fora, o mesmo que os animais pela transpiração. Este autocient é um membro da isolação humana está nos comportamentos integrados; mas que não têm barbatanas e escamas causam, em climas quentes, os distúrbios mais malignos quando ingeridos; em muitos casos eles provam um veneno mortal” (Whitlaw). [JFB, aguardando revisão]

10 Mas todas as coisas que não têm barbatanas nem escamas no mar e nos rios, tanto de todo réptil de água como de toda coisa vivente que está nas águas, as tereis em abominação.

Comentário Ellicott

de toda coisa vivente que está nas águas. Isto é, exceto os peixes exibindo os sinais acima mencionados, todos os outros habitantes da água são proibidos. Conseqüentemente, todos os crustáceos, sejam moluscos ou crustáceos, e animais cetáceos, são impuros. [Ellicott, aguardando revisão]

11 Vos serão, pois, em abominação:de sua carne não comereis, e abominareis seus corpos mortos.

Comentário de Matthew Poole

Vos serão, pois, em abominação, a saber, por comida. Esta cláusula é adicionada para mostrar que eles não eram abomináveis em sua própria natureza, nem para o alimento de outras nações; e, conseqüentemente, quando a parede divisória entre judeus e gentios foi removida, essas distinções de carnes cessaram. Veja Atos 10. [Poole, aguardando revisão]

12 Tudo o que não tiver barbatanas e escamas nas águas, o tereis em abominação.

Comentário de Robert Jamieson

Segundo esta classificação, os sapos, como enguias, os crustáceos de todas as descrições foram incluídas como imundos; “Muitos destes últimos gozam de uma reputação que não merecem e, quando abundantemente participaram, produziram o que levaram a uma suspeita de conter algo de natureza venenosa.” [JFB, aguardando revisão]

13 E das aves, estas tereis em abominação; não se comerão, serão abominação:a água, o quebra-ossos, o esmerilhão,

Comentário de Robert Jamieson

E das aves, estas tereis em abominação – Todas as aves de rapina são particularmente classificadas na classe impura; todos aqueles que se alimentam de carne e carniça. Não menos do que vinte espécies de pássaros, todos provavelmente então conhecidos, são mencionados nesta categoria, e a inferência segue que todos os que não são mencionados foram permitidos; isto é, aves que subsistem de substâncias vegetais. De nosso conhecimento imperfeito da história natural da Palestina, da Arábia e dos países contíguos da época, não é fácil determinar exatamente quais eram algumas das aves proibidas; embora devessem ter sido bem conhecidos entre as pessoas a quem essas leis foram dadas.

quebra-ossos – traduzido na Septuaginta “grifo”, supostamente o Gypoeligtos barbatus, o Lammer Geyer dos suíços – um pássaro da espécie águia ou abutre, habitando as cadeias montanhosas mais altas da Ásia Ocidental. bem como a Europa. Persegue como sua presa a camurça, o íbex ou a marmota, entre penhascos escarpados, até que os conduz sobre um precipício – obtendo assim o nome de “destruidor de ossos”.

esmerilhão – a águia negra, entre o menor, mas mais rápido e mais forte de seu tipo. [JFB, aguardando revisão]

14 O milhafre, e o falcão a segundo sua espécie;

Comentário de Robert Jamieson

milhafre – uma palavra assim traduzida em nossa versão significa mais “o papagaio” ou “deslizar” e descreve um vôo variado, mas majestoso, exatamente o da pipa, agora se projeta para a frente com uma rapidez de uma flecha, agora repousa taxa de suas asas expandidas no ar. Alimenta-se de pequenos pássaros, insetos e peixes.

falcão – o abutre. No Egito e talvez também nos países adjacentes, o papagaio e o urubu estão em alta velocidade e a presença de carne em putrefação, em vez disso, a poluir a atmosfera.

segundo sua espécie – isto é, a proibição de comê-lo é toda uma espécie.

15 Todo corvo segundo sua espécie;

Comentário Whedon

Todo corvo. Este pássaro deriva o seu nome em hebraico da sua negrura. Ele habita em vales solitários. Provérbios 30:17. Já que se alimenta de carniça, o corvo é muito impuro. [Whedon]

16 O avestruz, e a coruja, e a gaivota, e o gavião segundo sua espécie;

Comentário Ellicott

O avestruz, a saber, Jó. 30:29, Isa. 34:13; É um. 43:20; literalmente, a filha ou habitante do deserto. O avestruz, que é o maior pássaro e o mais rápido de todos os animais cursores, foi associado pelos hebreus com os terrores do deserto e foi considerado pelos antigos como um híbrido não natural, como uma espécie de metade pássaro e metade quadrúpede. Ele habita em lugares desolados (Isa. 13:21; Isa. 34:13; Jer. 50:39), enche o ar com seus lamentos dolorosos e horríveis (Mq. 1:8) e cruelmente negligencia seus ovos para serem chocados por o sol ou pisado sob os pés (Lam. 4:3; Jó. 39:17-18). Devido à sua estupidez proverbial, este híbrido é selecionado com outro monstro para ilustrar a abundante bondade do Senhor, mostrando que até mesmo essa criatura se tornará sensível à gratidão e explodirá em ação de graças e louvor (Isaías 43:20). A carne do avestruz era comida pelos antigos etíopes, índios e outras nações. Os romanos consideravam o cérebro de avestruz uma grande iguaria. O avestruz ocasionalmente devora aves e outros pequenos vertebrados como uma ave de rapina, e a tradição nos assegura que avestruzes consumiram o corpo de Agague.

a coruja. De todas as aves impuras que constituem essa lista, aquela aqui representada como coruja é a mais difícil de identificar. O nome no original (tachmâs) descreve simplesmente o pássaro como “o violento”, ou o voraz, ou “o cruel”, e essa designação se aplicaria a qualquer ave de rapina ainda não especificada neste catálogo. Por isso, tem sido alternadamente confundido com a coruja, o falcão noturno, o avestruz macho, o falcão, o gannet ave marinha, o cuco e a andorinha. Ver-se-á, no entanto, que todas as aves de rapina grandes que estão aqui ameaçadas, ou já foram mencionadas ou são mencionadas na sequência desta lista, enquanto as aves pequenas, a saber, o cuco e a andorinha, também o são insignificante e muito inofensivo para ser colocado entre os grandes companheiros raptoriais. Nesta incerteza de opinião, é melhor deixar a Versão Autorizada de lado. O nome só ocorre novamente na passagem paralela em Deu. 14h15.

a gaivota. Como a ave de rapina anterior, o shachaph aqui mencionado apenas ocorre novamente na lista duplicada de animais impuros em Deu. 14h15. Significa literalmente o pássaro magro, esguio ou cadavérico, e é considerado pelas autoridades mais antigas para denotar a gaivota, que é “o corvo do mar”. Ele se lança com grande velocidade sobre sua vítima, como uma ave de rapina. Ele não apenas come peixes, insetos e animais aquáticos menores, mas também se alimenta de carniça. Os ovos das gaivotas e a carne das aves jovens são comidos até hoje tanto no Oriente como em alguns países do norte da Europa.

o gavião. Além da passagem paralela em Deu. 14:15, o falcão (netz) também ocorre em Jó. 39:26, onde é descrito como uma ave migratória, pois migra para um clima mais meridional com a aproximação do inverno. Alimenta-se de mamíferos, pássaros e anfíbios e ataca até mesmo seus próprios pais, parceiros e descendentes. É abundante em uma variedade de espécies em todas as partes da Ásia. Daí a observação “segundo sua espécie”. Algumas tribos consideram a carne do falcão muito saborosa. [Ellicott, aguardando revisão]

17 E o mocho, e o corvo-marinho, e o íbis,

Comentário Ellicott

o mocho. Com exceção da passagem paralela, Deu. 14:16, esse pássaro só ocorre mais uma vez, no Salmo. 102:6, onde é apropriadamente traduzido na Versão Autorizada por “coruja”, omitindo a palavra “pequeno”, e é descrito como habitando em ruínas desertas. Não só se alimenta de insetos e moluscos, lebres, coelhos, patos, gansos e aves de rapina, mas devora camundongos e ratos, que são especialmente detestados pelos judeus. Sua carne é, entretanto, considerada por algumas tribos como muito saborosa. O nome kos, que é traduzido por “coruja” nas três passagens mencionadas acima, é a palavra hebraica comum para “xícara”, e supõe-se que tenha sido dado a este pássaro porque a coruja sentada se alarga especialmente em direção à parte superior, dando assim a ele uma aparência de copo.

e o corvo-marinho. De todas as aves com pés em forma de teia que se alimentam de peixes, os cormorões são os mais vorazes. Eles geralmente se reúnem em bandos nas rochas que se projetam sobre o mar, de onde caem das maiores alturas sobre sua vítima, mergulham atrás dela com a rapidez de um dardo e invariavelmente engolem a cabeça de sua presa. O corvo-marinho pode ser encontrado em todos os climas e é a destruição de toda a tribo dos finos em qualquer rio de água doce que ele ocupe por algum tempo. Por isso ele é chamado de terror emplumado da tribo finny. Da habilidade que ele exibe ao se lançar de uma grande altura, e mergulhar como um dardo atrás de sua vítima, ele deriva seu nome hebraico, que denota “mais ousado”. A carne do corvo marinho, embora estragada, é comida em algumas regiões; enquanto a pele, que é dura, é transformada em vestimentas. O nome hebraico só ocorre novamente no catálogo duplicado de animais impuros em Deu. 14:17. Por comp. Lev. 11:17-18 da lista diante de nós com a lista paralela em Deu. 14:16-17, será visto que embora os dois catálogos enumerem respectivamente nestes dois versos os mesmos seis pássaros, ainda assim a ordem é diferente. O corvo-marinho, que é o segundo em Lev. 11:17, em Deuteronômio 14 é o sexto em Lev. 11h17. Portanto, dificilmente pode haver qualquer dúvida de que o versículo diante de nós foi perturbado, e que, colocando o corvo-marinho aqui em sexto lugar, como é em Deuteronômio, obtemos as duas espécies de corujas que se seguem naturalmente, como é o caso em o catálogo paralelo.

e o íbis. Em vez disso, a coruja noturna, como o nome no original (yanshûph) denota “pássaro noturno”. Além da passagem paralela em Deu. 14:16, esta ave de rapina só ocorre novamente em Isa. 34:11, onde a Versão Autorizada traduz simplesmente “coruja”, omitindo a palavra “grande”, e onde é associada ao corvo e outras aves sombrias como ocupantes adequados de ruínas desertas. Segundo a descrição que prevaleceu na época de Cristo, seus olhos estão voltados para a frente, emite gritos assustadores à noite, tem rosto de gato e bochechas de ser humano. Por causa de seu rosto repulsivo e aparência humana, era considerado um mau presságio se alguém visse uma coruja em um sonho. O fato de os dois tipos de corujas serem mencionados aqui provavelmente se deve ao seu hábito nojento de ejetar pelotas, cada uma contendo às vezes de quatro a sete esqueletos de camundongos. Portanto, em vez de dizer “segundo sua espécie”, para incluir as outras variedades, o legislador as enumera separadamente. [Ellicott, aguardando revisão]

18 E a galinha-d'água, e o cisne, e o pelicano,

Comentário Ellicott

a galinha-d’água. A palavra aqui traduzida como “galinha-d’água”, que, além da lista paralela em Deut., Também ocorre em Lev. 11:30, entre os nomes dos lagartos, denota, segundo a tradição, outra variedade da coruja. Seja qual for a dificuldade que possa haver sobre o verdadeiro significado da palavra, certamente não é o cisne. No entanto, também foi traduzido como “íbis”, “morcego”, “galinha-d’água roxa”, “garça”, “pelicano” e “ganso”.

e o pelicano. Enche sua bolsa espaçosa com peixes quase até sufocá-los, que despeja ou para seu próprio consumo futuro, ou para a alimentação de seus filhotes, pressionando a mandíbula contra o pescoço e o peito para evitar o vômito do conteúdo. Daí seu nome hebraico, que denota “o vomitador”. Durante essa operação, a unha vermelha da mandíbula superior entra em contato com o seio, dando-lhe a aparência de sangue, o que muito provavelmente é a origem da fábula de que alimenta seus filhotes com seu próprio sangue vital. O pelicano geralmente se constrói em locais desertos, a uma distância de até trinta quilômetros da costa. Depois de encher sua bolsa expansiva com a presa, ele se retira para seu solitário lugar de repouso, onde permanece com a cabeça apoiada no peito quase imóvel até que a fome o impele a voar para a água em busca de um novo estoque de vítimas. É a esta atitude melancólica de desolação solitária que o salmista se refere quando diz:“Sou como um pelicano do deserto” (Salmo 102:6), e é ao seu hábito de construir em lugares desertos que os profetas aludem quando eles descrevem a desolação de Edom e Nínive, dizendo que “o pelicano os possuirá” (Isaías 34:11; Sofonias 2:14). Nas duas últimas passagens, a Versão Autorizada, que traduz erroneamente como “cormorão” no texto, traz corretamente pelicano na margem. [Ellicott, aguardando revisão]

19 E a cegonha, e a garça, segundo sua espécie, e a poupa, e o morcego.

Comentário de Robert Jamieson

a cegonha – uma ave de temperamento benevolente e a maior taxa em todos os países orientais; foi imputada, por si, alimentar de serpentes e outros repentinos venenosos, bem como criar seus filhotes na mesma comida.

a garça – A palavra, assim é apresentado na lista de matérias primas e processadas de formas diferentes – o guindaste, uma tarambola, uma galinhola, o papagaio. Nessa grande diversidade de opiniões, nada de certo pode ser afirmado em relação a isso. A julgar pelo grupo com o qual é classificado, deve ser uma ave aquática que se entende Você também pode gostar de qualquer outro pássaro, mais especificamente como garças abundam no Egito e não Hauran da Palestina.

a poupa – Encontro em regiões quentes, uma espécie muito bonita mas imunda de pássaro. Era considerado impuro, provavelmente alimentar de insetos, vermes e caracóis.

o morcego – o grande ou o morcego Ternat, conhecido no Oriente, conhecido por sua voracidade e imundície. [JFB, aguardando revisão]

20 Todo inseto de asas que andar sobre quatro pés, tereis em abominação.

Comentário de Robert Jamieson

Por que as aves de rapina são todas concebidas com as asas e “andar de quatro”, porque não têm as mesmas marcas que as muitas coisas? isso. número. A proibição é geralmente considerada como sendo insetos, répteis e vermes. [JFB, aguardando revisão]

21 Porém isto comereis de todo inseto de asas que anda sobre quatro patas, que tiver pernas além de suas patas para saltar com elas sobre a terra;

Comentário de Robert Jamieson

Nada menos do que uma descrição científica poderia transmitir mais precisamente a natureza “do gafanhoto segundo o seu tipo”. Eles foram permitidos como alimento legal para os israelitas, e eles são comidos pelos árabes, que os fritam em azeite. Quando polvilhadas com sal, secas, defumadas e fritas, é dito que elas não têm gosto diferente de arenques vermelhos. [JFB, aguardando revisão]

22 Estes comereis deles:o gafanhoto migrador segundo sua espécie, e o gafanhoto devorador segundo sua espécie, e o grilo segundo sua espécie, e o gafanhoto comum segundo sua espécie.

Comentário de Robert Jamieson

o gafanhoto migrador segundo sua espécie – [haa’arbeh) – a palavra comum para gafanhoto, e traduzida pela Septuaginta, akris (Êxodo 10:4; Êxodo 10:12-14; Êxodo 10:19; Deuteronômio 28:38; Juízes 6:5; Juízes 7:12; 2Crônicas 6:28; Jó 39:20; Salmos 78:46; Salmos 105:34; Salmos 109:23; Pró 30:27; Jeremias 46:23; Jo 1:4; Jo 2:25). Derivado de raabaah, para ser multiplicado, forma um nome apropriado para essa classe de insetos, que se distingue pela fecundidade extraordinária; e é usado como um substantivo coletivo em conexão com verbos tanto no singular quanto no plural, como também o é o termo grego correspondente. Em algumas passagens, é associado a outras denominações da tribo dos gafanhotos, como no Salmo 78:46; Joe 1:4, onde, ficando em segundo lugar na enumeração, evidentemente denota uma espécie particular, ou seja, (Gryllus gregarius, o gafanhoto migratório comum – como parece pela mesma razão nesta passagem. Aqui, no entanto, ‘arbeh é colocado em primeiro lugar, seja por causa de seu grande número, ou por sua rapacidade e poder de destrutividade. A Septuaginta o torna brouchos, que é usado em outra parte dessa versão (1Reis 8:37; Nah 3:15) para expressar as mesmas idéias de imensa multidão e tendência desoladora.]

o gafanhoto devorador segundo sua espécie [hacaal`aam; Septuaginta, attakees]. Não somos capazes de identificar isso com nenhuma espécie particular, embora a circunstância de sua calvície possa ser explicada pelo que Tychsen diz, com base na autoridade do Talmud, que esse tipo de gafanhoto ‘tem uma cabeça lisa’.

o grilo segundo sua espécie [hachargol]. “O besouro” certamente é uma tradução imprópria, porque o scaraboeus não era um artigo de comida para os judeus, nem para qualquer outro povo; e não responde de forma alguma à descrição genérica de inseto dada no versículo anterior. A crença geral é que chargol se refere a algumas espécies de gafanhotos; mas nenhuma pista é fornecida para uma identificação dele pelo nome correspondente na Septuaginta [hofiomachees, um guerreiro-serpente] – um nome que parece fundado na fábula absurda relatada por Aristóteles, de que existe uma classe de gafanhotos que atacou e atacou sobre as serpentes.

Um erudito escritor-J.F. Denham – sugeriu que o nome adotado pela Septuaginta pode ter surgido da notável semelhança do chargol, em forma e cor, com o Ichneumonidoe, e ser aplicado ao gênero não é evidência de que o gênero Truxalis é insetívora, e a forte presunção é que, como o resto da família dos gafanhotos, eles se alimentam dos produtos vegetais do solo.

o gafanhoto comum segundo sua espécie [hechaagaab]. Este nome, de acordo com Gesenius, é derivado de uma raiz árabe para véu, para ocultar – implicando que os enxames de gafanhotos “cobrem o solo e obscurecem o sol” [Septuaginta, Akris, e essa versão o traduz da mesma forma em muitos outras passagens (Números 13:33; Isaías 40:22; Eclesiastes 12:5; 2Crônicas 7:13)]. De acordo com Tychsen, é o Gryllus coronatus; mas para Oedman é uma pequena espécie de gafanhoto. Essas, entretanto, são meras conjecturas.

Michaelis pensava que os nomes aqui especificados denotavam o gafanhoto, primeiro, na larva, em segundo lugar, no estado de pupa e no terceiro e quarto estágios progressivos de seu crescimento até a maturidade. Mas a circunstância de serem representados como alados (Levítico 11:23), e descritos cada um “segundo sua espécie”, é fatal para esta teoria; e a opinião prevalecente é que aqueles mencionados eram gêneros diferentes da família dos gafanhotos, os quais, por possuírem as propriedades necessárias, foram declarados comestíveis pelos israelitas; e ainda são comidos pelas pessoas comuns dos países orientais, que os fritam em azeite. Quando polvilhados com sal, secos, defumados e torrados, alguns dizem que têm gosto não muito diferente de arenque vermelho; pelo Dr. Shaw eles são comparados a lagostins, e por outros a camarões ou camarões. Eles são muito apreciados por todos os árabes nômades, exceto, é estranho dizer pelos árabes sobre o Sinai (Burckhardt). [JFU, aguardando revisão]

23 Todo réptil de asas que tenha quatro pés, tereis em abominação.

Comentário Ellicott

Todo réptil de asas que tenha quatro pés. Melhor, mas todas as outras coisas rastejantes aladas. Além das quatro espécies acima mencionadas e seus parentes, todos os outros gafanhotos, bem como insetos de qualquer espécie, devem ser abominados como alimento. [Ellicott, aguardando revisão]

24 E por estas coisas sereis impuros:qualquer um que tocar a seus corpos mortos, será impuro até à tarde:

Comentário Ellicott

por estas coisas sereis impuros. Em vez disso, e por estes sereis contaminados, isto é, as bestas e animais especificados em Lev. 11:26-27.

será impuro até à tarde. Por entrar em contato com o cadáver dos animais contrai contaminação pelo resto do dia, e até o início de um novo dia, que ocorreu após o pôr do sol (comp. Lev. 23:32). Durante essas horas de impureza legal, ele não tinha permissão de entrar no santuário, tocar em qualquer coisa sagrada ou ter relações sexuais com aqueles que estavam legalmente limpos, visto que o contato com alguém que contraiu contaminação legal transmitia contaminação a pessoas e coisas. [Ellicott, aguardando revisão]

25 E qualquer um que levar de seus corpos mortos, lavará suas roupas, e será impuro até à tarde.

Comentário Whedon

impuro até à tarde. Os graus mais leves de impureza eram somente “até à tarde”, e eram tiradas tomando banho e lavando as roupas no final; enquanto isso, a pessoa era excluída de certos privilégios religiosos. [Whedon]

26 Todo animal de casco, mas que não tem unha fendida, nem rumina, tereis por impuro:qualquer um que os tocar será impuro.

Comentário de Robert Jamieson

Os animais proibidos nesta descrição não incluem os animais que têm um único casco, como cavalos e jumentos, mas também aqueles que dividiram o pé em patas, como leões, tigres, etc. [JFB, aguardando revisão]

27 E de todos os animais que andam a quatro patas, tereis por impuro qualquer um que ande sobre suas garras:qualquer um que tocar seus corpos mortos, será impuro até à tarde.

Comentário Cambridge

que andam a quatro patas. Animais como o cão e o gato, cujas patas são de forma semelhante à das mãos, tendo dedos e garras. [Cambridge]

28 E o que levar seus corpos mortos, lavará suas roupas, e será impuro até à tarde:haveis de tê-los por impuros.

Comentário de John Gill

o que levar seus corpos mortos. Carrega por qualquer motivo, de um lugar para outro.

haveis de tê-los por impuros; até mesmo as carcaças de um e de outro; e a todos os israelitas, homens, mulheres e crianças, como Aben Ezra observa. [Gill, aguardando revisão]

29 E estes tereis por impuros dos répteis que vão arrastando sobre a terra:a doninha, e o rato, e o lagarto segundo sua espécie,

Comentário de Robert Jamieson

E estes tereis por impuros dos répteis que vão arrastando sobre a terra. A lista inclui pequenos quadrúpedes e também répteis propriamente ditos.

a doninha, [hacholed]. Este termo inclui as espécies de Genetta, Herpestes e outros pequenos carnívoros, espécimes dos quais foram recentemente trazidos da Palestina pelo Sr. Tristram e depositados no Museu Britânico. [Septuaginta, hee galee, ou galeee, que significa uma doninha ou um gato.] Várias espécies de Mustelidoe, conhecidas por residirem na Palestina e perto dela, são supostamente designadas coletivamente por este termo. Eles aparecem, tanto na antiguidade quanto entre nós, agrupados em uma espécie de grupo, sob a impressão de pertencerem à família dos felinos. Conseqüentemente, nós, como os antigos, ainda usamos as palavras gato-árvore, gato-pólo, etc .; e, na realidade, muitas dessas espécies têm garras retráteis, as pupilas de seus olhos sendo contráteis, e eles até carregam as mesmas librés listradas dos gatos (Ainsworth).

o rato [haa`akbaar]. Isso pode se referir às espécies de Arvicola (camundongo do campo), ou Gerbillus, ou Acomys, bem como Mustelidoe (Owen).

o lagarto segundo sua espécie [hatsaab; Septuaginta, hokrokodeilos ho chersaios, a tartaruga terrestre]. As formas às quais se faz referência por este termo são exemplificadas pelos espécimes de Testudo Groeca e de Emys Caspica, que o Sr. Tristram mostrou percorrer até a Terra Santa (Owen). Dr. Shaw considera o tzab idêntico a um lagarto chamado pelos árabes dhab, correspondendo na forma e nas escamas pontiagudas da cauda com a caudiverbera ou cauda-sacudida (Bochart). Este lagarto tem 18 polegadas de comprimento e 3 ou 4 polegadas de largura nas costas. É venenoso; e se for caçado, esconde-se profundamente no solo, onde penetra com o nariz (Jackson). [JFU, aguardando revisão]

30 E a lagartixa, e o lagarto pintado, e a lagartixa de parede, e a salamandra, e o camaleão.

Comentário de Robert Jamieson

a lagartixa [haa’anaaqaah)]. Gesenius declara que este é ‘um réptil, provavelmente do gênero lagarto, tendo seu nome devido ao grito de lamento proferido por algumas espécies de lagartos’. [A Septuaginta o torna mugalee, mus araneus – um rato musaranho, um animal muito pequeno, que se diz ser capaz de trepar por um fio de aranha e cuja picada é venenosa.]

o lagarto pintado [hakoach; Septuaginta, chamaileoon, Chameleo Africanus] – um grande lagarto verde, considerado por Bochart e pela generalidade dos estudiosos da Bíblia ser o que os árabes chamam de warral, que às vezes é encontrado com 30 polegadas de comprimento. É de cor vermelha brilhante, com manchas escuras (Shaw).

a lagartixa de parede [halTaa’aah; Septuaginta, chalabotos] – uma espécie particular de Saura, abundante em várias partes da Arábia e Egito; Gecko Ptyodactylus, o lagarto em leque, marrom-avermelhado, com manchas brancas. Bochart deriva o nome hebraico do árabe lataa, para aderir ao solo. Vive de insetos e vermes, que engole inteiros. Diz-se que exala veneno dos dedos dos pés.

a salamandra [hachomeT; Septuaginta, saura] – uma espécie de lagarto; pois, sem dúvida, essa visão está mais de acordo com o contexto do que a interpretação que nossos tradutores, seguindo escritores judeus, adotaram. Bochart, fundado em uma etimologia duvidosa, deriva o nome de uma palavra que significa areia, e supõe que seja um lagarto de cor azul, que vive na areia, chamado pelos árabes de chulca, ou chulaca. [JFU, aguardando revisão]

31 Estes tereis por impuros de todos os répteis:qualquer um que os tocar, quando estiverem mortos, será impuro até à tarde.

Comentário de Robert Jamieson

Estes regulamentos devem ter causado aborrecimentos, exigindo de repente a exclusão das pessoas da sociedade, bem como as ordenanças da religião. No entanto, eles eram extremamente úteis e salutares, especialmente quando exigiam atenção à limpeza. Esta é uma questão de importância essencial no Oriente, onde os répteis venenosos muitas vezes entram nas casas e são encontrados escondidos em caixas, vasos ou buracos na parede; e a carcaça de um deles, ou um rato morto, toupeira, lagarto ou outro animal impuro, pode ser tocada inadvertidamente pela mão ou cair em roupas, frascos de pele ou qualquer artigo de uso doméstico comum. Conectando, portanto, o toque de tais criaturas com impurezas cerimoniais, que requeriam ser removidas imediatamente, um meio efetivo era tomado para prevenir os maus efeitos do veneno e de toda matéria impura ou nociva. [JFB, aguardando revisão]

32 E tudo aquilo sobre que cair algum deles depois de mortos, será impuro; tanto vaso de madeira, como roupa, ou pele, ou saco, qualquer instrumento com que se faz obra, será posto em água, e será impuro até à tarde, e assim será limpo.

Comentário Cambridge

O caso de um desses pequenos animais rastejando em uma panela, saco ou roupa, e sendo encontrado morto, parece ser considerado. Em tal caso, o vaso é imundo pelo resto do dia e se for de barro deve ser quebrado (Levítico 6:28). [Cambridge]

33 E toda vasilha de barro dentro da qual cair algum deles, tudo o que estiver nela será impuro, e quebrareis a vasilha:

Comentário Whedon

vasilha de barro…quebrareis a vasilha. Isso indica não apenas que a louça de barro era usada no deserto, mas também que era abundante. Nós, que estamos acostumados a fortes utensílios de pedra de considerável valor, dificilmente podemos conceber quão fina e quebradiça, quão abundante e barata é a cerâmica da Palestina. Sobre o motivo de quebrar o vaso de barro, veja Levítico 15:12, nota. Que os hebreus eram oleiros no Egito é evidente em Salmos 81:6. As pinturas de parede descrevem minuciosamente o processo, o que concorda exatamente com as descrições encontradas no Antigo Testamento. [Whedon, aguardando revisão]

34 Toda comida que se come, sobre a qual vier a água de tais vasilhas, será imunda:e toda bebida que se beber, será em todas essas vasilhas impura:

Comentário Cambridge

Qualquer alimento misturado ou colocado em água (para cozinhar ou comer) e qualquer bebida dentro ou sobre a qual um destes animais tenha caído é imundo. [Cambridge]

35 E tudo aquilo sobre que cair algo do corpo morto deles, será impuro:o forno ou aquecedores se derrubarão; são impuros, e por impuros os tereis.

Comentário de Robert Jamieson

o forno (veja as notas em Levítico 2:4; Gênesis 18:6) [tanuwr; Septuaginta, klibanos] – um recipiente raso de tamanho portátil, no qual o pão é assado, geralmente de barro, mas às vezes metálico, com cerca de um metro de altura, que foi aquecido internamente com madeira ou grama seca. Quando o jarro estava devidamente aquecido e o fogo se extinguia, os bolos finos eram aplicados nas laterais, por fora ou por dentro. Wilkinson descreve esses fornos como comuns nas casas do antigo Egito; e Niebuhr e outros nos informam que estão em uso entre os árabes beduínos.

ou aquecedores [kiyrayim]. A palavra está no dual. A Septuaginta o torna chutrópodes, potes ou chaleiras, com dois ou mais pés. Keil e Delitzsch consideram-no como um recipiente que consiste em duas partes – isto é, um pote ou panela com uma tampa; mas os vasos desta descrição são abrangidos por Levítico 11:33, que ordena que, quando tiverem sido poluídos, sejam “quebrados”; enquanto os “intervalos para potes” deveriam ser, como altares ou paredes, “demolidos”.

O seguinte relato de Rauwolf, do aparelho usado pelos árabes para ferver uma panela, servirá para explicar o que se quer dizer:- Eles fazem um buraco no chão de suas casas com cerca de um pé e meio de profundidade, no qual eles colocam seus potes de barro, com a carne neles, fechados cerca da metade acima do meio – três quartos eles deitam com pedras, e a quarta parte é deixada aberta, através da qual eles jogam seu esterco seco, e qualquer outro eles podem obter substâncias combustíveis, que queimam imediatamente e produzem um calor tão grande que a panela fica tão quente como se estivesse sobre uma fogueira. Oséias “intervalos de potes” correspondem à pequena estrutura descrita por este viajante, ‘três partes da qual foram assentadas ou construídas com pedras.’

A lei exigia que esse pequeno edifício “quebrasse”, quando por acaso se tornou cerimonialmente impuro. Na verdade, “os intervalos para panelas”, ou lareiras, eram semelhantes àquelas ereções rudes e primitivas que ainda são vistas nas lareiras das cabanas nos pobres distritos remotos da Escócia, que são formadas por alguns tijolos ou pedras empilhadas . Daria muito pouco trabalho colocá-los novamente depois de serem desmontados, conforme a lei exigia. [JFU, aguardando revisão]

36 Contudo, a fonte e a cisterna onde se recolhem águas, serão limpas:mas o que houver tocado em seus corpos mortos será impuro.

Comentário de Robert Jamieson

Contudo, a fonte e a cisterna onde se recolhem águas, serão limpas. A razão desta exceção é óbvia – nomeadamente, que o fluxo de água doce removeria a impureza causada pela carcaça; e isso era uma regulação atenciosa e benevolente; porque em uma região onde a água é escassa, teria sido uma grande dificuldade proibir toda a água na fonte ou tanque como impura. [JFU]

37 E se cair de seus corpos mortos sobre alguma semente que se haja de semear, será limpa.

Comentário Ellicott

se cair de seus corpos mortos. O princípio subjacente à imunidade à poluição da água viva também está na base da exceção das plantas vivas. Portanto, se a carcaça ou parte de um réptil morto for encontrada entre os grãos destinados à semeadura, a quantidade de trigo em que foi descoberta não se contamina, uma vez que a planta em crescimento deriva constantemente novos elementos de baixo e umidade fresca de cima, assim passando por tantas mudanças em seu caminho quanto a água da nascente. A lei, portanto, obtida durante o segundo Templo foi a seguinte:- “Tudo o que é fixado no solo não contrai contaminação. As plantas não são contaminadas até que sejam colhidas. ” Conseqüentemente, a antiga versão caldeu de Jônatas traduz este versículo:“Se alguma parte de sua carcaça cair sobre qualquer semente que é semeada da maneira em que é comumente semeada – isto é, em seu estado seco – está limpa.” [Ellicott, aguardando revisão]

38 Mas se se houver posto água na semente, e cair de seus corpos mortos sobre ela, a tereis por impura.

Comentário Ellicott

se se houver posto água na semente. O caso, porém, é diferente quando o grão é umedecido, porque o fluido amolece o milho e, assim, permite que a contaminação da carcaça penetre em suas próprias fibras. O milho úmido, portanto, é considerado da mesma maneira que vasos de argila porosa que se tornam saturados de contaminação e devem ser quebrados. (Comp. Lev. 6:28.) Pela água, de acordo com a regra que se obteve durante o segundo Templo, os sete líquidos mencionados em Lev. 11:34 são significados. [Ellicott, aguardando revisão]

39 E se algum animal que tiverdes para comer se morrer, o que tocar seu corpo morto será impuro até à tarde:

Comentário Ellicott

se algum animal. Ou seja, um animal limpo, que ao mesmo tempo é bissulcoso e ruminante, mas que não foi devidamente abatido, tendo morrido de alguma doença ou acidente. Durante o segundo Templo, a lei aqui promulgada era restrita aos quadrúpedes, domésticos ou selvagens, mas não era aplicável a pássaros e peixes.

o que tocar seu corpo morto. A carcaça, neste caso, deve ser considerada como o cadáver de um animal impuro (veja Levítico 11:24-28), e contamina por contato. (Veja também Lev. 17:15.) Isso, entretanto, só se aplica à carne do quadrúpede. A pele, os ossos, os tendões, os chifres e as garras estão limpos, as Sagradas Escrituras mesmo sendo escritas nas peles preparadas; e os chifres usados para as trombetas ou chifres do santuário, de acordo com os cânones dos fariseus, enquanto os samaritanos e os saduceus os consideravam poluidores. [Ellicott, aguardando revisão]

40 E o que comer de seu corpo morto, lavará suas roupas, e será impuro até à tarde:também o que tirar seu corpo morto, lavará suas roupas, e será impuro até à tarde.

Comentário Ellicott

o que comer. Isto é, ignorantemente, visto que por transgressão intencional o transgressor incorreu na pena de excisão. (Veja Num. 15:30; Deu. 14:21.)

também o que tirar seu corpo morto Remover a carcaça de um quadrúpede limpo que morreu contaminou a pessoa que a carregava tanto quanto remover a carcaça de um animal impuro. Conseqüentemente, a lei de purificação para a contaminação que surge em ambos os casos é a mesma. (Ver Lev. 11:25.) [Ellicott, aguardando revisão]

41 E todo réptil que vai arrastando sobre a terra, é abominação; não se comerá.

Comentário Ellicott

E todo réptil que vai arrastando. Além dos oito répteis que contaminam ao tocar em suas carcaças, e que são enumerados em Lev. 11:29-30, todas as outras coisas rastejantes sobre a terra, com exceção das especificadas em Lev. 11:21-22, devem ser tratados como abominação e não devem ser comidos, embora suas carcaças não se contaminem ao entrar em contato com elas. Pelo fato de que as coisas rastejantes aqui proscritas são expressamente descritas como “rastejando sobre a terra”, os administradores da lei durante o segundo Templo concluíram que os pequenos vermes que não rastejam sobre a terra não estão dentro da operação desta proibição . Conseqüentemente, vermes criados em vegetais, frutas e certos tipos de alimentos são permitidos. Assim, os vermes nos figos, tâmaras e bagas, os ácaros nas ervilhas, feijões e lentilhas, os vermes no queijo, os insetos encontrados na carne e sob a pele dos peixes, não são proscritos, e somente quando eles abandonam o objeto onde eles foram gerados, e rastejam sobre o solo, eles são proibidos. Conseqüentemente, a versão caldeu de Jônatas traduz a passagem “e todo réptil que voa é impuro para vós” (Deu. 14:19) por “e todas as abelhas e vespas, e todos os vermes de vegetais e de leguminosas que deixam os objetos de alimento e voem como pássaros, são impuros para vocês. ” [Ellicott, aguardando revisão]

42 Tudo o que anda sobre o peito, e tudo o que anda sobre quatro ou mais patas, de todo réptil que anda arrastando sobre a terra, não o comereis, porque é abominação.

Comentário de Robert Jamieson

Tudo o que anda sobre o peito, e tudo o que anda sobre quatro ou mais patas. O primeiro aponta para vermes, cobras, serpentes; e a segunda aos pequenos mamíferos, como o camundongo, etc. A afirmação é uma repetição da lei anteriormente declarada em relação a tais animais, com vistas provavelmente a impor uma maior atenção a ela.

de todo réptil que anda arrastando sobre a terra [kaal marbeeh raglayim]. (Gesenius traduz estas palavras, ‘tendo muitos pés’. A margem, no entanto, tem, ‘tudo o que multiplica pés’, e esta tradução, embora seja mais próxima do original hebraico, é preferível por outro lado, por estar de acordo com o fato zoológico, de que tais animais aumentam o número de pés com o crescimento [JFU, aguardando revisão]

43 Não torneis abomináveis vossas pessoas com nenhum réptil que anda arrastando, nem vos contamineis com eles, nem sejais impuros por eles.

Comentário Ellicott

Não torneis abomináveis. Por comer as criaturas impuras que são constantemente caracterizadas neste livro como “abomináveis” (ver Lev. 7:21; Lev. 11:10-13; Lev. 11:20; Lev. 11:23; Lev. 11:41- 42) – um termo que ocorre apenas duas vezes mais nas Escrituras Hebraicas (Isa. 66:17; Eze. 8:10) – aqueles que o fazem se tornam abomináveis e repulsivos; daí a admoestação. A frase ocorre apenas mais uma vez, viz., Lev. 20:25, onde está traduzido na Versão Autorizada:”Não tornareis abomináveis as vossas almas.” Esta é a razão pela qual “alma” é colocada aqui na margem da palavra “eus”.

nem sejais impuros por ele. Mas não é apenas nojento comer essas criaturas abomináveis, mas suas carcaças contaminam e impedem aquele que entra em contato com elas de entrar no santuário e de participar da refeição sacrificial. [Ellicott, aguardando revisão]

44 Pois que eu sou o SENHOR vosso Deus, vós portanto vos santificareis, e sereis santos, porque eu sou santo:assim que não torneis abomináveis vossas pessoas com nenhum réptil que andar arrastando sobre a terra.

Comentário Whedon

Pois que eu sou o SENHOR vosso Deus. Todas as obrigações para com a pureza derivam da vontade de Deus, como está escrito na natureza e na revelação.

portanto vos santificareis. A abstinência de todo ato que contamina é a parte humana da santificação. 1 Tessalonicenses 4:3. Evitar que as malignas tendências da natureza depravada se transformem em pecado aberto pelo esforço incansável da vontade, sustentado pela graça divina, é a santificação do Antigo Testamento. Matar e erradicar estas tendências depravadas pela poderosa obra e permanência do Santificador, aplicando o sangue de Jesus Cristo à alma para purificá-la de todo pecado e mantê-la pura pelo poder de Deus através da fé, é santificação do Novo Testamento. Neste sentido, devemos santificar-nos, servindo-nos do ofício do Santificador.

porque eu sou santo. O próprio carácter de Deus fornece o motivo e a medida da santidade. Mateus 5:48. A revelação do caráter moral de Jeová é a proclamação do dever do homem de ser assimilado a ele. Toda a adoração inteligente do verdadeiro Deus imprime a sua semelhança na alma. Aqui está o segredo de todo o prazer de Deus no tempo ou na eternidade. A miséria de uma alma profana é uma consequência tão natural quanto a dor de um dente enfermo. [Whedon]

Leia também um estudo sobre a santidade de Deus.

45 Porque eu sou o SENHOR, que vos faço subir da terra do Egito para vos ser por Deus:sereis pois santos, porque eu sou santo.

Comentário Whedon

Porque eu sou o SENHOR, que vos faço subir da terra do Egito. A bondade providencial na libertação do jugo do Egito apresenta um motivo adicional para a santidade. Assim, a libertação da escravidão do pecado constitui uma razão pela qual toda alma justificada deve ser limpa da contaminação do pecado, e tornar-se perfeitamente santa no coração e na vida. [Whedon]

Leia também um estudo sobre a santidade de Deus.

46 Esta é a lei dos animais e das aves, e de todo ser vivente que se move nas águas, e de todo animal que anda arrastando sobre a terra;

Comentário Ellicott

Esta é a lei dos animais. Esta é uma recapitulação das diferentes classes de animais proibidas nas leis dietéticas. Ver-se-á, entretanto, que neste resumo eles não são enumerados na mesma ordem em que são discutidos no capítulo anterior. Na lei alimentar, a ordem das quatro classes é a seguinte:–(1) os animais terrestres, (2) os animais aquáticos, (3) os pássaros do ar e (4) os animais em enxame; enquanto a ordem do resumo é :—(1) os animais terrestres, (2) os pássaros do ar, (3) os animais aquáticos e (4) os animais em enxame. Exatamente o mesmo é o caso no resumo da lei sacrificial. (Ver Lev. 7:37-38.) [Ellicott, aguardando revisão]

47 Para fazer diferença entre impuro e limpo, e entre os animais que se podem comer e os animais que não se podem comer.

Comentário de Robert Jamieson

Para fazer diferença entre impuro e limpo – isto é, entre animais usados ​​e não usados ​​para comida. É provável que as leis contidas neste capítulo não fossem inteiramente novas, mas apenas dessem a sanção da promulgação divina aos usos antigos. Alguns dos animais proibidos foram, em termos fisiológicos, rejeitados em toda parte pelo sentido geral ou pela experiência da humanidade; enquanto outros podem ter sido declarados impuros por sua insensibilidade em países quentes ou por algumas razões, agora imperfeitamente conhecidas, ligadas à idolatria contemporânea. [JFB, aguardando revisão]

<Levítico 10 Levítico 12>

Visão geral de Levítico

Em Levítico, “o Deus santo de Israel convida o povo a viver na Sua presença, apesar de serem pecadores, através de uma série de rituais e instituições sagradas”. Tenha uma visão geral deste livro através do vídeo a seguir produzido pelo BibleProject. (9 minutos)

🔗 Abrir vídeo no Youtube.

Leia também uma introdução ao livro do Levítico.

Todas as Escrituras em português citadas são da Bíblia Livre (BLIVRE), Copyright © Diego Santos, Mario Sérgio, e Marco Teles – fevereiro de 2018.