Eclesiastes 12

1 Portanto lembra-te de teu Criador nos dias de tua juventude, antes que venham os dias ruins, e cheguem os anos, dos quais venhas a dizer: Não tenho neles contentamento;

Lembra-te agora de teu Criador nos dias de tua juventude. A palavra para “Criador” é estritamente o particípio do verbo que se traduz “criar” em Gênesis 1,1; Gênesis 1,21; Gênesis 1,27, e como nome divino é excepcionalmente raro, ocorrendo apenas aqui e em Is 40,23; Is 44,15. É plural em sua forma, como Elohim (a palavra para Deus) é plural, como o “Santo” é plural em Pro 9,10; Pro 30,3; Os 12,1, como expressão da majestade de Deus. As explicações que foram dadas das palavras como significado (1) “tua fonte” no sentido de Pro 5:18, “tua fonte de alegria”, ou (2) “tua existência”, são dificilmente defensáveis filologicamente, e estão em total desacordo com o contexto.

enquanto os dias maus não vêm. A descrição que segue formas em alguns aspectos é o mais difícil de todos os enigmas do Livro. Que ela representa a decadência da velhice, ou da doença que antecipa a idade, terminando finalmente na morte, está além da sombra de dúvida; mas a linguagem figurativa na qual essa decadência é representada abunda em referências alusivas que na época estavam cheias de significado para aqueles que tinham ouvidos para ouvir, mas que agora apresentam enigmas que não é fácil de resolver. Em resumo, as duas principais linhas sobre as quais os comentaristas percorreram foram (1) aquela que começa como no comentário de Gregory Thaumaturgus (ver Introdução, ch. vii.) a partir da ideia da aproximação da morte como a chegada de uma tempestade; (2) aquela que assume que temos como que um diagnóstico dos fenômenos físicos da velhice e suas enfermidades, e se perde nas discussões sobre o que é órgão corporal, coração, cérebro, fígado, ou algo semelhante, especialmente na mente do autor. Será visto, à medida que o imaginário nos é apresentado em detalhes, até que ponto a solução é satisfatória, até que ponto eles admitem estar combinados, ou que outro, se houver, se apresenta com reivindicações mais fortes sobre nossa atenção.

Os “dias maus” são aqueles que são pintados nos versos que se seguem, não necessariamente as formas especiais do mal que vêm como a punição dos pecados, mas o acompanhamento inevitável dos anos de declínio ou de doença. Há a advertência implícita de que, a menos que um homem tenha lembrado seu Criador em sua juventude, não será então fácil lembrá-lo como pela primeira vez nos “dias maus” da idade ou da enfermidade. Nesses dias, será enfaticamente verdade que não haverá prazer neles. [Cambridge, Revisar]

2 Antes que se escureçam o sol, a luz, a lua e as estrelas; e voltem as nuvens após a chuva.

Ilustrando “os dias maus” (Jr 13:16). “Luz”, “sol” etc. expressam prosperidade; “Escuridão”, dor e calamidade (Is 13:10; Is 30:26).

nuvens após a chuva – Após o sol da chuva (conforto) pode ser procurado, mas apenas um breve vislumbre é dado, e as nuvens sombrias (dores) retornam.

3 No dia em que os guardas da casa tremerem, e os homens fortes se encurvarem; e cessarem os moedores, por terem diminuído, e se escurecerem os que olham pelas janelas;

os guardas da casa Gênesis 49:24; Jó 4:19; 2Co 5: 1, estão agora paralisados.

os homens fortes se encurvem – (Jz 16:25, Jz 16:30). Como pilares de sustentação, os pés e as costas (Cantares de Salomão 5:15); os membros mais fortes (Salmo 147: 10).

moedores – os dentes molares.

cessarem – estão ociosos.

os que olha pelas janelas – os olhos; os poderes da visão, olhando para as pálpebras, que se abrem e se fecham como o caixilho de uma janela.

4 E as portas da rua se fecharem, enquanto se abaixa o ruído da moedura; e se levantar a voz das aves, e todas as vozes do canto se encurvarem.

portas – os lábios, que estão sempre com as portas, por um balde de comida, porque não é feito, um cairia de comida (Jó 41:14; Sl 141: 3; Mq 7: 5).

da rua – isto é, em direção à rua, “as portas externos”.

moedura – Os dentes quase se foram, os lábios “se calaram” em comer, o som da mastigação mal é ouvido.

das aves – o galo. No Oriente, todos surgem principalmente com o amanhecer. Mas os idosos são alegram de levantar-se do seu leito sem dormir, ou ainda fazem sono doloroso mais cedo, um sabre, quando o galo canta, antes do amanhecer (Jó 7: 4) [Holden]. O menor banda os desperta [Weiss].

as vozes do canto – os órgãos que produzem e que gostam de música; uma voz e o ouvido.

5 Como também quando temerem as coisas altas, e houver espantos no caminho; e florescer a amendoeira, e o gafanhoto se tornar pesado, e acabar o apetite; porque o homem vai para sua casa eterna, e os que choram andarão ao redor da praça;

as coisas altas – Os velhos têm medo de subir uma colina.

espantos no caminho – Já na estrada nivelada estão cheios de medo de cair, etc.

florescer a amendoeira – No Oriente, o cabelo é quase todo escuro. A cabeça branca do velho entre os cabelos escuros é como uma amendoeira, com suas flores brancas, entre as maçãs escuras ao redor [Holden]. A amendoeira floresce em um tronco sem folhas no inverno, enquanto que outras flores são sem flores. Gesenius leva o hebraico para floreios de uma raiz diferente, lança fora; quando o velho perde os cabelos grisalhos, enquanto a amendoeira lança suas flores brancas.

gafanhoto – o velho seco e enrugado, sua coluna vertebral esticada para fora, os joelhos projetados para a frente, os braços para trás, a cabeça para baixo e as apófises aumentadas, é como aquele inseto. Daí surgiu a fábula, que Tithonus em idade muito avançada foi transformado em um gafanhoto [Parkhurst]. “O gafanhoto se levanta para voar”; o velho prestes a deixar o corpo é como um gafanhoto quando assume sua forma alada e está prestes a voar (Maurer)

acabar o apetite – a satisfação será abolida. Para o “desejo”, a Vulgata tem “a alcaparra”, provocadora da luxúria; não muito bem.

casa eterna – (Jó 16:22; Jó 17:13).

enlutados – (Jr 9: 17-20), contratados para a ocasião (Mt 9:23).

6 Antes que se afrouxe a correia de prata, e de despedace a vasilha de ouro; e se quebre o vaso junto à fonte, e se despedace a roda junto ao poço.

Uma imagem dupla para representar a morte, como em Ec 12:: 1-5, velhice: (1) Uma lâmpada de material frágil, mas dourada, muitas vezes no Oriente pendurada nos telhados por um cordão de seda e prata entrelaçados; como a lâmpada é derrubada e quebrada, quando o cordão se rompe, assim o homem na morte; a taça de ouro da lâmpada atende ao crânio, que, da preciosidade vital de seu conteúdo, pode ser chamado de “dourado”; “O cordão de prata” é a medula espinhal, que é branca e preciosa como a prata, e está presa ao cérebro. (2) Uma fonte, da qual a água é puxada por um jarro descido por uma corda enrolada em uma roda; como, quando o jarro e a roda estão quebrados, a água não pode mais ser retirada, então a vida cessa quando as energias vitais se vão. A “fonte” pode significar o ventrículo direito do coração; a “cisterna”, a esquerda; o jarro, as veias; a roda, a aorta ou grande artéria [Smith]. A circulação do sangue, conhecido ou não por Salomão, parece estar implícita na linguagem do Espírito Santo em sua boca. Essa imagem sombria da velhice aplica-se àqueles que não “se lembraram de seu Criador na juventude”. Eles não têm nenhuma das consolações de Deus, que poderiam ter obtido na juventude; agora é tarde demais para procurá-los. Uma boa velhice é uma bênção para os piedosos (Gênesis 15:15; Jó 5:26; Pv 16:31; Pv 20:29).

7 E o pó volte à terra, assim como era; e o espírito volte a Deus, que o deu.

pó – o corpo formado por poeira.

espírito – sobrevivendo ao corpo; implicando sua imortalidade (Ec 3:11).

8 Futilidade das futilidades! - diz o pregador - Tudo é futilidade.

Um resumo da primeira parte.

Futilidade – Retomada do sentimento com o qual o livro começou (Ec 1: 2; 1Jo 2:17).

9 Além do Pregador ter sido sábio, ele também ensinou conhecimento ao povo. Ele ouviu, investigou e pôs em ordem muitos provérbios.

deu boa atenção – literalmente, “ele pesou”. O “ensinar o povo” parece ter sido oral; os “provérbios”, por escrito. Deve haver então auditórios reunidos para ouvir a sabedoria inspirada do Pregador. Veja a explicação de Koheleth na Introdução e Ec 1: 1-18 (1Rs 4:34).

o que está escrito, etc. – sim, (ele procurou) “escrever as palavras da verdade corretamente (ou ‘corretamente’” [Holden e Weiss]. “Aceitável” significa um estilo agradável; “Honestamente … verdade”, sentimento correto.

10 O Pregador procurou achar palavras agradáveis, e escreveu coisas corretas, palavras de verdade.
11 As palavras dos sábios são como aguilhões, e como pregos bem fixados pelos mestres das congregações, que foram dadas pelo único Pastor.

aguilhões – penetra profundamente na mente (At 2:37; At 9: 5; Hb 4:12); palavras evidentemente inspiradas, como o final do verso prova.

fixados – sim, por causa dos gêneros hebraicos, (As palavras) “são presos (na memória) como pregos” [Holden].

mestres das congregações – em vez disso, “os mestres de coleções (isto é, colecionadores de ditos inspirados, Pv 25: 1), são dados (‘os publicaram como procedentes’ [Holden]) de um Pastor,” a saber, o Espírito de Jesus Cristo [Weiss], (Ez 37:24). No entanto, a menção de “aguça” favorece a Versão Inglesa, “mestres de assembléias”, a saber, os sub-pastores, inspirados pelo Pastor Chefe (1Pe 5: 2-4). Schmidt traduz: “Os mestres das assembléias são firmados (cerrados) como pregos”, assim Is 22:23.

12 Além destas coisas, filho meu, tem cuidado; fazer muitos livros é algo que não tem fim; e estudar muito cansa a carne.

(Veja no Ec 1:18).

muitos livros – de mera composição humana, opostos a “por estes”; esses escritos inspirados são a única fonte segura de “admoestação”.

estudar muito – em meros livros humanos, cansa o corpo, sem solidamente lucrar com a alma.

13 De tudo o que foi ouvido, a conclusão é: teme a Deus, e guarda os mandamentos dele; porque isto é o dever de todo homem.

A grande inferência de todo o livro.

teme a Deus – O antídoto para seguir os ídolos das criaturas, e “vaidades”, se auto-justiça (Ec 7:16, Ec 7:18), ou opressão perversa e outros males (Ec 8:12, Ec 8:13), ou alegria louca (Ec 2: 2; Ec 7: 2-5), ou avareza auto-mortificadora (Ec 8:13, Ec 8:17), ou juventude passada sem Deus (Ec 11:: 9; Ec 12:: 1).

isto é o dever de todo homem – literalmente, “este é o homem todo”, o ideal pleno do homem, como originalmente contemplado, realizado inteiramente somente por Jesus Cristo; e, através Dele, por santos agora em parte, daqui em diante perfeitamente (1Jo 3: 22-24; Ap 22:14).

14 Porque Deus trará a julgamento toda obra, até mesmo tudo o que está encoberto, seja bom ou mal.

Porque Deus trará a julgamento toda obra – O julgamento futuro é o teste do que é “vaidade”, o que é sólido, no que diz respeito ao bem principal, ao grande assunto do livro.

<Eclesiastes 11 Cânticos dos Cânticos 1>

Visão geral de Eclesiastes

“O livro de Eclesiastes nos obriga a enfrentar a morte e o acaso, e os desafios colocados perante uma crença ingênua na bondade de Deus”. Tenha uma visão geral deste livro através de um breve vídeo produzido pelo BibleProject. (8 minutos)

🔗 Abrir vídeo no Youtube.

Leia também uma introdução ao Livro de Eclesiastes.

Adaptado de: Commentary Critical and Explanatory on the Whole Bible. Todas as Escrituras em português citadas são da Bíblia Livre (BLIVRE), Copyright © Diego Santos, Mario Sérgio, e Marco Teles – fevereiro de 2018.