Eclesiastes 8

1 Quem é semelhante ao sábio? E quem sabe a interpretação das coisas? A sabedoria do homem faz seu rosto brilhar, e a dureza de seu rosto é alterada.

Quem (como ele) conhece uma interpretação das providências de Deus, (por exemplo, Eclesiastes 7:8, Eclesiastes 7:13, Eclesiastes 7:14), e a palavra de Deus (por exemplo, ver em Eclesiastes 7:29; Provérbios 1). :6)?

rosto brilhar – (Eclesiastes 7:14; Atos 6:15). Um semblante ensolarado, o reflexo de uma mente tranquila e mente serena. Um comunhão com Deus a dá (Êxodo 34:29, Êxodo 34:30).

alterada – se em uma expressão benigna pela verdade sabedoria (religião) (Tiago 3:17). Maurer traduz: “O brilho do seu rosto é dobrado”, argumentando que o substantivo hebraico para “ousadia” nunca foi usado em mau sentido (Provérbios 4:18). Ou como margem, “força” (Eclesiastes 7:19; Isaías 40:31; 2Coríntios 3:18). Mas o adjetivo é usado em um mau sentido (Deuteronômio 28:50).

2 Eu digo: obedece às ordens do rei, por causa do juramento que fizeste a Deus.

do rei – Jeová, peculiarmente o rei de Israel na teocracia; Eclesiastes 8:3, Eclesiastes 8:4, prove que não é o rei terreno que se entende.

juramento que fizeste a Deus – o pacto que Deus fez com Abraão e renovou com Davi; Salomão lembrou-se do Salmo 89:35: “Eu jurei”, etc. (Salmo 89:36), e das penalidades se os filhos de Davi o abandonassem (Salmo 89:30-32); infligiu no próprio Salomão; todavia, Deus não o “abandonará” (Salmo 89:33, Salmo 89:34).

3 Não te apresses de sair da presença dele, nem persistas em alguma coisa má; pois tudo que ele deseja, ele faz.

te apresses – em vez disso, “Não se surpreenda com o terror de modo a sair de Sua vista.” Servilmente “aterrorizado” é característico do sentimento do pecador em relação a Deus; ele em vão tenta fugir de sua visão (Salmo 139:7); oposta à “face brilhante” da confiança filial (Eclesiastes 8:1; Jo 8:33-36; Romanos 8:2; 1João 4:18).

pois tudo que ele deseja, ele faz – Deus inflige que castigo Ele agrada aos pecadores persistentes (Jó 23:13; Salmo 115:3). Verdade de ninguém, exceto Deus.

4 Naquilo que há a palavra do rei, ali há autoridade; e quem lhe dirá: O que estás fazendo?

A “palavra” de Deus é “poder”. Assim, a palavra do evangelho (Romanos 1:16; Hebreus 4:12).

quem lhe dirá – (Jó 9:12; Jó 33:13; Isaías 45:9; Daniel 4:35). As Escrituras não atribuem tal poder arbitrário aos reis terrenos.

5 Quem obedecer ao mandamento não experimentará mal algum; e o coração do sábio sabe a hora e a maneira corretas.

Quem obedecer ao mandamento não experimentará mal algum. As palavras, mais uma vez, são ambíguas. Se o “mandamento” é o do rei, eles recomendam obediência servil sem hesitação como na interpretação de Eclesiastes 8:3. Se, de acordo com o uso quase invariável da palavra no Antigo Testamento, tomamos como o “mandamento” de Deus, o significado está em harmonia com a interpretação do preceito anterior, e em paralelo com o lema francês, “Fais ton devoir, avienne que pourra” (“Faça teu dever, venha o que vier”). Aqui novamente, parece natural assumir uma ambiguidade intencional. Uma dúvida semelhante paira sobre as palavras “não sentirá (literalmente saberá) nada de mal”, o que pode significar ou “estará ansioso por nenhum mal moral”, ou mais provavelmente “não sofrerá nenhum mal físico como a pena da moral”.

o coração do sábio sabe a hora e a maneira corretas. O “coração” como, em sua maioria, em outros lugares do Antigo Testamento, inclui o elemento intelectual, bem como o elemento moral na natureza do homem. Naum palavra “tempo” temos, como no ch. Eclesiastes 3:1, o καιρός ou ” época” em que os sábios gregos colocavam tanta ênfase. O que significa que o homem sábio, entendendo o verdadeiro significado da máxima anterior, não será impaciente sob a opressão, mas aguardará seu tempo, e aguardará com paciência o funcionamento da Lei Divina de retribuição. [Cambridge]

6 Porque para todo propósito há uma hora e uma maneira correta ; por isso o mal do homem é muito sobre ele:

por isso o mal do homem – porque o pecador insensato não pensa nos “tempos” certos e no “julgamento”.

7 Pois ele não sabe o que irá acontecer. Quem pode lhe avisar o que vai acontecer, e quando?

ele – o pecador, negligenciando os tempos (por exemplo, “o tempo aceito e o dia da salvação, 2Coríntios 6:2), é tomado de surpresa pelo julgamento (Eclesiastes 3:22; Eclesiastes 6:12; Eclesiastes 9 :12). Oséias sábios piedosos observam os tempos devidos das coisas (Eclesiastes 3:1), e assim, olhando para o julgamento, não são tomados de surpresa, embora não sabendo o preciso “quando” (1Tessalonicenses 5:2-4); eles “conhecem o tempo” para todos os propósitos salvíficos (Romanos 13:11).

8 Não há homem nenhum que tenha domínio sobre o espírito, para reter ao espírito; nem tem domínio sobre dia da morte, nem meios de escapar desta guerra; nem a perversidade livrará a seus donos.

espírito – “sopro de vida” (Eclesiastes 3:19), como exigem as palavras a seguir. Não “vento”, como pensa Weiss (Provérbios 30:4). Este verso naturalmente segue o assunto de “tempos” e “juízo” (Eclesiastes 8:6, Eclesiastes 8:7).

escapar – aludindo à responsabilidade de serviço militar de todos os acima de vinte anos de idade (Números 1:3), mas muitos foram isentos (Deuteronômio 20:5-8). Mas nessa guerra (morte) não há isenção.

aqueles … dado a – literalmente, o mestre dele. A maldade pode obter dinheiro para o pecador, mas não pode livrá-lo da morte, temporal e eterna, que é sua penalidade (Isaías 28:15, Isaías 28:18).

9 Tudo isto vi quando fiz coração considerar toda obra que se faz abaixo do sol: há um tempo em que um homem passa a dominar outro homem, para sua própria ruína.

há um tempo em que um homem passa a dominar outro homem, para sua própria ruína. O tirânico arruína não apenas seus súditos, mas a si mesmo; assim, Roboão (1Reis 12:1-33): mas o “tempo” de “arruinar” refere-se principalmente à ruína eterna, incorrida pela “maldade”, no “dia da morte” (Eclesiastes 8:8), e o “tempo” do “julgamento” (Eclesiastes 8:6; Provérbios 8:36). Hengstenberg explica, “para o mal dos governados” (Provérbios 28:15-16). A opressão que os piedosos sofrem seria um obstáculo à fé (Eclesiastes 7:15) se olhada superficialmente. Mas Salomão diz: “Eu apliquei meu coração (compreensão)”, ou seja, olhei profundamente para o assunto. [JFU]

10 Também assim vi os perversos sepultados, e vinham, e saíam do lugar santo; e eles foram esquecidos na cidade em que assim fizeram; isso também é futilidade.

os perversos – ou seja, governantes (Eclesiastes 8:9).

sepultados – com pompa funerária pelo homem, embora pouco mereça (Jeremias 22:19); mas isso apenas formou o mais terrível contraste com a sua morte, temporal e eterna, infligida por Deus (Lucas 16:22, Lucas 16:23).

vinham, e saíam do lugar santo – foi para e veio do lugar de judicatura, onde eles sentaram como representantes de Deus (Salmo 82:1-6), com pompa [Holden]. Weiss traduz: “Enterrado e ido (totalmente), mesmo a partir do lugar santo que partiram.” Como Joabe, por ordem de Salomão, foi enviado para a sepultura do “lugar santo” no templo, que não era um santuário para assassinos (Êxodo 21:14; 1Reis 2:28, 1Reis 2:31). O uso da própria palavra “enterrar” torna essa visão provável; ainda “quem veio e foi” pode ser retido. Joab veio ao altar, mas teve que sair dele; assim, os “ímpios governantes” (Eclesiastes 8:9) (incluindo os sumos sacerdotes) vieram e foram do templo, em ocasiões de adoração solene, mas não escaparam desse destino.

esquecidos – (Provérbios 10:7).

11 Dado que o julgamento pela obra má não é feito imediatamente, por causa disso o coração dos filhos dos homens está cheio de vontade neles, para fazer o mal.

A razão pela qual os ímpios perseveram no pecado: o atraso de Deus no julgamento (Mateus 24:48-51; 2Pedro 3:8, 2Pedro 3:9). “Não vêem a fumaça do poço; por isso não temem o fogo” [Sul] (Salmo 55:19). Joabe escapou da punição de seu assassinato de Abner, tão longe de “levá-lo ao arrependimento”, como deveria (Romanos 2:4), levou-o ao assassinato adicional de Amasa.

12 Ainda que um pecador faça o mal cem vezes e sua vida se prolongue, mesmo assim eu sei, que as coisas boas acontecerão aos que temem a Deus, aos que temerem diante da sua face.

Ele diz isso, para que o pecador não abuse da afirmação (Eclesiastes 7:15): “Um homem iníquo prolonga sua vida”.

diante da sua face – literalmente, “na Sua presença”; reverentemente servi-lo, percebendo sua presença contínua.

13 Porém ao perverso não sucederá o bem, e não prolongará seus dias, que serão como uma sombra, pois ele não tem temor diane de Deus.

não prolongará seus dias – nem uma contradição a Eclesiastes 8:12. O “prolongamento” de seus dias só aparece, não é real. Levando em conta sua existência eterna, seus dias atuais, embora aparentemente longos, são realmente curtos. O atraso de Deus (Eclesiastes 8:11) existe apenas na visão míope do homem. Dá espaço para o pecador se arrepender, ou então encher sua medida de culpa; e assim, em ambos os casos, tende à vindicação final dos caminhos de Deus. Dá exercício à fé, paciência e perseverança dos santos.

sombra – (Eclesiastes 6:12; Jó 8:9).

14 Há outra futilidade que é feita sobre a terra: que há justos a quem acontece conforme as obras dos perversos, e há perversos a quem acontece conforme as obras dos justos. Digo que isso também é futilidade.

Uma objeção é aqui iniciada (entretida por Salomão em sua apostasia), como em Eclesiastes 3:16; Eclesiastes 7:15, para a verdade da justiça retributiva, do fato de o justo e o perverso não receberem agora sempre de acordo com seus respectivos desertos; um cavil, que pareceria mais pesado para os homens que vivem sob o pacto Mosaico de sanções temporais. O objetor acrescenta, como Salomão disse, que as buscas dos mundanos são “vaidade” (Eclesiastes 8:10), “digo (não ‘disse’) isso também é vaidade. Então eu recomendo alegria ”, etc. [Holden]. Eclesiastes 8:14, Eclesiastes 8:15 pode, no entanto, ser explicado como o ensino de um uso alegre e grato dos dons de Deus “debaixo do sol”, isto é, não fazendo deles o bem principal, como os sensualistas fazem, que é o Eclesiastes 2 :2; Eclesiastes 7:2, não permita; mas em “o temor de Deus”, como Eclesiastes 3:12; Eclesiastes 5:18; Eclesiastes 7:18; Eclesiastes 9:7, em oposição à abstinência do asceta arrogante (Eclesiastes 7:16) e do avarento (Eclesiastes 5:17).

15 Assim elogiei a alegria, pois o homem não tem nada melhor abaixo do sol do que comer, beber e se alegrar; que isso acompanhe seu trabalho nos dias de sua vida, que Deus lhe dá abaixo do sol.

nada melhor – a saber, para o homem “justo”, cujo principal bem é a religião, não para o mundano.

abide – hebraico, “aderir”; não para sempre, mas é o único bem seguro a ser desfrutado dos trabalhos terrenos (o equivalente a “do seu trabalho nos dias da sua vida”). Ainda assim, a linguagem se assemelha ao preceito cético (1Coríntios 15:32), introduzido apenas para ser refutado; e “permanecer” é uma linguagem muito forte, talvez, para um homem religioso se aplicar a “comer” e “alegria”.

16 Enquanto entregava meu coração a entender a sabedoria, e ver a ocupação que é feita abaixo do sol (ainda que nem de dia, nem de noite, o homem veja sono em seus olhos),

Responda a Eclesiastes 8:14, Eclesiastes 8:15. Quando me dediquei a observar os esforços do homem depois da felicidade (alguns deles tão incessantes a ponto de não permitir tempo suficiente para “dormir”), então (Eclesiastes 8:17, a apodosis) eu vi que o homem não pode descobrir (a razão de) Deus inescrutável relações com o “justo” e com o “mau” aqui (Eclesiastes 8:14; Eclesiastes 3:11; Jó 5:9; Romanos 11:33); Seu dever é consentir neles como bom, porque eles são de Deus, embora ele não veja todas as razões para eles (Salmo 73:16). É o suficiente para saber que “os justos estão nas mãos de Deus” (Eclesiastes 9:1). “Mais sábio” (Eclesiastes 7:16); isto é, especulações acima do que está escrito são vãs.

17 Então vi toda a obra de Deus, que o homem não pode compreender a obra que é feita abaixo do sol; mesmo que o homem trabalhe para a buscar, ele não a encontrará; ainda que o sábio diga que a conhece, ele não pode compreendê-la.
<Eclesiastes 7 Eclesiastes 9>

Visão geral de Eclesiastes

“O livro de Eclesiastes nos obriga a enfrentar a morte e o acaso, e os desafios colocados perante uma crença ingênua na bondade de Deus”. Tenha uma visão geral deste livro através de um breve vídeo produzido pelo BibleProject. (8 minutos)

🔗 Abrir vídeo no Youtube.

Leia também uma introdução ao Livro de Eclesiastes.

Adaptado de: Commentary Critical and Explanatory on the Whole Bible. Todas as Escrituras em português citadas são da Bíblia Livre (BLIVRE), Copyright © Diego Santos, Mario Sérgio, e Marco Teles – fevereiro de 2018.