Lucas 4

Tentação de Cristo

1 E Jesus, cheio do Espírito Santo, voltou do Jordão, e foi levado pelo Espírito no deserto.

Comentário Cambridge

cheio do Espírito Santo. Lucas frequentemente chama atenção especial para a obra do Espírito, Lucas 3:22, Lucas 4:14; Atos 6:3; Atos 7:55; Atos 11:24. A expressão alude ao derramamento do Espírito sobre Jesus em Seu batismo, João 3:34. A narrativa deve ser comparada com Mateus 4:1-11; Marcos 1:12-13. João, que narra principalmente o que ele próprio viu, omite a tentação.

foi levado. Um impulso divino o levou a enfrentar sozinho a hora do perigo. Marcos usa a expressão mais intensa, “imediatamente o Espírito O impele adiante”. Ele dedica apenas dois versículos (Marcos 1:12-13) à Tentação, mas adiciona o toque gráfico de que “Ele estava com as feras” (comp. Salmo 91:13), e implica no ministério contínuo de anjos (diekonoun) para ele.

pelo Espírito. Em vez disso, no Espírito, comp. Lucas 2:27. A frase enfatiza o “cheio do Espírito Santo” e tem o mesmo significado que “no poder do Espírito”, Lucas 4:14 […]

no deserto. Em vez disso, em. Ele estava “no Espírito” durante todo o período. Supõe-se que o cenário da tentação seja a montanha perto de Jericó, daí chamada Quarantânia. A tradição não é antiga, mas o local é muito provável, por ser rochoso, sombrio e repelente […]

A Escritura em todos os lugares reconhece a necessidade de solidão e meditação na véspera de uma grande obra para Deus (Êxodo 24:2; 1Reis 19:4; Gálatas 1:17), e isso seria necessário para a natureza humana de nosso Senhor também. [Cambridge, aguardando revisão]

2 E por quarenta dias foi tentado pelo diabo; e não comeu coisa alguma naqueles dias; e terminados eles, teve fome.

Comentário Cambridge

quarenta dias. O número estava conectado na mente judaica com noções de reclusão, revelação e perigo; – Moisés no Sinai, Êxodo 34:18; Elias, 1Reis 19:8; as andanças dos israelitas, Números 14:34; Juízes 13:1.

tentado. O particípio presente implica que a tentação foi contínua ao longo dos quarenta dias, embora tenha atingido seu clímax mais terrível no fim.

pelo diabo. Os judeus colocaram no deserto uma das bocas da Geena, e ali os espíritos malignos deveriam ter mais poder (Números 16:33; Mateus 12:43). São Marcos usa a forma hebraica da palavra – ‘Satã’. Ambas as palavras significam ‘o Acusador’, mas o Diabolos grego é muito mais definido do que o Satanás hebraico, que é vagamente aplicado a qualquer oponente, oposição ou influência maligna em que o espírito maligno deve operar (1Crônicas 21:1; 2Coríntios 12:7; 1Tessalonicenses 2:18). Esse uso é muito mais aparente no original, onde a palavra traduzida como “adversário” costuma ser Satanás, Números 22:22; 1Samuel 29:4; 1Reis 11:14, etc. Por outro lado, a palavra grega Diabolos é comparativamente rara no N. T. (A palavra traduzida como “demônios” para os “espíritos malignos” de possessão demoníaca é daimonia.) São Mateus também chama Satanás de “o tentador”. Poucos supõem que o Diabo encarnou em qualquer aparência hedionda visível. A narrativa da tentação só poderia ter sido comunicada aos apóstolos pelo próprio nosso Senhor. Não podemos duvidar de sua realidade intensa e absoluta; nem ainda que tenha sido narrado de forma a nos trazer a concepção mais clara possível de seu significado. Os melhores e mais sábios comentaristas de todas as épocas o aceitaram como a descrição simbólica de uma misteriosa luta interior. Outras especulações sobre os modos especiais em que as tentações foram efetuadas são inúteis e não temos dados a respeito. Disto só podemos ter certeza de que as tentações de nosso Senhor foram em todos os aspectos semelhantes às nossas (Hebreus 4:15; Hebreus 2:10; Hebreus 2:18); que havia “uma operação direta do espírito maligno sobre Sua mente e sensibilidade”; que, como diz Santo Agostinho, “Cristo venceu o tentador, para que o cristão não seja vencido pelo tentador”. Todas as indagações sobre se a impecabilidade de Cristo surgiu de uma “possibilidade de não pecar” (posse non peccare) ou uma “impossibilidade de pecar” (non posse peccare), são intrusões precipitadas no não revelado. O cristão se contenta com a certeza de que “em tudo foi tentado à nossa semelhança, mas sem pecado” (ver Hebreus 5:8).

ele não comeu nada. Mateus diz de forma mais geral que “Ele jejuou”, e a frase de São Lucas provavelmente não implica mais do que isso (ver Mateus 11:18). O Arabah, de qualquer forma, fornecia o suficiente para a simples manutenção da vida (Jos. Vit. 2), e em momentos de intensa exaltação espiritual as necessidades comuns do corpo são quase suspensas. Mas isso só pode ser por um tempo, e quando a reação começa, a fome afirma suas reivindicações com uma força tão terrível que (como tem sido mostrado repetidas vezes na experiência humana) tais momentos são carregados com o perigo mais extremo para a alma. Este foi o momento que o Tentador escolheu. Roubamos da narrativa da Tentação todo o seu significado espiritual, a menos que, ao lê-la, estejamos em guarda contra a heresia apolinária que negou a Humanidade perfeita de Cristo. O cristão deve ter em vista dois pensamentos:1. Tentação intensamente real. 2. Sem pecado absoluto. É a prova do homem ‘sentir a tentação’ (sentire tentationem); Cristo colocou ao nosso alcance a resistência (non consentire tentationi). A tentação só se funde com o pecado quando o homem consente com ela. [Cambridge, aguardando revisão]

3 Então o diabo lhe disse:Se tu és Filho de Deus, diz a esta pedra que se transforme em pão.

Comentário Cambridge

Se tu és Filho de Deus. Sem dúvida, uma alusão à voz divina em Seu batismo (Lucas 3:22). As mesmas palavras foram dirigidas de forma provocante a nosso Senhor na cruz (Mateus 27:40). O grego significa estritamente “Supondo que és”, mas no grego helenístico as palavras e frases nem sempre são usadas com sua delicada precisão anterior.

diz a esta pedra. O grego implica que a sugestão chamou a atenção direta para uma pedra particular. Neste deserto, existem fósseis em forma de pão, conhecidos pelos primeiros viajantes como lapides judaici e pelos geólogos como septaria. Alguns desses acréscimos siliciosos assumem a forma de frutas e são conhecidos como “melões de Elijah” (Stanley). Eles eram popularmente considerados frutos petrificados das Cidades da Planície. Essas aparências enganosas intensificariam as dores da fome e aumentariam a tentação a tortura adicional de uma imaginação excitada.

que se transforme em pão. A sutil malignidade da tentação é indescritível. Foi uma tentação para “a concupiscência” (isto é, o desejo) “da carne”; uma tentação de satisfazer um apetite natural e irrepreensível; um apelo ao livre-arbítrio e à obstinação, intimamente análogo à primeira tentação da raça do diabo. ‘Você pode; você pode; será agradável:por que não? ‘(Gênesis 3:1-15). Mas não veio de uma forma indisfarçadamente sensual, mas com a sugestiva semelhança das sanções bíblicas (1Reis 19:8; Deuteronômio 8:16; Salmo 78:19). [Cambridge, aguardando revisão]

4 Jesus lhe respondeu:Está escrito que não só de pão viverá o ser humano.

Comentário Cambridge

Está escrito. O gegraptai perfeito significa “foi escrito”, está escrito como uma lição eterna. Jesus frustra o tentador como homem para homem. Ele não dirá ‘Eu sou o Filho de Deus’ e ‘não considera a igualdade com Deus um prêmio a ser agarrado’ (Filipenses 2:6), mas agarra “a espada do Espírito, que é a Palavra de Deus ”(Efésios 6:17).

que não só de pão viverá o ser humano. A citação é de Deuteronômio 8:3, onde Moisés diz ao povo que Deus os deixou passar fome e os alimentou com maná, para mostrar-lhes a dependência do homem de Deus e o fato de que a vida é algo mais do que o mero viver , e só pode ser sustentado por dons divinos do que aqueles que são suficientes para a natureza inferior do homem. O pão sustenta o corpo; mas, para que possamos viver, também a alma e o espírito devem ser mantidos vivos. Êxodo 16:4; Êxodo 16:15. “Todos comiam da mesma carne espiritual.” 1Coríntios 10:3.

[mas de toda palavra de Deus] Essas palavras, embora implícitas, são provavelmente adicionadas neste lugar de Mateus 4:4, uma vez que são omitidas por א, B, D, L e várias versões. “Palavra” não está no hebraico original. O versículo transmite uma verdade mais profunda e, ao referir-se a ela, nosso Senhor quis dizer:’Deus suprirá minhas necessidades à Sua própria maneira, e a vida inferior nada é em comparação com a superior.’ Há muitos mais valiosos e instrutivos paralelos; veja João 4:32-34:“Uma comida tenho para comer que vós não conheceis … A minha comida é fazer a vontade daquele que me enviou e realizar a sua obra”. Jó 23:12:“Tenho estimado as palavras de Sua boca mais do que o meu alimento necessário.” Jeremias 15:16:“Acharam-se as tuas palavras, e eu as comi; e tua palavra foi para mim a alegria e alegria de meu coração. ” Sb 16:6, “A palavra de Deus nutre o homem.” Os rabinos judeus tinham a expressão notável:“Os justos comem da glória da Shechiná”. Comp. João 6:27-63. [Cambridge, aguardando revisão]
5 E o diabo o levou a um lugar alto, e lhe mostrou todos os reinos do mundo num instante.

Comentário Whedon

a um lugar alto. Mateus, sem dúvida, segue a verdadeira ordem histórica das três tentações – Lucas, uma ordem doutrinária. Portanto, embora as frases conectivas de Mateus, então, novamente, reivindiquem afirmar a verdadeira ordem, Lucas cautelosamente tem apenas e. Ordem de Lucas Isaías, 1. O apelo ao apetite; 2. O apelo ao desejo de uma monarquia terrena; 3. O apelo ao desejo de uma exploração sobrenatural arrojada, um triunfo ostentoso sobre as leis da natureza. Em Mateus, há um clímax de faculdades, a saber, os apetites, os gostos e a ambição. Em Lucas, o clímax é poder sobre a gratificação pessoal, poder sobre os homens, poder sobre as leis da natureza. [Whedon, aguardando revisão]

6 E o diabo lhe disse:Darei a ti todo este poder e sua glória; pois a mim foram entregues, e os dou a quem quero.

Comentário Cambridge

Darei a ti todo este poder. Em vez disso, na ordem enfática do original, A Ti darei este poder, tudo isso e a glória deles.

pois a mim foram entregues. O original é ainda mais forte, foi confiado a mim. Daí as expressões, “o príncipe deste mundo”, João 12:31; João 14:30; “O príncipe das potestades do ar”, Efésios 2:2. Satanás é, em certo sentido, “um governante mundial (kosmokratôr) destas trevas” (Efésios 6:12). Os rabinos foram ainda mais longe e o chamaram de ‘Senhor desta era’ (sar hâolâm), e até mesmo de “outro Deus” (êl achêr), que é o maniqueísmo; enquanto neste versículo, pela própria admissão de Satanás, todo o maniqueísmo é excluído.

e os dou a quem quero. Comp. Apocalipse 13:2, “o dragão deu-lhe o seu poder, o seu trono e grande autoridade”. Aqui, porém, notamos o exagero do pai da mentira. Quão diferente era a linguagem de nosso Senhor para Seus discípulos ambiciosos (Mateus 20:23). [Cambridge, aguardando revisão]

7 Portanto, se tu me adorares, tudo será teu.

Comentário do Púlpito

Morrison, em Mateus 4:9, captou bem o pensamento aqui. O arqui-tentador “como foi dito a Jesus:’Eu sou realmente o príncipe e deus deste mundo. Seus reinos e sua glória estão à minha disposição. Eu poderia imediatamente abrir o teu caminho para as mais altas honrarias que um conquistador universal e um soberano universal poderia desejar. Eu poderia reunir ao redor de ti uma hoste de devotadas tropas judaicas; eu poderia pavimentar seu caminho para vitória após vitória, até que em nenhum período distante todo o Império Romano, e na verdade todo o mundo, estivesse sujeito ao teu domínio. Apenas abandone a quimera selvagem de abater o pecado e tornar todos os homens fanáticos e santos; entre no meu modo de ser; deixe a moral do mundo em paz, mais especialmente sua moral em referência a Deus; trabalhe comigo e sob mim, e tudo correrá bem. Mas se recusares esta oferta, olha para oposição determinada, para perseguição incessante, para a pobreza mais miserável e para todas as espécies de desgraça “. [Pulpit, aguardando revisão]

8 E Jesus lhe respondeu:Está escrito:Adorarás ao Senhor teu Deus, e só a ele servirás.

Comentário Cambridge

[Afaste-se de mim, Satanás]. Estas palavras devem ser omitidas aqui com א, B, D, L, etc., como tendo sido adicionadas de Mateus 4:10. Palavras semelhantes foram usadas para Pedro (Mateus 16:23).

Adorarás ao Senhor teu Deus, e só a ele servirás. A citação foi ligeiramente alterada de Deuteronômio 6:13, “Temerás ao Senhor teu Deus e o servirás.” Mateus tem a mesma variação, sendo esta uma de suas citações cíclicas (isto é, aquelas comuns a ele com outros evangelistas). Visto que Satanás havia se revelado em seu verdadeiro caráter, não havia necessidade de Jesus falar-lhe de outro reino divino sobre o qual ele não tinha poder. Foi o suficiente para reprovar sua blasfêmia ímpia. [Cambridge, aguardando revisão]

9 Então o levou a Jerusalém, e o pôs sobre a parte mais alta do templo, e disse-lhe:Se tu és Filho de Deus, lança-te daqui abaixo.

Comentário Cambridge

a parte mais alta do templo – o pináculo. Algum pináculo conhecido do Templo, seja o do Pórtico Real, que olhava de uma altura vertiginosa para o Vale do Cédron (Josefo); ou o Pórtico oriental, de onde a tradição diz que depois foi atirado Tiago (Eusébio). ‘Battlement’ é usado para a palavra hebraica correspondente Canaph (lit. ‘asa’) em Daniel 9:27.

lança-te daqui abaixo. A primeira tentação foi para o apetite e impulso naturais:a segunda foi para a ambição profana; a terceira é precipitar a confiança e o orgulho espiritual. Baseou-se, com profunda engenhosidade, na expressão de confiança absoluta com a qual a primeira tentação foi rejeitada. Pedia, por assim dizer, uma esplêndida prova dessa confiança e apelava para instintos espirituais pervertidos. Não tinha nenhum dos elementos vulgares e sensuais das outras tentações. Foi ao mesmo tempo uma confissão de impotência. “Lance-se para baixo.” O diabo pode colocar a alma em perigo e tentação, mas nunca pode fazê-la pecar. “É”, como diz Agostinho, “a parte do diabo sugerir, não cabe a nós consentir”. [Cambridge, aguardando revisão]

10 Porque está escrito que:Mandará aos seus acerca de ti que te guardem.

Comentário Whedon

está escrito. A palavra de Deus, o venerável Antigo Testamento, foi citada por muitos personagens ilustres; por Jesus, agora mesmo; por Gabriel, Lucas 1:18; por Deus, 1Samuel 2:30; e agora em imitação solene de Satanás. De forma que nem Deus, Cristo, nem os anjos permitem aquela fraca consideração pelo Livro Sagrado que o racionalismo moderno se entrega. Satanás sozinho lida com isso com um espírito traiçoeiro.

aos seus acerca de ti. No Salmo 91 é dada uma descrição do cuidado de Deus pelo homem santo ideal; verdadeiro em seu grau de todos os santos, mas absolutamente verdadeiro apenas no absolutamente santo, o Messias. [Whedon, aguardando revisão]

11 E que:te sustentarão pelas mãos, para que nunca tropeces com o teu pé em alguma pedra.
12 Jesus lhe respondeu:Dito está:Não tentes ao Senhor teu Deus.

Comentário Cambridge

É uma tolice ímpia colocar Deus à prova lançando-nos a um perigo desnecessário. Os anjos só protegerão nossos passos perigosos quando estivermos trilhando o caminho do dever. Não podemos reivindicar milagres quando cortejamos tentações. A citação é de Deuteronômio 6:16, e é notável que as três citações com as quais nosso Senhor encontrou o tentador foram todas tiradas dos capítulos 6 e 8 deste livro. [Cambridge, aguardando revisão]

13 E quando o diabo acabou toda a tentação, ausentou-se dele por algum tempo.

Comentário do Púlpito

E quando o diabo acabou toda a tentação. Mateus encerra a história do “campo vitorioso” contando-nos como, quando cada sugestão infernal foi feita e repelida, o cansado e exausto Jesus foi visitado e revigorado pelo ministério visível dos anjos. As palavras do original grego traduzidas como “todas as tentações” seriam traduzidas com mais precisão por “todo tipo de tentação”. As três grandes tentações, relatadas por dois dos evangelistas em detalhes, são muito variadas e abrangentes em caráter, e apelam à maioria das paixões e desejos humanos; mas pelas palavras com as quais Lucas começou sua recitação, “sendo tentado pelo diabo durante quarenta dias”, é claro que Jesus foi incessantemente tentado o tempo todo por sussurros e sugestões infernais, talvez do mesmo tipo, embora com detalhes variados, como os três que gravamos para nós. Além dos usos do mistério da tentação no desenvolvimento da humanidade do bendito Filho de Deus, a grande cena tem suas lições profundas para todos os tipos e condições dos homens em todos os tempos. Alguns expositores eminentes parecem querer limitar a área do ensino da tentação, e considerá-la principalmente como uma experiência preservada para a orientação dos discípulos do Mestre. Eles – assim dizem esses estudiosos – deveriam, a partir dessa cena da vida do grande Mestre, aprender a nunca usar seu poder miraculoso para seu benefício pessoal (primeira tentação); nunca se associar com homens ímpios para alcançar bons fins (segunda tentação); nunca fazer milagres com ostentação (terceira tentação). Tudo isso estava sem dúvida contido na história do Senhor sobre sua terrível experiência, e a lição nunca foi esquecida pelos doze e seus próprios seguidores imediatos. Mas a instrução não se limitava ao seu pequeno círculo; era, como todo o ensino do evangelho, destinado a todos os tipos e condições de homens. A lição comum do dia-a-dia que toda criança pode ler nesta história do julgamento de seu Mestre, é que a partir do simples caminho designado do dever, que muitas vezes também é o caminho do sofrimento, nenhuma persuasão, por mais habilmente formulada, nenhum sofisma por mais plausível, deve ser suficiente para transformá-lo.

ausentou-se dele por algum tempo; mais precisamente, até um período conveniente. É evidente que durante todos os dois anos e meio de ministério público, que se sucederam aos eventos que acabamos de registrar, Jesus foi exposto a várias provações e tentações às quais a carne mortal sofredora está exposta. Assim, Bonaventura, em sua ‘Vida de Cristo’, diz:”Muitas outras foram as ocasiões em que ele suportou a tentação”. Ainda assim, não há dúvida de que a “época conveniente” aqui claramente aludida se referia àquela outra grande época de tentação pouco antes da cruz, quando nosso Senhor orou na agonia do jardim no final de sua obra terrena. Lá o tentador provou se grande sofrimento não foi capaz de vencer aquele Imaculado. [Pulpit, aguardando revisão]

14 Então Jesus, no poder do Espírito, voltou para a Galileia, e sua fama se espalhou por toda a região ao redor.

Comentário Cambridge

Então Jesus, no poder do Espírito, voltou. Lucas omite aqui aquela série de ocorrências que é principalmente preservada para nós pelo apóstolo que registrou o ministério da Judéia – João; a saber, a delegação do Sinédrio ao Batista (Lucas 1:19-28), e seu testemunho sobre o batismo de Jesus (29-34); o chamado de André e Simão (35–43); de Filipe e Natanael (44–51); o Primeiro Milagre, em Caná, e visita a Cafarnaum (Lucas 2:1-12); a Páscoa em Jerusalém e a primeira purificação do Templo (Lucas 2:13-25); a visita secreta de Nicodemos (Lucas 3:1-21); o batismo dos discípulos de Jesus e as observações do Batista aos seus discípulos (Lucas 3:22-36). Lucas já mencionou antecipadamente a prisão de João Batista (Lucas 3:19-20), o que provavelmente apressou o retorno de Jesus à Galiléia; mas apenas João preserva a revelação profundamente interessante para a mulher de Samaria e a pregação entre os samaritanos (João 4:4-42). Isso deve ter ocorrido durante a viagem da Judéia à Galiléia mencionada neste versículo.

para a Galileia. Este distrito foi o ponto de partida e principal centro do ministério de nosso Senhor, Atos 10:37, “que foi publicado em toda a Judéia e começou na Galiléia.” Lucas 23:5, “Ele desperta o povo, começando da Galiléia.” [Cambridge, aguardando revisão]

15 Ele ensinava em suas sinagogas, e era recebido com honra por todos.

Comentário Cambridge

A palavra ‘Ele’ é enfática. ‘Ele mesmo’, em contraste com o boato sobre ele. A palavra autos neste Evangelho passa a significar “o Mestre”, como uma espécie de título de honra, como no “Autos epha” – “o Mestre disse isso” dos pitagóricos. O versículo mostra que a jornada de Sicar a Nazaré não foi direta, mas tranquila; e é notavelmente confirmado por João 4:45, que explica a recepção favorável de Jesus, dizendo que eles viram “todas as coisas que Ele fez em Jerusalém na festa”. [Cambridge, aguardando revisão]

16 Ele foi a Nazaré, onde havia sido criado, e entrou, conforme o seu costume, num dia de Sábado, na sinagoga; e levantou-se para ler.

Comentário de David Brown

como seu costume era – Compare Atos 17:2.

levantou-se para ler – Outros além de rabinos foram autorizados a dirigir-se à congregação. (Atos 13:15) [JFB, aguardando revisão]

17 Foi-lhe dado o livro do profeta Isaías; e quando abriu o livro, achou o lugar onde estava escrito:

Comentário de David Brown

Não há base suficiente para supor que nosso Senhor escolheu a porção do dia. A linguagem usada antes implica o contrário – que era uma parte selecionada por Ele mesmo para a ocasião. [JFU, aguardando revisão]

18 O Espírito do Senhor está sobre mim, porque ele me ungiu para evangelizar os pobres, me enviou

Comentário de David Brown

Fixar-se em qualquer passagem que anunciasse Seus sofrimentos (como Isaías 53:1-12), teria sido inadequado naquele estágio inicial de Seu ministério. Mas Ele seleciona uma passagem anunciando o sublime objeto de toda a sua missão, seu caráter divino e Seus dons especiais para ela; expressa na primeira pessoa, e tão singularmente adaptada à primeira abertura da boca em Sua capacidade profética, que parece como feita expressamente para esta ocasião. É da seção bem conhecida das profecias de Isaías, cujo fardo é aquele misterioso “SERVO DO SENHOR”, desprezado pelo homem, aborrecido da nação, mas diante do qual reis ao vê-lo devem levantar-se e príncipes a adorar; de aparência mais desfigurada do que qualquer homem e Sua forma do que os filhos dos homens, ainda aspergindo muitas nações; trabalhando em vão, aparentemente, e gastando Sua força por nada e em vão, ainda servo de Jeová para levantar as tribos de Jacó e ser sua salvação até os confins da terra (Isaías 49:1-26, etc.). A citação é principalmente da versão da Septuaginta, usada nas sinagogas. [JFB, aguardando revisão]

19 para proclamar liberdade aos cativos e dar vista aos cegos, para pôr em liberdade os oprimidos, para proclamar o ano agradável do Senhor.

Comentário de David Brown

ano agradável – uma alusão ao ano do jubileu (Levítico 25:10), um ano de universal universal para pessoa e propriedade. (Veja também Isaías 49:8; 2Coríntios 6:2). Como os machos que choram pela humanidade estão expostos sob os nomes da pobreza, indecisão, cativeiro, cegueira, esmagamento, assim como o glorioso curador de todas as enfermidades, o Cristo se anuncia no ato de lê-lo, interrompendo uma pequena pausa antes de chegar ao dia da vingança, (Jo 3:17). As principais palavras, “O ESPÍRITO DO SENHOR é sobre MIM”, foram publicadas como uma ação distinta, porém harmoniosa, nenhum esquema de salvação. [JFB, aguardando revisão]

20 Ele fechou o livro, e devolveu-o ao assistente, e se sentou. Os olhos de todos na sinagoga estavam fixos nele.

Comentário de David Brown

Ele fechou o livro, e devolveu-o ao assistente – o oficial da sinagoga.

Os olhos de todos na sinagoga estavam fixos nele – maravilhados por Ele colocar tais reivindicações messiânicas; pois isso, eles viram, era o que Ele queria dizer. [JFU, aguardando revisão]

21 Então ele começou a lhes dizer:Hoje esta escritura se cumpriu em vossos ouvidos.

Comentário de David Brown

começou a lhes dizer… – Seu discurso inteiro era apenas uma aplicação detalhada para Si mesmo disso e talvez outras como profecias. [JFB, aguardando revisão]

22 E todos davam testemunho dele, e se admiravam das palavras graciosas que saíam da sua boca; e diziam:Não é este o filho de José?

Comentário de David Brown

palavras graciosas – “as palavras da graça”, referindo-se tanto à riqueza de Sua matéria quanto à doçura de Seus modos (Salmo 45:2).

Não é este… – (Veja em Mateus 13:54-56). Eles sabiam que Ele não havia recebido educação rabínica e qualquer coisa sobrenatural que eles parecessem incapazes de conceber. [JFB, aguardando revisão]

23 E ele lhes disse:Sem dúvida me direis este provérbio:Médico, cura a ti mesmo; faz também aqui na tua terra natal todas as coisas que ouvimos terem sido feitas em Cafarnaum.

Comentário de David Brown

este provérbio – como a nossa “Caridade começa em casa”.

qualquer coisa, etc. – “Chegaram rumores estranhos aos nossos ouvidos sobre as tuas obras em Cafarnaum; mas se tal poder reside em Ti para curar os males da humanidade, por que nenhum deles chegou mais perto de casa, e por que todo esse suposto poder é reservado a estranhos? ”Sua escolha de Cafarnaum como residência desde a entrada na vida pública era, ao que parece, já bem conhecido em Nazaré; e quando Ele veio para lá, para não dar demonstrações de Seu poder quando lugares distantes estavam tocando com Sua fama, feriu seu orgulho. Ele realmente “colocou as mãos sobre alguns doentes e os curou” (Marcos 6:5); mas isso parece ter sido feito de maneira bastante reservada à descrença geral, impedindo qualquer coisa mais aberta. [JFB, aguardando revisão]

24 E disse:Em verdade vos digo que nenhum profeta é bem recebido na sua terra natal.

Comentário de David Brown

E disse… – Ele responde a um provérbio por outro, igualmente familiar, que expressamos em uma forma mais áspera – “Muita familiaridade gera desprezo.” A longa residência de nosso Senhor em Nazaré meramente como um cidadão o fez muito comum, incapacitando-os para apreciá-lo como os outros o faziam, menos familiarizados com o seu comportamento cotidiano na vida privada. Um princípio mais importante, para o qual o sábio irá prestar a devida consideração. (Veja também Mateus 7:6, sobre o qual nosso próprio Senhor agiu.) [JFB, aguardando revisão]

25 Porém em verdade vos digo que havia muitas viúvas em Israel nos dias de Elias, quando o céu se fechou por três anos e seis meses, de modo que em toda aquela terra houve grande fome.

Comentário de David Brown

Porém em verdade vos digo… – recuando para apoiar os exemplos bem conhecidos de Elias e Eliseu (Eliseu), cujo poder milagroso, passando por aqueles que estavam próximos, se despendia naqueles à distância, sim em pagãos, “ os dois grandes profetas que estão no início da antiguidade profética e cujos milagres prefiguram notavelmente os do nosso Senhor. Como Ele pretendia que eles alimentassem os pobres e purificassem os leprosos, Ele aponta para esses milagres de misericórdia, e não para o fogo do céu e os ursos que rasgaram os escarnecedores ”[Stier].

três anos e seis meses – Assim, Tiago 5:17, incluindo talvez os seis meses após a última queda de chuva, quando haveria pouco ou nenhum, de qualquer modo; enquanto em 1Reis 18:1, que diz que a chuva retornou “no terceiro ano”, esse período provavelmente não é contado. [JFB, aguardando revisão]

26 Mas a nenhuma delas Elias foi enviado, a não ser a uma mulher viúva de Sarepta de Sidom.

Comentário de David Brown

salvando – “mas somente”. (Compare Marcos 13:32, em grego)

Sarepta – “Zarephath” (1Reis 17:9), uma aldeia pagã entre Tiro e Sidon. (Veja Marcos 7:24) [JFB, aguardando revisão]

27 E havia muitos leprosos em Israel no tempo do profeta Eliseu; mas nenhum deles foi limpo, a não ser Naamã, o sírio.

Comentário de David Brown

Assim, ao defender o rumo que Ele havia tomado ao passar pelo lugar e pelas pessoas que deveriam ter o maior direito sobre Ele, nosso Senhor recai sobre os exemplos bem conhecidos de Elias e Eliseu, cuja milagrosa passagem de poder por aqueles que quase se gastaram com os distantes, sim com os pagãos; ‘estes sendo’, para usar as palavras de Stier, “os dois grandes profetas que estão no início da antiguidade profética, e cujos milagres notavelmente prefiguravam os de nosso Senhor. Visto que Ele pretendia como eles alimentar os pobres e purificar os leprosos, Ele aponta para esses milagres de misericórdia, e não para o fogo do céu e os ursos que dilaceravam os zombadores ”. [JFU, aguardando revisão]

28 E todos na sinagoga, quando ouviram essas coisas, encheram-se de ira.

Comentário de David Brown

quando ouviram essas coisas – essas alusões aos pagãos, assim como depois com Paulo (Atos 22:21-22). [JFB, aguardando revisão]

29 Então se levantaram, expulsaram-no da cidade, e o levaram até o topo do monte em que sua cidade era construída, para dali o lançarem abaixo.

Comentário de David Brown

levantou-se – quebrou o serviço irreverentemente e correu adiante.

empurrou-o – com violência, como prisioneiro em suas mãos.

sobrancelha, etc. – Nazaré, embora não construída no cume de uma colina, é em parte cercada por uma a oeste, tendo vários desses precipícios. (Veja 2Crônicas 25:12; 2Reis 9:33). Era um modo de pena capital não incomum entre os romanos e outros. Este foi o primeiro insulto que o Filho de Deus recebeu, e veio “dos da sua própria casa!” (Mateus 10:36). [JFB, aguardando revisão]

30 Porém ele passou por meio deles, e se retirou.

Comentário de David Brown

passou por meio… – evidentemente de uma maneira miraculosa, embora talvez de maneira bastante silenciosa, levando-os a se perguntar depois que feitiço poderia ter vindo sobre eles, que eles permitiram que Ele escapasse. (Escapa semelhante, no entanto, em tempos de perseguição, não é sem precedentes.) [JFB, aguardando revisão]

31 Ele desceu a Cafarnaum, cidade de Galileia; e ali os ensinava nos sábados.

Comentário de David Brown

a Cafarnaum – Ficava no Mar da Galileia (Mateus 4:13), enquanto Nazaré ficava no alto. [JFB, aguardando revisão]

32 E admiravam o seu ensino, pois a sua palavra era com autoridade.

Comentário do Púlpito

Temos aqui novamente uma imagem que dá um resumo geral da vida de Jesus, estendendo-se por um período considerável. Esta é a quinta dessas fotos de Lucas. Representa o Mestre morando calmamente em Cafarnaum, no meio de seus discípulos, ensinando e pregando; nos dias de sábado, reunia um considerável número de pessoas atraídas pelo povo em geral, e geralmente surpreendia os ouvintes com sua seriedade, frescor e habilidade, que levava convicção a muitos corações, tanto gentios quanto judeus. Embora esse período da vida de Jesus tenha sido assinalado por muitos milagres, não parece que sua pregação e ensino comuns precisassem de qualquer testemunho sobrenatural para permitir que ganhasse seu caminho. Lucas especialmente nos diz que foi com poder, e que as multidões o ouviram maravilhadas e atônitas. Mateus nos dá (Mateus 7:29) uma razão, que nos ajuda a entender algo desse sucesso que acompanhou seu ensino. Não era “como os escribas”. No Talmud, temos muitos exemplos da instrução sagrada das “escolas” na época de nosso Senhor. Minúcias frívolas, confusão de textos, cansativa repetição dos ditos dos homens de antigamente, questões relacionadas com a guarda exata do sábado, com o dízimo de hortelã, erva-doce e cominho, uma falta singular de tudo que lida com os mais pesados questões da Lei – justiça, julgamento, verdade – estavam entre as características da instrução popular dos escribas. As palavras práticas de Jesus que examinavam o coração estavam em forte contraste com os temas curiosos, mas inúteis, tratados pelos mestres oficiais da época. Foi com o versículo trigésimo primeiro deste capítulo que o grande herege gnóstico Marcião (século II) deu início ao seu Evangelho, que, nos primeiros dias do cristianismo, teve vasta circulação. Marcião, embora preferisse o Evangelho de Lucas, como emanando de Paulo, antes de apresentá-lo como a história autorizada a ser usada por seus numerosos seguidores, cortou os capítulos anteriores de nosso Evangelho, que tratavam do nascimento e da infância do Senhor, começando aqui – prefixando, no entanto, uma nota de tempo, assim:”No décimo quinto ano do governo de Tibério, Jesus desceu” (Marcião provavelmente pretendia que fosse entendido do céu) “na cidade da Galiléia chamada Cafarnaum”. [Pulpit, aguardando revisão]

33 E estava na sinagoga um homem que tinha um espírito de um demônio imundo, e gritou com alta voz:

Comentário de David Brown

imundo – A frequência com que este caráter de impureza é aplicado aos maus espíritos é digna de nota.

gritou, etc. – (Veja Mateus 8:29; Marcos 3:11). [JFB, aguardando revisão]

34 Ah, que temos contigo, Jesus Nazareno? Vieste para nos destruir? Sei quem és:o Santo de Deus.

Comentário do Púlpito

Ah, que temos contigo, Jesus Nazareno? Vieste para nos destruir? Este homem, com seu espírito maligno, teria sido considerado impuro e não teria sido admitido dentro das paredes da sinagoga; ele provavelmente havia entrado sem ser visto. Algo na proximidade do santo Mestre que conhecemos obrigou o demônio a chorar alto. É estranho, essa presença de Deus causando dor. É a impossibilidade do olho ferido portar a luz. O grito traduzido, “Deixe-nos em paz”, dificilmente é o imperativo de ἐάω, mas uma interjeição, possivelmente a reprodução grega do hebraico אֲהָהּ, ah! ai! Evidentemente, havia algum grau mais profundo de sofrimento possível para o espírito infeliz; daí o seu “Vieste para nos destruir?” O mesmo pavor aparece no caso do demoníaco gadareno (Marcos 5:7; Mateus 8:29), onde os espíritos temiam ser levados para as profundezas, onde tais espíritos aguardam o julgamento, aquele abismo, literalmente, “o lugar sem fundo; ” qualquer condenação parecia preferível a esses perdidos. [Pulpit, aguardando revisão]

35 E Jesus o repreendeu, dizendo:Cala-te, e, sai dele. E o demônio o derrubou no meio do povo , e saiu dele sem lhe fazer dano algum.

Comentário Cambridge

Cala-te. Literalmente, “seja amordaçado”, como em 1Coríntios 9:9. Veja Mateus 22:34; Marcos 1:25, etc.

o derrubou. Marcos usa a palavra mais forte “rasgando-o”. Foi a convulsão que se tornou um espasmo de libertação visível. É muito instrutivo contrastar a simples sobriedade das narrativas dos evangelistas com os absurdos crédulos de um historiador tão hábil, polido e cosmopolita como Josefo, que descreve um exorcismo operado na presença de Vespasiano por um certo Eleazar. Isso foi conseguido por meio de um anel e a “raiz de Salomão”, e o demônio como prova de sua saída recebeu a ordem de virar uma tigela de água! (Josefo) Como este é o mais antigo dos milagres de nosso Senhor registrados por Lucas, podemos notar que os termos usados ​​para milagres nos Evangelhos são teras ‘prodígio’ e taumasion ‘maravilhoso’ (Mateus 21:15 apenas), do efeito na mente dos homens; paradoxon (Lucas 5:26 apenas), de sua estranheza; sçmeia ‘sinais’ e dunameis ‘poderes’, por serem indicações do poder de Deus; endoxa ‘feitos gloriosos’ (somente Lucas 13:17), como demonstração de Sua glória; e em São João erga ‘funciona’, como as ações naturais dAquele que era divino. “Os milagres, deve-se observar, não são contrários à natureza, mas estão além e acima dela” (Mozley). [Cambridge, aguardando revisão]

36 E espanto veio sobre todos; e falavam entre si uns aos outros, dizendo:Que palavra é esta, que até aos espíritos imundos ele manda com autoridade e poder, e eles saem?

Comentário Lange

Que palavra é esta – em Marcos:“Que que novo ensinamento”, καινὴ διδαχή. A novidade neste caso se encontra não tanto no assunto, mas no efeito das palavras de Jesus.

com autoridade e poder. Autoridade que não resiste à contradição, poder que não resiste à oposição. [Lange, aguardando revisão]

37 E sua fama era divulgada em todos os lugares em redor daquela região.

Comentário de Alfred Plummer

Nessas seções, a atenção é frequentemente direcionada para a impressão que Jesus causou em Seu público (Lucas 4:20,22,32,36, v. 26), e para a fama que se espalhou a respeito dele (Lucas 4:14,15, 37, 40, v. 15,17). [ICC, aguardando revisão]

38 Jesus levantou-se da sinagoga, e entrou na casa de Simão. A sogra de Simão estava doente de uma grande febre, e rogaram-lhe por ela.

Comentário Cambridge

na casa de Simão. Marcos, quase ligado a Pedro, diz com mais precisão “a casa de Simão e André” (Lucas 1:29). Esta é a primeira menção de Pedro em Lucas, mas o nome era muito conhecido na Igreja Cristã para precisar de mais explicações. Pedro e André eram de Betsaida (Casa dos Peixes), (João 1:44; João 12:21), uma pequena vila de pescadores, como seu nome importa, agora Ain et Tabijah ou ‘a Fonte da Figtree’, onde, sozinho no mar da Galiléia, há uma pequena faixa de areia dura e brilhante. São Lucas não menciona esta Betsaida, embora mencione outra na extremidade norte do lago (Lucas 9:10). Era tão perto de Cafarnaum que nosso Senhor pode ter caminhado até lá, ou possivelmente a sogra de Simão pode ter uma casa em Cafarnaum. É uma indicação notável da pequena nuvem de mal-entendido que parece ter surgido entre Jesus e os de Sua própria casa (Mateus 13:57; João 4:44), que embora estivessem então morando em Cafarnaum (Mateus 9:1; Mateus 17:24) – talvez tendo sido levado para lá pela hostilidade dos nazarenos – sua casa não era a Sua casa.

A sogra de Simão. “Pedro, o Apóstolo de Cristo, que também era casado.” Serviço de casamento. Depois disso, ela parece ter viajado com ele (1Coríntios 9:5). Seu (mais improvável) nome tradicional era Concordia ou Perpétua (Grabe, Spicil. Patr. I. 330).

uma grande febre. Lucas, sendo um médico, usa a distinção médica técnica dos antigos, que dividia as febres em “grandes” e “pequenas” (Galeno). Para outros toques médicos e psicológicos, veja Lucas 5:12, Lucas 6:6, Lucas 22:50-51; Atos 3:6-8; Atos 4:22; Atos 9:33, etc.

rogaram-lhe por ela – não, como em outros lugares, o imperfeito (João 4:47), mas o aoristo, implicando que eles só tinham que pedir a Ele uma vez. Marcos confirma isso quando diz (Lucas 1:30), “imediatamente falam com Ele sobre ela”. [Cambridge, aguardando revisão]

39 Ele se inclinou a ela, e repreendeu a febre, que a deixou. Ela imediatamente se levantou e começou a lhes servir.

Comentário de Alfred Plummer

Ele se inclinou a ela (ἐπιστὰς ἐπάνω αὐτῆς ἐπετίμησεν). Em vez disso, Mateus e Marcos afirmam que Ele tocou a mão dela. O ἐπετίμησεν do versículo 35 não mostra que o uso da mesma palavra aqui significa que a febre é considerada um agente pessoal. Mas comp. Marcos 9:1723Lucas 13:1116; Marcos 9:1723. O ἀφῆκεν, que está em todas as três narrativas, se harmoniza com qualquer uma das visões. Em qualquer caso, esse modo incomum de cura interessaria e impressionaria um médico; e só Lucas percebe a rapidez com que a força dela voltou.

e começou a lhes servir (διηκόνει αὐτοῖς). Marcos tem αὐτῷ:o αὐτοῖς inclui os discípulos e outros presentes. O fato de ela poder ministrar a eles prova a perfeição da cura. A recuperação da febre é comumente acompanhada de grande fraqueza. E isso parece ser fatal para a visão de Weiss, de que as curas de Cristo foram “efeitos momentâneos produzidos por Seu toque, que, embora o resultado fosse absolutamente certo, apenas deu início a um processo de cura que foi concluído de uma forma perfeitamente natural”. O que se ganha com tal hipótese? [ICC, aguardando revisão]

40 Quando o sol estava se pondo, troxeram-lhe todos os que estavam enfermos de varias doenças. Ele punha as mãos sobre cada um deles e os curava.

Comentário do Púlpito

A cura do “possesso” na sinagoga naquela manhã, seguida pela cura da febre da mãe da esposa de Simão, como sabemos, foi rapidamente divulgada no exterior e em grande parte acondicionada para as multidões que traziam seus doentes para ele à noite. Evidentemente, foi na vida de Jesus uma ocasião notável, e muitos enfermos torturados tiveram ocasião de abençoar a presença do Mestre. Foi uma ocasião tão memorável que todos os três evangelistas notaram; seus relatórios são registrados quase com as mesmas palavras. Sem dúvida, nos primeiros dias da pregação da fé, o trabalho desta noite era constantemente mencionado pelos primeiros professores. A nota de tempo, “quando o sol estava se pondo”, indica que o momento em questão havia sido esperado, pois o pôr do sol encerrava o sábado, e então aqueles fora de Cafarnaum e em seus subúrbios foram capazes de trazer seus enfermos e aflitos sem infringir as regras estritas do sábado. “A cena do crepúsculo, de Jesus movendo-se com palavras e toques de cura entre os enfermos e sofredores, a multidão delirante e torturada (Mateus 4:24), é uma das mais marcantes nos Evangelhos, e São Mateus a cita como um cumprimento de Isaías 53:4 “(Farrar). [Pulpit, aguardando revisão]

41 E também de muitos saíam demônios, gritando, e dizendo:Tu és o Filho de Deus. Ele os repreendia, e não os deixava falar, porque sabiam que ele era o Cristo.

Comentário de David Brown

não os deixava falar – A leitura marginal (“dizer que eles sabiam que ele era Cristo”) está errada. Nosso Senhor sempre recusou o testemunho de demônios, pela mesma razão pela qual eles estavam ansiosos para dar, porque Ele e eles, portanto, parecem ser um interesse, como Seus inimigos realmente alegaram. (Veja em Mateus 12:24, etc; veja também Atos 16:16-18). [JFB, aguardando revisão]

42 E sendo já dia, ele saiu, e foi a um lugar deserto. As multidões o buscavam; então vieram a ele, e queriam detê-lo, para que não os deixasse.

Comentário de David Brown

ficou ele – “estavam ficando com ele”, ou procurou fazê-lo. Que contraste com os gadarenos! A natureza de Sua missão exigia que Ele continuasse se movendo, para que todos pudessem ouvir as boas novas (Mateus 8:34). [JFB, aguardando revisão]

43 Porém ele lhes disse:Também é necessário que eu anuncie a outras cidades o evangelho do Reino de Deus; pois para isso fui enviado.

Comentário Cambridge

é necessário. “Cabe a mim” – a ‘necessidade’ da obrigação moral.

anunciar. Em vez disso, conte as boas novas de. A palavra é “evangelizar”, não kêrussô a palavra do próximo versículo.

o Reino de Deus. A aceitação da Fé de Cristo, seja no coração ou no mundo, foi ilustrada por Cristo em seus pequenos primórdios – o grão de mostarda (Lucas 13:19); em seu funcionamento oculto (Lucas 13:21); e em seu triunfo final.

a outras cidades. Em vez disso, para o resto das cidades. Em Marcos, Ele diz:Vamos para outro lugar, para as aldeias vizinhas. [Cambridge, aguardando revisão]

44 E ele pregava nas sinagogas da Judeia.

Comentário Cambridge

ele pregava. Em vez disso, Ele estava pregando, o que implica um ministério contínuo.

[da Galiléia] Aqui, א, B, C, L e outros unciais têm as várias leituras importantes “da Judéia”. Se esta leitura for correta, é mais uma das muitas indicações que os Sinópticos assumem e implicam aquele ministério judaico que somente João narra. [Cambridge, aguardando revisão]
<Lucas 3 Lucas 5>

Visão geral de Lucas

No evangelho de Lucas, “Jesus completa a história da aliança entre Deus e Israel e anuncia as boas novas do reino de Deus tanto para os pobres como para os ricos”. Tenha uma visão geral deste Evangelho através deste breve vídeo (em duas partes) produzido pelo BibleProject.

Parte 1 (9 minutos).

🔗 Abrir vídeo no Youtube.

Parte 2 (9 minutos).

🔗 Abrir vídeo no Youtube.

Leia também uma introdução ao Evangelho de Lucas.

Todas as Escrituras em português citadas são da Bíblia Livre (BLIVRE), Copyright © Diego Santos, Mario Sérgio, e Marco Teles – fevereiro de 2018.