Bíblia, Revisar

Ezequiel 12

1 E veio a mim a palavra do SENHOR, dizendo:

Ez 12: 1-28. A típica mudança de Ezequiel para o exílio: Profecia do cativeiro de Zedequias e privação de visão: Os judeus “suposições incrédulas quanto à distância do evento reprovado.

olhos para ver, e não ver, … ouvidos para ouvir e não ouvir – cumprindo a profecia de Dt 29:4, aqui citada por Ezequiel (compare Is 6:9; Jr 5:21). Ezequiel precisava, muitas vezes, ser lembrado da perversidade das pessoas, para não ser desencorajado pelo pouco efeito produzido por suas profecias. Seu “não ver” é o resultado da perversidade, não da incapacidade. Eles são voluntariamente cegos. As pessoas mais interessadas nesta profecia eram aqueles que moravam em Jerusalém; e é entre eles que Ezequiel foi transportado em espírito, e realizado em visão, não externamente, os atos típicos. Ao mesmo tempo, a profecia simbólica foi projetada para alertar os exilados de Chebar contra as esperanças, como muitos faziam em oposição à palavra revelada de Deus, de retornar a Jerusalém, como se aquela cidade estivesse de pé; vivendo externamente de longe, seus corações residiam naquela capital corrupta e condenada.

2 Filho do homem, tu habitas em meio de uma casa rebelde, os quais têm olhos para ver mas não veem, têm ouvidos para ouvir, mas não ouvem; pois eles são uma casa rebelde.
3 Portanto tu, filho do homem, prepara-te bagagem de partida, e parte-te de dia diante dos olhos deles; e tu partirás de teu lugar para outro lugar diante dos olhos deles; pode ser que vejam, ainda que eles sejam uma casa rebelde.

bagagem de partida – em vez disso, “a roupa de um exilado”, os artigos adequados a uma pessoa que vai como um exilado, uma equipe e mochila, com um suprimento de comida e roupas; assim, “instrumentos de cativeiro”, Jr 46:19, Margem, isto é, os equipamentos necessários para isso. Seus anúncios simples falharam, ele é simbolicamente para lhes dar uma demonstração ocular transmitida por uma pintura de palavras de ações realizadas em visão.

considere – (Dt 32:29).

4 Assim tirarás tuas bagagem, como bagagem de partida, durante dia diante de seus olhos; então tu sairás à tarde diante de seu olhos, como quem sai para se partirem.

de dia – em plena luz do dia, quando todos podem ver você.

no mesmo dia – não contradizendo as palavras “de dia”. A bagagem deveria ser enviada antes de dia, e Ezequiel seguiria ao cair da noite (Grotius); ou, as preparações seriam feitas de dia, a partida real deveria ser efetuada à noite (Henderson).

como quem sai para se partirem – literalmente, “como as saídas do cativeiro”, isto é, do bando de exilados, ou seja, em meio às silenciosas trevas: tipificando a fuga de Zedequias à noite para tomar a cidade (Jr 39:4; 52:7).

5 Diante de seus olhos cava um buraco na parede, e tira por ele a bagagem.

Dig – como Zedequias deveria escapar como se estivesse cavando através de uma parede, furtivamente para efetuar uma fuga (Ez 12:12).

realizar – ou seja, “tuas coisas” (Ez 12:4).

assim – pela abertura na parede. Zedequias escapou “pelo portão entre as duas muralhas” (Jr 39:4).

6 Diante de seus olhos os levarás sobre teus ombros, ao anoitecer os tirarás; cobrirás teu rosto, para que não vejas a terra; pois eu fiz de ti por sinal à casa de Israel.

crepúsculo – sim, “no escuro”. Assim, em Gn 15:17, “isto” se refere a “tuas coisas”.

cobrirás teu rosto – como alguém que abafa o rosto, com medo de ser reconhecido por alguém que o encontre. Então os judeus e Zedequias deveriam sair sorrateiramente e com medo de olhar em volta, então apressada deveria ser a luta deles (Calvino).

sinal – em vez disso, “um presságio”, ou seja, para o mal.

7 E eu fiz assim como me foi mandado; tirei minha bagagem de dia, como bagagem de partida, e à tarde cavei um buraco na parede com a mão; tirei-os de noite, e os levei sobre os ombros diante dos olhos deles.
8 E veio a mim palavra do SENHOR pela manhã, dizendo:
9 Filho do homem, por acaso a casa de Israel, aquela casa rebelde, não te perguntou: O que estás fazendo?

O que estás fazendo? – Eles não pedem em um espírito dócil, mas fazendo uma brincadeira de seus procedimentos.

10 Dize-lhes: Assim diz o Senhor DEUS: esta revelação é para o príncipe em Jerusalém, e para toda a casa de Israel que está em meio dela.

fardo – isto é, pesado oráculo.

o príncipe – O próprio homem Zedequias, em quem eles confiam por segurança, é ser o principal sofredor. Josefo [Antiguidades, 10,7] relata que Ezequiel enviou uma cópia desta profecia a Zedequias. Como Jeremias havia enviado uma carta aos cativos no Chebar, que era o meio de chamar à primeira a agência de Ezequiel, por isso era natural que Ezequiel enviasse uma mensagem a Jerusalém confirmando as advertências de Jeremias. O príncipe, no entanto, imaginando uma contradição entre Ez 12:13; “Ele não verá Babilônia”, e Jr 24:8-9, declarando que ele deveria ser levado para Babilônia, não creu. Parecer discrepâncias nas Escrituras em busca mais profunda provam ser harmonias ocultas.

11 Dize: Eu sou vosso sinal; tal como eu fiz, assim se fará a eles; serão removidos; irão em cativeiro.

sinal – presságio do mal por vir (Ez 24:27; Zc 3:8). Cumprido (2Rs 25:1-7; Jr 52:1-11).

12 E o príncipe que está entre eles, levará nos ombros sua bagagem de noite, e sairá; na parede cavarão uma abertura para saírem por ela; cobrirá seu rosto para não ver com seus olhos a terra.

entre eles – literalmente, “que está no meio deles”, isto é, em quem os olhos de todos são lançados, e “sob cuja sombra” eles esperam viver (Lm 4:20).

deve suportar – ou seja, o seu “material para a remoção”; seus equipamentos para sua jornada.

cobrirá seu rosto para não ver com seus olhos a terra – Veja em Ez 12:6; o símbolo em Ez 12:6 é explicado neste verso. Ele abafará o rosto para não ser reconhecido: uma humilhação para um rei!

13 Também estenderei minha rede sobre ele, e ele será preso em meu laço, e eu o levarei à Babilônia, à terra de caldeus; porém ele não a verá, ainda que morrerá ali.

minha rede – o exército caldeu. Ele estará inextricavelmente envolvido, como nas malhas de uma rede. É a rede de Deus (Jó 19:6). Babilônia era o instrumento de Deus (Is 10:5). Chamado de “rede” (Hq 1:14-16).

trazê-lo para a Babilônia …; contudo, ele não a verá – porque ele deve ser privado de visão antes de chegar lá (Jr 52:11).

14 E a todos os que estiverem ao redor dele para ajudá-lo, e a todas as suas tropas espalharei a todos os ventos, e desembainharei espada atrás deles.

sobre ele – seus satélites: seu guarda-costas.

bandas – literalmente, “as asas” de um exército (Is 8:8).

desembainha… espada atrás deles – (Veja Ez 5:2; veja Ez 5:12).

15 Assim saberão que eu sou o SENHOR, quando eu os espalhar entre as nações, e os dispersar pelas terras.
16 Porém deixarei alguns poucos sobreviventes da espada, da fome, e da pestilência, para que contem todas as suas abominações entre as nações para onde forem; e saberão que eu sou o SENHOR.

para que contem todas as suas abominações – o propósito de Deus em espalhar um remanescente de judeus entre os gentios; ou seja, não apenas que eles mesmos deveriam ser desmamados da idolatria (veja Ez 12:15), mas que por sua própria palavra, como também por todo o seu estado como exilados, eles deveriam tornar a justiça de Deus manifestada entre os gentios, como vindicada em sua punição por seus pecados (compare Is 43:10; Zc 8:13).

17 Então veio a mim a palavra do SENHOR, dizendo:
18 Filho do homem, come teu pão com tremor, e bebe tua água com estremecimento e com ansiedade;

Representação simbólica da fome e do medo com que eles deveriam comer o seu escasso bocado, no seu exílio, e especialmente no cerco.

19 E dize ao povo da terra: Assim diz o Senhor DEUS sobre os moradores de Jerusalém, e sobre a terra de Israel: Comerão seu pão com ansiedade, e com espanto beberão sua água; porque sua terra será desolada de seu conteúdo, por causa da violência de todos os que nela habitam.

povo da terra – os judeus “na terra” da Caldéia, que se consideravam miseráveis ​​por serem exilados e invejavam os judeus que haviam partido em Jerusalém como afortunados.

terra de Israel – em contraste com “o povo da terra” da Caldéia. Longe de serem afortunados como os exilados na Caldéia os consideravam, os judeus em Jerusalém são verdadeiramente miseráveis, pois o pior está diante deles, enquanto os exilados escaparam das misérias do cerco que se aproximava.

terra … desolada de tudo o que há nela – literalmente, “que a terra (a saber, a Judéia) pode ser despojada da sua plenitude”; esvaziou dos habitantes e abundância de rebanhos e milho com o qual foi enchido.

por causa de … violência – (Sl 107:34).

20 E as cidades habitadas serão desoladas, e a terra se tornará em deserto; e sabereis que eu sou o SENHOR.

as cidades – deixadas na Judéia depois da destruição de Jerusalém.

21 E veio a mim a palavra do SENHOR, dizendo:
22 Filho do homem, que ditado é este que vós tendes vós terra de Israel, que diz: Os dias se prolongarão, e toda visão perecerá?

ditado – O escárnio infiel, de que o julgamento ameaçado demorou tanto a chegar, não viria de todo, se por repetição frequente vir a ser um “provérbio” com eles. Esse hábito cético que os profetas contemporâneos testificam (Jr 17:15; 20:7; Sf 1:12). Ezequiel, no Chebar, simpatiza com Jeremias e fortalece seu testemunho em Jerusalém. A tendência ao mesmo escárnio mostrou-se em épocas anteriores, mas não se desenvolveu em um “provérbio” estabelecido (Is 5:19; Am 5:18). Será novamente a característica dos últimos tempos, quando a “fé” será considerada como uma coisa antiquada (Lc 18:8), visto que permanece estacionária, enquanto as artes e ciências do mundo progridem, e quando a “continuação de todas as coisas da criação ”será o argumento contra a possibilidade de serem repentinamente levados a um impasse pela vinda do Senhor (Is 66:5; 2Pe 3:3-4). A longanimidade de Deus, que deve levar os homens ao arrependimento, é um argumento contra a Sua palavra (Ec 8:11; Am 6:3).

dias … prolongada … a visão falha – seu duplo argumento: (1) As previsões não devem acontecer até muito depois de nosso tempo. (2) Eles falharão e provarão sombras vãs. Deus responde a ambos em Ez 12:23,25.

23 Portanto dize-lhes: Assim diz o Senhor DEUS: Farei cessar este ditado, e não usarão mais esta frase em Israel. Ao invés disso, dize-lhes: Os dias chegaram, e o cumprimento de toda visão.

efeito – literalmente, “a palavra”, ou seja, cumprida; isto é, o cumprimento efetivo de tudo o que os profetas falaram está próximo.

24 Porque não haverá mais uma visão falsa sequer, nem haverá adivinhação lisonjeira no meio da casa de Israel.

visão vã… adivinhação lisonjeira – Todos aqueles falsos profetas (Lm 2:14), que “lisonjeiam” o povo com promessas de paz e segurança, serão detectados e confundidos pelo próprio evento.

25 Pois eu, o SENHOR, falarei; a palavra que eu falar se cumprirá; não se prolongará mais; porque em vossos dias, ó casa rebelde, falarei a palavra e a cumprirei, diz o Senhor DEUS.

se cumprirá – em oposição a sua zombaria “a visão falha” (Ez 12:22). A repetição “falarei, falo” etc. (ou como Fairbairn: “Pois eu, Jeová, falarei qualquer palavra que falarei, e isso será feito”) implica que sempre que Deus fala, o efeito deve seguir; porque Deus, que fala, não está dividido em si mesmo (Ez 12:28; Is 55:11; Dn 9:12; Lc 21:33).

não mais prolongada – em oposição ao escárnio (Ez 12:22), “os dias são prolongados”.

em seus dias – enquanto você estiver vivo (compare com Mt 24:34).

26 Também veio a mim palavra do SENHOR, dizendo:
27 Filho do homem, eis que os da casa de Israel dizem: A visão que este vê é para muitos dias, e ele profetiza para tempos distantes.

Não é uma mera repetição do escárnio (Ez 12:22); ali os escarnecedores afirmavam que o mal era tantas vezes ameaçado e adiado que não deveria ter realidade; aqui os formalistas não vão tão longe a ponto de negar que um dia do mal está chegando, mas afirmam que ainda está longe (Am 6:3). A transição é fácil desta segurança carnal para a infidelidade grosseira da antiga classe.

28 Por isso dize-lhes: Assim diz o Senhor DEUS: Nenhuma das minhas palavras se prolongará mais; e palavra que eu falei se cumprirá, diz o Senhor DEUS.
<Ezequiel 11 Ezequiel 13>

Leia também uma introdução ao Livro de Ezequiel.

Adaptado de: Commentary Critical and Explanatory on the Whole Bible. Todas as Escrituras em português citadas são da Bíblia Livre (BLIVRE), Copyright © Diego Santos, Mario Sérgio, e Marco Teles – fevereiro de 2018.