Livro

Livro de Ezequiel

Mensagem importante
Olá visitante do Apologeta! Vou direto ao ponto: peço que você me ajude a manter este projeto. Atualmente a renda gerada através dos anúncios são insuficientes para que eu me dedique exclusivamente a ele. Se cada pessoa que ler essa mensagem hoje, doar o valor de R$10.00, eu poderia me dedicar integralmente ao Apologeta pelo próximo ano e ainda remover todas as propagandas do site (que eu sei que são um pouco incômodas). Tenho um propósito ousado com este site: traduzir e disponibilizar gratuitamente conteúdo teológico de qualidade. O que inclui um dicionário bíblico completo (+4000 verbetes) e comentário de todos os 31.105 versículos da Bíblia. Faça parte deste projeto e o ajude a continuar crescendo. Obrigado!

Introdução ao livro de Ezequiel

As profecias do livro de Ezequiel são caracterizadas por representações simbólicas e alegóricas, “desdobrando uma rica série de visões majestosas e de símbolos colossais”. Há também um grande número de “ações simbólicas que incorporam concepções vívidas da parte do profeta” (Ez 4:1-4; 5:1-4; 12:3-6; 24:3-5; 37:16, etc. “O modo de representação, no qual símbolos e alegorias ocupam um lugar de destaque, dá um caráter sombrio e misterioso às profecias de Ezequiel. Elas são obscuras e enigmáticas. Um mistério nebuloso as domina, que é quase impossível de penetrar. Jerônimo chama o livro de “um labirinto dos mistérios de Deus”. Foi por causa desta obscuridade que os judeus proibiram qualquer um de lê-lo até atingir a idade de trinta anos”.

Ezequiel é único na frequência com que ele se refere ao Pentateuco (e.g., Ez 27; 28:13; 31:8; 36:11,34; 47:13, etc.). Ele mostra também um conhecimento com os escritos de Oséias (Ez 37:22), Isaías (Ez 8:12; 29:6), e especialmente com os de Jeremias, seu contemporâneo mais antigo (Jr 24:7,9; 48:37).

Estrutura do livro de Ezequiel

O livro de Ezequiel consiste principalmente de três grupos de profecias. Depois de um relato de seu chamado para o ofício profético (Ez 1 à 3:21), Ezequiel (1) pronuncia palavras de denúncia contra os judeus (Ez 3:22-24), os advertindo da destruição certa de Jerusalém, em oposição às palavras dos falsos profetas (Ez 4:1-3). Os atos simbólicos, pelos quais os extremos aos quais Jerusalém seria reduzida são descritos no cap. 4,5, mostram seu íntimo conhecimento da legislação levítica. (Veja Êx 22:30; Dt 14:21; Lv 5:2; 7:18,24; 17:15; 19:7; 22:8, etc.).

(2) Profecias contra várias nações vizinhas: contra os amonitas (Ez 25:1-7), os moabitas (Ez 8-11), os edomitas (Ez 12-14), os filisteus (Ez 15-17), Tiro e Sidom (Ez 26-28) e contra o Egito (29-32).

(3) Profecias entregues após a destruição de Jerusalém por Nabucodonosor: os triunfos de Israel e do reino de Deus na terra (Ez 33-39); tempos messiânicos, e o estabelecimento e prosperidade do reino de Deus (Ez 40; 48).

As visões finais deste livro são mencionadas no livro do Apocalipse (Ez 38 = Ap 20:8; Ez 47:1-8 = Ap 22:1-2). Outras referências a este livro também são encontradas no Novo Testamento. (Comp. Rm 2:24 com Ez 36:2; Rm 10:5, Gl 3:12 com Ez 20:11; 2Pe 3:4 com Ez 12:22)

Pode-se notar que Daniel, catorze anos depois de sua deportação de Jerusalém, é mencionado por Ezequiel (Ez 14:14) juntamente com Noé e Jó como distinguido por sua justiça, e cerca de cinco anos depois ele é mencionado como proeminente por sua sabedoria (Ez 28:3).

Adaptado de: Illustrated Bible Dictionary (Ezekiel, Book of).

Conteúdos recomendados