Biografia

Profeta Isaías

Aviso Quer estudar a Bíblia e não sabe por onde começar? Conheça o nosso curso: Como Estudar a Bíblia? Ele é gratuito, online e pode ser iniciado agora mesmo! Clique aqui e saiba mais.


Isaías era filho de Amoz (Is 1:1; 2:1), que aparentemente era um homem de posição humilde. Sua esposa foi chamada “a profetisa” (Is 8:3), ou porque ela foi dotada do dom profético, como Débora (Jz 4:4) e Hulda (2Rs 22:14-20), ou simplesmente porque ela era a esposa do “profeta” (Is 38:1). Ele teve dois filhos, que tinham nomes simbólicos.

O profeta Isaías exerceu as funções de seu ofício durante os reinados de Uzias (ou Azarias), Jotão, Acaz e Ezequias (Ez 1:1). Uzias reinou cinquenta e dois anos (810-759 a.C), e Isaías deve ter iniciado seu ministério alguns anos antes da morte de Uzias, provavelmente 762 a.C. Ele viveu até o décimo quarto ano de Ezequias, e muito provavelmente sobreviveu àquele monarca (que morreu o 698 a.C.), e pode ter sido contemporâneo por alguns anos com Manassés. Assim Isaías pode ter profetizado por um longo período de pelo menos sessenta e quatro anos.

Seu primeiro chamado para o ofício profético não está registrado. Um segundo chamado veio a Isaías “no ano em que o rei Uzias morreu” (Is 6:1). Ele desempenhou seu ministério com incondicional espírito de firmeza e ousadia a respeito de tudo o que envolvia os interesses da religião. Ele não escondeu ou reteve nada por ter medo do homem. Era também conhecido pela sua espiritualidade e pela sua profunda reverência para com “o Santo de Israel”.

No começo da juventude, Isaías deve ter sido tocado pela invasão de Israel pelo monarca assírio Pul (2Rs 15:19); e novamente, vinte anos depois, quando já tinha iniciado o seu ministério, pela invasão de Tiglate-Pileser e sua trajetória de conquista. Acaz, rei de Judá, nesta crise se recusou a cooperar com os reis de Israel e da Síria em oposição aos assírios, e foi por essa razão atacado e derrotado por Rezim de Damasco e Peca de Samaria (2Rs 16:5; 2Cr 28:5-6). Acaz, assim humilhado, tomou partido da Assíria, e procurou a ajuda de Tiglate-Pileser contra Israel e a Síria. A consequência foi que Rezim e Peca foram conquistados e muitos do povo levaram cativos para a Assíria (2Rs 15:29; 16:9; 1Cr 5:26). Pouco depois, Salmaneser decidiu dominar totalmente o reino de Israel. Samaria foi tomada e destruída (722 a.C). Enquanto Acaz reinou, o reino de Judá foi ignorado pelo poder assírio; mas na sua chegada ao trono, Ezequias (726 a.C), que “se rebelou contra o rei da Assíria” (2Rs 18:7), no qual ele foi encorajado por Isaías, que exortou o povo a colocar toda a sua dependência em Jeová (Is 10:24; 37:6), entrou em aliança com o rei do Egito (Is 30:2-4). Isto levou o rei da Assíria a ameaçar o rei de Judá, e a invadir a terra. Senaqueribe (701 a.C) liderou um exército poderoso na Palestina. Ezequias reduziu-se ao desespero, e se submeteu aos assírios (2Rs 18:14-16). Mas depois de um breve intervalo a guerra eclodiu novamente, e mais uma vez Senaqueribe liderou um exército contra a Palestina, um dos quais ameaçou Jerusalém (Is 36:2-22; 37:8). Isaías naquela ocasião encorajou Ezequias a resistir aos assírios (Is 37:1-7), o que levou Senaqueribe a enviar uma carta ameaçadora a Ezequias, que ele “estendeu diante do Senhor” (Is 37:14). O julgamento de Deus então veio sobre o exército assírio. “Como Xerxes na Grécia, Senaqueribe nunca se recuperou do impacto do desastre em Judá. Ele não fez mais expedições contra o sul da Palestina ou o Egito”. Os anos restantes do reinado de Ezequias foram pacíficos (2Cr 32:23,27-29). Isaías provavelmente viveu até o seu final, e possivelmente até o reinado de Manassés, mas o tempo e a forma de sua morte são desconhecidos. Há uma tradição de que ele sofreu martírio na reação pagã no tempo de Manassés.

Adaptado de: Illustrated Bible Dictionary.