Mateus 17

1 Seis dias depois, Jesus tomou consigo Pedro, Tiago, e seu irmão João, e os levou a sós a um monte alto.

Comentário Cambridge

Seis dias depois. Dentro de uma semana da confissão de Pedro. São Lucas tem “cerca de oito dias depois”, de acordo com o cálculo judaico comum, pelo qual cada parte de um dia é contada como um dia.

Pedro, Tiago, e seu irmão João] Os três que foram escolhidos para estar com seu Mestre em duas outras ocasiões, (1) a ressurreição da filha de Jairo, (2) a agonia no Jardim do Getsêmani.

a um monte alto] Um contraste se sugere, entre esta montanha do Reino de Deus e a montanha dos reinos do mundo, cap. Mateus 4:8.

Uma antiga tradição colocou a cena da Transfiguração no Monte Tabor. Sabe-se, porém, que o cume do Tabor era nessa época ocupado por uma fortaleza, e não há indícios de que Jesus estivesse naquele bairro. Muitos consideram um dos esporões do Hermon coberto de neve como o local mais provável. Cæsarea Philippi, a última localidade nomeada, encontra-se sob Hermon, e seu cintilante cone de neve pode ter sugerido a expressão em Marcos “muito branca como a neve”, se, de fato, as palavras “como a neve” forem admitidas no texto. [Cambridge, aguardando revisão]

2 Então transfigurou-se diante deles; seu rosto brilhou como o sol, e suas roupas se tornaram brancas como a luz.

Comentário Cambridge

transfigurou-se diante deles] Lucas menciona que isso foi “enquanto Ele orava”. A mudança glorificada pode ser ilustrada por Marcos 16:12, “Ele apareceu em outra forma a dois deles.” A palavra implica mais do que uma mudança de mera aparência externa.

como a luz] Uma dica de que a Transfiguração ocorreu à noite, o que também é provável pela declaração de Lucas de que os três apóstolos estavam “pesados de sono”, que “se mantiveram acordados”, que desceram “no dia seguinte, ” CH. Mateus 9:32; Mateus 9:37. [Cambridge, aguardando revisão]

3 E eis que lhes apareceram Moisés e Elias, falando com ele.

Comentário Cambridge

Moisés e Elias. Os representantes da Lei e dos Profetas. Toda a história da Igreja Judaica é apresentada em um relance, por assim dizer, diante dos olhos dos apóstolos em sua devida relação com Cristo. Lucas nomeia o assunto da conversa:eles “falavam da sua morte que ele havia de cumprir em Jerusalém” (Mateus 9,31). [Cambridge, aguardando revisão]

4 Pedro, então, disse a Jesus:Senhor, bom é para nós estarmos aqui. Se queres, farei aqui três tendas:uma para ti, uma para Moisés, e uma para Elias.

Comentário Cambridge

Se queres, farei] Leia, com os melhores munuscritos, “deixe-me fazer”. A transição para o singular está de acordo com o temperamento de Pedro; ele gostaria de fazer os tabernáculos. – Meyer. Por “tabernáculos” entendem-se pequenas cabanas feitas de galhos de árvores ou arbustos. [Cambridge, aguardando revisão]

5 Enquanto ele ainda estava falando, eis que uma nuvem brilhante os cobriu. E eis que uma voz da nuvem disse:Este é o meu Filho amado, em quem me agrado; a ele ouvi.

Comentário Cambridge

Este é o meu Filho amado, em quem me agrado] palavras que recordam o batismo de Jesus; Mateus 3:17. [Cambridge, aguardando revisão]

6 Quando os discípulos ouviram, caíram sobre seus rostos, e tiveram muito medo.

Comentário Barnes

caíram sobre seus rostos. Eles entraram na nuvem, ou a nuvem os envolveu, Lucas 9:34. “Eles estavam, portanto, com medo.” Eles ficaram maravilhados com a presença de Deus e prostraram-se em adoração solene no chão, e seus temores foram removidos apenas pela voz de seu amado Mestre. Nenhum homem pode ver Deus e viver; e é apenas a glória de Deus, ao brilhar na face de Cristo (ver 2Coríntios 4:6), que os mortais podem suportar. [Barnes, aguardando revisão]

7 Jesus se aproximou deles, tocou-os, e disse:Levantai-vos, e não tenhais medo.

Comentário Ellicott

Jesus se aproximou deles, tocou-os. Atos e palavras expressavam uma ternura quase fraterna. O toque da mão que tantas vezes agarraram – como, por exemplo, em Mat. 14:31 – as palavras familiares que trouxeram coragem aos seus corações desmaiados na hora do perigo (Mat. 14:27), essas palavras os trazem de volta às realidades da vida. Eles não precisam temer a glória da Presença divina, pois Ele ainda está com eles como sua manifestação mais perfeita. [Ellicott, aguardando revisão]

8 E quando eles levantaram seus olhos, não viram a ninguém, a não ser a Jesus somente.

Comentário Ellicott

As palavras, como fazem com o “Não tenha medo”, implicam um contraste marcante com a expressão precipitada de Pedro. Não era “bom” para homens frágeis como eles permanecerem por muito tempo na glória imediata da Presença. Foi um alívio ver “somente Jesus” com eles, como costumavam vê-lo. Portanto, em nossas próprias vidas, os momentos de êxtase espiritual são poucos e distantes entre si, e é bom para nós que assim seja, e que devamos ser deixados para levar a fragrância e o poder de sua memória para o trabalho de nossa vida comum , e a luz do nosso dia comum.

Pode não ser errado dizer algumas palavras sobre a credibilidade de uma narrativa que é em si mesma tão maravilhosa e que tantas vezes foi exposta aos ataques de uma crítica hostil. E (1) é óbvio que o que é comumente conhecido como o método racionalista de interpretação é totalmente inaplicável aqui. A narrativa dos evangelistas não pode, por nenhum artifício, ser reduzida a uma versão colorida de algum fenômeno natural sujeito a leis conhecidas. Se aceito, deve ser aceito como pertencente à região do sobrenatural. (2) A chamada teoria mítica, que vê em tais narrativas o pós-crescimento puramente lendário das fantasias oníricas de uma época posterior, é obviamente possível aqui, como é possível onde quer que a crítica arbitrária que postula a incredibilidade do o sobrenatural escolhe aplicá-lo; mas pode, pelo menos, ser instado contra sua aplicação neste caso que não havia nada nas expectativas judaicas do Messias que pudesse sugerir tal lenda, e que as circunstâncias relacionadas a ela são tais (por exemplo, sua associação com a de nosso Senhor sofrimentos, e a expressão estranha e abrupta de Pedro) como dificilmente se sugeririam à imaginação popular ou à de uma mente individual. (3) A posição que ocupa tanto no ministério de nosso Senhor quanto no treinamento espiritual dos discípulos, enquanto, por um lado, eleva a Transfiguração acima da região de uma mera maravilha, é, pode-se insistir novamente, tal como não era provável que ocorresse a um simples amante do maravilhoso. (4) Por último, a linguagem de Joh. 1:14 e (embora com menos certeza, devido à dúvida que paira sobre a genuinidade dessa epístola) de 2Pe. 1:16, pode certamente ser permitido algum peso probatório, como sendo da natureza da referência alusiva a um fato que os escritores tomam como dado como geralmente conhecido. Além da referência direta de São Pedro, notamos a recorrência das palavras “morte”, “tabernáculo”, conforme sugerido por ela (2Pe. 1:13; 2Pe. 1:15). [Ellicott, aguardando revisão]

9 E enquanto desciam do monte, Jesus lhes disse a seguinte ordem:Não conteis a visão a ninguém, até que o Filho do homem seja ressuscitado dos mortos.

Comentário Cambridge

a visão] = “o que viram” (Marcos); “As coisas que tinham visto” (Lucas). [Cambridge, aguardando revisão]

10 E os discípulos lhe perguntaram:Por que, então, os escribas dizem que Elias tem que vir primeiro?

Comentário Cambridge

A verdade da ressurreição era nova para os discípulos, veja Marcos 9:10. “Se tu és o Messias”, dizem eles, “e ressuscitarás dentre os mortos, certamente os escribas estão errados ao ensinar que Elias deve preceder o Messias”.

Jesus mostra que a profecia de Mal 4:5 foi cumprida em João Batista. Outros afirmam que as palavras de nosso Senhor não significam necessariamente isso, mas que a predição de Malaquias, embora parcialmente cumprida em João Batista, deveria ter um cumprimento mais literal antes da segunda vinda de Cristo. [Cambridge, aguardando revisão]

11 Jesus lhes respondeu:Em verdade Elias virá primeiro, e restaurará todas as coisas.

Comentário Cambridge

restaurar todas as coisas] Restaurar é estritamente trazer de volta a uma perfeição perdida, então desenvolver, elevar, introduzir uma época mais pura e nobre; aqui especialmente para proclamar o reino de Deus. Cp. Atos 1:6 e cap. Mateus 19:28. [Cambridge, aguardando revisão]

12 Digo-vos, porém, que Elias já veio, mas não o reconheceram. Em vez disso fizeram dele tudo o que quiseram. Assim também o Filho do homem sofrerá por meio deles.

Comentário Cambridge

não o reconheceram] não o reconheceram como o Elias profetizado por Malaquias. [Cambridge, aguardando revisão]

13 Então os discípulos entenderam que ele lhes falara a respeito de João Batista.

Comentário Schaff

lhes falara a respeito de João Batista. Nosso Senhor se referiu a João, mas isso não esgota o significado da profecia de Malaquias. As passagens sobre o assunto indicam fortemente outra aparição de Elias (seja a mesma pessoa ou não, é claro, desconhecido para nós) antes da segunda vinda de Cristo, para fazer um trabalho preparatório semelhante. Em todo grande movimento espiritual, deve haver alguém que preceda “no espírito e poder de Elias”. [Schaff, aguardando revisão]

14 E quando chegaram à multidão, veio a ele um homem, que se ajoelhou diante dele, e disse:

Comentário de David Brown

O tempo desta seção é suficientemente denotado pelos eventos que todas as narrativas mostram ter precedido imediatamente – o primeiro anúncio explícito de Sua morte e a transfiguração – ambos entre a terceira e a quarta e última Páscoa. [JFB, aguardando revisão]

15 Senhor, tem misericórdia do meu filho, que é epilético, e sofre muito mal; porque cai muitas vezes no fogo, e muitas vezes na água.

Comentário Cambridge

que é epilético] Este é o único caso especial de cura no caso de um lunático. Eles são mencionados como uma classe, cap. Mateus 4:24. A palavra significa literalmente “afetado pelas mudanças da lua”. Parece haver alguma verdade na noção de que há um acesso de mania no momento das mudanças lunares.

Marcos descreve a criança como espumando, rangendo os dentes e definhando. Lucas menciona que ele “clama”. Todos esses eram sintomas epilépticos; “A criança era um lunático epiléptico possesso”. [Cambridge, aguardando revisão]

16 E eu o trouxe aos teus discípulos, mas não o puderam curar.

Comentário do Púlpito

E eu o trouxe aos teus discípulos. Ele viera com a multidão, na esperança de encontrar Jesus e, desapontado, pediu aos nove para aliviar sua miséria. Quando os apóstolos foram enviados com a comissão de curar os enfermos, eles voltaram com alegria para relatar o sucesso de sua viagem:eles expulsaram muitos demônios; eles notaram com alegre surpresa que os próprios demônios estavam sujeitos a eles em Nome de Jesus (Mateus 10:1; Lucas 10:17). Era diferente agora.

mas não o puderam curar. Que meios eles usaram, não sabemos; de qualquer forma, eles eram ineficazes. Os escritores que registram a falha devem ser honestos e verdadeiros. Houve muito para deprimir esses discípulos. Seu Mestre estava ausente, eles não sabiam para onde; por quanto tempo ele ficaria fora, eles não sabiam; os mais ousados ​​e confiáveis ​​de sua companhia não estavam mais presentes para animá-los com simpatia, para repelir ataques, para se apresentarem como campeões. A descrença intransigente dos escribas (9:16 de março) havia, por enquanto, obscurecido sua própria confiança perfeita; a atmosfera de infidelidade havia afetado sua própria respiração; a memória das palavras de Cristo a respeito de sua Paixão e morte voltou com efeito desanimador, infundindo dúvida e inquietação; eles perderam naquele momento o ardor e a confiança que os animara em sua primeira missão; retendo a fé nas reivindicações de Cristo, eles hesitaram em relação à sua própria capacidade; e a fraqueza consciente em seu exorcismo anulou seu poder, e eles não puderam fazer nenhuma obra poderosa. [Pulpit, aguardando revisão]

17 Jesus respondeu:Ó geração incrédula e perversa! Até quando estarei convosco? Até quando vos suportarei? Trazei-o a mim aqui.

Comentário de David Brown

Até quando estarei ainda convosco? Até quando vos suportarei? – É para nós surpreendente que alguns intérpretes, como Crisóstomo e Calvino, representem essa repreensão como dirigida, não aos discípulos, mas aos escribas que disputaram com eles. A maioria dos expositores consideram que esta repreensão foi endereçada a ambos, o que não resolve muito o assunto. Porém, com Bengel, De Wette e Meyer, consideramos ela como dirigida diretamente aos nove apóstolos que foram incapazes de expulsar esse espírito maligno. E embora, ao atribuir essa incapacidade à ‘falta de fé’ e à ‘perversão de espírito’ que eles haviam absorvido em seu treinamento inicial, a repreensão, sem dúvida, se aplicaria, com força muito maior, àqueles que censuraram os pobres discípulos com sua incapacidade; seria mudar toda a natureza da repreensão para supor que se dirigisse àqueles que não tinham fé alguma e eram totalmente pervertidos. Foi porque a fé suficiente para curar este jovem foi esperada dos discípulos, e porque eles deveriam ter se livrado da perversidade em que haviam sido criados que Jesus os expõe assim diante do restante. E quem não vê que isso estava preparado, mais do que qualquer outra coisa, para impressionar os espectadores sobre a grande elevação do treinamento que Ele estava dando aos Doze?

Trazei-o a mim – A ordem para levar o paciente a Ele foi instantaneamente obedecida; quando eis! como se consciente da presença de seu Divino Tormentador, e esperando ser obrigado a desistir, o espírito sujo se enfurece e fica furioso, determinado a morrer, fazendo todo o mal que pode a esta pobre criança enquanto ainda está ao seu alcance.[JFU]

18 E Jesus o repreendeu. Então o demônio saiu dele, e o menino sarou desde aquela hora.

Comentário Ellicott

o menino sarou. Marcos 9:21 implica, como de fato o grego faz aqui, que o sofredor ultrapassou a idade da infância. Marcos dá as palavras da repreensão:”Tu, espírito mudo e surdo, eu te ordeno, sai dele e não entre mais nele.” Isso foi seguido por um grande grito e outra convulsão; então ele caiu, “por assim dizer, morto”, e muitos gritaram:“Ele está morto”. Então Jesus o tomou pela mão, e o levantou, e a obra de cura foi realizada. Calma, paz e autodomínio eram vistos em vez da agonia convulsiva. O poder espiritual do Curador venceu a força, seja mórbida ou demoníaca, que era a causa de seus sofrimentos. As palavras de nosso Senhor, dificilmente precisa ser dito, assumem que foi o último; e aqueles que negam a realidade da possessão devem, por sua vez, presumir que Ele compartilhava a crença do povo, ou a aceitava porque não foram capazes de receber qualquer outra explicação dos misteriosos sofrimentos que testemunharam. Cada hipótese apresenta suas próprias dificuldades, e podemos muito bem nos contentar em confessar nossa incapacidade de resolvê-las. (Ver nota sobre Mat. 8:28.) Falando de maneira geral, a linguagem do Novo Testamento parece reconhecer, se não em todas as doenças, pelo menos em tudo que perturba o equilíbrio moral da natureza do homem, uma infração da ordem divina e, portanto, vê com razão neles a obra, direta ou indiretamente, do grande antagonista dessa ordem. Todas as obras de misericórdia de nosso Senhor são resumidas por Pedro nas palavras que “Ele andou fazendo o bem e curando todos os oprimidos do diabo” (Atos 10:38), e nesta suposição os fenômenos particulares de cada caso foi logicamente atribuído a forças demoníacas. [Ellicott, aguardando revisão]

19 Depois os discípulos se aproximaram de Jesus em particular, e perguntaram:Por que nós não o pudemos expulsar?

Comentário do Púlpito

em particular. Jesus havia se retirado para uma casa (Marcos) quando os discípulos foram até ele. A pergunta que eles desejavam fazer era algo que não poderia ser investigado na presença da multidão zombeteira e incrédula.

Por que nós não o pudemos expulsar? Eles sentiram profundamente sua impotência e fracasso, tão publicamente e dolorosamente exibidos, especialmente porque receberam o poder de expulsar demônios, e exerceram com sucesso essa autoridade (Lucas 10:17). A repreensão do Senhor (Mateus 17:17) passou por cima de suas cabeças e não foi entendida como aplicável a eles mesmos. Portanto, foi com certa amargura que fizeram a pergunta. Os nove não tiveram permissão de testemunhar a Transfiguração; eles nem mesmo deveriam ser informados dessa transação maravilhosa no momento. Era necessária mais preparação, maior receptividade, antes que estivessem em condições de serem admitidos em todos os mistérios do reino. Eles ainda tinham muito que aprender, ainda eram apenas alunos, e seu fracasso tardio foi permitido para ajudá-los a alcançar o autoconhecimento e uma entrega mais completa. [Pulpit, aguardando revisão]

20 E Jesus lhes respondeu:Por causa da vossa pouca fé; pois em verdade vos digo, que se tivésseis fé como um grão de mostarda, diríeis a este monte:“Passa-te daqui para lá”, E ele passaria. E nada vos seria impossível.

Comentário Barnes

como um grão de mostarda. Veja as notas em Mateus 13:31-32. A semente de mostarda era a menor de todas as sementes conhecidas. Alguns supuseram, portanto, que Jesus queria dizer:Se você tem a menor ou mais fraca fé que é genuína, você pode fazer todas as coisas. A semente de mostarda produzia a maior de todas as ervas conhecidas. Foi suposto por outros, portanto, que o significado é, se você tem uma fé crescente, em expansão, crescendo e se fortalecendo desde pequenos começos, pode realizar a obra mais difícil. Há um princípio de vitalidade no grão da semente que se estende a grandes resultados, o que ilustra a natureza da fé. Sua fé deveria ser assim. Este é provavelmente o verdadeiro significado.

diríeis a este monte. Provavelmente ele apontou para uma montanha próxima, para assegurar-lhes que, se tivessem tal fé, poderiam realizar as obras mais difíceis – coisas que a princípio pareceriam impossíveis. [Barnes]

Comentário Whedon

Por causa da vossa pouca fé. Durante a ausência de seu Senhor, os discípulos parecem ter se tornado, por assim dizer, secularizados.

se tivésseis fé como um grão de mostarda. Ou seja, em tamanho; em contraste com o tamanho da montanha que é capaz de mover.

este monte – esta fé, seja ela lembrada, supõe uma concordância entre Deus e o homem. Da parte de Deus, uma missão ou dever atribuído ao homem, para o qual o poder da fé é concedido; e sem isso, a verdadeira fé é impossível. Da parte do homem deve ser exercido todo o poder de fé concedido, pelo qual ele põe em prática o ato, ou segue o rumo que se abre no caminho do dever diante dele. Quando estas duas coisas se combinam, é literalmente verdade que tudo é possível. Se a missão do homem for remover os Andes para o Pacífico, isso pode ser feito. Se não houver dever, não pode haver fé verdadeira para ele; e a tentativa de fazê-lo não seria fé, mas vontade própria imprudente. Deus não dá a nenhum homem a fé com a qual possa brincar fazendo coisas milagrosas. Por outro lado, se houver o dever e o poder de fé dado por Deus, e ainda assim não for exercido com toda a força do coração e a firme confiança em Deus que sabe que a impossibilidade será feita, nenhum milagre se seguirá. Isto os discípulos não tinham, nem mesmo a quantidade de um grão de mostarda; e a quantidade de um grão de mostarda poderia ter cumprido sua missão tão facilmente quanto minha mão move uma caneta. Sem dúvida, muitos cristãos agora vivem com fé suficiente para remover verdadeiras montanhas materiais, se Deus tivesse algum trabalho para ele. No entanto, pode-se presumir com segurança que nosso Senhor usou a palavra montanha, bem como a semente de mostarda por meio da figura. Ele pode tê-la usado como Isaías 40:4, profetiza que “todo vale será exaltado, e toda montanha será abaixada”. Ou como Zacarias 4:7, declara que “a grande montanha desaparecerá antes de Zerubabel”. [Whedon]

21 Mas este tipo de demônio não sai, a não ser por oração e jejum.

Comentário de David Brown

Isto é, como quase todos os bons intérpretes concordam, “esse tipo de espírito maligno não pode ser expulso”, ou “tão terrível caso de possessão demoníaca não pode ser curado, senão pela oração e pelo jejum”. Mas já que o próprio Senhor diz que Seus discípulos não podiam jejuar enquanto estavam com ele, talvez isso fosse planejado, como sugere Alford, para sua orientação posterior – a menos que o considerássemos como uma maneira definida de expressar a verdade geral, de que deveres grandes e difíceis exigem preparação e abnegação especiais. Mas a resposta à sua pergunta, como dada em Mateus 17:20 é mais completa:“E Jesus lhes respondeu:Por causa da vossa incredulidade; pois em verdade vos digo, que se tivésseis fé como um grão de mostarda, diríeis a este monte:“Passa-te daqui para lá”, E ele passaria. E nada vos seria impossível” (Mateus 17:20). Veja em Marcos 11:23. Embora nada seja impossível à fé, no entanto, o nível de fé necessário para tais triunfos não pode ser alcançado num instante ou sem esforço – quer com Deus em oração ou conosco mesmos em exercícios de abnegação. Lucas (Lucas 9:43) acrescenta:“E todos ficaram perplexos com a grandeza de Deus” – “na majestade” ou “poder de Deus”, neste último milagre, na Transfiguração, etc .; ou, na grandeza divina de Cristo levantando-se sobre eles diariamente. [JFB]

Segundo anúncio de sua morte

22 E enquanto eles reuniam-se na Galileia, Jesus lhes disse:O Filho do homem será entregue em mãos de homens.

Comentário de David Brown

E enquanto eles reuniam-se na Galileia, Jesus lhes disse – Marcos (Marcos 9:30), como de costume, é muito preciso aqui:“E partiram” – isto é, da cena do último milagre – “e passaram por Galileia; e não quis que alguém conhecesse ”. Portanto, esta não foi uma pregação, mas uma viagem privada pela Galileia. De fato, Seu ministério público na Galileia estava praticamente concluído. Embora Ele tenha enviado os Setenta para pregar e curar, Ele mesmo estava pouco mais em público ali, e logo estava prestes a dar um último adeus. Até esta hora chegou, Ele estava ocupado principalmente com os Doze, preparando-os para os próximos eventos.

O Filho do homem será entregue em mãos de homens … E eles ficaram extremamente tristes – Embora o choque não fosse tão grande como no primeiro anúncio (Mateus 16:21-22), a sua “tristeza” não seria quanto menos, mas provavelmente maior, mais profunda a inteligência penetrava em seus corações e uma nova onda se lançava sobre eles com essa repetição das notícias pesadas. Consequentemente, Lucas (Lucas 9:43-44), conectando-a com a cena do milagre que acabamos de registrar, e o ensino que surgiu dela – ou possivelmente com todos os Seus ensinamentos recentes – diz que nosso Senhor preveniu os Doze que eles logo precisariam de todo esse ensinamento:“Mas, enquanto admiravam a respeito de tudo o que Jesus fazia, Ele disse a Seus discípulos:Que essas palavras caiam em seus ouvidos; porque o Filho do Homem será liberto ”, etc.:“ Não te deixes levar pela grandeza que tens visto ultimamente em Mim, mas lembra-te do que eu te disse, e agora te digo novamente que aquele Sol em cujos raios ye agora rejubilar é logo para definir na meia-noite melancolia. “Notável é a antítese nas palavras de nosso Senhor preservado em todas as três narrativas -” O filho do homem será entregue nas mãos dos homens. “Lucas acrescenta (Lucas 9:45) que “eles não entenderam esta afirmação, e foi escondida deles, que eles não a perceberam” – pois as afirmações mais claras, quando se deparam com preconceitos prolongados e obstinados, são vistas através de um meio distorcido e entorpecedor – “e temia perguntar-lhe ”; dissuadido em parte pelo ar de sublime tristeza com o qual, sem dúvida, esses ditos eram proferidos, e sobre os quais relutavam em entrar, e em parte pelo medo de se abrirem para repreender por sua superficialidade e timidez. Quão inocente é tudo isso! [JFB, aguardando revisão]

23 E o matarão, e ele será ressuscitado ao terceiro dia. E eles se entristeceram muito.

Comentário Ellicott

E eles se entristeceram muito. Marcos (Marcos 9:32) e Lucas (Lucas 9:45) acrescentam que “eles não entenderam a palavra; estava escondido deles, para que não o percebessem; ” e que “eles estavam com medo de perguntar a Ele”. Sua tristeza era vaga e turva, e eles se esquivaram daquilo que poderia torná-la mais definida. [Ellicott, aguardando revisão]

24 E quando entraram em Cafarnaum, os cobradores da taxa de duas dracmas vieram a Pedro, e perguntaram:Vosso mestre não paga as duas dracmas?

Comentário de David Brown

E quando entraram em Cafarnaum, os cobradores da taxa de duas dracmas – uma soma para a manutenção do templo e seus serviços, por todo homem judeu de vinte anos de idade para cima. Para a origem deste imposto anual, veja Êxodo 30:13-14; 2Crônicas 24:6,9. Assim, será observado, não foi um imposto civil, mas eclesiástico. O imposto mencionado em Mateus 17:25 era civil. Todo o ensinamento dessa cena extraordinária depende dessa distinção.

vieram a Pedro – em cuja casa Jesus provavelmente residia enquanto estava em Cafarnaum. Isso explica várias coisas na narrativa.

e perguntaram:Vosso mestre não paga as duas dracmas? A pergunta parece implicar que o pagamento deste imposto era voluntário, mas esperado; ou o que, em frase moderna, seria chamado de ” contribuição voluntária”. [JFB]

Comentário Whedon

os cobradores da taxa de duas dracmas. Eles não eram os coletores de impostos romanos, caso contrário eles não teriam deixado a questão em aberto. Este dinheiro de tributo era uma contribuição dos judeus para a manutenção dos serviços do templo. Foi ordenado por Deus, através de Moisés, Êxodo 30:11-16) e correspondia (Êxodo 38:26) a meio siclo.

vieram a Pedro. O temor que eles tinham de nosso Senhor não lhes permitiu aproximar-se dele com o assunto. [Whedon]

25 Ele respondeu:Sim. Quando ele entrou em casa, Jesus o antecipou, dizendo:Que te parece, Simão? De quem os reis da terra cobram tributos ou taxas? Dos seus filhos, ou dos outros?

Comentário de David Brown

Ele respondeu:Sim – q.d., ‘Para ter certeza que Ele faz;’ como se estivesse ansioso para remover até mesmo a suspeita do contrário. Se Pedro sabia – como certamente sabia – que naquele momento não havia dinheiro na bolsa, essa resposta deve ser considerada um grande ato de fé em seu Mestre.

dizendo:Que te parece, Simão? (usando seu nome de família para familiaridade) De quem os reis da terra cobram tributos [telee – significando alfândega sobre mercadorias exportadas ou importadas] – ou taxas? [keenson, da palavra latina censo] – significando o tributo pagável aos romanos por todos cujo nome estava no ‘censo’. Portanto, deve-se observar, tratava-se de um tributo estritamente civil.

Dos seus filhos, ou dos outros? Isso não pode significar ‘estrangeiros’, dos quais soberanos certamente não aumentam impostos, mas ‘aqueles que não são de sua própria família’, ou seja, seus súditos. [JFU, aguardando revisão]

26 Pedro respondeu:Dos outros. Jesus lhe disse:Logo, os filhos são livres de pagar.

Comentário de David Brown

Pedro respondeu:Dos outros – “daqueles que não são seus filhos”.

Jesus lhe disse:Logo, os filhos são livres de pagar – Por “os filhos” nosso Senhor não pode aqui significar a Si mesmo e os Doze juntos, em algum sentido frouxo de seu relacionamento próximo com Deus como seu Pai comum. Pois, além disso, nosso Senhor nunca se mistura com seus discípulos ao falar de sua relação com Deus, mas sempre estuda cuidadosamente Sua relação e a deles (ver, por exemplo, as últimas palavras deste capítulo) – isso seria ensinar o direito dos crentes à isenção das dívidas exigidas para os serviços sagrados, nos dentes de tudo o que Paulo ensina e que Ele mesmo indica por toda parte. Ele pode se referir aqui, então, somente a si mesmo; usando a palavra “filhos” evidentemente para expressar o princípio geral observado pelos soberanos, que não tiram impostos de seus próprios filhos, e assim transmitem a verdade a respeito de Sua própria isenção de forma mais impressionante:- a saber, “Se o soberano a própria família fica isenta, você conhece a inferência no Meu caso ”; ou para expressá-lo mais claramente do que Jesus achava necessário e apropriado:“Este é um imposto para sustentar a casa de Meu Pai. Como Seu Filho, então, esse imposto não é devido por Mim – Eu Sou Freecaps0 ”. [JFB, aguardando revisão]

27 Mas para não os ofendermos, vai ao mar, e lança o anzol. Toma o primeiro peixe que subir, e quando lhe abrir a boca, acharás uma moeda de quatro dracmas. Toma-a, e dá a eles por mim e por ti.

Comentário de David Brown

Mas para não os ofendermos (ou ‘tropecem’) – todos ignorantes como são de Minha relação com o Senhor do Templo, e interpretemos mal uma reivindicação de isenção para indiferença à Sua honra que nele habita.

vai ao mar (Cafarnaum, deve-se lembrar, põe-se no mar da Galiléia), e lança o anzol. Toma o primeiro peixe que subir, e quando lhe abrir a boca, acharás uma moeda – ‘um stater.’ Portanto, deveria ter sido renderizado, e não indefinidamente, como em nossa versão; porque a moeda era uma moeda de prata ática, igual a dois dos “didracmos” mencionados anteriormente com o valor de meio siclo e, portanto, era a soma exata exigida para ambos. Assim, o Senhor acrescenta, Toma-a, e dá a eles por mim e por ti [anti emou kai sou] – literalmente, ‘em vez de Mim e ti’; talvez porque o pagamento foi uma redenção da pessoa paga (Êxodo 30:12) – em cujo ponto de vista Jesus certamente era “livre”. Se a casa era de Pedro, isso contabilizará o pagamento feito nesta ocasião, não para um dos Doze, mas apenas para ele e Seu Senhor. Observe, nosso Senhor não diz “por nós”, mas “por mim e por ti”; distinguindo assim o Isento e Seu discípulo não isento. (Veja a nota em João 20:17.) [JFU, aguardando revisão]

<Mateus 16 Mateus 18>

Visão geral de Mateus

No evangelho de Mateus, Jesus traz o reino celestial de Deus à terra e, por meio da sua morte e ressurreição, convoca os seus discípulos a viverem um novo estilo de vida. Tenha uma visão geral deste Evangelho através deste breve vídeo (em duas partes) produzido pelo BibleProject.

Parte 1 (9 minutos).

🔗 Abrir vídeo no Youtube.

Parte 2 (8 minutos).

🔗 Abrir vídeo no Youtube.

Leia também uma introdução ao Evangelho de Mateus.

Todas as Escrituras em português citadas são da Bíblia Livre (BLIVRE), Copyright © Diego Santos, Mario Sérgio, e Marco Teles – fevereiro de 2018.