Bíblia, Revisar

Marcos 5

Aviso Quer estudar a Bíblia e não sabe por onde começar? Conheça o nosso curso: Como Estudar a Bíblia? Ele é gratuito, online e pode ser iniciado agora mesmo! Clique aqui e saiba mais.


Mc 5: 1-20. Cura gloriosa do endemoniado de Gadarene.

1 E chegaram ao outro lado do mar, à terra dos Gerasenos.
2 Assim que Jesus saiu do barco, veio das sepulturas ao seu encontro um homem com um espírito imundo,

(veja Mc 5:6).

um homem com um espírito imundo – “que tinha demônios muito tempo” (Lc 8:27). Em Mateus (Mt 8:28), “encontrou-se com ele dois homens possuídos de demônios”. Embora não haja discrepância entre essas duas afirmações – mais do que entre duas testemunhas, uma das quais testifica algo feito por uma pessoa, enquanto a outra Afirma que havia dois – é difícil ver como os principais detalhes aqui fornecidos poderiam se aplicar a mais de um caso.

3 que morava nas sepulturas, e nem mesmo com correntes conseguiam mais prendê-lo;

que morava nas sepulturas – Lucas (Lc 8:27) diz: “Ele não usa roupas, nem fica em casa alguma”. Esses túmulos foram escavados nas cavernas rochosas da localidade e serviram para abrigos e locais à espreita. (Lc 8:26)

4 pois muitas vezes fora preso com grilhões e correntes; mas as correntes eram por ele feitas em pedaços, os grilhões eram esmigalhados, e ninguém o conseguia controlar.

Lucas diz (Lc 8:29) que “muitas vezes [o espírito imundo] o pegou”; e depois de mencionar como eles tinham tentado em vão amarrá-lo com correntes e grilhões, porque “ele quebra as algemas”, ele acrescenta, “e foi conduzido do diabo [demônio] para o deserto”. O poder tirano escuro pelo qual ele foi segurado o vestiu com força sobre-humana e o fez desprezar contenção. Mateus (Mt 8:28) diz que ele era “excessivamente feroz, para que ninguém passasse por aquele caminho”. Ele era o terror de toda a localidade.

5 E sempre dia e noite andava gritando pelas sepulturas e pelos montes, e ferindo-se com pedras.

Por mais terrível que ele fosse para os outros, ele mesmo suportou miséria incontável, que buscava alívio em lágrimas e tortura autoinfligida.

6 Quando ele viu Jesus de longe, correu e prostrou-se diante dele.

– não com a espontaneidade que diz a Jesus: “Traga-me, nós correremos atrás de ti”, mas internamente compelido, com tremenda rapidez, perante o Juiz, a receber sentença de expulsão.

7 E gritou em alta voz: Que tenho eu contigo Jesus, Filho do Deus Altíssimo? Imploro-te por Deus que não me atormentes.

ou, como em Mt 8:29, “és chegado a nos atormentar antes do tempo?” (Veja Mc 1:24). Contemple o atormentador antecipando, temendo e suplicando a isenção do tormento! Em Cristo eles discernem seu Destruidor destinado; o tempo, eles sabem, é fixo, e eles se sentem como se já viessem! (Tg 2:19)

8 (Pois Jesus havia lhe dito: “Sai deste homem, espírito imundo”.)

Pois Jesus havia lhe dito – isto é, antes que o espírito imundo clamasse.

“Sai deste homem, espírito imundo” – Normalmente, a obediência a um comando dessa natureza era imediata. Mas aqui, um certo atraso é permitido para manifestar o poder de Cristo e realizar seus propósitos.

9 Então perguntou-lhe: Qual é o teu nome? E respondeu: Legião é o meu nome, porque somos muitos.

Então perguntou-lhe: Qual é o teu nome? – O objetivo desta questão foi extorquir um reconhecimento da virulência do poder demoníaco pelo qual esta vítima foi cativada.

E respondeu: Legião é o meu nome, porque somos muitos – ou, como em Lucas (Lc 8:30) “porque muitos demônios [demônios] foram entraram nele.” Uma legião, no exército romano, ascendeu, em seu complemento total, para seis mil; mas aqui a palavra é usada, como tais palavras conosco, e até mesmo esta, por um número indefinidamente grande – grande o suficiente, no entanto, para apressar, assim que a permissão fosse dada, em dois mil porcos e destruí-los.

10 E rogava-lhe muito que não os expulsasse daquela terra.

O pedido, será observado, foi feito por um espírito, mas em nome de muitos – “ele implorou a Ele que não os enviasse, etc.” – assim como em Mc 5:9, “ele respondeu que somos muitos”. Mas o que eles querem dizer ao suplicar tão seriamente que não sejam expulsos do país? Sua próxima petição (Mc 5:12) deixará isso claro o suficiente.

11 Havia ali perto do monte uma grande manada de porcos pastando.

Havia ali perto do monte– sim, “para a montanha”, de acordo com o que é claramente a verdadeira leitura. Em Mt 8:30, diz-se que eles estavam “bem longe”. Mas essas expressões, longe de serem inconsistentes, apenas confirmam, por sua precisão, a exatidão minuciosa da narrativa.

uma grande manada de porcos pastando – Dificilmente pode haver qualquer dúvida de que os donos destes eram judeus, pois a eles nosso Senhor tinha agora vindo para oferecer Seus serviços. Isso explicará o que segue.

12 E aqueles demônios rogaram-lhe, dizendo: Manda-nos para aqueles porcos, para que entremos neles.

ver (Mt 8:31).

– Se tivessem falado toda a sua mente, talvez fosse assim: “Se devemos deixar nosso domínio deste homem, nos permita continuar nosso trabalho de travessura de outra forma. que ao entrar nesses porcos e assim destruir a propriedade do povo, poderemos tornar seus corações contra Ti! ”

13 Jesus lhes permitiu. Então aqueles espíritos imundos saíram para entrar nos porcos; e a manada lançou-se abaixo no mar; (eram quase dois mil) e afogaram-se no mar.

Jesus lhes permitiu – Em Mateus (Mt 8:32) isto é dado com majestosa brevidade – “Vai!” Os donos, se judeus, dirigiam um comércio ilegal; se pagãos insultavam a religião nacional: em ambos os casos, a permissão era justa.

(eram quase dois mil) – O número deles é dado por este evangelista gráfico sozinho.

afogaram-se no mar. (Mt 8:32).

14 Os que os apascentavam fugiram, e avisaram na cidade e nos campos; e as pessoas foram ver o que havia acontecido.

(Mt 8:33).  Assim eles tinham a evidência, tanto dos pastores quanto de seus próprios sentidos, para a realidade de ambos os milagres.

15 Então aproximaram-se de Jesus, e viram o endemoninhado sentado, vestido, e em sã consciência o que tivera a legião; e ficaram apavorados.

Então aproximaram-se de Jesus – Mateus (Mt 8:34) diz: “Eis que toda a cidade saiu ao encontro de Jesus”.

e viram o endemoninhado sentado – “aos pés de Jesus”, acrescenta Lucas (Lc 8:35); em contraste com seus antigos hábitos selvagens e errantes.

vestido– Como o nosso evangelista não nos disse que ele “não tem roupas”, o significado desta declaração só poderia ter sido conjecturado, mas para “o médico amado” (Lc 8:27), que fornece a informação que falta aqui . Este é um caso impressionante do que são chamados de Coincidências Indesejadas entre os diferentes Evangelistas; um deles tomava uma coisa como certa, como era conhecido na época, mas que nunca deveríamos ter conhecido, exceto por um ou mais dos outros, e sem o conhecimento de que algumas de suas declarações seriam ininteligíveis. A roupa que o pobre homem sentiria a falta do momento em que sua consciência voltasse para ele, foi sem dúvida fornecida a ele por alguns dos Doze.

vestido, e em sã consciência o que tivera a legião – mas agora, oh, em que sentido sublime! (Compare um caso análogo, embora diferente, Dn 4:34-37).

e ficaram apavorados – se isso tivesse sido apenas reverência, tinha sido natural o suficiente; mas outros sentimentos, ai! de um tipo mais escuro, logo se mostraram.

16 E os que haviam visto contaram-lhes o que acontecera ao endemoninhado, e sobre os porcos.

Assim eles tinham o duplo testemunho dos pastores e seus próprios sentidos.

17 Então começaram a rogar-lhe que saísse do território deles.

– seriam os donos somente da valiosa propriedade agora perdida para aqueles que fizeram isso? Infelizmente não! Lucas (Lc 8:37) diz: “Então toda a multidão da terra dos gadarenos em redor rogou-lhe que se apartasse deles; porque eles foram levados com grande medo. ”Os maus espíritos tiveram assim, ai! seu objeto. Irritado, o povo não pôde sofrer Sua presença; mas, maravilhados, não se atreviam a ordená-lo; por isso, rogam-lhe que se retire, e – Ele os aceita em sua palavra.

18 Quando Jesus entrava no barco, o que fora endemoninhado rogou-lhe que estivesse com ele.

o coração agradecido, fresco das mãos dos demônios, agarrado ao seu maravilhoso Benfeitor. Quão primorosamente natural!

19 Jesus se recusou, porém lhe disse: Vai para a tua casa, aos teus, e anuncia-lhes quão grandes coisas o Senhor fez contigo, e como teve misericórdia de ti.

Ser missionário para Cristo, na região onde ele era tão conhecido e temido há tanto tempo, era um chamado muito mais nobre do que segui-lo onde ninguém jamais ouvira falar dele, e onde outros troféus não menos ilustres poderiam ser criados pelo mesmo poder e graça.

20 Então ele foi embora, e começou a anunciar em Decápolis quão grandes coisas Jesus havia feito com ele; e todos se admiravam.

Então ele foi embora, e começou a anunciar – não somente entre seus amigos, a quem Jesus imediatamente o enviou, mas

em Decápolis – assim chamado, como sendo uma região de dez cidades. (Veja em Mt 4:25).

grandes coisas Jesus havia feito com ele; e todos se admiravam – Por toda aquela região considerável, este monumento de misericórdia proclamou seu recém-encontrado Senhor; e alguns, é de se esperar, fizeram mais do que “maravilhar-se”.

Mc 5: 21-43. A filha de Jairo ressuscitou para a vida – A mulher com um problema de sangue curado. (= Mt 9: 18-26; Lc 8: 41-56).

Jairo “Filha” (Mc 5: 21-24).

21 Depois de Jesus passar outra vez num barco para o outro lado, uma grande multidão se ajuntou a ele; e ele ficou junto ao mar.

Depois de Jesus passar outra vez num barco para o outro lado – do lado gadareno do lago, onde Ele havia se separado do endemoninhado curado, para o lado oeste, em Cafarnaum.

uma grande multidão se ajuntou a ele – que “de bom grado o receberam; porque todos estavam esperando por ele ”(Lc 8:40). O ensinamento abundante mais cedo naquele dia (Mc 4:1, etc., e Mt 13:1-58) tinha apenas estimulado o apetite do povo: e desapontado, como parece, que Ele os deixou à noite para atravessar o No lago, eles permanecem pendurados na praia, tendo uma sugestão, provavelmente através de alguns de seus discípulos, de que Ele voltaria na mesma noite. Talvez eles tenham testemunhado à distância o repentino acalmar da tempestade. A maré da popularidade do nosso Senhor estava agora subindo rapidamente.

22 E veio um dos líderes de sinagoga, por nome Jairo; e quando o viu, prostrou-se aos seus pés.

E veio um dos líderes de sinagoga – de que classe havia poucos que acreditavam em Jesus (Jo 7:48). Pode-se supor com isso que o governante esteve com a multidão na margem, aguardando ansiosamente o retorno de Jesus, e imediatamente após Sua chegada o havia abordado como aqui relatado. Mas Mateus (Mt 9:18) nos diz que o governante veio a Ele enquanto Ele estava no ato de falar em Sua própria mesa sobre o assunto do jejum; e como devemos supor que esse publicano convertido deveria saber o que aconteceu naquela ocasião memorável em que ele fez uma festa a seu Senhor, concluímos que aqui a ordem correta é indicada apenas pelo Primeiro Evangelista.

Jairo – É o mesmo nome de Jair, no Antigo Testamento (Nm 32:41; Jz 10:3; Et 2:5).

e quando o viu, prostrou-se aos seus pés – em Mateus (Mt 9:18), “o adorou”. O significado é o mesmo em ambos.

23 E implorava-lhe muito, dizendo: Minha filhinha está a ponto de morrer. Rogo-te que venhas pôr as mãos sobre ela, para que seja curada, e viva.

E implorava-lhe muito, dizendo: Minha filhinha – Lucas (Lc 8:42) diz: “Ele teve uma filha única, cerca de doze anos de idade.” De acordo com um rabino bem conhecido, citado por Lightfoot, uma filha, até ela completara doze anos, era chamada de “pequena” ou “pequena serva”; depois disso, “uma jovem mulher”.

está a ponto de morrer – Mateus (Mt 9:18) dá assim: “Minha filha está morta” – “acabou de expirar”. A notícia de sua morte chegou ao pai após a cura da mulher com a questão. de sangue: mas o breve relato de Mateus dá apenas o resultado, como no caso do servo do centurião (Mt 8:5, etc.).

Rogo-te que venhas pôr as mãos sobre ela, para que seja curada, e viva – ou “para que seja curada e viva”, de acordo com uma leitura totalmente preferível. Em uma das classes a que esse homem pertencia, tão impregnado de preconceitos, tal fé implicaria mais do que em outros.

24 Jesus foi com ele. Uma grande multidão o seguia, e o apertavam.

Mc 5: 24-34. A mulher com uma questão de sangue curado.

25 E havia uma mulher, que tinha um fluxo de sangue havia doze anos,
26 que tinha sofrido muito por meio de muitos médicos, e gastado tudo quanto possuía, e nada havia lhe dado bom resultado; ao invés disso, piorava.

que tinha sofrido muito por meio de muitos médicos – A expressão talvez não se refira necessariamente ao sofrimento que ela sofreu sob tratamento médico, mas ao tratamento muito variado que ela sofreu.

e gastado tudo quanto possuía, e nada havia lhe dado bom resultado; ao invés disso, piorava – caso lamentável e afetivamente agravado; emblema de nosso estado natural como criaturas caídas (Ez 16:5-6), e ilustrando o pior que a vaidade de todos os remédios humanos para doenças espirituais (Os 5:13). O design mais elevado de todos os milagres de cura do nosso Senhor sugere irresistivelmente essa maneira de ver o presente caso, cuja propriedade ainda aparecerá mais à medida que avançamos.

27 Quando ela ouviu falar de Jesus, veio entre a multidão por detrás, e tocou a roupa dele.

Quando ela ouviu falar de Jesus, veio – Este foi o experimento certo no passado. O que ela tinha “ouvido de Jesus?” Sem dúvida, eram Suas maravilhosas curas que ela tinha ouvido falar; e a audição destes, em conexão com sua experiência amarga da vaidade de se aplicar a qualquer outro, tinha sido abençoada para o despertar em sua alma de uma firme confiança de que Aquele que havia feito de bom grado tais curas sobre outros era capaz e não Recusar-se a curá-la também.

veio entre a multidão por detrás, e tocou a roupa dele – De acordo com a lei cerimonial, o toque de qualquer um que tivesse a doença que esta mulher tinha teria contaminado a pessoa tocada. Alguns pensam que a lembrança disso pode explicar que ela se aproximou furtivamente Dele na multidão atrás, e tocou apenas a bainha de Suas vestes. Mas havia um instinto na fé que a levou a Jesus, que a ensinou, de que se esse toque pudesse libertá-la da própria doença profana, seria impossível comunicar-lhe a impureza, e que esse curandeiro maravilhoso deveria estar acima de tal leis.

28 Pois dizia: Se tão somente tocar as suas roupas, serei curada.

Pois dizia: – “dentro de si” (Mt 9:21).

Se tão somente tocar as suas roupas, serei curada – isto é, se puder, mas entrar em contato com esse glorioso Curador. Fé notável esta!

29 E imediatamente a fonte do seu sangue parou se secou; e sentiu no corpo que já havia sido curada daquele flagelo.

– Não só o seu sangue estancou (Lc 8:44), mas a causa foi completamente removida, de tal forma que por suas sensações corporais ela imediatamente se sentiu perfeitamente curada.

30 Jesus logo notou em si o poder que dele havia saído. Então virou-se na multidão, e perguntou: Quem tocou as minhas roupas?

Ele tinha consciência do futuro de Seu poder de cura, que não era – como em profetas e apóstolos – algo estranho a Si mesmo e transmitido meramente, mas o que Ele habitava dentro dEle como “Sua própria plenitude”.

31 E seus discípulos lhe disseram: Eis que a multidão te aperta, e perguntas: Quem me tocou?

E seus discípulos lhe disseram:  Lucas diz (Lc 8:45): “Quando todos negaram, Pedro e os que estavam com ele disseram: Mestre.”

Eis que a multidão te aperta, e perguntas: Quem me tocou? – “Tu, Senhor, tocaste-te? Antes pergunte a quem não te tocou em tal multidão. ”“ E Jesus disse: Alguém tocou em Mim ”-“ uma certa pessoa Me tocou ”-“ porque eu percebi que a virtude se foi de Mim ”(Lc 8:46) . Sim, a multidão “o amontoou e o apertou” – eles se acotovelaram contra Ele, mas todos involuntariamente; eles foram simplesmente levados; mas um, um só – “uma certa pessoa – TOCOU NELE”, com o toque consciente, voluntário e dependente da fé, estendendo a mão expressamente para ter contato com Ele. Isso e isso somente Jesus reconhece e procura. Mesmo assim, como Agostinho disse há muito tempo, multidões ainda chegam similarmente perto de Cristo nos meios da graça, mas todas sem nenhum propósito, sendo apenas sugadas para a multidão. O contato voluntário e vivo da fé é aquele condutor elétrico que sozinho atrai a virtude Dele.

32 E ele olhava em redor, para ver quem havia lhe feito isso.

– não com o propósito de convocar um culpado, mas, como veremos a seguir, para obter do curado um testemunho do que Ele havia feito por ela.

33 Então a mulher temendo, e tremendo, sabendo o que lhe havia sido feito , veio, prostrou-se diante dele, e disse-lhe toda a verdade.

Então a mulher temendo, e tremendo, sabendo o que lhe havia sido feito – alarmada, como uma mulher humilde e encolhida, naturalmente seria, pela necessidade de uma exposição tão pública de si mesma, mas consciente de que tinha uma história para contar que falaria por ela.

veio, prostrou-se diante dele, e disse-lhe toda a verdade – Em Lucas (Lc 8:47), “Quando a mulher viu que não estava escondida, ela veio tremendo e, caindo diante dele, declarou-lhe diante de todas as pessoas para que ela o havia tocado, e como ela foi curada imediatamente. ”Isso, embora tentasse a modéstia da mulher crente, era exatamente o que Cristo queria para arrastá-la adiante, seu testemunho público aos fatos dela. caso – a doença, com seus esforços abortivos de cura, e o alívio instantâneo e perfeito que ela tocava no Grande Médico que a trouxera.

34 E ele lhe disse: Filha, a tua fé te salvou. Vai em paz, e estejas curada deste teu flagelo.

E ele lhe disse: Filha – “tende bom ânimo” (Lc 8:48).

a tua fé te salvou. Vai em paz, e estejas curada deste teu flagelo – Embora curada assim que ela acreditou, pareceu-lhe uma cura roubada – ela temia admitir isso. Jesus, portanto, define seu selo real sobre ele. Mas que despedida gloriosa dos lábios daquele que é “nossa paz” é que “vá em paz!”

A ressurreição da filha de Jairo

35 Estando ele ainda falando, alguns vieram da casa do líder de sinagoga, e disseram: A tua filha já morreu; por que ainda estás incomodando o Mestre?
36 Mas Jesus, não dando atenção a essa palavra que havia sido falada, disse ao líder de sinagoga: Não temas; crê somente.

Jesus, sabendo como o coração do agonizante pai se afundaria com a notícia, e as reflexões no momento em que seria capaz de surgir em sua mente, apressa-se a tranquilizá-lo e, em seu estilo costumeiro: “Não tenha medo, apenas acredite” – palavras de preciosa imutabilidade e poder! Quão vívidos esses incidentes revelam o conhecimento de Cristo sobre o coração humano e a terna simpatia! (Hb 4:15)

37 E não permitiu que ninguém o seguisse, a não ser Pedro, Tiago, e João irmão de Tiago.

(veja Mc 1:29).

38 Eles chegaram à casa do líder de sinagoga, e Jesus viu o alvoroço, os que choravam muito e pranteavam.

(Mt 9:23) – lamentando pelas mortos. (Veja 2Cr 35:25; Jr 9:20; Am 5:16).

39 E ao entrar, disse-lhes: Por que fazeis alvoroço e chorais? A menina não morreu, mas está dormindo.
40 E riram dele. Porém ele, depois de pôr todos fora, tomou consigo o pai e a mãe da menina, e os que estavam com ele. Em seguida, entrou onde a menina estava.

A palavra é forte – “tirou todos eles”; significando todos aqueles que estavam fazendo este barulho, e quaisquer outros que pudessem estar lá por simpatia, que somente aqueles que poderiam estar presentes estavam mais preocupados, e aqueles que Ele mesmo havia trazido como testemunhas do grande ato prestes a ser feito.

41 Ele pegou a mão da menina, e lhe disse: “Talita cumi”, (que significa: “Menina, eu te digo, levanta-te”).

Ele pegou a mão da menina – como fez com a sogra de Pedro (Mc 1:31).

e lhe disse: “Talita cumi” – As palavras são aramaicas, ou siro-caldéias, a então língua da Palestina. Marcos ama dar palavras tão maravilhosas como elas foram ditas. Veja Mc 7:3414:36

42 E logo a menina se levantou e andou, pois já tinha doze anos de idade. E logo ficaram grandemente espantados.

a menina  – A palavra aqui é diferente daquela em Mc 5:39-41, e significa “moça jovem” ou “menininha”.

43 E mandou-lhes muito que ninguém o soubesse; e mandou que dessem a ela de comer.

E mandou-lhes muito que ninguém o soubesse – A única razão pela qual podemos atribuir isso é o Seu desejo de não deixar que o sentimento público em relação a Ele chegue precipitadamente a uma crise.

e mandou que dessem a ela de comer – em sinal de perfeita restauração.

<Marcos 4 Marcos 6>

Visão geral de Marcos

O evangelho de Marcos, mostra que “Jesus é o Messias de Israel inaugurando o reino de Deus através do Seu sofrimento, morte e ressurreição”. Tenha uma visão geral do Evangelho através deste breve vídeo (10 minutos) produzido pelo BibleProject.

🔗 Abrir vídeo no Youtube.

Sobre a afirmação do vídeo de que o final do Evangelho de Marcos (16:9-20) não foi escrito por ele, penso ser necessário acrescentar algumas considerações. De fato, há grande discussão entre estudiosos sobre este assunto, já que os manuscritos mais antigos de Marcos não têm essa parte. Porém, mesmo que seja verdade que este final não tenha sido escrito pelo evangelista, todas as suas afirmações são asseguradas pelos outros Evangelhos e Atos dos Apóstolos. Para entender mais sobre a ciência que estuda os manuscritos antigos acesse esta aula de manuscritologia bíblica.

Leia também uma introdução ao Evangelho de Marcos.

Adaptado de: Commentary Critical and Explanatory on the Whole Bible. Todas as Escrituras em português citadas são da Bíblia Livre (BLIVRE), Copyright © Diego Santos, Mario Sérgio, e Marco Teles – fevereiro de 2018.