Bíblia, Revisar

João 16

Mensagem importante
Olá visitante do Apologeta! Vou direto ao ponto: peço que você me ajude a manter este projeto. Atualmente a renda gerada através dos anúncios são insuficientes para que eu me dedique exclusivamente a ele. Se cada pessoa que ler essa mensagem hoje, doar o valor de R$10.00, eu poderia me dedicar integralmente ao Apologeta pelo próximo ano e ainda remover todas as propagandas do site (que eu sei que são um pouco incômodas). Tenho um propósito ousado com este site: traduzir e disponibilizar gratuitamente conteúdo teológico de qualidade. O que inclui um dicionário bíblico completo (+4000 verbetes) e comentário de todos os 31.105 versículos da Bíblia. Faça parte deste projeto e o ajude a continuar crescendo. Obrigado!
1 Estas coisas tenho vos dito para que não tropeceis na fé.

Estas coisas vos tenho falado, para que não se ofendam – tanto as advertências como os encorajamentos que acabamos de dar.

2 Expulsarão a vós das sinagogas; mas a hora vem, quando qualquer que vos matar, pensará fazer serviço a Deus.

Eles o expulsarão da sinagoga – (Jo 9:22; Jo 12:42).

mas a hora vem, quando qualquer que vos matar, pensará fazer serviço a Deus – As palavras significam serviço religioso – “que ele está oferecendo um serviço a Deus”. (Então Saulo de Tarso, Gl 1:13-14; Fp 3:6).

3 E estas coisas vos farão, porque nem ao Pai, nem a mim me conheceram.
4 Porém tenho vos dito isto para que, quando aquela hora vier, disso vos lembreis, que já o dissera a vós; mas isto eu não vos disse desde o princípio, porque eu estava convosco.

em – de.

o começo – Ele havia dito bem cedo (Lc 6:22), mas não exatamente como em Jo 16:2.

porque eu estava com você.

5 E agora vou para aquele que me enviou; e nenhum de vós me pergunta: Para onde vais?

E agora vou para aquele que me enviou – Enquanto estava com eles, o ódio do mundo era dirigido principalmente contra ele mesmo; mas a partida dele traria sobre eles como Seus representantes.

e nenhum de vós me pergunta: Para onde vais? – Eles o fizeram de certa forma (Jo 13:36; Jo 14:5); mas Ele desejou mais inteligente e ansiosa investigação sobre o assunto.

6 Porém, porque vos disse estas coisas, a tristeza encheu vosso coração.

Mas porque eu disse estas coisas… a tristeza encheu seu coração – a tristeza os tinha paralisado demais, e Ele despertaria suas energias.

7 Mas vos digo a verdade, que vos convém que eu vá; porque se eu não for, o Consolador não virá a vós; porém se eu for, eu o enviarei a vós.

É conveniente para você que eu vá embora –
Meu Salvador, pode ser
Que eu deveria ganhar te perdendo?
– Keble

Sim.

porque, se eu não for embora, o Consolador não chegará até você, mas se eu partir, eu o enviarei para você – (Veja em Jo 7:39; veja em Jo 14:15).

8 E vindo ele, convencerá ao mundo do pecado, e da justiça, e do juízo.

E quando ele vier, ele irá, etc. – Esta é uma das passagens mais gravosas do pensamento nos profundos discursos de Cristo; com alguns grandes traços descrevendo toda e qualquer parte do ministério do Espírito Santo no mundo – Sua operação com referência tanto a indivíduos quanto à missa, tanto a crentes como a incrédulos (Olshausen).

ele vai reprovar – Esta é uma palavra muito fraca para expressar o que se entende. A reprovação está de fato implícita no termo empregado e, sem dúvida, a palavra começa com ela. Mas convencer ou convencer é a coisa pretendida; e como aquele expressa a obra do Espírito na porção incrédula da humanidade, e a outra na crença, é melhor não restringi-la a ambos.

9 Do pecado, porque não creem em mim;

Como todo pecado tem sua raiz na incredulidade, assim a forma mais agravada de incredulidade é a rejeição de Cristo. O Espírito, no entanto, ao fixar essa verdade na consciência, não extingue, mas, ao contrário, consuma e intensifica o sentido de todos os outros pecados.

10 E da justiça, porque vou para meu Pai, e não me vereis mais;

Além da dúvida, é a justiça pessoal de Cristo que o Espírito foi trazer para o coração do pecador. A evidência disso estava no grande fato histórico de que Ele havia “ido a seu Pai e não era mais visível para os homens” – porque se a sua reivindicação de ser o Filho de Deus, o Salvador do mundo, tivesse sido uma mentira, como deveria o Pai, que é “um Deus zeloso”, ter levantado tal blasfema dos mortos e exaltado à Sua mão direita? Mas se Ele era o “Testemunho Fiel e Verdadeiro”, o “Servo Justo do Pai”, “Seu Eleito, em quem a Sua alma se deleitava”, então foi Sua partida para o Pai e consequente desaparecimento da visão dos homens, mas a consumação apropriada, a recompensa augusta, de tudo o que Ele fez aqui abaixo, o selo de Sua missão, a glorificação do testemunho que Ele carregou na terra, pela recepção de seu Portador ao seio do Pai. Essa vitória triunfante da retidão de Cristo é para nós uma evidência divina, brilhante como o céu, que Ele é de fato o Salvador do mundo, o Servo Justo de Deus para justificar muitos, porque Ele revela suas iniquidades (Is 53:11). Assim, o Espírito, nesta cláusula, é visto convencer os homens de que existe em Cristo perfeito alívio sob o sentido do pecado que Ele antes os havia convencido; e tão longe de lamentar a Sua ausência de nós, como uma perda irreparável, aprendemos a nos gloriar nela, como a evidência de Sua perfeita aceitação em nosso favor, exclamando com alguém que entendeu este ponto: “Quem colocará qualquer coisa na carga? dos eleitos de Deus? É Deus que justifica: quem é aquele que condena? É Cristo quem morreu; sim, sim, que é ressuscitado, que está até à destra de Deus ”etc. (Rm 8:33-34).

11 E do juízo, porque o Príncipe deste mundo já está julgado.

Ao supor que o julgamento final é aqui significado, o ponto desta sentença é, até mesmo por bons intérpretes, completamente perdido. A afirmação “O príncipe deste mundo é julgado” significa, além de toda dúvida razoável, a mesma que em Jo 12:31, “Agora o príncipe deste mundo será expulso”; e ambos significam que seu domínio sobre os homens, ou seu poder de escravizar e, assim, arruiná-los, é destruído. A morte de Cristo “julgou” ou o derrubou judicialmente, e ele foi então “expulso” ou expulso de seu domínio usurpado (Hb 2:14; 1Jo 3:8; Cl 2:15). Assim, então, o Espírito deve trazer para casa a consciência dos homens: (1) o sentido do pecado, consumado na rejeição daquele que veio para “tirar o pecado do mundo”; (2) a sensação de perfeito alívio na retidão do Servo do Pai, agora trazido da terra que O desprezou naquele lugar onde desde a eternidade Ele havia habitado; e (3) a sensação de emancipação dos grilhões de Satanás, cujo julgamento traz aos homens a liberdade de serem santos e a transformação dos servos do diabo em filhos e filhas do Senhor Todo-Poderoso. Para uma classe de homens, no entanto, tudo isso só levará convicção; eles “não virão a Cristo” – revelados embora Ele seja para eles como o Alguém que dá vida – para que possam ter vida. Tais, permanecendo voluntariamente sob o domínio do príncipe deste mundo, são julgados em seu julgamento, cuja consumação visível será no grande dia. Para outra classe, no entanto, este ensino abençoado terá outro problema – traduzi-los do reino das trevas para o reino do Filho querido de Deus.

12 Ainda tenho muitas coisas que vos dizer, mas agora ainda não podeis suportá-las.

quando ele, o Espírito da verdade, vier … ele não falará de si mesmo – isto é, de si mesmo, mas, como o próprio Cristo, “o que ele ouve”, o que lhe é dado para se comunicar.

ele lhe mostrará as coisas por vir – referindo-se especialmente àquelas revelações que, nas Epístolas parcialmente, mas mais plenamente no Apocalipse, abrem uma visão do Futuro do Reino de Deus, cujo horizonte são as colinas eternas.

13 Porém quando vier aquele Espírito de verdade, ele vos guiará em toda verdade. Porque de si mesmo não falará; mas falará tudo o que ouvir; e ele vos anunciará as coisas que virão.

Porém quando vier aquele Espírito de verdade (assim chamado pois) ele vos guiará em toda verdade – A referência não é a “verdade em geral”, mas a “todo aquele círculo de verdade cujo peso é Cristo e Sua obra redentora”.

Porque de si mesmo não falará – O significado não é: ‘Ele não falará sobre Si mesmo’, mas ‘Ele não falará de Si mesmo’, no sentido acrescentado na próxima sentença.

mas falará tudo o que ouvir (ou receber para comunicar); e ele vos anunciará as coisas que virão – “as coisas vindouras”, referindo-se especialmente às revelações que, nas Epístolas parcialmente, mas mais plenamente no Apocalipse, abrem uma vista para o Futuro do Reino de Deus, cujo horizonte são as colinas eternas. [JFU]

14 Ele me glorificará, porque tomará do que é meu, e vos anunciará.

Assim, todo o propósito do ministério do Espírito Santo é glorificar a Cristo – não em Sua própria Pessoa, pois isto foi feito pelo Pai quando Ele O exaltou à Sua própria mão direita – mas na visão e estima dos homens. Para este propósito, Ele devia “receber de Cristo” – toda a verdade relacionada a Cristo – “e mostrá-la a eles”, ou fazê-los discernir na sua própria luz. A natureza subjetiva do ensinamento do Espírito – a descoberta às almas dos homens do que é Cristo exteriormente – é aqui muito claramente expressa; e, ao mesmo tempo, a vaidade de procurar por revelações do Espírito que farão qualquer coisa além de lançar luz na alma sobre o que o próprio Cristo é, e ensinou, e fez na terra. [JFB]

15 Tudo quanto tem o Pai é meu; por isso eu disse, que tomará do que é meu, e vos anunciará.

Tudo quanto tem o Pai é meu – uma expressão mais clara do que esta de comunhão absoluta com o Pai em todas as coisas não pode ser concebida, embora “todas as coisas” aqui tenham referência às coisas do Reino da Graça, que o Espírito deveria receber para que Ele pudesse mostrá-las a nós. Temos aqui um maravilhoso vislumbre das relações internas da Divindade. [JFB]

16 Um pouco, e não me vereis; e mais um pouco, e me vereis.

A alegria do mundo ao não vê-Lo parece mostrar que Sua remoção deles pela morte era o que Ele queria dizer; e, nesse caso, sua alegria em vê-lo novamente aponta para seu transporte em Seu reaparecimento entre eles em Sua ressurreição, quando não podiam mais duvidar de Sua identidade. Ao mesmo tempo, a tristeza da Igreja viúva, na ausência de seu Senhor nos céus, e seu transporte em Seu retorno pessoal, certamente estão aqui expressas.

17 Disseram pois alguns de seus discípulos uns aos outros: Que é isto que ele nos diz: Um pouco, e não me vereis; e mais um pouco, e me vereis; e porque vou ao Pai?

Disseram pois alguns de seus discípulos uns aos outros. Talvez, temendo questionar o próprio Senhor sobre o assunto, ou então não querendo interrompê-lo. [JFU]

18 Então diziam: Que é isto que ele diz? Um pouco? Não sabemos o que diz.
19 Conheceu pois Jesus que lhe queriam perguntar, e disse-lhes: Perguntais entre vós sobre isto que disse: Um pouco, e não me vereis; e mais um pouco, e me vereis?
20 Em verdade, em verdade vos digo, que vós chorareis, e lamentareis, e o mundo se alegrará, e vós estareis tristes; mas vossa tristeza se tornará em alegria.
21 A mulher quando está no parto tem tristeza, porque sua hora é vinda; mas havendo nascido a criança, já não se lembra da aflição, pela alegria de um homem ter nascido no mundo.
22 Assim também vós agora na verdade tendes tristeza; mas novamente vos verei, e vosso coração se alegrará, e ninguém tirará vossa alegria de vós.
23 E naquele dia nada me perguntareis. Em verdade, em verdade vos digo, que tudo quanto pedirdes a meu Pai em meu nome, ele vos dará.

Naquele dia – da dispensação do Espírito (como em Jo 14:20).

ye deve pedir – inquirir de

nada de mim – em razão da plenitude dos ensinamentos do Espírito Santo (Jo 14:26; Jo 16:13; compare com 1Jo 2:27).

24 Até agora nada pedistes em meu nome; pedi, e recebereis, para que vossa alegria seja completa.

Até agora nada pedistes em meu nome – pois “a oração em nome de Cristo e a oração a Cristo pressupõem Sua glorificação” (Olshausen).

pergunte – quando eu for embora “em meu nome”.

25 Estas coisas vos falei por parábolas; porém a hora vem quando não mais vos falarei por parábolas; mas vos falarei abertamente sobre o Pai.

por parábolas – em linguagem obscura, oposta a “mostrar claramente” – isto é, pelo ensinamento do Espírito.

26 Naquele dia pedireis em meu nome; e não vos digo, que eu suplicarei ao Pai por vós.

Eu não digo … Eu vou orar o Pai por você – como se Ele não estivesse de Si mesmo disposto a ajudá-lo: Cristo reza o Pai por Seu povo, mas não com o propósito de inclinar um ouvido involuntário.

27 Pois o próprio Pai vos ama, porque vós me amastes, e crestes que eu saí de Deus.

Pois o próprio Pai vos ama, porque vós me amastes – esse amor deles é o que é chamado pelo amor eterno de Deus, no dom de seu Filho, espelhado nos corações daqueles que crêem, e descansando em Seu querido Filho. .

28 Saí do Pai, e vim ao mundo; novamente deixo o mundo, e vou ao Pai.

Saí do Pai… – isto é, “E tendes direito, porque eu na verdade saí e logo retornarei de onde vim.” Esse eco da verdade, aludido em Jo 16:27, Parece pensar em voz alta, como se fosse grato ao seu próprio espírito sobre tal assunto e em tal hora.

29 Disseram-lhe seus Discípulos: Eis que agora falas abertamente, e nenhuma parábola dizes.

Seus discípulos disseram:… agora falo claramente, e não falo provérbio – dificilmente mais do que antes; o tempo para a perfeita clareza ainda estava por vir; mas, tendo vislumbrado seu significado (não era mais do que isso), expressaram avidamente sua satisfação, como se estivessem contentes em fazer qualquer coisa de Suas palavras. Quão comovente isso mostra tanto a simplicidade de seus corações quanto o caráter infantil de sua fé!

30 Agora sabemos que sabes todas as coisas; e não necessitas que ninguém te pergunte. Por isso cremos que saíste de Deus.
31 Respondeu-lhes Jesus: Agora credes?

Agora credes? – isto é, “É bom que o faça, pois está prestes a ser testado, e de uma forma que você pouco espera”.

32 Eis que a hora vem, e já é chegada, quando sereis dispersos, cada um por si, e me deixareis só. Porém não estou só, porque o Pai está comigo.

Eis que a hora vem, e já é chegada, quando sereis dispersos, cada um por si, e me deixareis só – Um sentido profundo e terrível de experiência errada é certamente expresso aqui, mas com amor! Que Ele não estava totalmente deserto, que havia Alguém que não O abandonaria, era para Ele assunto de inefável apoio e consolação; mas que Ele deveria estar sem todo o semblante e alegria humanos, que, como o Homem era primorosamente sensível à lei da simpatia, se encheria de vergonha, quando voltassem a isso, como o coração do Redentor em Sua hora de necessidade. com tristeza pungente. “Procurei alguns que tivessem pena, mas não havia nenhum; e para os consoladores, mas não achei nenhum ”(Sl 69:20).

porque o Pai está comigo – quão perto, e com que poder sustentador, quem pode expressar?

33 Estas coisas tenho vos dito para que tenhais paz em mim; no mundo tereis aflição; mas tende bom ânimo; eu venci o mundo.

Estas coisas tenho vos dito – não as palavras imediatamente anteriores, mas todo este discurso, do qual estas foram as últimas palavras, e que Ele assim termina.

que em mim possais ter paz – no sentido sublime antes explicado. (Veja em Jo 14:27).

no mundo tereis aflição – especialmente decorrentes de sua oposição mortal àqueles que “não são do mundo, mas escolhidos para fora do mundo”. De modo que a “paz” prometida estava longe de ser imperturbável.

eu venci o mundo – não só antes de você, mas para você, que você pode ser capaz de fazer o mesmo (1Jo 5:4-5).

<João 15 João 17>

Leia também uma introdução ao Evangelho de João.

Adaptado de: Commentary Critical and Explanatory on the Whole Bible. Todas as Escrituras em português citadas são da Bíblia Livre (BLIVRE), Copyright © Diego Santos, Mario Sérgio, e Marco Teles – fevereiro de 2018.

Conteúdos recomendados