Bíblia, Revisar

Gálatas 6

Mensagem importante
Olá visitante do Apologeta! Vou direto ao ponto: peço que você me ajude a manter este projeto. Atualmente a renda gerada através dos anúncios são insuficientes para que eu me dedique exclusivamente a ele. Se cada pessoa que ler essa mensagem hoje, doar o valor de R$10.00, eu poderia me dedicar integralmente ao Apologeta pelo próximo ano e ainda remover todas as propagandas do site (que eu sei que são um pouco incômodas). Tenho um propósito ousado com este site: traduzir e disponibilizar gratuitamente conteúdo teológico de qualidade. O que inclui um dicionário bíblico completo (+4000 verbetes) e comentário de todos os 31.105 versículos da Bíblia. Faça parte deste projeto e o ajude a continuar crescendo. Obrigado!
1 Irmãos, se alguém for surpreendido em algum pecado, vós que sois espirituais, restaurai ao tal com espírito de mansidão, prestando atenção a ti mesmo, para que não sejas tentado também.

Irmãos – Uma expressão de bondade para conciliar a atenção. Traduza como grego: “Se um homem for mesmo apanhado” (isto é, apanhado no próprio ato [Alford e Ellicott]: ANTES ele espera: inesperadamente). Bengel explica o “antes” no verbo composto grego: “Se um homem for surpreendido em uma falta diante de nós mesmos”: Se outro foi realmente ultrapassado em uma falta, o primeiro; porque muitas vezes quem primeiro critica é o que primeiro transgrediu.

uma falta – grego, “uma transgressão”, “uma queda”; como uma volta à servidão legal. Aqui ele dá monição àqueles que não caíram, “o espiritual”, para não ser “vaidoso” (Gl 5:26), mas tolerante para com tais coisas (Rm 15:1).

restaurai – O grego é usado de um membro deslocado, reduzido ao seu lugar. Tal é a ternura com a qual devemos tratar um membro caído da Igreja para restaurá-lo a um estado melhor.

espírito de mansidão – a mansidão que é o dom do Espírito Santo operando em nosso espírito (Gl 5:22, Gl 5:25). “Mansidão” é aquele temperamento de espírito para com Deus, por meio do qual aceitamos seus negócios sem contestar; então, para com os homens, através do qual suportamos humildemente suas provocações, e não nos afastamos das cargas que seus pecados nos impõem (Trench).

considerando-se – Transição do plural para o singular. Quando as congregações são abordadas coletivamente, cada indivíduo deve levar para casa a monição.

tu também serás tentado – como é provável que aconteça àqueles que reprovam os outros sem mansidão (compare Mt 7:2-5; 2Tm 2:25; Tg 2:13).

2 Levai as cargas uns dos outros, e assim cumprireis a lei de Cristo.

Se vocês, legalistas, devem “carregar fardos”, então, em vez de fardos jurídicos (Mt 23:4), “carreguem os fardos uns dos outros”, literalmente, “pesos”. Distinguido por Bengel de “carga”, Gl 6:4(uma palavra grega diferente, “carga”): “pesos” excedem a força daqueles sob eles; “Carga” é proporcional à força.

assim cumprireis – ou como outros manuscritos antigos lêem, “assim vocês cumprirão”, grego, “encher”, “cumprir completamente”.

a lei de Cristo – ou seja, “amor” (Gl 5:14). Visto que você deseja “a lei”, então cumpra a lei de Cristo, que não é composta de várias observâncias minuciosas, mas cujo único “fardo” é “amor” (Jo 13:34; Jo 15:12); Rm 15:3 dá a Cristo como exemplo no dever particular aqui.

3 Pois, se alguém pensa ser alguma coisa, sendo nada, engana a si mesmo.

O vaidade pessoal, o principal obstáculo à paciência e à simpatia para com nossos semelhantes, deve ser posto de lado.

algo – possuidor de alguma preeminência espiritual, de modo a ficar isento da fragilidade de outros homens.

sendo nada – O grego é subjetivo: “Ser, se ele vir a si mesmo, e olhar para o fato real, nada” (Alford) (Gl 6:2, Gl 6:6; Rm 12:3; 1Co 8:2).

engana a si mesmo – literalmente, “ele engana a si mesmo mentalmente”. Compare Tg 1:26, “engana o seu próprio coração”.

4 Cada um, porém, examine a sua própria obra, e então terá orgulho em si mesmo sozinho, e não em outro;

seu próprio trabalho – não apenas sua própria opinião sobre si mesmo.

então terá orgulho em si mesmo sozinho – Traduza: “Tenha sua (sua importância) gloriosa em relação a si mesmo, e não em relação a outro (ou seja, não em relação a seu próximo, comparando-se com quem, ele imaginou que tem matéria por se orgulhar de ser o superior desse vizinho. ”Não que realmente um homem, olhando para“ ele mesmo sozinho ”, possa encontrar motivo para se gloriar em si mesmo. Não, em Gl 6:5, ele fala de um “fardo” ou carga, não de matéria para a glória, como o que realmente pertence a cada homem. Mas ele se refere à ideia que aqueles que ele censura tinham de si mesmos: eles achavam que tinham motivos para se “glorificarem” em si mesmos, mas tudo surgiu da comparação injusta e egoísta de si mesmos com os outros, em vez de olhar para casa. A única verdadeira glória, se a glória é ser chamada, está no testemunho de uma boa consciência, glorificando-se na cruz de Cristo.

5 pois cada um levará a sua própria carga.

Para (por esta via, Gl 6:4, de provar a si mesmo, não depreciando o seu vizinho em comparação) cada homem deve suportar o seu próprio “fardo”, ou melhor, “carregar” (a saber, do pecado e da enfermidade), sendo o grego diferente do que em Gl 6:2. Este versículo não contradiz Gl 6:2. Lá, ele diz a eles para suportar com os outros “fardos” de enfermidade em simpatia; aqui, esse auto-exame fará com que um homem sinta que tem o suficiente com “sua própria carga” de pecado, sem se comparar com seu vizinho. Compare Gl 6:3. Em vez de “pensar que é algo”, ele sentirá a “carga” de seu próprio pecado: e isso o levará a suportar com simpatia o fardo de enfermidade do próximo. Esopo diz que um homem carrega duas sacolas por cima do ombro, aquela com seus próprios pecados pendurados, que com os pecados do vizinho na frente.

6 Mas aquele que é instruído na palavra compartilhe todas as boas coisas com aquele que o instrui.

A partir da menção de carregar os fardos uns dos outros, ele passa a uma maneira pela qual esses fardos podem ser suportados – ministrando de seus bens terrenos a seus mestres espirituais. O “mas” no grego, começo deste versículo, expressa isto: Eu disse: Cada um deve carregar seu próprio fardo; Mas não pretendo que ele não pense nos outros e especialmente nas necessidades de seus ministros.

comunicar-lhe – “dar uma parte ao seu professor”: literalmente, “aquele que ensina catequicamente”.

todas as boas coisas – em todo tipo de coisas boas desta vida, conforme o caso exigir (Rm 15:27; 1Co 9:11, 1Co 9:14).

7 Não vos enganeis: Deus não se deixa escarnecer; pois, o que o ser humano semear, isso também colherá.

Deus não se deixa escarnecer – O verbo grego é, literalmente, zombar com as narinas escritas com desprezo. Deus não se permite ser imposto por palavras vazias: Ele julgará de acordo com as obras, que são sementes semeadas para a eternidade de alegria ou de aflição. Desculpas por falta de liberalidade na causa de Deus (Gl 6:6) parecem válidas diante dos homens, mas não são assim diante de Deus (Sl 50:21).

semeia – especialmente de seus recursos (2Co 9:6).

que – grego, “isto”; isso e mais nada.

colher – na colheita, o fim do mundo (Mt 13:39).

8 Pois quem semear para a sua carne, da carne colherá degradação; mas quem semear para o Espírito, do Espírito colherá a vida eterna.

Traduza: “O que semeia na sua própria carne”, a fim de satisfazer seus desejos. Ele não diz: “Seu espírito”, como ele diz: “Sua carne”. Pois em nós mesmos não somos espirituais, mas carnais. A carne é dedicada ao egoísmo.

degradação – isto é, destruição (Fp 3:19). Compare quanto à libertação dos crentes da “corrupção” (Rm 8:21). O uso do termo “corrupção” em vez disso, implica que a destruição não é uma punição arbitrária da mentalidade carnal, mas é seu fruto natural; a carne corrupta produzindo corrupção, que é outra palavra para destruição: a corrupção é a culpa e a corrupção a punição (ver em 1Co 3:17; 2Pe 2:12). A vida futura apenas expande a semente semeada aqui. Os homens não podem zombar de Deus porque podem enganar a si mesmos. Aqueles que semeiam o joio não podem colher trigo. Só eles colheram a vida eterna que semeiam ao Espírito (Sl 126:6; Pv 11:18; Pv 22:8; Os 8:7; Os 10:12; Lc 16:25; Rm 8:11; Tg 5:7 ).

9 Porém não cansemos de fazer o bem, pois no tempo devido colheremos, se não desistirmos.

(2Ts 3:13). E quando fazemos o bem, vamos também perseverar nele sem desmaiar.

no tempo devido – em sua época própria, o próprio tempo de Deus (1Tm 6:15).

desmaio não – literalmente, “relaxe-se”. Mais forte do que “não se canse”. O cansaço de fazer o bem refere-se à vontade; “Não desmaie” ao relaxamento dos poderes (Bengel). Ninguém deve desmaiar, como acontece em uma colheita terrestre.

10 Portanto, enquanto tivermos oportunidade, façamos o bem a todos; mas principalmente aos familiares da fé.

Traduza: “Então, então, conforme (isto é, proporcionalmente) tivermos estação (isto é, oportunidade), trabalhemos (um verbo grego distinto daquele para“ fazer ”, em Gl 6:9) aquilo que é (em cada caso) bom. ”Como tu és capaz, e enquanto tu és capaz, e quando tu és capaz (Ec 9:10). Temos agora a “estação” para a semeadura, como também haverá a seguir a “estação do ano” (Gl 6:9) para a colheita. A vida inteira é, em certo sentido, a “oportunidade sazonal” para nós: e, num sentido mais restrito, ocorrem nela temporadas mais especialmente convenientes. Os últimos são às vezes perdidos em procurar por estações ainda mais convenientes (At 24:25). Nem sempre teremos a oportunidade “temos” agora. Satanás é afiado para o maior zelo em nos ferir, pela falta de tempo (Ap 12:12). Sejamos afiados para o maior zelo no bem-fazer pela falta da nossa.

aos familiares da fé – Todo homem de mente certa faz bem aos membros de sua própria família (1Tm 5:8); assim os crentes devem fazer para aqueles da casa da fé, isto é, aqueles que a fé fez membros da “casa de Deus” (Ef 2:19): “a casa de Deus” (1Tm 3:15; 1Pe 4:17).

11 Olhai como são grandes as letras que vos escrevi da minha mão.

Em vez disso, “Veja em como grandes letras eu escrevi.” O grego é traduzido como grande em Hb 7:4, a única outra passagem onde ocorre no Novo Testamento. Devido à sua fraqueza de olhos (Gl 4:15), ele escreveu em letras grandes. Então Jerome. Todos os manuscritos mais antigos são escritos em uncial, isto é, letras maiúsculas, o “cursivo”, ou letras minúsculas, sendo de data mais recente. Paulo parece ter tido dificuldade em escrever, o que o levou a tornar as letras unciais maiores do que os escritores comuns. A menção destes é como um símbolo pelo qual eles saberiam que ele escreveu a Epístola inteira com suas próprias mãos; como ele também fez a epístola pastoral, que esta epístola se assemelha em estilo. Ele geralmente ditava suas epístolas a um amanuense, exceto a saudação de conclusão, que ele próprio escreveu (Rm 16:22; 1Co 16:21). Esta carta, ele diz aos Gálatas, ele escreve com suas próprias mãos, sem dúvida, a fim de que eles possam ver que consideração ele tinha por eles, em contraste com os instrutores judaizantes (Gl 6:12), que buscavam apenas sua própria facilidade. . Se a Versão em Inglês for mantida, as palavras “quão grande é uma letra (literalmente ‘em quão grandes letras’)” não se referirá ao comprimento da Epístola absolutamente, mas que foi uma grande para ele ter escrito com sua própria mão. Neander apóia a versão inglesa, como mais apropriado para a seriedade do apóstolo e o tom da epístola: “Quão grande” será colocado para “quantos”.

12 Todos os que querem mostrar boa aparência na carne, estes vos obrigam a vos circuncidarem, somente para não serem perseguidos por causa da cruz de Cristo.

Contraste entre seu zelo em favor deles, implícito em Gl 6:11, e o zelo por si dos judaizantes.

faça um show justo – (2Co 5:12).

na carne – em coisas externas.

eles – é “estes” quem

constranger você – pelo exemplo (Gl 6:13) e importunando.

somente para que – “somente para que eles não possam”, etc. (compare Gl 5:11).

serem perseguidos – Eles escaparam em grande parte da amargura dos judeus contra o cristianismo e da ofensa da cruz de Cristo, fazendo da lei mosaica uma preliminar necessária; na verdade, fazendo cristãos convertidos em prosélitos judaicos.

13 Pois nem mesmo os que se circuncidam guardam a Lei; mas querem que vos circuncideis, para se orgulharem de vossa carne.

Traduzir: “Pois nem mesmo os que se submetem à circuncisão, guardam a lei eles mesmos (Rm 2:17-23), mas desejam que você (enfática) seja circuncidado”, etc. Eles arbitrariamente selecionaram a circuncisão de toda a lei, como se observasse que ficaria em vez de sua não observância do resto da lei.

para se orgulharem de vossa carne – a saber, na mudança externa (oposta a uma mudança interior forjada pelo ESPÍRITO) que eles efetuaram ao trazer você para seu próprio partido Cristão Judaico.

14 Mas longe de mim esteja me orgulhar, a não ser na cruz do nosso Senhor Jesus Cristo; por meio dela, o mundo está crucificado para mim, e eu para o mundo.

Traduza: “Mas quanto a mim (em oposição àqueles gloriosos ‘em vossa carne’ Gl 6:13), Deus me livre que eu” etc.

na cruz – a morte expiatória na cruz. Compare Fp 3:3, Fp 3:78 , como um espécime de sua glória. A “cruz”, o grande objeto de vergonha para eles e para todos os homens carnais, é o grande objetivo de me gloriar. Pois com isso, a pior das mortes, Cristo destruiu todos os tipos de morte [Agostinho, Trato 36, em João, seg. 4]. Devemos testificar o poder da morte de Cristo operando em nós, segundo a maneira da crucificação (Gl 5:24; Rm 6:5; Rm 6:6).

Nosso – Ele lembra os gálatas por este pronome, que eles tinham uma parte no “Senhor Jesus Cristo” (o nome completo é usado para maior solenidade) e, portanto, deve se gloriar na cruz de Cristo, como ele fez.

o mundo – inseparavelmente aliado à “carne” (Gl 6:13). Ordenanças legais e carnais são meramente exteriores e “elementos do mundo” (Gl 4:3).

é – sim, como grego, “foi crucificado para mim” (Gl 2:20). Ele usou o “crucificado” para morrer, “Cristo com Cristo”, “Cristo com Cristo” (Fp 3:10): “A comunhão de Cristo foi feita conforme a morte”.

15 Pois nem a circuncisão é coisa alguma, nem a incircuncisão; mas sim a nova criatura.

availeth – Os manuscritos mais antigos ler, “é” (compare Gl 5:6). Não são apenas inúteis, mas não são nada. Até agora eles são de matéria para “glória”, que eles são “nada”. Mas a cruz de Cristo é “tudo em todos”, como um assunto para a glória, na “nova criatura” (Ef 2:10Ef 2:15,16).

nova criatura – (2Co 5:17). Uma transformação pela renovação da mente (Rm 12:2).

16 E todos os que andarem conforme esta regra, paz e misericórdia estejam sobre eles, e sobre o Israel de Deus.

muitos – contrastando com os “tantos” Gl 6:12.

regra – literalmente, uma regra direta, para detectar desonestidade; Então, uma regra de vida.

paz – de Deus (Ef 2:14-17; Ef 6:23).

misericórdia – (Rm 15:9).

Israel de Deus – não o Israel depois da carne, entre os quais esses professores desejam matricular você; mas a semente espiritual de Abraão pela fé (Gl 3:9; Gl 3:29; Rm 2:28; Rm 2:29; Fp 3:3).

17 De agora em diante, ninguém me perturbe, porque trago no meu corpo as marcas de Jesus.

ninguém me perturbe – opondo-se à minha autoridade apostólica, visto que está selada por um selo seguro, a saber: “Eu (em contraste com os mestres judaizantes que se glorificaram na carne) suporto (como uma alta marca de honra do Rei dos reis).

as marcas – corretamente, marcadas com marca nos escravos para indicar seus donos. Então as cicatrizes de feridas de Paulo recebidas por causa de Cristo, indicam a quem ele pertence, e em cujo livre e glorioso serviço ele é (2Co 11:23-25). Os professores judaizantes glorificados na marca da circuncisão na carne de seus seguidores: Paulo glórias nas marcas de sofrimento para Cristo em seu próprio corpo (compare Gl 6:14; Fp 3:10; Cl 1:24).

o Senhor – omitido nos manuscritos mais antigos.

18 A graça do nosso Senhor Jesus Cristo seja com o vosso espírito, irmãos. Amém!

irmãos – Coloque, como grego, “último” na sentença, antes do “Amém”. Depois de muita repreensão e monição, ele os despede com a expressão amorosa da fraternidade como sua última palavra de despedida (veja em Gl 1:6).

seja com o vosso espírito – o qual, eu confio, manterá a carne (1Ts 5:23; 2Tm 4:22; Fm 1:25).

<Gálatas 5 Efésios 1>

Introdução à Gálatas 6

Gl 6: 1-18. Exortações continuaram; a indulgência e humildade; liberalidade aos professores e em geral. Postscript e bênção.

Leia também uma introdução à Epístola aos Gálatas

Adaptado de: Commentary Critical and Explanatory on the Whole Bible. Todas as Escrituras em português citadas são da Bíblia Livre (BLIVRE), Copyright © Diego Santos, Mario Sérgio, e Marco Teles – fevereiro de 2018.

Conteúdos recomendados