Bíblia, Revisar

Jeremias 29

1 Estas são as palavras da carta que o profeta Jeremias enviou de Jerusalém ao restante dos anciãos levados cativos, como também aos sacerdotes e aos profetas, e a todo o povo, que Nabucodonosor havia transportado de Jerusalém para a Babilônia,

restante dos anciãos – aqueles que ainda sobrevivem desde o tempo em que foram levados para Babilônia com Jeconias; os outros anciões dos cativos tinham morrido de morte natural ou violenta.

2 Depois da saída do rei Jeconias, da rainha-mãe, dos príncipes de Judá e Jerusalém, e dos carpinteiros e ferreiros de Jerusalém,

rainha-mãe – Nehushta, a rainha mãe, filha de Elnathan (2Rs 24:8,15). (Elnathan, seu pai, talvez seja o mesmo que o mencionado em Jr 26:22). Ela reinou em conjunto com seu filho.

príncipes – Todos os homens de autoridade foram levados para que não organizassem uma rebelião. Jeremias escreveu sua carta enquanto a calamidade ainda era recente, para consolar os cativos sob ela.

3 Enviada pela mão de Elasá, filho de Safã, e de Gemarias, filho de Hilquias, os quais Zedequias rei de Judá enviou a Nabucodonosor rei da Babilônia, dizendo:

enviado a Babilônia – Em Jr 51:59, o próprio Zedequias vai para Babilônia; aqui ele envia embaixadores. Qualquer que tenha sido o objeto da embaixada, isso mostra que Zedequias apenas reinou com o prazer do rei da Babilônia, que poderia ter restaurado Jeconias, se ele tivesse satisfeito. Assim, Zedequias permitiu que a carta de Jeremias fosse enviada, não apenas como sendo liderada pela morte de Hananias, para atribuir maior crédito às palavras do profeta, mas também como a carta de acordo com seu próprio desejo de que os judeus permanecessem na Caldéia. até a morte de Jeconia.

Hilquias – o sumo sacerdote que encontrou o livro da lei na casa do Senhor, e mostrou-o ao “Safã”, o escriba (o mesmo Shaphan provavelmente como aqui), que o mostrou ao rei Josias (2Rs 22:8, etc). Os filhos de Hilkiah e Shaphan herdaram de seus pais algum respeito pelas coisas sagradas. Assim, em Jr 36:25, “Gemarias” intercedeu com o rei Jeoiaquim que o rolo do profeta não deveria ser queimado.

4 Assim diz o SENHOR dos exércitos, Deus de Israel, a todos os levados cativos, os quais fiz transportar de Jerusalém à Babilônia:
5 Edificai casas, e nelas habitai; plantai hortas, e comei o fruto delas.

Edificai casas – Em oposição às sugestões dos falsos profetas, que disseram aos cativos que o cativeiro cessaria em breve, Jeremias lhes disse que seria de longa duração e que, portanto, eles deveriam construir casas, como Babilônia deve ser por muito tempo. sua casa.

6 Tomai esposas, e gerai filhos e filhas, e tomai esposas para vossos filhos, e dai vossas filhas a homens, para que gerem filhos e filhas; e ali multiplicai-vos, e não vos diminuais.

que você … não seja diminuído – Era a vontade de Deus que a semente de Abraão não falhasse; assim, o consolo lhes é dado, e a esperança, embora não de um retorno imediato, ainda que final.

7 E buscai a paz da cidade para onde eu vos levei, e orai por ela ao SENHOR; porque na paz dela vós tereis paz.

(Ed 6:10; Rm 13:1; 1Tm 2:2). Não apenas suportem o jugo babilônico pacientemente, mas orem por seus senhores, isto é, enquanto durar o cativeiro. O bom momento de Deus viria quando eles orassem pela queda da Babilônia (Jr 51:35; Sl 137:8). Eles não deveriam evitar esse tempo. A religião verdadeira ensina submissão paciente, não sedição, mesmo que o príncipe seja descrente. Em todos os estados da vida, não deixemos de lado o conforto que podemos ter, porque não temos tudo o que teríamos. Existe aqui uma antecipação do amor do evangelho para com os inimigos (Mt 5:44).

8 Porque assim diz o SENHOR dos exércitos, Deus de Israel: Os vossos profetas, que há entre vós, e vossos adivinhos não vos enganem; nem escutais a vossos sonhos, que vós sonhais.

vossos sonhos, que vós sonhais – O ditado em latim diz: “O povo deseja ser enganado, para que seja enganado”. Não é mera credulidade que engana os homens, mas seu próprio amor perverso pelas trevas, e não pela luz. não sacerdotes que originaram o sacerdócio, mas apetite mórbido do povo para ser enganado; por exemplo, Aarão e o bezerro de ouro (Êx 32:1-4). Assim, os judeus causaram ou fizeram os profetas lhes dizerem sonhos encorajadores (Jr 23:25-26; Ec 5:7; Zc 10:2; Jo 3:19-21).

9 Pois eles vos profetizam falsamente em meu nome; eu não os enviei, diz o SENHOR.

(Veja em Jr 25:11; Jr 25:12; Dn 9:2). Isso prova que os setenta anos datam do cativeiro de Jeconia, não do último cativeiro. A especificação do tempo era para conter a impaciência dos judeus para que não se apressassem antes do tempo de Deus.

boa palavra – promessa de retorno.

10 Porque assim diz o SENHOR: Certamente que, quando se cumprirem setenta anos na Babilônia, eu vos visitarei; e cumprirei sobre vós minha boa palavra, trazendo-vos de volta a este lugar.
11 Porque eu sei os pensamentos que penso quanto a vós, diz o SENHOR, pensamentos de paz, e não de mal, para vos dar um futuro com esperança.

Eu sei – eu sozinho; não os falsos profetas que nada sabem dos meus propósitos, embora finjam saber.

pensamentos … eu acho – (Is 55:9). Olhando para os judeus que não tinham “pensamentos de paz”, mas apenas para “mal” (desgraça), porque eles não podiam conceber como a libertação poderia vir a eles. A doença moral do homem é dupla – uma vez vaidosa confiança; então, quando isso é desapontado, desespero. Então os judeus primeiro riram das ameaças de Deus, confiantes de que deviam retornar rapidamente; depois, quando se afastaram dessa confiança, afundaram-se num desânimo inconsolável.

um futuro com esperança – literalmente, “fim e expectativa”, isto é, um fim, e que tal fim como você deseja. Dois substantivos unidos por “e”, representando um substantivo e um adjetivo. Assim, em Jr 36:27, “o rolo e as palavras”, isto é, o rolo de palavras; Gn 3:16, “tristeza e concepção”, isto é, tristeza na concepção. Compare Pv 23:18, onde, como aqui, “fim” significa “uma questão feliz”.

12 Então me invocareis, e ireis, e orareis a mim, e eu vos ouvirei;

Cumprido (Dn 9:3, etc.) Quando Deus projeta misericórdia, Ele coloca nos corações de Seu povo para orar pela misericórdia planejada. Quando tal espírito de oração é derramado, é um sinal seguro da misericórdia vindoura.

Vá – ao templo e a outros lugares de oração: contrastando com sua preguiça anterior de ir buscar a Deus.

13 E vós me buscareis e achareis, quando me buscardes de todo o vosso coração.
14 E serei achado por vós, diz o SENHOR, e vos restauarei de vosso infortúnio, e vos ajuntarei de todas as nações, e de todos os lugares para onde eu vos lancei, diz o SENHOR; e vos farei voltar ao lugar de onde vos fiz serdes levados cativos.

para ser encontrado – (Sl 32:6; Is 55:6).

por sua vez … cativeiro – tocar sons, {shabti} … {shebith}.

15 Visto que dizeis: “O SENHOR tem nos levantado profetas na Babilônia”,

Porque – não se referindo às palavras precedentes, mas a Jr 29:10-11, “Jeová diz isto a você” (isto é, a profecia da continuação do cativeiro setenta anos), “porque disseste: O Senhor nos suscitou profetas na Babilônia ”, a saber, predizendo nossa libertação rápida (isto é suposto sua profecia, não expressa; portanto, Jr 29:16-19 contradiz esta falsa esperança novamente, Jr 29:8-9,21). Ele, neste décimo quinto verso, muda seu discurso dos piedosos (Jr 29:12-14) para os ouvintes ímpios, para os falsos profetas.

16 por isso assim diz o SENHOR acerca do rei que se assenta sobre o trono de Davi, e de todo o povo que mora nesta cidade, os vossos irmãos que não saíram convosco ao cativeiro;

nesta cidadenão saíram – Tão longe de seu retorno a Jerusalém em breve, até mesmo seus irmãos que ainda deixaram morar lá também serão lançados no exílio. Ele menciona “o trono de Davi”, para que não pensem que, porque o reino de Davi seria perpétuo, nenhum castigo severo, embora temporário, poderia se interpor (Sl 89:29-36).

17 Assim diz o SENHOR dos exércitos: Eis que enviarei contra eles espada, fome, e pestilência; e farei deles como a figos podres, que de tão ruins não podem ser comidos.

figos podes – hebraico, “horrível”, ou nauseabundo, de uma raiz “, a considerar com aversão” (ver Jr 24:8,10).

18 E os perseguirei com espada, com fome e com pestilência; e os farei de horror a todos os reinos da terra, de maldição e de espanto, e de assovio e de humilhação entre todas a nações às quais eu os tiver lançado;

reinos – (Jr 15:4; Dt 28:25).

maldição, etc. – (Jr 29:6; Jr 18:1619:8).

19 Porque não deram ouvidos às minhas palavras, diz o SENHOR, que lhes enviei por meus servos os profetas, insistindo em os enviar; próem não escutastes, diz o SENHOR.
20 Vós, pois, ouvi a palavra do SENHOR, todos os do cativeiro que enviei de Jerusalém à Babilônia.
21 Assim diz o SENHOR dos exércitos, Deus de Israel, quanto a Acabe filho de Colaías, e quanto a Zedequias filho de Maaseias, que vos profetizam falsamente em meu nome: Eis que os entregarei na mão de Nabucodonosor rei da Babilônia, e ele os ferirá diante de vossos olhos.

Zedequias – irmão de Sofonias (Jr 29:25), ambos filhos de Maaséias; provavelmente da mesma família que o falso profeta sob Acabe em Israel (1Rs 22:1124).

22 E todos os exilados de Judá que estão na Babilônia, os usarão como objeto de maldição, dizendo: Que o SENHOR faça a ti como a Zedequias e como a Acabe, aos quais o rei de Babilônia assou no fogo;

uma maldição – isto é, uma fórmula de imprecação.

Senhor faze-te como Zedequias – (Veja Gn 48:20; Is 65:15).

assado no fogo – um castigo caldeu (Dn 3:6).

23 porque fizeram loucura em Israel, e cometeram adultério com as mulheres de seus próximos; e falaram falsamente em meu nome palavra que não lhes mandei; e disso eu sei, e sou testemunha, diz o SENHOR.

vilania – literalmente, “insensatez pecaminosa” (Is 32:6).

24 E a Semaías o neelamita falarás, dizendo:

Uma segunda comunicação que Jeremias enviou a Babilônia, depois que o mensageiro que carregou sua primeira carta, trouxe uma carta do falso profeta Semaías a Sofonias, etc., condenando Jeremias e reprovando as autoridades por não tê-lo prendido.

neelamita – um nome derivado de seu pai ou de um lugar: aludindo ao mesmo tempo ao significado hebraico, “um sonhador” (compare Jr 29:8).

25 Assim diz o SENHOR dos exércitos, Deus de Israel, dizendo: Enviaste em teu nome cartas a todo o povo que está em Jerusalém, e a Sofonias, filho do sacerdote Maaseias, e a todos os sacerdotes, dizendo:

em teu nome – sem a aprovação do “Senhor dos exércitos, o Deus de Israel”, palavras que estão em antítese ao “teu nome” (Jo 5:43).

Sofonias – o segundo sacerdote, ou substituto (Sagan) do sumo sacerdote. Ele foi um dos enviados para consultar Jeremias por Zedequias (Jr 21:1). Morto por Nabucodonosor na captura de Jerusalém (2Rs 25:18-21). Sofonias estava particularmente endereçado, como sendo provável que contra Jeremias a predição do profeta contra seu irmão Zedequias na Babilônia (Jr 29:21). Sofonias devia ler aos sacerdotes e na presença de todo o povo no templo.

26 O SENHOR te pôs por sacerdote em lugar do sacerdote Joiada, para que sejas supervisor na casa do SENHOR sobre todo homem furioso e profetizante, para o lançares na prisão e no tronco.

em lugar do sacerdote Joiada – a promoção de Sofonias como segundo padre, devido a Jeoiada estar no exílio, foi inesperada. Shemaiah assim o acusa de ingratidão para com Deus, que o havia exaltado muito antes de seu tempo regular.

sereis oficiais … para todo homem – Deverias, como tendo domínio no templo (ver sobre Jr 20: 1), apreender todo falso profeta como Jeremias.

loucos – Os profetas inspirados eram frequentemente chamados pelos ímpios (2Rs 9:11; At 26:24; At 2:13,15,17-18). Jeremias é neste um tipo de Cristo, contra quem a mesma acusação foi trazida (Jo 10:20).

prisão – em vez disso, “os estoques” (ver em Jr 20:2).

estoques – a partir de uma raiz, “confinar”; daí, em vez disso, “uma masmorra estreita”. De acordo com Dt 17:8-9, o padre era juiz em tais casos, mas não tinha o direito de colocá-lo nos estoques; este direito ele tinha assumido para si mesmo no estado conturbado dos tempos.

27 Agora, pois, por que não repreendeste a Jeremias de Anatote, que vos profetiza?

de Anatote – disse com desdém, como “Jesus de Nazaré”.

se faz a si mesmo – como se Deus não o tivesse feito um, mas ele próprio o fizera.

28 Porque por isso ele nos mandou dizer na Babilônia: O cativeiro será duradouro; edificai casas, e nelas morai; plantai hortas, e comei o fruto delas.

Referindo-se à primeira carta de Jeremias à Babilônia (Jr 29:5).

29 E o sacerdote Sofonias leu esta carta aos ouvidos do profeta Jeremias.

leu esta carta aos ouvidos do profeta Jeremias – Ele parece ter menos preconceito contra Jeremias do que os outros; daí ele lê a acusação ao profeta, que ele não deveria ser condenado sem uma audiência. Isto está de acordo com a imputação de Semaías contra Sofonias por falta de zelo contra Jeremias (Jr 29:26-27). Daí o último foi escolhido pelo rei Zedequias como um dos deputados a Jeremias (Jr 21:137:3).

30 Então veio a palavra do SENHOR a Jeremias, dizendo:

Isso resume o fio da sentença que começou em Jr 29:25, mas foi deixado lá não concluído. Aqui, neste trigésimo versículo, está completo, não no entanto em continuidade, mas por um novo período. A mesma construção ocorre em Rm 5:12-15.

31 Manda dizer a todos os do cativeiro: Assim diz o SENHOR quanto a Semaías, o neelamita: Visto que Semaías vos profetizou, sem que eu tenha o enviado, e vos fez confiar em mentiras;
32 Portanto assim diz o SENHOR: Eis que castigarei Semaías o neelamita, e a sua descendência; ele não terá ninguém que habite entre este povo, nem verá o bem que eu farei a meu povo, diz o SENHOR; pois ele falou rebelião contra o SENHOR.

um homem habitar – (Dt 28:18).

não… eis o bem – Como ele desprezava o tempo legal e desejava retornar antes do tempo que Deus havia expressamente anunciado, em justa retribuição ele não deveria compartilhar a restauração da Babilônia.

rebelião – indo contra a vontade revelada de Deus quanto ao tempo (Jr 28:16).

<Jeremias 28 Jeremias 30>

Introdução à Jeremias 29

Carta de Jeremias aos cativos da Babilônia, para neutralizar as garantias dadas pelos falsos profetas de uma rápida restauração.

Leia também uma introdução ao Livro de Jeremias.

Adaptado de: Commentary Critical and Explanatory on the Whole Bible. Todas as Escrituras em português citadas são da Bíblia Livre (BLIVRE), Copyright © Diego Santos, Mario Sérgio, e Marco Teles – fevereiro de 2018.