Romanos 5

1 Portanto, agora que somos justificados pela fé, tenhamos paz com Deus por meio do nosso Senhor Jesus Cristo.

Comentário de David Brown

Sendo a prova desta doutrina agora concluída, o apóstolo vem aqui para tratar de seus frutos, reservando a plena consideração deste tópico para outro estágio do argumento (Rm 8:1-39).

justificados pela fé, tenhamos paz com Deus… – Se quisermos ser guiados pela autoridade manuscrita, a verdadeira leitura aqui, sem dúvida, é:“tenhamos paz”; uma leitura, no entanto, que a maioria rejeita, porque eles acham não natural exortar os homens a terem o que é que Deus deve dar, porque o apóstolo não está aqui dando exortações, mas afirmando questões de fato. Mas como parece arriscado deixar de lado o testemunho decisivo dos manuscritos, sobre o que o apóstolo escreveu, em favor do que meramente pensamos que ele deveria ter escrito, vamos fazer uma pausa e perguntar – Se é privilégio do justificado “Tenha paz com Deus”, por que o apóstolo não pode começar sua enumeração dos frutos da justificação pedindo aos crentes que “percebam” essa paz como pertencente a eles, ou acalentem a alegre consciência dela como sua própria? E se isto é o que ele fez, não seria necessário continuar no mesmo estilo, e os outros frutos da justificação poderiam ser estabelecidos, simplesmente como fatos de fato. Essa “paz” é primeiro uma mudança na relação de Deus conosco; e depois, como consequência disso, uma mudança de nossa parte para com Ele. Deus, por um lado, “nos reconciliou com Jesus Cristo” (2Co 5:18); e nós, por outro lado, estabelecendo nosso selo para isto, “estamos reconciliados com Deus” (2Co 5:20). A propiciação é o ponto de encontro; aí a controvérsia de ambos os lados termina em uma “paz” honrosa e eterna. [JFB, aguardando revisão]

2 Por meio dele também temos acesso pela fé a esta graça, na qual estamos firmes, e nos alegramos na esperança da glória de Deus.

Comentário Barnes

temos acesso – Veja a nota em João 14:6 , “Eu sou o caminho”, etc. Doddridge traduz “por quem fomos apresentados”, etc. Significa “por quem temos o privilégio de obter o favor de Deus, que desfrutamos quando somos justificados. ” A palavra traduzida como “acesso” ocorre, mas em dois outros lugares no Novo Testamento, Efésios 2:18 ; Efésios 3:12 . Por Jesus Cristo, o caminho está aberto para obtermos o favor de Deus.

pela fé – Por meio da fé, Romanos 1:17 .

a esta graça – Para este favor da reconciliação com Deus.

na qual estamos – Em que agora estamos em conseqüência de sermos justificados.

e nos alegramos – A religião é freqüentemente representada como produzindo alegria, Isaías 12:3 ; Isaías 35:10 ; Isaías 52:9 ; Isaías 61:3 , Isaías 61:7 ; Isaías 65:14 , Isaías 65:18 ; João 16:22 , João 16:24 ; Atos 13:52 ; Romanos 14:17 ; Gálatas 5:22 ; 1 Pedro 1:8 . As fontes ou etapas dessa alegria são estas: (1) Somos justificados ou considerados por Deus como justos; (2) somos admitidos em seu favor e permanecemos lá; (3) temos a perspectiva de bênçãos ainda maiores e mais ricas na plenitude de sua glória quando formos admitidos no céu.

na esperança – No desejo sincero e na expectativa de obter essa glória. A esperança é uma emoção complexa composta de um desejo por um objeto; e uma expectativa de obtê-lo. Onde qualquer um desses está faltando, não há esperança. Onde eles estão misturados em proporções impróprias, não há paz. Mas onde o desejo de obter um objeto é acompanhado de uma expectativa de obtê-lo, em proporção a esse desejo, existe aquele estado de espírito pacífico e feliz que denominamos esperança. E o apóstolo aqui implica que o cristão tem um desejo sincero por isso glória; e que ele tem uma expectativa confiante de obtê-lo. O resultado disso ele imediatamente afirma ser, que somos sustentados por isso em nossas aflições.

da glória de Deus – a glória que Deus nos concederá. A palavra “glória” geralmente significa esplendor, magnificência, honra; e o apóstolo aqui se refere àquela honra e dignidade que serão conferidas aos remidos quando eles forem elevados às honras da redenção; quando eles triunfarão na conclusão da obra:e serão libertos do pecado, da dor e das lágrimas, e poderão participar de todos os esplendores que envolverão o trono de Deus nos céus; veja a nota em Lucas 2:9 ; compare isso com Apocalipse 21:22-24 ; Apocalipse 22:5 ; Isaías 60:19-20 . [Barnes, aguardando revisão]

3 E não somente isso, mas também nos alegramos nas tribulações, sabendo que a tribulação produz paciência;

Comentário Barnes

E não somente isso – Nós não apenas nos alegramos em tempos de prosperidade e saúde. Paulo passa a mostrar que esse plano não é menos adaptado para produzir apoio em provações.

mas também nos alegramos – A palavra usada aqui é a mesma que está em Romanos 5:2 , traduzida como “nos regozijamos” καυχώμεθα kauchōmetha. Deveria ter sido assim reproduzido aqui. O significado é que nos regozijamos não apenas na esperança; não apenas nos resultados diretos da justificação, no efeito imediato que a própria religião produz; mas carregamos nossa alegria e triunfo mesmo em meio às provações. De acordo com isso, nosso Salvador dirigiu seus seguidores a se alegrar nas perseguições, Mateus 5:11-12 . Compare Tiago 1:2 , Tiago 1:12 .

nas tribulações – nas aflições. A palavra usada aqui se refere a todos os tipos de provações que as pessoas são chamadas a enfrentar; embora seja possível que Paulo se referisse particularmente às várias perseguições e provações que eles foram chamados a suportar como cristãos.

sabendo – Ter a certeza disso. A segurança de Paulo pode ter surgido do raciocínio sobre a natureza da religião e sua tendência para produzir conforto; ou é mais provável que ele estivesse falando aqui a linguagem de sua própria experiência. Ele descobriu que era assim. Isso foi escrito perto do fim de sua vida e narra a experiência pessoal de um homem que suportou, talvez, tanto quanto qualquer um, na tentativa de pregar o evangelho; e muito mais do que comumente cabe à humanidade. No entanto, ele, como todos os outros cristãos, podia deixar seu testemunho deliberado de que o cristianismo era suficiente para sustentar a alma em suas provações mais severas; veja 2 Coríntios 1:3-6 ; 2 Coríntios 11:24-29 ; 2 Coríntios 12:9-10 .

produz – o efeito das aflições na mente dos cristãos é torná-los pacientes. Os pecadores ficam irritados e preocupados com eles; eles reclamam e se tornam cada vez mais obstinados e rebeldes. Eles não têm fontes de consolo; eles consideram Deus um mestre severo; e eles ficam irritados e rebeldes na proporção da profundidade e continuação de suas provações. Mas na mente de um cristão, que considera a mão de seu Pai nela; que vê que não merece misericórdia; quem tem confiança na sabedoria e bondade de Deus; que sente que é necessário para o seu próprio bem ser afligido; e que experimenta seu efeito feliz, subjugante e brando ao restringir suas paixões pecaminosas, e ao retirá-lo do mundo, o efeito é produzir paciência. De acordo, em geral, descobrir-se-á que os cristãos que estão há mais tempo e mais gravemente aflitos são os mais pacientes. Ano após ano de sofrimento produz maior paz e calma de alma; e no final de sua carreira o cristão está mais disposto a ser afligido e suporta suas aflições com mais calma do que no início. Aquele que na terra foi o mais aflito foi o mais paciente de todos os sofredores; e não menos paciente quando foi “conduzido como um cordeiro ao matadouro”, do que quando experimentou a primeira provação em sua grande obra.

paciência – “Um temperamento calmo, que sofre males sem murmurar ou descontentamento” (Webster). [Barnes, aguardando revisão]

4 a paciência produz experiência, e a experiência produz esperança.

Comentário Barnes

a paciência produz experiência – a perseverança do paciente na provação produz experiência. A palavra traduzida como “experiência” (δοκιμήν dokimēn) significa ensaio, teste ou exame completo pelo qual determinamos a qualidade ou natureza de uma coisa, como quando testamos um metal pelo fogo, ou de qualquer outra forma, para verificar se ele é genuíno. Também significa aprovações ou o resultado de tal tentativa; o ser aprovado e aceito como o efeito de um processo de experimentação. O significado é que longas aflições suportadas pacientemente mostram ao cristão o que ele é; eles testam sua religião e provam que é genuína. As aflições são freqüentemente enviadas com esse propósito, e a paciência no meio delas mostra que a religião que pode sustentá-las vem de Deus.

e a experiência produz esperança – O resultado de tão longa provação é produzir esperança. Eles mostram que a religião é genuína; que é de Deus; e não apenas isso, mas eles direcionam a mente para outro mundo; e sustentar a alma com a perspectiva de uma gloriosa imortalidade ali. As várias etapas e estágios dos benefícios das aflições são assim lindamente delineados pelo apóstolo de uma maneira que está de acordo com a experiência de todos os filhos de Deus.[Barnes, aguardando revisão]

5 E a esperança não frustra, porque o amor de Deus está derramado em nossos corações pelo Espírito Santo que nos foi dado.

Comentário Barnes

E a esperança não frustra – Ou seja, esta esperança não decepcionará, nem enganará. Quando esperamos um objetivo que não alcançamos, estamos cônscios do desapontamento; talvez às vezes de um sentimento de vergonha. Mas o apóstolo diz que a esperança cristã é tal que será cumprida; não irá decepcionar; o que esperamos, certamente obteremos; veja Filipenses 1:20 . A expressão usada aqui provavelmente foi tirada do Salmo 22:4-5 ; Nossos pais confiaram em ti; Eles confiaram; e tu os livraste. Eles clamaram a ti, E foram entregues; Eles confiaram em ti, E não ficaram confusos (envergonhados).

porque o amor de Deus – Amor a Deus. É produzido um amor abundante e transbordante por Deus.

está derramado – É difundido; é derramado; é abundantemente produzido ἐκκέχυται ekkechutai. Esta palavra aplica-se apropriadamente à água ou a qualquer outro líquido derramado ou difundido. É usado também para denotar transmitir, ou comunicar livre ou abundantemente, e é, portanto, expressivo da influência do Espírito Santo derramado ou abundantemente transmitido às pessoas; Atos 10:45 . Aqui, significa que o amor para com Deus é copiosa ou abundantemente dado a um cristão; seu coração está consciente do amor elevado e abundante a Deus, e por isso ele é sustentado em suas aflições.

pelo Espírito Santo – É produzido pela influência do Espírito Santo. Todas as graças cristãs são atribuídas à sua influência; Gálatas 5:22 , “Mas o fruto do Espírito é amor, alegria”, etc.

que nos foi dado – Qual Espírito é dado ou comunicado a nós. O Espírito Santo é assim representado como habitando nos corações dos crentes; 1 Coríntios 6:19 ; 1 Coríntios 3:16 ; 2 Coríntios 6:16 . Em todos esses lugares, significa que os cristãos estão sob sua influência santificadora; que ele produz em seus corações as graças cristãs; e preenche suas mentes com paz, amor e alegria. [Barnes, aguardando revisão]

6 Pois quando ainda éramos fracos, Cristo morreu a seu tempo pelos ímpios.

Comentário de David Brown

Pois quando ainda éramos fracos. Isto é, impotentes para nos libertarmos, e tão prontos para perecer.

a seu tempo. Na época determinada.

Cristo morreu a seu tempo pelos ímpios. Três propriedades de sinal do amor de Deus são dadas aqui:Primeiro, “Cristo morreu pelos ímpios”, cujo caráter, tão longe de merecer qualquer interposição em seu favor, era totalmente repulsivo aos olhos de Deus; segundo, Ele fez isso “quando eles estavam fracos” – sem nada entre eles e perdição, mas com aquela autooriginária compaixão divina; terceiro, Ele fez isso ” a seu tempo”, quando era mais apropriado que isso acontecesse (compare Gl 4:4). As duas primeiras dessas propriedades que o apóstolo agora passa a ilustrar. [JFB]

7 Ora, dificilmente alguém morre por um justo, ainda que talvez alguém possa ousar morrer por uma boa pessoa.

Comentário Whedon

um justouma pessoa boa…Um justo é um homem rigorosamente correto; um bom homem nunca é injusto, mas muitas vezes mais do que justo, isto é, bondoso e generoso. O primeiro todos podem respeitar, poucos amarão, menos ainda morreriam por ele; o segundo é amado, e por ele muitos sacrificariam muito, talvez até mesmo a vida. [Whedon]

8 Mas Deus prova o seu amor por nós através de Cristo haver morrido por nós, quando ainda éramos pecadores.

Comentário Barnes

Mas Deus prova…Deus demonstrou ou mostrou o seu amor desta maneira incomum e notável.

o seu amor. Seu sentimento bondoso; Sua beneficência; Sua disposição de submeter-se ao sacrifício para fazer o bem aos outros.

Cristo haver morrido por nós. Em nosso lugar; para salvar-nos da morte. Ele tomou o nosso lugar; e ao morrer na cruz, salvou-nos de morrer eternamente no inferno.

quando ainda éramos pecadores. E, claro, os seus inimigos. Nisso, o seu amor ultrapassa tudo o que jamais foi manifestado entre os povos. [Barnes]

9 Por isso, muito mais agora, que já somos justificados por seu sangue, seremos por ele salvos da ira.

Comentário Barnes

muito mais agora. É muito mais razoável esperar isso. Há menos obstáculos no caminho. Se, quando éramos inimigos, ele venceu tudo o que estava no caminho da nossa salvação; muito mais temos razões para esperar que ele nos dê proteção agora que somos seus amigos. Esta é uma das bases da esperança expressa em Romanos 5:5.

que já somos justificados. Perdoados; aceitos como amigos.

por seu sangue. Pela sua morte (Rm 3:25). O fato de sermos comprados pelo seu sangue, e santificados por ele, nos torna sagrados aos olhos de Deus; dá-nos um valor proporcional ao valor do preço da nossa redenção; e é uma garantia de que ele guardará o que foi comprado tão caro.

salvos da ira. Do inferno; do castigo decorrente do pecado (Rm 2:8). [Barnes]

10 Pois, se quando éramos inimigos, fomos reconciliados com Deus pela morte do seu Filho, muito mais, tendo sido reconciliados, seremos salvos pela sua vida.

Comentário de David Brown

reconciliados, seremos salvos pela sua vida – isto é, “Se aquela parte da obra do Salvador que custou a Ele Seu sangue, e que teve que ser forjada por pessoas incapazes da menor simpatia, seja com Seu amor ou Seus labores em favor deles – até a nossa justificação, a nossa reconciliação, já está concluída; quanto mais Ele fará tudo o que resta a ser feito, já que Ele tem que fazer, não mais por agonias mortais, mas em ‘vida’ despreocupada, e não mais por inimigos, mas por amigos – de quem, em cada estágio. dele, Ele recebe a resposta grata das almas redimidas e adoradoras? ”Ser“ salvo da ira por meio Dele ”denota aqui toda a obra de Cristo para os crentes, desde o momento da justificação, quando a ira de Deus é afastada até que o Juiz do grande trono branco descarregue essa ira sobre eles que “não obedecem ao Evangelho de nosso Senhor Jesus Cristo”; e esse trabalho pode ser resumido em “impedi-los de cair, e apresentá-los sem defeito diante da presença de Sua glória com grande alegria” (Jz 1:24):assim eles são “salvos da ira por meio Dele”. [JFB, aguardando revisão]

11 E não somente isso, mas também nos alegramos em Deus por meio do nosso Senhor Jesus Cristo, por quem agora recebemos a reconciliação.

Comentário Barnes

E não somente isso – o apóstolo afirma outro efeito da justificação.

mas também nos alegramos em Deus – em Romanos 5:2 , ele disse que nos alegramos nas tribulações e na esperança da glória de Deus. Mas ele aqui acrescenta que nos regozijamos no próprio Deus; em sua existência; seus atributos; sua justiça, santidade, misericórdia, verdade, amor. O cristão se alegra por Deus ser tal como ele é; e glórias de que o universo está sob sua administração. O pecador se opõe a ele; ele não encontra prazer nele; ele o teme ou odeia; e o considera não qualificado para o império universal. Mas é uma característica da verdadeira piedade, uma evidência de que estamos verdadeiramente reconciliados com Deus, que nos regozijamos nele como ele é; e encontre prazer na contemplação de suas perfeições conforme são reveladas nas Escrituras.

por meio do nosso Senhor… – Pela mediação de nosso Senhor Jesus, que revelou o verdadeiro caráter de Deus e por quem fomos reconciliados com ele. [Barnes, aguardando revisão]

12 Portanto, assim como por um homem o pecado entrou no mundo, e pelo pecado a morte, assim também a morte passou a todos os seres humanos, porque todos pecaram.

Comentário Barnes

Portanto – διὰ τοῦτο dia touto. Nesta conta. Esta não é uma inferência do que aconteceu antes, mas uma continuação do desígnio do apóstolo de mostrar as vantagens do plano de justificação pela fé; como se ele tivesse dito:“As vantagens desse plano foram vistas em nosso conforto e paz, e em seu poder de sustentação nas aflições. Além disso, as vantagens do plano são vistas em relação a isso, que é aplicável à condição do homem em um mundo onde o pecado de um homem produziu tanta dor e morte. “Por esta razão” também é motivo de alegria. Encontra os males de uma raça decaída; e, portanto, é um plano adaptado ao homem. ” Assim entendida, a conexão e o desenho da passagem são facilmente explicados. Com respeito ao estado de coisas em que o homem caiu, os benefícios deste plano podem ser vistos como adaptados para curar as enfermidades e ser proporcionais aos males que a apostasia de um homem trouxe ao mundo. Esta explicação não é o que geralmente é dado a este lugar, mas é o que me parece ser exigido pela tensão do raciocínio do apóstolo. A passagem é elíptica e é necessário fornecer algo para entender o sentido.

assim – ὥσπερ hōsper. Esta é a forma de comparação. Mas a outra parte da comparação é adiada para Romanos 5:18 . A conexão evidentemente requer que entendamos a outra parte da comparação da obra de Cristo. Na rápida seqüência de idéias na mente do apóstolo, isso foi adiado para dar lugar a explicações Romanos 5:13-17 . “Assim como o pecado de um homem entrou no mundo, etc., também pela obra de Cristo um remédio foi providenciado, proporcional aos males. Como o pecado de um homem teve tal influência, a obra do Redentor tem uma influência para enfrentar e neutralizar esses males. ” A passagem em Romanos 5:13-17 deve, portanto, ser considerado como um parêntese lançado com o propósito de fazer explicações e para mostrar como os casos de Adão e de Cristo diferiam um do outro.

por um homem… – Por meio de um homem; pelo crime de um homem. Seu ato foi a ocasião para a introdução de todos os pecados em todo o mundo. O apóstolo aqui se refere ao conhecido fato histórico Genesis 3:6-7, sem qualquer explicação do modo ou causa disso. Ele aduziu isso como um fato bem conhecido; e, evidentemente, pretendia falar sobre isso não com o propósito de explicar o modo, ou mesmo de tornar este o tópico principal ou proeminente na discussão. Seu objetivo principal não é falar da maneira de introduzir o pecado, mas mostrar que a obra de Cristo encontra e remove males bem conhecidos e extensos. Suas explicações, portanto, limitam-se principalmente à obra de Cristo. Ele fala da introdução, da disseminação e dos efeitos do pecado, não como tendo qualquer teoria a defender sobre esse assunto, não como planejando entrar em uma descrição minuciosa do caso, mas como ele foi manifestado na face das coisas, como estava no registro histórico e como era compreendido e admitido pela humanidade.

Grande perplexidade foi introduzida pelo esquecimento do escopo do argumento do apóstolo aqui, e pela suposição de que ele estava defendendo uma teoria especial sobre o assunto da introdução do pecado; ao passo que nada é mais estranho ao seu projeto. Ele está mostrando como o plano de justificação “encontra males universais bem compreendidos e reconhecidos.” Ele se refere a esses males exatamente como foram vistos e admitidos existirem. Todas as pessoas os veem, sentem e praticamente os compreendem. A verdade é que a doutrina da queda do homem e a prevalência do pecado e da morte não pertencem especialmente ao Cristianismo mais do que a introdução e disseminação de doenças fazem à ciência da arte da cura. O Cristianismo não introduziu o pecado; nem é responsável por isso A existência do pecado e nós pertencemos à raça;

A existência e extensão do pecado e da morte não são afetadas se o infiel puder mostrar que o Cristianismo foi uma imposição. Eles ainda permaneceriam. A religião cristã é apenas “um modo de propor um remédio para males bem conhecidos e desoladores”; assim como a ciência da medicina propõe um remédio para doenças “que ela não introduziu, e que não poderiam ser contidas em suas desolações, ou modificadas, se pudesse ser mostrado que toda a ciência da cura era pretensão e charlatanismo. Mantendo este desígnio do apóstolo em vista, portanto, e lembrando que ele não está defendendo ou enunciando uma teoria sobre a introdução do pecado, mas que ele está explicando a maneira pela qual a obra de Cristo livra de um mal universal profundamente sentido, encontraremos a explicação desta passagem livre de muitas das dificuldades com as quais se pensava normalmente ser investida.

por um homem – por Adão; veja Romanos 5:14 . É verdade que o pecado foi literalmente introduzido por Eva, a primeira na transgressão; Gênesis 3:6 ; 1 Timóteo 2:14 . Mas o apóstolo evidentemente não está explicando o modo preciso pelo qual o pecado foi introduzido, ou fazendo disso seu ponto principal. Ele, portanto, fala da introdução do pecado em um sentido popular, como era geralmente entendido. As seguintes razões podem ser sugeridas porque o homem é mencionado em vez da mulher como a causa da introdução do pecado:

(1) Era a maneira natural e usual de expressar tal evento. Dizemos que o homem pecou, ​​que o homem se redimiu, o homem morreu, etc. Não paramos para indicar o sexo nessas expressões. Então, com isso, ele sem dúvida quis dizer que foi introduzido pela linhagem da raça humana.

(2) o nome de Adão nas Escrituras foi dado ao casal criado, os pais da família humana, um nome que designa sua origem terrena; Gênesis 5:1-2 , “No dia em que Deus criou o homem, à semelhança de Deus o fez; homem e mulher os criou, e os abençoou, e chamou-lhes o nome de Adão”. O nome Adão, portanto, usado nesta conexão Romanos 5:14 , sugere a ascendência unida da família humana.

(3) nas transações em que o homem e a mulher estão mutuamente interessados, é comum falar primeiro do homem, por ser constituído de superior hierárquico e autoridade.

(4) a comparação de um lado, no argumento do apóstolo, é do homem Jesus Cristo; e para assegurar a adequação, a congruência (Stuart) da comparação, ele fala do homem apenas na transação anterior.

(5) o pecado da mulher não era completo em seus efeitos sem a concordância do homem. Foi a união deles que foi a causa do mal. Conseqüentemente, o homem é especialmente mencionado como tendo reordenado a ofensa do que era; como tendo completado isto, e acarretado suas maldições na corrida. A partir dessas observações, é claro que o apóstolo não se refere ao homem aqui a partir de qualquer ideia de que houve qualquer transação de aliança particular com ele, mas que ele pretende falar disso no sentido comum e popular; referindo-se a ele como sendo a fonte de todas as desgraças que o pecado introduziu no mundo.

“No dia em que dela comeres, certamente morrerás”, Gênesis 2:17. Este é um relato da primeira grande transação de aliança entre Deus e o homem. Leva-nos de volta à origem da humanidade e revela a origem do mal, sobre o qual tanto foi escrito e falado em vão. Que Deus fez aliança com Adão em inocência, é uma doutrina com a qual o Catecismo Menor nos tornou familiarizados desde a infância. Nem é sem autoridade superior. Seria impróprio, de fato, aplicar a essa transação tudo o que pode ser considerado essencial a um pacto ou barganha humano. Sempre que as coisas divinas são representadas por coisas análogas entre os homens, deve-se tomar cuidado para excluir toda idéia que seja inconsistente com a dignidade do sujeito. Se a analogia for pressionada além dos limites devidos, o assunto não é ilustrado, mas degradado. Por exemplo, no presente caso, não devemos supor que, porque em pactos humanos, o consentimento das partes é essencial, e ambas têm plena liberdade para receber ou rejeitar os termos propostos como acharem adequado; a mesma coisa se aplica ao caso de Adão. Na verdade, ele deu livremente seu consentimento aos termos da aliança, como um ser santo não poderia deixar de fazer, mas ele não tinha a liberdade de negar esse consentimento. Ele era uma criatura inteiramente à disposição divina, cujo dever desde o momento de sua existência era a obediência implícita. Ele não tinha poder para ditar ou rejeitar termos. A relação das partes neste pacto torna inadmissível a ideia de poder para recusar o consentimento.

Mas, porque a analogia não pode ser pressionada além de certos limites, devemos, portanto, abandoná-la inteiramente? Prosseguindo com este princípio, descobriríamos rapidamente que é impossível reter qualquer termo ou figura que já tenha sido empregado sobre assuntos religiosos. Os principais fundamentos de uma aliança são encontrados nesta grande transação, e nada mais é necessário para justificar a denominação que os teólogos ortodoxos aplicaram a ela. “Um convênio é um contrato, ou acordo, entre duas ou mais partes, em certos termos.” Supõe-se comumente que implica a existência de partes, uma promessa e uma condição. Todas essas partes constituintes de um pacto se encontram no caso em análise. As partes são Deus e o homem, Deus e o primeiro pai da raça humana; a promessa é vida, que embora não seja expressamente declarada, ainda está distintamente implícita na pena; e a condição é obediência à vontade suprema de Deus. Em convênios humanos, nenhuma penalidade maior é incorrida do que a perda da bênção prometida e, portanto, a ideia de penalidade não é considerada essencial para um convênio. Em todo caso de promessa perdida, entretanto, há a imposição de penalidade, no valor exato da bênção perdida. Não podemos pensar em Adão perdendo a vida sem a ideia correspondente de sofrer a morte. De modo que, de fato, a perda da promessa e a aplicação da pena são quase a mesma coisa.

Não é uma objeção válida a esta visão, que a palavra “aliança”, como nosso autor nos diz, (p. 137) “não é aplicada na transação na Bíblia”, pois há muitos termos, cuja exatidão nunca é contestado, que não se encontra mais nas Escrituras do que isto. Onde encontramos termos como “a queda”, “a Trindade” e muitos outros que podem ser mencionados? O mero nome, em, ação, não é uma questão de grande importância, e se permitirmos que na transação em si, havia partes e uma promessa e uma condição (que não pode ser facilmente negada) é de menos momento, quer chamemos de uma aliança, ou com nosso autor e outros, “uma constituição divina.” É óbvio observar, no entanto, que este último título é tão pouco a ser encontrado “aplicado na transação na Bíblia”, como o primeiro, e, além disso, é mais “passível de ser mal compreendido”; sendo vago e indefinido, sugerindo apenas, que Adão estava sob uma lei divina, ou constituição; ao passo que a palavra “pacto” expressa distintamente o tipo ou forma da lei, e dá um caráter definido a toda a transação.

Mas embora a doutrina do pacto de obras seja independente da ocorrência do nome nas Escrituras, mesmo este estreito terreno de objeção não é tão facilmente mantido como alguns imaginam. Em Os 6:7, é dito (de acordo com a leitura marginal, que está em estrita conformidade com o hebraico original) que eles gostam de Adão:כאדם k ‘-‘ Aadam transgrediu a aliança. E naquela célebre passagem da Epístola aos Gálatas, Gl 4:24, quando Paulo fala das “duas alianças”, ele alude, na opinião de algumas das mais altas autoridades, à aliança das obras e à aliança da graça . Esta opinião é abraçada e defendida com grande habilidade pelo falecido Sr. Bell de Glasgow, um dos mais ilustres teólogos de sua época, em uma erudita dissertação sobre o assunto:Bell on the Covenants p. 85. A autoridade das Escrituras, então, parece não estar totalmente ausente, mesmo para o nome.

Esta doutrina da aliança está intimamente conectada com a do pecado imputado, pois se não houvesse aliança, não poderia haver aliança ou cabeça representativa; e se não houvesse um princípio de aliança, não poderia haver imputação de pecado. Daí a antipatia pelo nome.)

o pecado entrou no mundo – Ele foi o primeiro pecador da raça. A palavra “pecado” aqui evidentemente significa violação da Lei de Deus. Ele foi o primeiro pecador entre as pessoas e, em conseqüência, todos os outros se tornaram pecadores. O apóstolo não se refere aqui a Satanás, o tentador, embora ele fosse o sugestivo do mal; pois seu desígnio era discutir o efeito do plano de salvação em enfrentar os pecados e calamidades de nossa raça. Este projeto, portanto, não exigia que ele introduzisse o pecado de outra ordem de seres. Ele diz, portanto, que Adão foi o primeiro pecador da raça, e que a morte foi a consequência.

no mundo – entre a humanidade; João 1:10 ; João 3:16-17 . O termo “mundo” é freqüentemente usado para denotar seres humanos, a raça, a família humana. O apóstolo aqui evidentemente não está discutindo a doutrina do pecado original, mas afirma um fato simples, inteligível para todos:”O primeiro homem violou a Lei de Deus e, assim, o pecado foi introduzido entre os seres humanos.” Neste fato – esta declaração geral e simples – não há mistério.

e pelo pecado a morte – a morte foi a conseqüência do pecado; ou foi introduzido porque o homem pecou. Esta é uma declaração simples de um fato óbvio e bem conhecido. É simplesmente repetir o que é dito em Gênesis 3:19 :“Com o suor do teu rosto comerás o pão, até que tornes à terra; porque dela foste tirado; Retorna.” A ameaça era Gênesis 2:17, “Da árvore do conhecimento do bem e do mal não comerás dela, porque no dia em que dela comeres certamente morrerás.” Se uma investigação for feita aqui, como Adam entenderia isso; Eu respondo que não temos nenhuma razão para pensar que ele entenderia isso como se referindo a algo mais do que a perda de vidas como uma expressão do desprazer de Deus. Moisés não dá a entender que foi erudito na natureza das leis e penalidades; e sua narrativa nos levaria a supor que isso seria tudo o que ocorreria a Adão. E, de fato, há a maior evidência que o caso admite, que esse era o seu entendimento.

Pois na conta da aplicação da pena depois que a Lei foi violada; na própria interpretação de Deus, em Gênesis 3:19, ainda não há referência a nada mais. “Tu és pó e ao pó voltarás.” Agora, é incrível que Adão tenha entendido isso como se referindo ao que foi chamado de “morte espiritual” e à “morte eterna”, quando nem na ameaça, nem no relato da imposição da sentença, existe a menor referência gravada a ele. As pessoas têm causado grande dano na causa da interpretação correta, levando suas noções de assuntos doutrinários para a explicação de palavras e frases no Antigo Testamento. Eles geralmente descrevem Adão como dotado de todo o refinamento, possuidor de todo o conhecimento e adornado com toda a perspicácia metafísica e sutileza de um teólogo moderno. Eles o consideraram qualificado desde a infância do mundo para compreender e discutir questões que, sob toda a luz da revelação cristã, ainda deixam perplexa e embaraçosa a mente humana. Após esses relatos sobre as dotações de Adão, que ocupam um espaço tão grande nos livros de teologia, alguém se surpreende, ao abrir a Bíblia, ao descobrir como é diferente de tudo isso a simples declaração do Gênesis. E não se pode suprimir a maravilha de que as pessoas descrevam a óbvia infância da raça como superior ao seu mais alto avanço; ou que o primeiro homem, apenas olhando para um mundo de maravilhas, imperfeitamente familiarizado com a lei e as relações morais e os efeitos da transgressão, seja representado como dotado de conhecimento que, quatro mil anos depois, exigiu o advento do Filho de Deus comunicar!

O relato em Moisés é simples. O homem criado foi instruído a não violar uma lei simples, sob pena de morte. Ele fez isso; e Deus anunciou a ele que a sentença seria infligida e que ele deveria retornar ao pó de onde foi levado. O que mais isso pode envolver, quais outras consequências o pecado pode trazer, pode ser o assunto de desenvolvimentos e revelações futuras. É absurdo supor que todas as consequências da violação de uma lei possam ser previstas, ou devam ser necessariamente previstas, para que a lei e a pena sejam justas. Basta que a lei seja conhecida; que sua violação seja proibida; e quais serão as consequências dessa violação, deve ser deixado em grande parte para desenvolvimentos futuros. Mesmo nós, ainda não conhecemos metade dos resultados de violar a Lei de Deus. O assassino não conhece totalmente os resultados de tirar a vida de um homem. Ele quebra uma lei justa e se expõe às inúmeras desgraças invisíveis que podem resultar dela.

Podemos perguntar, portanto, que luz as revelações subsequentes têm sobre o caráter e o resultado do primeiro pecado? e se o apóstolo aqui pretendia declarar que as consequências do pecado eram de fato tão limitadas como devem ter parecido à mente de Adão? ou os desenvolvimentos e revelações subsequentes, ao longo de quatro mil anos, ampliaram enormemente o entendimento correto da pena da lei? Isso só pode ser respondido perguntando em que sentido o apóstolo Paulo usa aqui a palavra “morte”. A passagem que temos diante de nós mostra em que sentido ele pretendia usar a palavra aqui. Em seu argumento, ele se opõe à “graça de Deus e ao dom pela graça”, Romanos 5:15 ; à “justificação”, pelo perdão de “muitas ofensas”, Romanos 5:16 ;Romanos 5:17 ; e à “justificação da vida”, Romanos 5:18 . A todos estes, as palavras “morte” Romanos 5:12 , Romanos 5:17 e “julgamento” Romanos 5:16 , Romanos 5:18 opõem-se.

Esses são os benefícios que resultam da obra de Cristo; e esses benefícios se opõem aos males que o pecado introduziu; e como não se pode supor que esses benefícios se relacionam com a vida temporal, ou unicamente com a ressurreição do corpo, não pode ser que os males envolvidos nas palavras “morte”, “julgamento”, etc., se relacionem simplesmente com a morte temporal . O significado evidente é que a palavra “morte”, como usada aqui pelo apóstolo, se refere à sequência de males que foram introduzidos pelo pecado. Não significa simplesmente morte temporal; mas aquele grupo e coleção de desgraças, incluindo morte temporal, condenação e exposição à morte eterna, que é a consequência da transgressão. O apóstolo freqüentemente usa a palavra “morte” e “morrer” neste sentido amplo, Romanos 1:32 ; Romanos 6:16, Romanos 6:23 ; Romanos 7:5 , Romanos 7:10 , Romanos 7:13 , Romanos 7:24 ; Romanos 8:2 , Romanos 8:6 , Romanos 8:13 ; 2 Coríntios 2:16 ; 2 Coríntios 7:10 ; Hebreus 2:14 . No mesmo sentido, a palavra é freqüentemente usada em outro lugar, João 8:51 ; João 11:26 ; 1 João 5:16-17 ; Apocalipse 2:11 ; Apocalipse 20:6 , etc. etc.

Em contraste com os resultados da obra de Cristo, ele descreve não meramente a ressurreição, nem a libertação da morte física, mas a vida eterna no céu; e, portanto, segue-se que ele pretende aqui com a morte aquela sombria e triste série de desgraças que o pecado introduziu no mundo. As consequências do pecado são, além disso, em outro lugar especificadas como sendo muito mais do que a morte física , Ezequiel 18:4 ; Romanos 2:8-9 , Romanos 2:12. Embora, portanto, Adão não pudesse ter previsto todos os males que viriam sobre a raça como consequência de seu pecado, mesmo assim esses males poderiam ocorrer. E o apóstolo, quatro mil anos após o reinado do pecado ter começado, e sob a orientação da inspiração, teve plena oportunidade de ver e descrever aquela seqüência de aflições que ele compreende sob o nome de morte. Esse trem incluía evidentemente morte física, condenação pelo pecado, remorso de consciência e exposição à morte eterna, como pena de transgressão.

assim também. Desse modo, deve-se levar em conta que a morte atingiu todas as pessoas, a saber, porque todas as pessoas pecaram. Como a morte seguiu o pecado na primeira transgressão, assim aconteceu em todas; porque todos pecaram. Há uma conexão entre a morte e o pecado que existia no caso de Adão, e que subsiste em relação a todos os que pecam. E como todos pecaram, a morte passou sobre todas as pessoas.

a morte passou – διῆλθεν diēlthen. Passou através; permeado; espalhar-se por toda a raça, à medida que a peste atravessa ou invade uma nação. Assim, a morte, com sua seqüência de infortúnios, com sua influência destruidora e destruidora, passou pelo mundo, prostrando-se diante dele.

a todos os seres humanos – Sobre a corrida; Todos mortos.

porque – ἐφ ̓ ᾧ eph ‘hō. Essa expressão foi muito controvertida; e foi traduzido de várias maneiras. Elsner o traduz, “por causa de quem”. Doddridge, “contra o qual todos pecaram”. A Vulgata latina traduz, “em quem (Adão) todos pecaram”. A mesma tradução foi dada por Agostinho, Beza, etc. Mas nunca foi demonstrado que nossos tradutores traduziram a expressão de forma inadequada. O antigo siríaco e o árabe concordam com a tradução inglesa nesta interpretação. Com isso concordam Calvino, Vatablus, Erasmus, etc. E esta tradução é sustentada também por muitas outras considerações.

(1) se ῳ ō for um pronome relativo aqui, ele se referiria naturalmente à morte, como seu antecedente, e não ao homem. Mas isso não faria sentido.

(2) se este fosse o seu significado, a preposição ἐν en teria sido usada; veja a nota de Erasmus no local.

(3) está de acordo com o argumento do apóstolo para declarar uma causa pela qual todos morreram, e não para declarar que as pessoas pecaram em Adão. Ele estava indagando sobre a causa da morte no mundo; e não contaria nem isso dizer que todos pecaram em Adão. Seria necessária uma declaração adicional para ver como isso poderia ser uma causa.

(4) como sua posteridade ainda não existia, eles não podiam cometer transgressões reais. O pecado é a transgressão da Lei por um agente moral; e como a interpretação “porque todos pecaram” encontra o argumento do apóstolo, e como o grego favorece isso certamente tanto quanto favorece o outro, deve ser preferido.

todos pecaram – Pecar é transgredir a Lei de Deus; fazer errado. O apóstolo nesta expressão não diz que todos pecaram em Adão, ou que sua natureza se tornou corrupta, o que é verdade, mas não é afirmado aqui; nem que o pecado de Adão seja imputado a eles; mas simplesmente afirma que todas as pessoas pecaram. Ele fala evidentemente do grande fato universal de que todas as pessoas são pecadoras. Ele não está resolvendo uma dificuldade metafísica; nem fala da condição do homem ao vir ao mundo. Ele fala como outros homens fariam; ele se dirige ao bom senso do mundo; e discorre sobre fatos universais e bem conhecidos. Aqui está o fato – que todas as pessoas experimentam calamidade, condenação, morte. Como isso deve ser contabilizado? A resposta é:“Todos pecaram”. Esta é uma resposta suficiente; ele atende o caso. E como seu desígnio não pode ser o de discutir uma questão metafísica sobre a natureza do homem, ou sobre o caráter das crianças, a passagem deve ser interpretada de acordo com seu desígnio, e não deve ser pressionada a apoiar o que ele diz nada, e ao qual a passagem evidentemente não tem referência. Eu entendo isso, portanto, como se referindo ao fato de que as pessoas pecam em suas próprias pessoas, pecam a si mesmas – como, de fato, como podem pecar de outra forma? – e que portanto morrem. Se as pessoas sustentam que se refere a quaisquer propriedades metafísicas da natureza do homem, ou aos bebês, elas não devem inferir ou supor isso, mas devem mostrar claramente que está no texto. Onde há evidência de tal referência?

(A seguinte nota em Romanos 5:12, pretende exibir sua justa conexão e força. É o primeiro membro de uma comparação entre Adão e Cristo, que é completada em Romanos 5:18-19. “Como por um homem, ”Etc. O primeiro ponto que exige nossa atenção, é o significado das palavras,“ Por um homem o pecado entrou no mundo. ”Nosso autor as traduziu,“ Ele foi o primeiro pecador; ”e nisso ele segue o Prof. Stewart e Dr. Taylor; o primeiro dos quais dá esta explicação da cláusula; que Adam “começou a transgressão”, e o último a interpreta pela palavra “começar”. Não é, no entanto, nenhuma grande descoberta, que o pecado começou com um homem, ou que Adão foi o primeiro pecador. Se o pecado começou, deve ter começado com alguém. E se Adão pecou, ​​embora ainda estivesse sozinho no mundo, ele deve ter sido o primeiro pecador da raça ! O Presidente Edwards, em sua resposta ao Dr. Taylor de Norwich, fez as seguintes críticas a este ponto de vista:“Que o mundo estava cheio de pecado, e cheios de morte, eram muito grandes e notórios, afetando profundamente os interesses da humanidade; e pareciam fatos maravilhosos, chamando a atenção da parte mais pensante da humanidade em todos os lugares, que costumava fazer esta pergunta, ‘de onde vem este mal’, mal moral e natural? (o último principalmente visível na morte.) É manifesto que o apóstolo aqui quer nos dizer como eles vieram ao mundo e prevalecem nele como o fazem. Mas tudo o que isso significa, de acordo com a interpretação do Dr. Tay ou, é ‘ele começou a transgressão’, como se tudo o que o apóstolo quisesse dizer, era nos dizer quem pecou primeiro, não como tal doença veio ao mundo, ou como alguém no mundo, além do próprio Adão, veio por tal enfermidade. ” – Orig. Pecado, p. 270

A próxima coisa que chama a atenção neste versículo, é a força das palavras de ligação “e assim” καὶ οὕτως kai houtōs. Eles são justamente interpretados “desta maneira”, “desta maneira”, “em conseqüência da qual”. E, portanto, o significado das três primeiras cláusulas do primeiro versículo é que por um homem o pecado entrou no mundo. e a morte pelo pecado, em conseqüência do pecado deste homem, a morte passou para todas as pessoas.

Não será adequado traduzir “e assim” por “da mesma maneira”, como o Prof. Stewart faz, e então explicar com nosso autor, “há uma conexão entre a morte e o pecado. Que existia no caso de Adão, e que subsiste em relação a todos os que pecam. ” Isso é totalmente contrário à força reconhecida de καὶ οὕτως kai houtōs e, além disso, destrói inteiramente a conexão que o apóstolo deseja estabelecer entre o pecado de um homem e o mal penal, ou morte, que está no mundo. Com efeito, diz que não há conexão alguma entre essas coisas, embora a linguagem possa parecer implicar isso e uma porção tão grande de leitores cristãos em todas as épocas o tenham entendido dessa maneira. Adão pecou e morreu, outras pessoas pecaram e morreram! E ainda assim, este versículo pode ser o primeiro membro de uma comparação entre Adão e Cristo! Devemos fornecer então o outro ramo da comparação, assim:Cristo era justo e viveu, outras pessoas são justas e elas vivem? Se destruirmos a conexão em um caso, como a manteremos no outro? Veja a nota complementar.

A última cláusula “porque todos pecaram” deve ser considerada como uma explicação do sentimento de que a morte passou para todos, em conseqüência do pecado de um homem. Alguns traduziram ἐφ ̓ ᾧ eph ‘hō, em quem; e isso, de fato, atribuiria a única razão justa, por que todos são visitados com o mal penal por causa do pecado de Adão. Todos morrem por ele, porque nele todos pecaram. Mas a tradução é questionável, devido à distância do antecedente. No entanto, a tradução comum dá precisamente o mesmo sentido, “por isso” ou “porque isso” todos pecaram, isto é, de acordo com uma explicação no Testamento grego de Bloomfield, “são considerados culpados aos olhos de Deus por causa de Adão cair. Assim,Romanos 5:19 . “Não pode haver dúvida de que ἡμαρτον hēmarton carrega esse sentido, Gênesis 44:32 ; Gênesis 43:9. Além disso, a outra tradução” porque todos pecaram pessoalmente “é inconsistente com o fato. pecaram desta forma, portanto, de acordo com esta visão, sua morte é deixada sem explicação, e assim é todo o mal compreendido no termo “morte”, que vem sobre nós antes do pecado real. Veja a nota complementar.

Por último, esta interpretação tornaria o raciocínio do apóstolo inconclusivo. “Se”, observa Witsius, “devemos entender isso de algum pecado pessoal de cada um, o raciocínio não teria sido justo, ou digno do apóstolo. Pois seu argumento seria assim:que pelo pecado de um, todos foram tornar-se culpado de morte, porque cada um em particular teve além deste único e primeiro pecado, o seu próprio pecado pessoal, que é inconseqüente ”. Que as pessoas são punidas por transgressões pessoais ou reais é verdade. Mas não é a verdade particular que Paulo procura estabelecer aqui, não mais do que procura provar na parte anterior de sua epístola, que as pessoas são justificadas por causa da santidade pessoal, o que claramente não faz parte de seu desígnio.) [Barnes, aguardando revisão]

13 Pois, antes da Lei, o pecado já existia no mundo; porém, quando não há Lei, o pecado não é considerado.

Comentário Barnes

Pois, antes da Lei… – Este versículo, com os versos seguintes até o 17, é geralmente considerado um parêntese. A Lei aqui evidentemente significa a Lei dada por Moisés. “Até o início dessa administração, ou estado de coisas nos termos da lei.” Para ver a razão pela qual ele se referiu a este período entre Adão e a Lei, devemos lembrar o desígnio do apóstolo, que é, mostrar a extraordinária graça de Deus no evangelho, abundante e superabundante, como um remédio completo para todos os males introduzidos pelo pecado. Para este propósito, ele introduz três condições principais, ou estados, onde as pessoas pecaram, e onde os efeitos do pecado foram vistos; em relação a todos e cada um dos quais a graça do evangelho superabundou. O primeiro foi o de Adão, com sua sequência de males. Romanos 5:12, cujos males foram todos enfrentados pela morte de Cristo, Romanos 5:15-18 . O segundo período ou condição foi aquele longo intervalo no qual os homens tinham apenas a luz da natureza, aquele período ocorrendo entre Adão e Moisés. Esta foi uma representação justa da condição do mundo sem revelação e sem lei, Romanos 5:13-14 . O pecado então reinou – reinou em todos os lugares onde não havia lei. Mas a graça do evangelho abundou sobre os males deste estado de homem. O terceiro estava sob a Lei, Romanos 5:20. A Lei entrou, o pecado aumentou e seus males abundaram. Mas o evangelho de Cristo abundou até mesmo sobre isso, e a graça reinou triunfantemente. De modo que o plano de justificação enfrentou todos os males do pecado e foi adaptado para removê-los; pecado e suas consequências como fluindo de Adão; pecado e suas consequências quando não havia revelação escrita; e o pecado e suas conseqüências sob a luz e terrores da lei.

o pecado já existia no mundo – as pessoas pecaram. Eles fizeram o que era mau.

o pecado não é considerado – não é imputado às pessoas, ou elas não são consideradas culpadas quando não há lei. Esta é uma proposição evidente, pois o pecado é uma violação da lei; e se não há lei, não pode haver errado. Assumindo isso como uma proposição autoevidente, a conexão é que deve ter havido algum tipo de lei; uma “lei escrita em seus corações”, visto que o pecado estava no mundo, e as pessoas não podiam ser acusadas de pecado, ou tratadas como pecadoras, a menos que houvesse alguma lei. A passagem aqui declara um grande e importante princípio, que as pessoas não serão consideradas culpadas a menos que haja uma lei que as obrigue, da qual sejam informadas, e da qual transgridam voluntariamente; veja a nota em Romanos 4:15 . Este versículo, portanto, atende a uma objeção que pode ser iniciada a partir do que foi dito em Romanos 4:15 . O apóstolo afirmou que “onde não há lei, não há transgressão”. Ele aqui declarou que todos eram pecadores. Pode-se objetar que, como durante esse longo período de tempo eles não tinham lei, não podiam ser pecadores. Para enfrentar isso, ele diz que as pessoas eram na verdade pecadoras e eram tratadas como tais, o que mostrava que devia haver uma lei. [Barnes, aguardando revisão]

14 Mas a morte reinou desde Adão até Moisés, até sobre aqueles que não pecaram à semelhança da transgressão de Adão, o qual era uma figura daquele que estava para vir.

Comentário Barnes

Mas – Apesar de que o pecado não é imputado onde não há lei, ainda assim a morte reinou.

a morte reinou – pessoas morreram; eles estavam sob o domínio da morte em suas várias influências melancólicas. A expressão “reinou a morte” é muito contundente. É uma representação da morte como um monarca; tendo domínio sobre todo esse período e, em geral, essas gerações. Sob seu reinado escuro e fulminante, as pessoas afundaram no túmulo. Temos uma expressão semelhante quando representamos a morte como “o rei dos terrores”. É uma personificação marcante e comovente, pois: (1) Seu reinado é absoluto. Ele abate quem lhe agrada e quando lhe agrada; (2) não há escapatória. Todos devem se curvar ao seu cetro e ser humilhados sob sua mão, (3) é universal. Velhos e jovens são os súditos de seu império sombrio; (4) Seria um reino eterno se não fosse pelo evangelho. Isso lançaria desgraças absolutas sobre a terra; e o passo silencioso desse rei terrível produziria apenas desolação e lágrimas para sempre.

desde Adão até Moisés – Desde o momento em que Deus deu uma lei revelada a Adão, até o momento em que outra lei revelada foi dada a Moisés. Este foi um período de 2500 anos; nenhuma parte insignificante da história do mundo. Se as pessoas eram consideradas e tratadas como pecadoras naquela época, era uma questão muito material no argumento do apóstolo. O fato de eles terem morrido é alegado por ele como prova cabal de que eram pecadores; e aquele pecado espalhou, portanto, grandes e terríveis desgraças entre as pessoas.

até sobre aqueles – sobre todas aquelas gerações. O ponto ou ênfase da observação aqui é que ela reinou sobre aqueles que pecaram sob uma economia diferente daquela de Adão. Isso era o que o tornava tão notável; e que mostrou que a terrível maldição do pecado foi sentida em todas as dispensações e em todos os tempos.

que não pecaram à semelhança … – Da mesma forma; da mesma maneira. A expressão “depois da similitude” é um hebraísmo, denotando de maneira semelhante, ou como. A diferença entre o caso deles e o de Adão era claramente que Adão tinha uma lei revelada e positiva. Eles não tinham. Eles tinham apenas a lei da natureza ou da tradição. A entrega de uma lei a Adão, e novamente ao mundo por Moisés, foram duas grandes épocas entre as quais nenhum evento semelhante ocorreu. A raça vagou sem revelação. A diferença contemplada não é que Adão era um pecador real e que eles pecaram apenas por imputação. Para, (1) A expressão “pecar por imputação” é ininteligível e não transmite nenhuma idéia; (2) O apóstolo não faz tal distinção e não transmite tal idéia; (3) Seu próprio objeto é diferente. É para mostrar que eles eram pecadores reais; que eles transgrediram a lei; e a prova disso é que morreram; (4) É totalmente absurdo supor que as pessoas desde a época de Adão até Moisés fossem pecadoras apenas por imputação. Toda a história é contra; nem há o menor fundamento de plausibilidade em tal suposição.

da transgressão de Adão – Quando ele quebrou uma lei clara e positiva revelada. Essa transgressão foi a violação aberta de um preceito positivo; deles a violação das leis comunicadas de forma diferente; por tradição, razão, consciência, etc. Muitos comentaristas supuseram que os bebês são particularmente mencionados aqui. Agostinho sugeriu isso pela primeira vez, e ele foi seguido por muitos outros. Mas, provavelmente, em todo o âmbito das exposições da Bíblia, não se encontra uma construção mais anormal e forçada do que esta. Para,

(1) O apóstolo não faz menção a crianças. Ele não faz alusão a eles da forma mais remota pelo nome, nem dá qualquer insinuação de que fez referência a eles;

(2) o escopo de seu argumento é contra isso. Bebês só morreram? Foram eles as únicas pessoas que viveram neste longo período? Seu argumento está completo sem supor que ele se referiu a eles. A questão com respeito a este longo intervalo era se as pessoas eram pecadoras? Sim, diz o apóstolo. Eles morreram. A morte reinou; e isso prova que eles eram pecadores. Se fosse dito que a morte de bebês provaria que eles também eram pecadores, responda:

(a) Que esta foi uma inferência que o apóstolo não tira e pela qual ele não é responsável. Não é afirmado por ele.

(b) Se se referisse a bebês, o que provaria? Não que o pecado de Adão foi imputado, mas que eles eram pessoalmente culpados e transgressores. Pois este é o único ponto para o qual o argumento tende.

O apóstolo aqui não diz uma palavra sobre imputação. Ele nem mesmo se refere aos bebês pelo nome; nem ele apresenta aqui a doutrina da imputação. Tudo isso é mera filosofia introduzida para explicar as dificuldades; mas seja verdadeiro ou falso, se a teoria explica ou embaraça o assunto, não é necessário inquirir aqui.

(3) a própria expressão aqui é contra a suposição de que bebês são destinados. Uma forma da doutrina da imputação sustentada por Edwards, Starter, etc. é que havia uma unidade constituída ou identidade pessoal entre Adão e sua posteridade; e que seu pecado foi considerado verdadeira e apropriadamente deles; e eles são pessoalmente culpados ou mal merecedores por isso, da mesma maneira que um homem aos 40 é responsável pelo seu crime cometido aos 20. Se esta doutrina for verdadeira, então é certo que eles não apenas “pecaram segundo a semelhança da transgressão de Adão ”, mas havia cometido o mesmo pecado, e eles eram responsáveis por ele como se fossem seus próprios. Mas esta doutrina é agora abandonada por todos ou quase todos os que professam ser calvinistas; e como o apóstolo expressamente diz que eles não pecaram após a semelhança da transgressão de Adão, não pode ser pretendido aqui.

(4) a mesma explicação da passagem é dada por intérpretes que, não obstante, sustentaram a doutrina da imputação. Assim, Calvino diz nesta passagem:“Embora esta passagem seja entendida comumente por crianças, que, sendo culpadas de nenhum pecado real, perecem pela depravação original, ainda eu prefiro que ela seja interpretada geralmente por aqueles que não têm a lei. Pois este sentimento está conectado com as palavras anteriores, onde é dito que o pecado não é imputado onde não há lei. Pois eles não pecaram de acordo com a semelhança da transgressão de Adão, porque eles não tinham como ele tinha a vontade de Deus revelada. Pois o Senhor proibiu Adão de tocar no fruto (da árvore) do conhecimento do bem e do mal; mas a eles não deu ordem senão o testemunho de consciência ”. Calvino, no entanto, supõe que os bebês estão incluídos no “catálogo universal” aqui referido. Turretine também observa que a discussão aqui se refere a todos os adultos entre Adão e Moisés. Na verdade, é perfeitamente manifesto que o apóstolo aqui não faz nenhuma referência particular às crianças; nem jamais teria sido suposto, mas com o propósito de dar suporte à mera filosofia de um sistema teológico.

(De acordo com nosso autor, a cláusula disputada em Romanos 5:14 , “até mesmo sobre eles”, etc., deve ser entendida por aqueles que não pecaram contra “uma lei revelada ou positiva”. Muitos críticos eminentes explicaram a frase da mesma forma, mas chegou a uma conclusão muito diferente daquela declarada no comentário, a saber, que as pessoas morrem simplesmente por causa de pecado real ou pessoal. – Bloomfield Crit. Dig. vol. vp 520. Existem, no entanto, objeções muito fortes contra esta interpretação.

1. Não é consistente com o escopo da passagem. O apóstolo havia afirmado em Romanos 5:12, que todos morrem em conseqüência do pecado de um homem (veja a nota complementar). E em Romanos 5:13-14 passa a provar sua posição assim:Pessoas morrem universalmente; eles devem, portanto, ter transgredido alguma lei; não a Lei de Moisés, pois as pessoas morreram antes que isso existisse. A morte reinou absolutamente entre Adão e Moisés, mesmo sobre aqueles que não haviam quebrado uma lei revelada. portanto, pessoas morreram, em conseqüência do pecado de um homem. Mas, nessa cadeia de raciocínio, há um elo em dúvida. A conclusão não segue; pois embora as pessoas em questão não tivessem violado uma lei positiva, eles ainda haviam violado a lei da natureza, escrita no coração, e poderiam, portanto, ter sido condenados por violação dela, Rm 2:12. Mas se explicarmos a cláusula em discussão, de crianças que não pecaram pessoalmente como Adão contra qualquer lei, ascendemos imediatamente à conclusão de que todos morrem por causa do pecado de Adão.

2. A partícula “par”, καί kai, parece sugerir que uma nova classe diferente daquela anteriormente mencionada, ou em todo caso, uma subdivisão dela, deve agora ser introduzida. Nenhuma de todas as multidões que viveram entre Adão e Moisés, pecou contra uma lei positiva ou revelada. Para evitar uma tautologia sem sentido, portanto, algum outro sentido deve ser anexado à cláusula. É vão afirmar que a partícula “mesmo” simplesmente põe “ênfase” no fato de que morrem quem não pecou contra uma lei positiva, já que se admitíssemos esta construção forçada, ainda devemos perguntar, para que serve a ênfase? O fato para o qual deveria chamar a atenção, como já foi notado, não consegue provar o ponto do apóstolo.

3. Além disso, uma vez que “a semelhança”, etc. é uma expressão bastante geral que não contém nenhuma sugestão particular em si mesma, quanto àquilo em que consiste a semelhança, temos a mesma liberdade de encontrar a semelhança na transgressão pessoal, como outros, em transgressão contra as leis reveladas. Pecar pessoalmente é pecar como Adão. Não, a semelhança neste caso é completa; na outra visão, é imperfeito, mal merecendo ser chamado de qualquer semelhança. Para aqueles que não têm nenhuma lei revelada, ainda pode ser dito que pecam como Adão em alguns aspectos muito importantes. Eles pecam intencionalmente e presunçosamente contra a lei escrita em seus corações, apesar dos protestos de consciência, etc. A única diferença de fato, está no modo ou maneira de revelação. Mas se supormos que a semelhança está no pecado pessoal, podemos encontrar uma classe que não pecou como Adão de forma alguma. E por que essa classe deve ser suposta omitida, em um argumento para provar que todas as pessoas morrem em conseqüência do pecado de Adão, é difícil de conceber.

E embora os bebês não sejam “aludidos pelo nome?” Ninguém jamais afirmou isso. Se fosse esse o caso, não poderia haver disputa a esse respeito. Dizer, no entanto, que o apóstolo “não dá qualquer insinuação de que se referia a crianças”, é apenas uma petição de princípio, um pressuposto do que precisa ser provado. Talvez, como sugere Edwards, “tal pode ser o estado da linguagem entre judeus e cristãos naquela época, que o apóstolo não poderia ter nenhuma frase mais apropriadamente para expressar este significado. A maneira como os epítetos pessoal e real são usados e aplicados agora neste caso é provavelmente de data posterior e de uso mais moderno ”, p. 312, Orig. Pecado.

O erudito autor deste comentário objeta ainda mais a opinião de que bebês que não pecaram pessoalmente são incluídos na cláusula em discussão; que “pecar por imputação é ininteligível e não transmite nenhuma idéia”. É a sua própria linguagem e só ele é responsável por ela. Ele também nos diz que “é totalmente absurdo supor que as pessoas, desde a época de Adão até Moisés, fossem pecadoras apenas por imputação”. Ninguém jamais supôs isso, nem a visão a que ele se opõe, envolve qualquer consequência. Novamente ele afirma, “que o escopo do argumento do apóstolo é contra a aplicação da cláusula às crianças”; e pergunta, com que propósito não podemos adivinhar:”As crianças morreram apenas?” A resposta é óbvia. Não! A morte reinou sobre todos os que viveram de Adão a Moisés, até mesmo sobre aquela classe que não pecou pessoalmente. Quanto ao verdadeiro escopo da passagem, e a visão que é mais consoante com ela, já foi dito o suficiente.)

o qual era uma figura – τύπος tupos. “Modelo.” Esta palavra ocorre dezesseis vezes no Novo Testamento, João 20:25 (duas vezes); Atos 7:43-44 ; Atos 23:25 ; Romanos 5:14 ; Romanos 6:17 ; 1 Coríntios 10:6 , 1 Coríntios 10:11 ; Filipenses 3:17 ; 1 Tessalonicenses 1:7 ; 2 Tessalonicenses 3:9 ; 1 Timóteo 4:12 ; Tito 2:7 ; Hebreus 8:5 ; 1 Pedro 5:3 . Isso significa propriamente,

(1) Qualquer impressão, nota ou marca, que é feita por percussão, ou de qualquer forma, João 20:25 , “a impressão (tipo) dos pregos.”

(2) uma efígie ou imagem que é feita ou formada por qualquer regra; um modelo, padrão. Atos 7:43 , “vós levantastes o tabernáculo de Moloque e a estrela de vosso deus Rfã, figuras (tipos) que fizestes.” Atos 7:44 , “para que o fizesse (o tabernáculo) segundo a forma (tipo) que tinha visto”, Hebreus 8:5 .

(3) um breve argumento, ou resumo, Atos 23:25 .

(4) uma regra de doutrina, ou uma lei ou forma de doutrina, Romanos 6:17 .

(5) um exemplo ou modelo a ser imitado; um exemplo do que devemos ser, Filipenses 3:17 ; 1 Tessalonicenses 1:7 ; 2 Tessalonicenses 3:9 ; 1 Timóteo 4:12 ; Tito 2:7 ; 1 Pedro 5:3 ; ou um exemplo que deve ser evitado, um exemplo para nos advertir, 1 Coríntios 10:6 , 1 Coríntios 10:11 .

Neste lugar, é evidentemente aplicado ao Messias. A expressão “aquele que havia de vir” é freqüentemente usada para denotar o Messias. Quando aplicado a ele, significa que havia em alguns aspectos uma semelhança entre os resultados da conduta de Adão e os efeitos da obra de Cristo. Não significa que Adão foi constituído ou designado um tipo de Cristo, o que não transmitiria nenhuma ideia inteligível; mas que uma semelhança pode ser traçada entre os efeitos da conduta de Adão e a obra de Cristo. Não significa que a pessoa de Adão era típica de Cristo; mas para que entre os resultados de sua conduta e a obra de Cristo, possa ser instituída uma comparação, possa ser traçada alguma semelhança. O que é isso é declarado nos seguintes versos. É principalmente por meio de contraste que a comparação é instituída, e pode ser declarada como consistindo nos seguintes pontos de semelhança ou contraste.

(1) Contraste.

(a) Pelo crime de um, muitos estão mortos; pela obra do outro, a graça será muito mais abundante, Romanos 5:15 .

(b) Em relação aos atos dos dois. No caso de Adão, uma ofensa levou à sequência de infortúnios; no caso de Cristo, sua obra levou à remissão de muitas ofensas, Romanos 5:16 .

(c) Em relação aos efeitos. A morte reinou por um; mas a vida muito mais sobre o outro.

(2) Semelhança. Pela desobediência de um, muitos foram feitos pecadores; pela obediência do outro, muitos serão feitos justos, Romanos 5:18-19 . É claro, portanto, que a comparação que se institui é antes por meio de antítese ou contraste, do que por semelhança direta. “O objetivo principal é mostrar que maiores benefícios resultaram da obra de Cristo do que males da queda de Adão.” Uma comparação também é instituída entre Adão e Cristo em 1 Coríntios 15:22 , 1 Coríntios 15:45. A razão é que Adão foi o primeiro da raça; ele era a fonte, a cabeça, o pai; e as consequências desse primeiro ato podiam ser vistas em todos os lugares. Por uma constituição divina, a raça estava tão ligada a ele, que foi garantido que, se ele caísse, todos viriam ao mundo com uma natureza depravada e sujeitos à calamidade e à morte, e seriam tratados como se caíssem, e seu pecado espalharia assim o crime, a desgraça e a morte por toda parte. Os efeitos malignos da apostasia foram vistos em toda parte; e o objetivo do apóstolo era mostrar que o plano de salvação foi adaptado para enfrentar e mais do que neutralizar os efeitos malignos da queda. Ele argumentou sobre fatos importantes e reconhecidos – que Adão foi o primeiro pecador, e que dele, como uma fonte, o pecado e a morte fluíram pelo mundo. “Nele as tribos de Adão se vangloriam. Mais bênçãos do que seu pai perdeu. ” (Watts)

15 Mas o dom gratuito não é como a transgressão; porque, se pela transgressão de um, muitos morreram, muito mais a graça de Deus, e o dom pela graça de um homem, Jesus Cristo, têm sido abundantes sobre muitos.

Comentário Barnes

Mas – O presente não está em sua natureza e efeitos como a ofensa.

o dom gratuito – O favor, benefício ou bem concedido gratuitamente a nós. Refere-se aos favores concedidos no evangelho por Cristo. Estes são gratuitos, isto é, sem mérito de nossa parte e concedidos aos indignos.

não é como a transgressão – Este é o primeiro ponto de contraste entre o efeito do pecado de Adão e da obra de Cristo. A palavra “ofensa” significa propriamente uma queda, onde tropeçamos em qualquer coisa que esteja em nosso caminho. Isso significa pecado em geral, ou crime Mateus 6:14-15 ; Mateus 18:35 . Aqui, significa a queda ou primeiro pecado de Adão. Usamos a palavra “queda” aplicada a Adão para denotar sua primeira ofensa, como sendo aquele ato pelo qual ele caiu de um elevado estado de obediência e felicidade para um de pecado e condenação.

porque… – O apóstolo não se esforça para provar que é assim. Este não é o ponto de seu argumento, ele assume isso como o que foi visto e conhecido em todos os lugares. Seu ponto principal é mostrar que maiores benefícios resultaram da obra do Messias do que males da queda de Adão.

se pela transgressão de um – Pela queda de um. Isso simplesmente admite o fato de que é assim. O apóstolo não tenta uma explicação do modo ou maneira em que isso aconteceu. Ele não diz que é por imputação, nem por depravação inerente, nem por imitação. Qualquer um desses modos pode ser o apropriado para explicar o fato, é certo que o apóstolo não declara nenhum deles. Seu objetivo não era explicar a maneira como isso foi feito, mas argumentar a partir da existência reconhecida do fato. Tudo o que é certamente estabelecido a partir desta passagem é que, como certo fato resultante da transgressão de Adão, “muitos” estavam “mortos”. Este simples fato é tudo o que pode ser provado nesta passagem. Se deve ser explicado pela doutrina da imputação, deve ser um assunto de investigação independente desta passagem. Nem temos o direito de presumir que isso ensina a doutrina da imputação do pecado de Adão à sua posteridade. Para,

(1) O apóstolo nada diz sobre isso.

(2) essa doutrina nada mais é do que um esforço para explicar a maneira de um evento que o apóstolo Paulo não achou apropriado tentar explicar.

(3) essa doutrina não é, de fato, uma explicação.

Está introduzindo todas as dificuldades adicionais. Pois dizer que sou culpado, ou mal merecedor por um pecado no qual não tive arbítrio, não é explicação, mas está me envolvendo em uma dificuldade adicional ainda mais desconcertante, para averiguar como tal doutrina pode ser justa. O caminho da sabedoria seria, sem dúvida, ficar satisfeito com a simples afirmação de um fato que o apóstolo presumiu, sem tentar explicá-lo por uma teoria filosófica. Calvino concorda com a interpretação acima. “Pois nós não perecemos por seu crime (de Adão), como se fôssemos inocentes; mas Paulo atribui nossa ruína a ele porque seu pecado é a causa de nosso pecado.”

(Esta não é uma citação justa de Calvino. Deixa-nos inferir, que o Reformador afirmou, que o pecado de Adão é a causa do pecado real em nós, por causa do qual durar apenas nós somos condenados. Agora, sob o versículo 12, Calvino diz , “A inferência é clara, que o apóstolo não trata do pecado real, pois se cada pessoa foi a causa de sua própria culpa, por que Paulo deveria comparar Adão com Cristo?” teria encontrado imediatamente acrescido, como uma explicação:“Eu chamo isso de pecado nosso, que é consangüíneo, e com o qual nascemos.” O fato de nascermos com esse pecado é uma prova de nossa culpa em Adão. Mas seja qual for a opinião que ele pode formar das visões gerais de Calvino sobre este assunto, nada é mais certo, do que ele não supôs que o apóstolo tratou do pecado real nessas passagens.

Não obstante os esforços que são feitos para excluir a doutrina da imputação deste capítulo, a maneira completa e variada em que o apóstolo a expressa, não pode ser evitada. “Pela ofensa de um muitos morrerão” – “o julgamento foi por um para condenação” – “Por ofensa de um homem a morte reinou por um” – “Pela ofensa de um, o julgamento veio sobre todos os homens para condenação” – “Por a desobediência de um homem, muitos foram feitos pecadores “, etc.

É vão dizer-nos, como nosso autor faz “sob cada uma dessas cláusulas respectivamente, que o apóstolo simplesmente declara o fato de que o pecado de Adão envolveu a raça na condenação, sem advertir a maneira; pois Paulo faz mais do que declarar o fato. Ele sugere que estamos envolvidos na condenação de uma forma que carrega uma certa analogia com a maneira como nos tornamos justos. E sobre este último, ele é, sem dúvida, suficientemente explicado. Ver uma nota complementar anterior.

Em Romanos 5:18-19, o apóstolo parece afirmar claramente a maneira do fato “como pela ofensa de alguém”, etc., “Assim mesmo”, etc. “Como pela desobediência de um só homem”, etc., “assim , “etc. Há uma semelhança na maneira das duas coisas comparadas. Se desejamos saber como a culpa e a condenação vieram de Adão, temos apenas que perguntar como a justiça e a justificação vieram de Cristo. “Então”, isto é, desta forma, não da mesma maneira. Não é de uma maneira que tenha meramente alguma semelhança, mas é da mesma maneira, pois embora haja um contraste nas coisas, uma sendo desobediência e a outra obediência, ainda assim há uma identidade perfeita na maneira. – Haldane.

É um tanto notável que, embora nosso autor afirme com tanta frequência, que o apóstolo afirma apenas o fato, ele mesmo deveria assumir a maneira. Ele não permitirá que o apóstolo explique a maneira, nem qualquer pessoa que tenha uma visão diferente de si mesmo. No entanto, ele nos diz que não é por imputação que nos envolvemos na culpa de Adão; que as pessoas “pecam em suas próprias pessoas e, portanto, morrem”. Isso ele afirma ser o significado do apóstolo. E isso não é uma explicação da maneira. Não devemos concluir que de Adão simplesmente derivamos uma natureza corrupta, em consequência da qual pecamos pessoalmente e, portanto, morremos?)

muitos – grego, “Os muitos”. Evidentemente significando tudo; toda a raça; Judeus e gentios. Isso significa que tudo aqui está provado em Romanos 5:18 . Se a pergunta for, por que o apóstolo usou a palavra “muitos” em vez de todos, podemos responder que o objetivo era expressar uma antítese, ou contraste com a causa – uma ofensa. Um se opõe a muitos, ao invés de todos.

morreram – Veja a nota sobre a palavra “morte”, Romanos 5:12 . A corrida está sob o reino escuro e sombrio da morte. Este é um fato simples que o apóstolo assume e que nenhum homem pode negar.

muito mais – A razão deste “muito mais” deve ser encontrada na abundante misericórdia e bondade de Deus. Se um Ser sábio, misericordioso e bom sofreu tal série de infortúnios introduzida pela ofensa de alguém, não temos mais razão para esperar que sua graça superabundará?

a graça de Deus – O favor ou bondade de Deus Temos motivos para esperar, sob a administração de Deus, benefícios mais extensos do que males, fluindo de uma constituição de coisas que é o resultado de sua designação.

e o dom pela graça – O presente gracioso; os benefícios que fluem dessa graça. Isso se refere às bênçãos da salvação.

de um homem – em contraste com Adão. Sua nomeação foi o resultado da graça; e como ele foi constituído para conceder favores, temos motivos para esperar que eles superabundem.

têm sido abundantes – Tem sido abundante ou amplo; será mais do que um contrapeso para os males que foram introduzidos pelo pecado de Adão.

sobre muitos – grego, para muitos. A interpretação óbvia disso é que é tão ilimitado quanto “os muitos” que estão mortos. Alguns supõem que Adão representou toda a raça humana, e Cristo uma parte, e que “os muitos” nos dois membros do versículo se referem ao todo daqueles que foram assim representados. Mas isso é violentar a passagem; e introduzir uma doutrina teológica para atender a uma suposta dificuldade do texto. O significado óbvio é – um do qual não podemos nos afastar sem violentar as próprias leis de interpretação – que “os muitos” nos dois casos são coextensivos; e que como o pecado de Adão envolveu a raça – os muitos – na morte; assim, a graça de Cristo abundou em referência a muitos, à raça. Se perguntado como isso pode ser possível, uma vez que nem todas foram,

(1) Que não pode significar que os benefícios da obra de Cristo devam ser literalmente coextensivos com os resultados do pecado de Adão, visto que é um fato que as pessoas sofreram e sofrem com os efeitos dessa queda. Para que o Universalista possa extrair um argumento disso, ele deve mostrar que foi o desígnio de Cristo destruir todos os efeitos do pecado de Adão. Mas isso não foi de fato. Embora os favores dessa obra tenham abundado, ainda assim pessoas sofreram e morreram. E embora ainda possa abundar para muitos, ainda assim alguns podem sofrer aqui e sofrer pelo mesmo princípio para sempre.

(2) embora as pessoas sejam indubitavelmente afetadas pelo pecado de Adão, como e. g., por ter nascido com uma disposição corrupta; com perda de retidão, com sujeição à dor e aflição; e com exposição à morte eterna; no entanto, há razão para acreditar que todos aqueles que morrem na infância são, pelos méritos do Senhor Jesus e por uma influência que não podemos explicar, transformados e preparados para o céu. Como quase metade da raça morre na infância, portanto, há razão para pensar que, em relação a esta grande parte da família humana, a obra de Cristo mais do que reparou os males da queda, e os introduziu no céu, e que sua graça abundou assim para muitos. Com respeito aos que vivem até o período da agência moral, foi introduzido um esquema pelo qual as ofertas de salvação podem ser feitas a eles e pelo qual podem ser renovados, perdoados e salvos. A obra de Cristo, portanto, pode ter introduzido vantagens adaptadas para enfrentar os males da queda à medida que o homem vem ao mundo; e a aplicabilidade original de um seja tão ampla quanto o outro. Desse modo, a obra de Cristo era em sua natureza adequada para ser abundante para muitos.

(3) a intervenção do plano de expiação pelo Messias, impediu a execução imediata da pena da Lei, e produziu todos os benefícios para toda a raça, resultantes da misericordiosa misericórdia de Deus. Nesse aspecto, foi coextensivo com a queda.

(4) ele morreu por toda a raça, Hebreus 2:9 ; 2 Coríntios 5:14-15 ; 1 João 2:2 . Assim, sua morte, em sua adaptação a um grande e glorioso resultado, foi tão extensa quanto as ruínas da queda.

(5) a oferta de salvação é feita a todos, Apocalipse 22:17 ; João 7:37 ; Mateus 11:28-29 ; Marcos 16:15 . Assim, sua graça se estendeu a muitos – a toda a raça. Provisões foram feitas para enfrentar os males da queda; uma provisão tão extensa em sua aplicabilidade quanto a ruína.

(6) mais provavelmente serão realmente salvos pela obra de Cristo do que serão finalmente arruinados pela queda de Adão. O número daqueles que serão salvos de toda a raça humana, é para crer, ainda será muito maior do que aqueles que serão perdidos. O evangelho deve se espalhar por todo o mundo. É para ser evangelizado. A glória milenar deve surgir sobre a terra; e o Salvador deve reinar com império indiviso. Considerando a corrida como um todo, não há razão para pensar que o número daqueles que serão perdidos, em comparação com as imensas multidões que serão salvas pela obra de Cristo, será maior do que são os prisioneiros em uma comunidade agora, em comparação com o número de cidadãos virtuosos e pacíficos. Pode-se descobrir um remédio que triunfará sobre a doença, embora possa ter sido o fato de que milhares morreram desde sua descoberta e milhares ainda não se aproveitarão dele; ainda assim, o remédio terá as propriedades do triunfo universal; é adaptado para muitos; pode ser aplicado por muitos; onde é aplicado, responde completamente ao fim. A vacinação é adaptada para enfrentar os males da varíola em toda parte; e quando aplicado, salva as pessoas da devastação desta terrível doença, embora milhares possam morrer aos quais não se aplica. É um remédio triunfante. Então, do plano de salvação. Assim, embora nem todos sejam salvos, o pecado de Adão será neutralizado; e a graça abunda para muitos. Toda essa plenitude de graça, o apóstolo diz que temos motivos para esperar da abundante misericórdia de Deus.

(Os “muitos” na última cláusula deste versículo não podem ser considerados coextensivos aos “muitos” que se diz estarem mortos pela ofensa de Adão. Muito se afirma dos “muitos para quem abundam a graça, “isso não pode”, sem violentar toda a passagem, “ser aplicado a toda a humanidade. Diz-se que eles” recebem o dom da justiça “e” reinam em vida “. Na verdade, eles são” constituídos justos “, Romanos 5 :19 e essas coisas não podem ser ditas de todas as pessoas em qualquer sentido. A única maneira de explicar a passagem, portanto, é adotar aquela visão que nosso autor introduziu apenas para condenar, ou seja, “que Adão representou a totalidade do raça humana, e Cristo uma parte, e que ‘o muitos nos dois membros do versículo, refere-se ao todo daqueles que foram assim representados. “

O mesmo princípio de interpretação deve ser adotado na passagem paralela:”Assim como todos morrem em Adão, assim todos serão vivificados em Cristo”. Seria absurdo afirmar que “o todo” na última cláusula é coextensivo com “o todo” na primeira. O sentido é claramente que todos os que Cristo representou devem ser vivificados nele. assim como toda a humanidade, ou todos os representados por Adão, morreram nele.

É verdade que toda a humanidade é, em certo sentido, beneficiada por conta da expiação de Cristo:e nosso autor ampliou em várias coisas desta natureza, que ainda estão aquém do “benefício salvador”. Mas será sustentado que o apóstolo, na realidade, não afirma mais do que que muitos, para quem a graça abunda, participam de certos benefícios, com exceção da salvação? Em caso afirmativo, o que acontece com a comparação entre Adão e Cristo? Se “muitos” em um ramo da comparação são apenas beneficiados por Cristo de uma forma que fica aquém do benefício salvador, então “muitos” no outro ramo devem ser afetados pela queda de Adão apenas da mesma forma limitada , ao passo que o apóstolo afirma que em conseqüência disso eles estão realmente “mortos”.

“A coisa principal”, diz o Sr. Scott, “que torna as exposições geralmente dadas desses versículos perplexas e insatisfatórias, surge de um evidente equívoco do raciocínio do apóstolo, ao supor que Adão e Cristo representavam exatamente a mesma companhia; considerando que Adão foi o fiador de toda a espécie humana, como sua posteridade; Cristo, somente daquele remanescente escolhido, que foi, ou será um com ele pela fé, o único que ‘lhe é contado por uma geração’. Se considerarmos exclusivamente os benefícios que os crentes derivam de Cristo em comparação com a perda sofrida em Adão pela raça humana, veremos então a passagem aberta de maneira mais perspicaz e gloriosa à nossa visão. ” – Comentário, Rom 5:15, Rom 5:19.

Mas nosso autor não interpreta esta passagem com base em nenhum princípio consistente. Pois “os muitos” em Romanos 5:15 , para quem “abundou a graça” são obviamente os mesmos de Romanos 5:17 , que se diz que recebem graça em abundância, etc., e ainda assim ele interpreta o de toda a humanidade , e o outro apenas dos crentes. O que é afirmado em Romanos 5:17 , ele diz, “é particularmente verdadeiro para os remidos, de quem o apóstolo neste versículo está falando.”) [Barnes, aguardando revisão]

16 E o dom não é como a transgressão de um que pecou; porque o julgamento de uma só transgressão trouxe condenação, mas o dom gratuito, de muitas transgressões, trouxe justificação.

Comentário Barnes

Este é o segundo ponto em que os efeitos da obra de Cristo diferem do pecado de Adão. A primeira parte de Romanos 5:15 era que as más conseqüências fluíram do pecado de um homem, Adão; e que os benefícios fluíram da obra de um homem, Jesus Cristo. O ponto neste versículo é que as conseqüências malignas fluíram de um crime, um ato de culpa; mas que os favores diziam respeito a muitos atos de culpa. Os efeitos do pecado de Adão, quaisquer que fossem, pertenciam a um pecado; os efeitos da obra de Cristo, para muitos pecados.

o dom – Os benefícios resultantes da obra de Cristo.

de um que pecou – δι ̓ ἑνὸς ἁμαρτήσαντος di ‘henos hēmartēsantos. Por meio de um (homem) pecando; evidentemente significando por uma ofensa, ou por um ato de pecado. Então, a Vulgata e muitos manuscritos. E a conexão mostra que esse é o sentido.

o julgamento – a sentença; a pena declarada. A palavra expressa adequadamente a sentença proferida por um juiz. Aqui, significa a sentença que Deus proferiu, como juiz, contra Adão pela única ofensa, envolvendo a si mesmo e sua posteridade em ruína, Gênesis 2:17 ; Gênesis 3:17-19 .

de uma só – Por uma ofensa; ou um ato de pecado.

trouxe condenação – Produzindo condenação; ou envolvendo em condenação. É provado por isso que o efeito do pecado de Adão foi envolver a raça na condenação, ou garantir isso, pois toda a humanidade estaria sob a sentença de condenação da Lei e seria transgressora. Mas de que maneira isso teria esse efeito, o apóstolo não declara. Ele não dá a entender que seu pecado seria imputado a eles; ou que eles seriam considerados pessoalmente culpados por isso. Ele fala de um fato amplo, perceptível em todos os lugares, que o efeito daquele pecado foi de alguma forma dominar a raça em condenação. De que modo isso foi feito é um assunto justo para investigação; mas o apóstolo não tenta explicá-lo.

o dom gratuito – O favor imerecido, pela obra de Cristo.

de muitas transgressões – Em relação a muitos pecados. Difere, portanto, da condenação. Isso tinha a ver com uma ofensa; isso diz respeito a muitos crimes. A graça, portanto, abunda.

trouxe justificação – Nota, Romanos 3:24. A obra de Cristo é projetada para fazer referência a muitas ofensas, a fim de produzir perdão ou justificação em relação a todas elas. Mas o apóstolo aqui não dá a entender como isso é feito. Ele simplesmente afirma o fato, sem tentar explicá-lo neste lugar; e como sabemos que essa obra não produz seu efeito para justificar sem algum ato por parte do indivíduo, não somos, portanto, levados a concluir o mesmo a respeito da condenação pelo pecado de Adão? Como a obra de Cristo não beneficia a raça a menos que seja abraçada, o raciocínio do apóstolo não implica que a ação de Adão não envolve criminalidade e mérito a menos que haja algum ato voluntário por parte de cada um Individual? Seja como for, é certo que o apóstolo em nenhum dos casos aqui explicou o modo como isso é feito. Ele simplesmente declarou o fato, um fato que não parecia se considerar obrigado a explicar. Tampouco afirmou que nos dois casos o modo é o mesmo. Ao contrário, está fortemente implícito que não é o mesmo, pois o objetivo principal aqui é apresentar, não uma semelhança completa, mas um forte contraste entre os efeitos do pecado de Adão e a obra de Cristo. [Barnes, aguardando revisão]

17 Pois, se pela transgressão de um, a morte reinou por causa desse, muito mais os que recebem a abundância da graça, e do dom da justiça reinarão em vida por um só, Jesus Cristo.

Comentário Barnes

Pois, se – Este versículo contém a mesma ideia apresentada antes, mas de uma forma variada. É condensar todo o assunto e apresentá-lo em uma única visão.

pela transgressão de um – Ou, por uma ofensa. Margem. A leitura do texto é a mais correta. “Se, sob a administração de um Ser justo e misericordioso, ocorreu que, pela ofensa de um, a morte exerceu um domínio tão amplo; temos muito mais razão para esperar sob essa administração, que aqueles que são colocados sob sua plano de misericórdia salvadora será submetido a uma dispensação de vida. “

a morte reinou – Nota, Romanos 5:14 .

muito mais – temos muito mais motivos para esperar isso. Evidentemente, está muito mais de acordo com a administração de um Ser de infinita bondade.

os que recebem a abundância da graça – O favor abundante; a misericórdia que deve contrabalançar e superar os males introduzidos pelo pecado de Adão. Esse favor será mais do que suficiente para contrabalançar todos esses males. Isso é particularmente verdadeiro para os redimidos, de quem o apóstolo está falando neste versículo. Os males que sofreram em conseqüência do pecado de Adão não têm comparação com as misericórdias da vida eterna que fluirão para eles da obra do Salvador.

do dom da justiça – se opõe aos males introduzidos por Adão. Como o efeito de seu pecado foi produzir condenação, então aqui o dom da justiça se refere ao oposto, ao perdão, à justificação, à aceitação por Deus. Mostrar que as pessoas eram assim justificadas pelo evangelho, era o desígnio principal do apóstolo; e o argumento aqui é que, se pelo pecado de um homem, a morte reinou sobre aqueles que estavam sob condenação em conseqüência disso, temos muito mais razões para supor que aqueles que são libertos do pecado pela morte de Cristo e aceitos por Deus , reinará com ele em vida.

reinarão – A palavra “reinar” é freqüentemente aplicada à condição dos santos no céu, 2 Timóteo 2:12 , “Se padecermos, também reinaremos com ele”; Apocalipse 5:10 ; Apocalipse 20:6 ; Apocalipse 22:5 . Significa que eles serão exaltados a um glorioso estado de felicidade no céu; que eles serão triunfantes sobre todos os seus inimigos; deve obter uma vitória final; e participará com o Capitão de sua salvação nos esplendores de seu domínio acima, Apocalipse 3:21 ; Lucas 22:30 .

em vida – Isso se opõe à morte que reinou como consequência do pecado de Adão. Denota completa liberdade de condenação; da morte temporal; da doença, dor e pecado. É a expressão usual para denotar a completa bem-aventurança dos santos na glória; Nota, João 3:36 .

por um só, Jesus Cristo – Como conseqüência de seu trabalho. O apóstolo aqui não declara o modo ou maneira em que isso foi feito; nem diz que foi perfeitamente paralelo no modo com os efeitos do pecado de Adão. Ele está comparando os resultados ou consequências do pecado de um e da obra de outro. Existe uma semelhança nas consequências. A maneira pela qual a obra de Cristo contribuiu para isso, ele declarou em Romanos 3:24 , Romanos 3:28 . [Barnes, aguardando revisão]

18 Portanto, assim como uma transgressão resultou em condenação sobre todos os seres humanos, assim também um ato de justiça resultou em justificação da vida sobre todos os seres humanos.

Comentário Barnes

Portanto – Portanto (Ἄρα οὖν ara oun). Isso é propriamente um resumo, uma recapitulação do que foi declarado nos versos anteriores. O apóstolo retoma a declaração ou proposição feita em Romanos 5:12 , e após a explicação intermediária no parêntese Romanos 5:13-17 , neste versículo e no seguinte, resume todo o assunto. A explicação, portanto, dos versículos anteriores é projetada para transmitir o real significado de Romanos 5:18-19 .

assim como uma transgressão – admitindo isso como um fato indiscutível e aparente em todos os lugares, um fato que ninguém pode questionar.

resultou em condenação – não está em grego, mas está evidentemente implícito, e é declarado em Romanos 5:16 . O significado é que todos foram colocados sob o reino da morte por um homem.

sobre todos os seres humanos – toda a raça. Isso explica o que se entende por “muitos” em Romanos 5:15 .

assim também – da maneira explicada nos versos anteriores. Com a mesma certeza e na mesma medida. O apóstolo não explica o modo como isso foi feito, mas simplesmente assusta o fato.

um ato de justiça – Isto se opõe à única ofensa de Adão, e deve significar, portanto, a santidade, obediência, pureza do Redentor. O pecado de um homem envolveu as pessoas em ruína; a obediência até a morte dos outros Filipenses 2:8 restaurou-os ao favor de Deus.

resultou em justificação da vida – Com referência àquela justificação que está conectada com a vida eterna. Ou seja, sua obra é adaptada para produzir aceitação por Deus, na mesma medida em que o crime de Adão afetou a raça, envolvendo-os no pecado e na miséria. O apóstolo não afirma que de fato tantos serão afetados por um como pelo outro; mas que é adequado para enfrentar todas as consequências da queda; ser tão difundido em seus efeitos; e vai ser tão salutar quanto aquilo foi ruinoso. Isso é tudo que o argumento exige. Talvez não pudesse ser encontrada uma declaração mais notável em qualquer lugar, de que a obra de Cristo tinha uma aplicabilidade original a todas as pessoas; ou que é por sua própria natureza adequado para salvar a todos. O curso da argumentação aqui leva inevitavelmente a isso; nem é possível evitá-lo sem violentar o curso óbvio e justo da discussão.

Não prova que todos serão de fato salvos, mas que o plano é adequado para enfrentar todos os males da queda. Um certo tipo de medicamento pode ter uma aplicabilidade original para curar todas as pessoas sob a mesma doença; e pode ser abundante e certo, e ainda de fato ser aplicado a poucos. O sol é adequado para dar luz a todos, mas muitos podem ser cegos ou podem fechar os olhos voluntariamente. A água é adaptada às necessidades de todas as pessoas, e o suprimento pode ser amplo para a família humana, mas na verdade, por várias causas, muitos podem ser privados dela. Portanto, das disposições do plano de redenção. Eles são adaptados a todos; eles são amplos e, ainda assim, por causas que não cabe aqui explicar, os benefícios, como os da medicina, água, ciência, etc., podem nunca ser desfrutados por toda a raça. Calvino concorda com esta interpretação, e assim mostra, que é uma que se recomenda até mesmo aos mais vigorosos defensores do sistema que é chamado por seu nome. Ele diz:“Ele (o apóstolo) torna a graça comum a todos, porque é oferecida a todos, não porque de fato é aplicada a todos. Pois, embora Cristo tenha sofrido pelos pecados ou pelo mundo inteiro (nam etsi passus est Christus pro peccatis totius mundi) e seja oferecido a todos sem distinção (indiferente), nem todos o abraçam. ” Veja Cal. Comentário sobre este lugar.

sobre todos os seres humanos – (εἰς παντας ἀνθρώπους eis pantas anthrōpous. Era com referência a todas as pessoas; tinha uma influência sobre todas as pessoas; foi originalmente adaptado para a raça. Como o pecado de Adão era de tal natureza na relação em que ele permaneceu de modo a afetar toda a raça, de modo que a obra de Cristo na relação em que ele estava foi adaptada também a toda a raça. Como a tendência de um era envolver a raça na condenação, a tendência do outro era restaure-os à aceitação de Deus.Havia uma aplicabilidade original na obra de Cristo para todas as pessoas – uma riqueza, uma plenitude da expiação adequada para enfrentar os pecados do mundo inteiro e restaurar o favor da raça. [Barnes, aguardando revisão]

19 Pois, assim como pela desobediência de um só homem muitos foram feitos pecadores, assim também, pela obediência de um só, muitos serão justificados.

Comentário Barnes

Pois … – Este versículo não é uma mera repetição do anterior, mas é uma explicação. Pelas declarações anteriores, talvez se possa inferir que as pessoas foram condenadas sem qualquer culpa ou culpa de sua parte. O apóstolo neste versículo evita isso, e afirma que eles são de fato pecadores. Ele afirma que aqueles que são pecadores são condenados, e que os sofrimentos causados ​​por causa do pecado de Adão, são introduzidos porque muitos foram feitos pecadores. Calvino diz:”Para que ninguém se arrogue a inocência (o apóstolo) acrescenta que cada um está condenado por ser pecador.”

(A mesma objeção que foi declarada contra uma citação anterior de Calvino se aplica aqui. O reformador não quer dizer que cada um está condenado porque ele é realmente um pecador. Ele afirma que a base da condenação está em algo com o qual nascemos, que pertence para nós antecedente à transgressão real.)

assim como pela desobediência de um só homem – Por meio do pecado de Adão. Isso afirma simplesmente o fato de que tal resultado resultou do pecado de Adão. A palavra διά dia é usada nas Escrituras como em todos os livros e em todas as línguas. Pode denotar a causa eficiente; a causa instrumental; a causa principal; a causa meritória; ou a ocasião principal pela qual uma coisa ocorreu. (Veja Schleusner.) Não expressa um modo, e apenas um, no qual uma coisa é feita; mas essa coisa é o resultado de outra. Quando dizemos que um jovem está arruinado em seu caráter por outro, não expressamos o modo, mas o fato. Quando dizemos que milhares se tornaram infiéis pelos escritos de Paine e Voltaire, não fazemos nenhuma afirmação sobre a moda, mas sobre o fato. Em cada um destes, e em todos os outros casos, devemos considerar o raciocínio mais inconclusivo tentar determinar o modo pela preposição por; e ainda mais absurdo se fosse argumentado, a partir do uso dessa preposição, que os pecados do sedutor foram imputados ao jovem; ou as opiniões de Paine e Voltaire imputadas aos infiéis.

(O que é dito aqui sobre os vários significados de διά dia é verdadeiro. No entanto, não se negará que, em uma infinidade de casos, ele aponta para a causa real ou fundamento de uma coisa. O sentido deve ser determinado pela conexão. “Temos nesta única passagem não menos do que três casos, Romanos 5:12 , Romanos 5:18-19, em que esta preposição com o genitivo indica o fundamento ou razão em razão da qual algo é dado ou executado. Tudo isso é certamente suficiente para provar que pode, no caso diante de nós, expressar a razão pela qual a sentença de condenação foi proferida sobre todos os homens. “Tirar uma ilustração do dano infligido por Voltaire e Paine, não servirá ao autor propósito, até que ele possa provar, que eles têm uma relação, com aqueles a quem feriram, semelhante à que Adão tem com a família humana. Quando dizemos que milhares foram arruinados por Voltaire, é verdade que não podemos ter ideia de imputação:no entanto, podemos razoavelmente entreter tal ideia quando é dito, “todos os homens. tipo foram arruinados por Adam. “)

muitos Romanos 5:15 . “Foram feitos” (κατεσταθησαν katestathēsan). O verbo usado aqui ocorre no Novo Testamento nos seguintes lugares:Mateus 24:45 , Mateus 24:47 ; Mateus 25:21 , Mateus 25:23 ; Lucas 12:14 , Lucas 12:42 , Lucas 12:44 ; Atos 6:3 ; Atos 7:10 , Atos 7:27 , Atos 7:35 ; Atos 17:15 ; Romanos 5:19 ; Tito 1:5 ; Hebreus 2:7 ; Hebreus 5:1 ; Hebreus 7:28 ;Hebreus 8:3 ; Tiago 3:6 ; Tiago 4:4 ; 2 Pedro 1:8 . Geralmente significa constituir, definir ou nomear. No Novo Testamento, tem dois significados principais.

(1) para nomear para um cargo, para colocar sobre os outros ( Mateus 24:45 , Mateus 24:47 ; Lucas 12:42 , etc.); e,

(2) Significa tornar-se, ser de fato etc .; Tiago 3:6 , “assim é a língua entre os nossos membros”, etc.

Ou seja, torna-se tal; Tiago 4:4e assim a doutrina da salvação universal será inevitável. Mas como ninguém é constituído justo que não voluntariamente se beneficie das provisões da misericórdia, então segue-se que aqueles que são condenados não são condenados pelo pecado de outro sem sua própria concordância; nem a menos que eles pessoalmente mereçam.

pecadores – Transgressores; aqueles que merecem ser punidos. Não significa aqueles que são condenados pelo pecado de outro; mas aqueles que são violadores da Lei de Deus. Todos os que estão condenados são pecadores. Não são inocentes condenados pelo crime de outrem. As pessoas podem estar envolvidas nas consequências dos pecados dos outros sem serem culpadas. As consequências dos crimes de um assassino, um bêbado ou um pirata podem passar por cima deles e afetar milhares e subjugá-los em ruína. Mas isso não prova que eles sejam culpados. Na administração divina, ninguém é considerado culpado se não for culpado; ninguém está condenado quem não merece ser condenado. Todos os que caem no inferno são pecadores.

pela obediência de um só – De Cristo. Isso se opõe à desobediência de Adão, e evidentemente inclui toda a obra do Redentor que tem influência na salvação das pessoas; Filipenses 2:8 , “Ele … tornou-se obediente até a morte.”

muitos – grego, muitos; correspondendo ao termo na primeira parte do versículo, e evidentemente compatível com ele; pois não há razão para limitá-lo a uma parte deste membro, não mais do que há no primeiro.

serão – A mesma palavra grega de antes de ser nomeado, ou tornar-se. O apóstolo explicou o modo como isso é feito; Romanos 1:17 ; Romanos 3:24-26 ; Romanos 4:1-5 . Essa explicação é para limitar o significado aqui. Ninguém mais é considerado justo do que se tornar assim. E como nem todos se tornam justos assim, a passagem não pode ser aduzida para provar a doutrina da salvação universal.

As observações a seguir podem expressar as doutrinas que são estabelecidas por esta passagem muito contestada e difícil.

(1) Adão foi criado santo; capaz de obedecer à lei; ainda livre para cair.

(2) uma lei foi dada a ele, adaptada à sua condição – simples, clara, fácil de ser obedecida e adequada para dar à natureza humana um julgamento em circunstâncias tão favoráveis ​​quanto possível.

(3) sua violação o expôs à pena ameaçada como ele a havia entendido, e a todos os infortúnios colaterais que poderia acarretar – envolvendo, como os desenvolvimentos subsequentes mostraram, a perda do favor de Deus; seu desprazer evidenciado no trabalho do homem, e suor, e doença, e morte; na depravação hereditária, e na maldição e nas dores do inferno para sempre.

(4) Adão era o cabeça da raça; ele era a fonte do ser; e a natureza humana foi tão provada nele, que pode-se dizer que ele estava sendo julgado não apenas por si mesmo, mas por sua posteridade, visto que sua queda os envolveria em ruína. Muitos escolheram chamar isso de aliança e falar dele como um chefe federal; e se o relato acima é a ideia envolvida nesses termos, a explicação não é excepcional. Como a palavra “aliança”, no entanto, não é aplicada na transação na Bíblia, e como pode ser mal interpretada, outros preferem falar dela como uma lei dada a Adão, e como uma constituição divina, sob a qual ele foi colocado.

(5) “sua posteridade está, em conseqüência de seu pecado, sujeita à mesma sequência de males como se eles fossem pessoalmente os transgressores.” Não que eles sejam considerados pessoalmente mal merecedores, ou criminosos por seu pecado, Deus considera as coisas como elas são, e não falsamente (veja a nota em Romanos 4:3 ), e suas imputações são todas de acordo com a verdade. Ele considerou Adão como estando à frente da raça; e considera e trata toda a sua posteridade como vindo ao mundo sujeita à dor, e morte, e depravação, como conseqüência de seu pecado; veja a nota. Esta é a idéia de imputação das Escrituras; e isso é o que comumente se quer dizer quando se diz que “a culpa de seu primeiro pecado” – não o pecado em si – “é imputada à sua posteridade”.

(6) há algo antecedente à ação moral de sua posteridade, e surgindo da relação que mantêm com ele, o que torna certo que pecarão assim que começarem a agir como agentes morais. O que é isso, podemos não ser capazes de dizer; mas podemos estar certos de que não é depravação física, ou qualquer essência criada da alma, ou qualquer coisa que impeça o primeiro ato de pecado de ser voluntário. Essa tendência hereditária de pecar costuma ser chamada de “pecado original”; e isso o apóstolo evidentemente ensina.

(7) quando uma criança vem ao mundo com a certeza de que pecará assim que se tornar um agente moral aqui, há a mesma certeza de que, se fosse removido para a eternidade, pecaria ali também, a menos que fosse mudado. Há, portanto, necessidade do sangue da expiação e da agência do Espírito Santo, para que uma criança seja salva.

(8) os fatos aqui declarados estão de acordo com toda a analogia no governo moral de Deus. Como resultado, o bêbado geralmente garante que sua família ficará reduzida à mendicância, à penúria e à miséria. Um ladrão, ou um traidor, irá oprimir não apenas a si mesmo, mas também a sua família em ruínas. Essa é a grande lei ou constituição na qual a sociedade está agora organizada; e não devemos nos surpreender que o mesmo princípio tenha ocorrido na organização primária dos assuntos humanos.

(9) como este é o fato em todos os lugares, a analogia desarma todas as objeções que foram feitas contra as declarações escriturísticas dos efeitos do pecado de Adão. Se fosse agora, era só então. Se existe agora, já existia.

(10) a doutrina deve ser deixada, portanto, simplesmente como está nas Escrituras. Está aí a simples afirmação de um fato, sem qualquer tentativa de explicação. Esse fato está de acordo com tudo o que vemos e sentimos. É um grande princípio na constituição das coisas que a conduta de um homem pode passar por cima de seus efeitos sobre outros e ter influência em sua felicidade. O simples fato com respeito a Adão é que ele pecou; e que tal é a organização da grande sociedade da qual ele era o cabeça e pai, que seu pecado garantiu como resultado certo que toda a raça será pecadora também. Como é isso, a Bíblia não explicou. É parte de um grande sistema de coisas. Que é injusto, nenhum homem pode provar, pois ninguém pode mostrar que qualquer pecador sofre mais do que merece. Que é sábio é aparente, pois é acompanhada de inúmeras bênçãos. Está ligado a todas as vantagens que surgem da organização social.

A raça pode ter sido composta de indivíduos independentes, onde a conduta de um indivíduo, bom ou mau, não pode ter afetado ninguém, mas ele mesmo. Mas então a sociedade teria sido impossível. Todos os benefícios da organização em famílias, comunidades e nações seriam desconhecidos. O homem teria vivido sozinho; chorou sozinho; regozijou-se sozinho; morreu sozinho. Não teria havido simpatia; sem compaixão; nenhuma ajuda mútua. Deus, portanto, agrupou a raça em comunidades separadas. Ele organizou a sociedade. Ele constituiu famílias, tribos, clãs, nações; e embora, segundo o princípio geral, a conduta de um possa oprimir o outro na miséria, ainda assim a união, o agrupamento, a constituição, são a fonte da maioria das bênçãos que o homem desfruta nesta vida, e podem ser de inúmeras misericórdias em relação a o que está por vir. Se foi a organização na qual a raça pode mergulhar no pecado, é também a organização na qual ela pode ser elevada para a vida eterna. Se, por um lado, pode ser abusado para produzir miséria, pode, por outro, ser aproveitado para o avanço da paz, simpatia, amizade, prosperidade, salvação. Em todo caso, tal é a organização na vida comum e na religião, e cabe ao homem não reclamar, mas agir de acordo com ela e se esforçar, pela terna misericórdia de Deus, para direcioná-la para o seu bem-estar aqui e no futuro. Como por esta organização, por meio de Adão, ele foi mergulhado no pecado, pela mesma organização, ele deve, por meio do “segundo Adão”, subir à vida e ascender aos céus. [Barnes, aguardando revisão]

20 A Lei veio para que a transgressão aumentasse; mas onde o pecado aumentou, a graça superabundou;

Comentário Barnes

O que é dito neste versículo e no seguinte, parece destinado a atender o judeu, que pode fingir que a Lei de Moisés foi destinada a enfrentar os males do pecado introduzidos por Adão e, portanto, que o esquema defendido pelo apóstolo era desnecessário. Ele, portanto, mostra-lhes que o efeito da Lei de Moisés era aumentar, em vez de diminuir, os pecados introduzidos no mundo. E se tal fosse o fato, não se poderia alegar que foi adaptado para sobrepujar os reconhecidos males da apostasia.

A Lei – As leis e instituições mosaicas. A palavra parece ser usada aqui para denotar todas as leis que foram dadas no Antigo Testamento.

veio – esta palavra geralmente significa entrar secretamente ou clandestinamente. Mas parece ser usado aqui simplesmente no sentido em que a Lei entrou ou foi dada. Ele veio além de, ou superou o estado anterior a Moisés, quando as pessoas viviam sem uma revelação.

para que a transgressão aumentasse – A palavra “que” ἵνα hina neste lugar não significa que foi o propósito de dar a Lei para que o pecado abundasse ou aumentasse, mas que esse era de fato o efeito. Ele tinha essa tendência, não para restringir ou subjugar o pecado, mas para estimulá-lo e aumentá-lo. Que a palavra tenha esse sentido pode ser visto nos léxicos. A maneira pela qual a Lei produz este efeito é declarada mais amplamente pelo apóstolo em Romanos 7:7-11.. A lei expressa o dever do homem; é espiritual e sagrado; opõe-se às paixões e prazeres culpados do mundo; e assim desperta oposição, provoca ira, e é a ocasião pela qual o pecado é posto em prática e se mostra no coração. Toda lei, onde há disposição para o mal, tem essa tendência. Uma ordem dada a uma criança que está disposta a ceder às suas paixões, apenas tende a despertar raiva e oposição. Se o coração fosse santo e houvesse disposição para fazer o que é certo, a lei não teria essa tendência. Veja este assunto ilustrado nas notas em Romanos 7:7-11 .

a transgressão – A ofensa que foi introduzida por Adão, ou seja, o pecado. Compare Romanos 5:15 .

aumentasse – pode aumentar; isto é, seria mais aparente, mais violento, mais extenso. A introdução da Lei mosaica, em vez de diminuir os pecados das pessoas, apenas os aumenta.

mas onde o pecado aumentou – Igualmente em todas as dispensações – antes da lei e sob a lei. Em todas as condições da família humana antes do evangelho, era a característica que prevalecia o pecado.

graça – favor; Misericórdia.

superabundou. A palavra é usada em nenhum outro lugar do Novo Testamento, exceto em 2 Coríntios 7:4 . Significa que a misericórdia perdoadora do evangelho grandemente triunfou sobre o pecado, mesmo sobre os pecados dos judeus, embora esses pecados fossem grandemente agravados pela luz que desfrutavam sob as vantagens da revelação divina. [Barnes, aguardando revisão]

21 a fim de que, assim como o pecado reinou para a morte, também a graça reine pela justiça para a vida eterna, por meio de Jesus Cristo, nosso Senhor.

Comentário de David Brown

assim como o pecado – Observe, a palavra “ofensa” não é mais usada, como isso havia sido suficientemente ilustrado; mas – o que melhor se adequava a esta somatória abrangente de toda a questão – o grande termo geral pecado.

reinou para a morte – em vez disso, “na morte”, triunfando e (por assim dizer) se deleitando com a completa destruição de suas vítimas.

também a graça reine – Em Rm 5:14,17 tivemos o reinado da morte sobre os culpados e condenados em Adão; aqui está o reinado das poderosas causas destes – do PECADO que veste a Morte, um Soberano com poder venenoso (1Co 15:56) e com terrível autoridade (Rm 6:23), e da GRAÇA, a graça que originou o esquema. da salvação, a graça que “enviou o Filho para ser o Salvador do mundo”, a graça que “o fez pecado por nós que não conhecemos pecado”, a graça que “nos torna a justiça de Deus nEle ”, Para que“ nós, que recebemos a abundância da graça e do dom da justiça, reine em vida por Jesus Cristo! ”

pela justiça – não a nossa certamente (“a obediência dos cristãos”, para usar a linguagem de Grotius), nem exatamente a “justificação” [Stuart, Hodge]; mas sim “a justificação (justificativa) de Cristo” [Beza, Alford e, em substância, Olshausen, Meyer]; o mesmo que em Rm 5:19 é chamado Sua “obediência”, significando toda a sua obra mediadora na carne. Isto é aqui representado como o meio justo através do qual a graça alcança seus objetos e alcança todos os seus fins, o trono estável do qual a Graça como um soberano dispensa seus benefícios salvadores para quantos são trazidos sob seu domínio benigno.

para a vida eterna – que é a salvação em sua forma mais elevada e desenvolvimento pleno para sempre. [JFB, aguardando revisão]

<Romanos 4 Romanos 6>

Visão geral de Romanos

Na carta aos Romanos, “Paulo mostra como Jesus criou a nova família da aliança com Abraão através da sua morte e ressurreição, e através do envio do Espírito Santo”. Para uma visão geral desta carta, assista ao breve vídeo abaixo produzido (em duas partes) pelo BibleProject.

Parte 1 (8 minutos).

🔗 Abrir vídeo no Youtube.

Parte 2 (10 minutos).

🔗 Abrir vídeo no Youtube.

Leia também uma introdução à Epístola aos Romanos.

Todas as Escrituras em português citadas são da Bíblia Livre (BLIVRE), Copyright © Diego Santos, Mario Sérgio, e Marco Teles – fevereiro de 2018.