Bíblia, Revisar

Ezequiel 18

Mensagem importante
Olá visitante do Apologeta! Vou direto ao ponto: peço que você me ajude a manter este projeto. Atualmente a renda gerada através dos anúncios são insuficientes para que eu me dedique exclusivamente a ele. Se cada pessoa que ler essa mensagem hoje, doar o valor de R$10.00, eu poderia me dedicar integralmente ao Apologeta pelo próximo ano e ainda remover todas as propagandas do site (que eu sei que são um pouco incômodas). Tenho um propósito ousado com este site: traduzir e disponibilizar gratuitamente conteúdo teológico de qualidade. O que inclui um dicionário bíblico completo (+4000 verbetes) e comentário de todos os 31.105 versículos da Bíblia. Faça parte deste projeto e o ajude a continuar crescendo. Obrigado!
1 E veio a mim a palavra do SENHOR, dizendo:

Ez 18: 1-32. A parábola das uvas azedas é reprovada.

Reivindicação do governo moral de Deus quanto à Sua justiça retributiva da imputação judaica da injustiça, como se eles estivessem sofrendo, não por seu próprio pecado, mas por causa de seus pais. Como no capítulo dezessete ele predisse o feliz reinado de Messias em Jerusalém, então agora ele os adverte que suas bênçãos podem ser deles somente quando se voltarem individualmente para a justiça.

2 O que vós pensais, vós que dizeis este provérbio sobre a terra de Israel, dizendo: Os pais comeram uvas verdes, mas foram os dentes dos filhos que se estragaram?

Comido uvas azedas, … dentes das crianças … na borda – Suas calúnias incrédulo na justiça de Deus tornou-se tão comum que assumiu uma forma proverbial. O pecado de Adão ao comer o fruto proibido, visitado em sua posteridade, parece ter sugerido a forma peculiar; notado também por Jeremias (Jr 31:29); e explicado em Lm 5:7: “Nossos pais pecaram e não são; e nós levamos suas iniquidades. ”Eles querem dizer“ os próprios filhos ”, como se fossem inocentes, enquanto eles estavam longe de ser assim. A reforma parcial efetuada desde o iníquo reinado de Manassés, especialmente entre os exilados em Chebar, foi a base deles para pensar assim; mas a melhora foi apenas superficial e apenas fomentou seu espírito hipócrita, que buscava em qualquer lugar, mas em si mesmos, a causa de suas calamidades; assim como os judeus modernos atribuem sua presente dispersão, não a seus próprios pecados, mas aos de seus antepassados. É uma marca universal de natureza corrupta colocar a culpa, que pertence a nós mesmos, nos outros e para arraigar a justiça de Deus. Compare Gn 3:12, onde Adão transfere a culpa de seu pecado para Eva, e até mesmo para Deus: “A mulher que tu me deste, ela me deu da árvore e eu comi”.

3 Vivo eu, diz o Senhor DEUS, que nunca mais direis este provérbio em Israel.

não tereis mais ocasião para usar este provérbio – porque eu vou permitir que seja visto pelo mundo inteiro no próprio fato de que você não é justo, como você se imagina, mas iníquo, e que você sofre apenas a penalidade justa sua culpa; enquanto o remanescente justo eleito escapa sozinho.

4 Eis que todas as almas são minhas; tanto a alma do pai como alma do filho são minhas; a alma que pecar, essa morrerá.

todas as almas são minhas – por isso eu posso lidar com todos, sendo minha própria criação, como eu quiser (Jr 18:6). Como o Criador de todos, eu não posso ter razão, mas o princípio da equidade, de acordo com as obras dos homens, para fazer alguma diferença, de modo a punir alguns e salvar outros (Gn 18:25). “A alma que pecar, essa morrerá.” A maldição que desce de pai para filho assume a culpa compartilhada pelo filho; há uma tendência natural na criança de seguir o pecado de seu pai, e assim ele compartilha da punição do pai: daí os princípios do governo de Deus, envolvidos em Êx 20:5 e Jr 15:4, são justificados . Os filhos, portanto (como os judeus aqui), não podem se queixar de ser injustamente afligido por Deus (Lm 5:7); porque encheram a culpa de seus pais (Mt 23:32,34-36). O mesmo Deus que “recompensa a iniquidade dos pais no seio de seus filhos”, é imediatamente estabelecido como “dando a cada um segundo os seus caminhos” (Jr 32:18-19). Na mesma lei (Êx 20:5) que “visitou as iniquidades dos pais sobre os filhos até a terceira e quarta geração” (onde a explicação é acrescentada: “daqueles que me odeiam”, isto é, os filhos que odeiam a Deus , assim como seus pais: sendo o primeiro muito propenso a seguir seus pais, o pecado caindo com força cumulativa de pais para filhos), encontramos (Dt 24:16), “os pais não serão mortos pelos filhos. nem os filhos para os pais: todo homem será morto por seu próprio pecado. ”A culpa herdada do pecado em crianças (Rm 5:14) é um fato terrível, mas que se encontra com a expiação de Cristo; mas é dos adultos que ele fala aqui. Quaisquer que sejam as penas aplicadas às comunidades por conexão com os pecados de seus pais, os adultos que se arrependerem deverão escapar (2Rs 23:25-26). Isso não era novidade, pois alguns interpretam mal a passagem aqui; Sempre foi o princípio de Deus punir apenas os culpados, e não os inocentes, pelos pecados de seus pais. Deus não altera aqui o princípio de Sua administração, mas está prestes a manifestá-lo de maneira tão pessoal a cada um, que os judeus não devem mais lançar em Deus e em seus pais a culpa que era deles.

a alma que pecar, esta morrerá – e somente isto (Rm 6:23); não também o inocente.

5 Se um homem for justo, e fizer juízo e justiça;

Aqui começa a ilustração da imparcialidade de Deus em uma série de supostos casos. O primeiro caso é dado em Ez 18:5-9, o homem justo. As excelências são selecionadas em referência aos pecados predominantes da época, a partir dos quais tal pessoa permaneceu indiferente; daí surge a omissão de algumas características da justiça, as quais, sob diferentes circunstâncias, teriam sido desejáveis ​​de serem enumeradas. Cada era tem suas próprias tentações, e o homem justo será distinguido por sua guarda contra as peculiares impurezas, internas e externas, de sua época.

apenas … lícito … certo – os deveres da segunda mesa da lei, que fluem do temor de Deus. A piedade é a raiz de toda caridade; para dar a cada um o seu, também ao nosso próximo, como a Deus.

6 Não comer sobre os montes, nem levantar seus olhos para os ídolos da casa de Israel, nem contaminar a mulher de seu próximo, nem se achegar à mulher menstruada,

montes – os lugares altos, onde os altares foram criados. Um pecado duplo: sacrificar em outro lugar que no templo, onde somente Deus sancionou o sacrifício (Dt 12:13-14); e isto a ídolos em vez de a Jeová. “Comido” refere-se às festas que estavam relacionadas com os sacrifícios (ver Êx 32:6,38; Jz 9:27; 1Co 8:4,10; 10:7).

ergueu… olhos para – isto é, em adoração (Sl 121:1). Os supersticiosos são comparados a prostitutas; seus olhos vão ansiosamente por desejos espirituais. O homem justo não apenas se abstém do ato, mas do olhar da luxúria espiritual (Jó 31:1; Mt 5:28).

ídolos de … Israel – não apenas aqueles dos gentios, mas também os de Israel. As modas de seus conterrâneos não podiam levá-lo ao erro.

contaminada… a esposa do vizinho – Ele não apenas se esquiva do espiritual, mas também do adultério carnal (compare 1Co 6:18).

nemmulher menstruada – Dizia-se que a lepra e a elefantíase eram fruto de tal conexão (Jerônimo). A castidade deve ser observada até mesmo para a própria esposa (Lv 18:19; 20:18).

7 E a ninguém oprimir; devolver ao devedor o seu penhor, não cometer roubo, der de seu pão ao faminto, e cobrir com roupa ao nu;

penhor – aquilo que o pobre devedor absolutamente precisava; como suas vestes, que o credor era obrigado a restaurar antes do pôr do sol (Êx 22:26-27), e sua mó, que era necessária para preparar sua comida (Dt 24:6,10-13).

pão para… fome… coberto… nu – (Is 58:7; Mt 25:35-36). Depois dos deveres da justiça, vêm os da benevolência. Não basta deixar de fazer mal ao próximo, devemos também fazer-lhe bem. O pão possuído por um homem, embora “dele”, é dado a ele, não para guardar para si mesmo, mas para dar aos necessitados.

8 Não emprestar a juros, nem receber lucros; e desviar sua mão da injustiça, e fizer juízo entre dois homens com base na verdade;

usura – literalmente, “morder”. A lei proibia o judeu de se interessar pelos irmãos, mas permitia que ele o fizesse de um estrangeiro (Êx 22:25; Dt 23:19-20; Ne 5:7; Sl 15:5). A letra da lei estava restrita à política judaica e não é obrigatória agora; e, de fato, o princípio do interesse era mesmo sancionado, sendo permitido no caso de um estrangeiro. O espírito da lei ainda nos liga, que não devemos aproveitar as necessidades de nossos vizinhos para nos enriquecer, mas estar satisfeitos com o interesse moderado, ou mesmo nenhum, no caso dos necessitados.

aumentar – no caso de outros tipos de riqueza; como “usura” refere-se a dinheiro (Lv 25:36).

retirado … mão, etc. – Onde ele tem a oportunidade e pode encontrar um argumento plausível para promover o seu próprio ganho à custa de um erro ao seu vizinho, ele retira a mão do que o egoísmo pede.

julgamento – justiça.

9 E andar em meus estatutos, e guardar meus juízos, para agir com base na verdade, este justo certamente viverá,diz o Senhor DEUS.

verdadeiramente – com integridade.

certamente viverá – literalmente, “viva na vida”. Prospere nesta vida, mas ainda mais na vida por vir (Pv 3:1-2; Am 5:4).

10 E se ele gerar um filho ladrão, derramador de sangue, que fizer a seu irmão alguma destas coisas;

O segundo caso é o de um filho ímpio de um pai piedoso. Seu devoto parentesco, longe de desculpar, agrava sua culpa.

ladrão – ou, literalmente, “um disjuntor”, ou seja, através de todas as restrições de direito.

faz o semelhante a qualquer um – O hebraico e o paralelo (Ez 18:18) exigem que nós traduzimos em vez disso, “façamos a seu irmão qualquer destas coisas”, isto é, as coisas que seguem em Ez 18:11, etc. Maurer].

11 (Ainda que o pai não faça tais coisas): como comer sobre os montes, contaminar a mulher de seu próximo,

aqueles deveres – que seu pai fez (Ez 18:5,9).

12 Oprimir o pobre e o necessitado, cometer roubos, não devolver o penhor, levantar seus olhos para os ídolos, praticar abominação,

Oprimir o pobre – um agravamento às suas opressões, que eles eram praticados contra os pobres; enquanto em Ez 18:7 a expressão é simplesmente “oprimida a qualquer”.

abominação – número singular referente ao particular mencionado no final de Ez 18:6.

13 Emprestar a juros, e receber lucro. Por acaso viveria? Não viverá. Ele fez todas estas abominações; certamente morrerá; o seu sangue será sobre ele.

viver? – por causa dos méritos de seu pai; respondendo, pelo contrário, a “morrer pela iniquidade de seu pai” (Ez 18:17).

seu sangue estará sobre ele – A causa de sua morte sangrenta repousará consigo mesmo; Deus não é culpado, mas é justificado como justo em puni-lo.

14 E eis que se, por sua vez ele gerar um filho, que vir todos os pecados que seu pai fez, e olhar para não fazer conforme a eles,

O terceiro caso: um filho que não anda nos passos de um pai injusto, mas nos caminhos de Deus; por exemplo, Josias, o filho piedoso do culpado Amon; Ezequias, de Acaz (2Rs 16:1-20; 18:1-37; 21:1 à 22:20).

vê e considera – O mesmo hebraico significa ambos os verbos, “vê … sim, vê”. A repetição implica a observação atenta necessária, a fim de que o filho não seja enganado pelo mau exemplo de seu pai; como os filhos geralmente são cegos aos pecados dos pais, e até mesmo os imitam como se fossem virtudes.

15 Não comer sobre os montes, nem levantar seus olhos para os ídolos da casa de Israel; nem contaminar a mulher de seu próximo;
16 Nem oprimir a ninguém; nem retiver o penhor, nem cometer roubos; der de seu pão ao faminto, e cobrir com roupa ao nu;
17 Desviar sua mão de fazer mal a o pobre, não receber juros nem lucro; e praticar meus juízos, e andar em meus estatutos, este não morrerá pela maldade de seu pai; certamente viverá.

Desviar sua mão de fazer mal a o pobre – isto é, absteve-se de oprimir os pobres, quando teve a oportunidade de fazê-lo impunemente. O sentido diferente da frase em Ez 16:49, em referência a aliviar os pobres, parece ter sugerido a leitura seguida por Fairbairn, mas não sancionada pelo hebreu, “não desviou a mão” etc. Mas Ezequiel 20 : 22 usa a frase em um sentido um pouco semelhante à versão em inglês aqui, absteve-se de sofrer.

18 Seu pai, dado que fez opressão, roubou os bens do irmão, e fez o que não era bom no meio de seu povo, eis que morrerá por sua maldade.

roubou os bens do irmão. Todos os hebreus eram irmãos. (Compare com Levítico 25). A palavra é usada aqui alternadamente com “próximo” (Ez 18:6,11).

por sua maldade (também Ez 18:22,24). [Whedon]

19 Porém dizeis: Por que o filho não será punido pela maldade do pai? Porque o filho fez juízo e justiça, guardou todas o meus estatutos, e as praticou, certamente viverá.

Aqui, os judeus se opõem à palavra do profeta e, em sua objeção, parecem buscar uma continuação daquilo mesmo que originalmente haviam feito uma queixa. Portanto, traduza: “Por que o filho não leva a iniquidade de seu pai?” Agora, parece um consolo para eles pensar que o filho possa sofrer pelos erros do pai; pois acalma seu amor-próprio se considerar como sofredores inocentes pela culpa dos outros e os justificaria em seu atual curso de vida, que eles não escolheram abandonar por um melhor. Em resposta, Ezequiel reitera a verdade de cada um sendo tratado de acordo com seus próprios méritos [Fairbairn]. Mas Grotius apóia a Versão Inglesa, na qual os judeus contradizem o profeta: “Por que (dizes tu) não o filho (muitas vezes, como em nosso caso, embora inocente) leva (isto é, sofre por) a iniquidade de seu pai?” Ezequiel responde: Não é como você diz, mas como eu em nome de Deus digo: “Quando o filho tiver feito”, etc. A versão em inglês é mais simples que a de Fairbairn.

20 A alma que pecar, essa morrerá; o filho não será punido pela maldade do pai, nem o pai será punido pela maldade do filho; a justiça do justo será sobre ele, e a perversidade do perverso será sobre ele.

iniquidade de … pai – (Dt 24:16; 2Rs 14:6).

justiça… maldade – isto é, a recompensa pela justiça… a punição da maldade. “Justiça” não é usada como se alguém fosse absolutamente justo; mas, de tal modo que lhes foi imputada por amor de Cristo, embora não sob o próprio Antigo Testamento compreender o chão em que eles foram considerados justos, mas sinceramente buscando no caminho da designação de Deus, até agora como eles então entendiam dessa maneira.

21 Mas se o perverso se converter de todos os seus pecados que cometeu, e passar a guardar todos os meus estatutos, e fizer juízo e justiça, certamente viverá; não morrerá.

Dois últimos casos, mostrando a equidade de Deus: (1) O pecador penitente é tratado de acordo com sua nova obediência, não de acordo com seus antigos pecados. (2) O homem justo que passa da justiça ao pecado será punido pelo último, e a sua antiga justiça não será de nenhuma utilidade para ele.

certamente viverá – o Desespero leva os homens à imprudência endurecida; Deus, portanto, atrai os homens ao arrependimento, mantendo a esperança (Calvino).

Para ameaças, o teimoso pecador é difícil,
Envolvido em seus crimes, contra a tempestade preparada,

Mas quando os feixes de piedade mais suaves tocam,
Ele derrete e joga o manto cumbrous para longe.

Até agora, os casos tinham mudado de ruim para bom, ou vice-versa, em uma geração comparada a outra. Aqui está essa mudança em um e no mesmo indivíduo. Isso, como praticamente afetando as pessoas aqui abordadas, é colocado corretamente por último. Portanto, longe de Deus impor aos homens a penalidade dos pecados dos outros, Ele nem os punirá pelos seus, se eles se converterem do pecado para a justiça; mas se eles se converterem de justiça em pecado, eles devem esperar em justiça que sua bondade anterior não expiará o pecado subsequente (Hb 10:38-39; 2Pe 2:20-22). O exílio na Babilônia deu uma época para o arrependimento daqueles pecados que teriam trazido a morte ao perpetrador da Judeia enquanto a lei poderia ser aplicada; por isso preparou o caminho para o Evangelho (Grotius).

22 Todas as suas transgressões que cometeu não lhe serão lembradas; por sua justiça que praticou, viverá.

o xá vive nele, não por isso, como se isso justificasse seus pecados anteriores; mas “na sua justiça” ele viverá, como a evidência de seu ser já em favor de Deus através do mérito do Messias, que estava por vir. O Evangelho esclarece para nós muitas dessas passagens (1Pe 1:12), que eram vagamente entendidas na época, enquanto os homens, no entanto, tinham luz suficiente para a salvação.

23 Por acaso eu prefiro a morte do ímpio?,diz o Senhor DEUS, E não que ele se converta de seus caminhos, e viva?

(1Tm 2:4; 2Pe 3:9). Se os homens perecem, é porque eles não vêm ao Senhor para a salvação; não que o Senhor não esteja disposto a salvá-los (Jo 5:40). Eles pisam não apenas justiça, mas misericórdia; que esperança ainda pode haver para eles, quando até mesmo a misericórdia é contra eles? (Hb 10:26-29).

24 Mas se o justo se desviar de sua justiça, e passar a praticar maldade, e fizer conforme a todas as abominações que o perverso faz, por acaso ele viveria? Todas as suas justiças que praticou não serão lembradas; por sua transgressão com que transgrediu, e por seu pecado com que pecou, por causa deles morrerá.

justo – um aparentemente tal; como em Mt 9:13, “não vim chamar os justos”, etc., isto é, aqueles que se consideram justos. Somente aqueles são verdadeiros santos que, pela graça de Deus, perseveram (Mt 24:13; 1Co 10:12; Jo 10:28-29).

desvia-se de … justiça – uma completa apostasia; não como as ofensas excepcionais dos piedosos, por meio de fraqueza ou negligência, que eles depois lamentam e se arrependem.

não ser mencionado – não ser levado em conta para salvá-los.

sua transgressão – apostasia total.

25 Porém dizeis: O caminho do Senhor não é justo. Ouvi agora, ó casa de Israel: por acaso o meu caminho não é justo? Ou não são os vossos caminhos que são injustos?

justo. Literalmente, “pesado, equilibrado”. Os caminhos do homem são arbitrários, os caminhos de Deus são governados por uma lei auto-imposta, que torna tudo consistente e harmonioso. [Barnes]

26 Se o justo de desviar de sua justiça, e passar a praticar maldade, ele morrerá por ela; pela maldade que cometeu, morrerá.

As duas últimas instâncias repetidas em ordem inversa. A declaração enfática de Deus sobre Seu princípio de governo não precisa de mais provas do que a simples afirmação.

neles – nos pecados atuais, que são as manifestações do princípio da “iniquidade”, mencionadas antes.

27 Porém se o perverso se desviar de sua perversidade que cometeu, e passar a praticar juízo e justiça, esse conservará sua alma em vida;

conservará sua alma em vida. Isto é, ele será salvo no seu arrependimento.

28 Porque observou, e se converteu de todas as suas transgressões que cometera, certamente viverá, não morrerá.

considera – o primeiro passo para o arrependimento; porque os ímpios não consideram nem a Deus nem a si mesmos (Dt 32:29; Sl 119:59-60; Lc 15:17-18).

29 Contudo a casa de Israel diz: O caminho do Senhor não é justo. Por acaso os meus caminhos não são justos, ó casa de Israel? Ou não são vossos caminhos que são injustos?

Contudo a casa de Israel diz: O caminho do Senhor não é justo. Embora a justiça de Deus seja tão claramente manifestada, os pecadores ainda se opõem a ela, porque não querem vê-la (Mq 2:7: “Por acaso se dirá, ó casa de Jacó: O espírito do SENHOR perdeu a paciência? São estas as suas obras? Por acaso minhas palavras não fazem bem ao que age corretamente?”; Mt 11:18-19: “a sabedoria prova-se justa por seus filhos”). [JFU]

Leia também um estudo sobre a justiça de Deus.

30 Portanto eu vos julgarei a cada um conforme seus próprios caminhos, ó casa de Israel, diz o Senhor DEUS. Convertei-vos e desviai-vos de todas as vossas transgressões; e assim a maldade não será vossa queda.

Assim como Deus os julga “segundo os seus caminhos” (Pv 1:31), sua única esperança é “arrepender-se”; e esta é uma esperança segura, pois Deus não se deleita em julgá-los com ira, mas graciosamente deseja a sua salvação no arrependimento.

eu vos julgarei – Embora você critique, é uma resposta suficiente para que eu, seu juiz, declare assim, e julgar-te-ei de acordo com a Minha vontade; e então suas cavilhas devem terminar.

Arrependa-se em conversão interior (Ap 2:5). No hebraico há uma peça de sons semelhantes: “Volte e retorne”.

Convertei-vos – os frutos exteriores do arrependimento. Não como a Margem, “vira os outros”; pois a sentença paralela (Ez 18:31) é: “afastar de você todas as suas transgressões”. Talvez, no entanto, a omissão do objeto após o verbo em hebraico implica que ambos estejam incluídos: Converta a si mesmo e a todos que você pode influenciar.

todas as vossas transgressões – não como se os crentes fossem perfeitos; mas eles sinceramente visam à perfeição, de modo a ser habitualmente e intencionalmente em termos sem pecado (1Jo 3:6-9):

sua ruína – literalmente, “sua armadilha”, te enredando em ruínas.

31 Lançai fora de vós todas as vossas transgressões com que transgredistes, e fazei para vós um novo coração e um novo espírito. Pois por que tendes que morrer, ó casa de Israel?

Lançai fora de vós – porque a causa do teu mal repousa consigo mesmo; Seu único modo de escapar é reconciliar-se com Deus (Ef 4:22-23).

fazei para vós um novo coração – Isto mostra, não o que os homens podem fazer, mas o que eles devem fazer: o que Deus requer de nós. Só Deus pode nos fazer um novo coração (Ez 11:19; 36:26-27). A ordem para fazer o que os homens não podem fazer é dirigi-los (em vez de colocarem a culpa, como os judeus fizeram, em outro lugar e não em si mesmos) para sentir seu próprio desamparo e buscar o Espírito Santo de Deus (Sl 51:11-12). Assim, a exortação exterior é, por assim dizer, o órgão ou instrumento que Deus usa para conferir graça. Assim, podemos dizer com Agostinho: “Dai o que tu queres e (então) requer o que tu queres.” Nossa força (que é fraqueza em si mesma) será suficiente para o que Ele exigir, se Ele der suprimento (Calvino).

espírito – o entendimento: como o “coração” significa a vontade e afeições. A raiz deve ser mudada antes que a fruta possa ser boa.

Por que você vai morrer? Traga em você mesmo sua ruína. Os decretos de Deus são secretos para nós; é suficiente para nós que Ele convida todos e não rejeitará ninguém que O busque.

32 Porque eu não me agrado da morte do que morre, diz o Senhor DEUS; convertei-vos, pois, e vivereis.

Porque eu não me agrado da morte do que morre (Lm 3:33; 2Pe 3:9). Deus é “lento em irar-se”; a punição é “sua estranha obra” e “seu estranho ato” (Is 28:21). [JFU]

<Ezequiel 17 Ezequiel 19>

Leia também uma introdução ao Livro de Ezequiel.

Adaptado de: Commentary Critical and Explanatory on the Whole Bible. Todas as Escrituras em português citadas são da Bíblia Livre (BLIVRE), Copyright © Diego Santos, Mario Sérgio, e Marco Teles – fevereiro de 2018.

Conteúdos recomendados