Salmo 121

1 (Cântico dos degraus) Levanto meus olhos aos montes. De onde virá meu socorro?

Comentário Barnes

Levanto meus olhos – Margem, “Devo erguer meus olhos para as colinas? De onde deve vir minha ajuda?” A expressão denotaria propriamente uma condição em que havia perigo; quando nenhuma ajuda ou ajuda era visível; e quando os olhos se voltaram para o lado de onde se poderia esperar a ajuda. Qual era o perigo agora não pode ser determinado.

aos montes – em hebraico, as montanhas. Ao quartel de onde procuro ajuda. Isso (como foi mostrado na introdução) pode referir-se

(1) para as montanhas de onde alguém em perigo esperava ajuda; ou

(2) para o céu, considerado alto e como a morada de Deus; ou

(3) às colinas em que Jerusalém foi construída, como o lugar onde Deus habitava e de onde se esperava ajuda.

O terceiro deles é o mais provável. O primeiro seria aplicável apenas a um estado de guerra, e o segundo é forçado e não natural. Adotando a terceira interpretação, a linguagem é natural, e faz com que seja adequada para ser usada em todos os momentos, pois indica um olhar adequado para Deus quando ele se manifesta às pessoas, principalmente na igreja.

De onde virá meu socorro? Uma tradução mais literal seria:”De onde vem minha ajuda?” Isso está de acordo com o uso da palavra hebraica e concorda bem com a conexão. Indica um estado mental perturbado e ansioso – uma mente que pergunta:Onde devo procurar ajuda? A resposta é encontrada no seguinte versículo. [Barnes, aguardando revisão]

2 Meu socorro vem do SENHOR, que fez os céus e a terra.

Comentário Barnes

Meu socorro vem do SENHOR – de Yahweh. Esta é a resposta à pergunta ansiosa do Salmo 121:1 . Isso indica (a) uma consciência de que a ajuda só poderia vir de Deus; (b) a crença de que viria dele; e uma confiança confiante mas humilde nele.

que fez os céus e a terra – O grande Criador do universo. Ele deve, portanto, ser capaz de me proteger. O Criador de tudo pode defender tudo. [Barnes, aguardando revisão]

3 Ele não deixará o teu pé se abalar, nem cochilará o teu guardião.

Comentário de E. W. Hengstenberg

O אל (nãonão) é sempre o negativo subjetivo, “de acordo com o sentimento e o pensamento do orador”, (Ewald). Nosso verso expressa esperança e desejo; o verso seguinte fornece a confirmação máxima. O deslize do pé é uma descrição frequente do infortúnio, por exemplo, Salmo 38:16, Salmo 66:9, e muito natural na Canaã montanhosa, onde um único deslize do pé era muitas vezes seguido com grande perigo. A linguagem aqui naturalmente se refere a um infortúnio completo e duradouro. A segunda cláusula depende do Gênesis 28:15:”Eis que estou contigo e te guardo em todos os teus caminhos”. A aplicação do que foi dito em primeira instância ao patriarca, à sua posteridade, é ainda mais natural, pois a visão foi transmitida ao primeiro, como representante de toda a sua raça. A expressão “eu te guardo” é o texto sobre o qual todo o nosso Salmo é o comentário. A expressão, “não dorme”, mostra como são grosseiras as imaginações da descrença humana que aqui são encontradas. [Hengstenberg]

4 Eis que não cochilará nem dormirá o Guardião de Israel.

Comentário Barnes

Eis que não cochilará nem dormirá – Nunca cochilou, nunca deixou de estar vigilante. O homem dorme; um sentinela pode cochilar em seu posto, por desatenção, por uma vigília prolongada ou por cansaço; um piloto pode dormir no leme; até mesmo uma mãe pode adormecer ao lado da criança doente; mas Deus nunca se esgota, nunca se cansa, nunca está desatento. Ele nunca fecha os olhos para a condição de seu povo, para as necessidades do mundo.

o Guardião de Israel – o guardião – o guardião – de seu povo. O salmista aqui passa de seu próprio caso particular para uma verdade geral – uma verdade para ele cheia de consolação. É que o povo de Deus deve estar sempre seguro; que seu grande Guardião nunca dorme; e que ele, como um de seu povo, pode, portanto, buscar confiantemente seu cuidado protetor. [Barnes, aguardando revisão]

5 O SENHOR é o teu guardião; o SENHOR é a sombra à tua direita.

Comentário Barnes

O SENHOR é o teu guardião – o seu preservador; teu Defensor. Ele manterá o tempo longe do perigo; ele te guardará do pecado; ele te guardará para a salvação.

o SENHOR é a sombra – O Senhor é como uma sombra:como a sombra de uma rocha, uma casa ou uma árvore, nos raios intensos do sol ardente. Veja as notas em Isaías 25:4 .

à tua direita – Veja Salmos 16:8 ; Salmo 109:31 . Talvez a alusão particular à mão direita aqui seja que aquele era o lugar de um protetor. Ele estaria assim por perto, ou estaria pronto para intervir em defesa daquele a quem ele deveria guardar. É possível, entretanto, que a ideia aqui possa ser derivada do fato de que nas Escrituras o geógrafo é representado como olhando para o leste, e não para o norte, como conosco. Conseqüentemente, sempre se fala do sul como a direita, ou à direita (compare as notas do Salmo 89:12 ); e como os intensos raios do sol vêm do sul, pode-se pensar que Deus seria uma sombra na direção de onde vinham esses raios ardentes. [Barnes, aguardando revisão]

6 O sol não te ferirá durante o dia, nem a lua durante a noite.

Comentário de A. R. Fausset

O sol não te ferirá durante o dia – com calor.

nem a lua durante a noite – com frio. A lua, como ‘governando a noite’ (Gn 1:16), tem todas as influências associadas à noite atribuídas a ela. Compare as palavras de Jacó, a quem o Salmo 121:4-5 alude (Gn 31:40; Jr 36:30). Além disso, a lua tem um efeito muito prejudicial para aqueles que dormem sob seus raios. Dia ou noite, nenhuma dor real e duradoura sobrevirá ao povo de Deus. [JFU, aguardando revisão]

7 O SENHOR te guardará de todo mal; ele guardará a tua alma.

Comentário Barnes

O SENHOR te guardará de todo mal – Este é um avanço do pensamento. O salmista especificou nos versículos anteriores alguns males específicos dos quais ele diz que Deus guardaria aqueles que depositassem sua confiança nele. Ele agora faz a observação geral, e diz que Deus não apenas preservaria desses males particulares, mas manteria aqueles que confiaram nele de todo o mal:ele seria seu Protetor em todos os perigos da vida.

ele guardará a tua alma – a tua vida. Veja Salmo 41:2 ; Salmo 97:10. [Barnes, aguardando revisão]

8 O SENHOR guardará tua saída e tua entrada, desde agora e para sempre.

Comentário Cambridge

tua saída e tua entrada] Todos os teus empreendimentos e ocupações. Cp. Deu 28:6; & c. Talvez também se pretenda uma alusão especial à viagem dos peregrinos a Jerusalém.

desde agora e para sempre] As esperanças pessoais aqui perdem-se nas esperanças nacionais:mas à luz do Evangelho, o indivíduo pode apropriar-se destas palavras. Cp. Salmos 115:18.

Todo judeu piedoso, ao sair ou entrar na casa, toca o Mezuza, ou seja, o pequeno cilindro de metal afixado no batente direito da porta, contendo um pedaço de pergaminho com a inscrição Deu 6:4-9; Deu 11:13-21, e recita este versículo. [Cambridge, aguardando revisão]

<Salmo 120 Salmo 122>

Introdução ao Salmo 121

O Salmo 121 é uma simples expressão de sincera confiança em Deus, o Guardião de sua igreja […] O salmista, ou a igreja em cujo nome ele fala, desde o primeiro momento está acima do sofrimento e olha para ele do alto nível da confiança em Deus.

No Salmo 121:1-2 a igreja fala a si mesma (Israel, Salmo 121:4); e no Salmo 121:3-8 é abordada. As observações feitas na introdução do Salmo 91 são aplicáveis ​​a esta mudança. O orador no Salmo 121:3 em diante é o salmista, ou melhor, o Espírito, cujo instrumento ele é, velando pela igreja.

O Salmo consiste em uma introdução e uma conclusão, cada uma de duas; e um núcleo de quatro versos, que também são compostos de duas partes; de modo que todo o Salmo é organizado pelo número quatro. A passagem da Introdução ao corpo principal é marcada pela mudança de pessoa. O último é mantido unido pelo tríplice nome do guardião de Israel; a Conclusão pelo triplo “ele guardará”. [nota:No uso de שמר que ocorre com significativa frequência, há talvez uma alusão a Samaria, a capital dos então inimigos do povo de Deus, com o objetivo de privar aquele nome de todo o seu terror]. O nome Javé ocorre cinco vezes; três vezes na introdução e conclusão e duas vezes no corpo principal.

O conteúdo do Salmo é totalmente adequado às circunstâncias descritas com mais exatidão no Salmo 120. A condição do povo aparece como oprimida:procuram socorro, correm o risco de os pés escorregarem; eles se apegam a seu guardião, esperam que ele preserve sua alma, sua própria existência está exposta ao perigo. De acordo com o Salmo 121:8, o povo parece estar envolvido em um trabalho importante, na expectativa de que o Senhor o encaminhe para ele.

O título que designa o Salmo como canto do peregrino é confirmado no Salmo 121:1, segundo o qual o Salmo se destinava a ser cantado em vista dos montes de Jerusalém, que aqui, de acordo com o Salmo 120, aparece novamente como a sede do Senhor. Portanto, é impossível conceber o Salmo como tendo sido composto durante o cativeiro, como muitos têm feito. [nota:As janelas de Daniel que viveu durante o cativeiro, estavam, de acordo com Daniel 6:11, abertas durante a oração em direção a Jerusalém, em lembrança de sua glória primitiva e em antecipação de seu futuro glorioso; ele, entretanto, não buscou ajuda em Jerusalém, mas no céu]. As figuras também do Salmo são notavelmente adequadas para uma canção de peregrino, o deslizar do pé como um emblema de desgraça, a sombra como um emblema de proteção, calor e frio como um emblema de conflito, de saída e de entrada como um emblema de empreendimentos.

É muito provável que o Salmo era o cântico noturno do sagrado grupo de peregrinos, cantado ao se retirar para descansar na última noite, quando o longo desejo de término de suas peregrinações, as montanhas de Jerusalém tinham sido vistas ao longe. Neste caso, obtemos uma conexão adequada com o Salmo seguinte, que seria cantado mais adiante, quando os peregrinos estivessem nos portões de Jerusalém. [Hengstemberg]

Visão geral de Salmos

“O livro dos Salmos foi projetado para ser o livro de orações do povo de Deus enquanto esperam o Messias e seu reino vindouro”. Tenha uma visão geral deste livro através de um breve vídeo produzido pelo BibleProject. (9 minutos)

🔗 Abrir vídeo no Youtube.

Leia também uma introdução ao livro de Salmos.

Todas as Escrituras em português citadas são da Bíblia Livre (BLIVRE), Copyright © Diego Santos, Mario Sérgio, e Marco Teles – fevereiro de 2018.