Isaías 58

1 Clama em alta voz, não te retenhas; levanta tua voz como trombeta; e anuncia a meu povo sua transgressão, e à casa de Jacó seus pecados.

em voz alta – hebraico, “com a garganta”, isto é, com voz plena, não apenas a partir dos lábios (1Sm 1:13). Fale alto o suficiente para prender a atenção.

meu povo – os judeus no tempo de Isaías, e novamente no tempo de nosso Senhor, mais zelosos pelos externos do que pela santidade interior. Rosenmuller acredita que a referência seja aos judeus em cativeiro praticando seus ritos para obter o favor e a liberação de Deus; e que, portanto, os sacrifícios não são mencionados, mas apenas o jejum e a observância do sábado, que eles poderiam manter longe do templo em Jerusalém. O mesmo se aplica à dispersão atual, na qual eles não podem oferecer sacrifícios, mas somente podem mostrar seu zelo em jejuns, etc. Compare com o tempo do nosso Senhor, Mt 6:16,23; Lc 18:12

2 Porém eles me buscam diariamente, e tem prazer em conhecer os meus caminhos, como se fossem um povo que pratica justiça, e não abandona o juízo de seu Deus; perguntam-me pelos juízos de justiça, e tem prazer em se achegarem a Deus.

Coloque a parada em “caminhos”; e conecte “como uma nação”, etc. com o que segue; “Como uma nação que pratica a retidão”, responde então, “eles me pedem justamente juízos” (isto é, por uma questão de justiça para eles, salvação para si mesmos e destruição para seus inimigos); e “não renuncie a ordenança de seu Deus”, responde a “eles desejam que o desenho se aproxime de Deus” (que Deus se aproximaria para exercitar aqueles “juízos justos” em favor deles, e contra seus inimigos) (Maurer) Então, Jerônimo, “Na confiança, por assim dizer, de uma boa consciência, eles exigem um juízo justo, na linguagem dos santos: Julgue-me, ó Senhor, porque andei na minha integridade.” Assim em Ml 2:17, eles se sentem escandalizados com a impunidade dos ímpios e impugnam a justiça de Deus [Horsley]. Assim, “busque-Me diariamente e deseje (a versão em inglês não tão bem, ‘deleite‘) para conhecer os Meus caminhos ”, refere-se à necessidade de saber por que Deus demorou tanto para ajudá-los. Versão em Inglês dá um bom sentido, embora diferente; ou seja, dissipando a ilusão de que Deus ficaria satisfeito com as observâncias externas, enquanto o espírito da lei, foi violado e o coração inalterado (Is 58:3-14; Ez 33:31-32; compare Jo 18:28), escrupulosidades lado a lado com assassinato. Os profetas eram os comentadores da lei, como sua Magna Carta, em seu espírito interior e não a simples letra.

3 Eles dizem: Por que nós jejuamos, e tu não dás atenção a isso? Por que afligimos nossas almas, e tu não o reconheces? Eis que nos dia em que jejuais, continuais a buscar apenas aquilo que vos agrada, e sobrecarregais todos os que trabalham para vós.

Wherefore – as palavras dos judeus: “Por que é que, quando jejuamos, não notamos isso” (livrando-nos)? Eles pensam em colocar Deus sob obrigação de seu jejum (Sl 73:13; Ml 3:14).

aflito … alma – (Lv 16:29).

Eis a resposta de Deus.

prazer – em antítese ao orgulho de ter “afligido a alma”; Foi apenas no exterior que eles realmente se divertiram. Gesenius não traduz tão bem, “negócios”.

exatos … trabalhos – sim, “trabalhos opressivos” (Maurer) Horsley, com Vulgata, traduz: “Exact o todo sobre seus devedores”; aqueles que lhe devem trabalho (Ne 5:1-5,8-10, etc.).

4 Eis que jejuais para brigas e discussões, e para dardes socos de maldade; não jejueis como fazeis hoje, para que vossa vossa voz seja ouvida no alto.

não jejuareis, ao contrário, “não jejuais a esta hora, de modo a fazer com que a vossa voz seja ouvida no alto”, isto é, no céu; seu objetivo no jejum é a luta, não para ganhar a atenção de Deus [Maurer] (1Rs 21:9,12-13). Na versão em inglês, o sentido é: se você deseja ser aceito por Deus, não deve jejuar como faz agora, para fazer com que sua voz seja ouvida em discórdia.

5 Seria este o jejum que eu escolheria, que o homem um dia aflija sua alma, incline sua cabeça como o junco, e estenda debaixo de si saco e cinza? Chamarias tu a isto jejum e dia agradável ao SENHOR?

que o homem um dia aflija sua alma – A dor sentida pela abstinência não é o fim a ser buscado, como se fosse meritório; é de valor apenas na medida em que nos leva a alterar nossos caminhos (Is 58:6-7).

arco … cabeça … pano de saco – para afetar os sinais exteriores, de modo a “aparecer aos homens para jejuar” (Mt 6:17-18; 1Rs 21:27; Et 4:3).

6 Por acaso não é este o jejum que eu escolheria: que soltes os nós de perversidade, que desfaças as amarras do jugo, e que libertes aos oprimidos, e quebres todo jugo?

que soltes os nós de perversidade – isto é, desfazer cada laço com o qual alguém tem injustamente prendendo a seus semelhantes (Lv 25:49, etc.). Servidão, um contrato fraudulento, etc.

que libertes aos oprimidos  – literalmente, “os quebrantados”. A expressão “libertar-se” implica que aqueles “quebrantados” com o jugo da escravidão (Ne 5:10-12; Jr 34:9-11,14,16). Jeronimo o interpreta, quebrado com a pobreza; falido. [JFB, Revisar]

7 Por acaso não é também que repartas teu pão com o faminto, e aos pobres desamparados recolhas em casa, e vendo ao nu, que o cubras, e não te escondas de tua carne?

que repartas teu pão com o faminto – como na frase familiar do Novo Testamento (Mat. 26:26; Ato. 20:11; Ato. 27:34). O pão dos judeus parece ter sido sempre feito em bolos ovais finos, que eram naturalmente partidos em vez de cortados.

aos pobres desamparados recolhas em casa. As palavras incluem todas as formas de desabrigados – sem-teto – desalojados por seus senhorios, devedores por seus credores, escravos fugindo da crueldade de seus senhores, os perseguidos por causa da justiça, talvez até refugiados políticos. Observe o paralelismo com o Mat. 25:35-36.

não te escondas de tua carne. O uso, como em Gênesis 29,14; Ne 5,5, nos leva a referir as palavras principalmente aos israelitas que sofrem, mas aqueles que aprenderam que “Deus fez de um só sangue todas as nações da terra” (Ato 17,26) estenderão seu alcance a toda forma de sofrimento da humanidade. [Whedon, Revisar]

8 Quando fizeres isto, então tua luz surgirá como o amanhecer, e tua cura logo chegará; e tua justiça irá adiante de ti; a glória do SENHOR será tua retaguarda.

então tua luz surgirá como o amanhecer – símbolo da prosperidade (Is 58:10; Jó 11:17).

tua cura logo chegará – literalmente, um curativo longo, aplicado por cirurgiões para curar uma ferida (compare Is 1:6). Daí a restauração de todas as calamidades passadas.

tua justiça irá adiante de ti – Tua conformidade com a aliança divina age como um líder, conduzindo-te à paz e prosperidade.

a glória do SENHOR será tua retaguarda – como a coluna de nuvem e fogo, o símbolo da “glória” de Deus, que foi atrás de Israel, separando-os de seus perseguidores egípcios (Is 52:12; Êx 14:19-20). [JFB, Revisar]

9 Então clamarás, e o SENHOR te responderá; gritarás, e dirá: Eis-me aqui; se tirares do meio de ti o jugo, o estender de dedo, e o falar perversidade.

Então clamarás, e o SENHOR te responderá – quando o pecado for renunciado (Is 65:24). Quando o chamado do Senhor, não é escutado, Ele não ouvirá nosso “chamado” (Sl 66:18; Pv 1:24,28; 15:29; 28:9).

o estender de dedo – o dedo do desprezo apontado aos homens piedosos de mente simples. O dedo do meio era muito usado pelos romanos.

o falar perversidade – todo discurso prejudicial [Lowth]. [JFB, Revisar]

10 E se abrires tua alma ao faminto, e fartares à alma afligida; então tua luz nascerá das trevas, e tua escuridão será como o meio-dia.

se abrires tua alma – “comunique a sua própria subsistência” ou “sustento” [Horsley]. “Alma” é figurativo para “aquilo com o qual tu sustentas tua alma” ou “vida”.

luz … na obscuridade – Calamidades serão subitamente sucedidas pela prosperidade (Sl 112:4).

11 E o SENHOR te guiará continuamente, fartará a tua alma mesmo em grandes secas, e fortalecerá teus ossos; e tu serás como um jardim regado, como um manancial de águas, cujas águas nunca faltam.

na seca – (Is 41:17-18). Literalmente, “seca”, isto é, lugares áridos (Maurer)

fazer gordura – em vez disso, “fortalecer” [Noyes]. “Dê-te o livre uso dos teus ossos” (Jerônimo), ou “da tua força” [Horsley].

jardim regado – uma imagem oriental de felicidade.

nunca faltam – hebraico, “não engane”; como correntes que desapontam a caravana que esperavam encontrar a água, como antes, mas a encontraram seca (Jó 6:15-17).

12 E os que de ti procederem edificarão os lugares antes arruinados, e levantarás os fundamentos das gerações passadas; e te chamarão reparador das coisas que se romperam, e restaurador das ruas para se morar.

de ti – teu povo, os israelitas.

velhos lugares residuais – as antigas ruínas de Jerusalém (Is 61:4; Ez 36:33-36).

fundamentos das gerações passadas – isto é, os edifícios que tinham ficado em ruínas, até as suas fundações, por muitas eras; chamado na passagem paralela (Is 61:4), “as antigas desolações”; e na sentença precedente aqui, “os velhos lugares de desperdício”. A restauração literal e espiritual de Israel significa que produzirá resultados abençoados no mundo gentio (Am 9:11-12; At 15:16-17).

ser chamado – apropriadamente: o nome realmente designando o que você fará.

violação – a calamidade com a qual Deus visitou Israel por seus pecados (Is 30:26; 1Cr 15:13).

ruas para se morar – não que os caminhos devessem ser habitados, mas os caminhos que conduziam às suas habitações deveriam ser restaurados; “Caminhos, para morar na terra” (Maurer)

13 Se quanto ao sábado recusares fazer tua vontade no meu santo dia, e chamares ao sábado de agradável, santificado ao SENHOR, e glorioso, e tu o honrares, não seguindo teus caminhos, nem buscando tua própria vontade, falando o que não se deve,

(Is 56:2; Ne 13:15-22). O sábado, mesmo sob a nova dispensação, era obrigatório (Is 66:23).

pé – o instrumento do movimento (compare Pv 4:27); os homens não devem viajar por mero prazer no sábado (At 1:12). Os judeus foram proibidos de viajar mais longe do que o tabernáculo ou templo. Se tu impedes o teu pé de seguir os teus próprios caminhos e “fazer o teu prazer”, etc. (Êx 20:10-11).

meu santo dia – Deus afirma isso como o Seu dia; aceitá-lo para nosso prazer é roubá-lo de si mesmo. Esta é a mesma maneira pela qual o sábado é quebrado; é feito um dia de prazer carnal em vez de “deleite” espiritual.

santificado ao SENHOR – não o predicado, mas o sujeito; “Se chamais o santo dia de Jeová honroso”; se tu o tratas como um dia para ser honrado.

ele – ou então, o sábado.

não fazendo … o próprio caminho – respondendo a, “afaste o teu pé do sábado”.

nem encontrando … prazer – respondendo a, “fazendo o seu prazer”. “Guardar o sábado de maneira ociosa é o sábado de bois e jumentos; passá-lo de maneira jovial é o sabbath do bezerro de ouro, quando o povo se sentou para comer e beber, e se levantou novamente para brincar; mantê-lo em surdina e devassidão é o sabbath de Satanás, o feriado do diabo ”[Bispo Andrewes].

nem falando … palavras – respondendo a, “chame o sábado de prazer … honroso”. As “próprias palavras” do homem o chamariam de “cansaço”; é a natureza espiritual dada de cima que “chama isso de prazer” (Am 8:5; Ml 1:13).

14 então tu te agradarás no SENHOR, e te farei montar sobre as alturas da terra; e te darei sustento com a herança de teu pai Jacó; porque assim a boca do SENHOR falou.

então tu te agradarás no SENHOR. Deus recompensa em espécie, como Ele pune em espécie. Ao nos “deleitarmos” em guardar o “sábado” de Deus, Deus nos dará “deleite” em Si mesmo (Gênesis 15:1; Jó 22:21-26; Salmo 37:4).

te farei montar sobre as alturas da terra. Uma figura de linguagem. Ou seja, eu farei de ti o senhor supremo da terra; a sentença é tirada de um conquistador montado em sua carruagem, e ocupando as colinas e fortalezas de um país (Vitringa). Dt 32:13; Mq 1:3; Hb 3:19. A Judeia era uma terra de colinas; a ideia, portanto, é: “Eu te restaurarei à tua terra” (Calvino). As palavras paralelas “a herança de teu pai Jacó” confirmam isso (Gênesis 27:28-29; 28:13-15). [JFU, 1871]

porque assim a boca do SENHOR falou. – ou seja, se Deus prometeu, se cumprirá (Is 40:5).

<Isaías 57 Isaías 59>

Visão geral de Isaías

Em Isaías, o profeta “anuncia que o julgamento de Deus irá purificar Israel e preparar o seu povo para a chegada do rei messiânico e de uma nova Jerusalém”. Para uma visão geral deste livro, assista ao breve vídeo abaixo produzido (em duas partes) pelo BibleProject.

Parte 1 (8 minutos).

🔗 Abrir vídeo no Youtube.

Parte 2 (9 minutos).

🔗 Abrir vídeo no Youtube.

Leia também uma introdução ao Livro de Isaías.

Adaptado de: Commentary Critical and Explanatory on the Whole Bible. Todas as Escrituras em português citadas são da Bíblia Livre (BLIVRE), Copyright © Diego Santos, Mario Sérgio, e Marco Teles – fevereiro de 2018.