Cântico dos Cânticos

O título completo em hebraico é “O Cântico dos Cânticos, que é de Salomão”, é chamado por alguns de “Cantares” e por outros de “Cântico de Salomão”. O título em hebraico sugere que é o mais seleto de todos os cânticos, em consonância com o dito do rabino ‘Aqiba (90-135 d.C) que diz que “o mundo inteiro, desde o início até agora, não supera o dia em que Cântico dos Cânticos foi dado a Israel.”

Canonicidade

Escritores judeus e cristãos primitivos não mencionam Cânticos. Filo não faz uso dele. Não há citações dele no Novo Testamento, nem referências claras por parte de Jesus ou dos apóstolos. As primeiras referências distintas ao Cântico dos Cânticos são encontradas em escritos judeus dos séculos I e II d.C (4 Esdras 5:2426; 7:26; Ta’anith 4:8). A questão da canonicidade do Cântico dos Cânticos foi debatida até o Sínodo de Jamnia (por volta de 90 d.C.), quando foi decidido que o Cântico dos Cânticos era considerado corretamente como “contaminando as mãos”, ou seja, era um livro inspirado. Vale ressaltar que Cântico dos Cânticos já era considerado um livro sagrado pelos judeus, embora antes do Sínodo de Jâmnia provavelmente houvesse muitos mestres judeus que não o considerassem canônico. Trechos de Cântico dos Cânticos eram cantados em certas festas no Templo de Jerusalém, antes de sua destruição por Tito em 70 d.C (Ta’anith 4:8). A Mishná lança uma anátema sobre todos os que tratam Cântico dos Cânticos como uma canção secular (Sanhedhrin, 101a). A data mais recente para a composição do Cântico dos Cânticos, de acordo com os críticos, é o final do século III a.C. Podemos ter certeza de que ele foi incluído nos Kethubhim (Escritos) antes do ministério de nosso Senhor e, portanto, era parte das Escrituras para Ele.

Autoria e Data

O título no texto hebraico atribui o poema a Salomão. No entanto, é evidente que essa inscrição foi acrescentada por um editor do Cântico dos Cânticos e não pelo autor original, pois o pronome relativo utilizado no título é diferente do empregado ao longo do poema. A beleza e a profundidade do livro pareciam a estudiosos e editores posteriores dignas de um rei talentoso, cuja fama como compositor de provérbios e canções foi transmitida às gerações seguintes (1Reis 4:32). Além disso, o nome de Salomão é proeminente no próprio Cântico dos Cânticos (1:5; 3:7,9,11; 8:11 e seguintes). Se a visão tradicional de que Salomão cortejou e conquistou Sulamita for verdadeira, ainda é possível defender a autoria salomônica, embora o argumento linguístico a favor de uma data posterior seja bastante forte.

Conteúdo exclusivo para assinantes. Clique aqui e conheça todos os benefícios de assinar o Apologeta.

História da Interpretação

A Interpretação Alegórica

Todos os intérpretes de todas as épocas concordam em afirmar que o Cântico dos Cânticos é um poema de amor; no entanto, a identidade dos amantes é um tema de intenso debate, especialmente nos tempos modernos.

A primeira teoria, tanto em termos de tempo quanto de número de adeptos, é aquela que considera o Cântico dos Cânticos uma pura alegoria do amor entre Yahweh e Seu povo. Os rabinos judeus, desde o final do primeiro século d.C. até os dias atuais, ensinaram que o poema celebra um amor espiritual, sendo Yahweh o noivo e Israel a noiva. O Cântico dos Cânticos deveria ser visto como um vívido registro da íntima relação amorosa entre Israel e seu Senhor, desde o êxodo até a feliz era messiânica. Os judeus leem Cânticos na Páscoa, que celebra a escolha de Israel por Yahweh para ser Sua esposa. O Targum interpreta Cântico dos Cânticos como uma alegoria do amor conjugal de Yahweh e Israel. Orígenes popularizou a teoria alegórica na igreja primitiva. Como cristão, ele representava a noiva como a igreja ou a alma do crente. Em séculos mais recentes, os intérpretes cristãos alegóricos têm favorecido a ideia de que a alma do crente é a noiva, embora o outro tipo de interpretação alegórica tenha sempre tido seus defensores.

Bernardo de Claraval escreveu 86 sermões sobre os dois primeiros capítulos do Cântico dos Cânticos; e uma multidão de escritores na igreja romana e entre os protestantes compuseram tratados místicos semelhantes sobre o poema. Almas devotas têm expressado seu amor fervoroso a Deus na imagética sensorial do Cântico dos Cânticos. The imagery could not become too fervid or ecstatic for some of these devout men and women in their highest moments of beatific vision. Seja qual for o veredito final da crítica sobre o propósito original do autor de Cânticos, é um fato que não pode ser negligenciado pelo estudioso do livro que algumas das mais nobres almas religiosas, tanto hebreias quanto cristãs, alimentaram a chama de sua devoção interpretando o Cântico dos Cânticos como uma alegoria.

Qual é a justificativa para a teoria de que o Cântico dos Cânticos é uma alegoria do amor entre Yahweh e Seu povo, ou do amor de Cristo e a igreja, ou ainda do amor da alma do crente e Cristo? Deve ser confessado francamente que não há nenhuma indicação no próprio Cântico dos Cânticos de que seja uma alegoria. Se o leitor moderno do Cântico dos Cânticos nunca tivesse ouvido falar da interpretação alegórica, nada no início, meio ou fim do poema sugeriria à sua mente tal concepção do significado do poeta. Então, como os primeiros intérpretes judeus chegaram a fazer essa interpretação ortodoxa de Cânticos? A resposta não é fácil. Em primeiro lugar, devemos lembrar o fato de que os grandes profetas frequentemente representam o amor mútuo entre Yahweh e Israel sob a simbologia do casamento (Oséias 1-3; Jeremias 3; Ezequiel 16; 23; Isaías 50:1; Isaías 54:5-6). O intérprete hebreu naturalmente esperaria encontrar algum eco dessa ousada imagética na poesia dos Kethubhim. Na Torá, o frequente mandamento de amar a Yahweh poderia sugerir tanto a relação conjugal como a de pai e filho (Deuteronômio 6:5; Deuteronômio 7:7-9; Deuteronômio 7:13; Deuteronômio 10:12; Deuteronômio 10:15; Deuteronômio 30:16; Deuteronômio 30:20), embora seja necessário dizer que a linguagem de Deuteronômio sugere o elevado ensinamento ético e religioso de Jesus no assunto do amor a Deus, onde o aspecto sexual não aparece.

Cheyne sugere (EB, I, 683 f) que o Cântico dos Cânticos era tão alegre que os judeus, após a destruição de Jerusalém, não o utilizaram em seu sentido natural, e por isso o consagraram por meio da interpretação alegórica. Essa sugestão pode conter um elemento de verdade.

É um fato interessante que o Livro dos Salmos tem poucas expressões em que se exprime amor a Yahweh (Salmos 31:23; Salmos 97:10; Salmos 145:20; compare com Salmos 18:1; Salmos 42:1; Salmos 63:1). Nesse manual de devoção, poderíamos esperar encontrar a expansão da imagem do casamento como expressão da relação da alma com Deus; no entanto, procuramos em vão por tal poema, a menos que o Salmo 45 seja passível de interpretação alegórica. Mesmo essa bela canção de amor e casamento não contém a imagética altamente sensual encontrada no Cântico dos Cânticos.

Estudiosos cristãos encontraram facilidade em seguir os intérpretes judeus alegóricos; pois a figura do casamento é usada no Novo Testamento tanto por Paulo quanto por João para representar a união íntima e vital de Cristo e Sua igreja (2Coríntios 11:2; Efésios 5:22-33; Apocalipse 19:7-9; Apocalipse 21:2; Apocalipse 21:9).

O corpo inteiro dos verdadeiros crentes é concebido como a noiva de Cristo. Naturalmente, a pureza da igreja é manchada pelo comportamento impuro dos indivíduos que a compõem. Daí o apelo aos indivíduos e às igrejas locais para viverem vidas puras (2Coríntios 11:1). Para o crente solteiro, o Senhor Jesus ocupa o lugar do marido ou esposa como a pessoa que mais se deseja agradar (1Coríntios 7:32 e seguintes). Não é difícil entender como a imagética fervorosa e sensual do Cântico dos Cânticos poderia apelar à mente de um homem como Orígenes como um meio apropriado para expressar seu fervoroso amor por Cristo.

Uma investigação sensata não encontra justificativa suficiente para a interpretação alegórica do Cântico dos Cânticos. As páginas dos comentaristas místicos estão repletas de interpretações e conceitos artificiais. Muitos deles praticam uma familiaridade com Cristo que não encontra paralelo na literatura devocional bíblica.

A Interpretação Típica

A maioria dos intérpretes alegóricos não viu base histórica no Cântico dos Cânticos. Salomão e a Sulamita são apenas figuras por meio das quais Deus e Seu povo, ou Cristo e a alma, podem expressar seu amor mútuo. Em tempos modernos, surgiram intérpretes que consideram o Cântico dos Cânticos principalmente como a expressão de um forte e apaixonado amor humano entre Salomão e uma bela moça, mas, por causa da relação típica da antiga dispensação, secundariamente, como uma representação adequada do amor de Cristo e a igreja.

Essa interpretação típica moderna foi preparada por Lowth (Sacred Poetry of the Hebrews, Lectionaries XXX, XXXI) em sua visão alegórica modificada, que é descrita pelo Canon Driver: “O Bispo Lowth, embora não tenha abandonado a visão alegórica, buscou libertá-la de suas extravagâncias; e ao recusar enfatizar detalhes, ele considerou que o poema, enquanto descrevendo as núpcias reais de Salomão com a filha do Faraó, também continha uma referência alegórica a Cristo unindo-se a uma igreja escolhida entre os gentios” (LOT, 451). Poucos intérpretes têm seguido Teodoro de Mopsuéstia e Lowth em sua visão de que o Cântico dos Cânticos celebra o casamento de Salomão com uma princesa egípcia; e a noção de Lowth de uma referência ao casamento de uma igreja escolhida entre os gentios é uma das curiosidades da crítica. Entre os intérpretes típicos, Delitzsch é talvez o mais habilidoso.

Os comentaristas típicos são superiores aos alegóricos em seu reconhecimento do Cântico dos Cânticos como a expressão do amor mútuo entre duas pessoas. A aplicação adicional da linguagem a Yahweh e Seu povo (Keil), ou a Cristo e a igreja (Delitzsch), ou a Deus e a alma (Moses Stuart) torna-se, em grande parte, uma questão de gosto individual, com os intérpretes diferindo muito nos detalhes.

A Interpretação Literal

Os intérpretes judeus foram desencorajados de fazer uma interpretação literal do Cântico dos Cânticos pela anátema na Mishná contra todos os que tratassem o poema como uma canção secular (Sanhedhrin, 101a). Cheyne diz de Ibn Ezra, um grande estudioso judeu medieval, que “ele é tão rigoroso em sua exegese literal que é duvidoso se ele está falando sério quando começa a alegorizar”. Entre os estudiosos cristãos, Teodoro de Mopsuéstia interpretou Cântico dos Cânticos como uma canção em celebração ao casamento de Salomão e a filha do Faraó. Essa interpretação estritamente literal do Cântico foi condenada no segundo concílio de Constantinopla (553 d.C.). Pelos próximos mil anos, a teoria alegórica reinou supremamente entre os intérpretes cristãos. Em 1544, Sebastian Castellio revivou a teoria literal de Cânticos, embora a visão alegórica permanecesse dominante até o século XIX.

Herder, em 1778, publicou um notável tratado intitulado “Lieder der Liebe, die altesten und schonsten aus dem Morgenlande”, no qual ele propôs a teoria de que Cântico dos Cânticos é uma coleção de canções eróticas independentes, cerca de 21 no total, que foram arranjadas por alguém para traçar “o crescimento gradual do verdadeiro amor em suas várias nuances e estágios, até encontrar sua consumação no casamento” (Cheyne). Mas o maior e mais influente defensor da interpretação literal do Cântico dos Cânticos foi Heinrich Ewald, que publicou a primeira edição de seu comentário em 1826. Foi Ewald quem primeiro desenvolveu e popularizou a teoria de que dois pretendentes disputam a mão da Sulamita, um sendo um pastor pobre e o outro um sábio e rico rei. No Cântico, ele atribui a Salomão os versos 1:9-11,15; 2:2; 4:1-7; 6:4-13 (citando o diálogo entre a Sulamita e as damas da corte em 6:10-13); 7:1-9. Ao pastor, ele atribui poucos versos, e estes são repetidos pela Sulamita em seus relatos de encontros imaginários ou reais com seu amado. Nos seguintes trechos, supõe-se que o amante descrito seja pastor a quem a Sulamita havia prometido fidelidade: 1:2-7,9-14; 1:16-2:1; 2:3-7,8-17; 3:1-5; 4:8-5:1; 5:2-8; 5:10-16; 6:2 e seguintes; 7:10-8:4; 8:5-14. O pastor está supostamente presente nos sonhos da Sulamita, e em seus momentos de vigília ela está sempre pensando nele e descrevendo para si mesma e para os outros os seus muitos encantos. Somente na cena final (Cânticos 8:5-14) Ewald apresenta o pastor como um ator no drama. Ewald tinha uma imaginação imponente e uma certa força de espírito e dignidade de caráter que o impediram de arrastar para a lama qualquer parte da literatura bíblica. Embora rejeitando inteiramente a teoria alegórica do Cântico dos Cânticos, ele ainda atribuía a ele uma qualidade ética que tornava o poema digno de estar no Antigo Testamento. Um drama em louvor à fidelidade entre humanos apaixonados pode muito bem ocupar um lugar ao lado de Eclesiastes e Provérbios no Cânone. Nem mesmo Salomão em toda a sua glória conseguiu persuadi-la a se tornar sua rainha.

No final do século 19, a unidade do Cântico dos Cânticos foi questionada de forma mais intensa. Em 1873, o cônsul prussiano em Damasco, J. G. Wetzstein, apresentou um relato sobre os costumes dos camponeses sírios em relação aos casamentos, em um artigo na revista “Zeitschrift fur Ethnologie” de Bastian, 270 e seguintes, intitulado “Die syrische Dreschtafel”, no qual ele ilustrou o Antigo Testamento com os costumes sírios modernos. Driver descreve os costumes que são supostos lançar luz sobre o Cântico dos Cânticos da seguinte forma: “Na Síria moderna, os primeiros sete dias após um casamento são chamados de ‘semana do rei’; o jovem casal brinca durante esse período de rei e rainha; a ‘tábua de debulha’ é transformada em um trono fictício, onde eles se sentam, enquanto canções são cantadas diante deles pelos aldeões e outros, celebrando sua felicidade, entre as quais o ‘watsf’, ou descrição poética da beleza física da noiva e do noivo, tem um lugar de destaque. O primeiro desses ‘watsfs’ é cantado na noite do próprio dia do casamento: brandindo uma espada nua em sua mão direita e com um lenço na esquerda, a noiva dança em seu traje de casamento, iluminada por fogueiras e rodeada por um círculo de convidados, metade homens e metade mulheres, acompanhando sua dança com um ‘watsf’ em louvor aos seus encantos” (LOT, 452). Wetzstein sugeriu que Cântico dos Cânticos foi composto pelas canções de casamento cantados durante “a semana do rei”. Essa teoria foi mais elaborada por Budde em um artigo na revista “New World”, em março de 1894, e em seu comentário (1898). Segundo Budde, o noivo é chamado de Rei Salomão, e a noiva, de Sulamita. Os companheiros do noivo são os 60 valentes que formam sua escolta (Cânticos 3:7). Como noiva, a jovem é chamada de “a mais bela das mulheres” (Cânticos 1:8; Cânticos 5:9; Cânticos 6:1). As imagens da felicidade conjugal são cantadas pelos homens e mulheres presentes, e as palavras são atribuídas à noiva e ao noivo. Assim, as festividades continuam ao longo da semana. A teoria de Budde tem algumas vantagens em relação à visão de Ewald de que o poema é um drama; no entanto, a perda em qualidade moral é considerável; o livro se torna uma coleção de cantos de casamento em louvor às alegrias do matrimônio.

Considerações e Sugestões Finais

Após dedicar muita atenção ao Cântico dos Cânticos nos últimos 15 anos, o autor deste artigo deseja registrar algumas de suas opiniões e impressões.

(1) Cânticos é poesia lírica com toques do espírito dramático. Não pode ser classificado propriamente como drama, pois os hebreus não tinham um palco, embora grande parte do Antigo Testamento seja de natureza dramática. As descrições dos encantos dos amantes deveriam ser cantadas ou entoadas.

(2) A quantidade de tem que ser lida nas entrelinhas  pelos defensores das várias teorias dramáticas é tão grande que, na ausência de qualquer indicação clara no corpo do livro, certeza razoável nunca pode ser alcançada.

(3) A tradução correta do refrão em Cânticos 2:7 e 3:5 (compare com Cânticos 8:4) é importante para entender o propósito de Cantares. Deve ser interpretado da seguinte forma:

“Filhas de Jerusalém, jurem pelas gazelas e pelas corças selvagens que vocês não acordarão nem despertarão o amor, até que este o queira.” (NAA)

O amor entre homem e mulher não deve ser despertado por estímulos artificiais, mas deve ser livre e espontâneo. Em Cânticos 8:4, parece estar implícito que as mulheres da capital são culpadas de empregar artimanhas para despertar o amor:

“Eu vos conjuro, ó filhas de Jerusalém,
Por que despertar o amor,
Até que ele o queira?”

Que esse refrão está em harmonia com o propósito do escritor fica claro pelas palavras marcantes perto do final do livro:

“Ponha-me como selo sobre o seu coração, como selo sobre o seu braço, porque o amor é tão forte como a morte, e o ciúme é tão duro como a sepultura. As suas chamas são chamas de fogo, são labaredas enormes. Ct 8:7 As muitas águas não poderiam apagar o amor, nem os rios, afogá-lo. Ainda que alguém oferecesse todos os bens da sua casa para comprar o amor, receberia em troca apenas desprezo.” (Canticos 8:6-7, NAA).

(4) Cânticos revela todas as intimidades da vida conjugal sem se tornar obsceno. As imagens são muito sensoriais para o nosso gosto em terras ocidentais, portanto, palavras de cautela são frequentemente oportunas, para que o sensorial não degenerar em sensualidade; mas vários estudantes sírios e palestinos, a quem tive o privilégio de ensinar, me disseram que Cânticos é considerado bastante casto entre o povo deles, sendo as canções de casamento atualmente usadas mais detalhadas em suas descrições dos encantos físicos dos amantes.

(5) Cânticos de forma alguma é excluído do Cânone pela aceitação da interpretação literal. A teoria de Ewald o torna um tratado ético de grande e permanente valor. Mesmo que Cantares seja apenas uma coleção de canções descrevendo a felicidade dos verdadeiros amantes no casamento, isso não o torna indigno de um lugar na Bíblia, a menos que o casamento seja considerado como uma queda de um estado de inocência. Se Cantares fosse rejeitado por causa de sua imagética sensorial ao descrever as alegrias de amantes apaixonados, também teríamos que excluir partes de Provérbios (Provérbios 5:15-20). Talvez a maioria das pessoas precise ampliar sua concepção da Bíblia como um repositório de tudo o que contribui para o bem-estar dos seres humanos. A gama completa das alegrias legítimas do homem encontra descrição simpática e apreciativa na Bíblia. Dois jovens que se amam no Paraíso não precisam temer se encontrar com seu Criador, caso Ele os visite no frescor do dia. [J. R. Sampey; Orr, 1915]

Anthony S. Aglen (1836-1908), reverendo anglicano, escreveu vários comentários para o Old Testament Commentary for English Readers, editado por Charles Ellicott.
Conteúdo exclusivo para assinantes. Clique aqui e conheça todos os benefícios de assinar o Apologeta.